Issuu on Google+

MANUAL DE ATRIBUIÇÕES DAS FUNÇÕES DE APOIO

GUARAPUAVA MARÇO DE 2014

1


CURSOS TÉCNICOS PROFISSIONALIZANTES DE NIVEL MÉDIO

DOCUMENTO ORIENTADOR: Ofício Circular nº 14/2013 – DET-SEED

DISPOSIÇÕES PRELIMINARES O Departamento de Educação e Trabalho (DET) da Secretaria do Estado de Educação prevê através de suas Diretrizes – Ciência, Trabalho, Cultura e Tecnologia - um ensino profissionalizante integrado, contextualizado e tecnológico. Para tanto, o trabalho de apoio pedagógico realizado entre Docentes, Pedagogos, Coordenadores de Curso e de Estágio e Suporte Técnico deverá visar à articulação dos diferentes saberes escolares ao desenvolvimento de competências para o mundo do trabalho. INSTRUÇÕES Características dos Profissionais de Apoio Pedagógico - Ser graduado na área específica; - Ser ético, com firmeza nas ações decidindo as questões de forma clara e justa; - Ter espírito de cooperação e integração; - Dominar tecnologias digitais e inerentes a seu curso; - Ter experiência docente; - Apresentar bom convívio e relacionamento com os demais membros da comunidade escolar. Atribuições dos Profissionais de Apoio Pedagógico - Compete ao Coordenador de Curso dos Cursos Técnicos de Nível Médio: 1. Conhecer as Diretrizes Curriculares Nacionais e Estaduais para Educação Profissional, Plano de Curso, PPP e Regimento Escolar; 2. Acompanhar a efetivação do Plano de Curso; 3. Orientar, analisar e acompanhar com o Pedagogo o processo de elaboração do PTD; 4. Indicar e sugerir aos Docentes em articulação com a Equipe Pedagógica metodologias de ensino e recursos didáticos apropriados; 5. Em parceria com a Equipe Pedagógica, promover e articular reuniões pedagógicas e grupos de estudo; 2


6. Incentivar a realização de Docentes e Discentes em palestras, seminários, visitas técnicas pertinentes ao curso; 7. Proceder, em articulação com a equipe pedagógica análise de dados do aproveitamento escolar; 8. Participar do Conselho de Classe e procurar em parceria com a Equipe Pedagógica garantir a efetivação das propostas de intervenção; 9. Acompanhar, em articulação com a Equipe Pedagógica, o processo de Avaliação Institucional do Curso e da Instituição; 10. Articular junto a Coordenação de Estágio, novas parcerias para convênio e concessão de estágio; 11. Acompanhar e avaliar as atividades de estágio não-obrigatório. 12. Acompanhar o planejamento e a execução dos Trabalhos de Conclusão de Curso (quando houver); 13. Articular parcerias para cooperações técnicas; 14. Organizar reuniões com os alunos para apreciar as necessidades do curso, dirimir questões sobre conteúdos, horários de aula inclusive com informações sobre o mundo do trabalho; 15. Incentivar o uso de biblioteca, laboratórios e recursos tecnológicos. - Compete ao Coordenador de Estágio de Cursos Técnicos de Nível Médio: 1. Em conjunto com os Docentes, Coordenador de Curso e Supervisor de Estágio, elaborar normas e atividades de estágio; 2. Buscar parcerias com instituições públicas e privadas abrindo campos de estágio; 3. Elaborar e intermediar convênio para concessão de Estágio; 4. Coordenar e executar a execução do Plano de Estágio; 5. Elaborar e definir junto com o Supervisor de Estágio o cronograma de distribuições de alunos em campo de estágio; 5. Manter permanente contato (físico, telefone, e-mail) com os supervisores responsáveis pelo estágio da parte Concedente; 6. Coordenar e acompanhar com compromisso do aluno estagiário;

o

Supervisor

o

desempenho

e

7. Coordenar e participar com o Supervisor de Estágio de reuniões de avaliação do estágio; 8. Coordenar a confecção de impressos de acompanhamentos (ficha); 3


9. Providenciar credenciamento do estagiário para o ingresso nas empresas; 10. Informar e orientar a instituição Concedente quanto à Legislação e Normas de Estágio. - Compete ao Supervisor de Estágio de Cursos Técnicos de Nível Médio: 1. Em conjunto com Docentes, Coordenador de Curso e Coordenador de Estágio elaborar normas e atividades do estágio; 2. Elaborar com o Coordenador de Estágio o Plano de Estágio e cronograma de atividades; 3. Elaborar um plano de atividades do estágio, delimitando o que pode ser desenvolvido pelos alunos, apresentá-los à Concedente de Estágio e supervisor “in loco”. 4. Orientar os estagiários quanto às normas inerentes aos estágios e legislação vigente; 5. Orientar os estagiários sobre a importância da articulação dos conteúdos aprendidos à prática, a elaboração do Plano Individual de Estágio, relatórios e atividades permanentes; 6. Orientar os estagiários quanto às condições de realização de estágio, local, procedimentos, ética, responsabilidades, comprometimento, etc.; 7. Analisar as atividades desenvolvidas pelos alunos orientando-os quando necessário; 8. Controlar e registrar a frequência e o desempenho dos alunos nas atividades de estágio; 9. Zelar pelo cumprimento rigoroso do cronograma de estágio; 10. Comunicar alterações no cronograma ao Coordenador de Estágio; 11. Realizar avaliação final dos alunos estagiários e das atividades desenvolvidas; 12. Colaborar para manter ambiente agradável e ético com as equipes envolvidas no estágio, tanto da parte Concedente quanto da instituição de ensino; 13. Conscientizar os estagiários quanto à prevenção de acidentes; 14. Zelar e colaborar pela manutenção dos campos de estágio; 15. Orientar e incentivar o zelo pelos materiais e locais utilizados na realização do estágio. 16. Promover encontros de avaliação e controle de atividades com os estagiários; 4


17. Encaminhar ao final de cada período avaliativo (bimestre, trimestre, semestre) as fichas de acompanhamento das atividades, avaliação e frequência à Coordenação de Estágio para arquivo na pasta individual do aluno; 18. Efetivar a práxis, trazendo para o corpo docente situações do estágio. - Compete ao Suporte Técnico de Cursos Técnicos de Nível Médio: 1. Elaborar, cumprir e fazer cumprir com os Docentes e Coordenadores, o Regulamento e Normas Aplicadas aos Laboratórios; 2. Apresentar aos alunos o Regulamento e Normas Aplicadas aos Laboratórios; 3. Catalogar e manter atualizados e organizados todos os arquivos relacionados aos materiais e equipamentos dos laboratórios; 4. Solicitar e encaminhar para conserto os materiais e equipamentos sempre que houver necessidade; 5. Ter ciência do PTD para assegurar não divergências na execução dos experimentos, garantido a práxis; 6. Solicitar a programação da aula antecipada aos professores coordenadores bem como materiais para execução de experimentos;

e

7. Prestar apoio nas atividades de ensino de acordo com a programação do conteúdo; 8. Orientar, auxiliar e acompanhar professores e alunos na utilização de recursos tecnológicos.

Guarapuava, 10 de março de 2014. Equipe de Educação Profissional

5


Atribicoes