Page 1

LINGUAGEM VISUAL Revista

Elemenros Básicos da Linguagem Visual

Linha, ponto, movimento, escala, dimensão, textura, cor, tom e forma Contraste e Semelhança Técnicas Visuais Mensagem Visual Representação, abstração e Símbolismo

Gestalt Unidade Segregação Fechamento Continuidade Proximidade Semelhança Pregnância da forma

Cor e Comunicação A cor na identidade visual A cor na embalagem A cor na direção de arte

DESIGN GRÁFICO junho/2014


Elementos Básicos da Comunicação Visual ‘’Sempre que alguma coisa é projetada e feita, esboçada e pintada, desenhada, rabiscada, construída, esculpida ou gesticulada, a substância visual da obra é composta a partir de uma lista básica de elementos. Não se devem confundir os elementos visuais com os materiais ou o meio de expressão, a madeira ou a argila, a tinta ou o filme. Os elementos visuais constituem a substância básica daquilo que vemos, e seu número é reduzido: o ponto, a linha, a forma, a direção, o tom, a cor, a textura, a dimensão, a escala e o movimento. Por poucos que sejam, são a matéria-prima de toda informação visual em termos de opções e combinações seletivas. A estrutura da obra visual é a força que determina quais elementos visuais estão presentes, e com qual ênfase essa presença ocorre.’’

DONDIS, Donis A. A sintaxe da linguagem visual


Linha A linha constitui-se de uma sequência de pontos. Pode ser reta ou curva. A linha curva expressa suavidade, gradação, flexibilidade e existe abundantemente na natureza. Já a linha reta, angulosa, surge mais como resultado da ação humana e sua produção técnica.

Ponto O ponto é o começo de tudo. O ponto gráfico é a base da linguagem visual. Simboliza a existência de algo sobre o nada. Expressa também demarcação, ou seja, literalmente, pontuação de algo importante. O ponto é um ótimo recurso gráfico para quando precisamos chamar a atenção do expectador para algum… ponto específico num trabalho de comunicação visual qualquer


Movimento O movimento na comunicação visual pode ser obtido através de vários recursos, porém todos estão associados à repetição de alguns elementos – ou seja, ao ritmo com o qual são repetidos.

Escala A proximidade de elementos em diferentes tamanhos associados seja pela forma, ou pela cor, ou por ambas, como no caso ao lado – passa uma forte idéia de escala pela possibilidade de comparação que permitem.

Dimensão A dimensão existe no mundo real. Não só podemos senti-la, mas também vê-la. Mas em nenhuma das representações bidimensionais da realidade, como o desenho, a pintura, a fotografia, o cinema e a televisão, existe um dimensional real, ela é apenas implícita. A perspectiva tem fórmulas exatas, com regras múltiplas e complexas. Recorre à linha para criar efeitos, mas sua intenção final é produzir uma sensação de realidade.


Textura A textura é um recurso amplamente utilizado na comunicação visual como simulação de materiais diversos na impressão em papel – e em outros veículos . Assim como as cores, a textura sugere um forte envolvimento emocional com a real sensação de se estar na presença do material simulado.

Cor As cores conferem intensa carga emocional à forma. Cada cor possui uma dramatização própria – muitas vezes chamada de psicologia das cores – e normalmente está associada a algum tema específico. Por exemplo o verde está muito relacionado à natureza e atualmente, a temas ecológicos. O amarelo está relacionado amplamente ao sol e ao ouro; à riqueza..


Tom O tom relaciona-se com contraste, explicado mais detalhadamente no fim deste artigo. O tom é expressado pelo grau de intensidade de um preenchimento – preto ou colorido – e está intrinsecamente fundamentado na relação luz e sombra.

Forma A forma, ou plano, é formada pela união de várias linhas dispostas de forma a contornarem um espaço vazio, como se vê na figura ao lado. A forma delimita e separa um espaço então interno, de um espaço externo, infinito.


Contraste O contraste merece um espaço próprio porque na verdade ele é a base de toda comunicação visual. Contraste significa fundalmente distinção. É a distinção de um elemento em relação a outro. Na linguagem visual, o contraste se encontra essencialmente sob as seguintes formas: Equilíbrio – Tensão Nivelamento – Aguçamento Atração – Agrupamento Positivo – Negativo É em relação a última forma listada que o contraste se encontra e é trabalhado mais frequentemente na comunicação visual. O contraste positivo/negativo é a propriedade visual que permite a distinção dos elementos em relação ao espaço circundante devido à diferença entre seus tons de luz. Para ser percebido, ou distinguido do entorno com nitidez máxima, o elemento, normalmente em tom positivo, terá que estar em meio a um entorno negativo. É o caso do quadrado na primeira figura ao lado – esta em alto contraste, ou contraste máximo - em que o quadrado só é percebido porque está num tom (preto) inverso ao do entorno (branco). Quanto mais opostamente intenso o grau de intensidade de um preenchimento em relação ao espaço sob o qual se encontra, maior será o contraste. É o caso da Segunda figura que representa o máximo contraste que podemos obter – o preto sobre branco, em relação à segunda figura, em baixo contraste, mais abaixo:

Equilíbrio e Tensão A mais importante influência tanto psicológica como física sobre a percepção humana é a necessidade que o homem tem de EQUILÍBRIO. Equilíbrio É a referência visual mais forte e firme do homem. O processo de estabelecer o eixo vertical e a base horizontal atrai o olho com maior intensidade para ambos os campos Processo denominado “Eixo Sentido” Eixo Sentido Todos os padrões visuais têm um centro de gravidade que pode ser tecnicamente calculável. Nenhum método de calcular é tão RÁPIDO,

Elementos da linguagem visual Contraste

Abaixo está uma figura de pouco contraste devido à diferença de tonalidade de cinza do quadrado em relação ao fundo, também cinza, porém levemente mais claro:

Elementos da linguagem visual Baixo contraste

EXATO e AUTOMÁTICO quanto o sensointuitivo de equilíbrio inerente às percepções do homem. Para o emissor e o receptor da informação visual, a falta de equilíbrio e regularidade é um fator de desorientação/tensão. A desorientação ou seja falta de TENSÃO. e Equilíbrio é o meio visual mais eficaz para criar um efeito a resposta da mensagem. Efeito que tem um potencial direto de transmitir a informação visual.


Ela

é ne

mb

oa n

em

ruim

ízo d

ev a lo

TE

.

SÃ TEN

O

oh

áp

or

que

atr

ib ru

i r ju

Em formas mais complexas, também estabelecemos o eixo sentido, pois sempre o olho busca este equilíbrio. A área do eixo de qualquer campo é sempre aquilo que olhamos primeiro, é onde esperamos ver alguma coisa.

não

NS

ÃO

.

Um raio em ponta no interior de um círculo provoca uma maior tensão visual porque o raio não se ajusta ao "eixo visual" invisível, perturbando, portanto, o equilíbrio. O elemento visual que mais atrairá a atenção do espectador será sempre o inesperado, o mais irregular e instável.

stá no modo , seu valor e o çã p e rc e p Na teoria da municação visual. como é usado na co

Equilibrio Tensão

Nivelamento e Aguçamento Estabilidade e harmonia são pólos opostos do que é inesperado e do que cria tensão em uma composição. Na psicologia da forma esses opostos são chamados nivelamento e aguçamento. Uma demonstração simples de nivelamento seria um ponto no centro de um retângulo, essa composição é certamente equilibrada e harmoniosa, colocando esse ponto no canto superior direito teríamos um aguçamento mostrando claramente a tensão e falta de equilíbrio na composição, tanto o nivelamento como aguçamento tem clareza de intenção e são facilmente entendidos.

Nivelamento

Aguçamento


Técnicas Visuais Fornecem subsídios valiosos para procedimentos criativos com relação à concepção de trabalhos e desenvolvimento de projetos de qualquer natureza. As técnicas visuais oferecem ao designer uma grande variedade para expressão visual do conteúdo. existem como polaridades de um continum, ou como abordagens desiguais e antagônicas do significado

Simplicidade Baixo número de informações/unidades visuais. Leitura rápida e de fácil assimilação. Organizações formais fáceis de serem assimiladas, lidas e compreendidas. - Técnica visual associada principalmente às técnicas de minimidade e clareza. - Também pode estar associada, excepcionalmente, a objetos complexos, desde que estes apresentem uma configuração formal bem organizada visualmente.

Clareza Facilidade de leitura e rapidez na decodificação. Compreensão imediata. Manifestações visuais bem organizadas, unificadas, e, portanto, harmoniosas e equilibradas. - Decodificação e compreensão imediata do todo. - Pode se manifestar independente da quantidade de unidades formais.


Atração e Agrupamento Força de atração nas relações visuais. Um ponto isolado em um campo relaciona-se com o todo. Quanto maior sua proximidade, maior será sua atração. Outra lei do agrupamento se refere a similaridade. Na linguagem visual os opostos se repelem, mas o semelhantes se atraem.

Agrupamento por semelhança

Agrupamento por proximidade

Aguçamento

Positivo e Negativo Não se referem absolutamente à obscuridade e luminosidade. O que domina o olho na experiência visual seria visto como elemento positivo e como elemento negativo, consideramos tudo aquilo que se apresenta de forma mais passiva. Há outros exemplos de fenômenos psicofísicos da

visão, que podem ser utilizados para compreensão da linguagem visual. O que é maior parece mais próximo dentro do campo visual. Elementos claros sobre fundo escuro parecem expandir-se, ao passo que elementos escuros sobre fundo claro parecem contrair-se.


Coerência Organização e compatibilidade de estilo de linguagem formal. Utilização de linguagens visuais harmoniosas, nas partes ou no todo compositivo. - Geralmente, os objets apresentam resultados formais articulados, integrados e harmônicos.

Mensagem Visual Podemos expressar e receber mensagens visuais a três níveis:  Representação  Abstração  Símbolismo

Representação - É o que vemos e identificamos baseados no meio ambiente e na experiência, a realidade é a experiência visual básica. Quanto mais representacional, mais especifica é, ou seja, é uma comunicação forte e direta dos detalhes.

" A visão é o único elemento necessário á compreensão visual." Dondis A Donis


Abstração - O começo do processo de abstração ignora os detalhes irrelevantes,

" Em termos visuais a abstração é uma simplificação que busca um significado mis intenso e condensado." Dondis A Donis

Simbolismos- Significa identificavel ou não.Abstração pura- Sem referências dos meios ambientes. Simbolismo - São sistemas de simbolos codificados criados arbitrariamente pelo homem com atribuição de significados.

Quanto mais abstrata, mais geral e abrangente é.uma redução do que vemos até ao básico e elementar.

" A percepção humana elimina os detalhes superficiais." Dondis A Donis


Gestalt A arte se funda no princípio da pregnância da forma. A psicologia da Gestalt foi fundada por pensadores alemães como Max Wertheimer, Wolfgang Kohler e Kurt Koffka e foca em como as pessoas interpretam o mundo. A perspectiva da Gestalt se formou em parte como resposta ao estruturalismo de Wilhelm Wundt que se concentrou em quebrar os eventos e experiências mentais aos menores elementos. Max Wertheimer observou que seqüências rápidas de eventos e percepções tais como linhas de luzes piscando criam a ilusão de movimento, mesmo quando não há nenhum. Isso é conhecido como o fenômeno phi. As imagens em movimento são baseadas neste princípio, ou seja, numa série de imagens aparecendo rápida e sucessivamente para dar forma a uma experiência visual contínua. De acordo com a psicologia da Gestalt, o todo é diferente da soma de suas partes. Com base nesta crença, psicólogos da Gestalt desenvolveram um conjunto de princípios para explicar a organização perceptiva, ou a forma como a mente agrupa pequenos objetos para formar outros maiores. Estes princípios são muitas vezes referidos como as "leis da organização perceptiva.

de "leis", um termo mais preciso seria "princípios" Estes princípios são muito parecidos com heurísticas, que são atalhos mentais para resolver problemas. Leis ou princípios da Gestalt - Percepção da forma Você já notou como uma série de luzes piscando parecem estar em movimento? De acordo com a psicologia da Gestalt, esse movimento aparente acontece porque nossas mentes preenchem a falta de informação. No caso das luzes, o apagar de uma luz com o imediato acender da próxima luz está para a nossa mente como se a primeira luz tivesse se deslocado da primeira posição para a segunda, o que é interpretado como se a primeira luz nunca tivesse se apagado e na verdade, tivesse simplesmente se deslocado de sua posição inicial para a posição da segunda lâmpada. Esta crença de que o todo é maior do que a soma das partes individuais levaram à descoberta de vários fenômenos diferentes e ao mesmo tempo muito relacionados entre si que ocorrem durante a percepção:

No entanto, é importante notar que enquanto os psicólogos da Gestalt chamam esses fenômenos Unidade Uma unidade pode ser um elemento ou um todo feito de elementos, isto é um conjunto de mais elementos que tenha unidade em si. As unidades que formam um todo são percebidas através de relações entre os elementos que as compõem.

Segregação Segregação significa a capacidade perceptiva de separar, identificar, evidenciar ou destacar unidades formais em um todo ou em partes deste todo.


Unificação Consiste na igualdade ou semelhança dos estímulos produzidos pelo campo visual, pelo objeto. A unificação se verifica quando os fatores de harmonia, equilíbrio e ordenação visual e coerência da linguagem ou estilo formal das partes ou do todo estão presentes no objeto ou composição.

Fechamento Obtém-se a sensação de fechamento visual da forma pela continuidade numa ordem estrutural definida, ou seja, por meio de agrupamentos de elementos de maneira a constituir uma figura total mais fechada ou mais completa.

Continuidade A boa continuidade é a impressão visual de como as partes se sucedem através da organização perceptiva da forma de modo coerente, sem quebras ou interrupções na sua trajetória ou na sua fluidez visual.

Proximidade Elementos ópticos próximos uns dos outros tendem a ser vistos juntos e a constituírem um todo ou unidade dentro de um todo.

Semelhança A igualdade de forma e de cor desperta também a tendência de se construir unidades, de estabelecer agrupamentos de partes semelhantes.


Pregnância da forma A pregnância é a lei básica da percepção visual da gestalt e é definida: “Qualquer padrão de estímulo tende a ser visto de tal modo que a estrutura resultante é tão simples quanto o permitam as condições dadas”. “As forças de organização da forma tendem a se dirigir tanto quanto o permitam as condições dadas, no sentido da harmonia e do equilíbrio visual”. Uma boa pregnância pressupõe que a organização formal do objeto, no sentido psicológico, tenderá a ser sempre melhor possível do ponto de vista estrutural.

A Cor na Identidade Visual Em conjunto com a forma, a cor é um elemento fundamental na construção da identidade visual de uma empresa ou produto. A cor transmite diversos significados e mensagens, portanto deve ser cuidadosamente escolhida para que tenha um efeito positivo no reconhecimento da marca pelo consumidor. A informação da cor é percebida por meio da visão, que recebe o estímulo do feixe de luz na retina e é pré-processada no nervo óptico que envia a informação para o sistema nervoso. Estudos comprovam a influência das cores no comportamento emocional e físico. Algumas têm efeito estimulante, já outras têm um aspecto negativo e há as que são neutras, sem associação com sentimentos, como o azul, que por esse motivo é uma das cores mais utilizadas em empresas. Entre seus significados estão a estabilidade, confiança, conhecimento, poder e seriedade. Para a definição do swatch de cores do projeto o principal item a ser considerado é a mensagem e o conceito que a empresa quer passar a seus clientes. A seguir, alguns exemplos de aplicação de cores em identidade visual.


Logotipo Linhas Aéreas Azul Estabilidade, confiança e seriedade são os principais itens que o cliente procura quando escolhe uma companhia aérea para fazer uma viagem. A Azul Linhas Aéreas Brasileiras tem como proposta oferecer vôos diários com qualidade nos serviços prestados a preços acessíveis e essa mensagem também é transmitida pelas cores aplicadas na identidade visual.

Logotipo Mc Donald’s As cores presentes na identidade visual da lanchonete Mc Donald’s, transmitem diversas sensações, onde o amarelo e o vermelho são cores quentes e vibrantes que geram ansiedade e essa combinação é estimulante para o apetite. As cores mostram também o conceito de fast food, que é um local para uma refeição rápida, onde a exposição a essa combinação se torna desconfortável se for por um período prolongado.

A Cor na Embalagem

De todos os elementos visuais de uma embalagem, a cor é o mais importante, porque é o estímulo que mais rápido chega ao cérebro, atinge o subconsciente e afeta o sistema nervoso central das pessoas. Assim, olhar uma cor não é um fenômeno passivo, ao contrário, é ativo e influência na decisão de compra. As cores tem o dom de atrair ou afastar as pessoas dos produtos. Cria associações e sensações, positivas ou negativas. Em resumo, as cores não são apenas uma expressão artística e o bom design de embalagem deve levar em conta suas leis.


Além da arte:

esquema de cores não está sujeito a modismos.

- O Círculo das cores, que à partir das cores primárias ( azul, vermelho e amarelo ) permite obter por combinação entre elas, todo o espectro visível ( arco-iris ), que somadas ao branco e negro, compõem todas as tonalidades possíveis. Acrescenta-se a transparência e os brilhos metálicos para completar o “ kit básico “ para a criação do visual de uma embalagem;

- Psicodinâmica das Cores, que estuda as regras dos contrastes e harmonias entre as cores, derivadas das posições em que elas ocupam no Círculo das Cores, onde o maior contraste é obtido pelas cores opostas (complementares) e a melhor harmonia vem das cores vizinhas (justapostas). O contraste é fundamental para a boa visibilidade, que juntamente com a legibilidade das letras, determinam o impacto global de uma embalagem e seu desempenho nas prateleiras.

- Psicologia das Cores, que estuda o efeito que as cores provocam na psiquê humana, criando associações e significados, quer materiais quer afetivos ( ver tabela desses significados ). O efeito psicológico das cores tem uma influência capital na decisão de compra, onde o que se espera de uma boa embalagem é a criação de associações positivas, evitando-se a dissonância cognitiva, onde o que se vê não corresponde ao que se sente. Outro fator importante na questão psicológica da cor, diz respeito às cores que as pessoas gostam ou não, o que define as suas preferências. Diferente do uso da cor na moda, como a embalagem é mais duradoura, a escolha do

A boa embalagem precisa atrair os olhos em 1/5 de segundo, e fechar a venda em média em 4”. Sabese que a velocidade dos olhos chega a 100 km/h nas prateleiras, e que por posição ou deficiência visual, 23% das embalagens expostas nos supermercados não são vistas, o que significa que embalagem não vista é embalagem não vendida. Vale ressaltar que nos autoserviços o que ocorre é a venda visual, daí a importância essencial das cores.

O amarelo da Maizena e o lilás do Sonho de Valsa são “eternos”. Existem ainda nesse contexto, cores masculinas, femininas, adultas e infantil. As cores também expressam sabor, perfume e temperatura. Como sensação física, existem as cores quentes e frias, e as cores pastel, passam delicadeza e suavidade.

Estratégia da cor A chave do sucesso na questão do esquema de cores para a embalagem diz respeito à sua estratégia. Existem três possíveis: ênfase na Marca, no Produto ou Consumidor. As grandes Marcas tem embalagens que se transformam em ícones e geralmente são monocromáticas: Caixas amarela da Maizena, Bombons Garoto, Saquinho do Bombril e lata do Leite Ninho.


A lata branca do Leite Moça e as caixinhas Longa Vida do leite Parmalat. As latas vermelhas da Coca-cola, Nescau e cerveja Brahma. A série dos verdes da garrafa da água Perrier, a lata da Heineken e as embalagens da linha de iogurtes funcionais Activia. O azul escuro da linha Nívea e novamente os amarelos da Bauducco e Sadia. Tantos outros exemplos existem. Em meu ponto de vista, é a estratégia mais poderosa. Em relação ao produto, as cores devem refletir o tipo ou os atributos do produto; Imaginem um drops de hortelã envolto por uma cor marrom. Criaria uma dissonância, uma vez que a hortelã é refrescante, o oposto do marrom que é quente e sólido além de lembrar chocolate ou café. Uma garrafa de água mineral vermelha, que é uma cor quente, inadequada portanto para uma produto que vende pureza e refrescância (excessão para a marca RED da Ourofino – nesse caso uma ousadia criativa). Por isso a grande maioria das águas minerais do mundo, são azul ou verde claros, que são consideradas cores frias. Finalmente, o consumidor. As cores identificam se o produto é unisex, masculino ou feminino notadamente na área de cosméticos e perfumaria. Existem produtos para bebês, crianças, jovens, onde um equívoco de cores pode “matar” um produto.

Significado psicológico das cores:

BRANCO : sugere pureza, simplicidade e otimismo. Com a ausência de outros elementos, cria a impressão de vazio e infinito. Evoca ação desinfetante, sobretudo quando utilizado com o azul. PRETO : símbolo do infortúnio e da morte, encerra uma característica impenetrável. É a cor mais desprovida de sentimento, mas confere nobreza, distinção e elegância se for brilhante e juntamente com o dourado, é o máximo do luxo. CINZA : não sendo passivo como o preto, nem cheio de possibilidades como o branco, o cinza não chega a afirmar-se. Exprime um estado de alma duvidoso e neutro e evoca medo, monotonia, desânimo, à medida que é mais sombrio. O cinza escuro é a cor do sujo. VERMELHO : significa força, alegria de viver, virilidade e dinamismo.

Pode ser exaltante até enervante. É uma cor essencialmente quente, sem as características do amarelo, que se espalha e se expande para todos os lados.Quanto mais escuro, mais grave, profundo e psíquico se torna. Os tons claros exprimem temperamento jovial e fantasioso. VERDE : a cor mais calma e tranqüila, não contém qualquer elemento de alegria, tristeza ou paixão. É também a cor da esperança. Com um ponto de amarelo, adquire força ativa, apecto ensolarado. Se o azul domina, torna-se séria e triste. Os tons mais claros acentuam a indiferença, os escuros a calma.


AZUL : cor profunda, preferida das pessoas adultas, despertando lembranças da infância. A calma transmitida, profunda, interior, é diferente do verde. Azul escuro chama o homem até o infinito. O claro provoca sensação de frecura e higiene, principalmente ao lado do branco. O azul turquesa encerra grande força, exprimindo frio. Exteriormente, lembra os lagos no verão. AMARELO : luminosa, gritante e vistosa, particularmente nos tons claros. Ao contrário do azul, não transmite profundidade. É uma cor ativa mas, esverdeada, assume tom doente. Com a adição do vermelho alegra o olhar, trazendo um sentimento misto de alegria e satisfação. LARANJA : muito mais do que o vermelho, transborda irradiação e expansão. Tem característica acolhedora, quente, íntima, como fogo ardente. VIOLETA : equivale a um pensamento meditativo e místico que encerra um mistério. É triste, melancólico, cheio de

dignidade. Passando ao lilás, aclara-se, tornandose mágico e místico. ROSA : tímido, de uma doçura melosa e romântica. Tem pouca vitalidade, é a imagem material de feminilidade e afeição. Sugere intimidade. MARROM : emana a impressão de solidez e utilidade. É a cor mais realista. Não sendo brutal ou vulgar, encarna a vida sã e o trabalho cotidiano. A medida que se torna sombrio, adquire as características do preto.


A Cor na direção de Arte O mundo foi totalmente reformulado quando a televisão deixou de ser preto-e-branco e passou a ser colorida, um novo mundo iria ser explorado, o mundo das cores. Já tentou imaginar o mundo inteiro sem cor? Como você escolheria a cor da sua roupa? E como você veria o Super-Homem sem sua roupa padrão Estados Unidos marcando-o? E fora que a vida seria insípida, mais fria, algo como cenas de cinema antigo. O mundo colorido sempre foi e sempre será infinitamente melhor do que o mundo preto-ebranco. Ademais, estamos falando de comunicação, algo comercial, em que o princípio básico é atrair a atenção. Portanto, abusar das cores, faz bem. Todo cuidado é pouco no requisito cores, você pode calibrar o monitor corretamente, mas mesmo assim você pode ter uma diferença na cor esperada, pois isso varia muito da máquina e do papel que será usado para a impressão. As cores, quando voltadas para o dia-a-dia do artista/diretor de arte, são divididas em dois processos, o aditivo e o subtrativo. Um é luz o outro, pigmento. E isso faz alguma diferença para o diretor de arte? Faz. Afinal, ele trabalha sempre em contato com os dois processos. Vamos entender melhor. Processo aditivo. No processo aditivo, as cores são o resultado da mistura dos comprimentos das ondas de luz que irradiam o vermelho, o verde e o azul. Por isso mesmo, na física, as cores primárias são diferentes das cores primárias geradas por pigmentos (processo subtrativo). Neste processo as cores primárias são conhecidas como RGB (red, Green, blue) ou seja: Vermelho, verde e azul. O processo RGB é usado nos monitores dos

computados e nas Tvs. A característica mais marcante nesse processo é que essas três cores, em sua carga máxima de luz, quando misturadas, resultam no branco. Processo subtrativo Neste processo, a cor de um objeto resulta da cor da luz que ele absorve e da luz que ele reflete. Por exemplo: quando uma luz branca incide sobre um objeto amarelo, o objeto aparece amarelo porque ele substitui (absorve) todas as cores, exceto o amarelo, que ele reflete. Na verdade, o processo subtrativo é o inverso do aditivo, simples assim. Basta olhar e comparar os círculos de cores. Ao misturar pigmentos das cores primárias subtrativas – magenta, cian e amarelo – em suas cargas máximas, o resultado é preto.


Foi a partir do processo subtrativo que foi criado o sistema de cores CMYK (cian, magenta, yellow, Black) usado nos processos gráficos. Em tempo: há quem diga que o “K” foi tirado da palavra Black, e não foi usado o “B” do Black porque já existe o “B” do blue no sistema RGB. Outros ainda afirmam que o “K” vem de key – Chave. Isto é, o preto é considerado cor-chave na industria gráfica. Seja o que for, para o diretor de arte isso não fará diferença nenhuma.

Elementos básicos da comunicação visual  

Trabalho de atividade estruturada do curso de Design Gráfico da Universidade Estácio de sá. Elisângela Fonseca