Page 1


SUMÁRIO

ORLANDO WOCZIKOSKY Biografia (entrevista) ................................................................................................................................................................................................................. 5 TROVAS .................................................................................................................................................................................................................................. 12 OUTROS VERSOS Alegria brasileira ...................................................................................................................................................................................................................... 18 Sobre quem nasceu primeiro. ................................................................................................................................................................................................. 19 Caminhada............................................................................................................................................................................................................................... 20 Vício ......................................................................................................................................................................................................................................... 20 Cigarro II .................................................................................................................................................................................................................................. 20 Mal menor ................................................................................................................................................................................................................................ 21

RODOLPHO ABBUD Biografia ................................................................................................................................................................................................................................... 22 TROVAS .................................................................................................................................................................................................................................. 27

ELIANA RUIZ JIMENEZ Biografia ................................................................................................................................................................................................................................... 41 TROVAS .................................................................................................................................................................................................................................. 42 OUTROS VERSOS HAICAIS E TERCETOS.......................................................................................................................................................................................................... 49 POEMAS Permita-se................................................................................................................................................................................................................................ 53 Escritório .................................................................................................................................................................................................................................. 53 O muro ..................................................................................................................................................................................................................................... 54 Vem e vai ................................................................................................................................................................................................................................. 54


Agora ........................................................................................................................................................................................................................................ 55 Menino pobre ........................................................................................................................................................................................................................... 55 Mar ........................................................................................................................................................................................................................................... 56 Fossa........................................................................................................................................................................................................................................ 56 Talvez ....................................................................................................................................................................................................................................... 57

IALMAR PIO SCHNEIDER Biografia (entrevista) ............................................................................................................................................................................................................... 58 TROVAS .................................................................................................................................................................................................................................. 66 OUTROS VERSOS Sonetos Soneto ao pôr-do-sol ............................................................................................................................................................................................................... 78 Soneto para Delcy Canalles.................................................................................................................................................................................................... 79 Soneto do amor sonhado ........................................................................................................................................................................................................ 79 Soneto eneassilábico 1 ........................................................................................................................................................................................................... 79 Soneto eneassílabo 2 .............................................................................................................................................................................................................. 80 Soneto hendecassílabo ........................................................................................................................................................................................................... 80 Soneto 15073........................................................................................................................................................................................................................... 81 Soneto 15063........................................................................................................................................................................................................................... 81 Soneto 15060........................................................................................................................................................................................................................... 81 Sete de setembro .................................................................................................................................................................................................................... 82 Soneto 11515........................................................................................................................................................................................................................... 82 Soneto 11514........................................................................................................................................................................................................................... 82 Soneto 11511........................................................................................................................................................................................................................... 83 Soneto 11492........................................................................................................................................................................................................................... 83 Soneto 11449........................................................................................................................................................................................................................... 84 Soneto 11439........................................................................................................................................................................................................................... 84


CONCURSOS DE TROVAS XXXIII Concurso da Academia de Trovas do Rio Grande do Norte – ATRN – 2013. ......................................................................................................... 85 Concurso de Trovas de Pindamonhangaba ........................................................................................................................................................................... 86 IX Concurso de Trovas da UBT Maranguape ....................................................................................................................................................................... 87 VIII Jogos Florais de Cantagalo .............................................................................................................................................................................................. 88 Jogos Florais da Academia de Letras e Artes de Cambuci/RJ ............................................................................................................................................. 89 III Concurso de Trovas de Campos dos Goytacazes ............................................................................................................................................................ 89 XXII Jogos Florais de Porto Alegre/RS .................................................................................................................................................................................. 89 XII Concurso de Trovas do CTS/UBT/Caicó .......................................................................................................................................................................... 90 XXXI Concurso Nacional/Intern. de Trovas de Taubaté/SP.................................................................................................................................................. 91 Concurso Estadual de Trovas de São Gonçalo/RJ – 2013 ................................................................................................................................................... 91 IX Concurso de Trovas da Academia Mageense de Letras – 2013 ..................................................................................................................................... 92 Jogos Florais de Ribeirao Preto 2013 .................................................................................................................................................................................... 93 Jogos Florais Estudantis de Ribeirão Preto: .......................................................................................................................................................................... 94

FONTES ................................................................................................................................................................................................................................ 95


Orlando Woczikosky Príncipe dos Trovadores do Paraná A Vida é maravilhosa e o lar, um jardim florido quando a mulher é uma rosa e o jardineiro, o marido. Entrevista realizada pela Revista “Falando de Trovas e de Trovadores” , pelo trovador delegado de Pinhalão/PR, Lairton Trovão de Andrade. O grande poeta e trovador Orlando Woczikosky, Príncipe dos Trovadores do Paraná, o único remanescente vivo dos fundadores da UBT-Paraná (União Brasileira de Trovadores do Paraná), e por sua vasta obra trovadoresca, faz-lhe homenagem com o título singular de “O Mais Ilustre Membro da UBT-Paraná da Atualidade”. Lairton: Qual o seu nome completo? Onde e quando nasceu? Reside em que cidade?

5


Orlando: Meu nome completo é Orlando Woczikosky. Nasci no bairro Xaxim, em Curitiba, a 08 de maio de 1927, onde resido. Lairton: Voltando aos tempos da adolescência, como era a sua cidade natal? Orlando: Curitiba era pequena, com 110 mil habitantes. Lairton: Qual a sua formação profissional? Orlando: Ginásio Industrial e Técnico Industrial, pela Escola Técnica de Curitiba; Faculdade de Educação da Universidade Federal do Paraná; C.P.O.R. de Curitiba; etc.. Lairton: O Senhor foi, com certeza, um professor bem sucedido, hoje merecidamente aposentado. Em que estabelecimentos de ensino lecionou e que boas lembranças tem das suas atividades docentes? Orlando: Minha principal atividade foi lecionar Desenho no Senai de Curitiba, por mais de 30 anos. Na Escola Técnica de Comércio de Plácido e Silva, lecionei Desenho e Caligrafia. No Colégio Parthenon, lecionei Desenho e Educação Artística. No Ministério do trabalho, lecionei Leitura e Interpretação de Desenho no Curso de Segurança do Trabalho. Lairton: Sabemos que é poeta e trovador de méritos inquestionáveis. Como foi seu início na arte de fazer trovas? Orlando: Minha mãe ao se casar ficou morando com meus avós maternos, onde nasci. Minha avó, Carolina Krumann, gostava muito de quadras populares, declamando-as e me ensinando a declamá-las, nos meus primeiros anos, antes de nos mudar da casa dela. Quando tive os primeiros contactos com a poesia, principalmente as de versos setissilábicos, notei a grande facilidade em compor meus primeiros versos, mesmo desconhecendo as regras da metrificação. Em 06 de junho de 1948, escalando o Pico do Marumbi, na Serra do Mar, diante de tal beleza, escrevi a minha primeira poesia de algum valor: Marumbi. Dias depois, mostrando essa poesia ao meu professor de Português, Rosário Farani Mansur Guérios, quando ele me perguntou se eu havia estudado metrificação, respondi-lhe

6


que nunca ouvi falar em metrificação. Ele, veementemente, me disse: “Ou você é mentiroso, ou nasceu Poeta!” Mandou-me procurar o livro Tratado de Versificação, de Olavo Bilac e Guimarães Passos, por meio do qual aprendi outros metros da poesia acadêmica. Diante do que me disse o saudoso Professor Mansur Guérios, eu deduzi que não era mentiroso nem nasci poeta, escrevi pela cadência dos versos que aprendi com as quadrinhas ensinadas pela minha avó e que ficaram no meu subconsciente. Após me casar, deixei de escrever por catorze anos. Numa festa de fim de ano, meu colega de escola e de caçadas na Serra do Mar, o Professor Oswaldo Ormianin, a quem eu havia declamado muitas das minhas poesias do passado, solicitado a falar, declinou do convite, indicando-me para, em vez de discurso, declamar o “Marumbi”. Para não decepcioná-lo, o fiz, para espanto de todos que não me sabiam poeta. O Diretor Regional do Senai do Paraná, Dr. Antonio Theolindo Trevizan, incumbiu o Professor Aluízio Plombon, Diretor da Escola de Curitiba, a me solicitar todas as minhas poesias para publicar um livro pelo Senai. Como eu não escrevia há muito tempo, mas sabia muitas, ainda de cor, fui obrigado a escrever novas poesias, que foram enfeixadas no meu primeiro livro, “Crepúsculo da Minha Aurora”. Nessa época, apresentado ao Escritor Vasco José Taborda Ribas, pelo seu primo, Dr. Apollo Taborda França, que fora meu colega na Escola Técnica e no C.P.O.R. de Curitiba, o Vasco me convidou para sócio do Grêmio Brasileiro de Trovadores, quando tive os primeiros contactos com a arte de trovar. Lairton: Suas inspirações poéticas o levaram a escrever mais poesias ou trovas? Orlando: No ínicio, escrevia só poesias, atualmente, com os movimentos trovadorescos surgidos no Brasil, tenho me dedicado mais às trovas. Lairton: Muitos trovadores têm preferência sobre determinados temas. Alguns falam mais do amor; outros, do sofrimento; outros preferem motivos religiosos... E o Senhor? Qual foi o tema que mais o levou a trovar?

7


Orlando: Eu sempre fui saudosista, mas aconteceu um fato curioso na minha vida: Minha filha, com nove anos, na época, ouviu na Rádio Clube Paranaense, a instituição de um concurso de trovas de saudade e me pediu que participasse. Escrevi e enviei algumas trovas, despretensiosamente. Minha filha ouviu, no programa seguinte, que eu havia sido contemplado com vários gêneros alimentícios, oferecidos pelo patrocinador do programa. Quis recusar em receber tais prêmios, mas minha filha argumentou que seria indelicado não recebê-los, então eu fui. Ao receber os prêmios, o Dr. Ubiratã Lustosa, apresentador do programa de saudade e Diretor Superintendente da PRB2, Rádio Clube Paranaense, perguntou-me o nome do livro que eu havia copiado tais trovas, dizendo que conhecia a maior parte das melhores trovas de saudade do Brasil e de Portugal e nunca teria ouvido nenhuma das enviadas por mim. Ao lhe afirmar que eu mesmo as escrevi, ele me pediu que continuasse a colaborar, enviando trovas de saudade, ao que concordei em enviá-las, com a condição de não mais como concorrente, mas como mero colaborador. Tempo depois, o Dr. Ubiratã me chamou, perguntando-me quantas trovas eu já havia enviado ao seu programa. Disse-lhe que mais de duzentas. Sugeriu-me que as publicasse em livros de 100 (cem) trovas, como estavam fazendo no Rio de Janeiro, por muitos trovadores. Então, publiquei uma série de livros de trovas alternando-os em saudade e não saudade. Eis aí o porquê de escrever tantas trovas de saudade e continuar a escrevê-las ainda, embora há vinte e cinco anos não tenha mais publicado livros. O Dr. Ubiratã Lustosa, já aposentado, continua, ainda, apresentando o programa “Revivendo”, na Rádio Educativa AM 630, todos os domingos, das sete às oito horas da manhã, quando declama três trovas minhas, de saudade. Lairton: Pelo visto, o gosto pela trova é universal. Em sua opinião, o que faz com que a trova seja tão fascinante? Orlando: Na minha opinião, o que faz com que a trova seja tão fascinante é a sua versatilidade. A trova, pelo seu poder de sintetizar, presta-se, como nenhuma outra forma poética, para exaltar qualquer acontecimento, tais como aniversário, nascimento, formatura, pessoas, falecimento etc.. Um dos melhores exemplos do que afirmo é a “Missa em Trovas”, do grande trovador Antonio Augusto de Assis, nascido em São Fidélis, no Estado do Rio de Janeiro, residente na cidade de Maringá, no Estado do Paraná, onde, com sua brilhante inteligência, enaltece aquela cidade.

8


Lairton: A UBT - Paraná foi fundada numa época de grande efervescência trovadoresca, e o Senhor é um dos seus fundadores. Cite-nos os outros trovadores que participaram da fundação da UBT- Paraná. Orlando: A União Brasileira de Trovadores, no Estado do Paraná, foi fundada a 10 de setembro de 1966, com a presença da Embaixatriz da Trova, Magdalena Léia, do Rio de Janeiro. Fomos seus fundadores: Vasco José Taborda Ribas, Vera Vargas, Orlando Woczikosky, Ermírio Barreto Coutinho da Silveira, José Augusto Gumy e Oswaldo Portugal Lobato, dos quais, somente eu ainda vivo. Lairton: O grande valor de uma instituição encontra-se nas suas finalidades. Quando da sua fundação, quais os objetivos da UBT – Paraná? Orlando: Um dos principais objetivos da fundação da nossa UBT é cultuar e divulgar a trova, bem como promover e formar novos trovadores, o que se comprova pelo grande número de novos trovadores nas escolas e nas cidades do Paraná. Lairton: Pelos memoráveis anos de duração da UBT- Paraná, sem dúvida, a Entidade obteve sucessos. Que sucessos foram esses? Orlando: Um dos maiores sucessos, como disse na resposta anterior, foi o grande número de novos trovadores, de novas seções e novas delegacias. Outros grandes sucessos foram os vários concursos, os jogos florais, em várias cidades, como por exemplo, os Jogos Florais de Curitiba, que neste ano realizou a XIV festa dos seus Jogos Florais. Lairton: O seu primeiro livro editado de poesia tem o título de “Crepúsculo da Minha Aurora”. Onde encontrou inspiração para este título de excelente sugestão poética? Orlando: Foi numa tarde, quando vi um maravilhoso pôr-do-sol, aliei esse quadro ao alvorecer e formei essa antítese para nominar o meu primeiro livro.

9


Lairton: O seu repertório trovadoresco é extenso e consistente. Quantos livros de trovas editou? Pretende editar outros? Orlando: Dez livros de trovas somente minhas e duas Antologias de Trovadores do Paraná. Uma com 10 trovadores e 100 (cem) trovas e outra, com 25 trovadores com 250 (duzentas e cinqüenta) trovas, ambas em colaboração com o meu grande amigo, o Professor Vasco José Taborda. Todos os meus livros foram editados nas oficinas de Artes Gráficas do Senai, quando eu só pagava as custas do material. Publicar novos livros, já não tenho o mesmo entusiasmo nem condições financeiras para novas publicações. Lairton: Como se pode concluir, brilhante foi sua participação no mundo da Literatura. Seus poemas e trovas foram lidos por centenas e centenas de pessoas. Fazendo uma retrospectiva, valeu a pena ter sido poeta e, principalmente, trovador? Orlando: Valeu plenamente, porque ser poeta e trovador, principalmente no fim da vida, é muito mais gratificantes do que possuir qualquer outro título. Lairton: Fale-nos a respeito da sua grande descoberta sobre “quem nasceu primeiro: O ovo ou a galinha”? Orlando: O Vasco Taborda me fez aquela pergunta clássica: “Quem nasceu primeiro, o ovo ou a galinha?” Respondi-lhe de imediato: “Nenhum dos dois! Foi o galo!” Eu deduzi que não descende o maior do menor e, como analogia, se Deus fez por primeiro o homem, certamente, fez por primeiro o galo. Alguns dias depois, entreguei ao Vasco minha PROVA CONVINCENTE: Gente sábia ou adivinha, me responda bem ligeiro: Quem foi que nasceu primeiro, foi o ovo ou foi a galinha?

10


- Deixa comigo que eu falo: Pela experiência minha, não foi ovo nem galinha, Deus fez por primeiro o galo. Ao ver o galo sem tanga botando no mundo a goela, tirou dele uma costela fazendo dela uma franga. Depois de uma conversinha e de uma boa “cantada” que o galo deu na coitada, a franga virou galinha. Assim o casal distinto caiu na boca do povo: nascendo o primeiro ovo e, do ovo, o primeiro pinto. Esclareci num repente, essa polêmica antiga. Quem não gostou que me diga se há prova mais convincente! Lairton: Para finalizar, agradecemos ao Prof. Orlando a honra que nos proporcionou. Esta entrevista será divulgada, através do Portal CEN (Cá Estamos nós), para mais de 23.000 endereços eletrônicos de

11


países do mundo que falam a Língua Portuguesa. O Portal CEN, cujo presidente é o grande escritor português Carlos Leite Ribeiro, representa eficiente ponte literária e cultural entre o Brasil e Portugal, prestando indescritível benefício à nossa Literatura. Diante disso, poderia dizer algumas palavras de apreço ao nosso querido PORTAL CEN? Orlando: Não tenho computador, mas pelo valor que tem, minha nota ao Portal CEN é nota cem: Com louvor! .

TROVAS A cantar, a minha vida, eu canto em qualquer cidade, mas minha terra querida, eu não canto sem saudade!

Amor que não tem saudade, é planta que não dá flora; amor que é amor de verdade, na saudade é mais amor.

Agora sou nau sem rumo, Que zarpou da mocidade, Para encalhar, eu presumo, No banco duma saudade.

A mulher é diferente no terreno da emoção: - O homem diz sim e consente, ela consente e diz não!

A mãe da gente é uma luz que brilha, brilha e rebrilha: dá-nos vida e nos conduz pela mais sagrada trilha.

A nossa UBT querida é meu verdadeiro amor, faz parte da minha vida como a um jardim, uma flor.

12


Às vezes, na multidão, estou só sem ver ninguém, porque a maior solidão é estar longe do meu bem.

Curitiba, paraíso Que mil encantos encerra, Linda Cidade-Sorriso: – Sorriso da minha terra!

A vagar pela cidade Hoje, bem longe de ti, Vejo, através da saudade, O tesouro que perdi.

Dezoito anos de idade Completei no fim da guerra, No fim da calamidade Que tingiu de sangue a terra.

Beba água mineral e viva despeocupado, porque água só faz mal para quem morre afogado.

Dentro de certas pessoas há duas forças latentes: uma que as trona tão boas, outra que as vira serpentes.

Cônscio de que nada valho, quando te beijo, formosa, eu sou uma gota de orvalho que tremeluz numa rosa. Convidei a minha sogra pra passear no Butantã: a velha mordeu a cobra, e a cobra ficou tantã!

Desde que cedo me acordo, Até que à noite me deito, Com saudade te recordo, Meu único amor perfeito! Em noites de lua cheia, no tênue alvor que se espraia, minha alma foge e vagueia, perambulando na praia.

13


É nobre quem não exalta vitória já conquistada, pois a nobreza mais alta é vencer sem dizer nada.

Eu não troco uma jazida De ouro puro e refinado, Por uma hora vivida Na saudade do passado.

É nos olhos que a pimenta quando toca nos magoa: quem tem sogra não a aguenta, quem não tem diz que ela é boa.

Eu nasci pobre na vida, no entanto sei quanto valho, pois conheço a dor sentida dos que tombam no trabalho.

Esta saudade é uma luz, Na noite da minha vida, O guia que me conduz À tua imagem, querida.

Felicidade é a esperança que está sempre em nós presente, mas a gente não a alcança e ela não alcança a gente!

Eu fui a tua metade E foste a minha, porque, Agora, só na saudade Inteiro a gente se vê!

Flavo sol que as flores pintas com doce tonalidade, empresta-me as tuas tintas, quero pintar a saudade.

Eu não gosto de sorteio Porque a sorte é contra mim: Talvez porque eu seja feio, De uma feiura sem fim.

Minha avó, que já está morta, queria tudo perfeito: até fazendo uma torta, fazia torta direito.

14


Não fosse a necessidade De tanto, tanto te amar, Sufocaria a saudade Nas profundezas do mar.

Nesta vida de percalços todo mundo tem defeitos, mas entre honestos e falsos todos se julgam perfeitos.

Não me comove a riqueza, E nem lhe adoro a conquista, Pois, em saudade e pobreza Também sou capitalista.

Neste ano, peça a Deus, que a todos, como a você, os mesmos tesouros seus, aos seus semelhantes dê.

Não te incomodes, querida Se o meu peito a dor invade, Pois, são temperos da vida A dor, o amor e a saudade.

Ninguém proíbe que morras nas tuas loucuras andanças, mas dirigindo não corras para não matar as crianças.

Não vim para te dar um beijo, vim pra te dar muito mais, vim dizer que te desejo O melhor dos teus Natais!

No dia dos namorados fico triste, simplesmente, por ver que há muitos coitados sem ter a quem dar presente.

Natal é uma festa linda, festa de luz e esplendor, que nos rememora a vinda De Jesus, Nosso Senhor.

O amor é a coisa mais bela deste mundo encantador! E é você quem me revela toda a beleza do amor!

15


O amor é igual à comida: demais, não se dá valor; quando falta em nossa vida, dá-se a vida pelo amor!

Pra me esquecer de você, Tenho rezado à vontade! Mas não te esqueço, porque A minha reza é saudade.

Oh! doce mundo da infância, todo em saudade tecido, a recordar-te a distância, eu choro por ter crescido.

Quando a trova justifica sobejamente a valia, - Rima pobre ou rima rica sempre é grande poesia.

Para trovar, certamente, não bastam apenas rimas; trovador inteligente faz das trovas obras-primas.

Quando em meus braços te aperto, todo o infinito sorri, porque a vida é um céu aberto quando estou perto de ti.

Pela guerra não há glória: - Perder, vencer, tanto faz! - A verdadeira vitória, só se alcança pela paz!

Quando tu fores velhinha E eu também, da mesma idade, Sentirás saudade minha, Sentirei de ti saudade.

Por mais que hoje louve a vida dos que fazem bem por lei, trago n'alma a dor sentida, dos males que pratiquei.

Quem diz que não tem saudade e se é verdade o que diz, não teve a felicidade de já ter sido feliz.

16


Quem pratica a Medicina espelhando-se em Jesus, por certo Deus ilumina com sua divina Luz.

Saudade é coisa que nasce À tona do pensamento, E, por mais que o tempo passe, Paramos nesse momento.

Quem se afunda na bebida, para afogar sua mágoa, descobre, no fim da vida, que a melhor bebida é água.

Saudade é lua que vaga Nas sombras do sol do amor; Quanto mais o sol se apaga, Mais a lua traz langor.

Que não valha a minha trova por nada do que ela exiba, senão por tudo o que prova do valor de Curitiba.

Saudade é luz matutina no crepúsculo da gente. Sol que o passado ilumina quando escurece o presente.

Revivendo, na saudade, a minha casa paterna, Choro! Mas tenho vontade que a saudade seja eterna.

Se, à noite, chega o negror E todo o meu ser invade, Clareia-se o meu amor, Dentro da luz da saudade.

Saudade é a lembrança viva Daquilo que já morreu; É fogo que inda se ativa Das cinzas do escombro seu.

Se eu de você fico ausente e alguém os meus olhos vê, lendo os meus olhos pressente, no fundo deles, você!

17


Se partes, fica o desgosto da minha alma sem a tua, e eu pareço um rei deposto perambulando, na rua. Ser Presidente de Honra da UBT, é, para mim, mais do que uma simples honra, é uma lisonja sem fim.

Tudo que é bom, nesta vida, foge-nos celeremente, somente a dor mais sentida fica na vida da gente. Vermelho igual ao tomate, meu coração é um bife: quanto mais alguém lhe bate, mais amolece o patife.

Sou feliz por te dizer, em palavra comovida, que minha vida é um prazer se há prazer na tua vida. Trocando sempre teus ares, foges de mim com prazer; mas apesar dos pesares eu não te posso esquecer.

OUTROS VERSOS ALEGRIA BRASILEIRA Mulata, linda mulata,

Você é um raro tesouro: - Se outras têm brilho de prata, Você brilha mais do que ouro.

18


Mulata, mulata linda, Você é flor maravilhosa: - Você é mil vezes, ainda, Mais linda que a própria rosa. Eu gosto da cor mulata Da mulata brasileira, Da mistura de ouro e prata Dessa mulata faceira. Quando vejo no terreiro A mulata requebrando, Meu coração brasileiro Por ela bate sambando. Nossa mulata querida No samba não tem rival: - Se há mulata na Avenida, Tem mais vida o carnaval. Salve, salve essa mulata, Essa mulata matreira, Que em seus requebros retrata A alegria brasileira.

SOBRE QUEM NASCEU PRIMEIRO. Gente sábia ou adivinha, me responda bem ligeiro: Quem foi que nasceu primeiro, foi o ovo ou foi a galinha? - Deixa comigo que eu falo: Pela experiência minha, não foi ovo nem galinha, Deus fez por primeiro o galo. Ao ver o galo sem tanga botando no mundo a goela, tirou dele uma costela fazendo dela uma franga. Depois de uma conversinha e de uma boa “cantada” que o galo deu na coitada, a franga virou galinha. Assim o casal distinto caiu na boca do povo: nascendo o primeiro ovo e, do ovo, o primeiro pinto.

19


Esclareci num repente, essa polêmica antiga. Quem não gostou que me diga se há prova mais convincente!

O trovador quando canta, No silêncio do seu verso, Não só o seu mal espanta, Espanta o mal do Universo.

Mãe, com divina bondade, inteligência e com brilho, faz tudo que ao filho agrade, sem nada exigir do filho.

Continue, assim, trovando Com seu rico cabedal... Parabéns do amigo Orlando E meus aplausos, Vidal.

Às vezes a mãe da gente não é a melhor assessora, para o aluno inteligente, mãe também é a professora.

Espero que o “Harmonia...” Tenha a luz do “Caminhada...” E que brilhe noite e dia Como a fonte iluminada.

CAMINHADA...

VÍCIO

Caro Vidal Idony, Ao ler o seu “Caminhada...” - Em cada trova que li, Senti sua alma estampada.

O vício é mais uma das desgraças que se somam ao infortúnio dos miseráveis.

No seu livro nada escapa, Ele está perfeito em tudo: Desde a beleza da capa Ao valor do conteúdo.

CIGARRO II Fumar, pra fazer fumaça, quem o faz é quase louco: – Quem assim a vida passa,

20


gasta muito e vive pouco.

contrai câncer de pulmão.

Cigarro é um troço gozado, gozado pra mais da conta, por ter fogo numa ponta e um imbecil do outro lado.

MAL MENOR Fiz tudo para ela, antigamente, Fiz tudo pra lhe dar felicidade, Mas ela, por repúdio, por maldade, Fazia-me sofrer, amargamente.

Quem tem seu cigarro fuma, quem não tem cheira fumaça e eu não vi pessoa alguma ser feliz com essa desgraça.

E agora que por ela, simplesmente, não sinto nem a falta de amizade, Ela diz de mim sente saudade, Pedindo-me que volte, novamente.

Disse o cigarro ao fumante: – Eu sei que você me adora, que me acende a todo instante, mas o apago a qualquer hora.

Não fui e não serei, também, ingrato, Não volto, simplesmente, pelo fato De ter medo querê-la mais que a quis,

Eu não sou contra quem fuma, nem dou conselho de graça, porque não há lei nenhuma que proíba quem o faça. Quem diz que fumar distrai, vive apenas de ilusão: – quem assim vivendo vai,

Quando a doença não nos rouba a vida, O melhor é evitar-se a recaída, Cortando, assim, o mal pela raiz. .

21


Rodolpho Abbud A História da humanidade mostra, de modo bizarro, poucos heróis de verdade e muitos mitos de barro! Rodolpho Abbud Nasceu em Nova Friburgo/RJ, em 21 de outubro de 1926; filho de Dona Ana Jankowsky Abbud e de Ralim Abbud. Radialista, Locutor Esportivo, Poeta e Trovador, foi sempre muito bom em tudo aquilo que fez ou faz. Contam até que, certa vez, transmitindo um jogo do Friburguense, teve a sua visão do campo totalmente coberta pelos torcedores. Sem perder a calma, e com sua habitual presença de espirito, continuou a transmissão assim: – “Se o Friburguense mantém a sua formação habitual, a bola deve estar com o zagueiro central, no bico esquerdo da área grande…” Tem um livro de Trovas intitulado: “Cantigas que vêm da Montanha”, e, recebeu, com inteira justiça e por voto unânime de todos os Trovadores que ostentam essa honra, o titulo de “Magnífico Trovador”.

22


São poucos os pioneiros da trova em plena atividade. Entre eles, com especial destaque figura Rodolpho Abbud, o grande e querido apóstolo da trova de Nova Friburgo. Ele entrou na alegre tribo dos trovadores em 1960, com aquele vozeirão inconfundível, como repórter de rádio, entrevistando os participantes dos I Jogos Florais na Rádio Sociedade de Friburgo. Gostou tanto, que virou trovador também. Quase meio século depois, super-jovem em seus 82 anos, o mestre Rodolpho Abbud continua brilhando não só como criador de primorosos versos, mas também como um dos mais importantes líderes nacionais da União Brasileira de Trovadores (UBT). A importância de Rodolpho Abbud vai muito além das fronteiras da cidade. Premiado em centenas de concursos, Rodolpho é autor de milhares de trovas memoráveis. Entre outros títulos, ostenta o de Magnífico Trovador Honoris Causa, que lhe foi atribuído por ocasião dos 40ºs Jogos Florais de Nova Friburgo. Ele faz parte da geração de trovadores surgidos com o lançamento dos I Jogos Florais. Trata-se do trovador mais antigo da cidade e a prova está em sua carteira de trovador, que ostenta o número 1. Rodolpho explica aos que não são versados nesta arte que trovas são pequenos poemas de quatro versos, de sete sílabas poéticas, isto é, com o som de sete sílabas – o primeiro rimando com o terceiro e o segundo com o quarto. Ele aprendeu rapidamente os segredos do estilo poético característico da trova recriado por J. G. de Araújo Jorge e Luiz Otávio. Quando teve início o movimento trovadoresco em Nova Friburgo, Rodolpho trabalhava como comentarista de futebol na Rádio Sociedade de Friburgo e ainda não tinha descoberto que sabia fazer trovas. Mas desde pequeno gostava de fazer quadrinhas. Na infância as crianças aprendiam na cartilha algumas rimas básicas, que davam origem a quadras como uma que Rodolpho jamais esqueceu:

23


Joãozinho é cabeçudo mas tem belo coração é dedicado ao estudo e sabe sempre a lição”. Por alguma razão Rodolpho sempre se identificou com o estilo e, mesmo sem saber, já fazia trovas, que costumava chamar de quadrinha, assim no diminutivo mesmo. Naquela época, porém, bastava rimar o primeiro verso com o terceiro e o segundo com o quarto. Rodolpho acha até graça, porque já naquela época faturou cem mil réis num concurso da Rádio Nacional, com uma de suas primeiras trovas, em 1950. “Foi numa festa junina que eu vi a Rita sapeca A cabocla era bonita Parecia uma boneca”. Levou um bom tempo para os trovadores, inclusive o próprio Rodolpho Abbud, incorporar a expressão trova – que vem do francês trouver, isto é, procurar, achar. Chamavam aqueles pequenos poemas de quatro sílabas de quadra, quadrinha ou trovinha, menos de trova. Um dia Luiz Otávio até chamou a atenção do J. G. de Araújo Jorge, quando este lhe contou que tinha feito uma trovinha: “Que trovinha o quê, José Guilherme, isso aí se chama trova, não é trovinha nem trovão, é trova”. “Acho que eu sei fazer este negócio aí” Rodolpho Abbud já criou mais de cinco mil trovas. Infelizmente, boa parte delas se perdeu e seu acervo conta apenas com as trovas premiadas nos concursos de que participa em todo o Brasil. A sorte é que o mais

24


respeitado trovador da cidade e um dos maiores do país é um colecionador de prêmios, já perdeu a conta do número de troféus e diplomas que já conquistou. Sua facilidade para criar trovas impressiona até seus colegas trovadores. Todas, diga-se de passagem, dignas de figurar em qualquer antologia. “Com qualquer assunto se faz uma trova”, explica, modesto, tentando explicar os segredos desta arte. Ele acredita em inspiração, tanto que carrega sempre papel e caneta no bolso para anotar as ideias que vão surgindo em sua cabeça. Hoje em dia uma das atividades que mais gratificam o velho trovador é ensinar a fazer trovas. Ele e seus colegas trovadores já visitaram muitas escolas, transmitindo às crianças e jovens os conceitos básicos que permitem criar trovas capazes de fazer bonito em qualquer concurso. Já estiveram no Ienf, na Escola Canadá, no Ciep Glauber Rocha, na Universidade Candido Mendes. Até na Clínica Santa Lúcia eles já estiveram. Junto com seus companheiros da UBT, Rodolpho mantém há 50 anos um programa radiofônico pela Rádio Friburgo AM focalizando o movimento trovadoresco de Nova Friburgo e de todo o Brasil. O programa, transmitido todo sábado, às 20h, é o mais antigo do Brasil e seu slogan diz assim: “É poesia sempre nova cultivada com amor. Se você gosta de trova pode ser um trovador”. Solidão? Rodolpho diz que não sabe o que é. Junto com seus amigos trovadores, viaja o Brasil inteiro, sendo sempre recebido com festa e toda a hospitalidade pelos companheiros das outras cidades. As viagens são uma verdadeira festa, com todo mundo brincando e fazendo trovas dentro do ônibus.

25


Depois de trabalhar 42 anos na Fábrica de Filó, todo mundo pensava que ele fosse ficar deprimido quando se aposentasse. Que nada! Voltou a narrar partidas de futebol, depois mergulhou na trova. Rodolpho é pai de Luiz Carlos, Suely e Rosane, de seu primeiro casamento. Casado pela segunda vez há 50 anos com a doce Cyrléa Neves, eles são pais do conhecido percussionista Rocyr e da não menos conhecida Rivana, do Bar América. Friburguense da gema, passou a infância na Rua Oliveira Botelho, até o 5º ano primário estudou com dona Helena Coutinho, que tinha uma escola na Rua São João. Fez o ginasial no Colégio Modelo e depois foi aluno do professor Luiz Gonzaga Malheiros. Do que sente mais saudades da Nova Friburgo de antigamente? Rodolpho Abbud não pensa um segundo antes de responder. “Da Fonte do Suspiro”, responde de imediato e, subitamente, se emociona, chegando a ficar com lágrimas nos olhos. Mas, como os homens de sua geração não choram, trata logo de mudar de assunto. “Ah, sinto muita saudade também do footing da praça, com os rapazes parados como se estivessem num corredor e as moças passeando de um lado para o outro”, conta. Maluco por futebol, Rodolpho pertence ao quadro de beneméritos do Friburgo Futebol Clube e, no Rio, é tricolor de coração. Fez até uma trova para seu time: “É paixão que longe vai na força do coração: – Tricolor era meu pai filhos, netos também são”. Rodolpho e Cyrléa: 50 anos de amor e dedicação à trova

26


TROVAS A batida no portão é o sinal convencionado para avisar que o patrão vem chegando do outro lado!

À noite, ao passar das horas, esqueço os dias tristonhos, pois tuas longas demoras dão-me folga para os sonhos!

Acredite quem quiser, seja o motivo qual for, em caprichos de mulher, quando faz juras de amor!...

Ao hospício conduziu a mulher para internar… Feito o exame, ela saiu, e ele teve que ficar!…

A culpa é minha e é tua, de quem vê e não faz nada, se ainda há meninos de rua, dormindo numa calçada!...

Ao se banhar num riacho, distraída, minha prima lembrou da peça de baixo quando tirava a de cima ….

A doença comentada correu mundo, ganhou fama, pois na pensão "afamada" ela só vive de cama!...

Aos Teus pés eu me ajoelho, erguendo graças Senhor! - Quem me dera ser espelho para a Luz do Teu Amor!

27


Ao ver o frango fugindo de um outro, num pega-pega, diz a galinha: Que lindo! - E o pato: "Tem mãe que é cega"!...

A vida é romance breve, de mistério, onde, com arte, sem saber, a gente escreve somente a primeira parte!...

Após batida no morro, indaga o Zé, com malícia: -A quem eu peço socorro, ao ladrão ou a polícia?

A violência e outras formas de opressão, mesmo discretas, não conseguem ditar normas aos corações dos poetas!

Aproveita, criançada, o tempo, alegre, ligeiro, que da a uma simples calçada dimensões do mundo inteiro!

Brasília, o cinqüentenário daquela visão futura dos sonhos de um visionário e um gênio da arquitetura!

A saudade é tão travessa que ninguém pode esquecê-la e a cortina mais espessa jamais consegue esquecê-la!

Cama nova, ele sem pressa ante a noivinha assustada, quer examinar a peça julgando já ser usada!…

Às vezes, num recomeço, há tal vontade de amar, que se paga qualquer preço que a vida queira cobrar!...

Chegaste a sorrir, brejeira, depois da tarde sem fim… E, nunca uma noite inteira foi tão curta para mim!…

28


Compensando o meu desgosto por longos dias tristonhos, à noite eu vejo teu rosto no espelho azul dos meus sonhos.

Dê carona ao seu vizinho!” E a Zezé, colaborando, vai seguindo o meu caminho e me dá de vez em quando!…

Computador... celular... tudo a ela é oferecido... - Só lhe falta programar um robô para marido!...

Deixando os homens aflitos, a mulher, por timidez, faz mistérios infinitos, quando responde talvez!...

Contemplo o céu para vê-las com um respeito profundo, pois na raiz das estrelas eu vejo o dono do mundo.

Dela não quero mais nada... - Tranquei a porta e o portão... - E a saudade, mais ousada, alojou-se em meu porão!...

“Dá-me um tempo, ela me disse, ante o apelo que lhe fiz... - Agora chega à velhice, sem tempo de ser feliz!

Depois do sonho desfeito, louvo o porvir que, risonho, não me recusa o direito de escolher um novo sonho!

Dando um susto na mulher, chega em casa bem cedinho... - Nem imagina sequer o susto de seu vizinho!

Depois que tudo termina, na indiferença ou na dor, nenhum farol ilumina o naufrágio de um amor...

29


Disfarçando teu perfume, mudaste até de fragrância, mas, nas cartas, teu ciúme eu sinto a longa distância!

É força que vem comigo e no tempo não se esvai: – Sempre que eu falo de amigo eu me lembro de meu pai!

Diz, em segredo, na venda: "O meu marido acabou!..." - E houve uma briga tremenda: a vizinha concordou!...

Ei, garçom, veja o meu prato! Tem dois cabelos na beira... - Por um P.F. barato, quer ver toda a cabeleira?

D. João VI cria a antiga Vila do Morro Queimado!... - E a Nova Friburgo liga seu presente ao seu passado!..

Ela é mulher de vanguarda, motorista de primeira que ouvindo o apito do guarda, já vai mostrando a carteira!

Do energético sapeca, tirou a prova e deu fé... - Com dois pingos na careca, ficou de cabelo em pé!...

Ele pede economia e ela encontra seu caminho, poupando sua energia com o “gato” do vizinho!

Duzentos anos passados... mas a História permanece! - Naqueles morros queimados Nova Friburgo, hoje, cresce!

Embora livre, sozinho, não conheço liberdade... - Fui presa do teu carinho, hoje estou preso à saudade!...

30


Em nosso encontro, em segredo, a vida nos foi covarde: - Fui eu que cheguei mais cedo, ou você que chegou tarde?...

Enquanto um velho comenta sobre a vida: -”Ah! Se eu soubesse…” um outro vem e acrescenta já descrente: -”Ah! Se eu pudesse…”

Em problemas envolvida, por um beco se meteu, que não tinha nem saída, e, mesmo assim, se perdeu! …

Entre esperas e procuras, encontros e despedidas, somadas, nossas loucuras dão mais vidas as nossas vidas!...

Em seus comícios, nas praças, o casal cria alvoroços: - Vai ele inflamando as massas! - Vai ela inflamando os moços…

Entre os livros, esquecida, na estante bem arrumada e contém toda uma vida essa carta amarelada!

Em tudo o que já vivi, nessa passagem terrena, se um pecado eu cometi com ela, valeu a pena!…

Eu... você... nossa lembrança de um grande amor, puro, terno, que um capricho da esperança simulou que fosse eterno!..

É noite... a porteira range no rancho, à beira da estrada e o luar, saudoso, tange os clarões da madrugada!

Eu finjo que estou contente… Ela finge que está triste… – No canto do amor, a gente desafina… mas resiste!…

31


Eu tenho pressa, é verdade, pois este amor me arrebata... E se eu não mato a saudade, a saudade é que me mata!

Foste embora... e, por encanto, vejo, no amor que alucina, teu sorriso em cada canto e teu vulto em cada esquina!

Foi um erro, reconheço, o nosso medo de amar... - E hoje pagamos o preço por nosso medo de errar!...

Hei de vencer esta sina que num capricho qualquer, me fez amar-te menina depois negou-me a mulher!…

Foi um gesto de nobreza, nas lides duras e bravas: mãos livres de uma princesa libertando mãos escravas!...

Mantendo os olhos enxutos, na dor da tua partida, eu sufoquei, por minutos, o pranto de toda a vida.

Foram tais os meus pesares quando, em silêncio partiste, que, afinal, se tu voltares, talvez me tornes mais triste…

Manténs o mesmo calor, com tal graça e timidez, que, em cada noite de amor, eu sinto a primeira vez!...

Foste embora... e, amargurado, sufoquei minha revolta tentando a volta ao passado, mas o passado não volta!...

Mesmo nos dias tristonhos que a vida insiste em nos dar, liberdade é perder sonhos, sem desistir de sonhar!

32


Minha dor foi mais intensa, ao ver, no adeus, na incerteza: eu, fingindo indiferença... você, fingindo tristeza!...

Na angústia vejo, indeciso, no amor que me desespera, que o prêmio do teu sorriso vale o castigo da espera!

Minha magoa e desencanto foi ver, no adeus, indeciso: - Eu disfarçando o meu pranto… - Tu disfarçando um sorriso…

Na ansiedade das demoras, quando chegas e me encantas, mesmo sendo às tantas horas, as horas já não são tantas…

Minha sogra, no antiquário, não ouvindo meu conselho, abriu a porta do armário levando um susto no espelho!

Na briga, há pratos voando, quebradas mesa e cadeira, mas, vendo a sogra chegando, diz que tudo é brincadeira.

Muitas mulheres vieram, mas... um capricho infeliz deu-lhe todas que o quiseram e jamais a que ele quis!...

Na casa do faroleiro esta ironia ferina: Lá fora o imenso luzeiro... - e dentro,uma lamparina.

Muitas vezes nesta vida, a origem de muita zanga é uma mulher bem vestida deixando os homens "de tanga"...

"Não conto mais com você!..." - Diz a mulher, lá da sala. "Se no verão não se vê, no inverno, então, nem se fala !..."

33


Não gastando o celular, o “pão duro”, em seus intentos, querendo economizar, só liga o 0800...

Não vens... na casa fechada, a saudade, em horas mortas, nunca espera na calçada: - Se esgueira através das portas.

Não me importa o beijo às pressas, em meio às brigas e às pazes, pois eu vivo das promessas que mentindo tu me fazes...

Na pensão da "dona" Estela, há curiosos pensionistas: Tem um dentista "banguela" e gordos nutricionistas !...

Não reclamo do desgosto, nem faço queixas a esmo... Esta máscara em meu rosto também engana a mim mesmo...

Na pensão junto ao quartel, visitas, sem distinção, do recruta ao coronel, comem do mesmo feijão!...

Não sei como não soubeste mas o amor veio, infeliz… Eu te quis, tu me quiseste, mas o Destino não quis…

Naquele hotel de terceira, que a policia já fechou, a Maria arrumadeira muitas vezes se arrumou!

Não sendo um homem moderno, meu pecado e insensatez foi jurar amor eterno e amar somente uma vez!…

Nas buscas que o homem faz, sem sucesso, andando a esmo, se busca encontrar a paz, tem que encontrar-se a si mesmo...

34


Nas lojas sempre envolvido, não tem crédito jamais… - ou por ser desconhecido, ou conhecido demais !…

No abandono que o consome, é quase um mito o menino que, na rua, não tem nome, não tem lar, não tem destino!...

Na vida, a bem da verdade, quando se trata de amor, loucura não tem idade, sexo, raça, credo ou cor!...

No amor, um leve queixume não é mal, se a gente pensa que onde nos falta o ciúme... é que sobra a indiferença!...

Na vida, em toscos degraus, entre tropeços a sustos, mais que a revolta dos maus, temo a revolta dos justos!

No hospício, foi grande o susto, quando o Zé, no "elevador," procurava, a todo custo, o botão do "baixa dor"!...

Na vida, lutar, correr, não me cansa tanto assim… O que me cansa é saber que estás cansada de mim!

No palco, o adeus indeciso ... e o cenário, um desencanto ... - Se era falso meu sorriso, era mais falso teu pranto!...

Nessa paixão que me assalta, misto de encanto e de dor, quanto mais você me falta mais aumenta o meu amor!…

Nosso amor se eleva ao cume, naquela poesia infinda da pontinha de ciúme que você conserva ainda!

35


Nosso Príncipe comprova, pois é dele a grande glória, que o mundo novo da Trova também faz parte da História!...

No "terreiro" ela, com pressa, Já querendo "se arrumar" diz que o "santo" é mole à beça... - Sobe muito devagar!...

Nosso rancho abandonado, você, a rede, o luar, são lembranças de um passado que não deseja passar!

Numa ronda de rotina, busco o amor, rompendo espaços, mas, quando a busca termina, eu sempre estou nos teus braços...

Nossos afagos exalto, sem ritos ou convenções, pois sempre falam mais alto do que mil declarações!

O amor deve ser lembrado sem mágoas, sem dissabor. Pondo algemas no passado, não se prende um grande amor!

Nosso sonho deu em nada, mas nosso amor ergue a voz, em busca de outra alvorada que vive dentro de nós!

O amor tem tantos arranjos, nos feitiços que quiser, que nos parecem dos anjos os sorrisos da mulher!...

Nosso encontro …O beijo a medo… A caricia fugidia… Nosso amor era segredo, mas todo mundo sabia…

Ouvindo tuas propostas, com muito amor, de mãos juntas eu, que fui buscar respostas, voltei cheio de perguntas!...

36


Para aquecer sua vida, ela tem, sempre à noitinha, além da boa batida, canja quente da vizinha!

Passei muita noite insone, ante a voz, macia e bela... - Quase quebro o telefone quando vejo a cara dela!

Para quem tudo é bonito se a própria mesa está cheia, chega quase a ser um mito saciar a fome alheia!...

Pelo "saudoso", intrigada, já suspendeu sua prece... - É no quarto da empregada que seu fantasma aparece!...

Para um jantar convidada por nudistas assumidos, “pagou mico” indo pelada, pois todos foram vestidos!...

Perdi, de todo, a alegria, quando percebi, tristonho, que em teu amor não cabia a ousadia do meu sonho!

Passa a nudista na praia e o guarda, apito na mão, leva a mais sonora vaia, ao cobrir sua "infração"!

Por você sigo a jornada... e o caminho é sonho, é mito!... - Que importa se é longa a estrada?... - Também meu sonho é infinito!...

Passa o tempo... e eu vivo aqui, sozinho, em noites de tédio... - E ainda dizem por aí que o tempo é o melhor remédio!...

Provando em definitivo que o Brasil é de outros mundos, há muito “fantasma” vivo passando cheques sem fundos…

37


Quando a fé nos ilumina, mesmo nas horas mais turvas, as ruas não têm esquina e as estradas não têm curvas!

Seja doce a minha sina e, num porvir de esplendor, nunca transforme em rotina os nossos beijos de amor…

Quando nada mais nos resta, já bem no fim da descida, a saudade é fim de festa do que foi festa na vida!

Sê, meu filho, um destemido, pois, na vida, cedo ou tarde, mais vale a dor do vencido do que o pranto do covarde!

Quase ao fim dos nossos prazos, nosso céu tem luz ainda... Juntando os nossos ocasos, a noite será mais linda!...

Sem preconceitos escravos, nesta vida, sem alardes, tanto há prudência nos bravos como ousadia em covardes!...

Quem se veste de esperança vive de alma agradecida, quando, todo dia, alcança o grande prêmio da vida!

Sempre tendo muita pressa, ao morrer, a sogra é assim: - chega onde a fila começa... e, depressa, volta ao fim!...

Quem tem fé não sente medo e enfrenta as ondas do mar, pois sempre vê, num rochedo, alguma estrela a brilhar!

Sem você, meu rumo é incerto aumentando a solidão... E penso estar num deserto no meio da multidão!

38


Sem você, minha rotina é aguardar o fim do dia, quando a noite abre a cortina para a sessão nostalgia!...

Tamanha angústia me invade ao lembrar que te beijei, que chego a sentir saudade dos beijos que não te dei.

Seu feitiço me seduz e alcança tal dimensão, que eu consigo ver a luz, mesmo em plena escuridão!.

Tendo você ao meu lado, tudo esqueço e sigo em frente... - Que me importa seu passado, se você faz meu presente?...

Sob um arbusto na praça, o casal fez seu retiro, mas, quando a polícia passa, não se ouve nem um suspiro!

Ter pressa não é pecado, mas pode ter alto custo... Um julgamento apressado muitas vezes não é justo!

Soube o marido da Aurora, ela não sabe por quem, que o vizinho dorme fora, quando ele dorme também…-”

Toda a receita anda pasma, sem achar explicação... - Tem funcionário fantasma que recebe até serão!...

Sua voz não foi ouvida, dando-me adeus, só porque, as vozes da minha vida, falam-me sempre em você.

Toda noite sai “na marra”, Dizendo à mulher: -”Não Torra!” Se na rua vai a farra, em casa ela vai à forra!…

39


Um Deputado ao rogar ao Senhor, em suas preces, pede que o verbo “caçar” não se escreva com dois esses!…

Vejo a onda pequenina que, às vezes, rude, se alteia, mas, afina, feminina, morre de amores na areia!...

Um longo teste ela fez de cantora, com requinte… Cantou somente uma vez, mas foi cantada umas vinte!…

Vem amor, vem por quem és! Pois já tens, em sonhos vãos, minhas noites a teus pés, meus dias em tuas mãos!…

Vendo a viuva a chorar, muito linda, em seu cantinho, todos queriam levar a “coroa” do vizinho…

Vendo a viuva a chorar, muito linda, em seu cantinho, todos queriam levar a “coroa” do vizinho…

Vamos brincar de mãos dadas, crianças pretas e brancas!… O sol de nossas calçadas não tem porteiras nem trancas!

Vendo uma bruxa eu me oculto tentando esconder-me dela... Pior foi ver outro vulto: -Minha sogra na janela! ** Você jura... e recomeça nas ilusões que desfez... - e a cada nova promessa meu amor nasce outra vez!...

Veja o mico que eu paguei: na tentação, no desvio, de uma garota escutei a ducha fria: “Oi, titio”!...

40


Eliana Ruiz Jimenez O mar de um azul profundo e as montanhas esverdeadas são belezas deste mundo, precisam ser preservadas. Eliana Ruiz Jimenez, nasceu em São Paulo, Capital, em 27 de agosto de 1960. Filha de Helena Ruiz Jimenez e Juan Jimenez Narvaez. Com formação em Letras e em Direito, exerce a advocacia em Balneário Camboriú/SC. Ligada a entidades de proteção ao meio ambiente, faz parte da Comissão de Meio Ambiente e Urbanismo da OAB. Suas incursões literárias vão das crônicas a poesias livres, trovas e literatura infanto-juvenil. É autora do livro “A tropa do ambiente em a internet do futuro”. Tem vários trabalhos disponibilizados nos seguintes blogs: poesiaemtrovas.blogspot.com (Trova-legenda) elianaruizjimenez.blogspot.com (crônicas) poesiasurbanasetrovas.blogspot.com (poesias livres e haicais)

41


TROVAS Abra a porta, deixe a luz resgatar seu coração. Vá sem medo, faça jus a viver nova paixão.

Bem no alto, aqui estou; neste ápice, a conquista. Mas de nada adiantou: tu não estavas à vista…

A caridade amplifica o sentimento cristão, que tão bem se multiplica quando é feita a divisão.

Cai de tapa a Januária no traste do maridão, ao saber que a funcionária ficou “gorda” de um serão.

Agir certo não tem custo, sendo a igualdade premissa; dar sempre ao justo o que é justo: é assim que se faz justiça!

Caminhar é minha sina, em campo ou desfiladeiro, nesta busca peregrina por um amor verdadeiro.

A prudência é uma balança que equilibra a nossa vida ao dosar, com temperança, a tentação desmedida.

Chave de casa perdida por defeito da memória: - Terceira idade assumida, já não há escapatória.

42


Chega ao fim nossa jornada em cruel bifurcação. Vou seguir em outra estrada, deixo aqui meu coração.

Deu-me as asas o Senhor, e, ao voar no infinito, vou buscar meu grande amor, o meu sonho mais bonito!

Cheiro de terra molhada é convite à nostalgia de minha infância encantada onde morava a alegria.

Em pintura impressionista a primavera desponta: flores a perder de vista, cores de perder-se a conta.

Como é que pode, hoje em dia, um homem achar prazer na farra da covardia que é ver um boi padecer…

Enfrentando a tempestade, vou remando na ilusão de encontrar a claridade que desnude a escuridão.

Criança muito levada, que corre, chuta e sacode… Que disciplina, que nada: - Casa da vó tudo pode!

É preciso uma aliança entre o querer e o poder, pois é só com temperança que se alcança o bem-viver.

Desfazendo a natureza, vai o homem construtor desconstruindo a certeza de um futuro promissor.

Esqueça o capitalismo na rua ou televisão. Natal não é consumismo é festa de devoção.

43


Esse mundo feminino de segredos permeado é um gracejo do destino pelos homens odiado.

Hesitei, o trem passou, e, ao correr pelo seu trilho, só a poeira me restou e a lembrança do seu brilho.

Esta vida me sequestra numa espera de ilusão… - Só o amor tem chave-mestra para abrir meu coração.

Imagens de infindas cores emocionam o turista: - Povos, culturas, sabores passando o mundo em revista.

Estrondo, coisa danada, será trem ou avião? - Barulho na madrugada é o ronco do maridão…

Já não temos mais fraqueza: - Fome zero… companheiro. Olha só pra robusteza que arredonda o brasileiro!

Felicidade almejada, no meu futuro eu diviso: - Em teus olhos, a alvorada; no teu corpo, o paraíso.

Jaz latente enternecido nas vertentes do meu ser um amor adormecido esperando efervescer.

Fingindo que foi tropeço, garantiu o seu futuro… O figurão paga o preço: pensão para o nascituro!

Justiça é a busca do bem, da harmonia em sociedade; é o respeito que se tem ao próximo, em igualdade.

44


Lua cheia, céu em festa é um momento inspirador, nós na rede, uma seresta, embalando o nosso amor.

Noite quente, lua cheia, é receita milenar: - Paixão louca que incendeia os casais sob o luar.

Não é o homem proprietário nem senhor da criação; é somente um usuário que fez usucapião.

Nos percalços dessa vida já deixei muita pegada como marca dolorida dos reveses da jornada.

Não mais se comove o homem com os sons da natureza. Seus maus instintos consomem o rio, a mata, a beleza…

Nossa vida é aventura de amor incondicional com sabor de uva madura à sombra do parreiral.

Na vida não busque atalhos; desvios são ilusão, nada mais do que atos falhos que atrapalham a missão.

Numa empresa não há ócio com um bom empreendedor, mas o lucro do negócio quem o mostra é o contador.

Nesta vida o encantador, com maior significado, dá-se ao cativar o amor e ao render-se, cativado.

Numa profusão de cores vem o outono, sedutor, inspirar os sonhadores num convite para o amor.

45


O amor inspira a vontade de viver com alegria. Não importa a tempestade, cante e dance todo dia.

Peço ao mar que não me esconda em tamanha vastidão: - Traga logo em sua onda quem me cure a solidão.

O futuro do planeta não é segredo a ninguém; preserve e se comprometa que a vida assim se mantém.

Pensamento irresolvido remoendo a mesma história: - um amor não esquecido reticente na memória.

Os mistérios da conquista, como olhares, sedução, são enigmas cuja pista bem esconde o coração.

Pescador mais esportivo deixa seu peixe escapar, melhor solto que cativo, para assim o preservar.

Paraíso, Liberdade, Morumbi, Consolação: - se for amor de verdade, tanto faz a direção.

Pescadores não se enganam na sua avaliação: - Redes vazias emanam do descaso e poluição.

Patrimônio bem cuidado não é só na aplicação; tem mais valor partilhado fazendo o bem ao irmão.

Poetas são pescadores de palavras e emoção: fisgam assim seus amores com os versos da paixão.

46


Por ser eterno esse amor, não amedronta a partida; sendo Deus o condutor, não existe despedida.

São forças da natureza, não se pode fazer nada: – fogo, vulcão, correnteza… e a mulher apaixonada!

Presença no firmamento em noite clara, estrelada: - É o amor de Deus que, atento, nos guarda na madrugada.

Saudade é uma dor pousada nos ombros da solidão: felicidade passada, vedada a repetição.

Quando, ao vestir-se, derrapa e a falsa amiga a critica, a resposta é um belo tapa… mas com luva de pelica.

Segredos engarrafados boiando ao sabor do vento… Corações despedaçados para os quais não houve alento!

Quantas bênçãos recebidas quando se caminha aos pares: um ideal, duas vidas, dois corações similares.

Sentimento irresponsável perturbando o coração: - é o amor, força implacável fez perder minha a razão.

Rede que volta vazia traz tristeza ao pescador que apesar da nostalgia leva adiante o seu labor.

Seu olhar insinuante, que tanto brilha me atesta: - Uma fagulha é o bastante para incendiar a floresta.

47


Sol e mar… calor, beleza… vêm mostrar à humanidade que o homem e a natureza têm a mesma identidade.

Triste destino bizarro de um país na contramão: alunos chegam de carro; professor, de lotação.

Só o amor tem o condão de avivar, resplandecer, transformando a escuridão em radioso amanhecer.

Trovadores, em verdade, são irmãos na inspiração, na partilha da amizade, no carinho e na emoção.

Sorria pra natureza, respeite e sempre preserve, só assim teremos certeza que o mundo assim se conserve.

Um amor que se alardeia não passa de sonho vão: é só castelo de areia escorrendo pela mão.

Sua luz, como um farol, me guiou na tempestade: fez surgir um lindo sol, que selou nossa amizade.

Uma vida sem amor é qual comida sem sal: em ambas falta sabor, por ausente o principal.

Traz o arco-íris à lembrança que, ao criar tanta beleza, Deus nos fez, em confiança, tutores da natureza.

Um casal apaixonado faz da vida um carrossel de emoções, desgovernado, rodopiando rumo ao céu.

48


Um segredo bem guardado para assim permanecer não deve ser partilhado para nunca se perder.

Vejo no espaço infinito e em cada constelação nosso amor nos céus inscrito como obra da criação.

Urge o tempo, faz-se escasso, e, ao sofrer na despedida, o nosso amor, sem espaço, mostra a vida não vivida.

Vivo sempre a divagar, no silêncio em que me abrigo: - Ah que bom poder voltar, a estar outra vez contigo!

Valorando o sem valor, conjugando o verbo ter, esqueceu-se quanto amor num ranchinho pode haver.

Voa, passarinho, voa, que gaiola é só maldade. Livre, lá nos céus entoa o cantar da liberdade.

OUTROS VERSOS HAICAIS E TERCETOS

Em alta tensão.

Escritos na PRIMAVERA

Ah... o impressionismo... Diante de mim, Monet emoção etérea.

Bem-te-vis em pares preparam ninhos nos postes.

49


Rolinhas se enroscam nas palmeiras do quintal. Ovinhos à vista.

Dissolve as estrelas uma luz no firmamento. O sol da manhã.

Trabalho, trabalho. Formigas em carreirinha levam folhas verdes.

Estrelas do mar, a maré nunca mais trouxe... Detritos na areia.

Vida em tons pastéis até encontrar seu olhar. Paleta de cores.

Tantos professores abriram nossos caminhos. E quem abre os deles?

Mais um dia nasce. E esse amor que me vigia é a luz da manhã.

A sapa sapeca sapeou pela lagoa. E engirinou!

Gorjeia em triversos o trinca-ferro do sul. Poeta do bosque.

Teatro giratório. Há lugar para sentar em palco de sonhos?

Incessante chuva. Em dia de escuridão as luzes acesas.

50


Escritos no VERÃO Deixar-se levar é viajar sem e-tickets. Pensamentos bons... O verão, em férias, acinzenta o céu e o mar. Guarda-sóis guardados. Moradas no morro. Chove muito, chove mais, morro abaixo, morte. Boiando no rio um sofá é entregue ao mar. E quem vai sentar?

Luona no mar tinge de prata o horizonte. Presente de maio. Nuvens versus sol, luta no ringue do céu. E quem vencerá? Lua em perigeu gera preciosas saudades. Reflexos no mar. Voltaram as nuvens, a luz cansou de brilhar. Feriado solar.

Escritos no OUTONO

Perigeu no mar tinto de prata o horizonte presente de maio.

Poeta na praia, voyeur em noite encantada. Excessos da lua.

Outono abre alas para o sol quase verão. Graça da estação.

51


A luz acanhada dilui-se em serena alvura. Procissão de nuvens.

Na tarde sisuda, o vento arrepia as folhas Chocolate quente.

Ameno domingo. Bocejam as criaturas na lenta manhã.

Os balões no céu já não são mais inocentes. Florestas em chamas.

Doces caramelos. Tantos sabores da infância em tardes sem culpa.

Dia em tons de cinza. Num ninho de cobertores, o calor das cores.

Orgulhoso o sol ostenta a pinta no rosto. Passeio de Vênus.

Marasmo diário. Na rede do pescador, garrafas e latas.

Escritos no INVERNO

Fios por toda parte levam notícias e sonhos. As pessoas ficam.

O frio de junho. Casacos livres do armário desfilam na rua.

Na história, o grito lá nas margens do Ipiranga... Hoje só detrito.

52


No carro de som a propaganda política. Vai ganhar no grito?

POEMAS PERMITA-SE O que é o presente Senão o vão momento Que o passado já engoliu? O que é o futuro Indelével destino Que não se pode controlar? Permita-se Sentir a brisa, Olhar o horizonte Esperar a primeira estrela. Permita-se Beijar hoje Não trabalhar Esquecer as obrigações.

Permita-se Sorver um bom vinho Uma boa companhia, Jogar conversa fora. Permita-se Acreditar no amor, na sorte, no destino e na bondade das pessoas. Permita-se.

ESCRITÓRIO Escritório Sina de todo dia Multidão comprimida Na total monotonia. A porta fecha Deixando a vida lá fora O relógio é moroso E a saída demora. Presos na caverna de luxo Onde o sol não entra Onde a chuva não molha

53


E até o ar é condicionado.

De outro é dia.

Escritório Robôs de crachás Sem pensamentos, sem vontade Sem individualidade.

O muro maldito Separa os humanos De um lado carentes De outro insanos.

As melhores horas De muitos dias Em troca da breve alegria Do dia dez.

O muro é eterno E faz parte de nós Deixando os homens Isolados, a sós.

O MURO

VEM E VAI

O muro gelado Separa a cidade De um lado a mentira E de outro a verdade.

É a onda que vem Vem e vai.

O muro mesquinho Divide o amor De um lado ele é puro No outro é dor. O muro pichado Esconde a alegria De um lado é noite

Como a cheia do rio Que sobe e se esvai. É a lua que surge E depois se retrai. Como o homem que nasce Morre e “bye”. É o ciclo da vida

54


Vem e vai. Como o sol que nasceu Sobe e decai. É o amor que chegou Entra e sai. Mas a dor que deixou Dói demais.

AGORA Agora posso respirar E sorrir E jantar. Agora posso ir Pra um lugar Divagar. Agora posso ver O meu eu Renascer. Agora posso parar De sonhar E lutar.

Agora estou livre Para ser E vencer. Agora estou bem Para o ano Que vem.

MENINO POBRE Menino pobre Da noite quente Abandonado Menor carente. Menino pobre Da noite nua Necessitado No olho da rua. Menino pobre Do pé descalço Chutando lata Pela calçada. Menino pobre Menino sujo

55


Vagando triste Um moribundo. Menino inquieto Girando o mundo Sem casa e roupa Sem mãe nem pai. Menino triste Pra onde vai O que vai ser Quando crescer?

MAR Ventos Valsando Voltam Vagando Trazendo O barulho Do mar. Brisas Soprando Ondas Tragando

Fazendo A beleza Sem par. Canários Cantando Aves Voando Planando A leveza Do ar. Praias repletas Luzes, atletas Completam Essa vida No mar.

FOSSA Sai dessa fossa, menina Que isso não tem remédio O que está feito é passado E o passado só leva ao tédio. Se as coisas dão errado Se a sorte te despreza

56


Não fuja, não vá de lado Vá em frente que não pesa. Sai dessa fossa, menina Que chorar não adianta não A vida tem dessas mesmo Mas chorar não é solução. Deixe de caminhar a esmo Pare de se sentir errada As coisas acontecem para o bem Não há mal que resulte em nada. Existe um horizonte além Dos conflitos do dia-a-dia Sai dessa fossa, menina Olhe em frente e sorria!

TALVEZ Talvez seja esse O amor que procurei por toda a vida Que pedi às estrelas Que pedi aos santos Que procurei nos cantos.

Talvez seja esse O amor que sonhei da despedida Quando descobri o engano de um amor trocado E senti o sofrimento sem pecado. Talvez seja esse O amor que me fará forte E de tão forte me fará fraca Por ter meu coração entregue à sorte. Talvez seja esse O amor que me fará feliz E será firma e será tão sólido Que poderemos formas nós dois Um só tronco, uma só raiz. Talvez seja esse, finalmente O meu caminho, o meu destino A chave que libertará do meu peito Todo o amor que eu tenho para dar A recompensa por querer tão somente Partilhar de um sentimento sincero A realização do simples, porém complexo Desejo de amar. Talvez seja esse, talvez…

57


Ialmar Pio Schneider Tenta fazer do teu verso uma lição de ternura; então terás do Universo a mais sublime ventura... Entrevista realizada virtualmente por José Feldman (PR) com o poeta e trovador Ialmar Pio Schneider (RS), para o blog Pavilhão Literário Singrando Horizontes. JF: Conte um pouco de sua trajetória de vida, onde nasceu, onde cresceu, o que estudou, sua trajetória literária. Nasci no município de Sertão/RS em 26-08-1942. Filho de Henrique Schneider Filho e dona Amábile Tressino Schneider, ambos falecidos. Cursei o primário em minha terra natal na Escola Pio XII das Irmãs Franciscanas onde diplomei-me inclusive em datilografia com 13 anos de idade. Ingressei no Ginásio Cristo Rei dos Irmãos Maristas em Getúlio Vargas/RS que conclui após 4 anos, em 1959, período em que iniciei a compor poesias.

58


Daí transferi-me para Passo Fundo/RS onde ingressei no Colégio N. Sra. da Conceição dos Irmãos Maristas cursando então simultaneamente o Curso Científico e a Escola Técnica de Contabilidade por um ano e meio, continuando a escrever poesias inclusive gauchescas, algumas das quais foram publicadas no Jornal do Dia, de Porto Alegre, até que um concurso público para o Banco do Brasil S.A. me levou a Cruz Alta/RS, onde assumi em 1961, poucos dias antes de completar 19 anos de idade. Posteriormente integrei o corpo de funcionários da agência de Soledade/RS, que estava em Instalação, o que ocorreu em 1962. Completei o curso em Técnico de Contabilidade em 1962, permanecendo por 5 anos na cidade, onde exerci o cargo de Fiscal da Carteira Agrícola do Banco até ser transferido para a Metr. Tiradentes do Rio onde não cheguei a tomar posse, tendo feito uma permuta tríplice com outros dois colegas, vindo a assumir em Canoas/RS, em 1967, para logo após um ano se transferir para São Leopoldo/RS em nova permuta com outro colega, onde tencionava tirar o Curso de Direito da Unissinos, o que não se concretizou. Casei-me em 1968 com Helena Dias Hilário, de Soledade/RS e transferi-me para a Agência Centro do Banco do Brasil S.A de Porto Alegre, em 1969. Residindo em Canoas, nasceu minha filha Ana Cristina Hilário Schneider. Permaneceu por 3 ou 4 anos compondo poesias diversas inclusive a maior parte de seus poemas gauchescos ainda inéditos bem como muitos sonetos então com 30 anos de idade. Resolvi novamente transferir-me de cidade a fim de ficar mais próximo dos meus parentes e os de minha esposa e pleiteei uma permuta, que consegui para a cidade de Passo Fundo, tendo lá permanecido por cerca de 3 anos, ocasião na qual requeri e fui transferido para a agência do Banco em Palmas/ PR, onde residiam minha mãe e irmãos, de cuja remoção desisti pelo motivo de minha esposa ser professora estadual e não ter conseguido aproveitamento naquela cidade. Com dificuldade em adquirir casa de moradia retornei a Canoas voltando a residir e a trabalhar no Banco até que em uma concorrência nacional para fiscal da Carteira Agrícola do Banco fui nomeado para a cidade de Antônio Prado/RS, onde permaneci por 2 anos e meio aproximadamente.

59


Em 1980, regressei a Canoas onde adquiri um apartamento em que resido até hoje, na rua que leva o nome do grande pintor Pedro Weingartner tendo feito vestibular para a Faculdade de Direito do Instituto Ritter dos Reis, classificado em segundo lugar de que também participou o ilustre jogador de futebol do Internacional Paulo Roberto Falcão, que logo depois transferiu-se para a Itália. Trabalhando no Banco do Brasil- agência de Canoas e estudando, só consegui formar-me em Direito nas Faculdades Integradas do Instituto Ritter dos Reis em 1990, após 10 anos de curso superior. Enfim, antes tarde do que nunca. Transferi-me para o CESEC do Banco do Brasil Sete de Setembro em Porto Alegre, onde trabalhei até 1991, tendo completado 30 anos e alguns dias de serviço no Banco quando me aposentei por tempo de serviço. Por enquanto, resido na cidade de Porto Alegre/RS, no Bairro Tristeza, com uma vista maravilhosa para o Rio Guaíba, em uma janela do qual até um joão-de-barro já fez um ninho há uns dois anos. Como diz o inigualável poeta gauchesco saudoso Jayme Caetano Braun: “Eu até fiquei contente/ Dizem que dás muita sorte !”em seu poema “João Barreiro”. Atualmente minha filha é casada, ambos advogados, com escritório. Durante os meses de verão, dezembro até fevereiro, permaneço em Capão da Canoa/ RS, cidade praiana, onde produzo diversas poesias: poemas, sonetos e trovas. Nos últimos dois anos desloquei-me com a família por uns dez dias em final de temporada para a praia de Canavieiras, precisamente Cachoeira do Bom Jesus, em Florianópolis/SC. Eis em rápidas pinceladas a sucinta biografia rotineira de um poeta menor.

60


JF: Ialmar, se é poeta menor, então eu nem existo, precisaria um ultra microscópio para me encontrar (risos). Recebeu estímulo na casa da sua infância? Total estímulo e incentivo inclusive éramos 6 filhos, 4 irmãos e 2 irmãs e nossos pais só tinham como meta o nosso estudo. JF: Quais livros foram marcantes antes de começar a escrever. Muitos livros de poesias: Fagundes Varela, Casemiro de Abreu, romances de Paulo Setúbal, os grandes romances do Cristianismo, trovas de Adelmar Tavares e diversos outros. Mas o romancista que mais me agradou foi Lima Barreto, antes Dostoiewsky, Érico Veríssimo, Dyonélio Machado, Cronin, uma infinidade de autores, enfim. Desculpe se não cito todos, nem um por cento talvez. JF: Teve a influência de alguém para começar a escrever? Foi naturalmente através das leituras escolares. JF: Tem Home Page própria (não são consideradas outras que simplesmente tenham trabalhos seus)? Tenho diversos blogs que podem ser encontrados procurando por IALMAR PIO SCHNEIDER no Google, como http://ialmar.pio.schneider.zip.net/; http://ialmarpioschneider.blogspot.com http://ial123.blog.terra.com.br JF: Você encontra muitas dificuldades em viver de literatura em um país que está bem longe de ser um apreciador de livros? Nunca pensei nisto. No Brasil acho que só meia dúzia o consegue. JF: Como começou a tomar gosto pela escrita?

61


Para conhecer e aprender, pois acho que todo o livro é de auto-ajuda. JF: Você possui livros? Fiz a estréia editorial na obra TROVADORES DO RIO GRANDE DO SUL, org. por Nelson Fachinelli, em 1982. Publiquei a obra poética SONETOS E CÂNTICOS DISPERSOS, em 1987. Figuro em outras coletâneas. A última obra, POESIAS ESPARSAS DIVERSAS, de 2000. JF: Como definiria seu estilo literário? Eclético para poesia e crônicas também. JF: Que acha de seus textos: O que representam para si? E para os leitores? Acho que são a expressão do meu pensamento. A maioria dos leitores dizem gostar. JF: Qual a sua opinião a respeito da Internet? Tem contribuído para a difusão do seu trabalho? Tem contribuído muito e eu considero o mais valioso meio de publicação atual, ainda mais para quem não tem a grande mídia ao seu dispor. JF: Tem prêmios literários? Alguns. JF: Participa de Concursos Literários? Qual sua visão sobre eles? Acha que eles tem “marmelada”? Participo às vezes. Tenho visto trovas sem nenhum fundamento serem premiadas.

62


JF: Você precisa ter uma situação psicologicamente muito definida ou já chegou num ponto em que é só fazer um “clic” e a musa pinta de lá de dentro? Para se inspirar literariamente precisa de algum ambiente especial ? Surge de repente, não sei de onde nem quando. JF: Você acredita que para ser poeta ou trovador basta somente exercitar a escrita ou vocação é essencial? Tudo é essencial, principalmente muita leitura. JF: No processo de formação do escritor é preciso que ele leia livros de baixa qualidade? É preciso distinguir. JF: Mas existe uma constelação de escritores que nos é desconhecida. Para nós chega apenas o que a mídia divulga. Na sua opinião que livro ou livros da literatura da língua portuguesa deveriam ser leitura obrigatória? Os clássicos: Machado de Assis, Lima Barreto, Euclides da Cunha, Rui Barbosa. Paulo Setúbal, Érico Veríssimo, Dyonélio Machado, Lya Luft e outros. Os bons escritores. A lista é infindável. Poesias de Vinicius de Moraes, Guilherme de Almeida e os clássicos também Castro Alves, Fagundes Varela, Alvares de Azevedo, Olavo Bilac, tantos e tantos.

63


JF: Qual o papel do escritor na sociedade? Ensinar e divertir também. JF: Há lugar para a poesia em nossos tempos? Há sim. Aqui no sul principalmente a poesia gauchesca, os sonetos românticos. Basta declamar uma poesia atraente todos gostam. JF: A pessoa por trás do escritor Um bancário aposentado, um advogado não militante e um diletante em literatura. JF: O que o choca hoje em dia? A violência e a falta de saúde pública. JF: O que lê hoje? Romances e poesias. Estou curtindo um ócio criativo. Nada de muito profundo. JF: Você possui algum projeto que pretende ainda desenvolver? Continuar escrevendo nos blogs e talvez preparar um livro de poemas e poesias gauchescas. JF: De que forma você vê a cultura popular nos tempos atuais de globalização? Vai andando aos trancos e barrancos, mas com o andar da carroça as abóboras se ajeitam na caixa.

64


JF: Que conselho daria a uma pessoa que começasse agora a escrever ? Ler bastante e escrever mesmo errando. JF: O que é preciso para ser um bom poeta ou/e trovador? Muita leitura e perspicácia. JF: Trovas de sua autoria. Cada paixão que me invade surge do amor que não tive; e representa a saudade de quem neste mundo vive. Eu não sou navegador, mas enfrento o mar da vida, por causa do nosso amor que não teve despedida. Foste a morena brejeira que surgiu em meu amor como o botão da roseira que agora não dá mais flor. Não foram horas perdidas as que passei junto a ti; são lembranças bem vividas

65


que nunca mais esqueci... Perambulando sozinho pelas ruas da cidade, procuro achar o caminho que leva à felicidade. JF: Finalmente, se Deus parasse na tua frente e lhe concedesse três desejos quais seriam? Boa saúde, meios para continuar vivendo e a felicidade da Humanidade inteira.

TROVAS Acabou-se da memória o desejo de te amar, mas ninguém me rouba a glória de em meus versos te cantar!...

Amiga de muitos anos, companheira de verdade, enfrentando os desenganos, ela se chama: saudade.

Alta noite, escrevo versos, sentindo a falta de alguém; quem me dera que dispersos, ela os ouvisse também...

Andei por árduo caminho no qual não quero andar mais; e voltei para o meu ninho como voltam os pardais...

66


Anoitece lentamente quando medito sozinho e me quedo descontente distante do teu carinho.

A trova que canto agora tem sabor de nostalgia, por alguém que foi embora quando mais bem a queria.

A noite desceu aos poucos e no céu surgiu a lua para os boêmios e loucos que vagam a esmo na rua.

Busco na trova a harmonia para equilibrar a vida; é o resumo da poesia em quatro linhas contida.

Ao tentar criar poemas para contar minha história, me deparei com dilemas na fase contraditória...

Cada paixão que me invade surge do amor que não tive; e representa a saudade de quem neste mundo vive.

Aquela que um dia fez meu coração palpitar, hoje não saiba, talvez, desta saudade sem par.

Como tarda anoitecer nestes dias de verão, quanto é difícil viver mergulhado em solidão.

Às vezes me contradigo sem querer, naturalmente, pois corro sempre o perigo de te amar inutilmente.

Contigo no pensamento, eu vou compondo esta trova, porque neste sentimento minha paixão se renova.

67


Coração aventureiro, vive sonhando um amor, que pode ser verdadeiro, infeliz ou enganador.

De tudo que amo e venero, vem em primeiro lugar, teu beijo doce e sincero que me faz revigorar.

Cresce a planta no jardim por força da natureza; e cresce dentro de mim o amor à tua beleza.

Devo te dizer cantando para que escutes sorrindo e assim vás acreditando que eu não esteja fingindo...

Desejo fazer somente o que deveras me apraz, levando os sonhos em frente, deixando as mágoas pra trás.

Dos versos soltos que faço, um deles tem mais calor; porque lembra teu abraço e nossos beijos de amor..

De manhã cedo levanto e ao Senhor dos Céus imploro, que me ajude quando canto e me console se choro.

Eis que chega a primavera, trazendo-me novo alento, vivo o “suspense” da espera de te encontrar num momento…

Desejo que o nosso amor nunca seja de mentira; por isto sou trovador romântico, ao som da lira.

Escrevo trovas sentidas num desabafo de dor: são as ilusões perdidas de certo frustrado amor.

68


Esse amor que tu me deste foi efêmero, fugaz... Por isto a tristeza investe, arrebatando-me a paz.

Eu agora não me espanto e nem me causa pavor, o terrível desencanto que sofri por teu amor.

Este amor que não resiste às tentações deste mundo, se não fosse assim tão triste, pudera ser mais profundo.

Eu caminho lentamente pelas areias do mar, debaixo do sol ardente que descamba devagar...

Estivemos frente a frente, mas nenhum de nós sorriu; parecias diferente que me deixaste arredio.

Eu fui ficando distante e vivendo da saudade, pois desejo, doravante, somente a sinceridade...

És uma estrela tão alta, brilhando no firmamento, que a minha canção exalta no calor do sentimento.

Eu fui te ver certo dia e apenas me confundiste; ia cheio de alegria e voltei magoado e triste.

É tão tarde... a madrugada daqui a pouco vai raiar; e pensando em minha amada quero dormir e sonhar...

Eu fui vivendo meus dias, procurando te olvidar, e quantas horas vazias se arrastavam devagar...

69


Eu já vou me convencendo que nada sei pra ensinar; amei tanto e não compreendo o que significa amar.

Faço de conta que penso e me concentro demais; todavia me convenço que não me encontro jamais...

Eu levo a vida cantando minhas trovas e canções; só assim vou afastando mágoas e desilusões.

Faço versos para alguém que surgiu em minha vida e agora com seu desdém me deixou a alma ferida.

Eu não sou navegador, mas enfrento o mar da vida, por causa do nosso amor que não teve despedida.

Faze da trova teu lema com grande satisfação e terás em cada tema um motivo de emoção.

Eu te esperei tantos anos, até não conseguir mais aguentar os desenganos que o teu desprezo me traz.

Fiquei contente ao saber que realizaste teu sonho, pois fazes por merecer um futuro assaz risonho.

Eu te quis com tanto afã, não pude te conquistar; pela tentativa vã, peço perdão por te amar...

Fora bom que tu partisses para nunca mais voltar; assim talvez conseguisses que eu pudesse te olvidar...

70


Foste a morena brejeira que surgiu em meu amor como o botão da roseira que agora não dá mais flor.

Mesmo depois de velhinho, se Deus me der esta graça, quero sentir o carinho do amor total que não passa...

Fui feliz antigamente, quando era um pobre menino; e só vivia o presente, sem me importar com o destino.

Meu amor foi o mais louco, pois nasceu de uma esperança, que não vingou nem um pouco e transformou-se em lembrança.

Hoje não tenho alegria por sentir esta saudade que nasce de quem fazia a minha felicidade.

Meu amor simples em tudo não te convenceu bastante, porque permaneço mudo ao te ver tão deslumbrante.

Iremos os dois sozinhos em meio da multidão, por diferentes caminhos que jamais se encontrarão.

Meu coração se consterna olhando a noite estrelada; no mundo quem me governa são as carícias da amada.

Já não canto por desgosto e nem por felicidade, mas, à tardinha, ao sol-posto, eu me quedo na saudade...

Meu coração se enternece quando vejo os passarinhos, no instante que a noite desce, retornarem aos seus ninhos.

71


Meu coração treme ainda ao lembrar-te com saudade, porque por seres tão linda eras a felicidade!

Não foram horas perdidas as que passei junto a ti; são lembranças bem vividas que nunca mais esqueci...

Minhas mágoas já são tantas que não posso descrevê-las; é como se pelas tantas fosse contar as estrelas...

Não há mentira mais louca da que sai do coração, pois a que nasce da boca quase sempre é pretensão.

Nada te digo nem quero que alguma coisa me digas; se às vezes me desespero eu me desfaço em cantigas...

Não há poder que consiga me demover da vontade, de tê-la só como amiga quando me assalta a saudade.

Não estás junto comigo nestes momentos adversos; no entanto, pra meu castigo, vives inteira em meus versos!

Não me iludem teus olhares e nem tampouco teus risos: são expansões singulares ou desejos indecisos ?!

Não façamos desta vida um motivo de revolta; nesta estrada sem saída é tão difícil a volta.

Não te desprezo, nem quero o teu desprezo, igualmente; se o amor não é sincero procuro esquecer, somente...

72


Não vais chorar, certamente, ao saberes que te quero e creias, porém, somente que tudo... tudo é sincero.

O amor platônico vive em minhas trovas também; foi um que uma vez eu tive e não me fez muito bem.

Nesta manhã radiante de sol claro e resplendente, por seres tão inconstante, me deixas tão descontente...

O amor tem prazer e pranto, também mágoas e carinhos; pois assim sendo, portanto, não há rosas sem espinhos!

Nosso amor já teve fim, pois não esteve ao alcance o que você quis de mim pra ter sucesso o romance.

O calor convida ao mar aonde o meu desejo vai, preciso te procurar quando a tarde aos poucos cai.

O amor à primeira vista visitou meu coração, mas no instante da conquista vi que tudo foi em vão.

O que me causa tristeza não é saber que não me amas, é tão-somente a certeza que sofres e não reclamas !

O amor de quem não desiste, seja forte, seja brando, há de permanecer triste que nem flor que vai murchando.

O tempo que tudo apaga só deixa recordação, que nem uma viva chaga sangrando no coração.

73


Para esquecer-te procuro me envolver na multidão, mas não me sinto seguro e retorno à solidão.

Pelo amor sempre sonhado e nunca correspondido, vou cantar um verso alado pra que chegue ao teu ouvido.

Para sofrer tanto assim fora melhor não revê-la; está tão longe de mim como se fosse uma estrela.

Pelos caminhos da vida fui deixando para trás, como em cada despedida um sonho que se desfaz.

Para te amar me concentro, esperando chegar a hora; pois quem não ama por dentro, não adianta amar por fora.

Penso em ti quando a saudade me visita de surpresa e na minha soledade recordo a tua beleza.

Para tê-la novamente andei por muitos caminhos e retornei descontente sem conseguir seus carinhos...

Perambulando sozinho pelas ruas da cidade, procuro achar o caminho que leva à felicidade.

Para viver com carinho procurei amar alguém; hoje sinto que sozinho eu vivia muito bem.

Perdido em divagações sento à beira do caminho, como se as recordações não me deixassem sozinho.

74


Perto de ti me convenço que nada posso fazer, sem empregar o bom senso para afinal te esquecer.

Quantos amores têm fim por falta de persistência, não concretizando assim a base da convivência.

Por mais que tente esquecê-la, não consigo meu intento, sempre será qual estrela, brilhando no firmamento.

Quem quiser ser trovador, seja primeiro aprendiz, mesmo em matéria de amor se aprende pra ser feliz.

Posso perder-te... que importa se não queres me aceitar... Há muito tempo está morta a vontade de te amar.

Roubei-lhe um beijo, ao passar ao meu lado, sorridente; e lembrando seu olhar, de noite, dormi contente...

Proclamas que és minha amiga... ou foges da realidade ?! Não te importas que eu te diga desejar mais que amizade ?!

Saudade!... palavra viva do que ficou no passado; és o bem que nos cativa para sempre ser lembrado!

Quando te vejo sorrindo, não consigo disfarçar, este desespero infindo de não poder te beijar.

Se amar causa sofrimento; é preciso suportar... pois não há pior tormento do que sofrer sem amar...

75


Se amei e fui preterido, pouco me importa até quando, pois não me dou por vencido e continuo te amando.

Sempre existe na existência pra nos fazer infeliz, um amor sem convivência que a gente esperou e quis.

Se eu não sentisse saudade daquela que tanto quis, talvez a felicidade não me fizesse infeliz.

Sendo um simples aprendiz de saber da trova o enredo, sinto que não sou feliz e me condeno em segredo.

Segue teu rumo que eu sigo o meu destino também, se não pude andar contigo vou procurar outro alguém...

Se o amor não tem futuro e vive só da esperança, é qual um tiro no escuro e sem querer você “dança”.

Segura o pouco que tens e amanhã podes ter mais, porque de todos teus bens preponderam ideais.

Se pudesses compreender a paixão que me enlouquece, nunca mais o teu viver uma só mágoa tivesse...

Se leres os versos soltos neste livro de lamentos, que não te assaltem revoltos, infelizes sentimentos...

Se tens amor e resistes às ligações perigosas, teus dias não serão tristes e viverás entre rosas...

76


Se tens amor não escondas, muito sofri por contê-los; ele surge como as ondas e foge ao não ter desvelo...

Trovas de amor e saudade trazem mil temas diversos, mas predomina a amizade nascendo de tantos versos...

Se tens amor não o escondas, proclame-o para quem é; as paixões são como as ondas que aproveitam a maré.

Tudo não passou de um sonho tão rápido e fugidio; um pensamento enfadonho que de nada me serviu.

Se te querer foi loucura, eu serei um triste louco, por te dar tanta fartura e ter em troca tão pouco.

Tu me procuras sorrindo e te recebo contente, como se fosse surgindo um novo amor de repente!

Sócrates assim dizia: “Eu só sei que nada sei.” E com tal filosofia eu também responderei.

Tu mereces muito mais daquilo que posso dar-te, mas um dia entenderás que te dei toda minha arte.

Sofro por ti, me atormento a cada instante que passa; e neste martírio lento vou vivendo na desgraça...

Tudo tem o seu começo e um fim também há de ter, mas das dores que conheço a pior é não te ver...

77


Vai-se um amor... outro vem... e assim se passam os dias. Os nossos sonhos também são de mágoas e alegrias.

Vive de amor, se te apraz, e nunca percas a calma; porque a verdadeira paz só se encontra dentro da alma.

Vida de amor e saudade, que junto com nossos sonhos, também traz a realidade e momentos enfadonhos.

OUTROS VERSOS SONETOS SONETO AO PÔR-DO-SOL

Vem a ser o ambiente de verdura...

O pôr-do-sol agora está magnífico, Parece do Senhor uma pintura, E por isto o momento é beatífico, Como se unisse Deus à criatura...

Então, eu me recolho e penso em ti, Com serena tristeza e nostalgia, Lembrando nosso amor de frenesi...

A noite vai descendo... colorífico O céu em tons diversos se mistura, E mesmo pelos ares odorífico

Se agora já vai longe a mocidade, Não esqueço os momentos de alegria, Embora hoje só reste esta saudade !

78


SONETO PARA DELCY CANALLES O verso flui da pena da Delcy Canalles, como as águas vem da fonte Rumorejante, a deslizar do monte, Formando um lindo lago azul ali No vale verde, que se vê defronte Do arvoredo, onde passa o colibri, Beijando as flores, como em frenesi Se avista o sol caindo no horizonte... A noite vem descendo na cidade... Nestas horas visita-me a saudade, E lembro que já tive os meus amores Da juventude que ficou distante... Amo, agora, a poesia inebriante Que sói acalentar os sonhadores…

Hoje, vives mais forte, a maltratar meu coração ferido, no tormento de nunca conseguir desenraizar tanta saudade no meu sentimento... Por que fui conhecer o amor perdido, se fosse pra sentir tanta emoção, que ora se me afigura ser proibido?! Quero deixar de lado a hipocrisia e te aguardar na velha solidão que tanto me acompanha noite e dia…

SONETO ENEASSILÁBICO 1

SONETO DO AMOR SONHADO

Sol, bendito Sol que me alumias quando permaneço solitário, e sinto que transcorrem meus dias como as contas bentas de um rosário...

Um dia procurei te sepultar no cemitério zen do esquecimento, pra nunca mais te ver ou te lembrar, mas foi em vão este convencimento...

Ouvindo o gorjeio de um canário, vou lembrando velhas fantasias, com as quais fui formando um hinário, a minha bagagem de poesias.

79


E quando meu espírito for pairando leve em outras esferas, não esquecerei jamais do amor que vivo cantando neste mundo, nos invernos e nas primaveras, com ânimo total e profundo !

SONETO ENEASSÍLABO 2 Apesar de só, me contenho para não turvar o dia claro; pois, há muito tempo meu empenho, é conseguir na luz, amparo. Sei o quanto ser feliz é raro e por isto humildemente venho pedir a Deus o clarão de um faro, que me conduza a um bom desempenho. Amei e fui amado e por isso acredito no amor, no feitiço que representa esta Divindade...

mas, minh´alma vai viver sonhando, que só no sonho há felicidade !

SONETO HENDECASSÍLABO Às vezes sinto vontade de viver os velhos tempos que não voltam jamais e nesse sentimento parece haver a saudade dos cândidos madrigais. Versos simples, juvenis, tristes demais, quando lia nos poetas o prazer de lançarem ao mundo sentidos ais que os faziam lamentar e padecer... Por esta estrada em que segui caminhando, encontrei algumas rosas com espinhos que me feriram, mas me deram amor... Se por muitos momentos passei sonhando e tive desgostos e também carinhos, eu fui apenas um escrevinhador...

Vou morrer um dia, não sei quando,

80


SONETO 15073 Eu recordo dos tempos de criança, quando me apaixonei perdidamente, por uma linda jovem, de repente, bem assim como nasce uma esperança... Porém, não tive sorte, pois somente tivemos uns olhares de confiança, e neste mundo louco, em contradança, nos perdemos na vida, totalmente... E nunca mais nos vimos depois disso; entretanto, conservo seu feitiço no pensamento como a cicatriz que fica sempre na alma de quem sofre; porque meu coração é um velho cofre que guarda os sonhos em que fui feliz !

SONETO 15063 A vida teve muita solidão, enquanto suscitava um grande amor; e que chegou em forma de paixão, para um dia qualquer do sonhador...

Por isso é que dizemos, a ocasião é que faz conseguir-se mais ardor para chegar ao beijo de ladrão e que sempre terá melhor sabor. Lembranças vão e voltam num momento, assim como levadas pelo vento, que faz tremer a rama da folhagem... Quando nós encontramos quem nos falta, os versos fluem e a poesia assalta o coração que sofre sem coragem.

SONETO 15060 Um dia ela passou em minha vida e me disse a sorrir: - Triste poeta, por que fazes dos versos tua lida? O que tua alma tanto desinquieta? Eu vi que era uma musa preferida que me fez esta pergunta indiscreta, e no instante ficou sendo a escolhida para viver no sonho que me inquieta...

81


Entretanto, depois de tudo isso, não tive a glória de viver com ela, quem sabe, por ter sido tão remisso de não acreditar ter vindo dela a frase que me disse e que o feitiço que me fez, foi de uma sereia bela !...

SETE DE SETEMBRO Dia sete de setembro, dia de glória, Dia em que o Brasil festeja radiante, Que o sol é mais risonho e mais brilhante E a nossa vida é menos merencória ! Dia de ouro para nossa bela história, Pois neste dia que já vai distante, Dom Pedro ergueu um grito trepidante, Um grito de grandeza e de vitória... Um brado ressoou pelo infinito, Desde o extremo sul ao extremo norte, Rasgando as nuvens este enorme grito Retumbou num alarme grande e forte Que transformou-se num ditoso mito Da frase da “Independência ou Morte”.

SONETO 11515 Aqui a solidão já foi embora, Pois hoje sei que alguém que tem saudade Não vive só, não sofre, nem mais chora, Porque esta é enfim a sua realidade. Andava sorumbático...; por ora Me reanimei, sabendo da verdade, Uma vez que não conhecia outrora, Que recordar também é felicidade ! Fugindo da aflição, relembro bem, Que fui amado tanto por alguém, Mas nos deixamos sem saber por quê... Ingrata vem a ser a nossa história, Bem guardada no cofre da memória, Onde estão habitando eu e você !

SONETO 11514 Eu tive uma saudade da mulher Que um dia dominou minha ilusão, Como se desfolhasse um bem-me-quer, Pra ser feliz depois, na solidão...

82


Mas não foi nesse céu de rosicler, Que já me trouxe tanta incompreensão, A vida que pedi, você não quer, Pois preferiu esta separação... Procure agora achar o seu conforto Nas noites hibernais talvez sozinha, Ouvindo os pios da coruja agreste... O nosso bom convívio está tão morto Porque você não quis o que detinha Num coração mundano e não celeste…

SONETO 11511 Não precisa me amar como te amo, basta que seja cândida amizade nosso conhecimento, a flor no ramo que cultivamos fulge em nossa herdade ! Enfrentemos, assim, a realidade neste fervor que em alta voz proclamo, sabendo, embora, que a felicidade, se não tive-a, também não a reclamo.

Se foi uma das minhas esperanças, sua presença nesta caminhada, só quero amar como amam as crianças... Assim vai ser melhor ao meu tormento, quando este devaneio der em nada e dissipar-se ao sussurrar do vento…

SONETO 11492 Esse amor impossível foi demais e deixou-me saudosas cicatrizes, que me fazem lembrar dos infelizes, que não concretizaram seus ideais... Vivemos nesta vida de aprendizes, como viveram nossos ancestrais, buscando aprimorarmos sempre mais, tudo aquilo que herdamos das raízes. Mas vamos combinar,... a perfeição concentra inatingível utopia, como sabemos muito bem de cor... Sigamos o que manda o coração, embora muito sonho e fantasia, pois iremos assim viver melhor !

83


SONETO 11449

SONETO 11439

Não tenho o que fazer por esses dias, a não ser assistir ao que aparece em meu televisor. Noites sombrias em que vou meditando a longa prece...

A vida foi assim meio bisonha e procurei dizer o que sentia, através de uma página tristonha que turvou por demais minha poesia.

Você já foi o tema das poesias que eu compunha, a sós, quando a tarde desce, hoje vejo que foram fantasias, os versos que minh´alma não esquece...

Tu vieste fantástica e risonha e despertaste as horas do meu dia, em que julgava a existência enfadonha e não pensava em sonhos de alegria.

Outro motivo leva-me por diante e vou seguindo assim o meu caminho com minhas horas mortas nebulosas...

Agora te conheço só de vista, talvez me baste este conhecimento, ouço uma voz dizer-me alto: ´´Persista !´´

Ainda a vejo em sonhos, linda amante, e recordando seu gentil carinho, também relembro o olor daquelas rosas…

Então, vou percorrendo a longa estrada que me leva confiante e sonolento, a gritar-me: ´´Sozinho não és nada !´´

84


Concursos de Trovas XXXIII CONCURSO DA ACADEMIA DE TROVAS DO RIO GRANDE DO NORTE – ATRN – 2013.

3 - PARA SÓCIOS EFETIVOS

Prazo para recebimento das trovas: até 30/6/2013;

Tema: MÃO.

TROVAS LÍRICAS E FILOSÓFICAS:

Coordenadora: Eliana Ruiz Jimenez Rua 2950 n. 671 – Centro Balneário Camboriú – SC CEP: 88330-348

1 - ÂMBITO NACIONAL Tema: AREIA. Coordenador: José Lucas de Barros Travessa Alda Ramalho Pereira, 1010, Tirol Natal/RN CEP 59014-602.

4 - PARA SÓCIOS CORRESPONDENTES – Tema: BÊNÇÃO.

Tema: RASTRO.

Coordenador: Hélio Pedro Souza Rua Cel. Luciano Saldanha, 1.740, Capim Macio Natal/RN CEP 59078-390

Coordenador:

OUTROS INFORMES:

2 - ÂMBITO ESTADUAL

Thalma Tavares Rua México, nº 584 - Jdm. das Américas São Simão/SP CEP: 14200-000

As trovas devem ser endereçadas aos respectivos coordenadores (sistema de envelopes, colocando-se, em lugar do remetente, o nome de ADEMAR MACEDO);

85


Quantidade de trovas por tema: no máximo 2 (duas);

1.5 As trovas devem ser remetidas para:

Festa de premiação: 3 e 4 de outubro de 2013. Responsável: ACADEMIA DE TROVAS DO RIO GRANDE DO NORTEATRN.

CONCURSO DE TROVAS DE PINDAMONHANGABA Prazo: 30 de abril de 2013 REGULAMENTO 1 – Dos trabalhos 1.1 As trovas devem ser inéditas, de autoria do remetente e, cada uma delas deve ser datilografada/digitada na face externa de um envelope branco, que deve ser remetido fechado. Dentro de cada envelope, colocar um papel com a identificação: nome completo, endereço completo e assinatura. 1.2 Os envelopes com as trovas devem ser colocados em outro maior, para a remessa e, este não pode ter a identificação externa do remetente. 1.3 Máximo de 3 trovas (líricas/filosóficas) por concorrente, datilografando/digitando acima da trova, o tema a que concorre.

XXIII Concurso Nacional e Internacional de Trovas de Pindamonhangaba Biblioteca Pública Municipal “Ver. Rômulo Campos D’Arace” Ladeira Barão de Pindamonhangaba, s/n – Bosque da Princesa CEP: 12401-320 – Pindamonhangaba 1.6 Temas: 1.6.1 Nível Regional: para trovadores domiciliados na cidade de Pindamonhangaba, demais cidades do Vale do Paraíba, Litoral Norte e Região Serrana (Mantiqueira, no Estado de São Paulo) – RETICÊNCIA 1.6.2 Nível Nacional/Internacional: para os trovadores domiciliados nas demais cidades do Brasil e Exterior – FRASE 1.6.3 XIX Juventrova (para estudantes) – CELULAR 2 – Da Premiação Dia: 06 de Julho de 2013. Horário: 20 horas Local: a ser confirmado Prêmios: Serão concedidos para cada um dos TEMAS – Troféus e Diplomas para os cincos primeiros colocados, cinco Menções Honrosas e cinco Menções Especiais. ,

1.4 Serão consideradas as trovas recebidas até 30 de abril de 2013.

86


3 – Da Comissão Julgadora 1) ÂMBITO/MODALIDADE e TEMAS: A Comissão Julgadora será formada por trovadores de reconhecido mérito, ficando estabelecido que as trovas com o tema RETICÊNCIA serão julgadas por trovadores residentes em outras regiões e Estados (São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, etc), e as trovas com o tema FRASE serão julgadas por trovadores residentes em outras regiões que não as mencionadas.

O tema deve constar na trova 1.1. Nacional/Internacional (língua portuguesa): “DEUS” (Líricas/Filosóficas) e “SAMBA” (humor)

4 – A Comissão Organizadora

[uma trova por tema]

4.1 A Comissão Organizadora resolverá os casos e suas decisões serão definitivas e irrecorríveis.

1.2. Estadual: “VERSO” (Líricas/Filosóficas) e “MÃO” (humor)

4.2 As trovas remetidas em desacordo com qualquer item, serão eliminadas automaticamente do concurso. 4.3 A simples remessa das trovas significa total conhecimento e completa aceitação deste Regulamento. MAIS INFORMAÇÕES: Telefones: (12) 3643-2399 (Biblioteca) ou (12) 3642-3724 (José Valdez)

IX CONCURSO DE TROVAS DA UBT MARANGUAPE Prazo Máximo: Até 15 de abril de 2013.

[duas trovas por tema] 1.3. Municipal: “ALIANÇA” (Líricas/Filosóficas) e “BAIÃO” (humor) [duas trovas para cada tema] 1.4. ABERTO (a todos os trovadores – Nacional/internacional, estadual e municipal): Destinado a homenagear a profissão de Professor: “PROFESSOR (A, AS, ES)” (Líricas/Filosóficas) e “Estudante (S)” (Líricas/Filosóficas) [uma trova de cada tema].

87


1.5. Internacional em língua hispânica: “Dios” (Lírica/Filosófica).

i) Por e-mail para o endereço eletrônico: ubt.mpe@gmail.com, indicando o nome do autor, e-mail, endereço completo, município e CEP.

[duas trovas por concorrente] OBS: a) Os trovadores de outros Estados/países poderão enviar trovas de âmbitos estadual e municipal, como participação Especial [não serão concedidos diploma de participação especial]; b) Os trovadores do Estado do Ceará não residentes em Maranguape ou não pertencentes a UBT-MARANGUAPE poderão enviar trovas de âmbito municipal como participação especial; c) Os trovadores do Estado do Ceará poderão enviar trovas de âmbito nacional/internacional como participação especial. d) Aberto – destinado a todos os trovadores [âmbitos nacional/internacional, estadual e municipal]. Serão feitas duas premiações na modalidade aberto: 1ª). Para trovadores de âmbito Nacional/internacional; 2ª) Exclusiva p/trovadores do Estado do Ceará, inclusive de Maranguape. e) É necessário constar o tema na trova. Indicar o tema antes de escrever a trova.

VIII JOGOS FLORAIS DE CANTAGALO Prazo Máximo: 1º de maio de 2013 Temas (valendo palavras cognatas): Estadual (somente Estado do Rio de Janeiro) Perdão Nacional (para os demais Estados) OFENSA Máximo: duas trovas Líricas ou Filosóficas Sistema de Envelopes Enviar para Rua Dr Nagib Jorge Farah, 204 Cantagalo/RJ - CEP 28.500-000

ENDEREÇO PARA REMESSA DAS TROVAS:

88


JOGOS FLORAIS DA ACADEMIA DE LETRAS E ARTES DE CAMBUCI/RJ Prazo Máximo: 31 de maio de 2013 Tema Livre

Remeter para:

Neiva Fernandes Rua Eloi Ornelas 25 -Bairro Caju Campos – RJ CEP: 28051-205

Apenas uma trova (lírica, filosófica, humorística, etc. À livre escolha Sistema de Envelopes Enviar para: Almir Pinto de Azevedo Praça da Bandeira,79 - Centro CEP 28.430-000 Cambuci/RJ

III CONCURSO DE TROVAS DE CAMPOS DOS GOYTACAZES

XXII JOGOS FLORAIS DE PORTO ALEGRE/RS Prazo máximo: 30.06.13 Enviar para: Rua Grão Pará, 212 CEP 90850-170 Porto Alegre – RS, com exceção da hispanica.

PRAZO: até 30.05.2013.

TEMAS PARA AUTORES BRASILEIROS E PORTUGUESES (exceção ao RS):

Tema: TRIANON (Lírica/Filosófica) (em homenagem aos 15 anos do Teatro Trianon)

"ÁGUA" (lírico/filosóficas) "VINHO" (humorísticas)

Uma trova por autor.

TEMAS PARA AUTORES DO RIO GRANDE DO SUL:

89


"FONTE" (lírico/filosóficas) "SEDE" (humorísticas)

Rua José Eustáquioo, 1330-Bairro Paraíba Caico-RN CEP: 59300-000

PARA AUTORES DE LÍNGUA HISPANICA: JUVENTUD (L/F)

Tema para autores do RN: "RESPOSTA"

enviar para zetejohnson@hotmail.com

Remeter para Wellington Freitas Rua Renato Dantas, 33-Bairro Acampamento Caicó-RN CEP: 59300-000

Máximo de 03 trovas por autor, em cada tema. "Sistema de envelopes", exceto Língua Hispânica

Tema para autores de língua hispânica: "VENTANA"

XII CONCURSO DE TROVAS DO CTS/UBT/CAICÓ PRAZO: até 30.06.2013. Tema para autores brasileiros e de outros países de língua portuguesa: "FUGA" (Lírica/Filosófica)

enviar para gislainecanales@gmail.com e ColibriRosebelle@aol.com. Uma trova por autor em todos os temas. Sistema de envelopes, exceto para língua hispânica

Remeter para Djalma Mota

90


XXXI CONCURSO NACIONAL/INTERN. DE TROVAS DE TAUBATÉ/SP Prazo: 31 de maio de 2013 TROVADORES DE LÍNGUA PORTUGUESA (exceto região Vale do Paraiba, Litoral Norte e Serra da Mantiqueira) TEMA: "MADRUGADA" TROVADORES DA REGIÃO TEMA: "SERENO" CONCURSO PARALELO: XIV CONC. VICENTINO DE TROVAS (para membros da Soc. São Vicente de Paulo) TEMA: "IGUALDADE" Remeter para A/C Angélica Villela Santos Rua Francisco Xavier de Assis, 36 - Jardim Morumbi Cep 12.060-460 Taubaté/SP

Máximo de 02 trovas por concorrente. "Sistema de Envelopes"

CONCURSO ESTADUAL DE TROVAS DE SÃO GONÇALO/RJ - 2013 Prazo: 31 de Julho de 2013 Concurso de Trovas em Homenagem ao Centenário do Prefeito Joaquim de Almeida Lavoura Promovido pela AGLAC - Academias Gonçalense de Letras Artes e Ciências REGULAMENTO 1. O Concurso de Trovas, exclusivamente aberto a Trovadores do Estado do Rio de Janeiro, tem por objetivo homenagear o emblemático Prefeito do Município de São Gonçalo, JOAQUIM DE ALMEIDA LAVOURA, no Centenário de seu nascimento, e faz parte do Calendário Cultural do Município de São Gonçalo. 2.As Trovas concorrentes deverão ter por tema “Centenário do Prefeito Joaquim Lavoura”, serem inéditas e de autoria do próprio concorrente.

91


3. O prazo limite para recebimento das Trovas será o dia 31 de Julho de 2013, podendo o concorrente enviar até 3 (três) Trovas. 4. O resultado do Concurso será divulgado dia 31 de Agosto de 2013 através da imprensa local e, aos premiados, através de correspondência postal.

10. A Solenidade de Premiação será realizada no dia 20 de Setembro de 2013, a partir das 19 horas no “Centro Cultural Joaquim Lavoura”, situado a Av. Presidente Kennedy, 721 – Estrela do Norte – São Gonçalo. 11. Os premiados presentes receberão seus Troféus e Menções Honrosas durante o evento citado no item 10. Os que não puderem comparecer receberão via Correios.

5. Serão concedidos troféus aos vencedores, nas seguintes modalidades: 3 (três) Vencedores e 3 (três) Menções Honrosas.

12. Os casos os omissos serão resolvidos pela Comissão Organizadora do concurso.

6. A apresentação dos trabalhos será o tradicional “Sistema de Envelopes”, adotado pela UBT – UNIÃO BRASILEIRA DE TROVADORES.

FERNANDO FÉLIX CARVALHO Pres. da AGLAC- Academia Gonçalense de Letras, Artes e Ciências

7. Os trabalhos concorrentes deverão ser enviados para Carlos Alberto de Carvalho Rua Antônio das Santos Figueiredo, 172 – Centro São Gonçalo/RJ CEP: 24445-480. 8. Não será permitida a participação de integrantes ou de parentes direta ou indiretamente ligados aos associados da UBT – Seção São Gonçalo/Rio de Janeiro. 9. A Comissão Julgadora será constituída por membros da UBT – São Gonçalo, previamente selecionada e divulgada pela organização do concurso.

IX CONCURSO DE TROVAS DA ACADEMIA MAGEENSE DE LETRAS - 2013 Prazo: 2 de Julho de2013 Temas: Lírico/Filosóficas: ACADEMIA

92


Humorísticas: TREM A Academia Mageense de Letras, no decurso de seu XXV Aniversário de Fundação, promoverá o presente IX Concurso de Trovas, na forma do Regulamento a seguir: Art. 1.º O certame, de âmbito nacional/internacional, compreenderá duas categorias, com os seguintes temas: “Academia” (Lírico/Filosófico) e “Trem” (Humorístico). Art. 2.º Cada poeta poderá participar, em cada categoria, com apenas 01 (uma) única trova inédita, a ser enviada até 02 de julho de 2013, valendo a data da postagem. Parágrafo único. Considera-se trova a composição em quatro versos, em redondilha maior, rimando o 1.º com o 3.º e o 2.º com o 4.º versos, com rimas perfeitas, formando sentido completo e sem título.

Art. 5.º Serão conferidos diplomas aos dez primeiros classificados, em cada categoria. Art. 6.º Fica vedada a participação dos acadêmicos e de seus familiares no certame. Art. 7.º A comissão julgadora será composta por 03 (três) acadêmicos, convidados pela organização do certame, cuja decisão será irrecorrível. Art. 8.º Qualquer eventualidade será decidida de forma irrecorrível pela organização do Concurso. Alzir Ferreira = Presidente Antônio Seixas = Coordenador do Concurso

Art. 3.º A trova a ser enviada, pelo sistema de envelopes, deverá ser remetida para o endereço:

JOGOS FLORAIS DE RIBEIRAO PRETO 2013

Caixa Postal 93.717 Magé, RJ, 25.900-000.

Prazo: prorrogado para 30 de abril

No remetente escrever Luiz Otávio, repetindo o endereço do destinatário. Art. 4.º A premiação ocorrerá na festa de aniversário de academia, dia 26 de agosto de 2013, em local e horário a serem confirmados.

ÂMBITO NACIONAL: Caixa Postal 448, Cep 14001-970 Ribeirão Preto - SP

93


TEMAS: Lirico/Filosóficas: Muralha Humorísticas: Cerca ÂMBITO MUNICIPAL: Temas: Lirico/Filosóficas: DIREITO Humorísticas: TORTO Trovadora Carmen Pio Rua Uruguai, 91 - 523 - Centro Porto Alegre - RS CEP 90010-140

Jogos Florais Estudantis de Ribeirão Preto: ÂMBITO ESTUDANTIL TEMAS: Lirico/Filosóficas: Fada Humorísticas: Bruxa Josué de Vargas Ferreira Rua Quintino Bocaiuva, 51, ap 41 Ribeirão Preto – SP CEP 14015-180 Remessa: Sistema envelopes brancos (8/11) em ARIAL Até 03 (três) trovas por tema Recepção das trovas: até 30 de abril de 2013. Resultado: até 10 de maio.

94


Fontes                       

A. A. de Assis. Revista Virtual de Trovas Trovia. Academia Niteroiense. http://www.academianiteroiense.org.br/ Academia Paranaense da Poesia. Revista 19. Curitiba, 2010. Ademar Macedo. Mensagens Poéticas. Antologia dos Acadêmicos. Edição Comemorativa dos 60 Anos da Academia de Letras José de Alencar. SP: Scortecci, 2001. Bernardo Trancoso. http://www.sonetos.com.br Carlos Leite Ribeiro. Portal CEN. http://www.caestamosnos.org Colaboração de Andrea Motta Colaboração de Eliana Ruiz Jimenez Colaboração de Ialmar Pio Schneider Colaboração de Luciano M. Brandão Colaboração de Nei Garcez Eliana Ruiz Jimenez. Caderno de Trovas. set 2012. Eliana Ruiz Jimenez. http://www.poesiaemtrovas.blogspot.com.br Eliana Ruiz Jimenez. HTTP://www.poesiasurbanasetrovas.blogspot.com.br Jornal Os Trovadores, de Curitiba. Livretos de Concursos de Trovas Revista do Centro de Letras do Paraná. N. 53. Curitiba: Editora Progressiva, Agosto 2009. UBT Nacional. http://www.ubtnacional.com.br União Brasileira de Trovadores do Estado de São Paulo. http://ubtrova.com.br/ União Brasileira dos Trovadores. Vasco José Taborda e Orlando Woczikosky (organizadores). Antologia de Trovadores do Paraná. Curitiba: Edição d’O Formigueiro. Vendaval das Letras. http://www.vendavaldasletras.wordpress.com

95


Participe com suas trovas Trovas Legendas de Eliana Jimenez (Santa Catarina) http://poesiaemtrovas.blogspot.com.br

Um espaço da Trova Brasileira Criação, seleção e arte final: José Feldman Contatos: pavilhaoliterario@gmail.com Site: http://singrandohorizontes.blogspot.com.br Endereço para correspondência: Rua Vereador Arlindo Planas, 901 casa A – Zona 6 Cep. 87080-330 – Maringá/PR

Blog do Prof. Pedro Melo (São Paulo) Todos os dias, um novo trovador e uma nova trova http://blogdopedromello.blogspot.com.br

Blog da UBT-Curitiba, notícias, trovas, eventos . http://ubt-curitiba.blogspot.com

Blog Simultaneidades, da Andréa Motta(Curitiba) http://simultaneidades.blogspot.com.br

Site do Mário Zamataro (Curitiba) http://www.umavirgula.com.br

Blog do A. A. de Assis (Maringá) http://aadeassis.blogspot.com

A montagem da capa foi realizada com a imagem do mapa do Brasil retirada da internet, a qual não consta a autoria. Se souber de quem é, informe-me, para que sejam dados os devidos créditos. Esta publicação não pode ser comercializada em hipótese alguma.

96


Trova Brasil  

Seleção de trovas e poesias por José Feldman

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you