Issuu on Google+

Dezembro 2012 - Janeiro 2013 | Ano XVIII | Nº114

Um jornal para novos tempos

Retomada da geração Hidrelétricas marcam reposicionamento da Eletrosul Pág. 6 e 7

Usina Passo São João

Usina Mauá


2 editorial

Reconstruindo o patrimônio Em 2012, a Eletrosul colocou em operação três empreendimentos de geração, que somam 528 megawatts (MW) de capacidade instalada. Para a empresa, um grande passo rumo à reconstrução de seu parque gerador. Com o início da operação das usinas Passo São João e Mauá, destaques desta edição, a estatal retomou sua participação no segmento de ge-

ração hidrelétrica no Rio Grande do Sul e Paraná – Estados onde, historicamente, teve uma atuação efetiva. Já com o Complexo Eólico Cerro Chato, também em território gaúcho, a Eletrosul começou a buscar sua consolidação como maior estatal de geração eólica, dando sua contribuição à diversificação da matriz energética brasileira. Boa leitura.

EXPEDIENTE

Diretoria Executiva Diretor-Presidente Eurides Luiz Mescolotto Diretor de Engenharia e Operação Ronaldo dos Santos Custódio Diretor Financeiro e Administrativo Antonio Waldir Vituri Conselho Editorial

Dezembro 2012 - Janeiro 2013 | Ano XVIII | Nº114

Um jornal para novos tempos

Retomada da geração Hidrelétricas marcam reposicionamento da Eletrosul Pág. 6 e 7

Cleiton Luis Rezende Cabral Laércio Faria Luiz Ricardo Machado Renato Bunn Rubem Abrahão Gonçalves Filho Gerente ACS

Usina Passo São João

Sadi Rogério Faustino sadirf@eletrosul.gov.br Coordenação Usina Mauá

Jonatas Andrade jonatas.silva@eletrosul.gov.br Edição Andréa Lombardo andrea.lombardo@eletrosul.gov.br Jonatas Andrade jonatas.silva@eletrosul.gov.br Textos Ana Cristiny Tigrinho Anahi Gurgel Cleusa Frese Fábio Ritter Tatiana Lima Umberto Petry Caletti Vivianne Nunes Edição de Fotografia Hermínio Nunes Fotos Anísio Borges Arquivo DDOM/DGI Cleusa Frese Daniel Amorim Edio Reimar Kuntz Fábio Ritter Felipe Barreiros Francieli Ribas Gomes Júnior Borba Hermínio Nunes Nélio Pinto Odil Silveira Vivianne Nunes

USINA DE SALTO SANTIAGO Montagem de turbina na Usina de Salto Santiago em 1979. Em 1980, entrou em funcionamento a primeira unidade geradora. Em 1981, a segunda; e no ano seguinte, as outras duas. Em 1997, as usinas de Salto Osório e Salto Santiago, ambas no Paraná, foram privatizadas junto com todo o parque gerador da Eletrosul.

Projeto Gráfico Agenciamob Conteúdo e Projeto Editorial Giusti Comunicação Integrada Tiragem 6 mil exemplares Periódico editado pela ACS – Assessoria de Comunicação Social e Marketing Rua Dep. Antônio Edu Vieira, 999, Pantanal Florianópolis/SC CEP 88040901 Fone (48) 3231.7269 / 3231.7075

Parte da equipe que trabalhou na construção das usinas Salto Osório e Salto Santiago (PR), na década de 80, integrando profissionais da Eletrosul e Copel. A parceria entre as duas empresas foi repetida agora para a construção da Usina Hidrelétrica Mauá.

www.eletrosul.gov.br


Eletrosul agora - Dezembro 2012 / Janeiro 2013

responsabilidade social 3

Qualificação profissional

Projeto cria perspectivas para um recomeço Dependentes químicos em reabilitação participam de curso de panificação e a venda dos produtos mantém o projeto Em parceria com a Eletrosul, o Lar da Paz para a reabilitação de dependentes químicos da instituição Desafio Jovem Peniel, de Campo Grande (MS), deu início, no mês de novembro, a um curso de panificação com a proposta de oferecer qualificação profissional e abrir perspectivas de inserção das internas no mercado de trabalho. Elas estão aprendendo técnicas culinárias no preparo de bolos, tortas, pães e cup cakes. Segundo a coordenadora da instituição, Regina Theodoro, no curso elas aprendem a manusear utilitários de cozinha profissional como masseiras e batedeiras planetárias, mas tam-

bém recebem dicas de como preparar as receitas sem os equipamentos mais modernos. “Isso, para que possam ter a opção de trabalhar em casa”, esclarece. A produção será comercializada na própria panificadora e a renda destinada à manutenção do projeto. As aulas são ministradas por professores voluntários, normalmente aos sábados. Além das receitas, elas também têm aulas sobre higiene e manipulação de alimentos. Por conta da rotatividade das internas, que são acompanhadas pelo período médio de seis meses, o curso será contínuo para atender aos novos ingressos. A capacitação é extensiva às famílias das internas e pessoas da comunidade em situação de risco social. Renata (nome fictício) é uma das internas da instituição. Ela está em tratamento há quatro meses e afirma que aprender um ofício será fundamental para sua reabilitação. “É preciso ter uma profissão para, quando sair daqui, conseguir começar tudo de novo”, afirma a jovem de 26 anos. Tratamento A Instituição Desafio Jovem Peniel existe há 25 anos, em Campo Grande, e segundo a assistente social voluntária Alice Lopes, a maioria das pessoas se apresenta de forma voluntária para o tratamento. São unidades separadas para homens e mulheres com idades a partir dos 18 anos. Primeiramente, eles passam por um processo de triagem e, durante seis meses, ficam internados para desintoxicação.


4 canteiro de obras

DEZEMBRO 2012 / JANEIRO 2013

UHE Teles Pires

1.820 MW

PA MT

Em andamento a perfuração do túnel 3, ao mesmo tempo que a concretagem é iniciada no túnel 1.

Linhão do Madeira

N

PCH João Borges

600

19

kV

Torre estaiada, pré-montada no solo, na região de Rondônia.

Capacidade de atendimento: 6.500.000 habitantes

N

Maior LT de 600 kV do mundo, com 2.412 Km de extensão

MW

Foi concluída a concretagem do bloco de ancoragem do conduto forçado junto à tomada d‘água e iniciado o aterro em solo.

SC N

Capacidade de atendimento: 156.000 habitantes


canteiro de obras 5

Eletrosul agora - Dezembro 2012 / Janeiro 2013

canteiro de obras PCH Barra do Rio Chapéu

AMPLIAÇÃO DO COMPLEXO CERRO CHATO

78

15,15 MW

A primeira máquina, Unidade Geradora 1 (UG1), está em operação desde 19 de dezembro e a UG2 está prestes a entrar em operação.

SC N

Capacidade de atendimento: 133.000 habitantes

MW

Concretagem da base do aerogerador 9 do Parque Eólico Ibirapuitã. Em dezembro, foram concluídas as fundações de todos os 39 aerogeradores do parque.

RS N

Capacidade de atendimento: 447.000 habitantes

UHE são Domingos

RS

48

N

MW

A câmara de carga da tomada d´água está pronta com 100% da aplicação da manta de Polietileno de Alta Densidade (PAD) concluída e no processo de enchimento.

MS N

Capacidade de atendimento: 570.000 habitantes


6 especial Eletrosul entrega usinas

2012: o ano da retomada à geração A estatal oficializou o início da operação de duas usinas hidrelétricas, além de seu primeiro empreendimento eólico 2012 ficará registrado na história da Ele-

mos a construção de uma PCH próxima ao

trosul como o ano em que a empresa se re-

barramento de Passo São João, que vai ge-

colocou no mercado da geração hidrelétrica,

rar mais, pelo menos, 8 MW, aumentando a

com o início da operação de duas de suas

capacidade total desta usina para 85 MW”,

usinas: Passo São João, no Rio Grande do Sul,

afirmou o diretor de Engenharia e Operação

e Mauá, no Paraná. Os empreendimentos –

da Eletrosul, Ronaldo dos Santos, durante a

de importante simbolismo para a estatal –

solenidade de inauguração da usina.

foram inaugurados em dezembro. Também

Para o presidente da Eletrosul, Eurides

no ano passado, a entrega

Mescolotto, a operação

do primeiro empreendi-

da Usina Passo São João

mento eólico da Eletrosul – o Complexo Cerro Chato, inaugurado em junho –, representou o início dos investimentos da estatal na força dos ventos

A Usina Passo São João é um marco para a Eletrosul e o primeiro empreendimento de geração 100% da estatal

é um marco para a Eletrosul, pois, além de ser um

empreendimento

100% da estatal, foi o primeiro

arrematado

em leilão, em dezembro

e a retomada da Eletrosul

de 2005, depois que a

no segmento de geração.

empresa foi retirada do

A Usina Passo São João, com 77 megawatts

Plano Nacional de Desestatização e autori-

(MW) de capacidade instalada, é uma obra

zada a retomar os investimentos em gera-

do Programa de Aceleração do Crescimento

ção e transmissão, por meio da Lei nº 10.848,

(PAC), na qual foram investidos aproxima-

de 15 de março de 2004.

damente R$ 600 milhões. Faz parte de um

Com o planejamento estratégico que se

conjunto de investimentos de mais de R$ 4

seguiu, a Eletrosul constituiu, até agora,

bilhões, que a Eletrosul está realizando no

uma carteira de investimentos em geração

Rio Grande do Sul – estado onde, historica-

que já soma 1.848 MW – quase metade do

mente, a empresa sempre teve uma forte

que tinha em operação antes da privatiza-

participação na geração de energia.

ção de seu parque gerador. Isso inclui a par-

“Tenho prazer em anunciar que, tão logo obtivermos a licença ambiental, iniciare-

ticipação em obras estruturantes do setor elétrico como as usinas Jirau e Teles Pires.


especial 7

Eletrosul agora - Dezembro 2012 / Janeiro 2013

Mauá marca retorno ao Paraná

A Usina Hidrelétrica Mauá, que aproveita o potencial do rio Tibagi entre os municípios

tes em geração e transmissão de energia, petróleo e gás, chegaram a R$ 8 bilhões.

de Telêmaco Borba e Ortigueira, no Paraná, foi

O presidente da Eletrosul, Eurides Mesco-

oficialmente entregue no dia 12 de dezembro

lotto, destacou o simbolismo da obra para

em solenidade que contou com a presença da

a empresa. “Entregar essa usina aos brasi-

ministra-chefe da Casa Ci-

leiros, especialmente aos

vil, Gleisi Hoffmann (repre-

paranaenses, é um marco

sentando a presidenta da República, Dilma Rousseff) e do governador do Paraná, Beto Richa. A concessão de Mauá pertence ao Consórcio Energético Cruzeiro do Sul, formado pela Eletrosul

Essa é uma obra do PAC, com investimento de R$ 1,4 bilhão. Só no eixo energia, o PAC 2 investiu mais de R$ 87 bilhões

(49%) e Copel (51%). “Essa é uma obra do PAC,

Gleisi Hoffmann

para a Eletrosul, pois representa a retomada da geração de energia em um Estado onde a empresa já teve uma participação efetiva no aproveitamento hidrelétrico com as usinas de Salto Osório e Salto Santiago”, afirmou.

com investimento de R$ 1,4 bilhão. Uma par-

Mauá foi inaugurada com uma de suas cin-

ceria entre o governo estadual e o governo fe-

co unidades geradoras operando comercial-

deral, com financiamento do BNDES e Banco

mente (a segunda unidade entrou em opera-

do Brasil. Só no eixo energia, o PAC 2 investiu

ção comercial no dia seguinte). A previsão é

mais de R$ 87 bilhões”, relatou a ministra,

de que a usina esteja em operação plena ain-

lembrando que, somente no Paraná, os apor-

da neste início de ano.


8 ESPECIAL

Usina Hidrelétrica Passo São João Potência instalada Energia assegurada Unidades geradoras Altura da barragem Capacidade de atendimento

77 MW 39 MW médios 2 21,5 metros 580 mil habitantes 182 mil unidades residenciais

Localização Rio Geração de empregos Investimento

Roque Gonzales e Dezesseis de Dezembro (RS) Ijuí 2,7 mil diretos e indiretos R$ 600 milhões

Usina Hidrelétrica Mauá Potência instalada Energia assegurada Unidades geradoras Altura da barragem Capacidade de atendimento

361 MW 197,7 MW médios 3 principais e 2 complementares 82 metros 3 milhões de habitantes 925 mil unidades residenciais

Localização Rio Geração de empregos Investimento

Telêmaco Borba e Ortigueira (PR) Tibagi 13 mil diretos e indiretos R$ 1,4 bilhão


geral 9

Eletrosul agora - Dezembro 2012 / Janeiro 2013

Proteção e Controle

Seminário debate avanços no setor Normas de padronização dos sistemas permearam as discussões Autoridades do setor elétrico prestigiaram a cerimônia de abertura

A Eletrosul organizou, entre os dias 18 e 21 de novembro, em Florianópolis (SC), o XI Seminário Técnico de Proteção e Controle (STPC). Promovido pelo Comitê de Estudos de Proteção e Automação (CE B5) do Comitê Nacional Brasileiro de Produção e Transmissão de Energia Elétrica (Cigré Brasil). O evento possibilitou o intercâmbio de informações e experiências de natureza técnica e gerencial entre as empresas e entidades que atuam no setor de proteção e controle de sistemas elétricos. Foram apresentados 43 artigos, que evidenciaram a expansão da geração distribuída no Brasil, assim como a necessidade de aprimoramento no intercâmbio de dados, nas funções de proteção e controle, para permitir uma

melhor observação da rede. Também teve destaque o crescimento do uso de smart grids nos sistemas elétricos, a partir da normatização e diversificação de tecnologias para aplicação, principalmente, na distribuição de energia ao consumidor final. Pela Eletrosul, o engenheiro Tiago Fernandes Barbosa apresentou o artigo “Migração do Religamento Automático Monopolar para Tripolar Lento na Eletrobras Eletrosul – Razões e Experiência Operacional”. A estatal foi uma das pioneiras na adoção desse procedimento. Iniciou a migração em meados de 2000, o que proporcionou, até então, um aumento de aproximadamente 15% no índice de desempenho no religamento automático em seu sistema.

Conferência Internacional Na sequência do STPC, foi realizada a primeira edição da PAC World Conference – Latin America 2012. No evento, realizado pela PAC World Magazine, foram apresentados 49 trabalhos técnicos sobre desafios e avanços na área de proteção, automação e controle de sistemas elétricos, assim como atualizações do Protocolo IEC 61850. O seminário e a conferência reuniram aproximadamente 300 representantes de empresas do setor elétrico, universidades, centros de pesquisas e fabricantes de todo o Brasil e também Alemanha, Estados Unidos, Paraguai, Colômbia, Japão e Espanha. Paralelamente aos eventos, foi realizada uma feira de produtos e serviços.


10 ESPORTES Sementes do Futuro

O esporte como inclusão O Centro Esportivo Para Pessoas Especiais (Cepe), Organização Não Governamental (Ong) de Santa Catarina, desenvolveu, com apoio da Eletrosul, ao longo de 2012, ano das Olimpíadas de Londres, o Projeto Cepinho – Sementes do Futuro, com a proposta de divulgar entre crianças de dez escolas de Joinville (SC) o esporte paralímpico e o trabalho realizado pela instituição com crianças com deficiência, de 6 a 12 anos. As atividades envolveram perto de 1,2 mil pessoas, entre alunos, pais e professores. O projeto Sementes do Futuro foi proposto também em comemoração aos 10 anos de atuação do Cepe. Foram realizadas palestras pelas profissionais de educação física que trabalham na instituição, visitas das crianças do Projeto Cepinho nas escolas e o Concurso Olhar 10, que teve a participação de quase 400 alunos com textos e desenhos sobre a prática de esportes entre portadores de deficiência. “Conseguimos quebrar preconceitos e conscientizar crianças, pais e professores. Muitas vezes, as dificuldades impostas

De olho nas Paralimpíadas: crianças de 6 a 12 anos treinam em cinco modalidades

pela sociedade são muito maiores que as limitações físicas. Buscar a superação é o objetivo do nosso trabalho”, disse a coordenadora do Cepinho, Francielle de Resende, ao avaliar os resultados do projeto. Os profissionais do Cepe treinam pessoas com deficiência na natação, atletismo, basquete, bocha e futebol sete. O Cepinho

trabalha as mesmas modalidades com crianças de até 12 anos. Atualmente, 22 crianças integram o projeto. Ao todo, são 100 atletas, entre os quais está Sheila Finder, 33 anos, que conquistou a quarta colocação no salto em distância e a quinta colocação nos 100 metros rasos, nas Paralimpíadas 2012.

A disciplina do taekwondo Quarenta crianças e adolescentes, de 6 a 17 anos, de Charqueadas, Região Metropolitana de Porto Alegre (RS), estão tendo a oportunidade de praticar taekwondo por meio de um projeto desenvolvido pela Associação

de Moradores da Vila Cruz de Malta, com apoio da Eletrosul. Os alunos foram selecionados pelos orientadores pedagógicos de duas escolas públicas do bairro. O bom desempenho escolar é uma das condicionantes para permanecer no projeto. “Nosso objetivo é provocar uma mudança de comportamento nessas crianças e adolescentes, a maioria pertencentes a famílias que se encontram em situação de risco e vulnerabilidade social, incentivando a socialização e a autodisciplina”, afirma a coordenadora do projeto, Eliane Poeta. Para alguns pais, a proposta do projeto tem dado resultado. “Minha filha

está muito bem na escola, aprendeu a conviver melhor com os colegas, venceu sua timidez e tem mais responsabilidade e atenção”, avalia Janete de Fátima Nogueira, mãe de Raynara, de 10 anos, da Escola Municipal Pio XII. “A prática do taekwondo tem sido muito importante para o Lucas, pois além de melhorar na escola, ele aprendeu a ter mais compromisso e respeito ao próximo”, reforça a mãe do aluno, de 9 anos, Milena da Silveira Bitencourt. O apoio da Eletrosul ao projeto possibilitou a compra de uniformes para os 30 primeiros alunos e dos equipamentos usados nos treinos, além do pagamento do instrutor.


meio ambiente 11

Eletrosul agora - Dezembro 2012 / Janeiro 2013

Polícia Ambiental

Rigor na fiscalização de APP Incêndios, invasão de gado, vandalismo e pesca predatória estão na mira da corporação

A Eletrosul e a Polícia Ambiental de São Luiz Gonzaga (RS) são parceiras para manter a Área de Preservação Permanente (APP) da Usina Hidrelétrica Passo São João, desde o início da implantação do empreendimento. O trabalho foi intensificado a partir de um convênio assinado com o Grupo de Apoio à Polícia Ambiental (Gapa), no início deste ano, para aquisição de equipamentos. Em novembro, foi entregue à corporação um veículo Amarok zero quilômetro, que será usado como viatura para fiscalizar os cerca de 1.750 hectares da APP e coibir crimes ambientais. De acordo com o sargento Volmir de Jesus Miranda, do 2º Grupo de Polícia Ambiental de São Luiz Gonzaga, a nova viatura dará melhor suporte ao trabalho do grupamento, que conta com um efetivo de cinco policiais para atender 16 mu-

Efetivo de São Luiz Gonzaga ganha novo suporte para o trabalho na área de 1.750 hectares

nicípios do Noroeste gaúcho. O policiamento da APP, segundo Miranda, visa inibir ou notificar crimes como incêndios, vandalismo contra as cercas e invasão de gado. O convênio com a Eletrosul prevê, ainda, a aquisição de um barco motorizado para fiscalizar e coibir a pesca predatória no reservatório da Usina, que abrange uma área de 20 km² em cinco municípios: Roque Gonzales, Dezesseis de Novembro, São Luiz Gonzaga, São Pedro do Butiá e Rolador. A parceria foi firmada pelo período inicial de cinco anos, e engloba também a compra de rádios-comunicadores e material de escritório.

Espaço da Gestão Ambiental

Sustentabilidade empresarial A Eletrosul iniciou, em outubro, a coleta de dados para elaboração do Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa das empresas Eletrobras referente a 2012. A exemplo de anos anteriores, o documento identificará e qualificará as principais fontes de emissão como, por exemplo, as emissões fugitivas de SF6 e da queima de combustíveis usados no transporte, obedecendo protocolos reconhecidos internacionalmente. Ter um diagnóstico claro do perfil da emissão de gases, principal causa do aquecimento global, é o primeiro passo para que uma instituição possa contribuir para reverter os reflexos negativos das mudanças climáticas. A partir do levantamento é possível estabelecer estratégias e metas para gestão e redução dessas emissões. O Inventário de Emissões de Gases do Efeito Estufa, em construção pelo quarto ano consecutivo, evidencia a determinação das empresas Eletrobras em cumprir seus compromissos na esfera da sustentabilidade empresarial, buscando obter resultados mensuráveis para participação da holding em índices de grande visibilidade nos mercados brasileiro e internacional, como o ISE Bovespa e Dow Jones Sustainability Index (DJSI), além da estruturação de um sistema amplo de gestão ambiental. Mais informações em: www.eletrosul.gov.br


12 ESPECIAL Arte rupestre

O resgate cultural da pré-história Iphan, Eletrosul e UFGD fazem levantamento de sítios arqueológicos em Mato Grosso do Sul que reúnem grafismos de 10 mil anos A Eletrosul, a Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) irão preparar o inventário de 88 sítios arqueológicos, que reúnem grafismos rupestres, em Mato Grosso do Sul – Estado onde a estatal está construindo a Usina

Os primeiros cadastros dos sítios rupes-

Hidrelétrica São Domingos. O propósito do

tres de Mato Grosso do Sul foram feitos há

trabalho é atualizar e complementar as in-

cerca de 50 anos, sem o auxílio de recursos

formações já existentes, além de diagnos-

tecnológicos. “Hoje temos imagens de alta

ticar o estado de conservação desses sítios.

precisão, GPS e sistemas de identificação”,

Segundo a arqueóloga da Eletrosul, em-

afirmou a arqueóloga. Segundo ela, boa

presa gestora do trabalho, Luciana Ribei-

parte desses sítios está em locais muito vi-

ro, 15 sítios de diferentes bacias hidro-

sitados e, por isso, as pinturas e gravuras so-

As figuras encontradas em Mato Grosso

gráficas, foram escolhidos para serem

freram vandalismo e destruição por agen-

do Sul registram a presença de populações

vistoriados in loco. A previsão é de que o

tes naturais. “O recadastramento permitirá

que habitaram a região há, pelo menos, 10

trabalho comece em janeiro e se estenda

que tudo seja reavaliado, permitindo traçar

mil anos, e que usavam o grafismo em ro-

pelo prazo de dois anos, entre avaliações

um quadro da situação de conservação e

chas para retratar suas crenças e atividades

em campo e em laboratório.

possibilidades futuras de preservação da

cotidianas como a caça.

arte rupestre”, acrescentou.

Pesquisa resultará em publicação O resultado final do Projeto de Pesquisa de Arte Rupestre será uma publicação com todas as informações resgatadas da história local. “É uma maneira de preservar e educar as gerações futuras sobre a necessidade de preservação desse patrimônio e de outros sítios que apresentam perigo iminente de destruição parcial ou total”, explica o técnico em arqueologia do

sítios de Mato Grosso do Sul, em Alcinó-

É uma maneira de preservar e educar as gerações futuras sobre a necessidade de preservação desse patrimônio Divaldo Sampaio

Iphan-MS, Divaldo Sampaio.

polis (390 quilômetros da capital Campo Grande), que será um dos locais visitados durante a pesquisa. A região vem sendo estudada há pelo menos 50 anos, por conta do vulto histórico. De acordo com a publicação, a cidade possui “o maior conjunto de sítios de arte rupestre até então catalogados em Mato Grosso do Sul, o que leva Alcinópolis a rei-

Publicação lançada, em 2012, pelo arque-

da UFGD, Rodrigo Aguiar, traz informações

vindicar a alcunha de capital sul-mato-

ólogo coordenador do projeto e professor

sobre um dos mais importantes e antigos

-grossense da arte rupestre.”


Jornal Eletrosul Nº 114 - Dezembro 2012