Issuu on Google+

BOLETIM IBRACON 320

A Importância da Gestão de Custos nas Empresas Por Elenito Elias da Costa*

No mercado atual, diante da globalização, da concorrência acirrada, das variáveis mercadologicas, podemos identificar a necessidade vital para o continuísmo do progresso de nossas empresas, senão vejamos: a) Custos Operacionais Os custos operacionais que interagem nas micros e pequena empresas representam sua importância, haja vista, que a maioria dessas não se preocupam com citados custos operacionais. A reposição de materiais, de revenda, de serviços prestados significam vital parcela de importância para essas empresas, pois hoje, devemos visualizar o lucro desde o seu nascedouro, buscando qualidade no inicio meio e fim do processo e ainda flexibilizando sua customização e precificação, visando atender um maior leque de variáveis mercadologicas, e sempre procurando novos mercados. O conhecimento das técnicas e as metodologias de custos utilizados no processo para sua customização, implica na melhor e maior fase de produção, hoje já se percebe algumas empresas procurando profissionais capacitados e investindo em tecnologias que reduzam o impactos dos custos. Sabemos que citadas empresas empregam os mais discutíveis processo para minorar esses custos, mas independentemente de sua decisão de mensurar ou não, devemos observar com clarividência seu registro e sua importância para o citado processo. b) Custos Tributários Os Custos Tributários são altamente implicantes para o processo de customização, pois sua falta de planejamento tributário, sacrifica o resultado operacional do investimento, motivando sua diversidade tributária, seja em esfera federal, estadual e municipal, tende a sacrificar a obtenção do lucro almejado pelas empresas. Em face de sua virilidade na tributação dos bens, produtos e serviços, objeto das micro e pequenas empresas, se torna condição de sobrevivência o seu controle, mesmo sabendo que não estão capacitadas nem qualificadas para esse entendimento, mas diante dos agravos econômicos não se concebe conviver com a ausência do Planejamento Tributário por Elisão Fiscal, devidamente constituído e controlado por profissional qualificado. Em face dessa acertiva podemos dizer que as micros e pequenas empresas só sobreviverão em face da globalização se procurar profissional capacitado, resultando no fator custo versus beneficio do investimento. Mesmo com o conhecimento de diversas variáveis utilizadas pelas empresas, não podemos desmerecer a sua atenção, sentimos que essas empresas utilizam as mais variadas modalidades, mas sua importância é inigualável. No momento atual fica a empresa em posição delicada caso, não leve em consideração o impacto dos tributos nas aquisições e principalmente na precificação de seus produtos ou serviços, não se esquecendo da pesquisa de mercado e sua comparação com preços de produtos ou serviços similares. c) Custos Trabalhistas Indiscutível é a sua importância em face do aumento do salário mínimo e diversos dissídios coletivos de trabalho, vinculados a sindicatos da classe trabalhadora, após conhecimentos dos custos trabalhistas normais e eventuais podemos com clarividência identificar a sua importância no processo produtivo e econômico das empresas.


Não podemos de sã consciência, menosprezar sua importância, pois grande parte desses custos estão diretamente ligados ao processo produtivo, mesmo sabendo que há uma nítida evasão desses custos no momento da contratação ocasionando a falta da assinatura da CTPS dos empregados. Sabemos pois, que há uma seara de micro e pequenas empresas que não desejam assinar a CTPS de seus colaboradores, motivado pelos custos trabalhistas que assolam essas empresas, implicando na sua competitividade. d) Demais Custos Operacionais Obstante a existência de diversos custos, devemos nos ater a estudar com veemência sua implicações, mesmo porque para as micros e pequenas empresas todos os custos independemente de suas variáveis, são merecedoras de atenção concentrada dos gestores, ou seus resultados estarão deverasmente comprometidos. e) Planejamento Estratégico A micro e pequena empresa, não devem jamais esquecer que sem uma racional gestão administrativa, jamais chegaram terão resultados positivos, mesmo porque isso depende de variáveis mercadológicas que urge maior capacitação e qualificação daqueles que procuram agregar valor ao empreendimento. Não podemos, jamais deixar de registrar que sem a competência desses profissionais, fatalmente esses empreendimentos não teria eclodido de modalidade positiva, daí a efetivação do registro desse fato. Alguns empreendedores ainda teimam em não acreditar na educação qualitativa, essa sua incerteza poderá ser conotada de modalidade deprimente nos pífios resultados alcançados nos seus empreendimentos. Hoje para empreender precisamos de profissionais altamente qualificados, caso contrário, podermos expor o empreendimentos á situações vexatórias, sem explicação racional dos fatores mercadologicos. Podemos inserir nesse contexto, a Gestão de Pessoas, Negociação, Logística, Gestão de Vendas, Gestão de Compras, e demais, merecendo analise de suas características de conformidade com suas particularidades e respectiva atividade da empresa. O estudo e controle do exercício da Gestão de Custos, são fatores altamente decisivos, que implicam nos resultados almejados pelas empresas, mas seu exercício depende da capacidade e qualificação do Gestor, na busca de profissionais que tenham esse perfil e que agregue valor, participando positivamente da solução. Hoje, o mercado é altamente seletivo, pois citados profissionais tem seu peso em ouro, e somente aqueles que vislumbrem resultados positivos, deverá ser objeto de tomada de decisão, ou deverá comprometer o planejamento estratégico dessas empresas. Me arriscaria a dizer que, ou as micros e pequenas empresas, considerem a importância da Gestão de Custos vital para seus negócios, ou dificilmente elas atingirão seus resultados almejados, mesmo porque não se empreende por um período e sim por resultados palpáveis e alcançáveis. Não podemos deixa de elevar a importância das micro e pequenas empresas em nossa economia, mas precisamos urgentemente nos qualificar para que possam ter melhores controles internos principalmente dos Custos Operacionais, Tributários e Trabalhistas, que inegavelmente corroem parte significativa dos resultados positivos dos gestores. Em síntese, podemos concluir que a continuidade das micro e pequenas empresas dependem única e exclusivamente de seus controle internos e principalmente de sua excelência na gestão empreendedora de seus negócios. Em consonância a esse raciocínio lógico elevo o Curso de Gestão Empreendedora de Empresa, da FIC – Faculdade Integrada do Ceará, como prova cabal da importância qualitativa da Gestão nas empresas.

* Contador, Auditor, Consultor, Analista Econômico Financeiro, Professor Universitário, Professor Avaliador do MEC..



Abrirboletim