Page 84

— Anastásia, sempre deveria ler tudo o que assina. — Arremeteu. — Christian, o que não entende é que em nenhum caso falaria sobre nós com ninguém. Nem sequer com Kate. Assim que dá no mesmo se assinar um acordo ou não. Se for tão importante para ti ou para seu advogado... que é óbvio que você falou de mim para ele, de acordo. Assinarei. Observou-me fixamente e assentiu muito sério. — Boa observação, Srta. Steele. Assinei as duas cópias com um grandiloquente gesto e lhe devolvi uma. Dobrei a outra, enfiei-a na minha bolsa e tomei um comprido gole de vinho. Parecia muito mais valente do que em realidade me sentia. — Quer dizer com isso que vais fazer amor comigo esta noite, Christian? Maldita seja! Acabei de dizer isso? Abri ligeiramente a boca, mas em seguida se recompus. — Não, Anastásia, não quer dizer isso. Em primeiro lugar, eu não faço amor. Eu fodo... duro. Em segundo lugar, temos muito mais papelada que arrumar. E em terceiro lugar, ainda não sabe do que se trata. Ainda poderia sair correndo. Veem, quero te mostrar meu quarto de jogos. Fiquei boquiaberta. Fodo duro! Minha mãe. Isso soa tão... quente. Mas por que vamos ver um quarto de jogos? Estou perplexa. — Quer jogar Xbox? — Perguntei-lhe. Riu às gargalhadas. — Não, Anastásia, nem Xbox, nem PlayStation. Venha. Levantou-se e me estendeu a mão. Deixei que me levasse de volta para o corredor. À direita das portas duplas, de onde viemos havia outra porta que dava a uma escada. Subimos ao andar de cima e viramos à direita. Retirou uma chave do bolsinho, virou a fechadura de outra porta e respirou fundo. — Pode partir em qualquer momento. O helicóptero está preparado para te levar aonde queira. Pode passar a noite aqui e partir amanhã pela manhã. O que disser, para mim, estará bem. — Abre a maldita porta de uma vez, Christian. Abriu a porta e se afastou a um lado para que eu entrasse primeiro. Voltei a olhá-lo. Queria saber o que havia ali dentro. Parei e entrei. E senti como se ele tivesse me transportado ao século XVI, à época da Inquisição espanhola. Puta merda.

88

50 tons de cinza  
Advertisement