Page 434

O não cumprimento de qualquer regra acima resultará em punição imediata, cuja natureza deverá ser determinada pelo Dominante.

— Então a coisa da obediência ainda está em pé? — Oh, sim. — Ele sorri. Eu balanço a cabeça divertida, e antes que eu perceba, desvio meu olhar do dele. — Você acabou de revirar os olhos para mim, Anastásia? — ele respira. Oh porra. — Possivelmente, depende de qual é a sua reação. — O mesmo de sempre, — ele diz, balança a cabeça ligeiramente, seus olhos abertos com excitação. Eu engulo instintivamente e um arrepio de satisfação corre através de mim. — Então... — Puta merda. O que eu vou fazer? — Sim? — ele lambe o lábio inferior. — Você quer me espancar agora. — Sim. E eu farei. — Oh, mesmo, Senhor Grey? — eu desafio, sorrindo de volta para ele. Dois podem jogar esse jogo. — Você vai me impedir? — Você vai ter que me pegar primeiro. Seus olhos se arregalam em uma fração de segundo, e ele sorri, lentamente ficando em pé. — Oh, mesmo, Senhorita Steele? A mesa de café está entre nós. Eu nunca estive tão grata pela sua existência do que nesse momento. — E você está mordendo o lábio, — ele respira, se movendo lentamente para sua esquerda quando eu me movo para a minha. — Você não faria, — eu provoco. — Afinal, você desvia seu olhar também. — Eu tento argumentar com ele. Ele continua a se mover em direção a sua esquerda, assim como eu. — Sim, mas com esse joginho você acaba de subir o nível de excitação. — Seus olhos incendeiam, e antecipação selvagem emana dele. — Eu sou bastante rápida, você sabe. — Eu tento com indiferença. — Eu também. Ele está me perseguindo, em sua própria cozinha. — Você vai vir sem resistir? — ele pergunta. — Alguma vez eu já fui? — Senhorita Steele, o que você quer dizer? — ele sorri. — Será pior para você se eu tiver que ir e pegá-la. 438

50 tons de cinza  
Advertisement