Page 312

Quando eu saio do quarto, se torna abundantemente claro o motivo que ele quer que eu ande – enquanto eu faço isso, as bolas fazem um peso dentro de mim, me massageando internamente. É uma sensação tão estranha e não inteiramente desconfortável. Elas me deixam necessitada, necessitada por sexo. Ele está me assistindo cuidadosamente quando eu retorno. — Obrigado, — ele diz enquanto pega o copo de mim. Lentamente, ele dá um gole e então coloca o copo ao lado da mesa de cabeceira. Há um pacote de papel alumínio, pronto e esperando, como eu. E eu sei que ele está fazendo isso para aumentar a antecipação. Meu coração aumentou o ritmo. Ele virou o seu olhar brilhante cinzento para o meu. — Venha. Fique ao meu lado. Como da última vez. Eu fico ao lado dele, meu sangue tamborilando pelo meu corpo, e desta vez... estou excitada. Acesa. — Pergunte para mim, — ele diz baixinho. Eu faço uma careta. Pergunta a ele o quê? — Pergunte para mim, — sua voz está uma pouco mais áspera. O quê? Como está a sua água? O que ele quer? — Pergunte-me, Anastásia. Eu não vou dizer de novo. — E há uma ameaça implícita em suas palavras, e eu me toco. Ele quer que eu peça para ele me bater. Puta merda. Ele está me olhando ansiosamente, seus olhos ficando mais frios. Merda. — Me bata, por favor... senhor. — eu sussurro. Ele fecha seus olhos momentaneamente, saboreando as minhas palavras. Esticando a mão, ele pega a minha mão esquerda e ele me puxa para os joelhos dele. Eu caio instantaneamente, e ele me firma quando eu caio em seu colo. Meu coração está na boca quando a mão dele gentilmente acaricia o meu traseiro. Eu estou posicionada em seu colo novamente para que o meu torso descanse na cama ao lado dele. Desta vez ele não joga a perna dele em cima da minha, mas acaricia o meu cabelo e o tira do meu rosto e o enfia atrás da orelha. Quando ele termina, ele pega o meu cabelo na nuca e me segura no lugar. Ele puxa gentilmente e a minha cabeça vai para trás. — Eu quero ver o seu rosto enquanto eu te dou umas palmadas, Anastásia, — ele murmura o tempo inteiro enquanto ele está esfregando suavemente o meu traseiro. A mão dele se move entre as minhas nádegas, e ele empurra contra o meu sexo, e a sensação é... eu gemo. Ah, a sensação é maravilhosa. — Isso é para o seu prazer, Anastásia, meu e seu, — ele sussurra suavemente.

316

50 tons de cinza  
Advertisement