Page 151

Meu subconsciente parece sensato e racional, e não sarcástico, como está acostumado a ser. A deusa interior não deixa de saltitar e bater palmas como uma menina de cinco anos. Por favor, vamos fazer isso... se não, acabaremos sozinhas, com um montão de gatos, e suas novelas como companhia. O único homem que já me atraiu, chega com um maldito contrato, um chicote e um sem-fim de regras e cláusulas. Bem, ao menos consegui o que queria este fim de semana. Minha deusa interior deixa de saltar e sorri com serenidade. OH, sim... articula com os lábios, acenando para mim presunçosamente. Ruborizo ao recordar de suas mãos e sua boca sobre mim, seu corpo dentro do meu. Fecho os olhos, eu sinto a força familiar e deliciosa dos meus músculos de baixo, profundo. Eu quero fazer isso de novo e de novo. Talvez se eu só assinasse para o sexo... ele aceitaria isso? Suspeito que não. Eu, submissa? Talvez eu venha através dessa forma. Talvez eu o tenha enganado na entrevista. Sou tímida, sim... mas submissa? Eu deixei a Kate me intimidar... não é mesmo? E esses limites suaves, caramba. Confundo a minha cabeça, embora me tranquilize saber que temos que discuti-los. Volto para meu quarto. É muito para pensar a respeito. Preciso limpar a cabeça, uma abordagem pela manhã, quando estiver de cabeça fresca para resolver o problema. Guardo os documentos ofensivos na bolsa. Amanhã... amanhã será outro dia. Meto-me na cama, apago a luz e fico olhando ao teto. Oh, eu queria nunca tê-lo conhecido. Minha deusa interior sacode sua cabeça para mim. Ela e eu sabemos que é mentira. Eu nunca tinha me sentido tão viva. Fecho meus olhos e mergulho em um sono profundo com sonhos ocasionais de camas com dossel, envelopes de papel manilha e intensos olhos cinza. Kate me acorda na manhã seguinte. — Ana, eu devo chamar você. Você deve ter sentido frio. Meus olhos se negam a abrir-se. Não só se levantou, mas sim, saiu para correr. Dou uma olhada para o despertador. São oito da manhã. Caramba, dormi mais de nove horas. — O que foi? — balbucio meio dormindo. — Chegou um homem com um pacote para você. Tem que assinar. — O que? — Vamos. É grande. Parece interessante. — Ela dá pulinhos entusiasmados e volta para a sala de estar. Saio da cama e pego o robe, que está pendurado na porta. Um homem jovem, com um rabo de cavalo, está em pé na nossa sala de estar, segurando uma caixa grande nas mãos. — Olá — eu murmuro. — Eu vou preparar um chá. — Kate diz, indo para a cozinha. — Senhorita Steele? 155

50 tons de cinza