Page 120

— Não se mova, — adverte-me, sinto sua cálida respiração sobre minha pele. Chega ao meu umbigo, introduz a língua e me roça a barriga com os dentes. Meu corpo se arqueia. — Mmm. Que doce é você, senhorita Steele. — Desliza o nariz desde meu umbigo até meus pelos púbicos, me mordendo suavemente e me provocando com a língua. Sentando-se, de repente, ele se ajoelha aos meus pés, agarra-me pelos tornozelos e me separa as pernas. Caramba. Ele agarra o meu pé esquerdo, dobra meu joelho e leva o pé à boca. Sem deixar de observar minhas reações, beija ternamente cada um dos meus dedos e logo morde cada um suavemente. Quando chega ao mindinho, morde com mais força. Sinto uma convulsão e gemo. Ele desliza a língua pelo peito do meu pé... e já não posso mais vê-lo. Isso é muito erótico. Vou entrar em combustão. Aperto os olhos e tento absorver e suportar todas as sensações que me provoca. Beija-me o tornozelo e segue seu percurso pela panturrilha até o joelho, onde se detém. Então começa com o pé direito, repetindo todo o sedutor e assombroso processo. — Oh, por favor, — Eu gemo e ele morde meu dedo mindinho, e a dentada se projeta no mais profundo de meu ventre. — Todas as coisas boas, senhorita Steele, — ele respira. Desta vez não se detém no joelho. Segue pela parte interior da coxa e de uma vez me separa mais as pernas. Sei o que vai fazer, e uma parte de mim quer empurrá-lo, porque morro de vergonha. Ele vai me beijar lá!. Eu sei disso. Mas outra parte de mim desfruta com antecipação. Ele muda para o outro joelho e sobe até a coxa me beijando, me chupando, me lambendo e, de repente, está entre minhas pernas, deslizando o nariz por meu sexo, para cima e para baixo, muito suavemente, com muita delicadeza. Retorço-me... oh meu Deus. Ele para e espera que me acalme. Levanto a cabeça e olho para ele com a boca aberta. Meu acelerado coração tenta tranquilizar-se. — Sabe o embriagador que seu aroma é, senhorita Steele? — ele murmura, e sem afastar seus olhos dos meus, introduz o nariz em meus pelos púbicos e cheira. Ruborizo-me, sinto que vou desmaiar e fecho os olhos imediatamente. Não posso vê-lo fazendo algo assim! Percorre-me muito devagar o sexo. Oh, foda... — Eu gosto disso. — Ele gentilmente puxa os meus pelos púbicos. — Talvez devamos manter isso. — Oh... por favor, — suplico-lhe. — Mmm, eu gosto que me suplique, Anastásia. E gemo.

124

50 tons de cinza  
Advertisement