Page 113

— Ana, não me oculte isso. Estou a quase quatro anos esperando este momento. — Nos veremos esta noite. — E desligo. Vou ter dificuldade com esse assunto. É muito obstinada e quer que eu conte tudo com detalhes, mas não posso contar-lhe porque assinei um... como se chama? Um contrato de confidencialidade. Ela vai ter um ataque e com razão. Tenho que pensar em algo. Volto à cabeça e observo Christian movendo-se com desenvoltura pela cozinha. — O acordo de confidencialidade abrange tudo? — pergunto-lhe indecisa. — Por quê? — Ele se vira e me olha, enquanto guarda a caixa de chá. Ruborizo-me. — Bom, tenho algumas duvidas, já sabe... sobre sexo. — Falo com ele, olhando os dedos. — E eu gostaria de conversar com Kate. — Você pode falar comigo. — Christian, com todo o respeito... — Fico sem voz. Eu não posso falar com você. Vou pegar o seu viés, enrolado como o inferno, com sua distorcida visão de sexo. Quero uma opinião imparcial. — É apenas sobre a mecânica. Não vou mencionar o Quarto Vermelho da Dor. Ele levanta as sobrancelhas. — Quarto Vermelho da Dor? Trata-se, sobretudo, de prazer, Anastásia. Acredite-me. — Ele diz. — E além disso, — ele acrescenta em tom mais duro, — sua companheira de quarto está saindo com meu irmão. Preferia que você não falasse com ela. — Sua família sabe algo sobre as suas... preferências? — Não. Não é assunto deles. — ele aproxima-se de mim. — O que quer saber? — pergunta-me, ele desliza os dedos gentilmente pela minha bochecha até o queixo, depois o levanta para me olhar diretamente nos olhos. Estremeço por dentro. Não posso mentir para este homem. — No momento, nada de concreto, — sussurro. — Bem, podemos começar perguntando como foi para você ontem à noite? — A curiosidade ardia nos seus olhos. Estava impaciente para saber. Uau. — Bom, - eu murmuro. Esboça um ligeiro sorriso. — Para mim também, — ele murmura. — Eu nunca fiz sexo baunilha antes. Há muito a ser dito sobre ele. Mas, então, talvez seja porque é com você. — Desliza o polegar por meu lábio inferior. Eu inalo fortemente. Sexo baunilha? — Venha, vamos tomar um banho. — Ele se inclina e me beija. O meu coração dá um salto e o desejo percorre o meu corpo e se concentra... na minha parte mais profunda.

117

50 tons de cinza  
50 tons de cinza  
Advertisement