Issuu on Google+

Relat贸rio Maur铆cio Lebre Julho 2013


Relat贸rio de Clipping 13/Maio a 13/Julho 2013

www.egom.com.br


Releases Releases enviados

Data

1

Desgaste do joelho e queixa constante de dor levam idosos a optarem cada vez mais por prótese

17/mai

2

Problemas ortopédicos decorrentes do uso contínuo de salto alto atingem mulheres cada vez mais jovens

17/jun

3

Desgaste do joelho e queixa constante de dor levam idosos a optarem cada vez mais por prótese

27/jun

4

Problemas ortopédicos decorrentes do uso contínuo de salto alto atingem mulheres cada vez mais jovens

27/jun

www.egom.com.br


Desgaste do joelho e queixa constante de dor levam idosos a optarem cada vez mais por prótese O aumento da expectativa de vida do brasileiro e uma rotina mais ativa por várias décadas está levando o Brasil a um cenário bastante conhecido nos Estados Unidos. Um grande número de idosos sofre hoje com o desgaste da articulação do joelho, a artrite, popularmente chamada de artrose, e capaz de provocar dor, deformidade e dificuldade de locomoção. “O joelho é uma articulação de carga, lesões prévias ou a longevidade, aliada a uma vida bastante ativa, podem levar ao desgaste, que é não só irreversível, mas doloroso”, explica Mauricio Lebre Colombo, ortopedista especializado em joelho e membro da equipe de Cirurgia do Joelho do Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo. Só neste centro especializado, atual mente, são realizadas várias cirurgias desse tipo a cada mês. Além da expectativa de chegar aos 70, 80 ou 90 anos com qualidade de vida, outro fator que tem motivado muitos idosos a optarem pela prótese, segundo o Dr. Mauricio Colombo, é a evolução das próteses em si. Se antes, nos anos 1970 e 1980, elas tinham vida útil mais baixa, hoje podem durar até 15 anos e já há casos de pacientes com a mesma prótese há 20 anos, sem necessidade de substituição. “Paralelamente, a cirurgia tornou-se mais eficaz, menos agressiva, com corte menor e maior facilidade de recuperação”, afirma o especialista em joelho. Dr. Mauricio Colombo afirma que as próteses importadas são as mais utilizadas, principalmente as fabricadas nos Estados Unidos. Segundo o ortopedista, as próteses hoje respeitam a anatomia e a biomecânica do joelho, facilitando a adaptação, devolvendo a vida normal ao paciente e, acima de tudo, livrando-o da dor incapacitante. No ano em que esteve nos Estados Unidos, para a especialização em cirurgia do joelho, Dr. Mauricio Colombo percebeu que lá o procedimento é mais antecipado. Nunca esperam um paciente ficar incapacitado ou com muita dor por causa da artrose. A política é manter a qualidade de vida, por isso, quando o tratamento não cirúrgico falha, a cirurgia é realizada antes da situação ficar extremada. “Aqui no Brasil ainda há muita desinformação a respeito e as pessoas terminam por se conformar com a dor e o desconforto ao invés de buscar um tratamento definitivo.” A operação é recomendada normalmente apenas a partir dos 60 anos, exceto em casos específicos, e pode ser feita até os 80 ou 90 anos, se o paciente tiver boa saúde. O diagnóstico da artrose de joelho é feito no consultório, com base no exame clínico, e um raio X ajuda a verificar o grau do desgaste. “Quanto mais demoramos para realizar a cirurgia, quando medidas clínicas falham, pior pode ser o resultado final porque o desgaste aumenta”, explica. Pacientes com artrite reumatóide e outras doenças reumáticas têm chance maior de desenvolver o quadro e precisar de uma prótese. A dor, que nos primeiros anos diminui com o repouso, passa a se tornar constante com o agravamento do caso, levando à perda de independência que é o pior que pode acontecer a um idoso.

www.egom.com.br


Se houver interesse no assunto, podemos agendar com o especialista em cirurgia do joelho, Maurício Lebre Colombo, e indicar pacientes operados ou à espera da cirurgia. Quem é Maurício Lebre Colombo Médico formado pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, ortopedista, com especialização em cirurgia do joelho nos Estados Unidos nos centros especializados do HSS Hospital for Special Surgery, em Nova York; TOSH - The Orthopedic Specialty Hospital, em Salt Lake City, Utah; ASMI - American Sports Medicine Institute, no Alabama, e da University of Pittsburgh Medical Center. Membro da Sociedade Brasileira de Ortopedia, Sociedade Brasileira de Cirurgia do Joelho, Sociedade Brasileira de Artroscopia. Atualmente, Maurício Lebre Colombo é membro da equipe de cirurgia do joelho do Hospital do Servidor Público Estadual, em São Paulo.

Egom Assessoria de Imprensa Jornalista responsável: Marcela Matos MTb: 20.801 Sala de imprensa em www.egom.com.br Telefone: (11) 3263 1124 E-mail: egom@egom.com.br

www.egom.com.br


Problemas ortopédicos decorrentes do uso contínuo de salto alto atingem mulheres cada vez mais jovens Com o uso cada vez mais frequente de salto alto e por períodos longos, é cada vez maior o número de mulheres que apresenta problemas ortopédicos, tais como a fasciíte plantar - também chamada de encurtamento da planta do pé-, esporão e joanete. E mais, a idade média das pacientes que chegam ao consultório do ortopedista Maurício Lebre Colombo, especializado em joelhos e membros da equipe de cirurgia do joelho do Hospital do Servidor Público Estadual, é cada vez menor. “O uso do salto alto no dia a dia começa mais cedo, ainda na adolescência, e se estende por horas e horas, por isso surgem os problemas”, explica. A altura do salto também agrava os problemas, quanto mais alto, mais inclinado fica o pé. Para Colombo, no tratamento, é preciso reduzir o uso de salto e alongar o pé para recuperar totalmente. Caso contrário, o problema persistirá. Pelo fato de o pé não tocar o solo por inteiro, acontece, em muitos casos, um encurtamento da planta do pé, causando dor e desconforto. Como consequência da fasciíte plantarl, por exemplo, é muito comum também o surgimento do chamado esporão, a membrana que recobre o osso do calcanhar é tão estirada que forma um bico. “Pacientes com fasciíte mal tratada cronicamente também podem ter esporão”, afirma o especialista. A combinação de salto alto com sapato de bico fino por muitas horas por dia pode causar o que chamamos de joanete. “Não é o caso de deixar de usar o salto alto, mas usar com parcimônia. Se a mulher vai para o trabalho todos os dias e fica em pé por horas com um salto bem alto vai ter problemas logo. O salto alto deve ser reservado a momentos mais especiais, com possibilidade de usar apenas por uma ou duas horas e depois colocar um sapato mais confortável”, explica o ortopedista especializado em problemas do joelho. Segundo ele, o salto alto também piora um problema ortopédico muito comum em mulheres acima dos 40 anos, a dor anterior do joelho, cujo nome correto é condromalácia de patela. Trata-se de uma inflamação da cartilagem do jeolho causada por uma alteração dos músculos do quadril característica do sexo feminino. “Muitas mulheres chegam ao consultório com esta dor crônica que é causada pelo fato dos quadris das mulheres serem mais largos, o que força os músculos desta região”, explica. Para o médico, as pessoas hoje vivem mais e têm uma rotina mais intensa, então precisam cuidar destes problemas que incomodam e podem se arrastar por toda vida. Quem é Maurício Lebre Colombo Médico formado pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, ortopedista, com especialização em cirurgia do joelho no exterior. Membro da Sociedade Brasileira de Ortopedia, Sociedade Brasileira de Cirurgia do Joelho, Sociedade Brasileira de Artroscopia. Atualmente, Maurício Lebre Colombo é membro da equipe de cirurgia do joelho do Hospital do Servidor Público Estadual, em São Paulo.

www.egom.com.br


Egom Assessoria de Imprensa Jornalista responsรกvel: Marcela Matos MTb: 20.801 Sala de imprensa em www.egom.com.br Telefone: (11) 3263 1124 E-mail: egom@egom.com.br

www.egom.com.br


Desgaste do joelho e queixa constante de dor levam idosos a optarem cada vez mais por prótese O aumento da expectativa de vida do brasileiro e uma rotina mais ativa por várias décadas está levando o Brasil a um cenário bastante conhecido nos Estados Unidos. Um grande número de idosos sofre hoje com o desgaste da articulação do joelho, a artrite, popularmente chamada de artrose, e capaz de provocar dor, deformidade e dificuldade de locomoção. “O joelho é uma articulação de carga, lesões prévias ou a longevidade, aliada a uma vida bastante ativa, podem levar ao desgaste, que é não só irreversível, mas doloroso”, explica Mauricio Lebre Colombo, ortopedista especializado em joelho e membro da equipe de Cirurgia do Joelho do Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo. Só neste centro especializado, atual mente, são realizadas várias cirurgias desse tipo a cada mês. Além da expectativa de chegar aos 70, 80 ou 90 anos com qualidade de vida, outro fator que tem motivado muitos idosos a optarem pela prótese, segundo o Dr. Mauricio Colombo, é a evolução das próteses em si. Se antes, nos anos 1970 e 1980, elas tinham vida útil mais baixa, hoje podem durar até 15 anos e já há casos de pacientes com a mesma prótese há 20 anos, sem necessidade de substituição. “Paralelamente, a cirurgia tornou-se mais eficaz, menos agressiva, com corte menor e maior facilidade de recuperação”, afirma o especialista em joelho. Dr. Mauricio Colombo afirma que as próteses importadas são as mais utilizadas, principalmente as fabricadas nos Estados Unidos. Segundo o ortopedista, as próteses hoje respeitam a anatomia e a biomecânica do joelho, facilitando a adaptação, devolvendo a vida normal ao paciente e, acima de tudo, livrando-o da dor incapacitante. No ano em que esteve nos Estados Unidos, para a especialização em cirurgia do joelho, Dr. Mauricio Colombo percebeu que lá o procedimento é mais antecipado. Nunca esperam um paciente ficar incapacitado ou com muita dor por causa da artrose. A política é manter a qualidade de vida, por isso, quando o tratamento não cirúrgico falha, a cirurgia é realizada antes da situação ficar extremada. “Aqui no Brasil ainda há muita desinformação a respeito e as pessoas terminam por se conformar com a dor e o desconforto ao invés de buscar um tratamento definitivo.” A operação é recomendada normalmente apenas a partir dos 60 anos, exceto em casos específicos, e pode ser feita até os 80 ou 90 anos, se o paciente tiver boa saúde. O diagnóstico da artrose de joelho é feito no consultório, com base no exame clínico, e um raio X ajuda a verificar o grau do desgaste. “Quanto mais demoramos para realizar a cirurgia, quando medidas clínicas falham, pior pode ser o resultado final porque o desgaste aumenta”, explica. Pacientes com artrite reumatóide e outras doenças reumáticas têm chance maior de desenvolver o quadro e precisar de uma prótese. A dor, que nos primeiros anos diminui com o repouso, passa a se tornar constante com o agravamento do caso, levando à perda de independência que é o pior que pode acontecer a um idoso.

www.egom.com.br


Se houver interesse no assunto, podemos agendar com o especialista em cirurgia do joelho, Maurício Lebre Colombo, e indicar pacientes operados ou à espera da cirurgia. Quem é Maurício Lebre Colombo Médico formado pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, ortopedista, com especialização em cirurgia do joelho nos Estados Unidos nos centros especializados do HSS Hospital for Special Surgery, em Nova York; TOSH - The Orthopedic Specialty Hospital, em Salt Lake City, Utah; ASMI - American Sports Medicine Institute, no Alabama, e da University of Pittsburgh Medical Center. Membro da Sociedade Brasileira de Ortopedia, Sociedade Brasileira de Cirurgia do Joelho, Sociedade Brasileira de Artroscopia. Atualmente, Maurício Lebre Colombo é membro da equipe de cirurgia do joelho do Hospital do Servidor Público Estadual, em São Paulo.

Egom Assessoria de Imprensa Jornalista responsável: Marcela Matos MTb: 20.801 Sala de imprensa em www.egom.com.br Telefone: (11) 3263 1124 E-mail: egom@egom.com.br

www.egom.com.br


Problemas ortopédicos decorrentes do uso contínuo de salto alto atingem mulheres cada vez mais jovens Com o uso cada vez mais frequente de salto alto e por períodos longos, é cada vez maior o número de mulheres que apresenta problemas ortopédicos, tais como a fasciíte plantar - também chamada de encurtamento da planta do pé-, esporão e joanete. E mais, a idade média das pacientes que chegam ao consultório do ortopedista Maurício Lebre Colombo, especializado em joelhos e membros da equipe de cirurgia do joelho do Hospital do Servidor Público Estadual, é cada vez menor. “O uso do salto alto no dia a dia começa mais cedo, ainda na adolescência, e se estende por horas e horas, por isso surgem os problemas”, explica. A altura do salto também agrava os problemas, quanto mais alto, mais inclinado fica o pé. Para Colombo, no tratamento, é preciso reduzir o uso de salto e alongar o pé para recuperar totalmente. Caso contrário, o problema persistirá. Pelo fato de o pé não tocar o solo por inteiro, acontece, em muitos casos, um encurtamento da planta do pé, causando dor e desconforto. Como consequência da fasciíte plantarl, por exemplo, é muito comum também o surgimento do chamado esporão, a membrana que recobre o osso do calcanhar é tão estirada que forma um bico. “Pacientes com fasciíte mal tratada cronicamente também podem ter esporão”, afirma o especialista. A combinação de salto alto com sapato de bico fino por muitas horas por dia pode causar o que chamamos de joanete. “Não é o caso de deixar de usar o salto alto, mas usar com parcimônia. Se a mulher vai para o trabalho todos os dias e fica em pé por horas com um salto bem alto vai ter problemas logo. O salto alto deve ser reservado a momentos mais especiais, com possibilidade de usar apenas por uma ou duas horas e depois colocar um sapato mais confortável”, explica o ortopedista especializado em problemas do joelho. Segundo ele, o salto alto também piora um problema ortopédico muito comum em mulheres acima dos 40 anos, a dor anterior do joelho, cujo nome correto é condromalácia de patela. Trata-se de uma inflamação da cartilagem do jeolho causada por uma alteração dos músculos do quadril característica do sexo feminino. “Muitas mulheres chegam ao consultório com esta dor crônica que é causada pelo fato dos quadris das mulheres serem mais largos, o que força os músculos desta região”, explica. Para o médico, as pessoas hoje vivem mais e têm uma rotina mais intensa, então precisam cuidar destes problemas que incomodam e podem se arrastar por toda vida. Quem é Maurício Lebre Colombo Médico formado pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, ortopedista, com especialização em cirurgia do joelho no exterior. Membro da Sociedade Brasileira de Ortopedia, Sociedade Brasileira de Cirurgia do Joelho, Sociedade Brasileira de Artroscopia. Atualmente, Maurício Lebre Colombo é membro da equipe de cirurgia do joelho do Hospital do Servidor Público Estadual, em São Paulo.

www.egom.com.br


Egom Assessoria de Imprensa Jornalista responsรกvel: Marcela Matos MTb: 20.801 Sala de imprensa em www.egom.com.br Telefone: (11) 3263 1124 E-mail: egom@egom.com.br

www.egom.com.br


Clipping

www.egom.com.br


VEÍCULO: TV Gazeta – Jornal da Gazeta

DATA: 12/07/13

Link para o vídeo: http://jornaldagazeta.tvgazeta.com.br/galeria?task=play&id=9991&sl=latest&layout=li stview&start=12

www.egom.com.br


VEÍCULO: Rádio Boa Nova – Jornal Nova Manhã

DATA: 19/06/13

Link para o áudio: https://soundcloud.com/marcelo-candido/jn-1906-dr-mauricio-jc

www.egom.com.br


VEÍCULO: Portal UOL

DATA: 10/06/13

www.egom.com.br


VEÍCULO: DCI (online)

DATA: 10/06/13

www.egom.com.br


VEÍCULO: Portal Yahoo!

DATA: 24/06/13

www.egom.com.br


VEÍCULO: Portal R7

DATA: 10/06/13

www.egom.com.br


VEÍCULO: Diário de Taubaté

www.egom.com.br

DATA: 21/06/13


VEÍCULO: Diário de Taubaté (online)

www.egom.com.br

DATA: 21/06/13


VEÍCULO: Portal RAC

DATA: 10/06/13

www.egom.com.br


VEÍCULO: Portal Fator Brasil – RJ

www.egom.com.br

DATA: 10/06/13


VEĂ?CULO: Portal Imprensa

DATA: 10/06/13

www.egom.com.br


VEÍCULO: Jornal do Commercio – Manaus/AM (online) DATA: 10/06/13

www.egom.com.br


VEÍCULO: Portal Saúde Vida e Compania

www.egom.com.br

DATA: 10/06/13


VEĂ?CULO: Portal Manaus Online

www.egom.com.br

DATA: 10/06/13


VEĂ?CULO: Portal Jornal da Mulher

www.egom.com.br

DATA: 10/06/13


VEรCULO: Portal Via Palhoรงa

www.egom.com.br

DATA: 10/06/13


VEÍCULO: Portal Guia Marítimo

www.egom.com.br

DATA: 10/06/13


VEÍCULO: Portal André Dutra

www.egom.com.br

DATA: 10/06/13


VEÍCULO: Portal Apimec – Sul

www.egom.com.br

DATA: 10/06/13


VEÍCULO: Portal Apimec – MG

www.egom.com.br

DATA: 10/06/13


VEÍCULO: Portal Clínica Literária

www.egom.com.br

DATA: 10/06/13


VEĂ?CULO: Portal O Jornal

DATA: 10/06/13

www.egom.com.br


VEĂ?CULO: Portal OnLife Magazine Plus

www.egom.com.br

DATA: 10/06/13


VEĂ?CULO: Portal HDTV em Fortaleza

www.egom.com.br

DATA: 10/06/13


VEÍCULO: Portal CBME

DATA: 10/06/13

www.egom.com.br


VEĂ?CULO: Portal Almanaque do Bem

www.egom.com.br

DATA: 10/06/13


VEĂ?CULO: Portal Functional Foods

www.egom.com.br

DATA: 10/06/13


VEÍCULO: Portal Cerrado Notícias

www.egom.com.br

DATA: 10/06/13


VEĂ?CULO: Portal Moda, Marketing & Merchandising

www.egom.com.br

DATA: 10/06/13


VEÍCULO: Portal Comércio Exterior

www.egom.com.br

DATA: 10/06/13


VEĂ?CULO: Portal Painel do Hardware

www.egom.com.br

DATA: 10/06/13


VEĂ?CULO: Portal Nunes Ferreira

www.egom.com.br

DATA: 10/06/13


VEĂ?CULO: Portal Bonde

DATA: 10/06/13

www.egom.com.br


VEĂ?CULO: Portal Z Investimentos

www.egom.com.br

DATA: 10/06/13


VEÍCULO: Portal Ipoom

DATA: 10/06/13

www.egom.com.br


VEĂ?CULO: Portal Top Blog

DATA: 10/06/13

www.egom.com.br


VEĂ?CULO: Portal Centro Descontos

www.egom.com.br

DATA: 10/06/13



Relatório Mauricio Lebre - junho