Page 1

NO PORTAL, INFORMAÇÕES SOBRE AS ELEIÇÕES NA AEAMESP Acompanhe no Portal da AEAMESP (www.aeamesp.org.br) todos os detalhes do processo eleitoral na Associação, incluindo informações sobre como será o processo informatizado de votação no período de 8 a 12 de novembro de 2010, na eleição que renovará Diretoria e Conselhos Deliberativo e Fiscal para o triênio 2011/2013.

O

Em novembro, eleição via Internet renovará Diretoria e Conselhos da AEAMESP para a gestão 2011/2013. Uma chapa está inscrita.

C

oncluído no dia 8 de outubro de 2010 o prazo definido pela Junta Eleitoral, apenas uma chapa se registrou para concorrer na eleição que renovará a Diretoria Executiva, para a gestão 2011/2013. A eleição para a Diretoria e os Conselhos Deliberativo e Fiscal será realizada via Internet no período de 8 a 12 de novembro de 2010.

presidentes se reelegerem, e a criação de uma terceira vicepresidência, para Administração e Finanças. Acompanhe no Portal da AEAMESP (www.aeamesp.org.br) todos os detalhes do processo eleitoral.

A CHAPA - A chapa registrada tem por lema Unidos para Crescer. A sua composição está descrita a seguir. A Junta Eleitoral que coordena a Diretoria Executiva - Presidente, eleição é integrada pelos engenheiros José Geraldo Baião (DM/GCS); ViceAgostinho Minicuci Júnior, Presidente de Administração e presidente; Airton Bozzo, Armando Finanças, Ayres Rodrigues Marsiglia, Domingos Altobello Neto e Gonçalves (DE/GE2); Vice-Presidente Luiz Guilherme Kolle. de Assuntos Associativos, CONHEÇA A A eleição está sendo Carlos Augusto Rossi PLATAFORMA (DE/GE2); Vice-Presidente realizada de acordo com as disposições estabelecidas DA CHAPA NA de Atividades Técnicas, PÁGINA 2 pela revisão do Estatuto da Jayme Domingo Filho AEAMESP, aprovada em (P/GCA); 1° Diretor Assembleia Geral realizada em 29 de Tesoureiro, Arnaldo Pinto Coelho abril de 2010 (ver matéria na última (DO/GMT); 2° Diretor Tesoureiro, página); entre essas mudanças, estão Luiz Eduardo Argenton (DO/GMT); a ampliação do mandato para três 1° Diretor Secretário; Maria Toshiko anos, impossibilidade de os futuros

Yamawaki (DA/GSI), e 2° Diretor Secretário, Pedro Armante Carneiro Machado (DM/GPI). Estes são os candidatos ao Conselho Deliberativo, com 12 vagas: Fabio Tadeu Alves (DM/GCS), Christian Becker B. de Abreu (DM/ GCS), Fabio Soares (DE/GE2), Carlos Adriano Perez Pinto (DO/GMT), José Arnaldo M. Catuta (DM/GCS), Mario de Mieri (DO/GOP), Ariovaldo F. A. Veiga (DM/GPI), Valter Belapetravicius (DE/GE2), Odécio Braga (DO/GMT), Adriano Oliveira dos Santos (DO/GOP), Antonio Luciano Videira Costa (DO/GMT), Mara Silvana Siqueira (DO/GOP), Sidiney Assis da Silva Jr. (DM/GMS), Adalton L. F. Roma (DA/GRH), Bárbara R. Coutinho (DO/GMT), Rolando José Santoro Netto (DE/ GE4). Os candidatos ao Conselho Fiscal, com três vagas, são Manoel Santiago da Silva Leite (DO/GMT), Iria A. Hissnauer Assef (DO/GMT) e Antonio Fioravanti (DA/GCP).

1


COM DUAS INAUGURAÇÕES, ESTÁ CONCLUÍDA A LINHA 2 – VERDE PLATAFORMA DA CHAPA UNIDOS PARA CRESCER TEM 17 PONTOS Eis a plataforma de 17 pontos da chapa Unidos para Crescer: 1) Apoiar e orientar os associados nas suas relações trabalhistas e no exercício profissional; 2) Ampliar os canais de relacionamento, promover convênios, estimular a divulgação de produções técnicas e implementar programas que motivem a participação dos associados; 3) Ampliar as atividades sociais, esportivas e culturais para maior integração entre os associados; 4) Criar diretoria adjunta para implementar ações e desenvolver atividades voltadas para os associados aposentados; 5) Incentivar e apoiar a participação dos associados nas entidades de representação profissional, classistas e de interesse do setor de transporte metroferroviário; 6) Equacionar o projeto de acessibilidade na sede social; 7) Manter o equilíbrio financeiro da AEAMESP e ampliar as fontes de recursos; 8) Empreender ações para a criação de áreas voltadas para o desenvolvimento tecnológico nas Operadoras; 9) Promover ações junto à sociedade civil para incentivar os investimentos em sistemas metroferroviários; 10) Divulgar nas universidades os sistemas metroferroviários e sua necessidade para o desenvolvimento das metrópoles; 11) Propor ações e mecanismos para a criação de fundos permanentes de recursos, pelos governos municipal, estadual e federal para investimentos em transporte público sobre trilhos; 12) Estimular a gestão integrada das políticas públicas de transporte, habitação, urbanismo e meio ambiente; 13) Criar grupos de trabalho e promover apresentações e debates técnicos; 14) Ampliar a relação institucional com os órgãos públicos e as entidades nacionais e internacionais do setor para aumentar a participação dos sistemas sobre trilhos na matriz de transporte; 15) Promover e aprimorar a Semana de Tecnologia Metroferroviária como fórum de intercâmbio tecnológico e de debates sobre políticas públicas de interesse para o setor; 16) Efetivar o processo de homologação do registro da AEAMESP no CREA-SP; 17) Atuar no Conselho das Cidades para que as políticas de desenvolvimento urbano contemplem o transporte público, com maior participação do governo federal nos investimentos em sistemas metroferroviários.

A

é uma publicação da Associação dos EngeJORNAL AEAMESP nheiros e Arquitetos de Metrô – AEAMESP, Rua do Paraíso, 67, 2 andar, 041103-000, São Paulo-SP, telefone (11)3287-4565, fax (11)3285o

4509. Diretoria Executiva – Presidente: José Geraldo Baião. Vice-Presidentes: Carlos Augusto Rossi (Assuntos Associativos) e Jayme Domingo Filho (Atividades Técnicas); 1o Diretor Tesoureiro: Manoel Santiago da Silva Leite; 2o Diretor Tesoureiro: Arnaldo Pinto Coelho; 1o Diretor Secretário: Pedro Armante Carneiro Machado; 2o Diretor Secretário: Nestor Soares Tupinambá. Conselho Deliberativo – Antonio Fioravanti, Antonio Luciano Videira Costa, Eliete Mariani, Hélcio Suguiyama, José Alberto Horta Pimenta, José Arnaldo Macedo Catuta, Luiz Eduardo Argenton, Mara Silvana Siqueira, Mohamed Choucair, Nelson Fernandes S. Filho, Odécio Braga de Louredo Filho e Victor Manuel A. S. Vasconcelos (titulares); Agostinho Minicuci Junior, Ana Paula Di Sessa Martins Lagosta, Douglas de Oliveira, Joaquim Bueno Rocha de Macedo, Maria T. Yamawaki, Rolando José Santoro Netto, Safwat Fouad Khouzan, Sergio D'Agostinho, Sergio Renato de A Leme, Sidney Assis da Silva Junior e Valter Belapetravicius (suplentes). Conselho Fiscal – Antonio Marcio B. Silva, Iria S. Hissnauer Assef e Sergio Antunes de Oliveira e Souza Conselho Consultivo. Emiliano Affonso, José Ricardo Fazzole Ferreire, Luiz Felipe Pacheco de Araujo, Laerte Conceição Mathias, Luiz Carlos de Alcântara e Manoel da Silva Ferreira Filho. Arte e Projeto: Casa d’Arte. Jornalista Responsável: Alexandre Asquini (MTb 28.624).

2

o dia 21 de setembro de 2010, foram entregues duas novas estações integradas física e tarifariamente: as estações Tamanduateí, da Linha 2 – Verde, do METRÔ-SP, e da Linha 10 – Turquesa, da CPTM. Um mês antes, exatamente em 21 de agosto de 2010, havia acontecido a entrega da Estação Vila Prudente na Linha 2 – Verde do Metrô. Ambas as inaugurações tiveram a participação do governador do Estado de São Paulo, Alberto Goldman; do secretário dos Transportes Metropolitanos, José Luiz Portella Pereira; dos diretores do METRÔ-SP e da CPTM, além de outras autoridades. Diretores da AEAMESP estiveram presentes nos dois eventos. Com essas inaugurações, a Linha 2 – Verde, iniciada há quase 25 anos, está agora concluída.

N

Quando a estação Vila Prudente foi inaugurada, a Linha 2 – Verde do METRÔ-SP passou a operar com 14,7 km de extensão, ligando a Vila Madalena à Vila Prudente. O usuário poderá fazer conexão com a Linha 1 – Azul, nas estações Paraíso e Ana Rosa, e com a Linha 4 – Amarela, na estação Consolação, facilitando o deslocamento de quem segue da Zona Leste para as regiões da Avenida Paulista e Pinheiros, e vice-versa. Com a entrega das estações Tamanduateí do METRÔ-SP e da CPTM, em 21 de setembro, a Linha 2 –Verde, do Metrô passou a se conectar também com a Linha 10 – Turquesa, da CPTM, com redução do tempo de deslocamento entre o ABC e as regiões da Avenida Paulista e Pinheiros. ARQUITETURA E TECNOLOGIA – A estação Vila Prudente ocupa uma área de 14 mil m², com 19,7 mil m² de área construída. O corpo da estação fica a 29 metros de profundidade, com três níveis principais: dos acessos, do mezanino (onde estão localizados o hall de bilheterias, os bloqueios, as salas operacionais e a Sala de Supervisão Operacional-SSO) e o das plataformas. Já a estação Tamanduateí tem 14.89 mil m² de área construída. As duas estações são dotadas dos mais recentes equipamentos tecnológicos incorporados pelo METRÔ-SP, incluindo portas de plataforma, portas de vidro na linha de bloqueio, escadas rolantes inteligentes. As estações são totalmente acessíveis a deficientes ou pessoas com mobilidade reduzida. AUTORIDADE METROPOLITANA – A entrega de Tamanduateí marcou também o início da implantação do conceito de Autoridade Metropolitana de Transporte, com a chegada de três linhas de ônibus intermunicipais da EMTU, de acordo com estudos elaborados pela Secretaria dos Transportes Metropolitanos (STM) e pela Prefeitura de São Caetano do Sul; as linhas atendem aos três principais eixos de deslocamento em São Caetano. Na ocasião, foi assinado um protocolo de intenções entre a STM e a Prefeitura de São Caetano do Sul. O documento tem o objetivo de unir esforços e cooperação para o desenvolvimento de projetos e medidas integradoras da rede metropolitana de transportes públicos, focando no planejamento e na otimização do sistema.


JANTAR DANÇANTE COMEMORA OS

20 ANOS DA AEAMESP Em outra noite de grande sucesso, realizou-se na sexta-feira, 24 de setembro, o Jantar Dançante AEAMESP 2010, em comemoração aos 20 Anos da Associação. O evento aconteceu no requintado Bufett Rosa Rosarum, reunindo, num ambiente de confraternização, associados, seus familiares, amigos e parceiros da AEAMESP.

A partir das 21 horas, os convidados foram recepcionados com um coquetel no foyer térreo do buffet. O jantar foi servido no Salão Jade, a partir das 22:30 horas. A parte musical do evento esteve a cargo da banda Koisa Nossa e a animação estendeu-se até as três horas da madrugada.

OS PATROCINADORES DO EVENTO Estas foram as organizações parceiras da AEAMESP que apoiaram financeiramente o evento.

3


16a semana prova que trilhos são estratégicos e precisam de investimentos permanentes studo apresentado pela Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô (AEAMESP) na 16ª Semana de Tecnologia Metroferroviária comprova que trilhos urbanos são estratégicos e precisam de investimentos permanentes. A 16ª Semana foi promovida pela própria AEAMESP no período de 13 a 16 de setembro de 2010 e contou com aproximadamente 1.950 participantes, incluindo especialistas e dirigentes do setor e, também, professores e estudantes universitários. Paralelamente, realizou-se a exposição de produtos e serviços Metroferr 2010. A 16a Semana foi especial, em razão do transcurso dos 20 Anos da AEAMESP, completados em 14 de setembro – acontecimento marcado por uma solenidade em que homenageamos os ex-presidentes de nossa Associação e personalidades que contribuíram e têm contribuído para o setor metroferroviário.

E

TRABALHOS PUBLICADOS – O tema geral do encontro foi Trilhos Aproximando Cidades e Pessoas. Ao todo, houve 50 sessões de trabalho, com apresentações de estudos técnicos e a realização de debates sobre alguns dos principais temas do setor. Foram debatidos temas como gestão de risco, sistemas críticos de segurança, segregação da estrutura, alimentação elétrica e rede aérea, telecomunicações, integração de transporte, desenvolvimento urbano e uso do solo e a questão urbanística no entorno de estações, temas ambientais, desempenho operacional, simulação e cálculo de demanda, recursos de manutenção e otimização da vida útil dos ativos metroferroviários e novas tecnologias, como as portas de plataforma, diversos tipos de material rodante, comunicação de dados, sinalização, entre outros. As apresentações autorizadas e os trabalhos técnicos já podem ser acessados a partir do Portal da AEAMESP (www.aeamesp.org.br). ÊNFASE – Os debates na 16ª Semana foram iniciados com o estudo Responsabilidade Compartilhada pelo Investimento na Expansão Metroferroviária, apresentado pelo engenheiro e consultor, Bernardo G. Alvim, representando a Associação. Este estudo revelou que grandes países com os quais o Brasil concorre no cenário global por um espaço de liderança no Século XXI – China, Índia e Estados Unidos – têm investimentos em infraestrutura maiores do que os nossos, principalmente em sistemas estruturantes sobre trilhos, e que buscam organizar o transporte, a mobilidade e a acessibilidade em suas principais cidades. Naquelas nações, tais sistemas recebem recursos 4

Solenidade de abertura da 16a Semana

significativos do poder central, como parte de uma estratégia nacional para ampliar a competitividade das metrópoles e, consequentemente, do país como um todo. O presidente da AEAMESP, engenheiro José Geraldo Baião, salientou: “Este estudo mostra que a competitividade das metrópoles está diretamente associada à eficiência dos seus sistemas metroferroviários. Constata-se, assim, um novo paradigma: o custeio da implantação dos sistemas metroferroviários é também questão nacional, e não apenas regional e local, como de fato tem acontecido até o momento no Brasil”. Dentro do estudo, como propostas da AEAMESP para o transporte público coletivo urbano no Brasil, inclui-se a constituição de um fundo federal específico, com recursos permanentes de diferentes fontes, a redução do

Execução do Hino Nacional na solenidade de encerramento


Aspecto do salão onde aconteceu a Metroferr 2010

spread nos financiamentos dos bancos de fomento nacionais para implantação, recuperação ou modernização de redes estruturantes de transporte público urbano. E a necessidade de encontrarmos formas de promover a captura e o investimento no próprio setor de ganhos monetizáveis – como a mais valia imobiliária – trazidos pela implantação destes sistemas. E mais: a criação de um programa federal para projetos estruturantes de transportes públicos e a incorporação da obrigatoriedade de um projeto alternativo independente, além daquele apresentado pelo promotor, toda vez que houver recursos federais a serem investidos. DISCUSSÕES – Nesta 16ª Semana, foram desenvolvidas discussões sobre temas relevantes para o desenvolvimento das cidades. No que diz respeito às macrorregiões, ficou clara a necessidade urgente da criação da ‘autoridade metropolitana de transportes’, em busca de uma melhor mobilidade nas cidades, da otimização dos modos de transporte e da integração de políticas públicas, viabilizando investimentos por meio de recursos públicos e privados, acelerando e qualificando a obtenção de resultados a custos menores em curto, médio e longo prazo. A logística no transporte de carga não poderá ficar fora deste processo. Nos quatro dias, houve debates sobre os diversos modos de transporte, em particular, os Monotrilhos, uma tecnologia que ainda é preciso conhecer melhor. Discutiu-se também as alternativas em termos de sistemas sobre trilhos de média capacidade e as dúvidas e os cuidados que deverão ser tomados em relação ao Trem de Alta Velocidade entre Campinas e Rio de Janeiro, passando por São Paulo. “Dúvidas como o formato das especificações contidas no edital de licitação e cuidados com as escolhas de engenharia para implantação segura da nova linha”, comentou o vicepresidente da AEAMESP, Jayme Domingo Filho. OUTROS TEMAS – A 16ª Semana também reuniu as visões do governo federal, da iniciativa privada e de consultores no tema da recomposição da malha ferroviária brasileira. “A discussão foi bastante acalorada, mostrando posições antagônicas da agência reguladora federal e dos atuais operadores sobre como deverá ser o novo modelo de concessões, o que indica a necessidade da ampliação do diálogo entre as partes, com o máximo de presença da sociedade”, avaliou o vice-presidente. Crítico e divertido, o professor Claudionor Rodrigues de Assis provou por meio dos seus equipamentos ‘experimentários’ – alguns dos quais demonstram na prática as elaborações teóricas de diferentes áreas da matemática – que é esta uma nova forma de construção do conhecimento. A 16a Semana trouxe novamente a discussão da formação de profissionais para o setor metroferroviário, com participação de professores da USP e UFRJ, e do IBEC. Nessa sessão ficou evidenciado um dilema ainda não resolvido: devemos criar na engenharia uma área de competência metroferroviária ou favorecer a formação generalista de engenheiros a

serem depois atraídos para o setor por meio de cursos de especialização? “Vimos que se enveredarmos para a formação de ‘clínicos gerais’ dentro dos cursos de engenharia e fazer com que haja opções de escolha de especializações no programa curricular das universidades para estes futuros profissionais, teremos uma perspectiva positiva para o mercado e seus profissionais”, asseverou Jayme Domingo. O crescimento na implantação dos trens turísticos e trens regionais foi apresentado pela Secretaria dos Transportes Metropolitanos e pela empresa privada Vale. Mostrou-se que existe mercado sustentável para isto e que a população reconhece a importância destes serviços. Outra questão importante a se destacar, no caso da Vale, é que os sistemas de ‘carga’ e ‘passageiros’ convivem harmoniosamente nas operações. Ao final desta 16ª Semana, vimos os programas de investimentos do Metrô e da CPTM para os próximos anos; um planejamento que necessitará de muito empenho para se tornar realidade.

A 17a SEMANA DE TECNOLOGIA SERÁ ENTRE 13 E 16 DE SETEMBRO DE 2011 Já está definido o calendário da 17ª Semana de Tecnologia Metroferroviária e da Metroferr 2011. Os eventos acontecerão novamente no Centro de Convenções do Shopping Frei Caneca, em São Paulo, entre os dias 13 e 16 de setembro de 2011. O anúncio foi feito ao final da 16ª Semana pelo presidente da Entidade, engenheiro José Geraldo Baião.

SÉTIMO ANO DO MDT É LEMBRADO sétimo aniversário do Movimento Nacional pelo Direito ao Transporte Público de Qualidade para Todos (MDT) foi lembrado na sessão final da 16ª Semana de Tecnologia Metroferroviária. O coordenador nacional, Nazareno Affonso, falou da trajetória do Movimento, destacando que a AEAMESP é uma das entidades fundadoras do MDT. “A 9a Semana de Tecnologia Metroferroviária, em 2003, recebeu uma das sessões de pré-lançamento do MDT”, disse o dirigente. Ele distribuiu um documento impresso sumarizando a história do MDT e suas conquistas.

O

5


HOMENAGENS A EX-PRESIDENTES E PERSONALIDADES DO SETOR o final do segundo dia da 16a Semana, 14 de setembro de 2010, houve a comemoração dos 20 anos de fundação da AEAMESP. Foram homenageados ex-presidentes e personalidades metroferroviárias que, ao longo desse período, contribuíram para difundir os ideais da Entidade. O presidente da AEAMESP, José Geraldo Baião, falou do início da Associação, se referiu às reuniões realizadas no Bloco “L” do pátio Jabaquara, agradecendo aos participantes da Comissão Pró-Fundação – José Ricardo Fazzole, Laerte Mathias, José Carlos Ganzarolli, Cláudio Ruman, Ivan Generoso e Júnia Rodrigues Bio. Ele leu mensagem enviada pela arquiteta Júnia Rodrigues Bio, que, em viagem ao Exterior, não pode estar no evento. Baião também assinalou que, por decisão dos fundadores, a Assembleia de fundação coincidiu com o dia do aniversário do início de operação do Metrô de São Paulo, 36 anos antes.

N

EX-PRESIDENTES – Houve apresentação de um vídeo com fotos referentes a momentos marcantes da AEAMESP, inclusive, com imagens das Semanas de Tecnologia Metroferroviária ao longo do tempo. Em seguida, começou a homenagem aos ex-presidentes da Associação, com depoimentos em vídeo de cada um deles. José Ricardo Fazzole Ferreira, primeiro presidente, ressaltou a importância da troca de experiências entre os profissionais da Associação. Luiz Felipe Pacheco de Araújo lembrou a preocupação social dos associados. Laerte Conceição Mathias citou a organização da 1a Semana de Tecnologia Metroferroviária. Luiz Carlos de Alcântara destacou os esforços para melhorar os serviços prestados. Emiliano Stanislau Affonso Neto frisou as dificuldades e superações vividas pela Entidade e Manoel da Silva Ferreira Filho comentou o

LANÇADA A SEGUNDA EDIÇÃO DO ANUÁRIO METROFERROVIÁRIO a segunda quinzena de setembro, foi lançado o Anuário Metroferroviário 2010 – a segunda edição da publicação, que levantou e apresenta um conjunto de informações e interpretações referentes ao desempenho de 15 sistemas metroferroviários brasileiros no ano de 2009. Juntos, esses sistemas

N

6

crescimento da Associação. O atual presidente, José Geraldo Baião, falou de seus sentimentos em relação à AEAMESP. Todos receberam uma placa em homenagem às suas contribuições. PERSONALIDADES – Na continuação da solenidade, foram homenageadas personalidades do setor metroferroviário, escolhidas pelos próprios associados. Os depoimentos deles também foram feitos em vídeo. Nos comentários gravados, Ilona Bakocs Schiffer, da CPTM, se refere à AEAMESP como uma associação de amigos. O secretário de Transportes Metropolitanos do Estado de São Paulo (STM), José Luiz Portella Pereira, agradeceu os esforços dos associados. O professor Jurandir Fernando Ribeiro Fernandes destacou a confiança e as discussões tecnológicas. Leopoldo Massardi (METRÔ-SP) lembrou a importância do nascimento da AEAMESP. Peter Ludwig Alouche (TRENDS) ressaltou os fóruns para debater tecnologias existentes e as que ainda estão por vir. Plínio Oswaldo Assmann (BRAIN) chamou a AEAMESP de ‘voz da consciência’. O vice-presidente da Associação Brasileira da Indústria Ferroviária (ABIFER), Luiz Cesário Amaro da Silveira, destacou o trabalho empreendido pela AEAMESP e sua importância para o setor. Todos receberam placas de homenagem ao final da exibição. FESTA – A lírico-soprano Andréia Bien cantou músicas variadas, do clássico ao contemporâneo, emocionando e fazendo a plateia cantar. Ao final, foram chamados ao palco José Geraldo Baião, que foi homenageado por Jayme Domingo Filho e Carlos Rossi, ambos, vice-presidentes da Associação. Também subiram ao palco José Jorge Fagali, presidente do METRÔ-SP, Operadora que comemorava 36 anos do início de operação, e Jayme Domingo, pai do vicepresidente, que naquela data completava 80 anos de vida. Eles cantaram parabéns e assopraram as velas do bolo comemorativo. Andréia Bien encerrou a festa com Aquarela do Brasil.

transportaram 2,088 bilhões de passageiros em 2009 – exatamente 73 milhões de passageiros a mais do que em 2008. O ritmo do crescimento caiu; dois dos maiores sistemas cresceram a taxas menores e sete sistemas tiveram redução no número de passageiros transportados. O Anuário Metroferroviário é uma iniciativa da OTM Editora em parceria com a AEAMESP. AEAMESP 20 ANOS – O Anuário Metroferroviário 2010 apresenta um encarte que aborda os principais acontecimentos da trajetória de 20 anos da AEAMESP por meio de depoimento dos profissionais que dirigiram e dirigem a Entidade.


ESTUDO PREMIADO NO 25o CONGRESSO DA ABRAMAN riginalmente apresentado na 15ª Semana de Tecnologia Metroferroviária da AEAMESP, em agosto de 2009, o trabalho intitulado Gestão do Conhecimento: A Experiência das Equipes de Manutenção de Restabelecimento de Serviços no METRÔ-SP, elaborado pelos engenheiros da Gerência de Manutenção do METRÔ-SP, Alécio Hirano, Luiz Cláudio Horta de Siqueira e Sérgio Barbosa, foi premiado com a terceira colocação durante o 25º Congresso da Associação Brasileira de Manutenção (Abraman), realizado entre 13 e 17 de setembro de 2010. O trabalho também foi apresentado no 17º Congresso da Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP), realizado nos últimos dias de setembro e início de outubro de 2009, em Curitiba.

O

RESENHA - Os autores resenharam desta forma o trabalho premiado: "A intenção do trabalho é analisar o modelo de gestão do conhecimento desenvolvido e aprimorado, no decorrer dos anos, nas equipes de manutenção de restabelecimento do Metrô de São Paulo. Inicialmente é descrito a estrutura organizacional da área, formação dos postos de trabalho e localização das bases de manutenção. Segue uma conceituação dos Conhecimentos Tácito e Explícito bem como a importância da sua interação para o efetivo aprendizado dentro de uma organização. Finalmente, explana-se sobre os desafios da atualidade e os possíveis caminhos a seguir pelas organizações do futuro".

VEJA A BIBLIOTECA TÉCNICA NO PORTAL DA AEAMESP Dentro do Portal da AEAMESP, na página Biblioteca Técnica, podem ser acessados, sem restrições, arquivos PDF com as apresentações da 16a Semana e de todos os congressos anteriores, desde 2003. 7


ELEIÇÃO NA AEAMESP OBEDECE A PARÂMETROS FIXADOS PELA REVISÃO DO ESTATUTO eleição que se aproxima constitui oportunidade para abordar o tema da revisão do Estatuto da AEAMESP, aprovada em Assembleia Geral realizada em 29 de abril de 2010. Além de algumas adequações gerais para a eliminação de omissões, correção de erros materiais e padronização de textos, a revisão estatutária trouxe alterações em cinco pontos conceituais, como informa o presidente da Associação, José Geraldo Baião. Os pontos são os seguintes:

A

1) Fim da categoria de Associado Agregado Os que antes estavam na categoria Associado Agregado são profissionais de nível superior, com registro no Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (CREA) e que não pertenciam aos quadros da Companhia do MetrôSP. Com a eliminação desta categoria, eles passaram a ter os mesmos direitos do Associado Titular, tendo em vista que não se exige mais que o profissional interessado em associar-se à AEAMESP exerça atividades relacionadas à área metroferroviária, mesmo que não trabalhe na Companhia do Metrô-SP. 2) Fim das restrições que impediam a AEAMESP de obter a homologação do registro no CREASP - Com a eliminação da exigência citada no item 1, acima, todos os profissionais de nível superior, com CREA, foram reunidos em uma única categoria de

Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô – AEAMESP Rua do PParaíso, araíso, 67, 2o andar aulo andar,, 04103-000, São PPaulo aulo-- SP SP,, Telefone (11)3287-4565, fax (11)3285-4509 E-mail:aeamesp@aeamesp.org.br Jornalista responsável: Alexandre Asquini (MTb 28.624)

IMPRESSO 8

associados (Titular). Dessa forma, foi eliminada uma restrição apontada pelo Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia – CONFEA, que impedia a AEAMESP de obter o seu registro no CREA-SP. Com esse registro, a AEAMESP poderá ter outra fonte de receitas, oriunda do percentual de recolhimento das ARTs, e poderá também indicar Conselheiros representantes nas diversas Câmaras de Engenharia e na de Arquitetura. 3) Criação da Vice-Presidência de Administração e Finanças - Foi instituída ao lado das outras duas já existentes, correspondentes às áreas Técnica e Associativa, para aprimorar a gestão da Entidade. 4) Alteração do mandato da Diretoria e Conselhos, de dois para três anos - Houve a alteração do mandato da Diretoria e Conselhos, de dois para três anos, a partir da eleição a ser realizada em novembro de 2010. Todos os membros terão direito à reeleição, exceto o Presidente, que não poderá ser reeleito para o mesmo cargo, no período subsequente ao de sua gestão, a partir da eleição a ser realizada em novembro de 2013. 5) Alteração da vigência do ano social - O ano social, que antes era de 1º de dezembro a 30 novembro, agora coincide com o ano fiscal legal, ou seja de 1º de janeiro a 31 de dezembro.

Jornal AEAMESP - edição 23  

Jornal com notícias importantes sobre a comunidade metroferroviária brasileira

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you