Page 1

Object 1

  VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER                              “ Quem bate na mulher mancha a  família inteira”                             

                

 


Os tipos de violência contra a mulher  existem sete que são; 

     violência física; Qualquer agressão que se dê sobre o corpo da mulher, está violência  se dá por meio  de empurrões, beliscões, queimaduras, mordeduras, chutes, socos ou ainda,  pelo uso de armas  brancas como facas, estiletes, móveis, etc, ou armas de fogo.          Violência sexual; Qualquer ato onde a vitima é obrigada, por meio de força, coerção 

ou ameaça, a pratica atos sexuais de violências pode ser interpretada pelo próprio marido  ou companheiro da vitima.      Violência psicológica e moral; Este tipo de violência se da no abalo da auto­estima da 

mulher, por meio de palavras ofensivas, desqualificação, proibições de estuda, trabalhar, se  expressa, manter uma vida social ativa com familiares e amigos       Violência patrimonial; Qualquer ato que por objetivo dificultar o acesso da vitima a 

autonomia feminina, utilizando como meio a retenção, perda, dono ou destruição de bens e  valores da mulher vitimizada.     Violência conjugal; É a que se dá entre conjuga, companheiros, podendo incluir outras 

relações interpessoais.(ex; noivos e namorados).       Violência entre familiar domestica; É perpetra no lar ou na unidade domestica, 

geralmente por um membro da família que vivia com a vitima,podendo ser ou esta um  homem ou mulher,crianças ou adolescentes ou adultos.

    Violência institucional; Qualquer ato constrangedor, fala inapropriada ou omissão de 

atendimento realizado por agentes do orgão públicos prestadores de serviços que deveriam  proteger as vitimas dos outros tipo de violência  e repassar as conseqüências por eles  causados.


ESTADO AVANÇADO­VIOLÊNCIA  CONTRA MULHER "Quem ama não mata” Um forte movimento pela defesa da vida das mulheres e pela punição dos assassinos voltou a ocorrer na década de 1970, tendo seu auge após 30 de dezembro de 1976, quando Angela Diniz foi morta por Doca Street, de quem ela desejava se separar. A morte de Angela e a libertação de seu assassino levantaram um forte clamor das mulheres que se organizaram em torno do lema: "quem ama não mata". Pela segunda vez na história brasileira, repudiava-se publicamente que o amor justificasse o crime. Acostumado à subserviência conservadora, Lins e Silva, defensor de Doca, revelou seu espanto ante a extraordinária pressão popular que acompanhou o julgamento. O caso teve enorme repercussão não só no Brasil, mas também no exterior, havendo "publicidade nunca vista" sobre este caso, reclamou Lins e Silva (1991, p. 295). Grande controvérsia ocupou a imprensa (Blay, 2003) acirrandose a polêmica contra os direitos humanos das mulheres. Os jornalistas Paulo Francis e Tristão de Ataíde mostraram-se indignados contra as feministas e suas manifestações públicas que, segundo eles, pré-condenaram o réu; Lins e Silva (1991, p. 295) irritou-se com a repercussão que transformou uma "briga entre amantes em acontecimento nacional". Referiu-se ao "incidente" como se a vítima estivesse viva. Os prestigiados jornalistas e o advogado consideraram ilegítima a pressão da opinião pública nestes crimes contra mulheres justificados pelo amor.

A violência destrói o que ela pretende defender: a dignidade  da vida, a liberdade do ser humano.

A melhor maneira de melhorar o padrão de vida, está em  melhorar o padrão de pensamento.


ENTREVISTAS:

                                              

“O que você acha da agressão contra a mulher?”  É um tipo de violência que não pode continuar na sociedade de hoje. Além de algo que vai contra os  princípios humanos, trata­se de uma gratuidade injusta, pois dificilmente a mulher tem com se defende da  violência masculina, que geralmente é o que ocorre.  “O que fazer para o índice de de agressão da mulher cair?”  É necessário leis mais rígidas, ou aplicação de  forma mas efetiva. É preciso também que a  sociedade se conscientize e denuncie os casos de  agressão e cobre justiça pelas agressões. Em  quanto todos falam, mas nada fazem, só se  conseguem aumenta os casos de violências e  aumenta os índices de agressão. “Qual a sua opinião sobre os homens que  agridem as mulheres?”     Deveriam ser punidos, sem chances de paga fiança.                                                                 Diretor: Francisco Costa “Na sua opinião você acha que a agressão contra a mulher esta crescendo cada vez mas no Brasil?” Sim pois a agressão esta crescendo muito em tudo Brasil, provocando até mortes de pessoas inocentes. “Essa violência aflita outras pessoas de fora?” Aflita todos que vivem na sociedade como a família, os  vizinhos e até mesmo o bairro.   “Isso provoca muito a mídia frequentemente?” A mídia está procurando colocar para todos verem como  a violência contra a mulher está aumentando. “Na cidade onde você mora você já  presenciou  algum tipo de violência conta a mulher?” Não só ouvi falar. “Você acha que alguem dia isso pode acabar?” Isso é uma questão de informações e princípios que vivem na sociedade. “Em relação a lei Maria da Penha o que você acha disso?” Eu acho que ela ter que mas rigor e não devi ser bom em nenhum ponto em seus artigos. Mais informações  nas escolas e em outra repartições.                                             Apoio biblioteca: Maria Liduina T. Santos


“Em sua opinião como você acha que os homens tratam suas esposas em relação a agressão contra a  mulher?”  Na grande maioria tratam mal, as agressões não  acontecem somente física mas também  psicológicas. “Como você vê a agressão contra a mulher?” Desnecessária totalmente. Como eu a escolhi para  compartilha minha vida. E trata­la mal, não  entendo.  “Como você acha que as mulheres devem se  defende e quais são os meios?” Valorizando­se, não se permitirem ser tratadas  assim.                                Professor de educação física: Rubens Travassos Barbosa

“O que significa violência?” É qualquer forma de constrangimento, com o intuito  de vencer a capacidade ou outra pessoa. Ela pode ser  física ou moral, são vários tipos de agressão física  contra a mulher: Lesão corporal, socos, ponta­pés,  dentre outros. Em relação a violência moral se  destacam a submissão, a rejeição social, a  desigualdade de tratamento, a falta ou reconhecimento  e desgaste cultural. Vale lembra que atualmente as  mulheres têm conquistado espaços significantes na  sociedade. Tudo isso deve­se a organização das  mesmas e a intervenção do estado através das  delegacias das mulheres que tem como objetivo  registrar e apura os casos ou evidencias física e moral  contra as mulheres especialmente aquelas menos  favorecidas por tando, a população feminina deve exigir  dos orgãos competentes, sempre que acha necessário os seus direitos básicos, e um deles é a segurança em  todos os seus aspectos.                                           Professor: Francisco Tabosa Honório dos Santos


“MENSAGEM” Coisa Complicada ­ Vida de Mulher ­ Mensagens em PPS para reflexão A mulher está se posicionando a cada dia em postos de liderança, coordenando equipes,  motivando grupos, administrando grandes empresas, no entanto ainda existem muitos  preconceitos... Se a gente se insinua, é uma mulher atirada; Se a gente fica na nossa, tá  dando uma de difícil. Se a gente aceita transar no início do relacionamento, é uma mulher  fácil; Se a gente não quer ainda, tá fazendo doce. "Sempre existiu preconceito sobre  mulheres no poder, no entanto, hoje observamos que elas estão cada vez mais poderosas a  frente de grandes organizações e com isso mostram que são competentes e extremamente  competitivas". (Luís Alves é personal coach e trabalha com treinamentos de grupos)

Agradecimentos: Ao diretor da escola Francisco Costa, aos  professores Rubens, Tabosa ,  Dayana e a bibliotecária Liduina  e aos alunos do 2°C. ALUNOS: Leonardo Lima, Bruno Marques, Socorro Gomes.


Revista Escola 2C  

Liberdade de expressao

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you