Issuu on Google+

destino

eduardo virtuoso


Eduardo Virtuoso

destino 1a edição

São Paulo M. Montemor Editora 2011


Copyright © por Eduardo Bottene Virtuoso Fotografia e Textos: Editor Responsável: Copidesque: Diagramação: Tradução: Colaboração: Projeto Gráfico: Impressão:

Eduardo Bottene Virtuoso Maycow Montemor (MTB 46.380) Letícia Fontes Ana Beatriz Noya Tetê Juliana Justino Tatiana Aguena M. Montemor Editora Gráfica Pancrom

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)

Virtuoso, Eduardo Destino / Eduardo Virtuoso. -- 1. ed. -Santos, SP : M. Montemor Editora, 2011.

ISBN 978-85-64598-00-3 1. Viagens - Fotografias 2. Viagens Narrativas pessoais I. Título.

CDD-910.4 -779.9

11-05174

Índices para catálogo sistemático: 1. Relatos de viagens 910.4 2. Viagens : Fotografias 779.9

Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610, de 19/02/1998. É expressamente proibida a reprodução total ou parcial deste livro, por quaisquer meios (eletrônicos, mecânicos, fotográficos, gravação e outros), sem prévia autorização, por escrito, do autor ou da editora.

M. Montemor Editora

Av. Ana Costa, 482 conj. 509 Santos, SP, Brasil – CEP 11060-001 www.mmontemor.com.br Impresso no Brasil


Santos . SP . Brasil


Santos . SP . Brasil


À minha família, que me ensinou e me proporcionou tudo isso. Aos meus amigos, que aproveitam a vida junto comigo. À você, que gostou e acreditou em meu trabalho. Muito obrigado, Eduardo Virtuoso. To my family, who provided me education and made it all possible. To my friends, who enjoy life by my side. To you, who liked and believed in my work. Thank you very much, Eduardo Virtuoso


Santos . SP . Brasil


prefácio Compartilhar momentos inesquecíveis que se tornaram imagens. Esta é a essência e o meu desejo com este livro, onde apresento fotografias que significam o registro, não apenas de uma cena, mas do sentimento de um instante que vivi em lugares que indico, recomendo e me orgulho em falar que já fui. Destinos que muitas vezes, sem querer, acabei descobrindo, gostando e por isso, me inspirei para fotografar. Brighton, Innsbruck, Londres, Panarea, Paris, San Diego, Santos e Trancoso - belezas, curiosidades e excentricidades, que aqui, são exploradas. Para iniciar esse tour, mostro o “meu” lugar: Santos. Cidade onde nasci e cresci, onde fiz e refiz o meu primeiro ensaio fotográfico. Lugar que diariamente faz o meu DESTINO acontecer e me leva para muitos outros... Afinal, neste caso, o destino é você quem faz. Escolha o seu e boa viagem! Eduardo Virtuoso

Sharing unforgettable moments through pictures, that is the spirit and my desire with this book. Photos are the record of not just a scene, but the feeling of the moment I lived in places that I recommend, suggest and I’m proud to say I have been there. Places that I found out, often unwittingly, enjoyed and, because of that, inspired myself to photograph. Brighton, Innsbruck, London, Panarea, Paris, San Diego, Santos and Trancoso – wonders, curiosities and oddities that here are explored. To begin this tour I show you “my” place: Santos. The city where I was born and grew up, where I did and re-did my first photoshoot. A place that makes my destiny happen every day and takes me to many others… After all, in this case, destiny is what you make of it. Choose yours and have a good trip! Eduardo Virtuoso


Santos . SP . Brasil


perfil do autor Eduardo Bottene Virtuoso nasceu no dia 2 de junho de 1988 em Santos, SP, Brasil. É formado em Rádio e Televisão pela Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP, São Paulo, SP) e em Fotografia pela Escola Panamericana de Arte e Design (EPA, São Paulo, SP). Eduardo apresenta, através de suas fotografias, uma síntese das imagens capturadas em viagens realizadas nos últimos dois anos pelo Brasil e pelo Mundo. A criteriosa seleção é resultado da união de suas principais paixões: viajar e fotografar. Nota-se nestes ensaios o aguçar da sensibilidade despontando na produção de um “fac-símile” ou um instantâneo do momento vivenciado pelo autor, sem o uso de editor de imagens. Na perspectiva do observador, percebe-se um misto de fotografia e pintura, propiciado através da preservação da estética na aquisição do objeto pela lente. Alia-se a estas características, a diversidade técnica apresentada: ângulos, perspectivas e cores compõem estes instantâneos de paisagens, objetos, pessoas e arquiteturas. O resultado é uma plástica romântica e contemporânea que agrada o olhar de um público diverso e abrangente.

Eduardo Bottene Virtuoso was born on June 2, 1988 in Santos, SP, Brazil. He graduated in Radio and Television at Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP, São Paulo, SP) and Photography at Escola Panamericana de Arte e Design (EPA, São Paulo, SP). Eduardo shows, through his photographs, a summary of images he captured in the last two years during his trips in Brazil and worldwide. The careful selection is the result of two of his main passions: traveling and photographing. In these essays, we can see the acute sensitivity emerging in the production of a facsimile or a snapshot of the moment experienced by the author without using an image editor. From the perspective of the observer, you see a mix of photography and painting that is made possible by preserving the aesthetic in the acquisition of the object through the lens. Along with these features, there is the technical diversity presented: angles, perspectives and colors that compose these snapshots of landscapes, objects, people and architecture. The result is a romantic and contemporary plasticity that appeals to a broad and diverse public.


Santos . SP . Brasil


sumário panarea ............... página 16

paris ....................... página 28

san diego .......... página 40

innsbruck ........... página 54

londres ............... página 68

trancoso ............ página 80

brighton ............ página 90


16


panarea

P

anarea é uma pequena ilha situada ao largo da Costa da Sícilia. De acordo com dados recentes, este “pedacinho do Éden” possui apenas 280 residentes permanentes, o que a torna quase particular para o visitante, além de paisagens maravilhosas, existem trilhas que mantém o turista em contato direto com a natureza. A ilha de Panarea é a menor e a menos elevada ilha do arquipélago das Ilhas Eólias, porém, é a mais antiga. Panarea is a small island in the coast of Sicily. According to recent data, this “little piece of Eden” has only 280 residents, what makes the island almost private for its visitors. Besides beautiful landscapes, there are tracks that put the visitor in direct contact with nature. The island of Panarea is the smallest, oldest and the lower island in the archipelago of the Aeolian Islands. julho/2010

17


18


19


20


21


22


23


24


25


26


P

anarea é uma ilha que descobri sem querer. Na verdade, foi uma dica que veio a calhar. Poucos dias antes de embarcar para Sicília, vi um artigo em uma revista que descrevia Panarea de forma que não tinha como passar perto dela sem visitá-la. E de fato, o artigo não estava errado. O lugar é simplesmente incrível, por isso faltam expressões para descrever Panarea. O que tento passar para aqueles que me perguntam sobre essa minúscula ilha é o quanto ela é particular e exclusiva. O que a torna ainda melhor pelo fato de você não estar visitando um lugar clichê. Para chegar, existem apenas duas opções: balsa ou helicóptero. Isso por que a ilha fica no norte da Sicília e está literalmente no meio do mar. Dizem que no inverno a ilha fica vazia, pois tempestades e ventos fortes vêm de todos os lados, afastando turistas e até mesmo moradores. É como se a ilha ficasse abandonada por alguns meses. Já no verão, o cenário é diferente. Embarcações das mais luxuosas viajam por horas para chegar à menor ilha vulcânica do arquipélago das Ilhas Eólias. As vielas com casinhas brancas, que lembram a Grécia, são ocupadas por turistas curiosos que entram em lojinhas e restaurantes com aparência rústica, mas com cardápio e serviço de primeira. Preocupação ambiental é mais um dos pontos positivos da ilha. Ela não aceita carros. Até porque suas ruas estreitas não permitem com que eles passem. Por isso, carrinhos de golf movidos a bateria são usados como meio de locomoção. Além disso, à noite, com o cair do sempre presente pôr-do-sol, os turistas recorrem a lanternas para caminhar pelas ruas que ficam sem luz elétrica. O mar que rodeia Panarea tem a água tão cristalina que enaltece as pequenas grutas. Quando visitadas de barco, refletem todos os tons de azul. Por falar em barcos, os sicilianos aproveitam a orla para construir suas próprias embarcações, usando técnicas antigas e criando barcos coloridos e muito bem acabados. São esses barcos que permitem com que turistas dêem a volta na ilha acompanhados de marinheiros que, durante o passeio, contam curiosidades sobre o lugar. Lembrando que Panarea não é uma ilha perdida. Ao redor dela existem várias outras, como Stromboli, onde está localizado um dos três vulcões ainda ativos da Itália e que é facilmente visto por quem está nas terras firmes de Panarea. Uma boa oportunidade para ver este gigante de perto e perceber que a água do mar ao seu redor é morna e borbulha. Por tudo isso, Panarea faz você parar e pensar o quanto o mundo é grande e quantos lugares você ainda tem para conhecer. Faz você concluir que existem ainda diversos destinos que, por menores que sejam, podem ser tão encantadores quanto as grandes metrópoles. Uma cidade não precisa de tecnologia nem mega estruturas para fascinar. Basta ter a riqueza de detalhes e anos de tradição que tem a ilha de Panarea.

I found out about Panarea by accident. Actually, it was a handy tip. A few days before flying to Sicily, I saw an article in a magazine describing Panarea in a way I couldn’t go around without visiting it. And indeed, the article was not wrong. The place is so amazing I don’t even know how to describe Panarea. I try to show to those who ask me about this tiny island how private and exclusive it is. What makes it even better because you’re not visiting a cliché. To get there, you only have two options: by ferry or helicopter. That’s because the island lies in the north of Sicily and is literally in the middle of the sea. They say the island is empty during the winter, because of storms and high winds that come from all sides and keep tourists and even residents away. During the summer, the scenario is different. The most luxurious vessels travel for hours to reach the smallest volcanic island of Aeolian archipelago. The alleys with whitewashed little houses, which resemble Greece, are occupied by curious tourists who come into shops and restaurants with rustic appearance but great menu and service. Environmental concern is one more positive point of the island. No cars are allowed, and anyway its narrow streets would not fit it. For this reason, battery powered golf carts are used as transport. Furthermore, at night, with the sunset that is always present, tourists take their flashlights to walk in the streets that remain without electricity. The sea that surrounds Panarea has such pristine water that reflects all shades of blue when the boats pass through their grottoes. Speaking of boats, Sicilians build their boats on the shore, using old techniques and creating colorful and well-made boats. These are the boats that allow tourists to sail around the island while the sailors tell them curious tales about the place. We should remember that Panarea is not a lost island. There are several islands around it. One of them is Stromboli, an island where is one of the three active volcanoes of Italy, which is easily seen by those who are in Panarea. A good opportunity to see this giant up close and realize the water around it is warm and bubbling. For all that, Panarea makes you stop to think how big is the world and how many other places you can visit. It makes you see that are several destinations that, no matter how small, can be as charming as the great metropolis. A city needs no technology or mega structures to fascinate. It just has to show the richness of detail and years of tradition that the island of Panarea has.

27


28


paris

M

ais conhecida pelo luxo e grande influência na moda, Paris é a capital e a mais populosa cidade da França. Possui grande importância na história do mundo. Ícone da cultura francesa, a cidade atrai quase trinta milhões de visitantes por ano.

Best known for its luxury and great influence on fashion, Paris is the capital and the most populous city in France. It has great importance in world history. French culture icon, the city attracts nearly thirty million visitors a year. janeiro e dezembro/2010

29


30


31


32


33


34


35


36


37


38


D

esde pequeno sempre quis conhecer a cidade que todos falavam. Muito mais do que a Estátua da Liberdade, o Big Ben ou a Opera House, eu queria mesmo era conhecer a Torre Eiffel. Quando surgiu a primeira oportunidade, fui! Voltei como todos os outros turistas: impressionado. Por isso, virou parada obrigatória e, em cada nova visita, consegui conhecer uma nova Paris. A capital da França é aquele lugar que consegue, em pleno século XXI, manter todo o aconchego, cores e arquiteturas do passado. Uma cidade onde basta andar um quarteirão para perceber quanta coisa já aconteceu por ali, quantas pessoas já passaram e quantas ainda irão passar. A cidade que fica na história de quem a visita. Mas Paris não é feita só de prédios, praças e calçadas. Os parisienses amam e curtem esse lugar de um jeito que quase não se vê em nenhuma outra cidade do mundo. Parece que eles trabalham para viver, não vivem para trabalhar. Muitos por ali, nem sequer trabalham. Por isso, sabem aproveitar tudo que a cidade oferece da melhor maneira possível. Ali, qualquer banco, escada ou encosto vira espaço para criação de arte. É um que pinta, outro que escreve e um terceiro que toca saxofone. Afinal, Paris é a cidade certa para se perder, desbravar, descobrir e inspirar. Quer uma pausa para um café? Arrisque qualquer um! Em todos você perceberá o clima francês e ficará sentado por horas sem sentir o tempo passar. Afinal, qualidade e ambiente agradável, em Paris, não são sinônimos de preço alto. A tradicional gastronomia francesa está presente em todos os lugares, assim como o charme e a explosão de detalhes, que tornam qualquer esquina especial. A cidade que todos querem visitar. O destino desejado e aconselhável. Um lugar certeiro, já que é impossível não gostar. Para todas as idades, gostos, bolsos. Para você que ama arte, cultura ou simplesmente as grandes e pequenas ruas da Cidade Luz... a eterna Paris!

Since I was a kid I wanted to know the city everyone talked about. For more than the Statue of Liberty, the Big Ben or The Opera House, I really wanted to know the Eiffel Tower. When I had the opportunity, I did! I came back home as all the other tourists: impressed. Therefore, it became a must stop and, in every new visit, I could see a new Paris. The capital city of France is a place that keeps its warmth, color and architecture of the past in the middle of 21st century. It’s a city where you walk and realize how much has happened there, how many people have passed by and how many will still pass. The town remains in the history of those who visit it. But Paris is not only made of buildings, plazas, and sidewalks. The Parisians love and enjoy this place in a way we hardly see in another city in the world. It seems that they work to live, not live to work, and many don’t even work. That’s how they know so well how to enjoy the city. There, any bench or staircase turns into a space for creating art. One paints, the other writes and a third one plays the saxophone. After all, Paris is the right city to lose oneself, explore, discover and inspire. Want a break for a coffee? Try any of them! You will have the opportunity to feel the French atmosphere and spend hours sitting there while time goes by. After all, quality and a pleasant atmosphere, in Paris, are not translated into high price. The traditional French cuisine is everywhere, as well as the charm and the explosion of details that make any street corner special. The city everyone wants to visit. The desired and recommended destination. It’s always the right place, because it’s impossible to dislike it. For all ages, tastes and pockets. For you who love arts, culture, or simply, large and small streets of the City of Light... The eternal Paris!

39


40


san diego S

an Diego faz parte do Estado norte americano da Califórnia, no Condado de San Diego. Foi fundada em 1769 e passou para a soberania do México em 1822 e dos Estados Unidos em 1846. As principais fontes de renda da cidade são a manufatura e o turismo.

San Diego is part of the U.S. state of California, in San Diego County. It was founded in 1769 and became part of Mexican sovereignty in 1822 and of the United States in 1846. Its main sources of income are the manufacture and tourism. março/2009

41


42


43


44


45


46


47


48


49


50


51


52


Q

uando fui para a Califórnia pela primeira vez, deixei de visitar San Diego. Erro grande! Impossível passar pelo Golden State sem passar pela melhor de suas cidades. Depois de alguns anos, voltei e fiz melhor. Fiquei apenas em San Diego por quase dez dias e, Bingo! Descobri mais um destino fantástico.

Imagine uma cidade que não precisa de mais nada além do céu e do mar para ser bonita. Uma cidade recheada de palmeiras que te convencem diariamente de que você está na Califórnia. Uma cidade jovem, descontraída, leve e pronta para aquele que quer curtir o dia e/ou a noite. O clima de San Diego é contagiante. Uma rápida caminhada por Ocean Beach, Pacific Beach ou Mission Beach e você certamente será fisgado. “É aqui que quero ficar pra vida inteira”. Foi isso que pensei e é isso que muitos fazem. Patins, skate, surf, bicicleta e pára-quedas são elementos que fazem de San Diego uma cidade que vive do esporte. Todos praticam! Não tem idade nem lugar certo para isso. Lá, o que importa mesmo é aproveitar o que este destino tem de melhor: o céu, a terra e o mar. Por sinal, às vezes esqueço que San Diego fica nos Estados Unidos. O país onde tudo é mega, tudo é construído, reconstruído e, muitas vezes, pouco vivido. Ao contrário disso, turistas e residentes saem de casa e vão curtir a rua. Deixam o mundo moderno de lado e aproveitam invenções do passado que até hoje fazem pessoas exercitarem o corpo e a mente. Tornando a vida daqueles que passam por ali melhor e muito mais leve!

When I went to California for the first time, I didn’t visit San Diego. Big mistake! It’s impossible to go to the Golden State and not visit the best of its cities. After a few years, I went back and did it better. I stayed in San Diego for almost ten days and… Bingo! I found out a fantastic destination. Imagine a city that doesn’t need anything else but the sky and the sea to be beautiful. A city full of palm trees that daily convinces you that you are in California. A young, relaxed and easy city that is ready for those who want to enjoy the day and/or the night. The atmosphere of San Diego is contagious. A quick walk at Ocean Beach, Pacific Beach or Mission Beach and you will surely be hooked. “Here’s where I want to stay for the rest of my life”. That’s what I thought and what many people do. Rollerblading, skateboarding, surfing, cycling and parachute jumping are elements that make San Diego a city that lives the sport. All people practice. There’s no age or place for that. The important thing is to enjoy what this destination has to offer: the sky, land and sea. By the way, I sometimes forget that San Diego is in the United States. The country where everything is mega, everything is built, rebuilt and often not very well explored. In San Diego, otherwise, tourists and residents leave their houses and enjoy life in the streets. They leave the modern world aside and exercise mind and body with inventions from the past. It makes life of those who are around better and lighter!

53


54


innsbruck

C

onhecida por ser um renomado centro de esportes de inverno (foi sede das Olimpíadas de Inverno em 1964 e 1976), Innsbruck fica no oeste da Áustria, e é capital do Estado do Tirol. A palavra bruck é de origem alemã brücke, que significa “ponte”, o que leva a cidade a chamar-se “Ponte do Rio Inn”. É localizada no meio de altas montanhas.

janeiro/2010

Known as a renowned winter sports center (it hosted the Winter Olympics in 1964 and 1976), Innsbruck is located in western Austria and capital city of the State of Tyrol. The word bruck comes from the german Word “Brücke”, meaning “bridge”, which leads the city to be called “Bridge on the River Inn”. It is located in a valley between high mountains.

55


56


57


58


59


60


61


62


63


64


65


66


S

empre procurei uma estação de ski onde pudesse fazer fotos. Mas qual o sentido de ficar alguns dias em um lugar onde o objetivo de todas as pessoas ali é praticar um esporte que você não pratica? Depois de pensar nisso, comecei a procurar um destino que tivesse uma cidade para curtir e uma estação de ski para fotografar. Com algumas pesquisas e ideias trocadas, encontrei exatamente o que queria... Innsbruck. Nesse lugar de cidade e montanha, via-se um cenário incrível: casinhas estilo medieval, pontes atravessando o rio Inn, confeitarias cheias de quitutes locais, lojinhas de souvenirs, algumas igrejas, várias bicicletas e poucos carros. Mas, mesmo durante o dia a cidade parecia vazia. Durante a noite então, nem se fala. Por ser pequena, até que era compreensível. Depois que subi a montanha descobri onde essas pessoas se “escondiam”. Era em um refúgio, de onde eu não queria mais sair.

I had always looked for a ski resort where I could take some pictures. But what’s the point of staying a few days in a place where the goal of every person there is a sport that you don’t practice? After thinking about it, I started looking for a destination where I had both a city to enjoy and a ski resort to photograph. With some research and exchange of ideas, I found exactly what I wanted... Innsbruck.

No alto da montanha me deparei com a vista de uma cidade em miniatura, coberta de neve. Virei um dos expectadores que, sem pressa, curtiam esse cenário sentados numa cadeira que dava sono. Um lugar para relaxar, fechar os olhos e depois de abri-los novamente, relembrar que tudo aquilo é de fato, real.

In this place of city and mountains, you can see an incredible setting: Medieval cottages, bridges crossing the River Inn, bakeries filled with local delicacies, souvenir shops, some churches, several bikes and few cars. But even during the day the city seemed empty. During the night then, forget it. Being a small city, it was understandable. Once I climbed the mountain, I found where all these people were “hiding”. It was a refuge that I did not want to leave.

Porém, muitos não estavam ali para relaxar, mas sim para praticar o esporte que mais gostam: o ski. Sem tempo, nem hora certa para parar. Com apenas concentração e dedicação para aproveitar aquele momento. Mas, esquiar também cansa e, depois de um dia de sol nas montanhas brancas de Innsbruck, por que não tomar uma cerveja artesanal, saborear um churrasco e dar boas risadas? Aliás, este é um costume local que parece ser aplicado por todos. Não foi fácil chegar até lá. Várias trocas de trem foram necessárias e muitas horas de viagem foram aguardadas para chegar onde eu queria. Valeu à pena! Como diz o ditado: “A primeira impressão é a que fica”. Logo que cheguei me deparei com crianças, jovens, adultos e idosos carregando seus equipamentos de ski. E essa, para mim, foi a impressão que ficou. Uma cidade que vive disso e para isso. A impressão de um lugar procurado para curtir a família e os amigos. A impressão de que o ski é muito mais do que um esporte. É uma tradição. Que em Innsbruck, é passada com alegria de geração para geração.

Over the mountain, I came across the sight of a miniature city covered with snow. I became one of those who, without any hurry, were enjoying the view resting in a cozy chair. A place to relax, close your eyes and then open them again, remembering that all that is, in fact, real. However many of them were not there to relax, but to practice the sport they love: skiing. No time to stop practicing, just concentration and dedication to enjoy the moment. But skiing will also make you tired and, after a sunny day in the white mountains of Innsbruck, why not take a homemade beer, barbecue and enjoy a good laugh? In fact, that is one of the local customs which seems to be applied by all. It was not easy to get there. Several changes of train were made and many hours were spent traveling to get where I wanted. It was worth it! As the saying goes: “The first impression is always the last impression”. When I arrived I came across children, youth, adults and elders carrying their sky equipment. And that, to me, was the impression that lasted. The impression of a city that lives of and for skiing. The impression of a place to enjoy family and friends. The impression that skiing is much more than a sport. It’s a tradition. One that is passed from generation to generation with joy.

67


68


londres

A

área urbana tem uma população que passa de oito milhões de habitantes, enquanto a região metropolitana entre doze milhões e 14 milhões. O clima é temperado oceânico, com verões raramente quentes. Londres foi fundada por romanos há mais de dois mil anos. A cidade tornou-se a capital da Inglaterra em 1066.

Its urban area has a population of more than eight million inhabitants, while the metropolitan area has between twelve and fourteen million. The temperate marine climate has rarely very hot summers. London was founded by the Romans over two thousand years and it became the capital city of England in 1066. janeiro/2010

69


70


71


72


73


74


75


76


77


78


C

omo já dizia o poeta Samuel Johnson: “Quem está cansado de Londres, está cansado da vida”. Ele não está e nunca esteve errado. Londres consegue ser diversas cidades ao mesmo tempo. Diversos bairros, estilos, gostos. Diversas raças, opções, opiniões. Cansou, trocou. E por serem “tantas” Londres, resolvi mostrar apenas uma. A Londres de todos: Camden Town. Quando fui a Londres pela primeira vez acabei passando rapidamente pelo bairro de Camden Town. Sinto que fui apenas tentar descobrir o que era aquele lugar. Não consegui. Foi uma visita que não me mostrou nem metade do que o bairro, de fato, é. Algum tempo depois, voltei. Sem ter hora para ir embora, sem ter direita ou esquerda para virar. Fui me perder em Camden, o bairro mais eclético da tradicional Londres. Descobri um lugar urbano que exala arte e criatividade. São pintores, tatuadores, inventores, cozinheiros, músicos, grafiteiros e hippies para todos os lados. E claro, milhares de turistas orientais e ocidentais fotografando tudo o que vêem. Não é para menos, tudo é novidade! O que é comum para um, é surpreendente para outro. Considero uma visita a Camden necessária, renovadora e surpreendente. Um verdadeiro intercâmbio cultural e gastronômico. Principalmente se for aos domingos, quando o número de ambulantes dobra. Mas, toda essa informação, uma hora cansa. Voltar à Londres tradicional pode ser um alívio! Uma mudança não menos interessante, apenas diferente. É raro encontrar um bairro como este, que reúne pessoas distintas de todo o resto e que juntas, se tornam iguais. Ali, os “normais” que acabam sendo a agulha no meio do palheiro. E é por isso que Camden é local de encontro de culturas, religiões, etnias e tradições. É só procurar, ou melhor, se perder no meio da incrível Camden Town e encontrar o seu lugar, o seu país e a sua origem dentro da gigante e fabulosa Londres.

As the poet Samuel Johnson used to say: “When a man is tired of London, he is tired of life”. He is not and has never been wrong. London can be several cities simultaneously. Several neighborhoods, styles, tastes. Several races, options, opinions. If you get tired, you just have to change. And because we have “so many” London, I decided to show only one. The London of all: Camden Town. When I went to London for the first time I ended up passing through the neighborhood of Camden Town. I guess I was just trying to figure out what was that place. I couldn’t. The quick visit showed me not even half of what it actually is. Some time later, I came back. Without time to leave, without having to turn right or left. I was getting lost in Camden, the most eclectic neighborhood of traditional London. I found a place that oozes urban art and creativity. There were painters, tattoo artists, inventors, chefs, musicians, graffiti artists and hippies all over the place. And of course, thousands of tourists from east and west of the world taking pictures of everything they see. Everything is new! What is ordinary for one is surprising to the other. I think that a visit to Camden is necessary, refreshing and amazing. It’s a true gastronomic and cultural exchange. Especially on Sundays, when the number of street vendors doubles. But all this information will, one time or another, wear you down. Going back to traditional London can be a relief! No less interesting change, just a different one. It’s rare to find a neighborhood like this, which brings different people that, together, become equal. There the “ordinary ones” end up being the needle in the haystack. And that’s why Camden is a place where cultures, religions, ethnicities and traditions meet. You just have to look for, or even better, to get lost in awesome Camden Town and find your place, your country and your origins in the great and fabulous London.

79


80


trancoso

R

edescoberto na década de 70 por um grupo de hippies, Trancoso é localizado no sul do estado da Bahia. Originou-se de uma aldeia Jesuíta denominada São João Batista dos Índios, foi fundada em 1586. Recentemente o destino foi eleito um dos melhores lugares para visitar pela Conde Nast Traveller, uma das principais revistas de turismo do mundo.

Rediscovered in the 70’s by a group of hippies, Trancoso is located in the south of Bahia. It was originated from a Jesuit village called São João Batista dos Índios and founded in 1586. Recently, the destination was chosen as one of the best places to visit by Conde Nast Traveller, one of major travel magazines in the world. janeiro/2010

81


82


83


84


85


86


87


88


S

empre ouvi falarem muito bem de Trancoso, mas não sabia exatamente o que esperar daquele lugar. Embarquei, como sempre, sem pretensão nem esperança. Queria ser surpreendido. Encontrei um refúgio perfeito, uma Bahia totalmente diferente da que eu já conhecia. Senti que era o lugar certo para passar o verão inteiro, não apenas uma semana como eu havia programado. O que me restava, era aproveitar o pouco tempo da melhor maneira possível. As pessoas que vão à Trancoso buscam qualidade e conforto. O fato de ser “roots” e rústico, a torna diferente de todos os outros destinos baianos. Embora se pague caro por isso, quanto mais “low-profile”, melhor. Bermuda, chinelo e um buggy velho e barulhento resolvem seus “problemas”. O que interessa nesse lugar é curtir o momento, os amigos, a música, o pôr-do-sol e a chegada precoce da lua.

I always heard good things about Trancoso, but I didn’t know exactly what to expect from that place. I boarded, as usual, without any pretense or hope. I wanted to be surprised. I found a perfect refuge, a completely different Bahia from the one I already knew. I felt it was the right place to spend the whole summer, not just one week as I had planned. All was left for me was enjoying the time as much as I could.

Um lugar de detalhes por todos os cantos. Em um restaurante, uma praça ou na praia, a natureza ajuda a compor este cenário: passarinhos cantam o dia inteiro, flores de todas as cores brotam em qualquer muda, frutas nascem em várias árvores e coqueiros fazem o barulho do vento ecoar. Esse é o clima de Trancoso, que contagia e relaxa.

People go to Trancoso looking for quality and comfort. The fact that it is simple and rustic makes it different from all other destinations in Bahia. Although you pay dearly for it, the more “low profile”, the better. Shorts, slippers and an old noisy buggy should solve all your “problems”. What matters in this place is to enjoy the moment, friends, music, the sunset and the early arrival of the moon.

De dia, o sol brilha e é a hora certa para refletir, caminhar ou andar a cavalo e se perder entre as falésias. À noite, quanto menos luz, melhor para enxergar a imensidão de estrelas que cobrem o céu. Hora certa para sair, jantar, se divertir e namorar. Afinal, cerveja gelada, luz de velas e um violão colaboram para isso.

It’s a place full of details. In a restaurant, in a plaza or on the beach, nature helps to set the scenario: birds sing all day, flowers of all colors spring everywhere, fruits grow on trees and several palm trees that make the noise of the wind echo. This is the atmosphere of Trancoso, contagious and relaxing.

Mas o coração de Trancoso está no “Quadrado”. A grande praça retangular que é cercada por árvores gigantes e casinhas coloridas que surgiram logo quando o Brasil foi descoberto. Hoje, muito bem preservadas, essas pequenas casas contornam este espaço onde crianças brincam, turistas passeiam, moleques jogam bola e grupos formam rodas de capoeira. No fundo do Quadrado está a pequena igreja de São João Batista. Atrás dela, uma visão panorâmica do céu e do mar. Uma pintura. Lugar para passar horas, apenas conversando e observando. Apesar do chão de terra e grama, o Quadrado respira moda, cultura e gastronomia. O que o torna ainda mais surpreendente, principalmente por essas simples casinhas históricas abrigarem dentro delas espaços modernos e inusitados. Com isso, sente-se um impacto ao entrar em lojas, pousadas e restaurantes: do velho para o novo. É como se tudo chegasse a Trancoso sem afetar, jamais, o seu aconchego. Qualidade que torna este destino eternamente especial.

During the day, the sun shines and it’s time to think, take a walk or ride a horse and get lost among the cliffs. At night, with less light is better to see the immensity of stars covering the sky. It’s the right time to go out, have dinner and some fun, and date. After all, cold beer, candlelight and a guitar helps a lot. But the heart of Trancoso is the “Quadrado”. The large rectangular plaza which is surrounded by giant trees and colorful houses that are there since Brazil was discovered. Today, very well preserved, these small houses are around this area where children play, tourists hang around, kids play football and groups of capoeira play. Behind “Quadrado” is the little church of São João Batista. Behind it, there is a panoramic view of the sky and the sea. It’s a beautiful painting, a place to spend hours simply chatting and enjoying the view. Despite the dirt and grass, the “Quadrado” breathes fashion, culture and gastronomy. What makes it even more surprising are the simple historical houses, which bring modern and unusual spaces inside them. With that, you feel an impact when entering shops, inns and restaurants: from old to new. It is as if everything came to Trancoso without affecting its coziness. That’s what makes this destination forever special.

89


90


brighton

B

righton faz parte de East Sussex, na costa sul da Inglaterra. Formou-se a partir da antiga Brighton, das cidades de Hove, Portslade e várias outras aldeias. Devido a sua grande diversidade, aproximadamente oito milhões de turistas visitam Brighton por ano. Além disso, abriga uma importante conferência de negócios da indústria de hotelaria.

Brighton is part of East Sussex on the south coast of United Kingdom. It is formed from the towns of old Brighton, Hove, Portslade and several other villages. Because of its great diversity, nearly eight million tourists visit Brighton every year. The city also hosts an important hospitality industry conference. janeiro/2010

91


92


93


94


95


96


97


98


D

epois de assistir ao DVD do show do top DJ FatBoy Slim em uma praia, pensei: “Preciso conhecer este lugar”. Era Brighton. E assim que eu pude, fui! Por ser uma cidade praiana, fiquei receoso em ir durante o inverno. Depois que cheguei lá, percebi que tanto fazia. O lugar é incrível em qualquer estação do ano. O que muda é a temperatura e a maneira que irá aproveitá-lo. Conheci uma cidade histórica e ao mesmo tempo moderna. Histórica pelo fato de ser uma antiga vila de pescadores e moderna pelo lifestyle daqueles que visitam ou habitam este lugar. São jovens que vêm do interior da Inglaterra e de todos os cantos da Europa para estudar, passar temporada ou apenas o final de semana. Por ser muito perto de Londres, diversos londrinos têm em Brighton a sua casa de praia. Durante o dia, muitos acabam fazendo coisas que não fazem na cidade grande, como correr na orla da praia, andar de skate, bicicleta ou patins. À noite, todos saem à procura de pubs e baladas. Para isso, basta se perder entre as inúmeras vielas, escutar uma música de seu gosto e entrar. Ir à balada é uma experiência. Em muitas delas, não se paga por isso. Não gostou, pode trocar e ir para a próxima. No verão, a praia de pedras lota de turistas, o mar fica repleto de barcos e o gigante sol se põe tarde da noite. No inverno, tons de cinza tomam conta do céu e do mar enquanto pássaros rodeiam barracas de fresh fish. Ingrediente mais do que necessário para fazer o famoso e tradicional fish and chips, prato inglês que consiste em peixe frito acompanhado de batatas fritas. Em qualquer época do ano, o principal marco da cidade é o Brighton Píer. Ali, há um parque de diversões em cima do mar, uma vista incrível e uma grande nostalgia para aqueles que tiveram uma boa infância. Além de, é claro, muitos doces, sorvetes e os clássicos e deliciosos donuts. Um lugar para crianças, jovens, adultos e idosos que querem apenas se divertir. E Brighton é a cidade certa para isso.

After watching a DVD of the top DJ Fatboy Slim in a beach, I thought: “I need to visit this place”. It was Brighton. And as soon as I could, I did! Being a seaside town, I was afraid to go during the winter. Once I got there, I realized it wouldn’t make any difference. The place is amazing in any season of the year. What changes is the weather and how you will enjoy it. I found a city that was historical and modern at the same time. It was historic because it was an old fishing village and modern because of the lifestyle of those who visit or live in this place. They are young people that come from the english countryside and all Europe to study, spend a season or just a weekend in the city. Being very close to London, many londoners have their beach houses in Brighton. During the day, many people end up doing things they don’t have the opportunity to do in the big city such as jogging on the beach, skating, cycling or rollerblading. At night, everyone goes out looking for pubs and clubs. To do so, you just have to walk around the countless alleys, choose your music style and enter. In many of them, you don’t pay for it. Clubbing is an experience. If you don’t enjoy one club, you can move to the next. During summer, the pebble beach is full of tourists, the sea is full of boats and the giant sun sets late at night. During winter, shades of grey engulf the sky and the sea while sea birds circle fresh fish stalls. Fish is more than necessary to make the famous and traditional fish and chips, an english dish consisting of fried fish accompanied by chips. In any time of the year, the most famous city landmark is the Brighton Pier. There is an amusement park over the sea, an amazing view and great nostalgia for those who had a nice childhood. Besides that, there are many sweets, ice cream and the classic and delicious donuts. It is a place for children, youth, adults and elders who just want to have fun. And Brighton is the right city for it.

99


Este livro foi impresso na Grรกfica Pancrom www.eduardovirtuoso.com


9 788564 598003


Destino