Page 1

Mais um ano escolar  Prof. José Henrique Rossi  Todos os junqueiropolen­  ses  sabem  muito  bem,  da  alegria  e  satisfação  da  Divi­  são de Educação do municí­  pio, neste  momento  em  que  retomam os inícios  da aulas.  E  essa  alegria  tem  razão  de  ser, pois muitos alunos esta­  rão  cruzando  as  portas  das  salas  de  aulas, pela  primeira  vez, na ansiedade  de apren­  der  coisas  novas,  ou  convi­  ver com um mundo de outras  crianças  de  mesma  idade.  Outros chegam cheios de  esperanças, a fim de dar con­  tinuidade  a  seus  estudos,  pois  sempre  é  feito  em  séri­  es  crescentes.  Eles  sabem  muito  bem que  serão  cobra­  dos um pouco mais, mas to­  dos trazem a certeza de que  será  uma  luta  que  depende­  rá  apenas  deles  e  essa  co­  brança  é  sempre  justificada  e  bem  vinda.  Queremos  apenas  refor­  çar que  o município  de Jun­ 

queirópolis a  cada  ano,  vai  sem­  pre superando seus problemas e  dificuldades  no  tocante  ao  ensi­  no.  O  ano  de  2.010  marcou  al­  guns  pontos  importantes  para  nós,  pois  passamos  a  ser  mais  conhecidos pelos resultados con­  quistados na  educação.  Mas  tenham  todos  a  certeza  de que essas conquistas só foram  possíveis,  graças  ao  empenho  dos  professores,  que  não  medi­  ram  esforços  para  corresponder  para  o  melhor  aos  seus  alunos.  Por  outro  lado  também,  os  pais  foram  de  fundamental  importân­  cia para o crescimento do concei­  to de educação que se implantou  em  Junqueirópolis.  Com  seus  apoios e  incentivos a  seus filhos,  esse  crescimento  foi  fácil.  Para o  pessoal administrativo  da educação, cabe  também uma  boa  parcela  de  responsabilidade  nessa conquista, razão pela qual,  estaremos  de  mãos  dadas  para  que  possamos  superar  tudo  a  cada dia  e corresponder aos an­  seios  tanto  das  crianças,  quanto  dos  senhores  pais. 

Essa tarefa  vai  ser  muito  fá­  cil,  desde  que  possamos  contar  sempre com essa  união. Que  os  alunos  retornem  às  aulas  com  a  mesma  vontade  e  determinação.  Que  os  professores  executem  suas tarefas da forma como sem­  pre  bem  fizeram,  para  o  melhor  aproveitamento do trabalho. Que  o  pessoal  de  apoio,  da  mesma  forma,  correspondam  aos  proje­  tos  de  manter  uma  educação  sempre  em  alta  e  evidenciada  pelos  bons  resultados  colhidos.  Enfim,  caberá  tão  somente  aos pais, o principal de todos es­  ses  sucessos.  Que  apoiem  seus  filhos como sempre bem fizeram,  pois todos os lares, são membros  ligados à escola e o sucesso des­  ta depende sempre  da mão ami­  ga dos pais, na caminhada esco­  lar  de seus  filhos.  Que os senhores pais, ajudem  a  cobrar  de  seus  filhos,  suas  ta­  refas, seus  momentos  de  prepa­  ração  para  uma  avaliação  men­  sal, ou qualquer outra atitude que  tenha  como  objetivo  medir  o  quanto  já  se  aprendeu.  Que  fa­ 

çam visitas  constantes  nas  escolas  para  acompanhar  o  andamento dos trabalhos de  seus  filhos,  pois  eles  consi­  deram de grande importância  esse  apoio,  tanto  dos  pais  quanto das  mães.  Esse  incentivo  é  que  faz  a diferença para uma educa­  ção cada vez maior e melhor.  Vamos continuar com o mes­  mo padrão da merenda, con­  siderada  uma  das  melhores  do  Brasil,  e  continuar  tam­  bém  como  uma  das  melho­  res  educação  de  toda  a  re­  gião.  O  poder  público, os  pro­  fessores, pessoal administra­  tivo, especialistas, estarão fa­  zendo  uma  parte.  Caberá  também  aos  alu­  nos  e  pais,  a  correspondên­  cia  de  sempre  para  que  o  melhor  seja  feito,  na  educa­  ção do município.  (*)  José  Henrique  é  Di­  retor da Divisão de Educa­  ção de Junqueirópolis 

Educação Infantil  Após  um  feriado  prolon­  gado  e  um  descanso  mere­  cido,  os  funcionários  dos  Centros Educacionais Infan­  tis  se  reuniram  com  o  Dire­  tor de Educação José Henri­  que Rossi, a Supervisora de  Educação  Infantil  Silvana  Dias e as Coordenadoras Ni­  cinha,  Lídia  e  Terezinha,  na  Divisão  de  Educação  Muni­  cipal,  para  alguns  esclareci­  mentos voltados para o bom  atendimento  das  crianças.  A  rede  municipal  conta  com  três  Centros  Educacio­  nais  ­  CEI  Cristo  Redentor,  CEI Criança Feliz e CEI Nos­  so Teto ­ e  faz  parceria com  CEI  Constantino  Marcolino  de  Souza.  Os  CEIs  funcio­  nam de segunda a sexta­fei­  ra, das 7h00 às 17h00, aten­  dendo crianças de faixa etá­ 

ria de 4 meses a 5 anos.  As  crianças  fazem  quatro  re­  feições  diárias:  café  da  manhã,  almoço,  café  da  tarde  e  jantar,  onde  as  educadoras  orientam­  nas  quanto  a  mastigação  e  ao  desperdício.  Os  alimentos  são  variados:  arroz, macarrão, feijão,  legumes,  verduras,  carnes  e  de  sobremesa  frutas  e  gelatina. As  refeições  são  balanceadas  de  acordo  com  o  cardápio  elabora­  do  pela  nutricionista  Ivone.  Os  pequenos  são  orientados  na  higiene  corporal:  na  escova­  ção dos dentes após as refeições,  na  limpeza  das  mãos  e  também  nos banhos diários, momentos de  higiene imprescindíveis para uma  vida  saudável.  Há  também  na  rotina  diária  das  crianças  um  momento  de  descanso,  no  qual  elas  possam  dormir e  repor as energias. Além 

dos cuida­  dos  com  a  saúde e higi­  ene corporal,  as  crianças  pa rticipa m  de  ativida­  des  dirigidas  ao desenvol­  vimento  das  d ife re n te s  habilidades,  p r i n c i p a l ­  mente  volta­  das  ao  aprendizado  da  leitura,  escrita  e  cálculo.  Os  pequenos  recebem  aten­  ção de todos os funcionários, prin­  cipalmente  das  educadoras  que  trabalham diretamente orientando  as  crianças  em  todas  as  situa­  ções do dia­a­dia, com amor, de­  dicação  e  comprometimento. 

É importantíssimo o traba­  lho  desenvolvido  nos  CEIs,  pois  são  os  parceiros  diretos  dos pais na educação das cri­  anças, buscando a formação  de pessoas que possam lutar  por uma vida  digna.  Silvana Dias ­ Superviso­ 

ra da Educação Infantil


Junqueirópolis Fevereiro de 2.010 

Educação em Ação  02  A importância do uso  Pensamento...  Quando a gente aprende a ler e a escrever, a do uniforme escolar  gente começa a "ler" o mundo diferente. As palavras mais simples, como rua, amigo, pada­ ria, ficam mais fortes porque a gente pode escrevê­las. E quem lê e escreve as palavras também fica mais forte. 

Momento de Leitura...  O rei que mora no mar Ferreira Gullar

Diz a lenda que na praia dos Lençóis do Maranhão há um touro negro encantado e que esse touro é Dom Sebasti­ ão. Dizem que, se a noite é feia, qualquer um pode escutar o touro a correr na areia até se perder no mar onde vive num palácio feito de seda e de ouro. Mas todo encanto se acaba se alguém enfrentar o touro. E se alguém matar o touro o ouro se torna pão: Nunca mais haverá fome nas terras do Maranhão. E voltará a ser rei o rei Dom Sebastião. Isso é que diz a lenda. Mas eu digo muito mais: Se o povo matar o touro, a encantação se desfaz. Mas não é o rei, é o povo que afinal se desencanta. Não é o rei, é o povo que se liberta e levanta como seu próprio senhor: Que o povo é o rei encantado no touro que ele inventou.

VOCÊ SABIA QUE:  Ferreira Gullar (José Ribamar Ferreira) é poeta, dramaturgo e crítico de arte, nasceu em São Luís do Maranhão, em 10 de setembro de 1930, quarto filho dos onze que teriam seus pais, Newton Ferreira e Alzira Ribeiro Goulart. Vive desde os 21 anos de idade no Rio de Janeiro, mas, durante alguns anos, foi obrigado a morar fora do Brasil porque lutou contra o regime militar. Seu livro mais conhecido é Poema sujo. 

Gostaria de chamar a atenção  dos  pais  para  a  importância  do  uniforme  escolar.  O  hábito  de  usar  o  uniforme  facilita  a  vida  dos  alunos  e  dos  pais, pois já sabem com que rou­  pa  vão  para  a  escola,  sem  dizer  que é bem mais econômico, sen­  do que não é preciso usar roupas  diferenciadas  todos  os  dias.  O  uso  do  uniforme  também  facilita  a  identificação dos  alunos.  Neste  ano  os  alunos  estão  recebendo  um  kit  de  uniforme  contendo  2 camisetas  e 1 shorts  gratuitamente,  sendo  dever  e  obrigação  vir  à  escola  todos  os  dias  com  o  uniforme  em  perfeito  estado de uso.  Além do uniforme  escolar, os  alunos  da  rede  municipal,  do  1º  ao  5º  ano,  também  estão  rece­  bendo  o  uniforme  de  Educação 

Física, do  Programa  Atleta  do  Futuro ­ PAF­ projeto firmado en­  tre a Prefeitura Municipal de Jun­  queirópolis,  Fruteza  e  SESI  de  Presidente  Prudente.  Os  alunos  são obrigados usar este uniforme  nas aulas de  Educação Física.  É  importante  que  esses  uni­  formes sejam lavados com cuida­  do  para  não  mancharem  e  fica­  rem  com  aparência  envelhecida,  as  crianças  gostam  de  se  apre­  sentarem  bonitas  e  bem  cuida­  das,  é  dever  dos  pais  zelar  pelo  bem estar dos  seus filhos.  Se cada família cuidar do uni­  forme  de  seus  filhos, com  certe­  za os mesmos permanecerão em  bom estado durante todo o ano.  Ilzete  Aparecida  Jampani  ­  Supervisora  do  Ensino  Funda­  mental 

DICA DE LEITURA: O  guardião  de  memórias  é  uma  fascinante  história  sobre  vidas  parale­  las,  famílias  separadas  pelo  destino,  segredos do passado e o infinito poder  do  amor  verdadeiro.  Inverno de 1964. Uma violenta tem­  pestade  de  neve  obriga  o  Dr.  David  Henry  a  fazer  o  parto  de  seus  filhos  gêmeos. O menino, primeiro a nascer,  é  perfeitamente  saudável,  mas  o  mé­  dico logo  reconhece  na  menina  sinais  da síndrome de Down.  Guiado  por  um  impulso  irrefreável  e por dolorosas lembranças do passa­  do, o Dr. Henry toma uma decisão que  mudará para sempre a vida de todos e  o assombrará até a morte: ele pede que  sua  enfermeira,  Caroline,  entregue  a  criança  para  adoção  e  diz  à  esposa  que a  menina não  sobreviveu.  Com uma trama tensa e cheia de surpresas, O guardião de me­  mórias vai emocionar e mostrar o profundo e, às vezes, irreversível,  poder  de  nossas  escolhas. 

Educação em Ação Informativo das Ações Municipais de Educação Uma publicação pedagógica da Diretoria Municipal da Educação de Junqueirópolis Diretor Responsável – José Henrique Rossi Jornalista responsável – José Costa MTB 279­2 Presidente da República ­ Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação – Fernando Haddad Governador do Estado – José Serra Secretária da Educ. – Maria H. Guimarães de Castro Prefeito Municipal – Osmar Pinatto Secretário Municipal – José Henrique Rossi Conselho Editorial ­ Ilzete Aparecida Jampani ­ Silvana Dias ­ Bernadete Prates Fernandes Basso ­ Sidinéia Aparecida Monteiro Favaretto ­ Simone Pedrini Manoel ­ Odalina Bozelli Santos ­ Ednea Paganini David ­ Cleusa Tramarin Ishimura Leite ­ Maria Marli Alegretti Passos


Junqueirópolis Fevereiro de 2.010 

Educação em Ação 

E.M. Professor Jair Luiz da Silva  Você consegue  ler este texto?

Fonte: Vida e Saúde 

Acróstico produzido pelos alu‐  nos do 4º ano da prof. Fernanda.  Devemos estudar com  dedIcação, pois  Sabemos  Como a  dIsciplina é  imPortante para  todos os aLunos que  Iniciam um  Novo ano na  escolA 

Cruzadinha

03


a v il S a  d iz u  L ir a  J f. o E.M. Pr

P ro je to GU R I dá sh o w e m v is ita à e sc o la .

n h ã: do da m a s d o p e rí o , ra o te e ss Iv fe , n ro e P lin e , C a rm in e , la E , R e n a ta , A se o R M a lv in a , A d ria n a , Van u z a . e la e g n Â

A lu n o s jo ga n do ba sq u e te .

Alu no s sabore iam a me ren da.

no Ale gri a do s alu n os . las au às o rn re to

A lu n o s se d iv e rte m n o re c re io

ndo. A lu no s br in ca

Os fun cio nár ios : An ton io Car los , Mé rcia, No rm a, M ari a Cé lia, Elia na, Ire ne, Cle ide , Ro sa, Ver a e Seb astião .

P ro fe ss o ra s d o p e rí o d o da ta rd e A n dré ia , Lu : cian a , Valé ria, Li la m a D rie ll y, Fe rn r, an d a, E u n ic e , E rc ile i, R a q u e l, Silv ia e Sim o n e.

pr aç a no Alu no s cu rtindo a cre io. re do o nt mo me

A m ig as c o lo cam o pap o e m d ia .


Centro Educacional Infantil “Nosso Teto”  "AS ATIVIDADES DO C.E.I. NOSSO TETO TAMBÉM  INICIARAM EM RITMO DE MUITA DIVERSÃO E ALEGRIA" 

Equipe de Trabalho do C.E.I Nosso Teto


Junqueirópolis Fevereiro de 2.010 

06

Educação em Ação 

Centro Educacional Infantil “Criança Feliz”  cação de qualidade come­ ça com as crianças, para a formação de pessoas ali­ cerçadas nos valores mo­ rais e éticos de um bom

O Centro Educacional In­ fantil Criança Feliz atende um total de 130 crianças com idade entre 4 meses até 5 anos de idade. As crianças recebem ori­ entações, das educadoras, em todas as atividades di­ árias: durante as refeições, nos momentos de higiene bucal e corporal, nas brin­ cadeiras com os diversos brinquedos pedagógicos e nos brinquedos do parqui­ nho. As educadoras rece­

bem orientações e apoio da coordenadora Terezinha Li­ nhares e da supervisora Silvana Dias nas HTPCs ­ Horas de Trabalho Peda­ gógico Coletivo. Além da equipe de tra­ balho diário, o CEI conta com uma fonoaudióloga, Elisangela, e uma psicólo­ ga, Silvia, que orientam os pais e as educadoras em relação ao desenvolvimento de algumas crianças. O trabalho de uma edu­

cidadão. O Centro Educacional In­ fantil Criança Feliz, apre­ senta o seu quadro de fun­ cionários para o ano 2010.

COORDENADORA: Terezinha Eliana Linhares da Silva Trevisan EDUCADORAS: Creide Ribeiro Mota Elisangela Mendes do Nascimento Monção Eva Alves Neves Ubeda Karliny da Silva Moreas Lilian Aparecida Silva Souza Lilian da Silva Lima Lucilene Gomes da Silva Rita de Cássia Ramal Silva Rosimara Fernandes Cardoso Vera da Rocha Pascoal AUXILIAR DE SERVIÇO DA EDUCAÇÃO I: Emilia Araujo Figueredo Silva Juliana Aparecida Correia Passo Lilian Cristina do Nascimento Rosilei Pedrini de Souza AUXILIAR DE SERVIÇO DA EDUCAÇÃO II: Edvania Socorro Seloto Alves Neuza Aparecida Pichinini de Souza ESTAGIÁRIAS: Patrícia Sales Fernandes Valéria Aparecido Francisco

Momentos de descontração e prazer onde às crianças possam brincar no parque se  socializando com as demais crianças e com a educadora. Além de se divertirem, eles  desenvolvem habilidades motoras importantes para o crescimento integral do ser humano. 

Crianças num momento de diversão e aprendizagem.

A educadora Lilian orientando as crianças no roda­roda, num cuidado para que não se machuquem e troquem de lugar com os amiguinhos. Aos olhos de muitos parece que estão "perdendo tempo", "só brincando", mas durante a brincadeira as crianças aprendem muito, além de estimularem a atividade mental, social e psicomotora.


Junqueirópolis Fevereiro de 2.010 

07

Educação em Ação 

Centro Educacional Infantil  “Constantino Marcolino de Souza”  Momento da Leitura 

Berçario O Centro Educacional atende crianças a partir dos 4 meses de idade. No ber­ çário elas recebem cari­ nho, atenção, cuidados e educação dados pelas educadoras Luciana e Ma­ risa. Os bebês manuseiam e brincam com brinquedos variados estimulando a so­ cialização, a adaptação e a coordenação motora. 

Roda da Conversa  Educadora Gislaine lendo histórias para os pequenos. 

Faz parte da rotina diária das crianças que freqüenta o Centro Educacional o momento em que o educador lê histó­ ria para elas. Ao contar a história é feita uma dramatização com uso de fantoches para que os pequenos se interessem mais pela leitura. O objetivo é fazer com que a criança tome gosto pela leitura desde pequena. Através desta atividade o educador estimula a criança a desenvolver habilidades como: atenção, concentração, cri­ atividade.

Criando objetos 

Este momento está pre­ sente na rotina diária de todas as turmas do CEI. Na roda da conversa, é proporcionado situações para que as crianças se sin­ tam acolhidas, seguras e pertencentes ao grupo, onde todos os que dese­ jam, possam falar sobre suas vivências. São feitas discussões so­ bre seus comportamentos, atitudes e sobre as atividades realizadas, abrindo espaço para que todos possam dar suas opiniões. É importante que todos estejam sentados de forma que possam ver uns aos outros, promovendo o respeito pela

Educadora Denise numa  situação de conversa sobre  diferentes assuntos.  fala de cada um. São momentos importan­ tes como esse que ajudam no bom desenvolvimento da cri­ ança e na organização do tra­ balho pedagógico. 

Aprendendo brincando 

Educadora Marlene com sua turminha brinca com as peças de encaixe num momento de descontração e muita criatividade. Essa é uma atividade lúdica onde as crianças manipulam e constroem seus brinquedos, memorizando e diferenciando as cores. As peças de encaixe exercitam a criatividade, fazendo com que a criança aprenda a distinguir, a associar e agrupar formas e cores, brincando, encaixando as peças e reprodu­ zindo ou criando objetos. Por haver peças e cores diferentes a criança pode criar objetos, combinando e diferenciando cores. Nessa atividade é possível desenvolver habilidades de coordenação motora, socialização, criatividade e outras.

Não perdendo tempo e resgatando a cultura do povo brasileiro, a educadora Ireni­ ce envolveu seus pequenos numa alegria total festejando uma das festas mais popula­

res, o Carnaval. Confeccio­ naram colares e máscaras, e através das brincadeiras de­ senvolveram outras habilida­ des incluindo a arte e a cria­ tividade de cada um.


Centro Educacional Infantil “Cristo Redentor”  O Centro Educacional Infantil Cristo Redentor bem como os demais Centros Educacionais do Município, já se encontra em pleno atendimento desde o dia 1º de feve­ reiro. Atendemos 5 tur­ mas nas quais somam um total de 91 crianças com idade entre 4 meses até 5 anos de idade. Uma das turmas atendidas é de Pré I que são as crianças de 4 anos e que estão sendo atendidas nos Centros Educacionais. A popula­ ção Junqueirópolense está recebendo atendi­ mento de alta qualidade na área da Educação, começando nos Centros

Educacionais os quais con­ tam com atendimento de Fonoaudióloga, Psicóloga, Nutricionista além de Pro­ fessor de Música e todo o apoio pedagógico recebi­ do através da Diretoria Municipal de Educação. Bem sabemos que uma construção sólida depen­ de muito de seu alicerce e que a Educação Infantil é a base de toda uma vida. Por esse motivo, e pensando no sucesso escolar, tem­se dado um olhar especial para a Educação Infantil em nos­ so município.

EQUIPE DE EDUCADORAS, ESTAGIÁRIAS, COORDENADORA, PSICÓLOGA E FONOAUDIÓLOGA

Equipe de trabalho direto com as crianças: Thaís, Eli­ via (psicóloga), Elenir, Alex­ Rose, Claudia, Eunice (co­ sângela (fonoaudióloga), Sil­ sandra, Cleonice, Elisângela, ordenadora) e Carla.

Turmas atendidas no CEI ‐ "Cristo Redentor". 

1

2

3

4

5

1 ­ BERÇÁRIO ­ Educadoras: Maria Cleunice e Thaís Cristina 13 Crianças atendidas na faixa etária de 4 meses a 1 Ano e Meio. 2 ­ TURMA I – Educadora Elenir 16 Crianças entre 1 Ano e Meio a Dois Anos e Meio de Idade. 3 ­ TURMA II – Educadora Alexsandra 16 Crianças entre 2 Anos e Meio a Três Anos de Idade. 4 ­ TURMA III – Educadora Claudia 20 Crianças entre 3 e 4 Anos de Idade. 5 ­ PRÉ I ­ Educadora Silvania ­ 26 Crianças atendidas (Na foto com a Professora Estagiária Cristiane)


E.M. Profª Neyde Macedo Brandão Fernandes  Equipe de profissionais  para o ano letivo: 

Professoras: Elisabete, Eliana, Anna Carolina, Sel­ ma, Rosaly, Danila, Samira Lólia, Thalita, Iara, Ber­ nadete, Lúcia, Adriana, Georgia, Lucylene, Dila, Tatiane,Ivone, Lourdes e Rejane. Na direção Cleusa e Marli

Alunos sendo recebidos pelos funcionários: 

Victor, Eugenio, Rosicler, Patrícia, Lindalva, Adeildo, Ednéia, Lucinéia, Neusa e Rosangela.

Os alunos do 5º ano, profª Anna Carolina inici­ aram a semana com o Tema: ''PARA COMBATER A DENGUE , VOCÊ E A AGUA NÃO PODEM FICAR PARADOS!'' Os alunos pesquisaram na internet sobre a pre­ venção, combate, sintomas da Dengue Clássica e Hemorrágica, debateram sobre o assunto, produzi­ ram textos informativos e cartazes onde foram ex­ postos no mural da escola.

A DENGUE SE COMBATE COM ATITUDES!


Junqueirópolis Fevereiro de 2.010 

Educação em Ação 

10

E.M. Profª Neyde Macedo Brandão Fernandes  Alunos recebem livro didático  para o ano letivo de 2010 

Curiosidade...


Junqueirópolis Fevereiro de 2.010 

Educação em Ação 

11

E.M. Profª. Shigueko Oto Iwaki  Jogando para Aprender  Desde sempre o jogo fez parte da vida do Homem. O mais antigo que se conhece foi en­ contrado na sepultura de um rei babilônico, morto cerca de 2600 anos an­ tes de Cristo. Lá estão o tabuleiro, as peças e os dados. Infelizmente, não incluíram as regras, mo­ tivo pelo qual não pode­ A foto acima apresenta a turma mos saber como se jogava. em grupos jogando o Bozó. Os jogos, para além da componente competitiva, funcionam como modelos de situações reais ou imaginárias. Há jogos dos mais vari­ ados tipos, desde os de simples azar (dados e loterias) até os de mais sofisticadas estratégias como o xadrez. Muitos deles podem ser estudados do ponto de vista matemático, e outros têm regras que "obrigam" os jogadores a fazer raciocínios do tipo lógico ­ matemá­ tico. Consideramos que o jogo propicia situações que, podendo ser comparadas a problemas, exigem soluções vivas, originais, rápidas. Nesse processo, o planejamento, a busca por melhores jogadas, a utilização de conhecimentos adquiridos anteriormente propiciam a aquisição de novas idéias, novos conhecimentos, habilidades e atitu­ des. Investigação, tentativa e erro, levantamento e checagem de hipóteses são algumas das habilidades de raciocínio lógico que estão envolvidas no processo de jogar. Dentro dessas perspectivas o jogo deixa de ser meramente um passatempo (como muitos pais, professores e alunos ainda pensam), e torna­se instrumento de ensino motivador e facilitador à aprendi­ zagem de vários conteúdos comuns do Ensino Fundamental. Acredi­ tando nessa metodologia de ensino, neste ano a Professora Karen Gabriela Fruck da Silva Cação, inclui em sua rotina semanal o "Jogan­ do para Aprender" visando auxiliar no ensino de matemática no quinto ano. O Bozó é um dos jogos de dados mais antigos do mundo, porque está presente em diversas culturas desde a Antigüidade, com poucas variações de uma para outra. Egípcios, astecas, hindus e esquimós conheciam os jogos de dados. Os soldados romanos, por exemplo, disputaram as roupas de Cristo crucificado num jogo de dados. Para jogá­lo são necessários cinco dados e uma caneca, cada jogador tem três chances de jogar tentando virar um numero especi­ fico do dado, somente face 1, 2, 3...e assim por diante. Ao final de cada jogada cada jogador conta quantos dados tirou com a face desejada e marca seus pontos na tabela abaixo (cada jogador tem uma tabela individual com seu nome e pontos):

Ao final do jogo contam­se todos os pontos conseguidos por cada jogar, vence quem obteve maior pontuação. Percebemos nesse jogo que conseguimos trabalhar os princípios multiplicativos, bem com probabilidade. Para não ficar o brincar por brincar, é necessário que o professor depois converse com os alunos sobre as jogadas e os pensamentos que os mesmos tiveram no momento do jogo. Para saber mais acesse: www.mathema.com.br Referências bibliográficas: Brasil Secretaria de Educação Fundamental. Paramêtros Curricula­ res Nacionais, Matemática. Brasília : MEC/SEF,1998. Para C. e Saiz, I. (org) Didática da Matemática. Porto Alegre : Artmed, 1996. SMOLE, K. S. e Diniz. M. I. Ler, escrever e resolver problemas: habilidades básicas para aprender matemática.

Recreio Divertido  Além dos espaços de salas de aula devidamente equipa­ dos, biblioteca, laboratório de matemática e de ciências, brinquedoteca, sala de informática; o pátio da Escola está ganhando uma nova visão. Os Professores de Oficinas estão pintando amarelinhas, xadrez humano, damas e jogo da velha pelos diversos espaços abertos da Escola. Desta for­ ma, nos recreios, as crianças terão entretenimentos varia­ dos.

Professores responsáveis pelas oficinas curriculares: Atividades culturais, esportivas e motoras: Alan Junior Barizoni Alex Pereira Chiaradia Bruna Talita Regodanso Stradioto Charles Gonçalves Claúdia Aparecida Coronado Brugnolli Cleverson Pereira da Silva Jéssica Rodrigues Correia Maria de Fátima Reis Nathalia Garcia Sueza Rafael Ibraim Zogheib Fernandes Simone de Lima Silva Thiago Henrique Batista de Souza Viviane Aparecida Ficker Frederico Formação Pessoal e Social: Fernanda Cristina Lançoni Leandro Kátia Gerdzyauskas Sílvia Castilho Sábio Atividades de linguagem matemática e Pesquisa: Ângela de Oliveira Santos Gilvania Santos Ferreira de Souza Maria Pereira da Rocha Marina Romanenghi Pedrini Estagiárias: Adriana Camila Saqueto Denise Maria dos Santos Maria Pereira da Rocha Pamplona Renata da Silva Rose Mary Balderramos Tonetto Como suporte fundamental para o bom trabalho desta Instituição temos uma equipe maravilhosa de funcionários, sendo: Ana Alves Martins Ana Cibele Barboza Clarice Novaes de Queiroz Dirce Moraes de Aguiar Olivieri Dirce Perin Fátima Aparecida Suidedos Tramarim Maércio Alegretti Márcia Regina Capelossi Márcia Rodrigues Maria de Lourdes Cunha da Silva Rosânia Rodrigues Marques da Silva Waldir Bandeca Junior


E.M. Profª. Shigueko Oto Iwaki  Equipe de gestão 

Professoras responsá‐ veis pelos alunos da Pré Escola: Anita Angélica Silva Dumont, Amélia Nunes Sapucaia, Edna Aparecida Ale‐ gretti Estochi.

Professoras respon‐ sáveis pelos alunos dos 1º anos: Maria Edna do Rosário Bonancim, Silvana Rodrigues e Emília Mari Goes Zampronio

Bernadete Prates Fernandes Basso Sidinéia Aparecida Monteiro Favaretto Simoni Aparecida Pedrini Manoel Esperamos ao longo deste ano que possamos rea­ lizar um bom trabalho. Nossos votos são para que juntos funcionários, professores, pais, alunos, direção e coordenação possamos continuar alcançando nos­ sos objetivos. Queridos professores e funcionários, nossa união, será fundamental para estas realizações. Juntos somos mais, somos capazes de ultrapassar barreiras que às vezes vistas isoladas são considera­ das como impossíveis. A Escola Shigueko com a proposta do Projeto "Alu­ no de Tempo Integral", propõe a inclusão dos alunos de 6 anos, com o objetivo de oferecer uma jornada edu­ cativa adequada ao mundo moderno, visando para o aluno uma melhoria no seu desempenho escolar; pro­ porcionando experiências pedagógicas, culturais e esportivas. A Escola atende também a Pré­Escola, in­ cluindo alunos de 5 anos. No período matutino, o Projeto se desenvolve com atividades pedagógicas do ensino básico e no período vespertino as atividades culturais e esportivas e a Pré­ Escola.

Professoras respon‐ sáveis pelos alunos dos 2º anos: Denise Maria dos Santos, Thaisa Codonho Dardem, Ana Claúdia Gomes da Silva Pereira e Juliana Ventura Mazalim.

Professoras responsá‐ veis pelos alunos dos 3º anos: Andréia Maria Pieri Jampani, Arieli Patrícia Ribeiro e Érica Cristina Paduan.

Professoras respon‐ sáveis pelos alunos dos 4º anos: Ellen Grasielle Machado, Kátia de Oliveira Lopes, Márcia Mitiko Sato Carli e Solange Aparecida Pigozzi

Grade das oficinas curriculares

Atividades linguagem matemática Pesquisa.

de e

Atividades culturais, esportivas e motoras.

Formação Pessoal e Social.

Informática Educacional Hora da Leitura Estudo Monitorado, através de experiências e atividades lúdicas (língua portuguesa, matemática, ciências, geografia e historia) Música Dança Esportes (Educação Física) Oficinas de Brinquedos Ética e Cidadania Higiene e formação de hábitos Educação para a paz

Para realização e sucesso desta proposta de traba­ lho, é fundamental a parceria Família e Escola, assim os pais devem acompanhar a vida escolar dos seus filhos e fazer­se presente na Escola, para que juntos possa­ mos atingir nossos objetivos. A rotina da escola começa às 6h45 com o café da manhã, encerrando às 16h para o aluno de tempo integral. A Pré Escola começa às 12h e termina às 17h.

Professoras responsá‐ veis pelos alunos dos 5º anos: Amanda de Oliveira Fatinansi, Cléria Maria Oliani Neves e Karen Gabriela Fruck da Silva Cação.

Jornal da Educação  

Jornal da Educação

Advertisement