Page 17

© psychoshadow | Adobe Stock

NÃO LHE CONTARAM ISSO NA IGREJA Na universidade, muitos se deparam com professores incrédulos, que estão munidos de autores

igualmente céticos, e que podem ser tentados a fazer das aulas um campo de doutrinação contra a tradição judaico-cristã. Nesse contexto, falar da Bíblia em sala de aula pode ser considerado algo ridículo e proibido, a menos que seja para desmerecer seu valor histórico. Sob a argumentação de que o Estado é laico, muitos acadêmicos farão de tudo para evitar um diálogo respeitoso entre ciência e religião em sala de aula. Contudo, talvez não deixem do lado de fora o ceticismo que os motiva. A situação chega a tal ponto que, em alguns ambientes, falar contra a maconha é visto como retrógrado, enquanto questionar o evangelho é sinônimo de sofisticação. Portanto, prepare-se, pois talvez você tenha que sobreviver e testemunhar num verdadeiro campo de batalha. Exatamente como José no Egito (Gn 39-45) e Daniel na Babilônia (Dn 1-6). Isso não significa que você deva demonizar professores e colegas incrédulos, considerando-os imorais, inimigos do bem e gente perigosa. Não se trata disso. Assim como você, eles têm convicções e dúvidas, mas não lepra! Talvez muitos deles estejam hoje no campo da descrença por questões pessoais, que nem sempre significam um rompimento voluntário com Deus. Traumas de infância provocados por pais religiosos incoerentes, decepção com as igrejas, assuntos mal resolvidos ou até mesmo desinformação sobre a Bíblia podem gerar um ateu que até gostaria de acreditar, mas não conseguiu superar seus dilemas. Se Deus realmente existe e nos ama, conforme afirma a Bíblia, Ele Se revelará a todos no tempo certo. Sendo assim, seu papel como cristão na universidade deverá ser o de pregar muito falando pouco. Em outras palavras, é preciso entender que Deus precisa de testemunhas, não de advogados, muito menos de guarda-costas para protegê-Lo. Evite, portanto, todo espírito arrogante, antiético ou desrespeitoso com seus colegas e professores. Se a afronta surgir, que venha do outro lado, nunca de você. Lembrese sempre da prisão de Jesus no Monte das Oliveiras e aprenda que não é cortando a orelha de Malco, como fez Pedro (Jo 18:10), que defenderemos Cristo, mas sim por meio de atitudes e comportamento que revelem Deus. jan-mar

38769_RevistaConexao_1Trim_2019.indd 17

38769 – CONEXÃO 01/2019

MACHADO DE ASSIS foi um escritor brasileiro brilhante. À semelhança de outros notáveis, ele conseguiu desenvolver questões filosóficas e polêmicas em forma de estórias. Assim também fizeram antigos pensadores do Oriente Médio, incluindo os rabinos do judaísmo. E por falar em judaísmo, este também foi um método utilizado por Jesus, que era visto por alguns como rabi (mestre), ao narrar Suas muitas parábolas. Ele falava de modo simples, às vezes irônico, sobre verdades profundas que os iletrados entendiam e os mais cultos nem sempre captavam. Como se pode ver, a inteligência de Cristo não tinha nada de mediana. Voltando a Machado de Assis, existe um trecho do romance de Quincas Borba (Ática, 1995), cujo enredo acaba tendo como protagonista não aquele que dá nome à obra, mas o ingênuo Rubião que, no dizer do próprio autor, “era mais crédulo que crente; não tinha razões para atacar nem para defender nada: terra eternamente virgem para se lhe plantar qualquer coisa” (p. 60 e 61). Esse argumento da ficção acabou, de certa forma, tornando-se um estereótipo de um tipo de religioso ou “crente”, que se ilude facilmente e acredita em tudo que seus líderes lhe dizem. A série de animação Os Simpsons, que é ambientada nos Estados Unidos, também reforça essa visão ao retratar o personagem Ned Flanders como um sujeito religioso, bonzinho e politicamente correto, que chega a ser mais ingênuo que o protagonista Homer. Parte da responsabilidade por essa imagem pública ridicularizada é dos próprios religiosos e de seus líderes, que pensam que sua tarefa seja a de proteger a igreja da crítica racionalista. Porém, essa liderança desconsidera que, ano após ano, uma leva de estudantes entra na universidade, ambiente em que a fé cristã costuma ser questionada. Portanto, é importante falar sobre a relação entre dúvida, fé e racionalidade. Assim, você pode evitar de ser iludido ou de perder sua confiança no Criador.

________ Designer ________ Editor ________ Ger. Didáticos ________ C.Qualidade

2019 | 17

21/12/18 08:46

________ Depto. Arte

Profile for Portal da Educação Adventista

Conexão 2.0 - DIGITAL DO CRIADOR  

É possível ver o dedo de Deus na natureza por meio de evidências que apontam para planejamento em vez de acaso

Conexão 2.0 - DIGITAL DO CRIADOR  

É possível ver o dedo de Deus na natureza por meio de evidências que apontam para planejamento em vez de acaso

Advertisement