Issuu on Google+

9/21/2009

MarĂ­lia Peres

1

MarĂ­lia Peres

2

1


9/21/2009

€ Vias

de entrada no organismo P d t químicos í i i € Produtos perigosos € Efeitos toxicológicos da exposição a produtos químicos € Incompatibilidades entre produtos químicos € Informação sobre perigos químicos

3

Marília Peres

Ingestão

Inalação

Absorção cutânea tâ

Marília Peres

4

2


9/21/2009

Uma substância perigosa é qualquer substância â que apresenta toxicidade aguda ou crónica ou que pode provocar danos por possuir propriedades fisico-químicas e/ou ambientais perigosas.

5

Marília Peres

€

Material que, quando inalado, ingerido ou absorvido pela pele, mesmo em pequenas quantidades causa danos severos ou morte em organismos vivos, em consequência de interacções físico-químicas.

€

Pode danificar a estrutura perturbar as funções vitais.

€

Exemplos: cianeto de potássio, estricnina. Marília Peres

biológica ó

e/ou

6

3


9/21/2009

Tóxicas

Muito tóxicas

Facilmente inflamáveis

Nocivas

Irritantes

Extremamente inflamáveis

7

Marília Peres

Explosivas

Comburentes

Perigosas para o ambiente

Marília Peres

Corrosivas

Mutagénicas

8

4


9/21/2009

1. 2. 3. 4.

Toxicidade aguda Toxicidade crónica Carcinogénese Toxicidade para a reprodução

Marília Peres

9

Rótulos normalizados de produtos químicos € Símbolos (pictogramas) € Frases indicadoras de risco Frases R € Recomendações de prudência Frases S Fichas de Dados de Segurança

Marília Peres

10

5


9/21/2009

Organizar correctamente os laboratórios escolares € Equipamento essencial € Armazenagem de produtos químicos € Eliminação de resíduos químicos € Segurança nas operações básicas €

Marília Peres

11

€ Extintor

de incêndios - substituição de extintores usados € Chuveiro de emergência € Lava-olhos / garrafa lava olhos € Kit de limpeza de derrames € Equipamento de protecção individual

Marília Peres

12

6


9/21/2009

Marília Peres

13

Um fogo pode ser interrompido quando se impede a acção de um dos seus componentes (triângulo do fogo) ou se rompem as reacções em cadeia. Processos principais: principais: Abafamento: diminuição da percentagem de oxigénio. Dispersão: Separação física do combustível. Arrefecimento: diminuição da temperatura do ambiente, para valores inferiores à temperatura de l i f i t t d combustão. b tã Inibição: alteração da composição química da chama suprimindo a sua formação (ruptura das reacções em cadeia).

Marília Peres

14

7


9/21/2009

15

MarĂ­lia Peres

Lava-olhos MarĂ­lia Peres

Chuveiro 16

8


9/21/2009

€ Avental

ou roupas de protecção

€ Luvas € Protecção

facial/ ocular € Protecção respiratória

Marília Peres

17

Avental recomendado para manuseio de substâncias químicas q ƒ

Material: algodão grosso |

ƒ

Modelo: |

ƒ

queima mais devagar, reage com ácidos e bases mangas compridas; comprimento até os joelhos, fechamento frontal, sem bolsos ou “detalhes soltos”.

Deve ser usado sempre fechado

Marília Peres

18

9


9/21/2009

€ Conservação ƒ

ƒ ƒ

ƒ

e manutenção

Devem ser inspeccionadas antes e depois do uso quanto a sinais de deterioração, pequenos orifícios, descoloração, ressecamento, etc. Luvas descartáveis não devem ser limpas ou reutilizadas. As luvas não descartáveis devem ser lavadas, lavadas secas e guardadas longe do local onde são manipulados produtos químicos. Lavar as mãos sempre que retirar as luvas.

Marília Peres

€

Deve estar disponível para todos os que trabalhem locais onde haja manuseio ou armazenamento de substâncias químicas.

€

Todos os visitantes deste local também deverão utilizar protecção facial/ocular.

€

O uso é obrigatório em atividades onde houver probabilidade de respingos de produtos químicos.

Marília Peres

19

20

10


9/21/2009

€

Tipos ƒ ƒ

Óculos de segurança Protector facial

€ Características ƒ ƒ ƒ

Não deve distorcer imagens ou limitar o campo visual. Devem ser resistentes aos produtos que serão manuseados. Devem ser confortáveis e de fácil limpeza e conservação.

Marília Peres

21

Marília Peres

22

11


9/21/2009

€A

utilização de macáras para protecção respiratória deve ser utilizado apenas quando as medidas de protecção coletiva não existem, não podem ser implantadas ou são insuficientes.

€O

uso de respiradores deve ser esporádico e para operações não rotineiras.

Marília Peres

23

Deverão ser utilizadas i i em casos especiais: ƒ

ƒ

Em acidentes, nas operações de limpeza e salvamento. Em procedimentos onde não seja possível a utilização de sistemas exaustores.

Marília Peres

24

12


Segurança no laboratório