Page 1

Clube de Rugby Arcos deValdevez


Í

N

D

Introdução / A história A nova imagem CRAV Campeonatos nacionais / Taça de Portugal Arcos Seven’s / Seven’s Beach Rugby Os internacionais / Os prémios Cross border Os lobos As digressões Os intercâmbios O clube e a formação O clube e s escolas Formação de treinadores e directores CRAV na Imprensa e Televisão Meios de divulgação O Jornal “Ensaio” Exposição Rio Vez Parceria Universidade de Aveiro Sócios e simpatizantes As instalações O município Quatro boas razões para apostar no CRAV Pessoa Colectiva de Utilidade Pública O patrocínio

I

C

E 2 4 6 8 10 12 14 16 18 20 22 24 26 27-28 30 35 34 36 38 40 42 44 46 48


1


Introdução O C.R.A.V. – Clube de Rugby de Arcos de Valdevez – é um clube de rugby situado no coração do Alto Minho, na vila de Arcos de Valdevez, distrito de Viana do Castelo. O Clube tem mais de 30 anos de existência e assume, nos dias actuais, um forte protagonismo no desporto regional e nacional. Com o novo Estádio Municipal (relva sintética), preparado para acolher jogos de rugby, juntamente com o campo de rugby de relva natural existente, o clube possui das melhores infraestruturas no país para a prática da modalidade.

A história O Clube foi fundado em 9 de Julho de 1981, por um grupo de jovens que apanhou o “bichinho” do rugby no decorrer da sua vivência académica, em cidades como o Porto e Coimbra. A mentalidade ganhadora confunde-se com a própria criação da equipa pois, logo na época a seguir (1982/1983), o CRAV ganha o título de Campeão Nacional da Terceira Divisão. O ano de 1983 foi de grande importância para o clube. Foi nesse ano que se activaram as camadas jovens, que impulsionaram, nos dias de hoje, o Rugby Minhoto para a ribalta do desporto Nacional. A 1 de Maio de 1986, era inaugurado o Campo Relvado da Coutada, espaço criado e cedido para a prática exclusiva do Rugby . 1986/87, com apenas seis anos de existência, o CRAV ascende à 1ª divisão. Também importante foi a realização do jogo internacional Portugal-Alemanha em 1989. Após um convívio de 4 anos com “grandes” o CRAV desceu de divisão, para voltar a subir no ano imediatamente a seguir (1991/92), com o título de Campeão Nacional da 2ª Divisão, e mantém, desde aí, o estatuto de uma das equipas mais regulares desta competitiva prova. Em 2002/2003, os Campeonatos foram reestruturados, ditando a passagem do CRAV para a 1ª divisão, onde esteve sempre classificado no grupo das primeiras quatro equipas. Em 2009/2010 a sua equipa sénior sagrou-se campeã nacional da 1ª divisão, o que lhe garantiu a presença essa época na Divisão de Honra, que é o escalão máximo do Rugby português. O clube participa neste momento na Divisão de Honra jogado por dez equipas, onde estarão em competição seis equipas da grande Lisboa (Direito, Agronomia, Belenenses, CDUL, Cascais e Técnico), uma de Coimbra (Académica), uma do Porto (CDUP), uma do Alentejo, Montemor-o-Novo (R.C. Montemor) e o CRAV, que é o único clube não pertencente a uma cidade.

2


3


A nova imagem CRAV A nova imagem de marca do Clube de Rugby de Arcos de Valdevez foi desenvolvida pela designer Sara Pimenta, e pretende transmitir uma ideia de modernidade, organização e interação. Com esta nova imagem, ao mesmo tempo que mostra a forte ligação do clube à sua terra, transparecem os seus valores: o companheirismo, a união e o espírito de equipa, a força, a solidez, o equilíbrio e a disciplina.

organização

interacção

companheirismo equipa

equilíbrio disciplina

força solidez

Arcos de Valdevez

4


5


Campeonatos nacionais Campeonato Nacional da 1ª Divisão / Divisão de Honra (16): 6º Lugar 7º Lugar 8º Lugar 9º Lugar 10º Lugar 11º Lugar

1994/95 2002/03 1992/93; 1995/96; 2003/04; 2010/11 1987/88; 1989/90; 1997/98; 2001/02; 2012/13 1988/89; 1998/99; 99/2000; 2000/01 1990/91

Campeonato Nacional da 2ª Divisão / Campeonato Nacional da 1ª Divisão B (11): 1º Lugar / Campeão 2º Lugar 4º Lugar

1991/92; 2009/10 1986/87; 1993/94; 2004/05; 2005/06; 2011/12 1996/97; 2006/07; 2007/08; 2008/09

Campeonato Nacional da 2ª Divisão Zona Norte/Centro (3): 2º Lugar 5º Lugar 6º Lugar

1983/84 1985/86 1984/85

Campeonato Nacional da 3ª Divisão (1): 1º Lugar / Campeão

1982/83

Taça de Portugal Para além do campeonato, a equipa sénior tem uma participação regular na Taça de Portugal, onde conta já com duas temos presenças em meias-finais, e venceu a Taça de Portugal Bowl na época de 2011/2023. Para além disso destacamos a presença na final da Taça de Portugal no escalão de sub-18 em 2010/2011.

6


7


Arcos Sevens: O clube organiza desde 1989 o Torneio Internacional Arcos Sevens, e que conta desde o seu início com a participação de equipas de diversos países (Portugal; Espanha; França; Irlanda). Este é um dos momentos altos da época do clube, porque devido à já grande tradição do torneio, leva a que muita da população de Arcos de Valdevez se desloque ao estádio municipal, para ver alguns dos melhores jogadores nacionais e presenças assíduas na selecção portuguesa desta variante do rugby. Lista de vencedores 1989- R. C. Vigo 1992- Dramático Cascais 1995- CRAV 2000- CRAV 2010- Académica Coimbra

1990- Portuguese Barbarians 1993- Dramático Cascais 1996- R. C. Lousã 2001- CDUP 2012- Académica Coimbra

1991- Dramático Cascais 1994- Dramático Cascais 1997- CRAV 2007- Agronomia 2013- Académica Coimbra

Sevens O clube tem já uma larga tradição nesta variante do rugby, participando habitualmente em vários torneios internacionais, e tendo a equipa sénior do clube ganho já diversos títulos em vários torneios, dos quais destacamos: vencedor do Sevens de Coimbra; vencedor da «Copa Beefeater» no I Torneio Internacional de Santiago de Compostela, ambos em 1993; vencedor do «Trofeo C.R.C.» em Santiago de Compostela e novamente do Sevens de Coimbra em 1994; vencedor do Arcos Sevens em 1995/97 e 2000; vencedor do torneio «Villa de Allariz» em 1995/96/97/98/99; e ainda Vencedor da «Taça Primavera» do Lisboa Seven’s em 1997. Mas não é só no setor sénior se escreve a história do clube nos sevens, tendo a equipa feminina várias participações em diversos torneios, e as equipas de sub 16 e sub 18 participações regulares no campeonato e em torneios dos respectivos escalões, de salientar que a equipa dos sub 18 se sagrou campeã nacional desta variante na época de 2011/2012.

8


9


Beach Rugby: Não menos importante, mas numa vertente mais lúdica e já com as competições oficiais encerradas, as equipas seniores masculina e feminina são presença assídua em torneios de o rugby de praia. Conta já com várias presenças em diversos torneios, onde destacamos os torneios de Sanxenxo (Espanha), na Praia de Moledo e Esposende e a presença no torneio internacional da Figueira da Foz, que está inserido no circuito europeu de Beach Rugby e conta com a presença de equipas de diversos países (Portugal, Espanha, Itália, França, Holanda, Bélgica, Inglaterra, entre outros). Para além da participação nestes torneios, o clube organizou já vários torneios com vista à divulgação da modalidade, nomeadamente a organização dos torneios de nas praias fluviais de Arcos de Valdevez e Ponte de Lima e ainda a organização dos torneios de Beach Rugby de Modelo.

10


11


Os internacionais: Desde sempre o CRAV fornece jogadores às mais diversas seleções. Dos Jogadores do clube que foram Internacionais “A” por Portugal podemos referir, uma gloriosa geração, que no passado representou as cores do Clube e da Nação: Júlio Faria; Gil Gonçalves e Camilo Vaz. Nesta fase eram jogadores formados noutros clubes que posteriormente representam o CRAV. Mas, da brilhante geração de jogadores que representa ou representou o clube, vários são os que já tiveram o privilégio de representar as Seleções. Vítor Gonçalves, Nuno Vaz, Nuno Neto, Abel Pinto, Eric Galvão e Mário Ascensão, são atletas que já representaram a Selecção “A” de Portugal. João Pedro Azevedo, Nelson Fernandes e David Pereira, representaram a Selecção de Sub22. Fernando Araújo, por sua vez, esteve nos trabalhos das seleções até ao escalão Sub-19, também o atleta José Lago representou a selecção portuguesa no escalão Sub-17. E jogadores como Miguel Azevedo e Victor Gonçalves são habitualmente presença na Selecção Norte/Centro; que representa Portugal no Torneio Europeu das Regiões. Na Selecção Nacional Feminina o CRAV esteve representado por diversas jogadoras, tendo mesmo 5 das nossas atletas feito parte da 1.ª seleção feminina, de destacar em presenças posteriores as de Bárbara Viana (Capitã da Selecção Nacional), Sara Lago e Catarina Barbosa. Paralelamente, a estes atletas já consagrados, uma nova geração de jovens promissores desponta garantindo um futuro seguro do clube.

Os prémios: Por outro lado, o valor dos atletas do CRAV tem sido reconhecido a nível regional e nacional. Em 1999 o Clube ganhou o prémio para clube “Fomento Desporto Jovem”. Em 2001 o internacional Nuno Neto e em 2004 Bárbara Viana ganham o prémio “O Minhoto” na categoria “Melhor Atleta Modalidades”. Em 2003 o Clube esteve nomeado para o prémio “O Minhoto” na categoria de “Melhor Evento Desportivo” devido à organização do Torneio Internacional “Arcos Sevens”. Em 2005 Júlio Faria esteve nomeado para o prémio consagração e em 2007 Fernando Manso recebeu o prémio Troféu Destaque Concelhio, como sendo a individualidade de Arcos de Valdevez, que mais se destacou no ano de 2006 em prol do desenvolvimento do desporto no concelho. Mais recentemente a Federação Portuguesa de Rugby atribuiu o prémio “Mérito Desportivo 2012” ao Dr. Fernando Manso e ao Sr. Júlio Faria.

12


13


Cross border O Clube de Rugby de Arcos de Valdevez acolheu o torneio internacional de selecções sub 17. A organização da prova, da responsabilidade da FIRA – entidade que tutela o râguebi europeu – foi confiada ao CRAV que, por sua vez, contou com diversos apoios, nomeadamente do Município arcoense. Em competição, além da Selecção Nacional onde esteve o segunda linha do CRAV José Lago, contou ainda com os XV de Espanha, Suíça e Holanda. No primeiro dia de competição, jogaram a Espanha e Holanda enquanto Portugal defrontou a Suíça. No segundo dia, os jogos foram disputados entre as selecções da Holanda e da Suíça e o jogo mais importante de atribuição do 1.º e 2.º lugares foi disputado pela selecção Portuguesa a selecção Espanhola, com a vitória dos Espanhóis, que assim arrecadaram o 1.º lugar no torneio.

14


15


Os Lobos Devido às excelentes condições de treino proporcionadas pelas instalações do clube, com um campo relvado, um campo sintético, um ginásio e com o acesso às piscinas municipais localizadas no complexo desportivo, Arcos de Valdevez é muitas vezes a escolha das selecções portuguesas. Desde as mais novas, como é o caso das selecções de Sub-16 e Sub18 até ao nossos Lobos, várias realizaram os seus estágios de preparação para os jogos. Este foi o caso do estágio realizado pelos Lobos antes do importante encontro com a congénere espanhola para apuramento do Campeonato do Mundo de 2015 em Inglaterra. Para o CRAV, e para a vila de Arcos de Valdevez, é sempre um privilégio receber as Selecções Nacionais de Rugby.

16


17


As digressões Praticamente todas as épocas o CRAV se desloca a outros países, ou bem para preparar a nova temporada ou no fim da época. Desde a sua fundação o CRAV deslocou-se quatro vezes à Irlanda; três vezes a França (Bègles, Bordéus e Paris); em 1992 a Barcelona, entre outras. De salientar que, dada a sua proximidade com a Galiza, o CRAV efetua, durante a época, várias deslocações àquela região, ou em jogos amigáveis ou para participar em Torneios Internacionais de Rugby de Sete para os quais é convidado (Vigo, Corunha e Santiago). Neste momento, o clube desenvolve, em conjunto com os seus amigos de Ourense (Galiza) um protocolo de parceria. A ideia é desenvolvê-lo numa perspetiva de integração do desporto na ideologia da União Europeia, tendo como base o Eixo Atlântico e assim incluir mais equipas de outros países neste projecto. Fruto deste trabalho foi a presença do CRAV no Torneio Intercéltico, realizado em Quimper na Bretanha, quadrangular onde participaram as duas equipas citadas, mais uma equipa irlandesa (Old Belvedere) e outra francesa (Quimper).

18


19


Os intercâmbios Graças às excelentes relações e ao protocolo existente entre o CRAV e MethodistCollege, clube da Irlanda do Norte, e que data de 1998, foram já muitas as viagens de Arcos de Valdevez até Belfast e de Belfast até Arcos de Valdevez, proporcionando uma troca de experiências entre estes dois clubes. Estes intercâmbios têm em vista desenvolver uma cooperação dinâmica e beneficiar da formação da excelência que caracteriza o râguebi irlandês. De resto, neste projecto de grande alcance, é de destacar a colaboração do categorizado técnico irlandês David Wells.

20


21


O clube e a formação Para além dos seniores, o CRAV junta atletas dos mais variados escalões. Nas Camadas mais jovens (Sub 8, sub 10, sub 12, e sub 14) participaram em diversos Torneios regionais, locais e nacionais. Para além disso, existe uma equipa de sub 16 e outra de sub 18, que participam nos respectivos campeonatos nacionais. Finalmente, e não menos digna de nota, está a equipa feminina, que foi bi-campeã nacional da 2ª divisão, o que lhe permite jogar com as melhores equipas nacionais no escalão máximo, onde mais uma vez, será a única equipa exterior aos grandes núcleos urbanos (as restantes distribuem-se entre Porto, Coimbra e Lisboa). Assim a atividade desportiva do Clube envolve mais de 250 atletas sob a orientação de cerca de 15 técnicos credenciados. Esta atividade desportiva transcorre entre Setembro (início dos treinos) e Julho.

22


23


O clube e as escolas O Clube, ao longo dos anos, tem levado a cabo várias atividades junto dos agrupamentos de escolas de Arcos de Valdevez e também na vila vizinha de Ponte da Barca. O grande objetivo destas atividades é mostrar e desmistificar junto dos mais novos o que é o rugby, e também o que é o clube e as suas atividades. Estas ações têm ainda o objetivo de cativar os mais novos para a pratica da modalidade.

24


25


Formação de treinadores e directores Uma das principais preocupações do clube é a formação de todos aqueles que estão em contacto com os atletas desde os mais novos até aos seniores. Para tal, os seus treinadores são certificados e recebem formação anual junto das entidades responsáveis pelo desporto e pela modalidade em Portugal, como são os casos do Instituto do Desporto de Portugal e da Federação Portuguesa de Rugby. Para além disso, sempre que são organizadas formações pela FPR envolvendo em muitas delas treinadores certificados pela International Rugby Board, os nossos treinadores são presença assídua. Outra vertente, e não menos importante, é a formação dos nossos diretores, e diretores de equipa, já que são eles que muitas vezes estão em contacto com os nossos atletas e com os pais dos atletas. Por isso também os nossos directores são certificados e recebem formação adequada. Devido às condições que o clube oferece tanto a nível de infraestruturas desportivas, como de espaços especializados, muitas vezes é escolhido como o local para a realização das mais diversas formações organizadas pela FPR. Para além das formações, o clube tem por hábito organizar as “Jornadas do CRAV”, envolvendo várias pessoas a si ligadas, proporcionando uma troca de ideias entre os seus vários setores e também dando a possibilidade a atletas e ex-atletas de se pronunciarem sobre a vida do clube, e exporem as suas ideias para o melhoramento do mesmo.

26


CRAV na imprensa e televisão Dadas as excelentes épocas que tem vindo a realizar, Clube de Rugby de Arcos de Valdevez assume um enorme protagonismo na comunicação social, regional e nacional.

Os Irredutíveis Arcuenses Jornal PUBLICO , Seg unda-feira, 19 de Janeiro de 2004. Na banda desenhada, a poção mágica de Panoramix torna invencíveis os gauleses da aldeia de Astérix, face às legiões romanas. Da mesma forma, na divisão máxima do râguebi português, o Clube de Rugby de Arcos de Valdevez resiste ao domínio das três grandes cidades de Portugal. Por David Andrade. Das oito equipas que participam este ano no Grupo A da Divisão de Elite do râguebi em Portugal, uma é do Porto (CDUP), outra de Coimbra (Académica) e cinco de Lisboa (Belenenses, Benfica, Direito, Agronomia e CDUL). A única equipa que ainda resiste é o Clube de Rugby de Arcos de Valdevez (CRAV), que até ao ano passado, era a única equipa de um desporto colectivo do distrito de Viana do Castelo a participar numa 1ª divisão. "Tudo começou com uma conversa de café". É desta forma que António Paiva Costa começa a contar como surgiu o CRAV. Natural de Lisboa - onde praticou râguebi nas camadas jovens do Benfica -, em 1981, deslocou-se a Arcos de Valdevez, conhecendo Fernando Manso (actual presidente da mesa da Assembleia Geral) com que partilhava o gosto pelo râguebi. Surgiu então a ideia de criar um clube na vila e para isso resolveram "colocar uns cartazes nos cafés para convocar quem quisesse jogar, acabando por aparecer dezanove pessoas", conta. Vinte e três anos depois é com alguma surpresa que assiste a crescimento do clube, revelando que nunca pensou que o CRAV "chegasse onde chegou", acrescentando ainda que o clube é o "principal embaixador da região em termos desportivos, sendo o râguebi a única modalidade onde realmente participa a juventude do concelho". Dos 36 jogadores que fazem parte do actual plantel sénior, mais de metade é natural ou reside, no concelho de Arcos de Valdevez, contando ainda com quatro atletas (Nuno Vaz, Abel Pinto, Nuno Neto e Eric Galvão) internacionais pela principal selecção de Portugal. Para AmilcarSeco, director da equipa sénior, o facto de serem de uma pequena vila é a "grande força da equipa" e a principal razão de o clube conseguir resistir na principal divisão do râguebi português. "O grupo é muito unido e aguerrido, e é muito difícil jogar contra o CRAV nos Arcos. A nossa poção mágica é o nosso campo". "Temos muito orgulho em ser da província, mas nunca provincianos", acentua. Nuno Vaz é da mesma opinião. Natural de Coimbra, onde começou a jogar pela Académica, o actual capitão da equipa considera o CRAV "um clube diferente", pelo forte espirito de grupo que se sente na equipa. No clube desde 1989, conta comumsorrisoàmistura,que"ninguémgostadevirjogaraosArcos de Valdevez" "Recentemente uma pessoa minha amiga, contou-me que um jogador de uma equipa nossa adversária, lhe disse que não gostadejogarcontranósporque'osgajosdosArcossãofeios,grandes emaus.Issoaconteceporquenóstemosmuitomaiscoração.Somoscomo osgaulesesdoAstérix.Temosmuitomaiscoração",revelacomorgulho. Apesar de considerar o clube como um dos mais importantes em termos desportivos no Alto Minho, Amilcar Seco, refere que "mais importante do que ser campeão é ver as crianças na vila a praticar desporto e a jogar râguebi". Nesse sentido, uma das principais apostas do clube é a aposta nas camadas jovens, estando já a ser elaborado um plano de reorganização do sector, para os próximos cinco anos. Assim, o CRAV disporá de uma estrutura de seis técnicos credenciados para as equipas de infantis, iniciados, juvenis e juniores, procurando cativar os jovens através de campanhas de captação nas escolas da região. Campanha essa que deverá passar por protocolos que possibilitem o ensinamento da modalidade nas aulas de educaçãofísica,bemcomooacompanhamentoescolaratravésdepessoas do clube com formação adequada, de todos os jovens que pratiquem râguebi no clube. In «Jornal de PUBLICO»

27


CRAV na imprensa e televisão Para além dos habituais destaques semanais na imprensa escrita regional e nacional, o CRAV é também presença obrigatória nas televisões nacionais sempre que se fala da região como são os casos do programa Verão Total da RTP e de Somos Portugal da TVI, transmitido no dia 12 de Maio de 2013, para além de diversas reportagens realizadas pelo Porto Canal, sobre a atividade desportiva do clube.

Veja os vídeos:

http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=tk6lsf poYjQ

http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=Hj72Cc5RjTc

http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=NMamQhAlbos

28


29


Meios de Divulgação Para além dos cartazes de divulgação dos jogos que acontecem semanalmente, dos placards de publicidade instalados no campo relvado e no estádio municipal, o Clube tira partido das novas tecnologias para divulgar as suas atividades, com a atualização quase diária da sua página web, www.crav.pt e ainda com a partilha de informação no Twitter e no Facebook onde tem mais de 5.000 seguidores.

30


31


O Jornal “Ensaio” “Ensaio” é uma marca registada do Clube de Rugby de Arcos de Valdevez e é o único jornal nacional dedicado inteiramente ao Rugby, dando especial atenção às atividades desenvolvidas pelo clube. Gratuito e com uma publicação regular foi concebido para estabelecer um laço de proximidade com todos os adeptos e simpatizantes do CRAV.

32


33


Exposição Rio Vez O clube realizou uma exposição inédita, nas águas do Rio Vez iniciativa que integra as comemorações do 30.º Aniversário do CRAV. A exposição que decorreu junto à Ponte Velha em Arcos de Valdevez contou com dez imagens alusivas ao Rugby que foram colocadas no rio, a fazer espelho, tendo cada imagem 2x3 metros. O autor das fotografias e do projecto em si é o fotógrafo Eduardo Pimenta. Esta iniciativa teve um grande impacto junto da comunidade arcuense e dos muitos turistas que por esses dias passaram pela vila de Arcos de Valdevez. O vídeo da exposição está disponível no Youtube em: https://www.youtube.com/watch?v=1rmDv6QGUH4

Veja o vídeo:

34


35


Parceria com a Universidade de Aveiro O Clube tem estabelecida uma parceria com a Universidade de Aveiro, com vista ao desenvolvimento da imagem do clube e das melhores formas de comunicar a sua imagem para o exterior. Esta parceria teve já resultados muito proveitosos, com são o exemplo do logótipo de comemoração dos 30 anos do clube, e ainda, para a mesma ocasião, a decoração do carro de um dos patrocinadores da altura, a KIA KV Automóveis, viatura que circulou por todo o país, durante essa época.

20 36


37


Sócios e simpatizantes O clube conta já com o apoio de centenas de simpatizantes e sócios, e eles são sem dúvida um parte muito importante tanto no apoio às equipas do CRAV, com uma importante fonte de receita para fazer frente às muitas despesas que o clube tem que suportar. Como forma de agradecimento a todas essas pessoas, o clube, para além de diversas atividades que proporciona durante o ano, organiza anualmente a sua festa de aniversário em Julho onde são distinguidos os atletas que mais se destacaram durante a época. Para além disso, existe ainda o habitual jantar de reis, que é uma oportunidade de reunir toda a família CRAV. Também é uma maneira de agradecer a todos aqueles que apoiam o clube das mais diversas formas, desde patrocinadores até pessoas singulares, que por um motivo ou outro ajudam o clube. Este jantar é também aproveitado para a atribuição dos prémios Júlio Faria, prémios esses que têm como objectivo distinguir ex-atletas do clube.

Download Ficha de Inscrição:

38


39


As instalações O Clube de Rugby de Arcos de Valdevez proporciona aos seus atletas excelentes condições de treino, dando-lhes a possibilidade de treinar numa das melhores infraestruturas do país para a prática da modalidade. Com o novo Estádio Municipal (relva sintética) circundado por uma pista de atletismo, incorporado no corpo das bancadas encontram-se as estruturas de suporte (receção, balneários, arrecadações, instalações sanitárias, bar, zona convidados, sala de imprensa, sala de aquecimento, lavandaria e jacuzzi), e está preparado para acolher jogos de rugby. Juntamente com o campo de rugby de relva natural existente, ginásio e ainda com possibilidade de acesso às piscinas municipais localizadas no complexo desportivo, o clube e os atletas têm todas a condições para crescer e evoluir cada vez mais no panorama do rugby nacional.

40


41


O Município A Câmara Municipal de Arcos de Valdevez é o mais antigo parceiro do CRAV, tendo sido o seu apoio fundamental, para a evolução do clube. O clube está sediado na vila de Arcos de Valdevez, sede do concelho com 51 freguesias, com uma área de 450 km2, que conserva todo o encanto característico desta região: paisagem verde, frescura abundante, arquitectura solarenga e um rio que espelha toda a vaidade de uma vila carregada de história: O Vez. As vantagens naturais de um concelho de surpreendente variedade geográfica, fizeram de Arcos de Valdevez um destino de eleição, que oferece um exemplo de harmonia entre a área natural protegida e a vida quotidiana das gentes que ocupam estas terras. Integrado no complexo montanhoso do Parque Nacional da Peneda Gerês, o concelho dispõe de um diverso e interessante Património Natural, através das múltiplas áreas de regadio e de terrenos férteis proporcionados pelo rio, bem como a existência de amplos anfiteatros naturais, opondo zonas de serra e de planície. Com a sua vila lendária, com mais de 9 séculos de História, Arcos de Valdevez é detentor de um número infindável de monumentos históricos e etnológicos, que permitem ao visitante uma experiência única. Este vasto e rico panorama constitui o Património Arquitectónico Histórico e Cultural, onde a própria sobriedade dos montes e vales se alia à beleza das mais diversas manifestações artísticas. Castelos, Igrejas, Torres, Pontes, ermidas e vestígios de antigas civilizações, tudo aqui pode ser descoberto. Na vila, um circuito no centro histórico: que inclui algumas das maiores jóias do Barroco Nacional, patentes na Igreja do Espírito Santo, Matriz ou na Lapa, bem como edifícios de interesse arquitectónico. No concelho uma visita obrigatória ao Santuário da Nossa Senhora da Peneda, ao Soajo, a Ermelo mas também às belíssimas paisagens serranas, com contrastantes vales e pequenas aldeias típicas. Arcos de Valdevez é tradição. A tudo isto acresce uma memória que teima guardar as tradições populares das Festas e Romarias, do Folclore, do Artesanato e de uma Gastronomia considerada um autêntico assombro de paladares acompanhada por capitosos Vinhos Verdes. Arcos de Valdevez oferece todos os encantos das vilas à beira–rio, por toda a parte, a herança de uma antiquíssima memória aliada à preservação de valores tradicionais, à inovação e dinamismo.

20 42


43


4 Boas razões para apoiar o CRAV 1- O Clube possui uma imagem de sucesso na região. O CRAV, mais do que uma vila, representa toda uma região, no panorama do desporto nacional de alta competição e é uma das poucas equipas do distrito a disputar um Campeonato Nacional no seu escalão máximo. O Clube aposta fortemente em duas vertentes: a Competitiva (na qual as suas equipas são das mais competitivas a nível Nacional) e Social. Desde os sub 8 – 6/7 anos – aos Veteranos, centenas de pessoas, direta ou indiretamente, fazem parte do Clube e reconhecem o trabalho desenvolvido. 2- A equipa percorre uma grande área geográfica. Dada a sua situação geográfica, o CRAV desloca-se por todo o País, para disputar as competições nas quais está inserido. De igual modo, desloca-se constantemente pelo Norte de Espanha – dada a proximidade – para participar em jogos particulares e torneios para os quais é convidado. 3- O rugby Português está em franco desenvolvimento e projeção. A presença da seleção Nacional de Rugby no Campeonato do Mundo de 2007 em França é disso um franco exemplo, assim como o facto de, na variante de Sevens, Portugal é heptacampeão europeu, o que aconteceu consecutivamente por cinco vezes. Deste modo, está em implementação um projecto para a qualificação das equipas masculinas e femininas portuguesas para os Jogos Olímpicos de 2016 no Rio de Janeiro, onde o rugby de sete será modalidade oficial. 4- Imagem de integridade e sucesso, transmitida pelos jogadores de Rugby. A grande maioria dos clubes (a nível mundial) tem a sua origem no meio Universitário. Os outros Clubes (como o CRAV) são posteriormente formados por jogadores que regressam às suas terras, uma vez terminados os seus Cursos Superiores. Embora o rugby seja um desporto de intenso contacto físico (duro, mas não violento), normalmente, os jogadores de rugby são pessoas de boa formação, determinadas e leais para com os colegas e adversários. Essa forma de estar na vida e transportada para a sociedade em geral. Como dizia Winston Churchill, “O futebol é um desporto de cavalheiros praticado por brutos. O rugby é um desporto de brutos praticado por cavalheiros.”

44


45


Pessoa Coletiva de Utilidade Pública O Clube de Rugby de Arcos de Valdevez é Pessoa Colectiva de Utilidade Pública, desde 2009, por despacho do gabinete do Primeiro Ministro, e assinado pelo Primeiro Ministro, Eng.º José Sócrates. Este despacho foi concedido ao CRAV por este gabinete ter considerado que o clube: “Desenvolve uma atividade ininterrupta de fomento da prática desportiva e recreativa, federada e não federada, bem como da promoção social e cultural ao serviço da população da área onde se insere. Destaca-se o labor efetuado ao nível da sua secção especializada de Rugby. Similarmente, a sua atividade em diferentes escalões etários e de âmbito masculino e feminino. Do mesmo modo, releva-se a distinção, em 2001, com a medalha de mérito municipal, o que demonstra o reconhecimento da sua atividade em prol do bem comum da população. Para o efeito, coopera com a Administração e a população em geral colocando à disposição destas entidades todos os seus recursos. Nomeadamente ao nível da cedência de instalações. Neste âmbito, e através da organização directa de eventos, movimenta um considerável número de residentes do concelho.

46


47


O patrocínio Para conseguir desenvolver toda esta atividade e continuar crescendo, o Clube procura parceiros que tal como o CRAV simbolizem o sucesso, determinação, dinamismo e integração com a sociedade e meio envolvente. Neste momento, o CRAV tem contado com o apoio de várias empresas. São elas a bebida energética Shark, Hotel Ribeira, Intermarché Ponte de Lima, Mac Donald’s Braga, bebida energética M150, Conservas Vasco da Gama, Caixa Agrícola e Sarreliber SA (Mecenas). No entanto, perante o enorme desafio que constitui a presença da Divisão de Honra, quer em termos logísticos como financeira, o CRAV tem necessidade de continuar o seu trabalho de angariação de apoios. Para tal, existem vários meios disponíveis: camisolas, campo, autocarro do clube, carrinhas de 9 lugares, etc. No entanto, este documento é apenas uma breve apresentação do clube e das suas expetativas futuras. Por isso, encontramo-nos à disposição de vossas excelências para uma reunião, visando uma apresentação mais detalhada do clube do seu projeto e do orçamento para a próxima época, bem como uma possível forma de parceria com a vossa prestigiada empresa. COM O APOIO:

Sem mais de momento subscrevemo-nos, gratos desde já pela atenção.

MECENAS:

48


Edição: Eduardo Gameiro

Clube de rugby de Arcos de Valdevez  

Apresentação do clube

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you