Page 1

ODIvELAS GUIA TURíStico cultural

Guia Turístico Cultural

1 | ODIVELAS Turismo 2015


ODIvELAS GUIA TURíStico cultural

ODIVELAS Turismo 2015 | 2


ÍNDICE

22 Edifícios/Locais com Interesse/Cultura

• O Padrão Senhor Roubado • Quinta da Memória / Quinta do Arcebispo • Velho Mirante

24 Moinhos

• Moinho da Laureana • Moinho das Covas

26 Aquedutos, as Fontes e os Chafarizes

5

Breve Historia do Concelho

7 Como Chegar

• Aqueduto do Olival do Santíssimo • Fonte das Fontainhas • Fonte das Piçarras • Fonte das Passarinhos • Chafariz na Rua Estêvão Amarante • Chafariz do Largo D. Dinis • Chafariz D´El Rei

32 Cultura e Lazer 8

Pólos Museológicos

• A Coleção Visitável da Escola Agrícola da Paiã (EPADD) • O Posto de Comando do MFA

10 Monumentos

• A Anta das Pedras Grandes • O Memorial de Odivelas • O Mosteiro de S. Dinis e S. Bernardo

14 Centro Histórico/Os Núcleos Urbanos Antigos

• Centro Histórico • Largo D. Dinis • Largo Vieira Caldas • Praça Dr. Manuel Arriaga

35 Artesanato 36 Gastronomía • Marmelada Branca de Odivelas, uma pequena

16 Igrejas

• Igreja Matriz de Caneças • Igreja Matriz de Odivelas/ Igreja do Santíssimo Nome de Jesus • Igreja de Santo Adrião • Igreja da Sagrada Família – Pontinha

• Sociedade Musical Odivelense • Sociedade Musical e Desportiva de Caneças • Centro Cultural Malaposta • Piscinas de Odivelas • Pavilhão Multiusos • Centro de Exposições de Odivelas • Casa da Juventude • Jardim da Musica • Jardim do Rio da Costa • Biblioteca Municipal de Odivelas

tentação… • Produtores da Marmelada Branca de Odivelas

3 | ODIVELAS Turismo 2015


ODIvELAS GUIA TURíStico cultural

Turismo de Odivelas D

a necessidade de comunicar para o exterior o que Odivelas tem de melhor, surgiu a Loja do Turismo. Um espaço, a funcionar desde 2008 no Strada Shopping & Fashion Outlet (antigo Odivelas Parque), tem como objetivo divulgar o nosso património histórico, as nossas empresas/instituições e atividades culturais, mas principalmente criar uma identidade regional que caracterize o concelho e traduza as suas mais valias e a sua nova realidade local. Esta loja foi reaberta em 2014, com um novo conceito de venda de produtos de artesanato do concelho e Marmelada Branca de Odivelas.

ODIVELAS Turismo 2015 | 4


ODIvELAS GUIA TURíStico cultural

Breve História do Concelho A

origem do nome Odivelas está como o nome de tantas outras freguesias e concelhos de Portugal, envolto numa lenda que tem perpassado pelos séculos. A propósito do nome desta cidade, contase que D. Dinis tinha o hábito de deslocar-se à noite a Odivelas ao Mosteiro de S. Dinis e certa noite, sabendo a rainha do que se passava resolveu esperá-lo e quando o rei fazia o seu percurso para o encontro, a rainha interpelou-o e eis que proferiu as seguintes palavras: “- Ide vê-las senhor.” Pelo que, segundo a lenda, a expressão “Ide vê-las”, por evolução, terá dado o nome a Odivelas. Na filologia, a palavra é composta por dois elementos “Odi” e “velas”, sendo o primeiro de origem árabe e tendo como significado ”curso de água”. Segundo José Pedro Machado, no Dicionário Onomástico Etimológico da Língua Portuguesa, refere o seguinte na entrada Odivelas: «topónimo. Ferreira do Alentejo, Loures; ribeiro afluente. Sabe-se que o árabe uad, vulgar od- (“rio”) se torna Ode- em português quando a seguir se lhe junta vocábulo começado por consoante (Odesseixe, Odeleite, Odemira), mas é Odi quando antecede palavra iniciada por vogal (Odiana, Odiel). A segunda parte do vocábulo Odivelas contínua obscura, crendo-se derivar do pré-romano *belis, “negro, escuro”.» Na documentação régia referente ao Mosteiro de S. Dinis, datados do Século XIII e XIV, o topónimo é identificado como odivelas. (in http://www.cm-odivelas.pt/index.php/concelho/151-historia) Situado no Distrito de Lisboa é composto por 3 Uniões de Freguesia e uma Freguesia, com as seguintes denominações: Junta de Freguesia de Odivelas, União das Freguesias da Pontinha e Famões, União das Freguesias da Ramada e Caneças e União das Freguesias da Póvoa de Santo Adrião e Olival Basto, distribuídas numa área de 26,6 km2. Integrado na Área Metropolitana de Lisboa, o Concelho de Odivelas faz fronteira com os concelhos de Loures, Sintra, Amadora e Lisboa.

5 | ODIVELAS Turismo 2015


ODIvELAS GUIA TURíStico cultural

Concelho de Loures Caneças e Ramada

Concelho de Sintra Odivelas

Póvoa de Santo Adrião e Olival Basto

Famões e Pontinha

Concelho de Lisboa Concelho da Amadora

ODIVELAS Turismo 2015 | 6


Como chegar

• Cintura Rodoviária Interna de Lisboa (IC17-CRIL) que permite o acesso vindo do Sul de Portugal / Algarve, e de Espanha, pela Ponte Vasco da Gama. No outro sentido, permite o acesso a quem vem da Amadora e de Algés; • Cintura Rodoviária Externa de Lisboa (A9-CREL) que permite, via Vila Franca de Xira, chegar do norte do País e da Galiza. Permite também, noutro sentido, a chegada a quem vem do Estoril e Cascais pela A5, e também de Sintra pelo IC19; • Eixo Norte-Sul permite a entrada em Odivelas a quem vem do Sul de Portugal, Alentejo e Algarve, Espanha, pela Ponte 25 de Abril; Auto-Estrada n.º 8 (A8) que faz a ligação entre Leiria e Lisboa (Calçada de Carriche). • Metropolitano de Lisboa com estações: • Odivelas (linha amarela) • Pontinha (linha azul) • Senhor Roubado (linha amarela).

O CONCELHO DE ODIVELAS ESTÁ SITUADO NO ENTRONCAMENTO DE VÁRIOS EIXOS CENTRAIS VIÁRIOS, TAIS COMO: • Itinerário Complementar 22 (IC22), também conhecido por Radial de Odivelas;

Odivelas é um concelho recente, porém possui uma riqueza histórica secular, não fossem os vários monumentos que se podem encontrar por todo o seu território. A sua história, tradições e diversidade de património, associa-se à modernidade visível. A criação de novas vias que facilitam o acesso ao concelho, bem como a criação de novos equipamentos desportivos, culturais e turísticos são uma grande valia para o município. Odivelas é um misto de História e modernidade e por isso constitui-se como uma terra de oportunidades. Venha ler um livro na Biblioteca Municipal, visite as exposições patentes no Centro de Exposições de Odivelas ou passeie nos jardins, equipados com circuitos bio saudáveis. Visite-nos e usufrua dos seus tempos de lazer por exemplo assistindo no Pavilhão Multiusos a eventos desportivos e culturais de carácter nacional e internacional. Aproveite e delicie-se com a Marmelada Branca de Odivelas!!!

7 | ODIVELAS Turismo 2015


ODIvELAS GUIA TURíStico cultural

PÓLOS MUSEOLÓGICOS Coleção Visitável da Escola Profissional Agrícola D. Dinis – Paiã

I

naugurada a 23 de maio de 2012, fruto da parceria entre o Município de Odivelas, a Junta de Freguesia da Pontinha e a EPADD, a coleção visitável localizada no edifício da antiga Vacaria da escola (a funcionar entre 1928 e 1998), surge num contexto de salvaguarda de um importante património etnográfico, constituído por alfaias agrícolas em desuso e materiais pedagógicos antigos. O edifício apresenta um corpo central e dois laterais simétricos e uma sala, no primeiro piso, que servia de armazém de palhas e forragens. Comporta ainda 3 salas de aula, instalações sanitárias, bar e um auditório. Com a intenção de divulgar tão importante espaço museológico, marco fundamental na história do ensino e da ruralidade distrital de Lisboa e parte integrante da história rural da Pontinha e do concelho de Odivelas, todo o acervo da EPADD, foi sistematizado e estruturado por coleções e núcleos temáticos da seguinte forma: Salas 1 e 2 – Alfaias, transportes e máquinas agrícolas; Sala 3 - Material Didático e Pedagógico; Sala 4 – Reservas técnicas e Animação pedagógica. Localização: Rua Pedro Álvares Cabral - Paiã, Pontinha Visitas orientadas de entrada livre, à 4ª Feira, das 10h00 às 12h00, sujeitas a marcação prévia através do email cultura@cm-odivelas.pt ou por telefone: 21 9320800.

ODIVELAS Turismo 2015 | 8


ODIvELAS GUIA TURíStico cultural

Posto de Comando do Movimento das Forças Armadas 38.765363, -9.198010

O

Posto de Comando do Movimento das Forças Armadas, que funcionou no Regimento de Engenharia Nº 1 (Pontinha), nos dias 24, 25 e 26 de abril de 1974, foi decisivo para o sucesso da Revolução dos Cravos, inscrevendo, assim, a Pontinha e o atual Concelho de Odivelas numa das mais emblemáticas páginas da História de Portugal do séc. XX. O Município de Odivelas em colaboração com o Regimento de Engenharia N.º 1, inauguraram, a 24 de abril de 2001, o Núcleo Museológico do Posto de Comando do Movimento das Forças Armadas. Este espaço museológico é composto por uma exposição de longa duração, duas salas de exposições temporárias e a sala onde funcionou o Posto de Comando. Dispõe ainda do auditório Capitães de Abril com capacidade para 80 pessoas, para a realização de congressos, conferências e debates.

Localização: Quartel do Regimento de Engenharia n.º 1 Av. do Regimento de Engenharia n.º 1 - 1675-103 Pontinha Visitas orientadas de entrada livre, à 4ª Feira, das 10h00 às 12h00, e 6ª Feira das 14h30 às 16h30, sujeitas a marcação prévia através do e mail cultura@cm-odivelas. pt ou por telefone: 21 9320800.

9 | ODIVELAS Turismo 2015


ODIvELAS GUIA TURíStico cultural

MONUMENTOS Anta de Pedras Grandes 38.806723, -9.218662

A

nta com câmara formada por 7 esteios e um pequeno corredor virado a Sudoeste. Esta estrutura de grandes blocos calcários, foi utilizada como espaço funerário, durante o Neolítico final e Calcolítico. (4º-3º milénios a.C.). Está classificada como Monumento Nacional pelo DL n.º 33587, de 27-031944 e DL n.º 37450, de 16-06-1949.

Localização: Bairro Casal Novo - Caneças Visitas orientadas são de entrada livre e sujeitas a marcação prévia e devem ser efetuadas por email cultura@cm-odivelas.pt ou por telefone: 21 9320800.

ODIVELAS Turismo 2015 | 10


ODIvELAS GUIA TURíStico cultural

Memorial de Odivelas 38.790481, -9.180516

E

ste monumento (também conhecido por “cruzeiro”), situa-se na zona antiga da povoação de Odivelas, no local que foi a entrada do velho burgo, é uma das obras mais interessantes dos anos do Gótico, no nosso país. Fica situado a escassos duzentos metros do antigo Mosteiro, orientado no sentido Sudoeste-Nordeste, uma das faces voltadas para Lisboa, outra para o Mosteiro. Monumento da época diocesana, é construído em calcário lioz, extraído das pedreiras de Trigache – Famões. Compõe-se de três partes essenciais: base, dupla arcaria sobreposta, e coroamento, organizadas em duas faces dominadas pela verticalidade. Na face Noroeste, o escudo português medieval, usado na Armaria até ao reinado de D. Fernando. A incerteza mantém-se quanto à sua origem e significado, pois as explicações dividem-se entre ter sido erguido para nele repousar o corpo de D. Dinis, falecido em 1325, no caminho que o levaria à igreja do Mosteiro de S. Dinis e S. Bernardo, onde o seu túmulo o esperava, ou para D. João I ao ser transportado de Lisboa para a Batalha, em 1433. Ou ainda, tratar-se-ia de um padrão de couto demarcando limites territoriais na área jurisdicional do Mosteiro, ou um local de portagem, tendo objectivos fiscais de cobrança do imposto de barreira da coutada. Monumento de Interesse Nacional por Dec. de 16/06/1910 e Lei nº 50 de 01/03/1955. Localização: Largo da Memória, Odivelas.

11 | ODIVELAS Turismo 2015


ODIvELAS GUIA TURíStico cultural

Mosteiro de São Dinis e São Bernardo 38.791304, -9.182783

F

undado por El-Rei D. Dinis, em finais do século XIII, (1295), na Quinta de Vale de Flores em Odivelas, foi construído entre 1295 e 1305. Segundo a lenda, em cumprimento de uma promessa pela salvação da sua vida numa luta com um urso. O Mosteiro foi doado às monjas Bernardas da Ordem de Cister. De estilo Gótico Primitivo, o Mosteiro sofreu alterações significativas nos reinados de D. João IV (1604-1656) e D. João V (1689-1750), mas foi a reconstrução efetuada após o terramoto de 1755 que alterara profundamente a traça primitiva do edifício. Do estilo gótico restam apenas a cabeceira da igreja, constituída pela capela-mor e duas capelas laterais. No interior destacam-se os túmulos góticos: o de D. Dinis (primeiro exemplo português que introduz a monumentalidade na tumulária portuguesa. Data do séc. XIV e é um dos monumentos fúnebres mais belo do gótico português), e outro atribuído a um seu descendente. O Mosteiro tem ainda dois claustros: o Novo e o da Moura, este com uma fonte do séc. XVII. Em 1888 na sequência do Decreto de 1834 (extinção das Ordens Religiosas), e da Lei de 1862 (desamortização dos bens das freiras), o Mosteiro de S. Dinis e S. Bernardo encerra definitivamente. No ano de 1900, o Infante D. Afonso, irmão do Rei D. Carlos, funda o Instituto de Odivelas, estabelecimento de ensino dependente do Estado-Maior do Exército. Monumento Nacional por Dec. de 16/06/1910. Localização: Largo D. Dinis, Odivelas Visitas orientadas são efetuadas no 1º e 3º domingo de cada mês, às 15h00 e às 16h00, sujeitas a marcação prévia. (Visitas sujeitas a pagamento prévio de uma taxa de inscrição de 1, 50 € durante a semana a grupos organizados, mediante marcação prévia – número limitado a 25 visitantes) e devem ser efetuadas por email turismo@cm-odivelas.pt ou por telefone: 21 9320800.

ODIVELAS Turismo 2015 | 12


ODIvELAS GUIA TURíStico cultural

13 | ODIVELAS Turismo 2015


ODIvELAS GUIA TURíStico cultural

CENTRO HISTÓRICO NÚCLEOS URBANOS ANTIGOS Centro Histórico

N

o concelho de Odivelas podem ser identificados vários núcleos urbanos antigos nas freguesias de Odivelas, Caneças e Póvoa de Santo Adrião, sendo o núcleo urbano de Odivelas o único com caraterísticas de centro histórico, tendo em conta a sua relevância histórica e a importância dos Mosteiros da Ordem de Cister em Portugal e na Europa. O centro histórico de Odivelas é constituído por vários monumentos classificados, mas perdeu a centralidade que detinha até meados do século passado. A cidade cresceu noutras direções, esvaziando muitas das funções até então concentradas nesta área. O Centro Histórico de formação medieval é enquadrado pelo Largo D. Dinis, pela Travessa das Cardosas, pela rua Guilherme Gomes Fernandes, Rua do Neto, Rua António Maria Bravo, Rua da Igreja, Rua Alberto Monteiro, Largo da Memória, Rua da Fonte, Rua do Souto e Rua Maria Gomes da Silva Santos em Odivelas. Outros núcleos antigos de interesse podem ser observados na Freguesia de Caneças, como o Lugar D´Além, na Rua da Fonte Velha que mantém ainda a sua fisionomia original, apresentando, porém, um avançado estado de degradação, o Largo da Infância ou ainda Vale Nogueira ambos afastados do centro urbano mas razoavelmente bem conservados.

ODIVELAS Turismo 2015 | 14


Largo D. Dinis

L

ocalizado junto ao Mosteiro São Dinis e São Bernardo, o Jardim do Largo D. Dinis data do séc. XIX. O espaço onde se encontra implantado foi desde o séc. XIII (data da Fundação do Mosteiro), o centro de todas as atividades. A sua traça original foi sendo alterada ao longo deste período, e os elementos como o Chafariz (1878) e o Coreto (1913), que se encontravam no centro do Largo D. Dinis foram objeto das várias intervenções de reabilitação do largo. A construção do coreto, da responsabilidade da Sociedade Musical Odivelense para exibição da sua Banda, inicia-se em 1910 e termina em 1913, tendo sido feita com donativos da população da freguesia de Odivelas. O Coreto foi erguido primeiramente ao centro do Largo D. Dinis, no local hoje ocupado pela estátua da Rainha Santa, tendo sido transferido em 1951/1952 para o local onde se encontra. Localização: Largo D. Dinis, Odivelas

Largo Vieira Caldas 38.812812, -9.227272

O

Jardim do Largo Vieira Caldas data do séc. XIX. Situado nesse período nos limites da povoação era denominado pelo povo de “Rossio”. É com a construção do Coreto em 1909 que se assume como o “centro” da Vila. A construção do Coreto teve como objectivo a exibição, num lugar público, da Banda da Sociedade Musical de Caneças. Localização: Largo Vieira Caldas, Caneças

Praça Dr. Manuel de ArRiaga

L

ocalizada no centro de Caneças (junto ao Largo Vieira Caldas), o jardim da Praça Dr. Manuel de Arriaga data da década de cinquenta do séc. XX. Foi construída para a fruição dos canecenses e para receber os visitantes que ali se deslocavam em busca do contato com a natureza: a paisagem rural, os bons ares e a pureza das suas águas. Localização: Largo Vieira Caldas, Caneças

15 | ODIVELAS Turismo 2015


ODIvELAS GUIA TURíStico cultural

IGREJAS

Igreja Matriz de Caneças 38,813116 Long.: - 9,227563

D

esconhecendo-se a data de construção da Capela, o documento datado de 1719, em que proíbe os bailes no alpendre da Capela permite fixa-la cronologicamente anterior à data acima mencionada. A capela foi destruída pelo terramoto de 1755, tendo sido reconstruída em 1758. Com a sua reconstrução, edificou-se uma nova capela-mor de maiores dimensões. Templo com uma arquitetura simples apresenta uma fachada singela com um janelão de arco de volta perfeita encimando o pórtico de linhas direitas. Na fachada principal destacase uma torre sineira com relógio. No seu interior a nave única tem 3 capelas: uma batismal transformada em local de devoção de vários Santos e duas capelas laterais que antecedem o arco triunfal. Tem um púlpito e retábulo-mor, de estilo barroco. Salienta-se, ainda, a existência de um coro-alto sustentado por duas colunas. O seu orago é São Pedro. Localização: Caneças Contato: 219811046

ODIVELAS Turismo 2015 | 16


17 | ODIVELAS Turismo 2015


Igreja Matriz de Odivelas/ Igreja do Santíssimo Nome de Jesus 38.791694, -9.181073

L

ocalizada perto do Mosteiro de S. Dinis, no núcleo antigo da cidade de Odivelas, é caraterizada como um dos templos mais sumptuosos do termo de Lisboa. A igreja matriz é um templo muito antigo, reconstruído nos finais do séc. XVII e beneficiado durante o séc. XVIII. Ao cimo da dupla escadaria seiscentista, de acesso à entrada do templo, encontra-se um cruzeiro datado de 1626. Do templo antigo resta uma pia quinhentista integrada na capela batismal, forrada de azulejos com cenas alusivas ao batismo de Cristo. Existem duas pias estilo rocaille, em mármore rosa. Construção de uma só nave, apresenta um silhar de azulejos do séc. XVIII, com cenas bíblicas. Os sete altares laterais são de talha dourada. A capela-mor é revestida de mármores policromos. No interior, encontramse várias pinturas, emolduradas por estuques representando temas como: “Jesus ensinando no templo”, “Fuga para o Egipto”, “Circuncisão”, “Anunciação”, “Visitação”, “Adoração dos Pastores”, “Adoração dos Magos” entre outras. Na sacristia, encontra-se um lavabo de mármore do período renascentista — 1573, com uma nau esculpida. Imóvel de Interesse Público. Localização: Rua Alberto Monteiro, Odivelas Contato: 21 9310648

ODIVELAS Turismo 2015 | 18


ODIvELAS GUIA TURíStico cultural

19 | ODIVELAS Turismo 2015


ODIvELAS GUIA TURíStico cultural

Igreja da Póvoa de Santo Adrião 38.812812, -9.227272

A

Igreja Matriz localiza-se no núcleo urbano antigo da freguesia. Construção do século XVI destacando-se o pórtico frontal e a pia de água benta, em estilo manuelino. Planta longitudinal, composta de nave única e capela-mor retangular, com torre sineira no lado esquerdo do frontispício e no seu alinhamento. Sofreu alterações no séc. XVII e XVIII, visíveis no estilo da pintura e moldura entalhada do Altar das Dores, no relógio de sol datado de 1742, na capela-mor reconstruída no final do séc. XVIII. A nave da igreja é forrada com azulejos enxaquetados, de cor verde, do séc. XVII. A capela de Santo António, é forrada a azulejo do séc. XVII, policromo. O retábulo de talha simples e dourada, conserva pinturas sobre madeira figurando a “Anunciação” e a “Ascensão”. Na capela-mor, grandiosa pelos alçados, iluminação e decoração pictural, domina a grande tela de Pedro Alexandrino “A Última Ceia”, de 1802, e as telas dos “Quatro Doutores da Igreja”, também deste autor. Imóvel de Interesse Nacional, pelo Dec. Nº.251/70. Localização: Rua da Igreja Póvoa de Santo Adrião Contato: 21 9375575

ODIVELAS Turismo 2015 | 20


ODIvELAS GUIA TURíStico cultural

Igreja da Sagrada Família – Pontinha

A

Igreja da Sagrada Família da Pontinha, construída entre 1951-1954, situa-se no Bairro Social Dr. Mário Madeira e a sua edificação integrou-se na política social do Estado Novo para a construção de bairros de casas económicas. O projeto da igreja é do arquiteto Joaquim Cardoso Bento de Almeida (1918-1997). É um templo com uma espacialidade interior simples, de nave única, separada da capela-mor por um arco triunfal. A capela-mor é decorada por um painel, da autoria do pintor Domingos Rebelo (1891-1975), onde figura a “Alegoria à Sagrada Família”, pintura mural com uma representação de várias profissões numa alusão ao valor do trabalho e por este motivo constitui uma “Alegoria à Sagrada Família”, sendo também uma evocação do orago desta igreja. Salienta-se o conjunto de vitrais, da autoria do pintor Júlio Pomar (n. 1926). O programa iconográfico executado pelo pintor para esta igreja consistiu em 12 vitrais distribuídos do seguinte modo: um circular na fachada principal com a “Sagrada Família”, dois arcanjos “S. Miguel e S. Rafael”, para a capela-mor, e os restantes 9 painéis alusivos a santos para o corpo da igreja. “Estas representações artísticas destacam-se por um realismo matizado de lirismo” (SILVA, 2003:12). Localização: Bairro Social Dr. Mário Madeira, Pontinha. Contato: 21 4785207

21 | ODIVELAS Turismo 2015


ODIvELAS GUIA TURíStico cultural

CENTRO HISTÓRICO NÚCLEOS URBANOS ANTIGOS Senhor Roubado 38.786233, -9.170949

D

enominado por Padrão do Senhor Roubado, o monumento, datado do séc. XVIII, situa-se entre a Rua do Senhor Roubado e a Rua Pedro Álvares Cabral, em Odivelas. Edificado entre 1744 e 1745, constitui-se como um símbolo expiatório do “sacrílego furto” ocorrido na Igreja Matriz de Odivelas. “Ao tal largo se chama O Senhor Roubado, por causa de uma capella que ali está, da invocação de Senhor Roubado. A origem d´esta capella e do seu título, é a seguinte … Na noite de domingo para segunda feira, 10 para 11 de Maio de 1671 …” (LEAL: 1875, 128) são roubados objetos de culto da Igreja Matriz de Odivelas. O roubo é atribuído a António Ferreira, um trabalhador rural, que foi apanhado a roubar galinhas no Convento de Odivelas. Encontraram no seu bolso uma cruz, de prata, que identificaram com sendo do remate do vaso sagrado furtado da igreja. Monumento arquitetónico de caráter religioso, desenhado, traçado e executado por Frei António dos Santos Prazeres, integra-se na arquitetura religiosa barroca. Na face ocidental, uma parede revestida a azulejos monocromáticos, construídos provavelmente entre 1745 e 1747, pretendem contar através de azulejos a história de António Ferreira em doze quadros ou painéis historiados, cada um composto por 72 azulejos, com legenda explicativa sobre o roubo. Localização: Rua Pedro Álvares Cabral/Rua do Sr. Roubado, Odivelas. Imóvel de Interesse Público desde 1948, Dec. Lei n.º 37077 de 29 de Setembro de 1948

ODIVELAS Turismo 2015 | 22


Quinta da Memória Quinta do Arcebispo

A

Quinta da Memória, também conhecida por Casa do Arcebispo, cujas referências históricas nos permitem chegar até ao séc. XVII e XVIII está intimamente ligada a um homem, D. Rodrigo de Moura Teles(1644-1728), figura notável da Igreja Católica neste período e que desempenhou vários cargos, dos quais se destacam ter sido membro do Conselho de Estado dos reis D. Pedro II e D. João V, tal como foi Arcebispo de Braga. Com a instalação dos Paços do Concelho neste edifício, a Câmara de Odivelas reabilitou um espaço degradado e dotou-o de novas funções, devolvendo a Quinta da Memória a todos os habitantes do concelho. Hoje em dia é um espaço público - o primeiro de um projeto de reabilitação global do núcleo histórico de Odivelas. Localização: Paços do Concelho, Odivelas

Velho Mirante

E

difício de arquitetura civil, do século XVIII, situado no centro da Freguesia da Pontinha é constituído por dois registos e planta trapezoidal. O primeiro registo, de aparelho rústico, ostenta um pórtico de arco da volta perfeita com um portão de ferro. No segundo registo está inserido um janelão de sacada com varandim de ferro forjado. Imóvel de Interesse Municipal, 2ª Reunião Ordinária de 26 de Janeiro de 2005 da Câmara Municipal de Odivelas. Atualmente funciona como restaurante. Localização: Rua de Santo Eloy, União das Freguesias da Pontinha e Famões

23 | ODIVELAS Turismo 2015


ODIvELAS GUIA TURíStico cultural

MOINHOS

O

s moinhos de vento em Odivelas são um inestimável valor patrimonial concelhio que importa salvaguardar e valorizar, para que se perpetue a memória da atividade moageira regional, pilar importante da economia local nos sécs. XVIII e XIX, e primeira metade do séc. XX. Estão identificados e sistematizados 29 moinhos em todo o território de Odivelas. A situação física de cada testemunho é muito variável, da ruína à recuperação para habitação. Existem três moinhos recuperados nas suas ancestrais funções, dois deles disponíveis para visitas orientadas. O moinho da Laureana é da tutela municipal e o moinho das Covas da tutela da Escola Secundária da Ramada.

Moinho da Laureana 38.789428, -9.209671 Moinho da Laureana, localizado na União das Freguesias de Pontinha/ Famões, tem as primeiras referências escritas, nos livros de décimas do ano de 1763. É um testemunho molinológico que perdura desde o séc. XVIII e que recorda o percurso histórico da atividade moageira no Concelho de Odivelas. O Município de Odivelas procedeu à sua recuperação em 2001. Desde então tem sido objeto de inúmeras visitas (c. 10.000 visitantes) pela população interessada neste património, pelas escolas e também por especialistas nacionais e estrangeiros e investigadores na área da molinologia. Este moinho é um exemplar caraterístico do sul de Portugal e insere-se na tipologia dos moinhos fixos de torre cilíndrica em alvenaria, com capelo amovível por meio de sarilho interior. É um moinho de um piso e loja.

O

Localização: Rua dos Moinhos, Jardim Gertrudes da Velha, Famões Visitas orientadas, de entrada livre, efetuam-se à 4ª feira das 10h00 às 12h00, mediante marcação prévia que deve ser efetuada para o endereço eletrónico cultura@cm-odivelas.pt ou para o telefone 21 9320800.

ODIVELAS Turismo 2015 | 24


ODIvELAS GUIA TURíStico cultural

Moinho das Covas 38.802199, -9.185712

O

Moinho das Covas, localiza-se no território da atual União de Freguesias de Caneças/Ramada, no recinto da Escola Secundária da Ramada. Construído em 1884 é um importante testemunho da atividade moageira existente no concelho onde era predominante a cultura de diversos cereais e a sequente farinação. Recuperado em 1996, no espaço exterior do moinho, encontramos agora o chão em pedra de calçada antiga, e uma típica casa antiga de moleiro, com forno. No seu interior, foi recuperado o processo tecnológico original que permite a moagem tradicional. É composto por dois pisos e uma loja; a cada um dos pisos corresponde um casal de mós e, na loja, desenvolvem-se as tarefas de acondicionamento e venda da farinha. Localização: Escola Secundária da Ramada, Bairro dos Bons Dias, Ramada

25 | ODIVELAS Turismo 2015


ODIvELAS GUIA TURíStico cultural

AQUEDUTOS, FONTES E CHAFARIZES Aqueduto do Olival do Santíssimo

A

construção do Aqueduto das Águas Livres é decretada em 1731, pelo rei D. João V. A sua construção inicia-se em 1732, e termina em 1799, prolongando-se pelos reinados de D. José e D. Maria I. Esta obra teve como objectivo “matar a sede da capital do Reino”, dado que a água existente em Lisboa não permitia o abastecimento de toda a população, que tinha de recorrer à beira rio, a montante do Terreiro do Paço, para se abastecer. Delineado pelos arquitetos Manuel da Maia e Custódio Vieira, o aqueduto das Águas Livres é composto pelo Aqueduto Principal localizado nas Amoreiras, e cujas galerias se destinavam à distribuição urbana, e por aquedutos subsidiários, que traziam novos caudais de água, de reforço à parte ocidental da cidade, em expansão. É neste contexto, que foram construídos em Caneças, previsivelmente na segunda metade do séc. XVIII, quatro aquedutos subsidiários para levar a Lisboa as águas das nascentes de Caneças. Os quatro aquedutos — identificando-se aqui o Aqueduto do Olival do Santíssimo como aqueduto principal, e os aquedutos do Poço da Bomba, Vale da Moura e Carvalheiro como abastecedores deste - foram desactivados na década de 70, por falta de qualidade das águas e diminuição dos caudais das suas nascentes. Localização: União das Freguesias de Caneças e Ramada

ODIVELAS Turismo 2015 | 26


ODIvELAS GUIA TURíStico cultural

Fontes de Caneças São várias as Fontes que caraterizam o património cultural do concelho de Odivelas, nomeadamente o território de Caneças.

Fonte das Fontainhas 38.816318, -9.229275 a mais antiga das fontes de Caneças. Construída em 1888 o início da exploração verifica-se em 1910. Localizada na Ribeira das Águas Livres. O muro esquerdo de acesso à fonte encontrase ornamentado com 9 painéis de azulejos datados de 1920/30, que reproduzem profissões da época. Era uma fonte pública onde os aguadeiros de Caneças se iam abastecer que viu a sua nascente enfraquecer após a captação das suas águas para o aqueduto. Imóvel de Interesse Municipal, 17ª Reunião de Câmara a 8 de Setembro de 2004.

É

Localização: União das Freguesias de Caneças e Ramada

27 | ODIVELAS Turismo 2015


Fonte das Piçarras

F

onte das Piçarras foi construída por volta de 1898, e é uma das mais belas de Caneças. Anteriormente, no seu local, existia um poço que abastecia a população local. Antiga propriedade de António e Armando Mateus dos Santos, a Fonte das Piçarras é também conhecida por Fonte de Santo António. Fonte com corpo avançado de estilo Neo-Manuelino, e uma parede de azulejos em alto relevo, com representações de índios, fauna e flora, onde se pode ler: “Esta Fonte das Piçarras, Tem utilidade e graça, Está entre três caminhos, E mata a sede a quem passa.”A autorização para a exploração e venda de água, chega através da portaria de 5 de abril de 1933; a partir de 1960 perde esta autorização e finda a sua atividade. Imóvel de Interesse Municipal Localização: Rua da Fonte das Piçarras, Caneças

Fonte dos Passarinhos

S

ituada a meia encosta da serra de Caneças. Construída nos finais de 1933, inaugurada em 1934, tal como as restantes teve o seu esplendor nas décadas de 30 e 40. Relativamente aos seus fundadores a informação existente aponta para Joaquim Fernandes Lapa e Manuel Duarte Mourisco. Esta fonte tem uma decoração realizada com conchas de molusco, fragmentos cerâmicos e seixos do rio. Concedida a licença para comercialização de água de mesa, por portaria de 1935, a Empresa Fonte dos Passarinhos explorava e vendia a sua água nas tradicionais bilhas de barro. Imóvel de Interesse Municipal Localização: Rua da Fonte dos Passarinhos, Caneças

ODIVELAS Turismo 2015 | 28


ODIvELAS GUIA TURíStico cultural

29 | ODIVELAS Turismo 2015


ODIvELAS GUIA TURíStico cultural

ODIVELAS Turismo 2015 | 30


Chafarizes Chafariz na Rua Estêvão Amarante

A

ssociado a este chafariz encontra-se um troço do antigo aqueduto que lhe forneceria água. Este chafariz apresenta uma frontaria em mármore com dois peixes entrelaçados. Foi alvo de restauro pela Junta de Freguesia da Ramada, em 2005. Localização: Rua Estêvão Amante, Ramada

Chafariz do Largo D. Dinis

Chafariz D’ El Rei 38.812812, -9.227272

F

oi construído em 1756 e a sua localização original foi junto da estrada N8. Peça constituída por blocos de pedra calcária, possui um grande espaldar com duas bicas. Estas bicas, que lançam a água no enorme tanque onde os animais bebiam, têm a forma de lucernas. Ao centro, encontra-se um altorelevo com uma caravela do séc. XVIII. Reedificado em 1843, o chafariz conserva ainda a inscrição do séc. XVIII. Desde 1983 localiza-se no jardim do Chafariz D’El Rei, depois de ter sido desmontado e guardado durante muito tempo, por motivo de reordenamento urbano. Localização: Rua Almirante Gago Coutinho / Av. 25 de Abril, Póvoa de Santo

D

atado de 1878 localiza-se no Jardim do Largo D. Dinis, desde a década de 50 do séc. XX. Porém, a implantação inicial desta peça situava-se no centro do Largo. Peça construída em calcário, é constituída por duas bicas que despontam de dois rostos esculpidos na pedra. A sua bacia é de forma oval. Localização: Largo D. Dinis, Odivelas

31 | ODIVELAS Turismo 2015


ODIvELAS GUIA TURíStico cultural

CULTURA E Lazer Sociedade Musical Sociedade Musical e Odivelense Desportiva de Caneças 38°47’28.78”N, - 9°10’50.51”W Nasceu, no dia 29 de junho de 1863 e hoje, tal como ontem, a promoção da Cultura junto da população odivelense constitui o seu desígnio. Localizada na zona histórica de Odivelas, a sua atividade assenta na Música, Teatro, Dança e Canto. Localização: Rua Maria Gomes da Silva Santos, 7 Contactos: smodivelense@hotmail. comTelefones: 21 931 02 31 / Telemóvel: 91 888 24 09 Horário da Secretaria: das 14h00 às 22h00, de Segunda a Sexta

SEDE Largo Vieira Caldas, 13, 1685-605 Caneças

SECRETARIA Horário - Dias úteis: 16H00 - 20H00 Atendimento ao Público: 16H30 - 19H30 Contacto - Telefone - 219 800 214 Expediente Geral: secretaria.smdc@gmail.com Banda Filarmónica: filarmonica.smdc@gmail.com

INSTALAÇÕES DESPORTIVAS Campo da Lapa - Rua do Campo da Bola 1685-571 Caneças.

DEPARTAMENTO DE FUTEBOL Horário Dias úteis: 17H00 - 20H00 | Atendimento ao Público: 17H30 - 19H30 Contacto - Telefone - 219 806 974 e-mail: futebol.smdc@gmail.com smdcanecas@afl.pt

ODIVELAS Turismo 2015 | 32

Centro Cultural Malaposta 38.787277, -9.170218 O Centro Cultural da Malaposta é uma casa de cultura, podendo-se assistir a espetáculos de teatro, dança, concertos, exposições e cinema. Localização: Rua Angola, 2620 – 492 Olival Basto Telef. 219383100 Email: malaposta@malaposta.pt


ODIvELAS GUIA TURíStico cultural

Pavilhão Multiusos 38.790378, -9.187081

Piscinas de Odivelas 38.793833, -9.179139

A

s Piscinas Municipais de Odivelas proporcionam aos munícipes o ensino das várias atividades aquáticas, natação em todas as suas vertentes, bem como na ministração de atividades específicas como a Hidroterapia, Massagens, Sessões de Reabilitação e Sessões para preparação de Pré e Pós Parto, contribuindo assim para o bem estar e a qualidade de vida de todos os seus utilizadores.

É

o segundo maior pavilhão localizado na zona metropolitana de Lisboa, logo a seguir ao Pavilhão Atlântico. É um espaço multifuncional capaz de acolher uma grande variedade de eventos e competições, que permite realizar espetáculos, congressos, conferências, seminários, encontros ecuménicos, pequenas ou grandes reuniões, lançamentos de produtos, catering, feiras e exposições. É um local de grande conforto, com excelente climatização e extração de fumos, soluções técnicas de apoio de nível mundial. Possui uma logística de espaços sem comparação nacional, com apoio de balneários/camarins de topo nacional. Dispõe ainda do Ginásio Multiusos que está inserido num espaço moderno, com excelente design e onde os utilizadores podem usufruir de diversas atividades físicas que lhe proporcionarão bem-estar, saúde, qualidade de vida e vitalidade, sem contratos nem compromissos. Localização: Alameda do Porto Pinheiro, Pavilhão Multiusos de Odivelas, 2675668 Odivelas Contactos: 219 320 990 - desporto@cm-odivelas.pt Horário de Funcionamento: dias úteis, 9h00 às 12h30 e das 14h00 às 17h30.

Localização - Av. Professor Doutor Augusto Abreu Lopes, 2675-301 Odivelas 219 344 330 Horário de funcionamento da secretaria: Seg. a Sex. - das 8h15 às 19h45 Sáb. - das 9h00 às 14h00 e das 15h00 às 17h00 Dom – Encerrada Horários das Atividades: Seg. a Sex. - das 7h45 às 21h45 Sáb. - das 9h00 às 19h30 Dom – das 8h45 às 12h30

33 | ODIVELAS Turismo 2015


Centro de Exposições de Odivelas

Casa da Juventude

38.789183, -9.179706

38.790417, -9.180433

O

Centro de Exposições entre outros aspetos, é constituído por um conjunto de espaços de caráter cultural e de ateliês de trabalho para artistas de diversas áreas culturais, promovendo assim a criação cultural. Localização: Rua Fernão Lopes (Junto aos Paços do Concelho – Quinta da Memória.

E

spaço inaugurado em novembro de 2007, destinado a jovens dos 13 aos 35 anos, onde pode estudar, assistir a debates, workshops e ateliês e visitar exposições. Serve, também, de ponto de encontro para a geração ávida de conhecimentos que tem ao seu dispor ligação gratuita à Internet.

Telef.: 219 320 800 Email: cultura@cm-odivelas.pt Horário de Funcionamento: das 10h00 às 23h00 (encerra à 2ª feira) Horário de atendimento ao Público: Segunda a sexta-feira, das 9h00 às 12h30 e das 14h00 às 17h30

Horário de Funcionamento: dias úteis, 10h00 às 12h30 e das 13h00 às 20h00 Localização: Largo da Memória, n.º 1, 2675-407 Odivelas (junto ao memorial do cruzeiro) Contactos: 219 320 480 juventude@cm-odivelas.pt

Jardim da Música

Jardim do Rio daCosta

O

Jardim da Música encontra-se num espaço da Quinta da Memória, onde funcionam os Paços do Concelho, o Centro de Exposições e a Casa da Juventude. Este equipamento de lazer tem um pequeno anfiteatro onde se poderão realizar pequenos espetáculos. A tecnologia implantada no Jardim da Música permitirá aos utentes ouvirem música em todo o jardim.

O

Jardim do Rio da Costa encontrase à entrada de Odivelas, num espaço recentemente requalificado. Este equipamento de lazer tem um pequeno anfiteatro onde poderá ocorrer pequenos espetáculos. Tem um circuito de manutenção integrado, com equipamento geriátricos adequados a uma prática de atividade física informal.

Biblioteca Municipal de Odivelas

O

edifício do século XIX, onde funciona a BMDD, proporciona aos seus utilizadores um lugar agradável e calmo, onde podem visitar exposições, usufruir das salas de leitura e dos programas de animação cultural de promoção do livro, realizados diariamente pelo grupo de animação residente. Localização: Rua Guilherme Gomes Fernandes (Largo Nossa Senhora do Carmo) Tel.: 219 320 770 | Fax: 219 328 004 E-mail: bmdd@cm-odivelas.pt No dia 31 de dezembro (quarta – feira), a Biblioteca encerrará às 17:00horas Inverno (16 de setembro a 14 de junho) • SERVIÇO DE EMPRÉSTIMO: De 3ª a 6ª feira - Das 10h30 às 18h30 Sábado - Das 10h30 às 17h30 • SALAS DE LEITURA INFANTIL, JUVENIL/MULTIMÉDIA E ADULTOS: De 3ª a 6ª feira - Das 10h30 às 18h45 Sábado Das 10h30 às 17h45 • BIBLIOTECA FORA D’HOR@S: De 2ª a Sábado - Das 10h30 às 23h00 Verão (15 de junho a 15 de setembro) • SERVIÇO DE EMPRÉSTIMO: De 3ª a 6ª feira - Das 10h30 às 18h30 Sábado - Das 9h30 às 14h30 • SALAS DE LEITURA INFANTIL, JUVENIL/MULTIMÉDIA E ADULTOS: De 3ª a 6ª feira - Das 10h30 às 18h45 Sábado Das 9h30 às 14h45 • BIBLIOTECA FORA D’HOR@S: De 2ª a a 6ª feira - Das 10h30 às 23h00 Sábado Das 9h30 às 23h00 Mês de agosto: De 2ª a a 6ª feira Das 10h30 às 19h00 Sábado - Das 9h30 às 15h00 Todas as bibliotecas encerram ao público de 15 a 31 de agosto para manutenção dos espaços.

ODIVELAS Turismo 2015 | 34


ODIvELAS GUIA TURíStico cultural

Artesanato

O

concelho de Odivelas, embora possua uma aparência urbana, é um concelho com grandes tradições no que respeita ao artesanato. Esta prática faz parte da cultura e da identidade de um povo e pode ser apenas uma forma de recreio ou uma atividade profissional efetiva. O artesanato no Concelho é mantido vivo pelas mãos de Artesãos que se dedicam sobretudo a manter esta tradição, tendo em permanente exposição a maioria dos seus trabalhos.

Lista de Associações do Concelho de Odivelas: Associação de Artesãos D. Dinis - Praceta Sacadura Cabral, n.º 7, C/V, Pombais – Odivelas - Tel./Fax.: 219 343 436 Horário: 3ª feira a Sábado, das 15h às 19h. - http://aaddcaos.blogspot.com – E-mail: aaddcaos@gmail.com. Associação Povarte - Rua Padre Manuel da Nóbrega. Esc. 5 - 2620 -071 Póvoa de Santo Adrião – 939 358 879 E-mail: povarte.geral@gmail.com

35 | ODIVELAS Turismo 2015


ODIvELAS GUIA TURíStico cultural

Gastronomia

A

gastronomia é uma forma de expressão cultural, através da qual uma região e a sua comunidade local, afirmam a sua identidade cultural. Em termos de gastronomia nacional, o Concelho de Odivelas localizado na denominada “zona saloia” tem a tipicidade gastronómica desta zona. Ao nível da doçaria, propõe-se a doçaria conventual, tentando recuperar a tradição deixada pelo Mosteiro de S. Dinis de Odivelas. O Convento de Odivelas foi, sem dúvida, um dos que mais contribuiu para a doçaria de Portugal. As suas especialidades em confeitaria e doçaria, fabricadas . Destacamse a célebre Marmelada Branca de Odivelas, os Suspiros de Amêndoa, as Raivas, os Tabefes, os Esquecidos, o Toucinho-do-céu, entre outros.

ODIVELAS Turismo 2015 | 36


ODIvELAS GUIA TURíStico cultural

Marmelada Branca de Odivelas, uma pequena tentação…

A

marmelada branca, outrora indispensável nas festividades que comemoravam a passagem de D. Dinis por Odivelas e nas festas de S. Dionísio, nasceu pelas mãos delicadas das freiras Bernardas. Exclusivo de Odivelas, este doce branco celestial era oferecido aos convidados e visitantes, na forma de quadrados que adoçavam o paladar enquanto os cânticos adoçavam a audição. Fruto de um segredo que passou de geração em geração, a marmelada branca sobreviveu ao fim dos conventos em Portugal e chegou intacta aos nossos dias. É certo que muitas são as variantes e adulterações, mas a receita original preservou-se num caderno de receitas, deixado pela última freira do Mosteiro de S. Dionísio e S. Bernardo de Odivelas, D. Carolina Augusta de Castro e Silva, à sua afilhada. A Marmelada Branca de Odivelas, hoje revitalizada, pretende afirmar a sua qualidade e as características de outros tempos, contra imitações e utilização indevida do seu nome. Atualmente encontra-se registada como Marca Coletiva de Associação, estando em curso o pedido de Indicação Geográfica Protegida. A Marmelada branca de Odivelas foi distinguida com uma Medalha de Ouro no 3º Concurso Nacional de Doces de Fruta Tradicionais Portugueses, em 2014.

37 | ODIVELAS Turismo 2015


ODIvELAS GUIA TURíStico cultural

Produtores da Marmelada Branca de Odivelas PASTELARIA FARUQUE – ODIVELAS Rua Guilherme Gomes Fernandes, 87 - A Tel.: 219 311 574 E-mail: jos.coelho4@gmail.com PASTELARIA PADARIA EL – REI D. DINIS - ODIVELAS Av. D. Dinis Tel.: 219 314 352 E-mail: espigadourada.com / d.dinis@espigadourada.com PASTELARIA VIRIATO - RAMADA Av. Da Liberdade, 9 – C Tel.: 219 337 420 E-mail: armandocostadesousa@hotmail.com CAROLINA PINHO - ODIVELAS Rua António Nobre, 24, 3º Dt.º Tem.: 919 136 481 E-mail: carolina.pinho24@gmail.com IDÊ VELAS Rua Prof. Dr. Egas Moniz, 25, 5º Esq.º Tem.: 912 188 105 E-mail: paula_insua@hotmail.com PASTELARIA ESPIGA DOURADA - ODIVELAS Rua José Gomes Monteiro, 3 – A Tel.: 219 339 316 E-mail: espigadourada.com / espiga1@espigadourada.com

ODIVELAS Turismo 2015 | 38


ODIvELAS GUIA TURíStico cultural

39 | ODIVELAS Turismo 2015


ODIvELAS GUIA TURíStico cultural

ODIVELAS Turismo 2015 | 40

Odivelas Turismo 2015