Page 1

22 março 2015

MeiaMaratonadeLisboa.com Meias Maratonas VICIADO nas CORRIDAS?

A Meia Maratona de Lisboa Uma VIAGEM DE 70 MIL PÉS

MeiaMaratonadeLisboa.com

CARLOS MOIA “venham mais” 25 anos pag.

1


pag.

2


MeiaMaratonadeLisboa.com

pag.

3


INDICE/SUMMARY MENSAGEM/ MESSAGE. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7 António Costa Presidente da Câmara Municipal de Lisboa/ Lisbon City Mayor Artigo/ Article. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8 Tudo mudou menos o nosso entusiasmo/ Everyting has changed, except our enthusiasm! Campeões/ Winners. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11 António Pinto, Gelindo Bordin, Paul Tergat, Zersenay Tadese, Rosa Mota Principais Marcos/ Milestones. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18 25 anos a atravessar a ponte 25 de Abril 25 years crossing the 25th of April bridge Números logísticos/Logistic numbers. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28 Miguel Barreira/Record

O recordista do mundo/ The world record holder. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32 Zersenay Tadese Artigo/Article . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 Será um viciado da corrida?/ Are you a running addict? Artigo/Article . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40 Uma prova reconhecida pelo Governo Português/ An event recognized by the Portuguese Government Artigo/Article . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48 Uma viagem de 25 anos e 70.000 pés!/ A 70,000 legs journey! Artigo/Article . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54 Saber beber nos postos de abastecimento/ Learning to drink in supply stations Percurso/Course . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58 Patrocinadores e Apoiantes/ Sponsors and Supporters. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60

pag.

4


MeiaMaratonadeLisboa.com

pag.

5


pag.

6


mensagem message

A

meia-maratona de Lisboa cumpre este ano os seus 25 anos de existência. Foram milhares de portugueses e de cidadãos de diferentes nacionalidades que já participaram nesta prova e que todos os anos têm procurado repeti-la. Diferentes gerações, diferentes origens, todos têm especial orgulho em fazer parte da história deste evento. Felicito portanto todos aqueles que ao longo deste quarto de século ajudaram a afirmar este evento no plano internacional. A cidade de Lisboa tem um sentimento de gratidão e de reconhecimento pelos méritos desta organização desportiva. Este é sem dúvida nenhuma um dos grandes eventos que ocorrem e que fazem parte da agenda de Lisboa. Esta prova ímpar claramente contribui para colocar Lisboa nos lugares cimeiros do ranking mundial das cidades desportivas. Hoje a meia-maratona representa muito mais do que uma mera prova de atletismo. É um momento único de convivência entre o desporto e a actividade física, entre aqueles que procuram chegar primeiro e todos os outros que a querem terminar. E são estes que, cada vez mais em maior número, durante o ano se preparam para a meiamaratona. E é este o grande legado destes 25 anos de existência. Um legado histórico que tem permitido que cada vez mais cidadãos procurem uma regular actividade física. Esta grande mas silenciosa transformação de hábitos de vida converge no que temos procurado promover nos diferentes programas de vida saudável em Lisboa. Hoje festejamos as bodas de prata deste casamento entre a cidade de Lisboa e a MeiaMaratona de Lisboa. Uma aliança que teve ao longo dos anos milhares de testemunhas e que estou certo que serão muitas as gerações a testemunhar as bodas de ouro. Boa Corrida a todos!

T

his year takes place the 25th edition of the Lisbon half-marathon. Thousands of Portuguese and citizens of different nationalities have participated in this event, and every year have sought to repeat it. Different generations, different backgrounds, all have special pride in making part of the history of the event. I therefore congratulate all those who, during this quarter century, have helped to promote this event internationally. The city of Lisbon has nothing but gratitude and recognition for the merits of this sports organization. This is undoubtedly one of the great events in Lisbon’s agenda, clearly contributing to put it in the top positions in the world ranking of sports cities.

Março 2015

Antonio Costa Presidente

Today the half-marathon is much more than a mere athletics competition. It is a unique moment of coexistence between sports and physical activity, between those who try to win it and those who want to finish it. And it is the latter that, increasingly more, are preparing themselves during the year for the Half Marathon.

This is the great legacy of these 25 years of existence. A historical legacy that has allowed more and more citizens to seek for regular physical activity. This large but silent transformation in lifestyles converges in what we have sought to promote in Lisbon’s diverse programs of healthy life. Today we celebrate the silver anniversary of this wedding between Lisbon and the Half Marathon. An alliance that had thousands of witnesses over the years, and I’m certain that many generations will witness the golden anniversary. A good race to everyone! March 2015

MeiaMaratonadeLisboa.com

pag.

7


TUDO MUDOU, menos o nosso entusiasmo! Carlos Móia

Q

uando olho para trás – 25 anos para trás - para a história, para a ponte que nos levou a desafiar burocracias, inércias, mentalidades e a construir a prova que mudou o atletismo em Portugal, que trouxe os portugueses para a rua, que os ensinou a correr, a marchar, a fazer exercício físico, só posso ter orgulho no caminho percorrido e no legado da Meia Maratona de Lisboa. Passaram 25 anos, mudou muita coisa: o IRS, a minha idade no bilhete de identidade, a moeda, 3 presidentes da República, 6 primeiro - ministros. Tudo isso mudou, mas não mudou a nossa vontade, o nosso compromisso, o nosso entusiasmo por fazer cada ano melhor. Parece que foi ontem, mas já passaram 25 anos. O escudo ainda foi a moeda em que a prova nasceu, mudou para o euro, acompanhou a euforia do crescimento económico e a recessão.

preço e a escravatura que eles iriam representar alguns anos depois! Parece que foi ontem, mas a verdade é que já passaram 25 fantásticos anos que nos fizeram crescer e chegar aqui. Se me perguntassem, em 1991, se chegaríamos aqui e com estes números. Tenho quase a certeza que apesar de todo o meu optimismo teria dito que não. Mas a verdade é que todas as nossas melhores expectativas foram superadas. E este êxito não é o êxito do Maratona Clube de Portugal, é o êxito da cidade de Lisboa, de Almada, dos nossos patrocinadores, dos voluntários que ano após ano nos apoiam desde a entrega de dorsais até à distribuição de medalhas. O sucesso da Meia Maratona de Lisboa é o sucesso dos que acreditaram e ousaram sonhar em 1991. Obrigado a todos por isso!

Em 91 a auto-estrada até ao Porto não estava concluída, estávamos longe de pensar ir de auto-estrada até ao Algarve, só havia um canal de televisão – a RTP – nosso parceiro desde a primeira edição e a quem devo um obrigado especial!

Uma palavra final e merecida aos autarcas de Almada e Lisboa. Apesar das limitações e das dificuldades nunca deixaram de nos apoiar porque sabem o valor que estas provas trazem para os seus concelhos e para as suas populações.

Em 91, quando da primeira edição, estávamos as portas da primeira guerra do golfo. Tinham passado apenas 3 anos desde que a Rosa Mota tinha ganho a medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Seul. O Benfica seria campeão nesse ano, mas o campeonato ainda ia à meio.

Sabem o que é que elas representam a nível do turismo e da promoção externa.

Os primeiros telemóveis apareciam. Poucos, pesados, com as chamadas sempre a cair. Estava-mos longe de imaginar o tamanho, o

pag.

8

O essencial da minha parte está dito. Obrigado, mais uma vez, a todos pela vosso apoio, pelo compromisso que anualmente renovam connosco e pela alegria que trazem a Lisboa e ao país. Estão convidados, para daqui a 25 anos, celebrarmos as bodas de ouro!


Everything has changed, except our enthusiasm!

W

hen I look back - 25 years back - to history, to the bridge that led us to challenge bureaucracies, inertia, mentalities and to build the event that changed athletics in Portugal, that brought the Portuguese to the street, that taught them to run, to march, to do physical exercise, I can only take pride in the progress made and in the legacy of the Lisbon Half Marathon. 25 years have passed, much has changed: the IRS, the age on my identity card, the currency, three presidents of the Republic, 6 prime-ministers. All that has changed, but what didn’t change were our will, commitment and enthusiasm to do better every year. Having since been replaced by the euro, the escudo was still the currency when the event was born, witnessing the euphoria of economic growth and recession. In 1991 the highway to Oporto was not yet completed, we were far from thinking of going through highway to the Algarve, there was only one TV channel - RTP - our partner since the first edition and to whom I owe a special thank you! In 1991, when the first edition took place, we were at the brink of the first Gulf War. Only three years have passed since Rosa Mota had won the gold medal at the Olympic Games in Seoul. Benfica would be champion that year, but the championship was still halfway through.

MeiaMaratonadeLisboa.com

The first mobile phones appeared. They were few, heavy, and the phone calls were always failing. We were far from imagining the size, the price and the “imprisonment” that they would represent some years later! It seems like yesterday, but the truth is that 25 fantastic years have passed which have made us grow and get here. If I were asked, in 1991, if we could arrive here and with these numbers, I’m pretty sure that despite all my optimism I would have said no. But the truth is that all our expectations were exceeded. And this success is not the success of Maratona Clube de Portugal, it is the success of Lisbon, of Almada, of our sponsors and of the volunteers who, year after year, support us from delivering the race numbers to the distribution of medals. The success of the Lisbon Half Marathon is the success of those who believed and dared to dream in 1991. Thank you all for that! A final and deserved word for the mayors of Almada and Lisbon. Despite the limitations and difficulties they never stopped supporting us because they know the value that these events bring to their municipalities and their populations.

pag.

9


pag.

10


CAMPEĂ•ES

A

ntonio Pinto, Portuguese, 48 years old, European Champion (10,000 meters), twice winner of the London Marathon, three more appearances on the podium, one second and two third places.

I

n 1998 he won the Lisbon Half Marathon and got the world’s best time ever. In 1998, the event was considered by the international athletics federations, the Best Half Marathon of the world.

Foto: JoĂŁo Cupertino

MeiaMaratonadeLisboa.com

pag.

11


CAMPEÕES

G

elindo Bordin, Italiano, 55 anos, campeão olímpico de maratona; bicampeão europeu de maratona; medalha de bronze no mundial de maratona. Foi o primeiro grande nome internacional a competir en Lisboa

G

elindo Bordin, Italian, 55 years old, Olympic Marathon Champion; European Marathon Champion; Bronze medal in the World Marathon Championship. He was the first international elite runner participating in our race.

Foto: João Cupertino

pag.

12


MeiaMaratonadeLisboa.com

pag.

13


P

aul Tergat, Queniano, 45 anos, duas vezes vice campeão olímpico de 10.000 metros; duas vezes vice campeão mundial, uma vez medalha de bronze em 10.000 metros; quatro vezes campeão mundial de corta-mato; duas a vezes campeão mundial de meia-maratona; quatro recordes mundiais na carreira. Paul Tergat fica na história da Lisboa bater o “tempo mais rápido” da distância (facto registado no Guiness Book);

P

aul Tergat, Kenyan, 45 years old, twice vice Olympic Champion (10.000 meters); twice Vice World Champion, once bronze medal in 10.000 meters; four times cross country World Champion; two times Half Marathon World Champion; four World Records in his career. In 2000 Paul Tergat made history in Lisbon running the “fastest time” in this distance (that was fact was registered by the Guiness Book);

Foto: João Cupertino

pag.

14


Regus Business Centre | Ed. Brasília Praça Mouzinho de Albuquerque, 113 – 3º 4100-359 Porto

MeiaMaratonadeLisboa.com

pag.

15


CAMPEÕES

R

osa Mota, Portuguesa, 56 anos, campeã olímpica da maratona e medalha de bronze olímpica noutra ocasião; campeã mundial de maratona; tri campeã europeia de maratona; dois recordes mundiais na carreira.

Na primeira edição da Meia Maratona de Lisboa, com a travessia na ponte 25 de Abril, participaram 3973 corredores e Rosa Mota foi a figura de cartaz. O pódio feminino foi todo português, com a campeã olímpica no lugar mais alto (1.09,53) e o inglês Paul Evans o primeiro vencedor masculino (1.01,44). Rosa Mota foi, até hoje, a única portuguesa a vencer a Meia Maratona de Lisboa.

R

osa Mota, Portuguese, 56 years old, Olympic Champion and Marathon Olympic bronze medal on another occasion; Marathon World Champion; tri Marathon European Champion; two World Records in his career. She was the winner of the first edition of the Lisbon Half Marathon. The female podium was all Portuguese. Rosa Mota was, until today, the only Portuguese to win the Lisbon Half Marathon. Foto: João Cupertino

pag.

16


MeiaMaratonadeLisboa.com

pag.

17


PRINCIPAIS MARCOS Key Milestones 25 ANOS A ATRAVESSAR A PONTE 25 DE ABRIL 25 YEARS CROSSING THE 25TH OF APRIL BRIDGE

1991 Na primeira edição da Meia Maratona de Lisboa, travessia na Ponte 25 de Abril, participaram 3.973 corredores e Rosa Mota foi a figura de cartaz. O pódio feminino foi todo português, com a campeã olímpica no lugar mais alto (1:09:53) e o inglês Paul Evans o primeiro vencedor masculino (1:01:44). Rosa Mota foi, até hoje, a única portuguesa a vencer. The first edition of the Half Marathon of Lisbon, crossing the Bridge 25th of April took place this year and 3.973 athletes run the race. Rosa Mota was the main attraction. The women’s podium was all-Portuguese, as the Olympic champion had the highest spot (1:09:53) and the English Paul Evans was the first man (1:01:44). Rosa Mota was the only Portuguese athlete winning the race, until now.

1998 • Edição especial, por ter sido vencida, no sector masculino, pelo português António Pinto, que obteve a melhor marca mundial de sempre; • A MML foi considerada pelos organismos internacionais como a Melhor Meia Maratona de Mundo; António Pinto venceu a Meia Maratona de Lisboa em 1998 com 59:43, na altura, considerada a melhor marca mundial, embora não homologada pela federação internacional (IAAF). Foi o primeiro e único português a conseguir vencer a prova. Nesse ano, a Meia Maratona designou-se “Expo’98 Meia Maratona de Lisboa” e foi considerada a melhor do mundo na distância.

pag.

18

António Pinto won the Lisbon Half Marathon in 1998, running 59:43. It was the best world time, but wasn’t certified, by the international federation (IAAF) as a world record (because of the type of course). He was the first and only Portuguese ever to win the competition. With the name of “Expo 98 Half Marathon of Lisbon” this year, the race was considered, by international institutions, the world’s best Half Marathon.


MeiaMaratonadeLisboa.com

pag.

19


2000 Paul Tergat veio a Lisboa bater a marca de António Pinto. Na 10.ª edição, o prestigiado queniano passou a meta em 59:06, confessando mais tarde que dormira mal e acordara sem qualquer feeling para a prova. A sua marca só não foi considerada recorde do mundo por existir uma diferença de mais de um metro de altitude entre o ponto de partida e o de chegada. Mas a prova foi considerada a mais rápida do mundo e o feito de Tergat entrou para o Livro Guiness dos Recordes. Paul Tergat came to Lisbon to beat António Pinto’s best time. The Kenyan athlete crossed the finish line in 59:06. Later he told to a journalist that he had slept badly the night before… and that he woke up without any good mood for the race. His time wasn’t considered world record (because of the difference of altitude between the start point and the finish line). Nevertheless, the event was considered the world’s fastest race and Tergat’s achievement was published at the Guinness Book of Records.

pag.

20


MeiaMaratonadeLisboa.com

pag.

21


2005

2006

Foi o ano da 15ª edição da Meia Maratona de Lisboa e esse marco foi perpetuado com a edição do livro da prova, de autoria do jornalista António Simões, com prefácio do Dr. Jorge Sampaio, à data, Presidente da República Portuguesa, que participou na Mini Maratona, com guarda de honra formada por Rosa Mota e Paulo Guerra!

• Presença de Fauja SINGH em Lisboa

Celebrating the 15th edition of the race, a book was published about the history of the race, by the journalist António Simões. The preamble was written by Jorge Sampaio, by then the President of the Portuguese Republic, who ran the mini marathon with the prestigious athletes Rosa Mota and Paulo Guerra!

O corredor, apelidado de “Tornado de Turbante” tornou-se o atleta mais velho a terminar uma maratona. Singh começou a correr aos 89 anos e já completou um total de oito maratonas. Em 2006 veio a Lisboa participar na Meia Maratona de Lisboa, tendo na altura manifestado a sua admiração pela beleza de Lisboa e pelas “excelentes condições da prova”.

2008 A IAAF (International Athletic Amateur Federation) cria uma distinção para as melhores provas de estrada do mundo. A Meia Maratona de Lisboa recebe a distinção “Gold Road Race”, precisamente a mais alta distinção atribuída por esta entidade internacional. Essa distinção tem vindo a ser renovada ano após ano. Na sua 18ª edição, a Meia-Maratona de Lisboa teve uma inovação importante: os atletas de elite (em número muito restrito) partiram de Algés, de forma a que (em caso de tempo para recorde do mundo) o mesmo fosse homologado. The race is considered Gold Road Race for the first time and had an important innovation: the elite athletes started separated from the other runners, not crossing the Bridge, in way to have a course respecting the conditions for a possibly world record (officialy recognized as a world record, by the international federation).

pag.

22

The Indian Fauja Singh, the oldest active marathon runner participated on the race and considered it a great race, with fantastic conditions. AIMS


2009 Presença do grupo sul-africano de dança tradicional ZULU A prova já reconhecida como um evento festivo, que reúne muito mais do que desportistas em competição, reuniu ainda mais alegria e diversidade cultural, numa festa que culminou com uma troca de experiências que julgamos ter sido inesquecível para os participantes; The South African group Zulu, a group of traditional dance took part of the race. This event is a multi cultural event, recognized as a healthy festival. Bringing together much more than athletes in competition.

MeiaMaratonadeLisboa.com

pag.

23


2010 • 20º Aniversário do evento • Carlos Móia recebeu das mãos de António Costa, presidente da CML, a Medalha de Mérito da Cidade. • O Maratona Clube de Portugal decidiu lançar o hino da prova, através do músico João Gil, normalmente participante na competição e que decidiu prestar a sua homenagem à 20ª edição da prova. Zersenay Tadese bateu o recorde do mundo da meia maratona ao passar a meta em 58:23, marca que continua actualmente por superar. O corredor da Eritreia contou com o auxílio de três “lebres” e retirou 10 segundos ao anterior recorde mundial de 58,33, que pertencia ao queniano Samuel Wanjiru. Conquistou um prémio de 50 mil euros.

pag.

24

Zersenay Tadese broke the half-marathon’s world record, in 2010, by crossing the finish line in 58.23, a record that remains unbeaten until today. The runner from Eritrea had the aid of three “hares” and completed with 10 seconds less than the previous world record of 58.33, which belonged to the Kenyan Samuel Wanjiru. He won an extra Bonus of 50,000 euros.


MeiaMaratonadeLisboa.com

pag.

25


2014

3 Recordes Mundiais na Meia Maratona em Cadeira de Rodas A 24ª edição da Meia-Maratona de Lisboa, com cada vez mais concorrentes voltou a esgotar. E em números redondos contou com 40.000 participantes, no conjunto de todas as distâncias. O número de chegados na Meia Maratona em si foi de 9.735. A grande nota são os três recordes mundiais alcançados na prova em cadeira de rodas, patrocinada pelos CTT, que reúne desde a primeira edição, os melhores especialistas mundiais. A suiça Manuela Schar (categoria T53) precisou apenas de 50:06 para chegar à meta. De realçar que tanto ela, como as três atletas seguintes (que chegaram com dois segundos de intervalo) fizeram melhor que o anterior recorde (50:11) que pertencia a outra suíça, Sandra Graf, agora terceira. No sector masculino, o japonês Kota Hokinoue (Classe T54) concluiu a prova com 42:43. E o espanhol Santiago Sanz (Classe T52) registou o seu recorde em 54:23. Estas marcas traduzem-se nas melhores marcas de sempre e estão homologadas pelo IPC - International Paralympic Committee.

pag.

26

3 Wheelchair World Records The 24th edition of the Lisbon Half Marathon was sold out once again. Total of participants, in all distances, was 40.000 runners. And 9.735 runners crossed the finish line of the Half Marathon. The historical fact on this edition was the achievement of three World Records on the wheelchair competition, sponsored by CTT. This competition use to have the best athletes of the world competing in Lisbon. The athletes Manuela Schar from Switzerland (T53 category) needed just 50:06 to reach the finish line. And impressive was the fact that the three following athletes did a better time than the previous record (50:11), that belonged to another athlete from Switzerland Sandra Graf, she was third. The other records owners are the Japonese Kota Hokinoue (Classe T54), that crossed the finish line with 42:43 and the Spanish athlete Santiago Sanz (T52 Class) that won the race using just 54:23. These records are official and recognized by IPC - International Paralympic Committee.


MeiaMaratonadeLisboa.com

pag.

27


A Meia Maratona em NÚMEROS LOGÍSTICOS

pessoas

80.000

6

172.000

Speakers Animadores

garrafas Águas Vitalis

Leites MIMOSA

Bananas da Madeira

48.000

50.000

Mais de

90.000

Mais 10km

955

4.000

10Km

Sacos de brindes

Gelados Olá

Publicidade no Percurso

Grades e Baias

100.000

15

18.000

120

220

garrafas Powerade

5Km

Fita delimitadora

175

profissionais Assistência Médica

12

m2 de Tendas

Bandas

50.000

50.000

OUTROS

Alfinetes

Elementos policiais e de segurança

40.000

palcos de animação

Juízes de Controlo no Percurso

pag.

28

Chips

Módulos Sanitários

Dorsais

80.000

Boletins de Inscrição em papel

ABASTECIMENTOS

600

Medalhas

5.000

Cartazes distribuídos para promoção

OUTROS

ABASTECIMENTOS

STAFF

Logistic NUMBERS


A Meia Maratona em NÚMEROS LOGÍSTICOS 6

people

Speakers Entertainers

80.000

48.000

Milk MIMOSA

Mais de

10Km

Bananas

90.000 Goodie Bags

Security Gratings

garrafas Water Vitalis

50.000

40.000 garrafas Powerade

5Km

Ice Creams Olá

Outline Marker Tape

Over

Over

10km

175

Course Publicity

profissionais Medical Team elements

Safety Pins

Police and Security Team

955

4.000

12

15

18.000

50.000

50.000

120

220

m2 de Tents

Bands

OTHERS

100.000

172.000

SUPPLIES

600

OTHERS

SUPPLIES

STAFF

Logistic NUMBERS

Stages

Course Judges

Chips

Toillets

MeiaMaratonadeLisboa.com

Race Numbers

80.000

Paper Entry Forms

Medals

5.000

Promotional Posters

pag.

29


pag.

30


MeiaMaratonadeLisboa.com

pag.

31


F

ica para a história desta prova o facto de Zersenay Tadese ter batido o recorde do mundo da meia maratona em 2010, ao passar a meta com 58:23, marca que continua actualmente por superar. O atleta contou com o auxílio de três “lebres” e baixou 10 segundos ao anterior recorde mundial de 58:33, que pertencia ao queniano Samuel Wanjiru. Neste edição Tadese conquistou um Bonus de 50 mil euros.

Z

ersenay Tadese broke the half-marathon’s world record, in 2010, by crossing the finish line in 58.23, a record that remains unbeaten until today. The runner from Eritrea had the aid of three “hares” and completed with 10 seconds less than the previous world record of 58.33, which belonged to the Kenyan Samuel Wanjiru. He won an extra Bonus of 50,000 euros.

pag.

32


O RECORDISTA

DO MUNDO The WORLD RECORD HOLDER

Z

ersenay Tadese, Eritreu, 33 anos, atleta medalhado de bronze nos Jogos Olímpicos (10.000 metros); vice campeão mundial de 10.000 metros; campeão mundial de corta-mato e noutra ocasião vice campeão e duas vezes medalha de bronze; cinco vezes campeão mundial de meia maratona, noutra ocasião vice campeão; dois recordes mundiais na carreira.

Z

ersenay Tadese, Eritrean, 33 years old, bronze medalist athlete at the Olympic Games (10,000 meters); vice world champion of 10,000 meters; world cross-country champion and another time vice champion and twice bronze medalist; five-times marathon world champion, another time vice champion; two world records in his career.

MeiaMaratonadeLisboa.com

Foto: João Cupertino

pag.

33


pag.

34


MeiaMaratonadeLisboa.com

pag.

35


SERÁ UM VICIADO DA CORRIDA? Are you a RUNNING ADDICT?

Q

ue ninguém duvide, tudo começa sempre por uma simples, tímida e pequena passada, como se estivéssemos perante uma criança a tatear o chão. Depois, as escassas dezenas de metros passam a centenas e, a partir daí, tudo será calibrado em quilómetros. Alguns que entram nesta experiência abandonam o processo ao cabo de meia dúzia de tentativas; outros, ficam de tal modo surpreendidos pelo estranho prazer, que acabam por eleger a Corrida como seu desporto favorito... Melhor ainda, como algo imensamente positivo que, por vezes, acaba mesmo em vício.~ Até que ponto é que o leitor é um dos viciados da Corrida? Será daqueles que, quando ficam um dia sem correr, entram em depressão? Ou encara a sua modalidade favorita como a mais importante das coisas secundárias? Uma coisa será estar apaixonado pela prática diária do nosso desporto favorito, outra é encarar a corrida como o único e só polo importante da nossa existência, caindo-se assim numa zona em que tudo deixa de ser importante a não ser o momento do esforço físico. Evidentemente que este pequeno artigo não pretende “rotular” ninguém, mas apenas e só, fazer uma chamada de atenção para certas realidades que, aqui e além, se vão observando nos grandes pelotões de corredores. Bem vistas as coisas, a Corrida deve ser sempre “A MAIS IMPORTANTE DAS COISAS SECUNDÁRIAS”, ou não fosse esta uma das frases que sempre norteou a SPIRIDON! Através deste simples teste, terá oportunidade de certificar-se em que escala se encontra, bastando para isso responder honestamente às seguintes perguntas:

pag.

36

O

ne thing is certain, everything starts with a simple, shy and small step, like a child probing the ground. Then, the few dozen meters become hundreds and, from there on, everything will be calibrated in kilometres. Some who enter this experience leave it after a half dozen attempts; others are so surprised by this strange pleasure that end up electing Running as their favourite sport... Better yet, as something immensely positive that sometimes ends in addiction. To what extent are you, the reader, one of the Running addicts? Are you one of those who become depressed after a day without running? Or do you regard your favourite sport as the most important of secondary things? One thing is to love practicing our favourite sport daily, another is to regard running as the one and only core of our existence, where everything except physical exercise loses importance. Of course, this short article does not intend to “label” anyone, but rather and only to be a reminder for certain realities that, here and there, are observed in the big packs of runners. After all, Running must always be “THE MOST IMPORTANT OF SECONDARY THINGS”, one of the phrases that has always guided SPIRIDON! Through this simple test, you will have the opportunity to ascertain your level simply by answering honestly to the following questions:


1 – Se tiver planificado um treino, por exemplo, de 70 minutos de corrida contínua, com os múltimos 20 em ritmo de competição de meia maratona, e verificar que tal esquema não foi efetuado na sua totalidade, fica aborrecido?

4 – Nos dias em que se vê impossibilitado de praticar o seu desporto, entra em estado de stresse elevado, ao ponto de se irritar perante pormenores insignificantes que surgem todos os dias?

7 – Se ficar sem correr dois ou três dias, o grau de irritabilidade e incompreensão aumenta imenso?

( ) SEMPRE – ( ) ÀS VEZES – ( ) NUNCA

8 – Quando está impedido de correr ao longo de um par de dias, fica com a sensação de que está a engordar?

( ) SEMPRE – ( ) ÀS VEZES – ( ) NUNCA 2 – Considera a Corrida como o melhor processo para “estancar” a sua má disposição em certos dias mais cansativos?

5 – Se, durante um treino, faz menos quilómetros do que estava previsto, tem a preocupação de compensar o problema através do aumento de quilometragem no treino seguinte?

( ) SEMPRE – ( ) ÀS VEZES – ( ) NUNCA

( ) SEMPRE – ( ) ÀS VEZES – ( ) NUNCA

( ) SEMPRE – ( ) ÀS VEZES – ( ) NUNCA 9 – Sente que a sua saúde está dependente de correr com regularidade?

( ) SEMPRE – ( ) ÀS VEZES – ( ) NUNCA 3 – Correr é o processo que utiliza para aumentar o seu ego e sentir-se com um visual mais atraente?

( ) SEMPRE – ( ) ÀS VEZES – ( ) NUNCA 6 – Preocupa-se muito em tentar progredir constantemente nos seus resultados desportivos quando alinha numa competição?

( ) SEMPRE – ( ) ÀS VEZES – ( ) NUNCA

10 – Mesmo nos dias de mau tempo, com chuva forte ou neve, não hesita em estar presente na sua corrida?

( ) SEMPRE – ( ) ÀS VEZES – ( ) NUNCA ( ) SEMPRE – ( ) ÀS VEZES – ( ) NUNCA

Após ter respondido criteriosamente às questões apresentadas, deverá apurar o resultado final, depois de atribuída a seguinte pontuação: SEMPRE = 2 pontos ÀS VEZES = 1 ponto NUNCA = 0 pontos

MeiaMaratonadeLisboa.com

pag.

37


1 - For example, if you have planned a 70 minute workout of continuous running, with the last 20 at a half marathon competitive pace, and realize that this scheme was not completed, do you feel upset?

4 - On days in which you are unable to practice your sport, do you enter in a state of high stress, to the point of becoming irritated with insignificant details of everyday life?

7 - If you aren’t able to run for two or three days, does the degree of irritability and misunderstanding increase a lot?

( ) ALWAYS - ( ) SOMETIMES - ( ) NEVER

( ) ALWAYS - ( ) SOMETIMES - ( ) NEVER

2 - Do you regard Running as the best process to “control” your bad mood in certain strenuous days?

5 - If, during a workout, you run fewer miles than anticipated, do you compensate by increasing the mileage in the following workout?

8 - When prevented from running for a couple of days, do you get the feeling that you are getting fatter?

( ) ALWAYS - ( ) SOMETIMES - ( ) NEVER ( ) ALWAYS - ( ) SOMETIMES - ( ) NEVER 3 - Is running the process you use to boost your ego and feel more attractive? ( ) ALWAYS - ( ) SOMETIMES - ( ) NEVER

6 - Are you very concerned with trying to constantly progress in your sports results when participating in a competition? ( ) ALWAYS - ( ) SOMETIMES - ( ) NEVER

( ) ALWAYS - ( ) SOMETIMES - ( ) NEVER

( ) ALWAYS - ( ) SOMETIMES - ( ) NEVER 9 - Do you feel that your health is dependent on running regularly? ( ) ALWAYS - ( ) SOMETIMES - ( ) NEVER 10 - Even in bad weather, heavy rain or snow, do you not hesitate in making sure you still run? ( ) ALWAYS - ( ) SOMETIMES - ( ) NEVER

After carefully answering these questions, you must evaluate the final result after the following score is assigned: ALWAYS = 2 points SOMETIMES = 1 point NEVER = 0 points

pag.

38


UM CORREDOR VICIADO? DE 15 A 20 PONTOS Ora aqui está alguém que, quer queira ou não, entra na área daquilo a que os psicólogos apelidam de um viciado da Corrida. Quase se poderia dizer tratar-se de um desportista para quem a vida não faz sentido sem a Corrida. Os corredores que entram neste leque estão, sem qualquer dúvida, à beira de um limiar perigoso, esquecidos da existência de vida para além da modalidade que praticam. Bem vistas as coisas, o conselho que damos quando se nos deparam situações semelhantes, é o de convidar os implicados no processo a uma reflexão quanto ao seu estilo de vida e terem a coragem de se aperceberem que tudo é muito relativo e que a importância do que se gosta muito deve harmonizar-se com as múltiplas atividades diárias. DE 8 A 14 PONTOS É evidente que não se trata de corredor viciado, mas de alguém que encara o exercício físico como um aspeto fundamental da sua existência. Saber controlar tudo, ou seja, a área profissional, o convívio familiar e tudo o resto, constitui a Arte que conduz à posse de uma boa noção sobre a vida. DE 0 A 7 PONTOS Nesta área, vamos encontrar corredores que possuem o bom domínio quanto ao equilíbrio da sua prática desportiva. Embora se preocupem com o seu desporto, sabem perfeitamente que o mundo não acaba se, por qualquer motivo, existirem vários dias sem que se possa correr. g _________ Texto extraído da REVISTA SPIRIDON nº 216

A RUNNING ADDICT? 15 to 20 POINTS Now here’s someone who, liking it or not, enters the area of what psychologists describe as a Running addict. One could almost say that it consists of a sportsman to whom life is meaningless without Running. Runners who enter this level are, without any doubt, on the edge of a dangerous threshold, oblivious to life beyond the sport they practice. After all, the advice we give in similar situations is to invite those involved to reflect on their lifestyle and to have the courage to realize that everything is relative and that the importance of what one really likes should harmonize with the multiple daily activities. 8 TO 14 POINTS Clearly not a running addict, but someone who sees exercise as a fundamental aspect of his/her existence. Learning to control everything, that is, the professional life, the family life and everything else, is the Art that leads to a good understanding of life. 0 to 7 POINTS In this area, we find runners who have good knowledge on the balance of their sports practice. Although they worry about their sport, they know perfectly well that the world does not end if, for any reason, they are several days without running. _________ Text taken from SPIRIDON MAGAZINE nr. 216

MeiaMaratonadeLisboa.com

pag.

39


Uma prova reconhecida pelo GOVERNO PORTUGUÊS An event recognized by the PORTUGUESE GOVERNMENT

A

comemorar um quarto de século de vida, o Governo português, por despacho publicado em Diário da República, consagrou a Meia Maratona de Lisboa como prova de interesse público, reconhecendo que ela representa uma das provas mais relevantes de atletismo de fundo em Portugal.

C

“Organizada pelo Maratona Clube de Portugal, a Meia Maratona de Lisboa constitui um dos pontos altos de um trabalho muito meritório desenvolvido nos últimos anos por esta entidade, tanto através da participação e organização de provas no domínio do desporto federado, quer no âmbito do desporto para todos, contribuindo para a promoção generalizada da prática desportiva em Portugal”, pode ler-se no despacho publicado no Diário da República n.º 88/2014.

“Organized by Maratona Clube de Portugal, the Lisbon Half Marathon is one of the highlights of a very meritorious work developed by this entity in recent years, both through the participation and organization of events in the field of federated sports, and in the context of sports for all, contributing to the widespread promotion of sports in Portugal”, as stated in the order published in Diário da República No. 88/2014.

Ainda no despacho que sustenta a declaração de interesse público, reconhece-se que “este evento é responsável, todos os anos, pela mobilização de dezenas de milhares de pessoas para a prática desportiva, oriundas dos mais diversos países, sendo capaz de abranger da população juvenil à população sénior e de apoiar o desenvolvimento do desporto para pessoas com deficiência, constituindo, por isso, um eloquente exemplo de diálogo intergeracional e de promoção do desporto inclusivo”. continúa na pag. 44

"

continued on pag. 44

pag.

40

"

elebrating a quarter century of life, the Lisbon Half Marathon was recognized by the Portuguese Government, by order published in Diário da República, as an event of public interest, being acknowledged as one of the most important long distance athletics events in Portugal.

The order that sustains the declaration of public interest also recognizes that “this event is responsible, each year, for mobilizing tens of thousands of people for sports, coming from different countries, while being able to cover both the youth and the senior popu-


MeiaMaratonadeLisboa.com

pag.

41


pag.

42


MeiaMaratonadeLisboa.com

pag.

43


“As pontes que ligam as duas margens do rio inundadas de gente são um dos muitos cartões de visita que Lisboa pode apresentar a todos aqueles que a querem conhecer. As meias maratonas representam uma história de sucesso. Nunca antes de 1989 se tinham visto em Portugal provas tão democráticas onde se juntam os melhores atletas do mundo aos cidadãos comuns, milhares deles, que estão ali apenas para ganhar a oportunidade de atravessar a pé lugares que durante todos os restantes dias do ano são ocupados por carros. É por isso que esta declaração me enche de orgulho, porque reconhece o esforço, o empenho e a dedicação que um grupo de pessoas teve para pôr a primeira Meia Maratona de Lisboa de pé”, refere Carlos Móia, presidente do Maratona Clube de Portugal. Ainda segundo o Governo português, a realização da Meia Maratona de Lisboa constitui um estímulo ao aumento da prática desportiva, por parte de uma franja muito alargada da população e para a afirmação do nosso país como local privilegiado para a realização de grandes eventos desportivos.

pag.

44

lation and supporting the development of sports for people with disabilities, therefore being an eloquent example of intergenerational dialogue and promotion of inclusive sports”. “Linking the two river banks, the bridges flooded with people are one of the many business cards that Lisbon offers to all those who want to visit it. The half marathons represent a success story. Never before 1989 had Portugal seen such democratic events, where the world’s best athletes join ordinary citizens, thousands of them, who are there to earn the opportunity to cross on foot places which are busy with cars on the remaining days of the year. That is why this declaration fills me with pride, because it recognizes the effort, commitment and dedication of a group of people to put the first Lisbon Half Marathon in motion,” said Carlos Móia, president of Maratona Clube de Portugal. Also according to the Portuguese Government, the realization of the Lisbon Half Marathon is an incentive to increase the practice of sports, by a very wide range of the population and for the affirmation of our country as a privileged venue for major sporting events.


MeiaMaratonadeLisboa.com

pag.

45


pag.

46


MeiaMaratonadeLisboa.com

pag.

47


Uma viagem de

pital portuguesa uma prova tão democrática onde se juntam os melhores atletas do mundo aos cidadãos comuns, milhares deles, que estão ali apenas para ganhar a oportunidade de atravessar a pé lugares que durante todos os restantes dias do ano são ocupados por carros. Muitos. Depois de se vencer a inércia e a desconfiança dos burocratas, nesse primeiro ano, a tendência foi sempre a de crescer em número de participantes, entusiasmo e animação até aos números de hoje, com mais de 35 mil participantes. O sucesso desportivo esteve a par do incremento de participações e para isso muito contribuiu o extraordinário

conjunto de grandes atletas que brilharam nesta enorme competição, que no ano 2000 foi considerada a mais rápida meia maratona do Mundo! Entre os grandes atletas da modalidade que fizeram história em Lisboa encontramos, só para referir os medalhados olímpicos que venceram na capital portuguesa, os campeões Rosa Mota (vencedora na primeira edição, a única vez que uma portuguesa venceu), Fernanda Ribeiro (nunca venceu), Haile Gebrselasie (vencedor em 2002 e 2008); e ainda de diversos medalhados olímpicos como Joyce Chepchumba (triunfou em 2004), Derartu Tulu (2003), Shalan Flanagan (2012), Paul Tergat (2000 e 2005) e Zersenay Tadese (2010, 2011 e 2012).

e 70.000 pés!

A 70,000 legs journey! By António Fernandes

A

E

nualmente, num domingo de Março, 70.000 pés iniciam a sua travessia da Ponte 25 de Abril. Uma tradição iniciada no século passado, em 1991. A prova nasce com a aventura de pouco mais de 3500 corredores, que venceram meses de burocracias, com pareceres e estudos que alguns gabinetes ministeriais da altura exigiam para avaliar o impacto que a travessia a pé poderia causar na estrutura da ponte. Nessa primeira e histórica prova, cortaram a meta 3104 participantes – 400 ficaram pelo caminho - com a história a registar os triunfos do inglês Paul Evans, com 1h01m44, e da portuguesa Rosa Mota, com 1h09m52. Lisboa vista de cima e do Tejo arrebata qualquer um. A ponte que liga as duas margens do rio inundadas de gente são um dos muitos cartões de visita que atualmente Lisboa pode apresentar a todos aqueles que a querem conhecer. A Meia Maratona de Lisboa representa uma história de sucesso. Nunca antes se vira na ca-

pag.

48

ach year, on a March Sunday, 70,000 legs start their crossing of the 25th of April Bridge. A tradition that started last century, in 1991. It was also on a beautiful March morning that the Lisbon Half Marathon project was born. Over 3500 runners started the adventure, with 3103 recorded finishers and the triumphs of the English Paul Evans, with 1h01m44, and the Portuguese Rosa Mota, with 1h09m52, recorded in history. It was a unique milestone in Portuguese sports, since it was now possible to cross the 25th of April Bridge after months of discussions and technical advices about the possible damages that so many participants could cause.

The number of half marathon finishers increased significantly and two years later the barrier of 4000 (4261) was passed. The introduction of the mini marathon and of the course between the Tolls and the Jeronimos Monastery lead to a new increase in participants, with soon more than 10,000 people crossing the bridge and completing their great sporting morning. From there on, the trend is a continuous growth up to today’s numbers, with over 35,000 participants and a record of 9403 finishers in the half marathon! Sporting success went side-by-side with the participants’ increase, to which greatly contributed the extraordinary set of athletes shinning in this competition, considered in 2000 the fastest half marathon in the world! Among these outstanding athletes, just to mention the Olympic medallists winners in Lisbon, we have Rosa Mota (winner of the


Mas houve outras figuras que marcaram a prova em diversos momentos, como a simpática queniana Tegla Loroupe, vencedora em seis edições, ou o seu compatriota Sammy Lelei, então um “ilustre” desconhecido, que foi o primeiro a baixar a uma hora (59.24) nesta prova, marcada por um erro de percurso que impediu a homologação do resultado como recorde, sendo que nessa altura o “recorde” vigente era de 60.06 e pertencia a Steve Monegethi e que em Abril viria a ser melhorado para 59.47 por Moses Tanui em Milão. Até 2009 os corredores de elite faziam o mesmo percurso de travessia da ponte e, devido aos parâmetros da Federação Internacional, as marcas alcançadas não tinham o estatuto de recorde mundial mas sim de melhor marca continúa na pag. 52 "

first edition, the only won by a Portuguese), Fernanda Ribeiro (never won), Haile Gebrselasie (winner in 2002 and 2008); and also several Olympic medallists like Joyce Chepchumba (triumphed in 2004), Derartu Tulu (2003), Shalan Flanagan (2012), Paul Tergat (2000 and 2005) and Zersenay Tadese (2010, 2011 and 2012). But there were others leaving their mark, as the friendly Kenyan Tegla Loroupe, winner in six editions, and her countryman Sammy Lelei, by then an “illustrious” unknown, who was the first to end below one hour (59.24) in a race marked by a course error that prevented this result’s approval as a record, which was by then 60.06, by Steve Monegethi, and was improved in April to 59.47, by Moses Tanui, in Milan.

MeiaMaratonadeLisboa.com

Miguel Barreira/Record

Until 2009 elite runners did the bridge crossing’s course and, due to parameters by the International Federation, the marks achieved did not have world record status, rather the best world marks ever, and the first time Lisbon saw the fastest half marathon runners ever was in 1998, when Antonio Pinto got the continued on pag. 52 "

pag.

49


pag.

50


MeiaMaratonadeLisboa.com

pag.

51


mundial de sempre e a primeira vez que em Lisboa se chegou ao top dos mais rápidos corredores de sempre em Meia Maratona foi em 1998, quando António Pinto conquistou a primeira (e única, até agora!) vitória portuguesa, cortando a meta e 59.43 minutos! Dois anos depois, o queniano Paul Tergat melhorou esta marca para 59.06 minutos. Em 2001, a queniana Susan Chepkemei cortou a meta em 1h05m44 igualando o então recorde mundial que pertencia a Elana Meyer desde 1999. Ainda neste período (antes de 2009), damos conta de mais “recordes”, como o recorde mundial de veteranos (M35) obtido por Paul Tergat em 2005 (59.10 !) e o recorde sul-americano da brasileira Carmen Oliveira com 1h09m31 em 1994. Após 2009, os atletas de elite iniciam a corrida em Algés, num percurso totalmente plano e que, agora sim, lhes permite estar em condições para a obtenção do recorde do Mundo, objectivo esse que foi logo alcançado no ano seguinte, com o eritreu Zersenay Tadese a vencer a prova com a marca de 58.23 minutos! Aliás, a sua passagem aos 20 km também é recorde mundial da distância com 55.21 minutos. No ano seguinte Tadese esteve perto do seu recorde (58.30), voltando a cotar Lisboa como uma prova verdadeiramente propícia à queda de recordes. A excelência da competição levou-a a ser “Golden Label”, a mais alta qualificação das provas realizadas sob a égide da Federação Internacional. E é este conjunto de atributos desportivos que atrai, anualmente, milhares de concorrentes. A Meia Maratona de Lisboa consegue juntar três dos mais icónicos marcos de Lisboa, o Cristo Rei, na margem sul, a passagem da Ponte 25 de Abril, uma das mais bonitas do Mundo, e o Mosteiro dos Jerónimos, e é um cartaz turístico de excelência que atrai milhares de estrangeiros e portugueses para desfrutarem um momento único nas suas vidas.

pag.

52


Miguel Barreira/Record

first (and so far the only!) Portuguese victory, finishing in 59.43 minutes! Two years later, the Kenyan Paul Tergat improved this mark to 59.06 minutes. In 2001, the Kenyan Susan Chepkemei crossed the line in 1h05m44, equalling the world record belonging to Elana Meyer since 1999. More “records” were achieved in this period (before 2009), like the world record for veterans (M35) obtained by Paul Tergat in 2005 (59.10!) and the South American record by the Brazilian Carmen Oliveira, with 1h09m31 in 1994. From 2009 on the elite athletes start the race in Algés, in a completely flat course that finally allows them to attain the World record, an objective reached the following year as the Eritrean Zersenay Tadese won with 58.23 minutes! In fact, he beat the distance run world record at 20 km, with 55.21 minutes. The following year Tadese came close to this mark (58.30) as Lisbon again became a place were records are likely to be broken. The competition’s excellence was recognized with the “Golden Label”, the highest classification of events carried out under the International Federation. It’s this set of sporting attributes that every year attracts thousands of competitors, some of them well-known, like the former President of Portugal Jorge Sampaio and politicians like José Sócrates (former prime minister), Roberto Carneiro (former minister of education) and Pedro Mota Soares (current Minister of Solidarity and Social Security), others not so much. Along with the race, the joining of three of the most iconic landmarks in Lisbon, the Cristo Rei (on the south bank), the crossing of the 25th of April Bridge (one of the most beautiful in the world), and the Jeronimos Monastery, is an excellent tourist attraction that draws thousands of foreigners and Portuguese to enjoy a unique moment in their lives.

MeiaMaratonadeLisboa.com

pag.

53


SABER BEBER nos postos de abastecimento LEARNING TO DRINK IN SUPPLY STATIONS Pelo Prof. Mário Machado

T

odo o indivíduo que se inicie na prática da corrida e que experimente ingerir líquidos quando se encontra em pleno esforço, irá ter uma grande surpresa, porque metade do líquido cai por terra e, muito provavelmente, ficará engasgado. Tentar sincronizar os movimentos da corrida com a ingestão de um líquido contido em copo ou em garrafa, exige uma certa dose de treino, e o que acontece, na maioria dos casos, é que, em lugar de se ingerir, por

pag.

54

exemplo, 200 mililitros de líquido, apenas ”entraram” 50 ou, no máximo, 100, o que significa que o seu abastecimento ficou fortemente reduzido, caminho aberto para desidratação e, portanto, para um fraco resultado final. Nos sete pontos seguintes indicam-se alguns princípios que qualquer corredor deve procurar seguir para que cada posto de abastecimento seja mesmo local eficaz para a continuação do esforço que vem desenvolvendo:

By Prof. Mário Machado

Anyone who starts the practice of running and tries to ingest liquids when in full effort, will have a big surprise, because half of the liquid will fall to the ground and, most likely, one will choke. Trying to synchronize the running movements with the ingestion of a liquid contained in a cup or bottle requires a certain training, and what happens in most cases is that, for example, out of 200 millilitres of liquid only 50 or, at most, 100 are actually ingested, meaning that the supply was strongly reduced, leading to dehydration and hence to a poor result. The seven following points indicate some principles that any runner must follow so that each supply station is truly effective for the continuation of the developed effort:


MeiaMaratonadeLisboa.com

pag.

55


1

- Approach the supply area as calmly as possible, being psychologically prepared to “lose” 10 to 15 seconds in this phase. When we say “lose”, we remind first of all that the spending of these few seconds may convert at the end of the competition into a gain of minutes, since a well hydrated body produces more energy than in an opposite condition;

2 1

– Abordar a zona do abastecimento com toda a calma possível, já preparado psicologicamente para “perder” 10 a 15 segundos em tal fase. Quando mencionamos o termo “perder”, queremos recordar, antes de mais, que o gasto destes escassos segundos pode traduzir-se, no final da competição, num ganho que pode atingir minutos, já que um organismo bem hidratado produz mais energia comparativamente a outro em situação contrária;

2

– Em pleno local de abastecimento, optar por uma mesa que se apresente menos frequentada por outros corredores. Mais vale percorrer 3 ou 4 metros e escolher o seu abastecimento sem grande incómodo do que entrar em grandes confusões e sair delas todo molhado e, muitas vezes, sem ter tido ocasião de beber fosse o que fosse;

3

– Ao pegar no copo ou na garrafa, tenha a precaução de olhar para o líquido que se encontra no interior e se o mesmo se apresentar duvidoso, ou totalmente desconhecido, não o recolha. Nas grandes provas, as primeiras mesas, regra geral, estão reservadas para recipientes contendo apenas água, enquanto as últimas são destinadas a bebidas energéticas ou isotónicas;

4

– Se os líquidos oferecidos pela organização se apresentarem em copos de papel ou de plástico, tenha o cuidado de apertá-los ligeiramente, o que permitirá transportá-los com mais segurança durante umas dezenas de metros e beber o líquido longe da confusão dos outros corredores;

5

– Saiba reduzir o andamento e, em plena passada, vá bebendo o líquido, sempre com a preocupação de consumir todo o seu conteúdo. Se o copo for pequeno, apanhe dois e beba tudo, sobretudo se houver calor e humidade

6

– Se o líquido estiver em garrafa, existe a possibilidade de poder transportá-la durante algumas centenas de metros, para que possa aproveitar a maior quantidade possível do seu conteúdo, que poderá esvaziar-se na totalidade deitando o resto do líquido sobre a cabeça com o objectivo de refrescá-la;

7

– Finda toda a operação, tenha o cuidado cívico de atirar o recipiente para os eventuais contentores colocados no local ou, então, se eles não existirem, para a berma da estrada, mas nunca deixálo no meio do asfalto por representar um perigo de queda para os concorrentes que surgirão depois. ------Texto extraído da REVISTA SPIRIDON nº 209

- In the supply area, choose a table that is less frequented by other runners. Better go 3 or 4 meters further and choose your supply without much hassle than go into great confusion and becoming all wet and often without the opportunity to drink at all;

3

- When picking up the glass or bottle, look carefully at the liquid inside; if it looks doubtful or totally unknown, do not collect it. In the big events, the first tables are generally reserved for containers of water only, while the latter ones are intended for energy or sports drinks;

4

- If the liquids offered by the organization are provided in paper or plastic cups, be sure to tighten them slightly, thus being able to transport them more safely for tens of meters and to drink the liquid away from the hustle of other runners;

5

- Learn to reduce the pace, and drink the liquid while running, always aiming to consume it entirely. If the glass is small, take two and drink it all, especially when there is heat and humidity.

6

- If the liquid is bottled, there is the possibility to carry it for some hundred meters, so you can take as much of it as possible, emptying it entirely by pouring the rest of the liquid on the head in order to refresh it;

7

- After the whole operation, have the civility to throw the bottle into any containers placed on site or, if these do not exist, to the side of the road, never leaving it in the middle of the asphalt as it represents a falling hazard to competitors coming afterwards. ------Text taken from SPIRIDON MAGAZINE nr. 209

pag.

56


MeiaMaratonadeLisboa.com

pag.

57


Mapa Percurso PLANE

pag.

58


MeiaMaratonadeLisboa.com

pag.

59


pag.

60

Sponsors and Supporters

Patrocinadores e Apoiantes


MeiaMaratonadeLisboa.com

pag.

61


pag.

62


MeiaMaratonadeLisboa.com

pag.

63


pag.

64

Lisboa Media Maratón 2015  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you