Page 88

Assim, há a possibilidade de provocar a formação de conceitos e conhecimentos do aluno e se passa a ter em mente que a missão do professor não é somente transmitir saberes, mas também construí-los junto do aluno, de tal forma que torna eficaz o desejo de todo educador, ou seja, o aluno se torna capaz de apreender, produzir e transmitir seu conhecimento. Diante desse contexto, devemos ter em mente que não existe nenhum manual ou qualquer tipo de guia que nos indique de forma correta como trabalhar didaticamente a filosofia com as crianças e com os jovens. Porém, isso não significa que não seja possível pensar e criar novos métodos e meios para despertar o filosofar. Notamos também que a maioria das propostas de trabalho para o ensino da filosofia com crianças parte de novelas. Todavia, não precisamos ir tão longe à busca de livros e meios para trabalhar com as crianças, quando se tem a possibilidade de usar a literatura já existente como um recurso atrativo e revelador de interesses e pensamentos escondidos. A obra literária, de acordo com os caminhos de Aspis e Gallo (2009), é apenas um dos caminhos para a construção de conceitos e a possibilidade real de filosofar. Logo, devemos ter em mente que a criança se encontra ainda em formação, está criando as suas estruturas e aprendendo por si própria a conhecer o mundo tanto a partir de associações de ideias, quanto na criação e apreensão de novos conceitos.

Ensino e Profissão Docente

Considerações finais

88

A ocorrência de transposição didática muitas vezes é mínima nas atividades filosóficas, as quais normalmente são teóricas, porém há possibilidades que contemplam justamente os trabalhos interdisciplinares. Portanto, entendemos por trabalhos interdisciplinares não apenas a utilização de obras literárias, músicas, artes, mas sim que professores se unam para trabalhar de maneira conjunta, ocorrendo, assim, a possibilidade de unir conceitos e formar novos conceitos a partir do que ambos podem oferecer para o processo de ensino e de aprendizagem. Neste trabalho, procuramos abordar o âmbito da instrumentalização de obras literárias para que se possa transformar o ensino da filosofia em algo mais atrativo, porém preservando as suas características de levar o aluno a reflexão e perceber-se enquanto tal no mundo em que vive. Ao saber que é um ser atuante e capaz de modificar e estabelecer relações consigo mesmo e para com os outros.

Ensino e profissão docente - Edição Comemorativa aos 25 anos da Jornada Nacional de Educação  

Organizadores: Noemi Boer, Diego Carlos Zanella, Sandra Cadore Peixoto Centro Universitário Franciscano © Editora UNIFRA 2016