Page 75

Ensino e Profissão Docente

competências construídas e condicionamentos que servem para impulsionar a sua capacidade de processar e articular ações pedagógicas. Gauthier (1998, p. 133) coloca que “[...] os professores são atores que recebem o mandato de exercer, na escola, as funções de educar e instruir. Eles ocupam um espaço específico na escola, a sala de aula, onde transmitem um certo número de valores e de conteúdos culturais aos jovens e crianças”, o que corrobora a especificidade do professor legitimar e justificar seus processos de criação intermediados pelas práticas pedagógicas que possibilitem ou não a exploração e a construção de conhecimentos pelos seus alunos de maneira reflexiva ou reiterativa. Ao longo da história da profissão docente, existem muitas discussões sobre os saberes docentes. Os professores, nessas discussões, são atores em dois campos de reflexões educativas: um lado aborda que são portadores e produtores de saber próprio; o outro lado refere-se aos professores como meros receptores, transmissores e reprodutores de saberes alheios. Certamente, os saberes da docência servem de suporte para as práticas educativas, que são construídas através da manifestação dos processos de criação do professor. Toda a ação docente sedimenta-se em um método, na maneira de ordenar, de organizar e implementar a prática pedagógica. Os pressupostos para essa prática pedagógica encontram-se enraizados no reservatório docente, que é constituído pelos saberes que propiciam interconexões entre o que foi e o que é vivido em relação aos processos formativos do professor. Isso quer dizer que é possível identificar por meio dos traços mais característicos de sua personalidade os fatores que inibem e facilitam pensamentos e ações criativas. Diante disso, e conforme Vásquez (1977), a convergência pressupõe uma visão de reiteração, reprodução e permanência do que está preestabelecido; a divergência pressupõe reflexão, inovação, ousadia, fluência de ideias e pluralidade de ações educativas. Assim, os processos de criação do professor, a partir de sua prática pedagógica, consolidam as inferências de seu imaginário e de seu repertório e envolvem o estruturar, dar forma ao conhecimento e pressupor ações que possibilitem ou não a apreensão e construção de novos conceitos e atitudes, tanto pela reiteração, quanto pela reflexividade. Porém, toda a ação criadora consiste em transpor as possibilidades latentes no campo do imaginário, para o campo do possível e do real. Portanto, assim como o próprio viver, os processos de criação são inerentes ao ser social e cultural (OSTROWER, 1987) e constituem-se como processo existencial.

75

Ensino e profissão docente - Edição Comemorativa aos 25 anos da Jornada Nacional de Educação  

Organizadores: Noemi Boer, Diego Carlos Zanella, Sandra Cadore Peixoto Centro Universitário Franciscano © Editora UNIFRA 2016

Advertisement