Page 1

Cancioneiro


Coleção Clássicos Comentados Dirigida por Plinio Martins Filho

Editor Plinio Martins Filho

universidade estadual de campinas Reitor José Tadeu Jorge Coordenador Geral da Universidade Alvaro Penteado Crósta

conselho editorial Presidente Eduardo Guimarães Esdras Rodrigues Silva – Guita Grin Debert João Luiz de Carvalho Pinto e Silva – Luiz Carlos Dias Luiz Francisco Dias – Marco Aurélio Cremasco Ricardo Antunes – Sedi Hirano


Francesco Petrarca

Cancioneiro Tradução

José C lemente Pozenato Ilustração

Enio S queff


Copyright © 2014 by José Clemente Pozenato (tradução) Direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19.02.1998. É proibida a reprodução total ou parcial sem autorização, por escrito, das editoras.

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (cip) (Câmara Brasileira do Livro, sp, Brasil) Petrarca, Francesco Cancioneiro / Francesco Petrarca; tradução José Clemente Pozenato; ilustração Enio Squeff. – Cotia, SP: Ateliê Editorial; Campinas: Editora da Unicamp, 2014. – (Coleção Clássicos Comentados) isbn  978-85-7480-679-2 (Ateliê Editorial) isbn 978-85-268-1217-8 (Editora da Unicamp) Título original: Canzoniere. 1. Poesia italiana  i. Squeff, Enio.  ii. Título.

14-10557

cdd-851 Índices para catálogo sistemático: 1. Poesia: Literatura italiana   851

Direitos reservados à

ateliê editorial

editora da unicamp

Estrada da Aldeia de Carapicuíba, 897 06709-300 – Cotia – sp – Brasil Tel./fax: (11) 4612-9666 www.atelie.com.br contato@atelie.com.br

Rua Caio Graco Prado, 50 Campus Unicamp – cp 6074 13083-892 – Campinas – sp – Brasil Tel./fax: (19) 3521-7718 / 7728 www.editora.unicamp.br vendas@editora.unicamp.br

Impresso no Brasil  2014 Foi feito o depósito legal


Sumário

Petrarca: O Poeta que Nunca Morreu – Armindo Trevisan  . . . . 13

XVIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55

Vida e Obra de Petrarca  . . . . . . . . . 25

XX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57

XIX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57 XXI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59

Cancioneiro  . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37

XXII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59

I. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39

XXIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61

II. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39

XXIV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71

III . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41

XXV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71

IV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41

XXVI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73

V. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43

XXVII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73

VI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43

XXVIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75

VII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45

XXIX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81

VIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45

XXX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85

IX . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47 X. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47

XXXI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87

XI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49

XXXIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89

XII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49

XXXIV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89

XIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51

XXXV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91

XIV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51

XXXVI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91

XV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53

XXXVII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93

XVI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53

XXXVIII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99

XVII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55

XXXIX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99

XXXII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87


cancioneiro

XL. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101

LXXIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151

XLI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101

LXXIV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155

XLII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103

LXXV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157

XLIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103

LXXVI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157

XLIV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105

LXXVII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159

XLV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105

LXXVIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159

XLVI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107

LXXIX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161

XLVII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107

LXXX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161

XLVIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109

LXXXI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163

XLIX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109

LXXXII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165

L . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111

LXXXIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165

LI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115

LXXXIV (Soneto 63) . . . . . . . . . . 167

LII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115

LXXXV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 167

LIII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117

LXXXVI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 169

LIV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121

LXXXVII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 169

LV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123

LXXXVIII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 171

LVI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123

LXXXIX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 171

LVII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125

XC. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173

LVIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125

XCI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173

LIX (Balada 4). . . . . . . . . . . . . . . 127

XCII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 175

LX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127

XCIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 175

LXI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129

XCIV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 177

LXII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129

XCV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 177

LXIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131

XCVI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179

LXIV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131

XCVII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179

LXV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133

XCVIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181

LXVI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133

XCIX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181

LXVII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135

C. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 183

LXVIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137

CI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 183

LXIX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137

CII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 185

LXX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139

CIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 185

LXXI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141

CIV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 187

LXXII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147

CV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 187 8


cancioneiro

CVI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 191

CXXXIX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 251

CVII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193

CXL. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 251

CVIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193

CXLI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 253

CIX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 195

CXLII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 253

CX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 195

CXLIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 255

CXI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 197

CXLIV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 257

CXII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 197

CXLV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 257

CXIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 199

CXLVI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 259

CXIV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 199

CXLVII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 259

CXV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 201

CXLVIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 261

CXVI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 201

CXLIX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 261

CXVII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203

CL. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 263

CXVIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203

CLI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 263

CXIX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 205

CLII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 265

CXX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 209

CLIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 265

CXXI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 211

CLIV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 267

CXXII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 211

CLV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 267

CXXIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 213

CLVI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 269

CXXIV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 213

CLVII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 269

CXXV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 215

CLVIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 271

CXXVI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 219

CLIX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 271

CXXVII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 221

CLX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 273

CXXVIII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 227

CLXI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 273

CXXIX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 233

CLXII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 275

CXXX . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 237

CLXIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 275

CXXXI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 239

CLXIV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277

CXXXII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 239

CLXV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277

CXXXIII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 241

CLXVI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 279

CXXXIV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 241

CLXVII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 279

CXXXV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 243

CLXVIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281

CXXXVI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 247

CLXIX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281

CXXXVII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 249

CLXX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 283

CXXXVIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 249

CLXXI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 283 9


cancioneiro

CLXXII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 285

CCV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 317

CLXXIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 285

CCVI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 319

CLXXIV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 287

CCVII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 321

CLXXV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 287

CCVIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 327

CLXXVI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 289

CCIX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 327

CLXXVII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 289

CCX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 329

CLXXVIII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 291

CCXI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 329

CLXXIX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 291

CCXII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 331

CLXXX . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 293

CCXIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 331

CLXXXI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 293

CCXIV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 333

CLXXXII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 295

CCXV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 335

CLXXXIII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 295

CCXVI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 335

CLXXXIV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 297

CCXVII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 337

CLXXXV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 297

CCXVIII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 337

CLXXXVI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 299

CCXIX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 339

CLXXXVII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 299

CCXX . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 339

CLXXXVIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 301

CCXXI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 341

CLXXXIX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 301

CCXXII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 341

CXC. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 303

CCXXIII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 343

CXCI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 303

CCXXIV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 343

CXCII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 305

CCXXV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 345

CXCIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 305

CCXXVI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 345

CXCIV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 307

CCXXVII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 347

CXCV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 307

CCXXVIII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 347

CXCVI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 309

CCXXIX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 349

CXCVII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 309

CCXXX . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 349

CXCVIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .311

CCXXXI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 351

CXCIX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 311

CCXXXII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 351

CC. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 313

CCXXXIII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 353

CCI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 313

CCXXXIV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 353

CCII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 315

CCXXXV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 355

CCIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 315

CCXXXVI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 355

CCIV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 317

CCXXXVII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 357 10


cancioneiro

CCXXXVIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 359

CCLXIX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 401

CCXXXIX . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 359

CCLXX . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 403

CCXL. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 361

CCLXXI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 409

CCXLI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 363

CCLXXII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 409

CCXLII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 363

CCLXXIII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 411

CCXLIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 365

CCLXXIV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 411

CCXLIV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 365

CCLXXV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 413

CCXLV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 367

CCLXXVI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 413

CCXLVI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 367

CCLXXVII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 415

CCXLVII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 369

CCLXXVIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 415

CCXLVIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 369

CCLXXIX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 417

CCXLIX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 371

CCLXXX . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 417

CCL. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 371

CCLXXXI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 419

CCLI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 373

CCLXXXII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 419

CCLII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 373

CCLXXXIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 421

CCLIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 375

CCLXXXIV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 421

CCLIV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 375

CCLXXXV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 423

CCLV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 377

CCLXXXVI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 423

CCLVI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 377

CCLXXXVII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 425

CCLVII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 379

CCLXXXVIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . 425

CCLVIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 379

CCLXXXIX . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 427

CCLIX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 381

CCXC. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 427

CCLX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 381

CCXCI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 429

CCLXI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 383

CCXCII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 429

CCLXII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 383

CCXCIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 431

CCLXIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 385

CCXCIV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 431

CCLXIV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 385

CCXCV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 433

CCLXV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 393

CCXCVI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 433

CCLXVI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 393

CCXCVII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 435 CCXCVIII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 435

Depois da Morte de Laura…. . . 395

CCXCIX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 437

CCLXVII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 397

CCC. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 437

CCLXVIII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 397

CCCI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 439 11


cancioneiro

CCCII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 439

CCCXXXV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 485

CCCIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 441

CCCXXXVI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 485

CCCIV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 441

CCCXXXVII. . . . . . . . . . . . . . . . . . 487

CCCV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 443

CCCXXXVIII. . . . . . . . . . . . . . . . . 487

CCCVI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 443

CCCXXXIX. . . . . . . . . . . . . . . . . . 489

CCcVII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 445

CCCXL. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 489

CCCVIII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 445

CCCXLI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 491

CCCIX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 447

CCCXLII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 491

CCCX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 447

CCCXLIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 493

CCCXI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 449

CCCXLIV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 493

CCCXII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 449

CCCXLV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 495

CCCXIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 451

CCCXLVI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 495

CCCXIV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 451

CCCXLVII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 497

CCCXV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 453

CCCXLVIII . . . . . . . . . . . . . . . . . . 497

CCCXVI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 453

CCCXLIX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 499

CCCXVII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 455

CCCL. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 499

CCCXVIII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 455

CCCLI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 501

CCCXIX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 457

CCCLII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 501

CCCXX (Soneto 279). . . . . . . . . . 457

CCCLIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 503

CCCXXI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 459

CCCLIV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 503

CCCXXII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 459

CCCLV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 505

CCCXXIII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 461

CCCLVI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 505

CCCXXIV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 465

CCCLVII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 507

CCCXXV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 465

CCCLVIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 507

CCCXXVI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 471

CCCLIX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 509

CCCXXVII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 471

CCCLX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 513

CCCXXVIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 473

CCCLXI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 521

CCCXXIX . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 473

CCCLXII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 521

CCCXXX. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 475

CCCLXIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 523

CCCXXXI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 475

CCCLXIV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 523

CCCXXXII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 479

CCCLXV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 525

CCCXXXIII. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 483

CCCLXVI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 525

CCCXXXIV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 483 12


Petrarca: O Poeta que Nunca Morreu Armindo Trevisan

I Grande privilégio do Brasil é dispor de uma História da Literatura Ocidental, em nada inferior às melhores que existem nas grandes tradições literárias do Ocidente. Referimo-nos à monumental obra de Otto Maria Carpeaux, recentemente reeditada em quatro volumes1. Comecemos, pois, por essa iniciação, se realmente desejamos saber algo de preciso e penetrante a respeito do gênio renascentista, que o historiógrafo definiu nos seguintes termos: […] universal como Goethe, poeta, erudito, diplomata e, mais do que tudo, homem privado, vivendo as suas paixões pessoais e, no fundo, só vivendo para o aperfeiçoamento de sua formação pessoal. O amor de madonna Laura, o estudo da Antiguidade e os esforços do diplomata em favor da restauração italiana da Igreja exilada são os polos de sua vida movimentada, entre muitas viagens, dezesseis anos de solidão em Vaucluse, coroação do poeta no Capitólio e a morte em Arquá. Para a posteridade, o acontecimento mais impressionante da sua vida é a subida ao Mont Ventoux, perto de Avignon, no dia 26 de abril de 1336; de lá, olhou profundamente comovido, para a paisagem, e depois abriu as Confissões, de Santo Agostinho, lendo a grave advertência de que a verdade não se encontra nas montanhas, planícies e mares, mas dentro da alma. Para nós, modernos, aquele dia significa a descoberta do sentimento da natureza

   1. Otto Maria Carpeaux, História da Literatura Ocidental, São Paulo, Leya, 2012.

13


cancioneiro

e da independência da alma. Petrarca não viu, do alto da montanha, esse panorama do futuro. Viu os lugares onde passava a sua amada, viu a cidade na qual a religião estava encarcerada, viu a Itália longínqua […]2.

Sopra algo de épico nessa abreviada nota biográfica do erudito austríaco-brasileiro. Sejamos, porém, ainda mais humildes: deixemo-nos guiar por esse Virgílio naturalizado, o qual, com admirável economia verbal, como uma abelha diligente resumiu dez mil flores numa gota de mel, delineando-nos o retrato fiel de Petrarca: 1. sendo católico, o poeta foi um dos precursores da Reforma, enfeixando na sua pessoa uma combinação original de intelectual moderno e de asceta medieval, o que lhe permitiu ser “o primeiro poeta inteiramente pessoal das literaturas modernas”, o “primeiro poeta em que existem só motivos psicológicos, sem intervenção do sobrenatural”, portanto, “um grande revolucionário”3; 2. a poesia de Petrarca, aparentemente, “parece a mais gasta do mundo, pois as suas expressões e metáforas foram mil vezes repetidas e imitadas em todas as línguas, e qualquer dos seus versos nos lembra imediatamente outros versos que já conhecíamos. A poesia petrarquesca virou imenso lugar-comum. Mas Petrarca não é petrarquista. O seu amor é paixão sincera, e o Canzionere constitui um grande drama de amor, ou antes uma epopeia psicológica coerente: da Sexta-Feira Santa, na qual viu Laura pela primeira vez, até os dias da velhice […]” 4; 3. em síntese: Petrarca “é o primeiro poeta lírico moderno e – o superlativo se justifica – o mais original de todos os poetas líricos da literatura universal. Apenas é preciso lê-lo sem comentário histórico e gramatical e sem preconceitos […]5.

Nosso Prefácio poderia ter aqui seu ponto final, acrescido talvez de uma derradeira recomendação ao leitor: saboreie até ao fim o texto de Carpeaux! Ou seja: leia tudo o que ele escreveu a respeito do poeta entre as páginas 237 e 242 do volume primeiro de sua História da Literatura Ocidental.

II Às palavras de Carpeaux juntamos o seguinte adendo: feliz do leitor que é capaz de entender o que acontece, em geral, com todos os gênios, inclusive com o maior deles, Dante.

 2. Idem, p. 238.  3. Idem, pp. 238-239.  4. Idem, p. 239.  5. Idem, p. 240.

14


cancioneiro

Primeiro eles morrem. Em seguida são enterrados, acompanhados com certa fre­ quência de epitáfios retumbantes. Depois, são soterrados pelos historiadores de literatura e críticos de todas as escolas. Quem é capaz de tirá-los de seus sepulcros, de oferecer-lhes uma migalha da Ressurreição de Cristo? Apesar dos pesares, Petrarca está vivo. As toneladas de flores, que lhe jogaram sobre o corpo, e sobre a obra, apodreceram: sua celebridade é imperecível. É preciso, todavia, aproximar-se dele com respeito e carinho. Deixá-lo que desperte por si, que até boceje um pouco. E que depois nos diga: “Estou à disposição de vocês. Talvez, à sombra de uma ramada possamos falar sobre poesia, e recitar algum de meus poemas. Vocês, por acaso, leram o que escrevi na minha Carta à Posteridade? Vou lembrar-lhes breve trecho, para que me conheçam melhor: A minha inteligência é semelhante ao meu corpo: confia mais na agilidade do que na força; por isso idealizei com grande facilidade projetos que depois abandonei devido à dificuldade de execução. A minha maneira de falar é clara e eficaz, segundo dizem alguns; na minha opinião, débil e obscura. Na verdade, ao falar com amigos e parentes nunca me passou pela cabeça aprimorar a arte de dizer. […] Não dou importância à forma como me exprimi, desde que tenha vivido bem: é uma glória efêmera procurar a fama só no deslumbramento das palavras”6.

III Petrarca foi uma personalidade original. Sua originalidade manifesta-se, desde a juventude, quando resolveu trocar seu nome de batismo, Francesco di Petracco, pela versão mais sonora de seu sobrenome: Francesco Petrarca. Embora não tenhamos a pretensão de pormenorizar sua vida, nem deter-nos na sua formação acadêmica, sabemos que o pai, abastado tabelião, lha proporcionou. O poeta, que nascera em Arezzo em 1304, viveu durante algum tempo em Carpentras, a vinte quilômetros de Avignon, que naquela época era sede do Papado. Ser Petracco, o pai do poeta, decidira deixar a Itália, para integrar-se nos ambientes juristas que gravitavam em torno dos Cardeais da Cúria Pontifícia no exílio de França. Em Montpellier, durante quatro anos (de 1316 a 1320) o poeta dedicou-se ao estudo do direito civil, que não o cativou. Logo depois, de 1320 a 1326, na Universidade de Bolonha, o poeta iniciou-se no estudo dos clássicos latinos.

  6. Citado em Petrarca, Lisboa, Verbo, 1983, p. 5 (Coleção Gigantes da Literatura Universal).

15


cancioneiro

Com a morte do pai, o poeta e seu irmão caçula Gherardo regressaram a Avignon, e ali, eufóricos com a fortuna deixada pelo pai, dilapidaram os bens herdados. Segundo um autor: em Avignon, “para se darem ares”, os dois irmãos começaram a escrever versos de amor. Foi então que um raio fulminou o coração juvenil do poeta: no dia 6 de abril de 1327, na igreja local de Santa Clara, ele teve uma espécie de visão: a de uma jovem loura de dezoito anos. A generalidade dos biógrafos afirma que o poeta “se apaixonou por ela”. A moça chamava-se Laura, e era filha de Audiberto de Noves, um burguês rico, estando casada com Hugo de Sade. Daquela manhã de abril em diante, o poeta vai dedicar a Laura todas as líricas de amor de sua existência. Essas líricas constituem o Cancioneiro. Como, porém, mesmo naquela época, não era possível viver de poesia, Petrarca e seu irmão Gherardo encontram um primeiro emprego como clérigos, na residência de um bispo, amigo da família, Giacomo Colonna. Algum tempo depois, o poeta passou ao serviço do cardeal Giovanni Colonna, na condição de capelão da família, com direito a benefícios eclesiásticos, porém sujeito a certas obrigações como o celibato e a recitação do ofício. O poeta, devido à sua alta cultura, foi várias vezes solicitado a aceitar cargos eclesiásticos mais rendosos, como o primeiro cargo da Cúria em Avignon, e o de secretário apostólico nessa mesma corte. De 1330 a 1337, o poeta esteve ao serviço do cardeal Colonna. Devido a tal patrocínio, pôde fazer viagens importantes pela Europa: Paris, Liège, Colônia, e outras cidades. Nessa época revelou uma de suas vocações humanistas: a de colecionador de manuscritos antigos. Descobriu, entre outros tesouros, dois discursos inéditos de Cícero. Chamado a Roma por seu protetor, Petrarca recebeu forte impacto diante das ruínas romanas. Teve, porém, de regressar a Avignon, onde preparou a primeira edição crítica das obras do historiador romano Tito Lívio. Esclareçamos um ponto: o poeta nunca foi além das ordens menores ecle­ siásticas. Por essa razão, ninguém estranhou que tivesse relacionamentos amorosos, sem no entanto afamilhar-se. Por volta dos 33 anos, conheceu uma avinhonense, que lhe deu um filho, que se chamou Giovanni. Tempos depois, de outro relacionamento, teve uma filha, de nome Francesca, que viria a ser a consolação de sua velhice. O filho Giovanni acarretou-lhe muitos transtornos. Nunca se estabilizou. Não obstante, o poeta não foi um progenitor faltoso, alheio às preocupações pelo filho. Mais tarde, até, esse filho, após uma vida aventurosa, acabou reconciliando-se com o pai. Morreu em Milão, vítima da peste. 16


cancioneiro

IV Personalidade singular, Petrarca dedicava-se ao hobby da jardinagem. Divertia-se com experimentos agrícolas, cujos resultados anotava nas páginas em branco de seu códice De Agricultura, de Paládio. Numa de suas notas, de 1348, refere-se a uma transplantação de videiras executada no jardim de sua casa em Parma. Quando Boccaccio o visitou, em Milão, este chegou a ajudá-lo numa faina semelhante no Horto de Santo Ambrósio. Durante o trabalho, os dois escritores discutiram temas como a publicação do poema África, do próprio Petrarca, a tradução de Homero, realizada por Leonzio Pilato, ou a poesia de Dante. Talvez a maioria dos leitores ignore que Petrarca foi o primeiro colecionador europeu de moedas antigas, o verdadeiro fundador da Numismática.

V É hora de abordarmos o objeto maior de nosso interesse, o Cancioneiro. A coletânea compõe-se de 366 poemas, assim divididos: a. 317 sonetos; b. 29 canções; c. 9 sextinas (uma delas dupla); d. 7 baladas; e. 4 madrigais. O poeta denominou o Cancioneiro de “Rimas Esparsas”. Trata-se de poemas escritos nos intervalos de seus estudos, talvez, até, como observam autores, enquanto dedilhava seu alaúde. No Cancioneiro não existem personagens. Não há enredo nele. O que aparece nele é a aventura sentimental e poética de Petrarca, segundo uma linha evolutiva con­tínua. Pode-se, sob vários aspectos, aproximar o Cancioneiro da Vida Nova de Dante 7. O que caracteriza a coletânea é exatamente aquilo que Carpeaux destacava no texto que citamos inicialmente: o sentimento da Natureza e a independência da alma. Talvez pudéssemos qualificar a “independência da alma” de Carpeaux de inquietação existencial (ou “existencialista”). O Cancioneiro é um viveiro de emoções, paixões, confissões, análises, com todos os tons da angústia amorosa. Nele domina uma presença obsessiva.   7. Christian Bec, Fundamentos de Literatura Italiana, tradução de Mario da Silva, Rio de Janeiro, Zahar, 1984, pp. 81 e ss.

17


cancioneiro

Mas quem era Laura, afinal? Aqui podem esclarecer-nos as análises do grande estudioso italiano, Francesco De Sanctis. Segundo esse historiador, Petrarca foi “o poeta de si mesmo”8. Ao contrário de Dante, que ergueu Beatriz à altura do Universo, Petrarca trouxe Laura às dimensões de seu próprio universo. Fez de Laura seu entorno psíquico. Crescido no meio das tradições provençais, ao pé do amor cortês, o poeta faz questão que todos saibam que o seu amor não é vulgar, nem sensual, mas fruto de uma amizade de natureza espiritual. As declarações, porém, de Petrarca não convencem o leitor. O poeta está por demais aferrado ao corpo de uma mulher, à sua tábua de náufrago. É essa imagem – diz De Sanctis – “que lhe aquece a imaginação”9. No fundo do Cancioneiro, existe um impasse: Petrarca quer ser anjo, mas consegue apenas ser animal… Sem dúvida, um animal que se obstina a faire l’ange, como diria Pascal. Seu Cancioneiro pode dar ao leitor a impressão de monotonia e insipidez. É que a paixão do poeta é excessivamente literária para ser paixão, e excessivamente amorosa para incandescer os versos. Dor de cotovelo? Em linguagem de jargão, sim, mas convenhamos: trata-se de uma grandíssima, de uma sublime dor de cotovelo. No entanto, embora atazanado pelos sentidos, o poeta insiste em manter o chumbo nos pés. Sem abrir mão das asas! Disso resulta, no Cancioneiro, uma malícia ubíqua, que levará mais tarde Lorenzo da Ponte à canção de Cherubino nas Bodas do Figaro: Non so più cosa son, cosa faccio,

Não sei o que sou, o que faço,

or di fuoco, ora son di ghiaccio,

ora sou de fogo, ora de gelo,

ogni donna cangiar di colore,

toda mulher muda de cor,

ogni donna mi fa palpitar.

toda mulher me faz palpitar.

Solo ai nomi d’amor, di diletto,

Ao só nome de amor, de afeto,

mi si turba, mi s’altera il petto

se perturba, se altera o peito

e a parlare mi sforza d’amore

e me força a falar de amor

un desio ch’io non posso spiegar.

um desejo que não posso explicar.

De Sanctis – a despeito do ditado: “Toda comparação é odiosa” – estabelece um paralelo com Dante. Dante sai com vantagens de tal paralelo, mas a Petrarca também é reconhecida sua parte.

  8. Francesco De Sanctis, Storia della Letteratura Italiana, Roma, Newton Compton Editor, 1993, p. 181.  9. Idem, p. 182.

18


cancioneiro

O problema é que Dante fecha um ciclo, e Petrarca abre outro. Dante é um peixe que nada no oceano imenso da Fé e da Arte Cristã, ao passo que Petrarca é um ser dividido, uma impressionante ilustração do homem de São Paulo: “Sinto uma coisa, e faço outra”. Petrarca é um homem que não crê na imaginação da fé, mas na própria imaginação. Por isso Petrarca não se refugia, como Beatriz e Dante, no círculo da Santíssima Trindade. Prefere seu círculo de giz caucasiano, o dos sentimentos e emoções da existência terrestre. Eis por que a poesia de Dante possui uma força de inspiração pessoal dentro da literatura cristã, ao passo que a poesia de Petrarca é a de um pavão que ostenta sua cauda multicolorida. O verso de Dante é palpável, sólido, tem a firmeza de um tetrágono. O de Petrarca é movediço, multicor, uma festa contínua para o ouvido, como se o autor desejasse seduzir o leitor mediante melodias hipnotizadoras. Daí, também a observação perspicaz de De Sanctis, que contrapõe a alegria de Dante à melancolia de Petrarca. Melancolia que, doravante, não se separará jamais da poesia ocidental. Dante jamais chora, ou se chora, será de felicidade ou raiva. Petrarca cultiva seu choro, faz questão de adornar suas lágrimas, exibe a todos seu lenço de cambraia onde enxuga as lágrimas que derrama “à morte de Laura”. Outra reflexão interessante de De Sanctis: ao mundo realista, concreto, no qual os próprios demônios dantescos são anatômicos – como os de Signorelli em Orvieto – Petrarca contrapõe um mundo abstrato, retórico, sofisticado, admitido pelo intelecto, mas recusado pelo coração. Um mundo condenado pela imaginação10. Podemos, pois, dizer que, com Petrarca, já estamos em Baudelaire. Talvez o único que não se enquadre no seu mundo, dentre os pioneiros da poesia moderna, seja Walt Whitman, um neopagão.

VI Ao abordarmos uma nova tradução, é questão de justiça reconhecer o que fizeram os tradutores que precederam o atual. Nós, brasileiros, devemos reconhecer o trabalho de Jamil Almansur Haddad que, em 1944, trouxe ao conhecimento dos brasileiros – numa versão incompleta –,­ um segmento essencial do Cancioneiro.

10. Idem, p. 192.

19


cancioneiro

Haddad, nessa obra, começa por salientar o quanto a poesia lírica portuguesa deve a Petrarca: Antes do lirismo petrarquiano, a própria poesia provençal, conforme o ensinamento de Teófilo Braga, chegara a Portugal como uma irradiação da doce Península Itálica. A poesia lírica portuguesa é rebento das entranhas da Itália, é leite mamado em seus peitos divinos. Glória, pois, à Itália jovem e eterna, mãe de doçura, deusa prolífica, manancial inexausto da inefável poesia cujos acentos de dor e acalanto ela fez estremecer em Portugal poetas que a princípio se chamaram Sá de Miranda, Antônio Ferreira e Luís de Camões, e em toda a lírica portuguesa que veio depois, assim como na brasileira quando o Brasil ainda era Portugal. As raízes de nosso lirismo menos do que em elementos tradicionais ou autóctones devem ser buscadas na Itália, e sobretudo em Petrarca. O ameno e amargo cantor de Laura de Noves está na poesia lírica lusitana dos séculos XVI e XVII, como o sangue está no coração do homem. E está no lirismo brasileiro como uma presença mais esbatida é verdade, porém inapagável. Laura palpita e estremece no seio de Marília, assim como vibra na sua quase homônima, a Glaura do dulçoroso Silva Alvarenga11.

Após tão lúcida introdução, o tradutor lembra que o grande Camões não pode ser entendido sem a influência que sobre ele teve Petrarca. Aponta, inclusive, alguns sonetos em que Camões imitou de perto o gênio italiano. Haddad não receia afirmar: “[…] alguns sonetos, que vulgarmente se pensa serem de Luís de Camões, em rigor não passam de paráfrases de sonetos de Petrarca”12. Menciona algumas dessas paráfrases, isto é, os sonetos camonianos que principiam com os versos I. Tanto de meu estado me acho incerto; II. Se as penas com que Amor tão mal me trata; III. Vós que escutais em rimas derramado.

O autor sugere que se comparem tais textos aos originais italianos de Petrarca, que na sua tradução figuram nas páginas: 94-95; 38-39; 34-35.

11. Petrarca, Cancioneiro (em italiano e português), tradução, introdução e notas de Jamil Almansur Haddad, Rio de Janeiro, Technoprint Gráfica, 1967, pp. 13-14. 12. Idem, p. 16.

20


cancioneiro

Não se trata de comparar um tradutor com outro, para decidir o troféu em favor do tradutor de nosso agrado. Em última análise, quando se busca a presença de Petrarca na poesia de língua portuguesa, a única referência lembrada é a de Camões. Todos os outros tradutores deverão dar-se as mãos, amparar-se mutuamente, até que a língua portuguesa no Brasil encontre um tradutor-mor que, por assim dizer, aproveite o esforço de todos os que o precederam, e nos ofereça um buquê definitivo, no qual se insiram os melhores achados de todas as versões anteriores.

VII Que diremos da tradução de José Clemente Pozenato? O poeta, ensaísta e ficcionista gaúcho dedicou a ela mais de cinco anos de trabalho. Só esse dado bastaria para torná-la memorável, num país onde tudo é feito às pressas. Pozenato, primeiramente, procurou embeber-se do estilo petrarquiano. A seguir, tentou algo dificílimo: encontrar uma espécie de coloquialidade, que fosse capaz de preservar a musicalidade do idioma original, sua doçura acústica e, a par dela, certa “pseudononchalance” que é, na verdade, uma conaturalidade disfarçada. Dentro do possível, pois, Pozenato conseguiu achados coloquiais extraordinários. Graças a eles, não lhe foi necessário apelar para “acrobacias” linguísticas, ou para outros recursos discutíveis, como fórmulas arcaicas. Dentro, porém, do contexto da versão, algumas fórmulas desusadas servem para recordar aos leitores que a elaboração dos poemas de Petrarca ocorreu numa época distante da nossa. Tais arcaísmos, aliás raros, emprestam à tradução de Pozenato, por vezes, um como charme “arqueológico”. O mérito principal do tradutor, em nossa opinião, foi “trazer os poemas de Petrarca ao nosso tempo” – ao asfalto e agitação de nossas avenidas e shoppings. Pessoalmente, fiquei pasmado com muitas das soluções líricas que ele deu aos versos de Petrarca. Diria, até, que a pedra de toque de sua tradução consistiu em ter tornado o poeta nosso contemporâneo – ou tão contemporâneo quanto lhe foi possível. Ainda que toda comparação, como já adverti, seja odiosa, damos ao leitor uma oportunidade de cotejo. Compare-se a versão, sob muitos aspectos digna e apreciável, de Jamil Almansur Haddad, do primeiro soneto do Cancioneiro, com a tradução que nos propõe Pozenato. Reproduzimos as duas versões: 21


cancioneiro

A. Versão de Jamil Almansur Haddad:

B. Versão de José Clemente Pozenato:

Vós que escutais em rimas espalhado

Vós que escutais em rima esparsa o coro

Deste meu peito o suspirado ardor

dos suspiros com que eu meu ser nutria,

E que o nutria ao juvenil error

naquele erro em que jovem me perdia,

Quando era mui diverso o meu estado;

quando outro eu era do que sou, e coro:

O incerto estilo por que eu hei variado

no vário estilo em que razoo e choro

Entre a vã esperança e o vão temor,

entre esperanças vãs, vã agonia,

Se vós houverdes entendido amor

onde haja quem do amor provou a via,

Terá vossa piedade despertado.

se não o seu perdão, piedade imploro.

Vejo que a todos meu amor assim

Mas bem percebo que de todo o povo

Quase sempre foi fábula somente.

fui muito tempo fábula, e frequente

E agora eu de mim mesmo me envergonho.

de mim mesmo comigo me envergonho:

De minha vida vã vergonha é o fim

do divagar, vergonha é o fruto novo,

E o arrepender-se e o ver mui claramente

e o arrepender-me, e o ver bem claramente

Que quanto apraz ao mundo é breve sonho.

que quanto agrada ao mundo é breve sonho.

Não se pretende que a versão de Pozenato seja, a rigor, “superior” à de Had­ dad! Pretendemos, apenas, que a versão de Pozenato é outra. Pretendemos que ela possui outro gosto. Haddad pode satisfazer o paladar de pessoas que preferem vagas ressonâncias camonianas, que, por assim dizer, se deliciam com o rumor de búzios que evocam os “clássicos”. Pozenato empenha-se em conferir a Petrarca uma proximidade com a poesia moderna. Seu projeto remete a outro tipo de leitura. Uma leitura mais flexível, mais ágil, ou – vá lá um termo de moda – mais palatável. Literalidade? Sem dúvida, esta foi uma das obsessões de Pozenato. Mas o tradutor apercebeu-se de que a verdadeira literalidade precisa, no mínimo, de borrifos de traição, no melhor sentido do famoso jogo de palavras: tradutto­ re-traditore. Assombrou-me, ainda, não ter Pozenato prescindido da métrica e das rimas. Imaginem o que isso significou, em termos de engenharia verbal, ao poeta! Há ocasiões em que a tradução de Pozenato se reveste de uma delicadeza encantadora. Por exemplo, o final da Canção XXXVI: Canção, se em doce sítio a nossa dona vês, creio eu que tu crês

22


cancioneiro

que ela te estenderá a bela mão, que as minhas longe estão; não a toques; mas reverente aos pés diz-lhe que irei o mais cedo que posso como espírito nu ou em carne e osso.

Impressiona o número de rimas que Pozenato conseguiu tornar “modernas” aos leitores. Nas traduções correntes, as rimas, em geral, têm qualquer coisa de um sabor de iguarias guardadas num refrigerador… As rimas de Pozenato, ao contrário, não forçam os leitores a adaptar-se a sabores pretéritos: são, por vezes, de um frescor de hortaliças trazidas da própria horta. Não temos a pretensão de analisar, detalhadamente, o conjunto da tradução de Pozenato. Queremos, apenas, valorizá-la, lembrar aos leitores brasileiros que não é sempre que nos é dado topar com um tradutor de tão elevado gabarito. Com a tradução de Pozenato, os brasileiros poderão ler o Cancioneiro de Petrarca, com novos olhos, e sobretudo com novos ouvidos. Só o fato de nos ter possibilitado nova leitura – que não “corrige” outras já publicadas, nem se sobrepõe a elas – faz com que devamos saudar o trabalho de Pozenato como uma espécie de milagre de bom gosto. Cabe aos leitores, agora, experimentá-la. Cabe ao público torná-la uma presença poética atual, uma vez que Petrarca merece que o revisitemos, isto é, que o reencontremos na poesia contemporânea, onde ele continua, ubiquamente ativo, embora mais como um fantasma venerado do que como um gênio, cujas mãos – como as mãos de Haydn que Beethoven beijou após a estreia de seu oratório A Criação – merecem ser beijadas.

23

Cancioneiro  

Cancioneiro

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you