Page 1

Trabalhadores do mundo

Trabalhadores do mundo.indb 1

16/10/2013 14:19:04


universidade estadual de campinas Reitor José Tadeu Jorge Coordenador Geral da Universidade Alvaro Penteado Crósta

Conselho Editorial Presidente Eduardo Guimarães Esdras Rodrigues Silva – Guita Grin Debert João Luiz de Carvalho Pinto e Silva – Luiz Carlos Dias Luiz Francisco Dias – Marco Aurélio Cremasco Ricardo Luiz Coltro Antunes – Sedi Hirano

Trabalhadores do mundo.indb 2

16/10/2013 14:19:04


Marcel van der Linden

trabalhadores do mundo Ensaios para uma histĂłria global do trabalho

Tradução Patricia de Queiroz Carvalho Zimbres

Trabalhadores do mundo.indb 3

16/10/2013 14:19:04


Grafia atualizada segundo o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990. Em vigor no Brasil a partir de 2009.

ficha catalográfica elaborada pelo sistema de bibliotecas da unicamp diretoria de tratamento da informação L642t

Linden, Marcel van der, 1952Trabalhadores do mundo: Ensaios para uma história global do trabalho / Marcel van der Linden; tradução: Patricia de Queiroz Carvalho Zimbres. –Campinas, sp: Editora da Unicamp, 2013. 1. Trabalhadores – História. 2. Trabalho – História. 3. Movimento trabalhista – História. 4. Sindicatos – História. 5. Política de trabalho – História. 6. Trabalho – Discursos, ensaios, conferências. I. Patricia Zimbres. II. Título.

cdd 331.109 331.09 322.209 331.8809 331.1209 isbn 978-85-268-1036-5 331 Índices para catálogo sistemático:

1. Trabalhadores – História 2. Trabalho – História 3. Movimento trabalhista – História 4. Sindicatos – História 5. Política de trabalho – História 6. Trabalho – Discursos, ensaios, conferências

331.109 331.09 322.209 331.8809 331.1209 331

Título original: Workers of the world: essays toward a global labor history Copyright © by Marcel van der Linden Copyright © 2013 by Editora da Unicamp Direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19.2.1998. É proibida a reprodução total ou parcial sem autorização, por escrito, dos detentores dos direitos. Printed in Brazil. Foi feito o depósito legal. Direitos reservados à Editora da Unicamp Rua Caio Graco prado, 50 – Campus Unicamp cep 13083-892 – Campinas – sp – Brasil Tel./Fax: (19) 3521-7718/7728 www.editora.unicamp.br – vendas@editora.unicamp.br

00 Iniciais.indd 4

21/10/2013 15:31:30


Agradecimentos

Escrever os ensaios reunidos neste volume e prepará-los para publicação implicou a colaboração de muitos amigos, nacionais e internacionais, a quem quero expressar minha sincera gratidão. Como sempre, só tive a lucrar com as discussões inspiradoras com meus colegas do Instituto Internacional de História Social de Amsterdã, no qual, até onde sei, o conceito de “História Global do Trabalho” foi inventado. Mike Hanagan, Jeffrey Harrod, Lex Heerma van Voss, Jaap Kloosterman, Jan Lucassen e Alice Mul reservaram tempo para ler grandes partes do manuscrito. Eles me auxiliaram também com seus muitos comentários especializados e suas sugestões para o aperfeiçoamento do trabalho. Além disso, os seguintes acadêmicos criticaram trechos do texto e, em conversas e discussões, me inspiraram para novas ideias: Eva Abraham, Ravi Ahuja, Peter Alexander, Shahis Amin, Touraj Atabaki, Vinay Bahl, Gopalan Balachandran, Jairus Banaji, Claudio Batalha, Rana Behal, Sabyasachi Bhattacharya, Ulbe Bosma, Tom Brass, Jan Breman, Carolyn Brown, Hans de Beer, Guglielmo Carchedi, Sidney Chalhoub, Mel Dubofsky, Angelika Ebbinghaus, Babacar Fall, Dick Geary, John French, Jim Hagan, Dirk Hoerder, Karin Hofmeester, Richard Hyman, Citra Joshi, Amarjit Kaur, Andrea Komlosy, Jürgen Kocka, Thomas Kuczynski, Val Moghadam, Prabhu Mohapatra, David Montgomery, Rafael Ortiz, Richard Price, Marcus Rediker, Magaly Rodriquez, Karl Heinz Roth, Ratna Saptari, Vicent Sanz, Bruce Scates, Samita Sen, Bob Slenes, Alessandro Stanziani, Jan Willem Stutje, Abram de Swaan, Sjaak van der Velden, Eise van Nederveen Meerkerk, Willem van Schendel,

Trabalhadores do mundo.indb 5

16/10/2013 14:19:04


Adrian Vickers, Peter Waterman e Andrew Wells. Leon Fink sugeriu o título. A Introdução e os capítulos de 1 a 5, 9 e de 11 a 13 baseiam-se, em maior ou menor grau, em textos anteriormente publicados por mim em African Studies, 66, 2-3 (ago.-dez. 2007), pp. 169-80; Sabyasachi Bhattacharya e Jan Lucassen (eds.), Workers in the Informal Sector. Studies in Labour History 1800-2000 (Delhi [etc.], Macmillan India, 2005), pp. 21-44; Tom Brass e Marcel van der Linden (eds.), Free and Unfree Labour: The Debate Continues (Berna, Peter Lang, 1997), pp. 501-23; M. Erdem Kabadayi e Tobias Reichardt (eds.), Unfreie Arbeit. Ökonomische und kulturgeschichtliche Perspektiven (Hildesheim/Zurique/Nova York, Georg Olms Verlag, 2007), pp. 260-79; Abram de Swaan e Marcel van der Linden (eds.), Mutualist Microfinance. Informal Saving Funds from the Global Periphery to the Core? (Amsterdã, Aksant, 2006), pp. 183-210; Marcel van der Linden (ed.), Social Security Mutualism (Berna, Peter Lang, 1996), pp. 11-38; International Labor and Working Class History, 46 (outono, 1994), pp. 109-21; Immanuel Wallerstein (ed.), The Modern World System in the Longue Durée (Westport (CT), Paradigm, 2004), pp. 107-31; International Review of Social History, 46, 3 (dez. 2001), pp. 423-59; Labour History [Austrália], no 89 (nov. 2005), pp. 197-213. Os capítulos 6, 7, 8, 10, 14 e 15 consistem de material novo nunca publicado anteriormente em qualquer formato. No decorrer deste projeto, recebi ajuda para os serviços de secretariado de Mona Hilfman e, subsequentemente, de Angèle Janse. Os capítulos ou trechos que não escrevi em inglês foram traduzidos por Lee Mitzman e Jurriaan Bendien (do holandês) e por Peter Thomas (do alemão). Jurriaan Bendien editou o manuscrito como um todo, com a exceção da bibliografia. Amsterdã/Viena, março de 2008

Trabalhadores do mundo.indb 6

16/10/2013 14:19:04


Sumário

Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 parte 1 Conceituações 1 – Quem são os trabalhadores?.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 2 – Por que trabalho assalariado “livre” ? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49 3 – Por que escravidão? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75

parte 2 Variações do mutualismo 4 – O universo mutualista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95 5 – Seguros mútuos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125 6 – Cooperativas de consumidores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151 7 – Cooperativas de produtores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 171

parte 3 Formas de resistência 8 – Greves.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 195 9 – Protestos de consumidores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 233 10 – Sindicatos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 245 11 – Internacionalismo operário.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 289

Trabalhadores do mundo.indb 7

16/10/2013 14:19:04


parte 4 Contribuições de disciplinas adjacentes 12 – A teoria do sistema-mundo.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 319 13 – Trabalho de subsistência enredado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 353 14 – A experiência Iatmul . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 373 15 – Panorama geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 395

Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 417 Índice remissivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 499

Trabalhadores do mundo.indb 8

16/10/2013 14:19:04


Introdução Pensar não é construir catedrais ou compor sinfonias. Se a sinfonia existe, é o leitor que deve criá-la em seus próprios ouvidos. Cornelius Castoriadis

Nestes primeiros anos do século XXI, a pesquisa histórica sobre as lutas, as vicissitudes e as conquistas dos trabalhadores e do movimento operá­ rio vem passando por uma emocionante transição e se transformando em uma verdadeira História Global do Trabalho. Para compreender o que está mudando, basta comparar as perspectivas recentes com as tradicionais. Antes, os historiadores das classes trabalhadoras se preocupavam quase que exclusivamente com os países capitalistas desenvolvidos e com o Leste Europeu/Rússia. Eles interpretavam o seu objeto de estudo de forma muito estreita e, em última análise, eurocêntrica. Um paradigma unilateral, portanto, predominava no grande volume de trabalhos publicados desde os primórdios da disciplina, na década de 1840. O trabalhador típico estudado pelo historiador do trabalho tradicional era um indivíduo “duplamente livre” (no sentido marxista de “livre” para escolher seu empregador e “livre” da propriedade de capital). Esse trabalhador era geralmente de sexo masculino e empregado no setor de transportes (docas ou ferrovias), em minas, na indústria ou na agricultura de larga escala. Em segundo plano, a família do trabalhador (ou trabalhadora) parecia ter uma função meramente consumidora ou reprodutiva: nela eram gastos os salários, e nela eram criados os filhos. Os protestos de tra­balhadores eram levados a sério e analisados, principalmente se tomavam a forma de greves, atividades sindicais ou de ações político-partidárias dos movimentos de esquerda.

9

Trabalhadores do mundo.indb 9

16/10/2013 14:19:04


trabalhadores do mundo

A partir da década de 1950, um número muito maior de contribuições foi feito à história do trabalho das colônias ou antigas colônias. Mas, a princípio, esses trabalhos sofriam do mesmo viés eurocêntrico1, con­ centrando-se também em mineiros, estivadores, trabalhadores rurais etc., e negligenciando as famílias e o trabalho doméstico. Seu foco principal recaía também nas greves, nos sindicatos e nos partidos políticos, embora os autores partissem de muitas perspectivas políticas diferentes. Por exemplo, J. Norman Parmer, em seu completíssimo Colonial Labor Policy and Administration (1960), tratando do setor de plantações de borracha da Malásia (e abrangendo um período que antecedia em muitas décadas a Segunda Guerra Mundial), encarava os trabalhadores sob a ótica dos em­presários e das autoridades governamentais. O clássico de Jean Chesneaux, Le mouvement ouvrier en Chine de 1919 a 1927 (1962), foi escrito a partir de uma posição comunista oficial. A Historia del movimiento obrero boliviano (1967-1970), de Guillermo Lora, era uma obra trotskista. Os estudos de épocas posteriores tentaram desenvolver um enfoque menos eurocêntrico. Trabalhos pioneiros nessa linha incluem Chibaro, de Charles van Onselen (1976), sobre o trabalho nas minas da Rodésia do Sul, e Labor and Working Class in Eastern India (1994), de Ranajit Das Gupta, que trata dos trabalhadores rurais, mineiros e operários das indústrias têxteis de Assam, Bengala e também de outros locais2. Nos últimos vinte anos, aproximadamente, a história do trabalho vem sendo objeto de crescente interesse em alguns países do Sul Global. Tratando da América Latina e do Caribe, John French, há alguns anos, concluiu que “a área passou a ter visibilidade em inícios e meados da década de 1980, e hoje conquistou reconhecimento como uma especialização estabelecida entre acadêmicos de diversas disciplinas”3. No sul da Ásia e da África, tendências semelhantes também se fazem sentir4. Atualmente, o campo da história do trabalho vem-se transformando num projeto verdadeiramente global, como demonstrado pelo número de conferências, associações etc. organizadas em nível internacional. Após uma iniciativa pioneira sul-africana em 1978 — a Oficina de História sobre “Trabalho, Guetos e Protestos” ocorrida naquele ano5 —, a verdadeira “decolagem” ocorreu em 1996, com a fundação da Associação Indiana dos Historiadores do Trabalho, uma organização de grande dinamismo, que realizou uma série de conferências importantes, assim como 10

Trabalhadores do mundo.indb 10

16/10/2013 14:19:04


introdução

várias outras atividades acadêmicas. Pouco depois foi criada no Brasil “Mundos do Trabalho”, uma rede de historiadores do trabalho pertencentes à Associação Nacional de História (Anpuh). Conferências pioneiras foram também realizadas no Paquistão (Karachi, 1999), Coreia do Sul (Seul, 2001), Indonésia (Jacarta, 2005), e uma segunda conferência sul-africana teve lugar em Johanesburgo, em 2006. A vasta expansão geográfica da disciplina — bem como a nova e significativa reflexão estimulada por ela — suscitou uma reavaliação de toda a história do trabalho de épocas anteriores. Quando surgiu, na Europa e na América do Norte do século XIX, a his­tória do trabalho combinava o “nacionalismo metodológico” com o “eurocentrismo”. Em anos recentes, essa abordagem passou a ser objeto de controvérsias. O nacionalismo metodológico funde sociedade e Estado e, na verdade, em termos de pesquisa histórica, trata os diferentes es­ tados-nação como “mônadas leibnitzianas”. O “eurocentrismo” pode ser definido como o ordenamento mental do mundo a partir da perspectiva da região do Atlântico Norte — o período “moderno” é visto como tendo começado na Europa e na América do Norte, ampliando-se gradualmente para o resto do mundo, e a temporalidade da “região central” determina a periodização dos desdobramentos ocorridos nas demais regiões. Dessa forma, os historiadores reconstruíram a história das classes trabalhadoras e dos movimentos trabalhistas da França, da Grã-Bretanha, dos Estados Unidos etc. como sendo acontecimentos separados, e quando davam atenção a classes e movimentos sociais da América Latina, da África ou da Ásia, estes eram interpretados de acordo com os esquemas do “Atlântico Norte”. Isso significaria que os historiadores do trabalho jamais olharam para além das fronteiras nacionais? Eles certamente o fizeram, e desde cedo. A questão, entretanto, é que sua abordagem continuava sendo “monadológica”. O mundo europeu “civilizado” era tratado como se consistisse de povos que se desenvolviam mais ou menos na mesma direção e segundo os mesmos princípios, embora em ritmos diferentes. Uma nação era vista como “mais avançada” que outra, de modo que as nações mais “atrasadas” podiam ver seu futuro refletido nas nações de primeira linha. A princípio, essa ideia foi interpretada de forma simplista. Os movimentos operários de outros países eram estudados, por exemplo, para extrair deles novas ideias sobre as políticas a serem adotadas na política cotidiana 11

Trabalhadores do mundo.indb 11

16/10/2013 14:19:04


trabalhadores do mundo

do próprio país. Esse enfoque fica evidente nos escritos do alemão Lorenz Stein, um pioneiro da história dos movimentos operários que ultrapassavam as fronteiras nacionais. Em seu estudo datado de 1842, tratando das correntes socialistas e comunistas do proletariado francês, ele partiu do pressuposto de que a história se desenvolve no interior de nações separadas umas das outras. Assim, colocou-se firmemente no terreno do pensamento monadológico. Ele, entretanto, era de opinião que todos os “movimentos profundos” ocorridos em uma nação mais cedo ou mais tarde acabariam por se repetir em outras. Por essa razão, o estudo do que ocorria na França parecia ser uma tarefa urgente — Stein acreditava que o movimento radical que lá vinha surgindo logo se faria sentir na Alemanha e, portanto, colocava a pergunta retórica: “Podemos observar passivamente [o movimento] crescer em nosso meio e permanecer sem rumo por não ser entendido?”6. Motivações como essa despertaram um forte interesse sobre os povos que pareciam ser “altamente desenvolvidos” e “apontavam o caminho do futuro”. Não tardou, entretanto, para que ficasse clara a dificuldade de extrair de outros países um receituário político de real utilidade. Quando Werner Sombart, meio século após Stein, reconstruiu a história do proletariado italiano, concluiu que esses estudos comparativos forneciam pouquíssimos conselhos úteis à vida política de seu país. Sombart acreditava que as nações podem aprender umas com as outras, mas argumentava a favor de uma abordagem mais fundamental, que enfocasse apenas questões puramente teóricas (“de onde?”, “para onde?”). Essa nova metodologia logo ampliou o campo de pesquisa, por significar que o estudo dos países mais avançados deixara de ser suficiente. Era necessário, também, examinar em profundidade os países menos desenvolvidos, “contanto que eles pertencessem às mesmas áreas culturais [Kulturkreise]”. Afinal, “Se é verdade que regularidades podem ser identificadas no desenvolvimento social, elas têm que se manifestar nos países que ingressaram posteriormente no processo. É aí que a correção das hipóteses, formuladas com base nas experiências anteriores de outros países, deve ser confirmada”7. Foi assim que Sombart conferiu status científico à história do trabalho “monadológica”. Mas, gradualmente, as mônadas ganharam janelas. O próprio Sombart reconheceu “a influência do exemplo dos países avançados sobre as pátrias que os seguem”8. Ao longo do século XX, aumentou 12

Trabalhadores do mundo.indb 12

16/10/2013 14:19:04


introdução

a atenção dada às influências recíprocas entre povos separados, embora estes continuassem sendo vistos como a unidade fundamental de análise. De James Guillaume a Julius Braunthal, as organizações internacionais do movimento trabalhista, por exemplo, foram interpretadas como vínculos de colaboração entre os trabalhadores que representavam os diferentes países, “vínculos entre patriotas de diferentes pátrias” — opinião essa, é claro, que vigorava dentro do próprio movimento. E nos estudos sobre as migrações internacionais de trabalhadores, os migrantes eram vistos ou como preservando a cultura de seus países de origem ou como sendo assimilados na cultura do país para o qual ha­ viam emigrado. Foi apenas nas últimas décadas que a “monadologia eurocêntrica” passou a ser questionada como um todo. Por um lado, a ideia de Sombart de que apenas os povos pertencentes à mesma “área cultural” poderiam ser comparados viu-se sob ataque. Por outro, o Estado-nação passou, cada vez mais, a ser historicizado e, portanto, relativizado. Essas duas tendências “subversivas” devem ser distinguidas claramente uma da outra, embora corram mais ou menos paralelas. O surgimento de ambas associa-se a transformações intelectuais de máxima importância ocorridas, principalmente, a partir da Segunda Guerra Mundial, mas, em alguns casos, surgidas mais cedo, como, por exemplo: • A descolonização levou à criação de um grande número de novos países independentes, principalmente na África e na Ásia, cujos cidadãos passaram a investigar suas próprias histórias sociais. Assim, a história do trabalho adquiriu não apenas um componente “periférico” cada vez mais importante (o número das mônadas aumentou), mas, também, logo ficou claro que a história da periferia não poderia ser escrita sem referência constante à história da metrópole9. • “Comunidades imaginadas” de dimensões continentais então se desenvolveram, como, por exemplo, o pan-africanismo. • Na pesquisa histórica sobre as migrações, os historiadores deram-se conta de que a perspectiva de “enclave étnico-nacional” consistia numa interpretação equivocada da realidade da vida dos migrantes, uma vez que estes, muitas vezes, vivem de modo transcultural. • Foram descobertas “culturas fronteiriças” que não se encaixavam no esquema monadológico. 13

Trabalhadores do mundo.indb 13

16/10/2013 14:19:04


trabalhadores do mundo

• O mesmo se aplicava aos ciclos transnacionais de protestos e greves de trabalhadores. Todos esses novos desdobramentos (além de um contato muito mais intenso entre os historiadores de diferentes países e continentes) cria­ ram uma situação na qual as ciladas do eurocentrismo e do naciona­ lismo metodológico tão característicos da história do trabalho tradicional se tornaram evidentes, transformando-se assim em tópicos de con­trovérsia. A que exatamente, então, refere-se o termo “História Global do Trabalho”? Cada um tem direito a seu próprio conceito, mas meu enten­ dimento é o seguinte: no que diz respeito à metodologia, trata-se de uma “área de interesse”, mais que de um paradigma teórico bem-definido ao qual todos tenham necessariamente que aderir. Nossos conceitos de pesquisa e de esquemas interpretativos podem e certamente irão dife­rir. O pluralismo intelectual não é apenas uma realidade inevitável, é também estimulante e fértil para a pesquisa — contanto que estejamos dispostos a discutir com seriedade nossas opiniões antagônicas. Apesar da disparidade de nossas abordagens, temos que fazer o possível para colaborar de forma produtiva em áreas temáticas comuns. De fato, quanto mais dependermos de uma literatura profissional compartilhada, que se ­constitui num verdadeiro recurso internacional, mais essa colaboração torna-se necessária. No que se refere aos temas, a História Global do Trabalho enfoca o estudo transnacional — e, na verdade, transcontinental — das relações de trabalho e dos movimentos sociais trabalhistas na acepção mais ampla do termo. Por “transcontinental” quero dizer o estudo que coloca todos os processos históricos num contexto mais amplo, por “menores”, em termos geográficos, que sejam esses processos — comparando-os com processos ocorridos em outros países, estudando as interações internacionais, ou usando uma combinação de ambos. O estudo das relações de trabalho abrange tanto o trabalho livre quanto o não livre, e tanto o trabalho remunerado quanto o não remunerado. Os movimentos sociais de trabalhadores envolvem tanto as organizações formais quanto as atividades informais. O estudo tanto das relações de trabalho quanto dos movimentos sociais exige ainda que uma atenção igualmente séria 14

Trabalhadores do mundo.indb 14

16/10/2013 14:19:04


introdução

seja dedicada ao “outro lado” (empregadores, autoridades públicas). As relações de trabalho envolvem não apenas o trabalhador individual, mas também sua família, sempre que for o caso. As relações de gênero desempenham um papel importante, tanto dentro da família quanto nas relações de trabalho que envolvam os membros daquela família individualmente. Quanto aos períodos históricos estudados, a História Global do Trabalho não coloca limites à perspectiva temporal, embora, na prática, a ênfase tenda a recair no estudo das relações de trabalho e nos movimentos sociais de trabalhadores que surgiram com a expansão do mercado mundial a partir do século XIV. Os estudos tratando de épocas anteriores não devem de modo algum ser excluídos, por exemplo, para fins comparativos. A História Global do Trabalho é uma empreitada nova e extremamente ambiciosa. Muitos de seus objetivos de trabalho continuam controvertidos ou necessitam de esclarecimento adicional. Seu desenvolvimento futuro terá que superar muitos obstáculos a fim de que a área possa florescer. Problemas técnicos terão que ser resolvidos10. Mas o maior obstáculo, a meu ver, continua sendo nossa própria mentalidade, sobrecarregada como é de teorias e interpretações tradicionais. Mais acima, já mencionei as duas ciladas mais importantes: o nacionalismo metodológico e o eurocentrismo. Os nacionalistas metodológicos, segundo meu argumento, são vítimas de dois erros intelectuais graves. Em primeiro lugar, eles “naturalizam” o Estado-nação. Com isso, quero dizer que eles consideram o Estadonação como sendo a unidade analítica básica e autoevidente da pesquisa histórica. Mesmo reconhecendo que o Estado-nação só veio a florescer nos séculos XIX e XX, eles ainda interpretam a história de épocas anteriores como sendo a pré-história do Estado-nação posterior. Processos que cruzam ou subvertem as fronteiras são percebidos como desvios do modelo “puro”. Lidamos aqui com uma falsa teleologia que deveria ser radicalmente abandonada. De uma perspectiva global, a existência de Estados-nação, obviamente, continua sendo um aspecto essencial do sistema mundial. No entanto, é um aspecto que precisa ser totalmente historicizado e relativizado em face de aspectos subnacionais, supranacionais e transnacionais.

15

Trabalhadores do mundo.indb 15

16/10/2013 14:19:04


trabalhadores do mundo

Em segundo lugar, os nacionalistas metodológicos fundem sociedade com Estado e território nacional. Ou seja, eles partem do pressuposto de que as “sociedades” (formações sociais) são geograficamente idênticas aos Estados-nação. Os Estados Unidos têm sua própria sociedade, o México tem sua própria sociedade, a China tem sua própria sociedade e assim por diante. Aqui, também, uma abordagem totalmente nova se faz necessária. Talvez devêssemos pensar mais profundamente sobre a afirmação de Michael Mann, de que as sociedades são “redes socioespaciais múltiplas de poder [ideológico, econômico, militar e político] que se sobrepõem e entrecruzam”. Portanto, “as sociedades não são unitárias. Elas não são sistemas sociais (fechados ou abertos), não são totalidades. Jamais encontraremos uma sociedade única, circunscrita num espaço geográfico ou social”11. Três variedades de eurocentrismo serão aqui especificamente mencionadas. A primeira delas é a simples indiferença: só é dada atenção a uma parte do mundo, e o autor supõe que a história de “seu pedaço do mundo” possa ser traçada sem levar em conta as demais regiões. Essa atitude fica bem clara na distinção tão comum entre “o Ocidente e o Resto” [the West and the Rest]. A segunda variante é o preconceito explícito: os autores levam em conta as conexões globais, mas acreditam que a Grande Europa (incluídas aí a América do Norte e a Australásia) “aponta o caminho”. Esse tipo de eurocentrismo é especialmente evidente entre os teóricos da modernização. Robert Nisbet descreveu da seguinte maneira essa teoria do desenvolvimento: A humanidade é comparada a uma grande procissão, acompanhada por todos ou, pelo menos, pela maioria dos povos [...]. Naturalmente, a Europa Ocidental, com seu padrão específico e historicamente adquirido de valores econômicos, políticos, morais e religiosos, era vista como estando à frente, na vanguarda da procissão. Todos os demais povos, por mais ricos que fossem em termos de sua própria civilização, como a China e a Índia, eram vistos, por assim dizer, como ‘passos’ nessa procissão que um dia os levaria também a se integrar na realização do desenvolvimento que era o sagrado Ocidente12.

A terceira variante consiste nos pressupostos implícitos que orientam a pesquisa. Essa variante é a mais difícil de reconhecer e combater. Es-

16

Trabalhadores do mundo.indb 16

16/10/2013 14:19:04


introdução

tamos tratando aqui de crenças gerais sobre a experiência histórica que, segundo se acredita, foram repetidamente confirmadas por pesquisas científicas anteriores, podendo, portanto, ser consideradas estabelecidas. Dessa forma, os “eurocêntricos empíricos” fazem afirmativas supostamente baseadas em fatos autoevidentes, tomando por certo, por exemplo, que os sindicatos são sempre mais eficazes quando se concentram em alguma forma de dissídio coletivo. Segundo eles, esse fato foi provado de forma definitiva pela experiência histórica. Muitas vezes, eles tendem a negar enfaticamente que uma visão eurocêntrica das evidências esteja presente na defesa dessa interpretação, e poucos deles têm consciência de que um preconceito regional esteja aí em operação. Como observou o falecido Jim Blaut, “o eurocentrismo [...] é uma coisa muito complexa. Podemos retirar dessa palavra todo e qualquer juízo de valor, todo e qualquer preconceito e, mesmo assim, ainda teremos o eurocentrismo como um conjunto de crenças empíricas”13. Argumentar contra as duas primeiras variantes (indiferença e preconceito) é uma tarefa relativamente simples, mas já a terceira representa um obstáculo muito maior. Há meio século, Lucien Febvre já havia formulado o problema: “Qualquer categoria intelectual que possamos forjar nas oficinas da mente é capaz de se impor com a mesma força e a mesma tirania — e se aferra mais obstinadamente à sua própria existência — que qualquer máquina construída em nossas fábricas”14. Com os estudos apresentados neste volume, desejo contribuir para uma História Global do Trabalho livre do eurocentrismo e do nacionalismo metodológico. Fazendo uso de literatura originária de diversas regiões, épocas e disciplinas, forneço argumentos e ferramentas conceituais para uma interpretação diferente da história — uma história do trabalho que integre a história da escravidão e da servidão por contrato, e que dê séria atenção aos desdobramentos divergentes, embora interligados, ocorridos em diferentes partes do mundo. Três perguntas formam o cerne de minhas indagações: • Qual a natureza da classe trabalhadora mundial, que é o objeto da História Global do Trabalho? Como podemos definir e demarcar essa classe, e que fatores determinam sua composição?

17

Trabalhadores do mundo.indb 17

16/10/2013 14:19:04


trabalhadores do mundo

• Que formas de ação coletiva essa classe trabalhadora desenvolveu ao longo do tempo, e qual a lógica desse desenvolvimento? • O que podemos aprender com as disciplinas afins? Quais contribuições da antropologia, da sociologia e de outras ciências sociais são úteis para o desenvolvimento da História Global do Trabalho? Ao investigar essas questões, meus ensaios não pretendem oferecer respostas completas e finais. Meu objetivo é mostrar o que está em questão para os historiadores do trabalho e apontar uma direção que possa ser útil para nortear pesquisas futuras. Todos os capítulos podem ser lidos separadamente, embora formem um todo interconectado que, a meu ver, tem consistência. O formato do livro se assemelha a uma ampulheta clássica. Ele se inicia com uma perspectiva ampla. Em seguida, o foco se estreita. Por fim, o ponto de vista novamente se alarga. Os ensaios contidos na primeira parte discutem o conceito de “classe trabalhadora”, de importância tão central para a história do trabalho. Ao que parece, esse conceito foi inventado no século XIX para identificar um grupo de trabalhadores ditos “respeitáveis”, diferenciando-os dos escravos e de outros trabalhadores não livres, dos trabalhadores autônomos (parte da “pequena burguesia”) e dos párias miseráveis (o “lumpemproletariado”). Aqui, demonstro que, por uma série de razões, essa classificação simplesmente não se aplica ao Sul Global. Os grupos sociais que, aos olhos da história do trabalho de épocas anteriores, não são quantitativamente significati­ vos — as exceções que provam a regra — são a regra em grande parte da Ásia, da África e da América Latina. Precisamos, portanto, de uma nova conceituação, menos orientada para a exclusão do que para a inclusão de diversos grupos de trabalhadores dependentes ou marginalizados. Temos que reconhecer que os “verdadeiros” trabalhadores assalariados que eram o foco do interesse de Karl Marx, ou seja, trabalhadores que, como indivíduos livres, podem dispor de sua própria força de trabalho como uma mercadoria que lhes pertence, e que não possuem outra mercadoria que possam colocar à venda, representam apenas uma entre as muitas outras formas usadas pelo capitalismo para transformar a força de trabalho em mercadoria. Existem muitas outras que exigem igual atenção, como a escravidão clássica, a servidão por contrato, a meação etc. O capítulo 1 elabora essa tese em termos empíricos e teóricos, 18

Trabalhadores do mundo.indb 18

16/10/2013 14:19:04


introdução

e os capítulos 2 e 3 examinam em maior profundidade a lógica histórica dos dois extremos do espectro das relações de trabalho, ou seja, o chamado trabalho assalariado “livre” e a escravidão clássica15. Os ensaios da segunda e terceira partes consistem na porção intermediária “estreita”. Baseando-se em estudos de caso históricos e contemporâneos, eles tentam deslindar a lógica histórica da ação coletiva da classe trabalhadora. Tenho plena consciência de que esse tipo de investigação não traz nada de realmente novo. Outros, antes de mim, já se lançaram a empreitadas dessa natureza, a mais conhecida das quais é, provavelmente, A Theory of the Labor Movement, de Selig Perlman (1928), trabalho que hoje é bastante datado, mas que contém insights que continuam sendo de interesse. Minha abordagem, entretanto, difere em aspectos importantes das contribuições anteriores. Interpreto o conceito de “trabalhador” de maneira mais ampla do que costumava ocorrer no passado, não me restrinjo aos sindicatos e tento incluir experiências de todos os continentes. A ação coletiva dos trabalhadores pode ser definida como uma ação mais ou menos coordenada por parte de um grupo de trabalhadores (e, tal­vez, seus aliados), visando a atingir um objetivo específico, que eles seriam incapazes de alcançar individualmente, dentro do mesmo período de tempo e pelos meios a eles disponíveis. Essa descrição, obviamente, é muito geral, uma vez que abrange tanto organizações (por exemplo, a criação de um fundo para funerais) quanto atividades coletivas (por exemplo, passeatas de protesto). As organizações são, portanto, uma forma de ação coletiva pela própria natureza16. Além disso, a definição abrange não apenas conflitos de interesse ou de políticas, mas também diferentes tipos de atividades coletivas (por exemplo, eventos sociais). O campo de pesquisa aberto por essa interpretação é vasto demais para ser administrado por um único autor. Opto, portanto, por enfocar basicamente os tipos mais ou menos formais de ações coletivas de trabalhadores que tratam de questões econômicas17. Essa limitação significa que as atividades dos trabalhadores que gozam de autonomia significativa (tal como definida no capítulo 1) serão o principal objeto de discussão. É claro que o grau de liberdade pessoal que os trabalhadores subalternos possam ter influencia fortemente sua capacidade de construir suas próprias estruturas organizacionais complexas e duráveis, tais como cooperativas de produtores e consumidores ou sindicatos18. É por essa razão 19

Trabalhadores do mundo.indb 19

16/10/2013 14:19:04


trabalhadores do mundo

que os escravos das grandes plantações e outros grupos de trabalhadores extremamente não livres não são muito discutidos nestes capítulos, e que meu foco recai mais sobre os assalariados, os servos por dívida e os trabalhadores autônomos. Não é verdade que a ação coletiva tenha necessariamente que envolver ou sugerir protestos e, em diversas áreas importantes, essa ação não é vista desse modo pelos trabalhadores que dela participam, pelos empregadores nem pelas autoridades estatais19. Essas atividades não conflitivas são analisadas nos capítulos de 4 a 7. Os capítulos de 8 a 11, ao contrário, enfocam as ações conflitivas, nas quais os trabalhadores lutam contra os empregadores ou as autoridades estatais, buscando a resolução de uma disputa. Os capítulos 4, 5, 7 e 9 discutem principalmente as formas de ação coletiva de escala relativamente pequena, nas quais os participantes exercem grande influência nos assuntos do dia a dia. Em algumas regiões do mundo, as organizações de pequena escala, em grande medida, pertencem a uma era que passou (na região do Atlântico Norte, por exemplo), enquanto em outras partes do mundo elas ainda são numerosas. Os capítulos 6, 10 e 11, por sua vez, dão atenção também à transição das formas de ação coletiva de pequena escala para as de grande escala. Na última parte deste livro, a análise se estende a uma ampla paleta de questões. Uma vez que a História Global do Trabalho, ao redefinir conceitos centrais, ultrapassa as fronteiras disciplinares tradicionais, muito pode e deve ser aprendido com as disciplinas afins. Isso vale tanto para os aspectos teóricos e conceituais (discuto tanto a “abordagem dos sistemas-mundo” quanto a “Escola Bielefeld”) como para os empíricos. Assim, por exemplo, no futuro, as fronteiras entre as historiografias da escravidão e do trabalho assalariado tornar-se-ão necessariamente menos nítidas. Mas podemos também encontrar inspiração em outros quadrantes. A quarta parte do livro pretende demonstrar que temos muito a aprender com as ciências sociais, mesmo quando elas não tratam explicitamente de questões do trabalho. Em razão da natureza exploratória dos estudos reunidos neste volume, o capítulo final não tem a intenção de chegar a conclusões gerais, preferindo especificar mais de perto as tarefas da História Global do Trabalho à luz de tudo o que foi dito. O erudito austríaco Otto Neurath uma vez escreveu que os estudiosos são como marinheiros, 20

Trabalhadores do mundo.indb 20

16/10/2013 14:19:04

Trabalhadores do mundo  

Trabalhadores do mundo

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you