Page 1

<<< PS/PNE < 1


2 > PS/PNE >>>


<<< PS/PNE < 3


4 > PS/PNE >>>


DIVULGAÇÃO

Editorial

Expediente

Depósito de esperanças

O

ano de 2015 definitivamente não está favorável para a economia brasileira. Tal fato influencia fortemente indústrias que dependem do desempenho de setores como automobilístico, de linha branca e da construção para sobreviver. O plástico pega carona no baixo consumo e amarga momento delicado. Especialistas do setor acreditam que a conjuntura econômica vem se deteriorando. Para lidar com a situação, o governo resolve contra atacar com medidas de redução de seus gastos, aumento da taxa de juros e crescimento de arrecadação com o aumento de alíquotas em alguns setores, principalmente reduzindo a desoneração da folha de pagamentos. Tais decisões repercutem negativamente nos investimentos produtivos e colocam os empresários brasileiros na corda bamba. Alguns arriscam que este cenário será característico apenas do ano de 2015. Outros afirmam que enfrentaremos o mesmo contexto por alguns anos mais. Independente do rumo que tomará a política econômica nacional, não é possível ficar parado. O empresariado brasileiro terá que arregaçar as mangas e trabalhar o triplo para conseguir sobreviver à onda de crises e desafios que estão suspensas no ar. Neste caminho, surge a Feiplastic 2015, que acontece de 04 a 08 de maio, em São Paulo (SP). A feira, além de ser um termômetro do setor, este ano será também a esperança da cadeia produtiva, que enxerga nela uma luz no fim do túnel que abrirá as portas dos negócios e oficialmente dará a largada ao ano de 2015. Os expositores esperam ansiosamente pelo sucesso do evento garantindo vendas suficientes para boa parte do ano. A Feiplastic costuma ser um marco divisório no setor, pois é após a feira que o mercado costuma reagir. Se as expectativas se confirmarão ou não, saberemos apenas após o evento. Mas precisamos crer em dias melhores e trabalhar em prol deles. E pressionando o Estado para que trabalhe também: o desenvolvimento do Brasil depende disso. Boa leitura!

Edição Especial - Abril de 2015 Plástico Sul # 163 Plástico Nordeste # 32 Conceitual - Publicações Segmentadas www.revistaplasticosul.com.br www.revistaplasticonordeste.com.br Rua João Abbott, 257 - Sala 404 CEP: 90460-150 - Bairro Petrópolis Porto Alegre - RS Fone/Fax: 51 3062.4569 Fone: 51 3062.7569 plasticosul@conceitualpress.com.br Direção: Sílvia Viale Silva Edição: Melina Gonçalves - DRT/RS nº 12.844 Redação: Brigida Sofia Departamento Comercial: Débora Moreira Design Gráfico & Criação Publicitária: José Francisco Alves (51 9941.5777) Capa: divulgação Plástico Sul / Plástico Nordeste é uma publicação da Conceitual - Publicações Segmentadas, destinada às indústrias produtoras de material plástico de 3ª, 2ª e 1ª geração petroquímica nos Estados da Região Sul e no Brasil, formadores de opinião, órgãos públicos pertinentes à área, entidades representativas, eventos, seminários, congressos, fóruns, exposições e imprensa em geral. Opiniões expressas em artigos assinados não correspondem necessariamente àquelas adotadas pela revista Plástico Sul. É permitida a reprodução de matérias publicadas desde que citada a fonte. Tiragem: 8.000 exemplares. Filiada à

ANATEC - Associação Nacional das Editoras de Publicações Técnicas, Dirigidas e Especializadas Marca Registrada:

Melina Gonçalves / Editora melina.goncalves@conceitualpress.com.br <<< PS/PNE <<< PS/PNE < 5< 5


PlastVipHerman Moura

S

egmento responsável por 30% de todo o volume de plásticos transformados no Brasil, as embalagens plásticas flexíveis tem um novo dirigente para sua associação. O empresário Herman Moura, diretor da Lord Plastics, foi eleito presidente da ABIEF - Associação Brasileira da Indústria de Embalagens Plásticas Flexíveis para o período 2015-2017. Na cerimônia de posse, que aconteceu em 9 de Abril em São Paulo, o novo presidente ressaltou dois aspectos que marcarão sua gestão: a necessidade de fortalecer a cultura e o profissionalismo do setor e o empenho total na maior integração entre todos os elos da cadeia produtiva. “Infelizmente ainda nos deparamos com empresas e empresários praticando modelos de gestão defasados e desconectados com a atual situação do mercado”, afirma. Segundo Herman, um dos pontos cruciais é a formação de preços. Ele promete promover workshops e seminários didáticos sobre o tema, de forma a mostrar para os empresários a importância de conhecer seus custos e formar preços condizentes com as necessidades da empresa e que, ao mesmo tempo, garantam competitividade nacional e internacional. Sobre a maior integração entre os diversos elos da cadeia de valor, acredita que a ABIEF tenha um papel estratégico. Moura enfatiza que dará prosseguimento a todas as atividades tradicionais e bem sucedidas da associação. Com 37 anos de existência, a ABIEF tem por objetivo fomentar o mercado nacional de embalagens plásticas flexíveis, as exportações e o consumo consciente de embalagens. A entidade reúne 160 empresas de todo o Brasil fabricantes de filmes monocama, coextrusados e laminados; filmes de PVC e de BOPP; sacos e sacolas; sacaria industrial; filmes shrink e stretch; rótulos e etiquetas; stand-up pouches; e embalagens especiais. Alguns dias depois da posse, Moura concedeu entrevista à Revista Plástico Sul sobre seus planos e ideias. Confira. Revista Plástico Sul - Fale sobre os seus planos frente à diretoria da ABIEF na gestão 2015-2017, por favor. Herman Moura - Pontuarei dois aspectos principais em minha gestão: a necessidade de fortalecer a cultura e o profissionalismo do setor e o empenho total na maior integração entre todos os elos da cadeia produtiva. Infelizmente ainda nos deparamos com empresas praticando preços e desconectados com a atual situação do mercado, ponto crucial nos negócios. Minha proposta é promover workshops e seminários didáticos sobre o tema, de forma a mostrar para os empresários

6 > PS/PNE >>>

FOTOS: DIVULGAÇÃO

Novidade para flexíveis

do setor a importância de conhecer seus custos e formar preços condizentes com as necessidades da empresa e que, ao mesmo tempo, garantam competitividade nacional e internacional. Sobre a maior integração entre os diversos elos da cadeia de valor, acredito que a ABIEF tenha um papel estratégico. A Associação é um território neutro que permite discutir temas pertinentes ao desenvolvimento sustentável do setor e promover a interação entre os vários segmentos a partir da troca de experiências e de conhecimento. E todos estão convidados a participar destas discussões, dos fornecedores de matérias primas até os recicladores e o varejo. Enfatizo ainda que darei continuidade a todas as atividades tradicionais e bem sucedidas da ABIEF como os Seminários de Capacitação, o Fórum Latino-Americano Flex, publicações e informativos semanais. Minha proposta é continuar o que está consolidado e empreender para atender às novas demandas dos associados e do mercado em geral. É preciso acompanhar a evolução da sociedade, especialmente em um cenário de tantas incertezas como o atual.


Plástico Sul - Qual a participação (%) das flexíveis no mercado de embalagens plásticas brasileiras hoje? Moura - Segundo pesquisa Maxiquim, feita com exclusividade para a ABIEF, hoje as embalagens plásticas flexíveis representam 30% de todo o volume de plásticos transformados no Brasil. Plástico Sul - Além da questão das sacolas plásticas em São Paulo, quais os principais desafios para os transformadores das embalagens flexíveis hoje? Moura - O grande desafio é uma gestão mais eficiente dos negócios, com foco em custos e preços condizentes com as condições do mercado e que garantam a competitividade de nosso setor, nacional e internacionalmente. Nosso setor já está equipado com tecnologias e utiliza matérias-primas de ponta, portanto do ponto de vista de produção, podemos nos equiparar aos melhores do mundo. Plástico Sul - Como as embalagens flexíveis brasileiras se apresentam em relação a desenvolvimento tecnológico? Houve evolução nos últimos períodos? No que é preciso avançar? Comente, por favor. Moura - Como disse, dispomos no Brasil de tecnologias e matérias-primas padrão internacional. Cabe a cada empresário avaliar o momento certo para modernizar sua empresa e escolher tecnologias compatíveis com o mercado no qual atua. A embalagem plástica flexível é uma das que mais evolui no Brasil e no mundo. Tanto que um estudo recém divulgado pela consultoria internacional PCI Films Consulting concluiu que 15 mercados emergentes – entre eles o Brasil - representam mais de 20% da demanda global de embalagens flexíveis. Juntos, nos últimos cinco anos, estes mercados cresceram duas vezes mais que a média global, ou seja, cerca de 10% ao ano. Como drivers de crescimento da demanda por embalagens flexíveis, comuns aos países analisados, o estudo aponta: investimentos estrangeiros diretos em boa parte dos transformadores e donos de marcas multinacionais; a melhora no nível de vida da população; o próprio aumento da população; a abertura de diversos mercados; as mudanças nos estilos de vida dos consumidores; e o desenvolvimento da distribuição massiva de produtos. Plástico Sul - Como a alta da energia e a crise hídrica vêm influenciando a produção das embalagens flexíveis? Como isso deve se desenrolar ao longo do ano? Moura - Os efeitos são os mesmos sentidos na grande maioria das atividades industriais; a ameaça de racionamento e a alta dos preços afetam diretamente a saúde financeira das empresas até porque simplesmente não podemos esperar que o mercado absorva estes custos. O desenrolar disto, ao longo de 2015, ainda é uma incógnita.

Plástico Sul - Quais as orientações da ABIEF aos fabricantes de flexíveis para a manutenção da competitividade diante desses dois pontos? Moura - Adotar um modelo de gestão e tecnologias mais modernas que contemplem a redução do consumo destes dois itens. E, claro, contribuir com o governo para criar um plano de melhoria da infra estrutura do país. Plástico Sul - Como a alta recente do dólar influenciou o segmento de embalagens flexíveis? Quais as perspectivas para o ano? Moura - Como em qualquer outra atividade, os exportadores foram beneficiados. Trabalhamos com as perspectivas dos economistas. Plástico Sul - Neste período de economia fria, uma das indústrias citadas pelos empresários do setor plástico como menos prejudicada é a de alimentação. Qual o balanço da ABIEF para o ano 2014 e qual a comparação em relação a 2013? Moura - Alimentos continuam sendo um mercado importante para as embalagens plásticas flexíveis. Segundo a pesquisa da Maxiquim, em 2014 o segmento respondeu por 25% do consumo de embalagens de PEBD, 32% de PEBDL, 4% de PEAD e 22% de PP. Plástico Sul - A sociedade brasileira vive uma onda de vida saudável, o que engloba exercícios físicos e alimentação. O setor de flexíveis nota alguma alteração de demanda em função disso? Uma das premissas da alimentação saudável é a ingestão de alimentos frescos, in natura, etc. No caso de alimentos mais caros, também é comum a compra fracionada. Moura - A busca por saúde via alimentação é uma tendência consolidada no mundo e que ganha cada vez mais força no Brasil. O setor de embalagens flexíveis já está apto a atender a esta demanda a partir de tecnologias como atmosfera modificada e outras que mantêm as propriedades naturais dos alimentos inalteradas. Plástico Sul - Como esta onda pode influenciar – positivamente ou não – o setor de flexíveis? Moura - A influência vem da necessidade de desenvolver tecnologias que atendam às necessidades dos produtos. Como em qualquer tendência, as indústrias se mobilizam para desenvolver equipamentos e matérias-primas que acompanhem as novas necessidades de consumo.

<<< PS/PNE < 7


Especial DIVULGAÇÃO

Em abril de 2000 era lançada a primeira edição da publicação que ao longo dos anos acompanhou momentos chaves da cadeia produtiva do plástico, como as fusões e aquisições do setor petroquímico, a automatização industrial e os reflexos das crises econômicas no setor.

Plástico Sul: 15 anos de cobertura do setor

C

om o olhar voltado aos anseios dos transformadores de material plástico da região sul do Brasil, em abril de 2000, circulava a primeira edição da Revista Plástico Sul. Na lista de objetivos desta nova aposta da Editora Conceitual Press estava a necessidade do empresário sulista em ter voz diante do cenário nacional e a carência de um espaço onde ele pudesse apresentar suas opiniões, críticas e novidades. Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul eram estados com grandes potenciais de crescimento e que se destacavam pelo forte empreendedorismo e capacidade de inovações diante da concorrência Brasil afora. Detentora de uma equipe de jornalistas e publicitários especializados em publicações segmentadas, a Editora Conceitual Press acreditou na ideia e foi em busca das informações pertinentes ao leitor da época. Desta forma, 15 anos depois esta edição especial da FEIPLASTIC marca o aniversário da publicação, que tem entre os seus pontos fortes a presença constante em feiras e eventos. Com tiragem inicial de 5 mil exemplares, posteriormente ampliada para 8 mil mensais, a publicação teve sua primeira cobertura em feiras na também primeira edição da INTERPLAST, em Joinville, no mês de julho de 2000. Além da revista, nessas ocasiões a editora que produz a Revista Plástico Sul também produziu

8 > PS/PNE >>>

jornais especiais para as feiras nacionais, cadernos para eventos internacionais, além da Revista bimestral Plástico Nordeste e do tradicional Anuário Plástico Sul. A Revista Plástico Sul desde o início se faz presente em eventos internacionais importantes, como a K, na Alemanha, a NPE, nos Estados Unidos, a Plast, na Itália, e importantes feiras vizinhas, na Argentina, Colômbia e Peru. Sempre com edições especiais, no idioma local. Na recente edição da NPE, foi a única publicação brasileira com estande. Ao longo desses 15 anos, não apenas o setor plástico passou por importantes mudanças, como as fusões e aquisições, mas o Jornalismo em si também apresentou adaptações, com o desenvolvimento da mídia digital. Neste sentido, a revista acompanhou o ritmo das novas demandas e está presente através de seu site com informações atualizadas constantemente e nas redes sociais, com a publicação de notícias diárias sobre o setor . Neste momento de FEIPLASTIC, a editora dá mais um passo neste sentido, com a produção de um jornal digital do evento – em substituição ao seu modelo impresso nas edições anteriores. Em 2015 a editora Conceitual Press, acompanhando as exigências do mercado editorial cada vez mais globalizado, também mudou sua marca, passando a chama-se Conceitual Brasil. Trata-se de uma forma de sinalizar um novo conceito onde amplia-se abrangência mantendo o foco no sul do país. Junto com o novo nome da Editora vieram mudanças gráficas na publicação como um caminho para o novo modelo visual, que será lançado


em breve. “O diferencial da Plástico Sul é uma atenção especial à segunda maior região na produção plástica no Brasil, com importantes polos. Temos circulação nacional, mas com foco no Sul e ampla distribuição na região, o que é reconhecido pelos nossos leitores e parceiros”, diz a diretora da Revista Plástico Sul, Silvia Viale. O presidente do Simpesc- Sindicato da Indústria de Material Plástico no Estado de Santa Catarina, Albano Schmidt, confirma. “Nossa região produz mais de 30% dos artigos plásticos consumidos no Brasil, é reduto de alguns dos maiores produtores de tubos plásticos, embalagens, descartáveis, utensílios domésticos e peças técnicas em nível nacional e sul-americano. A Revista Plástico Sul surgiu e se consolidou como um veículo do nosso mercado em nível regional, cresceu e se manteve relevante em um ambiente difícil e muito competitivo. Justamente por ter essa característica regional consegue ter maior profundidade nos nossos temas e assim se diferencia dos veículos nacionais. Não poderíamos abrir mão de um veículo especializado em nossos mercados como é a Revista Plástico Sul”. A presidente do Sindicato da Indústria de Material Plástico no Estado do Paraná, Denise Dybas Dias, diz que a Revista Plástico Sul sempre foi uma aliada do setor, um veículo que esteve presente em todos

os eventos relacionados ao do mercado regional, que cresceu pelo seu profissionalismo, análise qualificada e pautas assertivas na discussão de temas de interesse do segmento. “Entre os desafios que enfrentamos hoje, a questão da transparência e da representatividade é fundamental. E a revista sempre ofereceu visibilidade às nossas causas, ampliando a voz do segmento junto aos stakeholders e à opinião pública. Dispor de um veículo

Revista Plástico Sul acompanhou também a evolução do Jornalismo, hoje conta com site e está nas redes sociais

<<< PS/PNE < 9


Especial DIVULGAÇÃO

Denise, do SIMPEP, "A Revista sempre ofereceu visibilidade às nossas causas."

especializado como a Revista Plástico Sul é de suma importância para nossa categoria, para o mercado, para os Governos e para a sociedade em geral, um fórum de discussões pertinentes, divulgação de informações relevantes, que se transforma em um catalizador de mudanças e incentivo de novas práticas no setor”. O presidente do Sinplast – Sindicato das Indústrias de Material Plástico no RS diz que “a Revista Plástico Sul, nestes 15 anos, acompanhou a evolução do setor, cobrindo as feiras nacionais e internacionais, congressos, cursos, assuntos técnicos, movimentação dos Sindicatos e notícias econômicas que impactam a área. Parabenizamos a Revista por sua trajetória e contribuição constante com o setor plástico”. Já para o diretor do Sindicato das Indústrias de Material Plástico do Nordeste Gaúcho (SIMPLÁS), Gelson Oliveira, a publicação balizou, orientou e expôs cenários ao longo destes anos. “Foi e é uma ferramenta de possibilidades para ficarmos esclarecidos de fatos importantes do nosso dia a dia”, sinaliza o diretor.

Retrospectiva

A Revista Plástico Sul acompanhou atentamente as mudanças nestes 15 anos. Schmidt relembra os acontecimentos. “Estamos falando de um período farto em termos de transformações estruturais no Brasil, aos quais a indústria em geral, e a de plásticos em particular, teve que se adaptar. Tivemos idas e vindas na taxa de câmbio, mudanças políticas importantes, consolidação da petroquímica, crise financeira, euforia econômica, e, ao final, saímos fortalecidos de um processo que premia os mais competentes, os que mais investem e acreditam em suas empresas e nas pessoas”. Ele diz que a indústria de produtos plásticos de Santa Catarina “navegou nessas águas revoltas com o leme apontando para o caminho da profissionalização, do investimento em tecnologia de ponta, dos ganhos de escala e produtividade, da 10 > PS/PNE >>>

qualificação dos colaboradores. Mudamos para melhor, num caminho sem volta em direção a um mercado cada vez mais competitivo e global”. Para Denise, as transformações do setor do plástico nos últimos quinze anos seguiram emparelhadas com toda a ordem de mudanças estruturais, econômicas e sociais ocorridas no Brasil neste período. “Desde a virada do século, com a inclusão de classes menos favorecidas no mercado de consumo, o Brasil começa a mudar. No contexto mundial, a concorrência internacional inicia o processo de acirrada competitividade, com uma economia altamente globalizada. E o Plano Brasil Maior, entre 2011/2012, trouxe novas perspectivas para a indústria nacional na busca da melhoria dos índices de competitividade, com uma política industrial, tecnológica e de comércio exterior que favoreceria a inserção do país na economia mundial”. Ela lembra também que foi período também da ascensão de outras nações emergentes e de vivenciar em maior profundidade os entraves históricos do país, que se mantêm indissolúveis até o momento, como a burocracia, a corrupção e questões de infraestrutura que decorrem em um Custo Brasil em constante ascensão. “Por outro lado, nos tornamos mais fortes, conscientes dos desafios e dispostos a buscar políticas de inovação, inclusão social e sustentabilidade, aprimorando a gestão eficiente, galgando estruturas cada vez mais enxutas e encontrando meios para elevar a qualidade da mão de obra de nossos colaboradores. Isso tudo para manter nossos parques fabris operando na busca de maior produtividade”. afirma. “Temos, hoje, uma nova visão e estamos certos de que com planejamento, estratégica, profissionalismo e organização política poderemos seguir adiante, transformando nosso setor em sustentáculo da economia, em prol de uma nação mais justa e próspera”. Para Deitos, do Sinplast, as principais transformações na indústria plástica nos últimos anos foram a busca dos gestores por capacitação própria e da equipe, novas práticas de gestão dos negócios e atualização do parque de máquinas. Gelson Oliveira, do Simplás, diz que é difícil mensurar o número de transformações ocorridas nos últimos 15 anos já que foram muitas as modificações e alterações do setor. Entretanto, Oliveira cita o avanço da tecnologia da informação, a automação de sistemas, a entrada de novos periféricos e matérias- primas e as novas softwares de designer proporcionando novos modelo de produto. “Enfim nestes 15 anos saímos da era do Gordine e fomos a era da Ferrari. Mas ainda temos espaços para ampliar este processo de melhorias continuas”, destaca.


<<< PS/PNE < 11


Indústria da Alimentação

& Mercados

DIVULGAÇÃO

Tendências

Nestes tempos de crise, quando alguns empresários do setor apostam em um cenário positivo apenas para 2017, o segmento de alimentação é apontado como um dos poucos que escapam da maré baixa. Ou pelo menos não estão tão mal. Compreensível, afinal a comida é, em princípio, um dos últimos itens a ser cortados e, antes disso, ainda ocorre a troca de marcas no supermercado. Os balanços para as embalagens são negativos, mas os investimentos e desenvolvimentos de novas tecnologias permanecem.

Setor resistente E

m sua retrospectiva 2014 e perspectivas 2015, a ABRE - Associação Brasileira de Embalagem apontou que, com volume bruto de produção na casa de R$ 55,1 bilhões, o setor apresentou recuo de 1,47% na produção física da embalagem em relação a 2013. Os números foram apurados sob a chancela do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (IBRE/FGV). Na opinião de Salomão Quadros, responsável pelo estudo, o ano de 2015 deve ser de atenção. “A confiança do consumidor vem diminuindo mês a mês. A política econômica mais restritiva e o ajuste fiscal vão desacelerar a economia. O ambiente internacional ainda está longe da normalidade. Uma possível retomada da indústria de Embalagem não deve ganhar força antes de 2016”, afirma. O estudo mostra que as classes de materiais com variação positiva no período são Papel, Papelão e Cartão (0,57%) e Vidro (4,92%). Já no comparativo do ano, apenas Vidro registrou crescimento de 1,86% em 2014 com relação a 2013. As demais apresentaram variação negativa, sendo o plástico -2,12 no primeiro semestre e -3,66 no segundo. No comparativo anual 2013/2014, o desempenho do plástico foi – 2,90. Ainda de acordo com os dados, o setor operou com grau médio de utilização da capacidade de 86,3%,

12 > PS/PNE >>>

gerando 227.321 postos de trabalho em dezembro de 2014, ou seja, 0,41% menos que em dezembro de 2013. O segmento de plástico é o que mais empregou no período, com 52,77% do total de empregos gerados. Entretanto, na comparação com o mesmo período de 2013, a área de Vidros foi a que apresentou crescimento expressivo, com aumento de 6,64% no número de postos ofertados no mercado de trabalho. O Estudo aborda também os números de Importações e Exportações, índices de Confiança da Indústria e do Consumidor, além do Consumo das Famílias. Com volume total de US$ 860.194.298, as importações apresentam variação positiva em Vidro (0,27%), Plástico (1,84%) e Madeira (1,41%). Recuaram Metal (-2,34%) e Papel/Papelão (-20,88%). As Exportações ficaram na casa de US$ 523.234.127, com crescimento em Vidro (28,55%), Metal (16,75%), Papel/Papelão (3,24%), Madeira (2,77%) e recuo apenas em Plástico (-1,59%). “Estamos em um momento onde a inovação é mais que necessária, é uma questão de sobrevivência. Precisamos buscar alternativas fora da caixa para superar um ano atípico, mas com situações já esperadas por todo o mercado. Inteligência e estratégia são duas palavras que devem ser incorporadas pelas empresas de todos os segmentos”, destaca Gisela Schulzinger, presidente da ABRE.


<<< PS/PNE < 13


Tendências

Indústria da Alimentação

& Mercados

DIVULGAÇÃO

Eid, da Dow, aponta entre as tendências em consumo e embalagens "comida rápida e de melhor qualidade"

Tendências comportamentais de consumo

Charly Eid, gerente de marketing das áreas

14 > PS/PNE >>>

de Embalagens para Alimentos e Especialidades Plásticas da Dow para a América Latina, fala sobre as tendências para o setor no Brasil: Conveniência, especialmente em novas categorias nos alimentos processados e congelados, aplicações como fácil abrir e fechar; Natural e fresco; Comida rápida e de melhor qualidade. Novo material para alimentos congelados; As novas pequenas lojas de conveniência estão redesenhando a estratégia de embalagens entre os donos da marca para trazer formatos menores. “O principal pedido que recebemos de diferentes conversores são soluções em torno de reduzir o impacto ambiental, menor custo e melhor óptica. Dow tem um portfólio completo de resinas de PE, adesivos e especialidades”, diz Eid. A onda de vida saudável no Brasil, com exercícios físicos e alimentação saudável, traz mudanças de comportamento, como a ingestão de alimentos frescos, in natura. Alguns são caros, levando à compra fracionada. Essas mudanças devem impactar no setor. “Especialmente em frutas frescas a tendência é usar embalagens para prolongar a vida de útil do produto na prateleira a um custo muito baixo. É fundamental que a embalagem seja uma ferramenta para proteger os alimentos e reduzir o desperdício”, comenta Eid.


<<< PS/PNE < 15


Tendências

Indústria da Alimentação

& Mercados

Alimento saudável, embalagem também. Linha conta com o plástico verde da Braskem.

DIVULGAÇÃO

clientes”, diz Fabio Mesquita, gerente de engenharia de aplicação da Braskem.

Rolhas para garrafas

A Braskem anunciou o emprego do plástico verde (Polietileno I’m green™) em rolhas para garrafas de vinhos fabricadas pela Nomacorc, empresa líder no segmento nos Estados Unidos. Denominadas Select® Bio, as rolhas são 100% recicláveis e apresentam o mesmo desempenho em controle do oxigênio que a linha convencional, além de evitar a deterioração e desperdício causados por processos como oxidação e redução. Neste caso, o plástico verde substitui com eficiência a cortiça, material proveniente de árvores específicas para tal fim e que podem levar algumas décadas para serem cultivadas.

Para o pão

Braskem apresenta resina para embalagens de hambúrgueres

A Braskem desenvolveu em seu Centro de Tecnologia e Inovação, no polo petroquímico de Triunfo (RS), uma nova resina destinada ao mercado alimentício no acondicionamento de itens congelados, como hambúrgueres. Trata-se da resina de polietileno HF0131XP, desenhada especialmente para processo de extrusão de filmes tubulares. Já disponível em supermercados de todo o Brasil, as embalagens de hambúrguer produzidas com esse produto contam com propriedades mecânicas diferenciadas que potencializam a eficiência na produção e oferecem uma boa aparência nas gôndolas de supermercados, com transparência e tom branco mais atrativo por conta de aditivação especial, tornando-as mais atraentes ao consumidor final, características que impactam na decisão do consumidor final. Outra novidade é que o material não precisa ser misturado com outras resinas ou aditivos, o que garante utilização na forma pura para atingir os exigentes requisitos de mercado. Dessa maneira, o filme torna-se mais resistente durante o processo de fabricação, o que aumenta os índices de eficiência ao fabricante, e oferece facilidade para envase aos frigoríficos. Embora a durabilidade do hambúrguer esteja associada principalmente à temperatura na qual o produto é mantido, a resina HF0131XP é capaz de produzir filmes com elevada resistência mecânica em baixas temperaturas. Essa característica diminui o risco de perdas eventuais ocasionadas por contaminação proveniente de rasgos nas embalagens. “O lançamento da resina demonstra o compromisso da Braskem com o desenvolvimento de soluções inovadoras e que atendam às necessidades de nossos 16 > PS/PNE >>>

A Braskem também destaca o plástico verde em embalagens de pães integrais produzidos pela Wickbold, empresa do segmento de pães industrializados. Denominados Wickbold Trigo Integral e Wickbold Castanhas e Sementes, os produtos contam com embalagens feitas de polietileno de cana-de-açúcar, matéria-prima 100% renovável. Com o objetivo de ajudar o consumidor a reconhecer o produto, a Braskem criou o selo I’m green™, que garante a origem renovável da embalagem.

Uso industrial

Dentro de sua área de projetos customizados, a Embaquim lançou no mercado uma capa plástica especial para tanques. “Este desenvolvimento é, de fato, uma extensão de linha, visto que já fabricamos capas para barricas e tambores de 100 e 200 litros”, explica Renata Canteiro, Diretora da empresa. Contudo, Renata lembra que neste projeto os desafios foram maiores. O diâmetro do tanque chega a 1.200 mm e o uso de um filme plástico simples não atendia às necessidades do cliente. “Como o tanque é movimentado, não podíamos deixar que o produto entrasse em contato com a tampa e/ou derramasse durante o transporte”, conta. A saída foi o desenvolvimento de uma capa octogonal cujo desenho possibilita forrar qualquer diâmetro de tanque. Segundo Renata este tipo de aplicação é bastante comum para o transporte e armazenagem de produtos industriais e substitui as tradicionais tampas metálicas fechadas a partir de um arco metálico. Entre os produtos industriais potenciais usuários do sistema, está a produção alimentícia, onde a Embaquim já atua fortemente.

Laboratório de embalagens resseláveis

A Zip-Pak, que atua em tecnologia de zíper resselável, anunciou a abertura de um laboratório


DIVULGAÇÃO

de embalagens e um showroom em suas instalações brasileiras localizadas em Cabreúva, São Paulo. O recurso foi projetado para fornecer aos proprietários visitantes de marcas regionais, conversores e fabricantes de equipamentos originais (OEMs), com base na América do Sul, uma experiência em primeira mão de soluções resseláveis para uma variedade de formatos de embalagens flexíveis para consumo. O showroom é interativo por design, permitindo aos visitantes tocar e experimentar a funcionalidade de uma grande variedade de soluções resseláveis da Zip-Pak, representativas de toda a gama de recursos regionais e globais da empresa. Os recursos do laboratório de embalagens incluem produção de protótipos, com os meios para oferecer aos clientes uma bolsa fabricada e decorada completa com um fecho resselável. "O mercado de sacolas resseláveis no Brasil e em toda a América Latina está crescendo rapidamente. Os consumidores da região estão demonstrando uma preferência por marcas comercializadas em embalagens que podem ser fechadas novamente, e as marcas e os fornecedores regionais estão ativamente à procura de recursos para atender à crescente demanda. Nosso laboratório de embalagens representa um importante

primeiro passo para a compreensão das possibilidades e, em última análise, percepção dos benefícios da embalagem resselável", explica Flavio Zampirolli, engenheiro de serviço de campo da Zip-Pak Brasil.

Natural e Fresco, esta é uma demanda atual dos consumidores.

<<< PS/PNE < 17


18 > PS/PNE >>>


<<< PS/PNE < 19


Indústria da Alimentação

& Mercados

DIVULGAÇÃO

Tendências

No Campo

Estufas para frutas e hortaliças conquistam pequenos produtores

O

aumento da produção, a redução de gastos com a diminuição do uso de agrotóxicos aliados à qualidade e a uniformidade dos frutos produzidos em cultivo protegido em estufas altas estão atraindo cada vez mais os pequenos produtores. A Poliagro Indústria de Plásticos Ltda, de Esteio (RS), é um dos fornecedores. A empresa produz filmes para estufas, túneis e coberturas com reforço especial para plantações de uva. O diretor da Poliagro, Edilio Sganzerla, informa que tem aumentado o uso desses materiais no meio rural fazendo com que a busca de alternativas para tornar mais eficiente e rentável as plantações de hortaliças e frutas faça florescer também o segmento de filmes agrícolas. Para se ter uma ideia, na ExpoagroAfubra 2014, realizada em março, em Rio Pardo, o espaço da Emater que apresentou esse tipo de produção foi um dos mais visitados. Ele cita o exemplo dos ganhos como o uso de estufas nas plantações de morango. E diz que as estufas altas com mesas substituíram os túneis baixos. “Assim,é possível produzir mais do que o dobro

20 > PS/PNE >>>

porque sobre a mesa há menos ataque de pragas do queno chão, o que também representa uma redução de 70% no uso de defensivos, diminuindo os gastos com esses produtos”, afirma Sganzerla. Travesseiros de plástico de dois a três metros com furinhos para o plantio são colocados em cima das mesas. Além disso, as estufas altas são melhores para o manejo por parte dos produtores, que não precisam ficar agachados, facilitando a contratação de mão de obra. O mesmo sistema começa a ser adotado nas plantações de alface, que antes eram produzidas em canteiros no solo. No caso da uva, a Poliagro desenvolveu uma máquina especial para produção de um plástico que é colocado sobre um arco nas videiras que ficam mais protegidas de ataques de fungos. Desta forma, as uvas de mesas duram mais nas gôndolas dos supermercados e seus grãos são mais uniformes. Ao citar as múltiplas aplicações do plástico na agricultura, Sganzerla destaca que a parceria com o fornecedor de resinas, no caso a Braskem, é importante para entender as demandas do cliente e para desenvolvimento de novas soluções com o objetivo de ampliar ganhos em eficiência e produtividade.


<<< PS/PNE < 21


Tendências

Indústria da Alimentação

& Mercados

FOTOS: DIVULGAÇÃO

Segmento consome 90% do PET produzido Refrigerante ainda é o principal mercado, mas alguns outros vem crescendo bastante

A

proximadamente 90% da resina PET produzida destina-se a embalagens de produtos alimentícios e/ou bebidas. O principal mercado atendido pelo PET ainda é o de refrigerantes, onde o material envasa cerca de 80% de toda a bebida produzida, o que significa quase 16 bilhões de litros em 2014. “Essa participação representa 58% das embalagens de PET produzidas no Brasil. Esses percentuais vêm se mantendo estáveis nos últimos anos, situação que deve se repetir em 2015, uma vez que se trata de um setor maduro”, afirma Auri Marçon, diretor-executivo da ABIPET – Associação Brasileira da Indústria do PET.

22 > PS/PNE >>>

Os mercados para água mineral e óleo comestível são responsáveis pelo consumo, respectivamente, de 16% e 11% da resina PET. Tais mercados envasam, também na ordem, 87% e 84% das suas produções em garrafas de PET. “São todos números aproximados”, ressalva. Muito embora o setor de refrigerantes ainda seja o alvo das atenções, essa concentração vem diminuindo graças à aceitação cada vez maior da embalagem de PET em segmentos diversos. “Podemos citar, neste caso, as bebidas lácteas, inclusive leite UHT, que foram importantes destaques em 2013, 2014 e continuarão sendo neste ano de 2015. Trata-se de um mercado que utiliza grande volume de embalagens e a plena aceitação do PET demonstra que o consumidor está em busca de opções que atendam melhor às suas necessidades, tanto em termos de praticidade quanto de segurança”. Além disso, o uso do PET garante a destinação adequada no pós-consumo, graças a uma cadeia industrial de reciclagem bem desenvolvida, que facilita o fluxo reverso e remunera o material reciclado. Também pode-se citar o forte avanço em setores como sucos concentrados, bebidas prontas para beber (RTD), isotônicos e energéticos. Neste último caso, a mudança no modelo de consumo, que passou de monodose individual para embalagens de uso coletivo, fez com que garrafas de maior volumetria passassem a ser requeridas. “Essa é uma das especialidades do PET e, assim, o produto passou a ter um maior alcance e as embalagens de PET passaram a ser preferidas do segmento”, afirma Marçon.


Hábitos saudáveis

Sobre alimentação e vida saudável, com alimentos leves, frescos, naturais, etc, uma demanda em alta na sociedade contemporânea, ele comenta que a busca pela saudabilidade influencia diretamente na escolha das embalagens, já que elas devem preservar os alimentos. Por outro lado, o consumidor busca, ao mesmo tempo, produtos que sejam práticos, transportáveis. “Para esse consumidor, as embalagens fazem parte do produto e devem permitir ver e controlar o que se consome, fechar adequadamente e com segurança para consumo posterior. Além da segurança alimentar, há a segurança física mesmo: embalagens utilizadas durante exercícios físicos, ou próximas de crianças em consumo domestico, têm de ser inquebráveis”. Há um outro fator: embalagens para produtos desse tipo são geralmente posicionadas em nichos de mercado que exigem design diferenciado e volumetrias menores, já que são, geralmente, produtos monodose ou para uso individual. A nova configuração das famílias, cada vez menores, também exigem embalagens cada vez mais específicas. As embalagens de PET atendem perfeitamente tais requisitos e por isso têm sido bas-

tante procuradas. Como exemplo, o mercado para isotônicos, que envasa praticamente 100% de sua produção em garrafas e frascos de PET, com garrafas que exibem design moderno e perfeitamente sintonizado com a proposta do produto - além de sistemas de fechamento que permitem o uso da embalagem mesmo durante a prática esportiva, importante como já dito. “Sucos, água de coco, bebidas funcionais, lácteos. O mercado está se expandindo e segmentando cada vez mais. O PET permite liberdade de design, gerando embalagens que atendem todas as características que o mercado da saudabilidade exige, permitindo produtos acessíveis, práticos e modernos”. Assim, com tantas exigências do consumidor, as empresas que produzem e entregam tais produtos, encontram no PET um material aliado, que vai ao encontro das suas necessidades de agilidade numa indústria que exige inovação constante, custos compatíveis e uma resposta ambiental eficaz.

<<< PS/PNE < 23


EventoFeiplastic 2015 Feiplastic 2015 reúne informação, com a ilha do conhecimento, sustentabilidade, através da Operação Reciclar, e prática, com centenas de expositores mostrando o que há de mais moderno na indústria do plástico.

Informação, sustentabilidade e prática A

semana de 04 a 08 de maio reserva inúmeras expectativas para a cadeia produtiva do plástico, já que na ocasião acontece a Feira Internacional do Plástico – Feiplastic, no Pavilhão de Exposições do Anhembi, em São Paulo (SP). O evento, além de servir como uma bussola de conhecimento de novas tecnologias, este ano está com o peso de ser um marco entre um período de amargos resultados e o inicio de uma nova era para os negócios da indústria de transformação. A crise que inevitavelmente atinge todos os setores industriais, afeta a cadeia produtiva do plástico, que vê em eventos de grande porte como a Feiplastic uma excelente oportunidade para movimentar a relação comercial entre fornecedores e compradores.

24 > PS/PNE >>>


<<< PS/PNE < 25


DIVULGAÇÃO

EventoFeiplastic 2015

Corredores cheios como na última edição é a expectativa dos expositores para impulsionar o mercado

A edição de 2013 contou com 69.150 mil visitantes que percorreram 85 mil m² do Anhembi em busca de inovação, lançamentos e alta tecnologia aliados à sustentabilidade de 673 empresas e 1402 marcas nacionais e internacionais. Além disso, 144 novas empresas participaram devido ao interesse em ampliar presença no mercado brasileiro e concretizar novos negócios e expositores chegaram a vender até 60 máquinas e obter faturamento de R$ 15 milhões. Além do espaço de exposição, onde fornecedores apresentam seus produtos e serviços, a Feiplastic 2015 conta ainda com dois eventos paralelos: A Operação Reciclar, e a Ilha do Conhecimento.

- Exposição de 1.400 marcas nacionais e internacionais - Presença de 70 mil visitantes/ compradores qualificados - Área de exposição de 85.000 m²

Operação reciclar

A sustentabilidade já é uma palavra muito presente no dicionário das empresas. Conscientes disto, as feiras proporcionam aos visitantes espaços específicos sobre o tema. Com a Feiplastic não seria diferente. Mais uma vez o evento contará com a Operação Reciclar simultaneamente à feira, no Pavilhão de Exposições do Anhembi. Entre as empresas participantes e patrocinadores bronze do projeto estão Pavan Zanetti, Romi e Wortex. A ideia é incentivar a coleta e reciclagem de materiais plásticos mostrando, na prática, todo o potencial de reciclabilidade e variedade de aplicações da resina plástica em diversos segmentos da indústria. A Plastivida coordena a ação com o apoio das entidades Abimaq, Abiplast, Abiquim, Instituto do PVC, INP e Siresp. A iniciativa também tem como patrocinadores as empresas Braskem (categoria ouro), Cincoplast (categoria prata) e Valor Sustentável (categoria bronze). 26 > PS/PNE >>>

Durante os dias do evento, todo o resíduo plástico gerado na feira, desde a montagem, até a desmontagem, será coletado e armazenado em quatro containeres. Parte desse material será transformado em grão no equipamento Challenger Compounder da Wortex, para reciclagem de materiais rígidos, injetado numa máquina da Romi e soprado numa máquina da Pavan Zanetti. O público poderá conferir, ao vivo, a criação/transformação de novos produtos, no espaço da Operação Reciclar. Na edição de 2013 foram coletadas e recicladas 25 toneladas de plásticos. Em todas as edições, a Operação Reciclar também recebe uma exposição com produtos desenvolvidos com plástico reciclado.

Ilha do conhecimento

Na edição de 2015, a Reed Exhibitions Alcantara Machado, promotora da Feiplastic, novamente levará conhecimento técnico e alta tecnologia com atividades para o público visitante, como a Ilha do Conhecimento, espaço exclusivo para a realização de debates técnicos e apresentações pelos expositores, com o objetivo de promover a atualização profissional e o conhecimento sobre produtos, equipamentos, tecnologias, tendências e melhores práticas de mercado. Serão organizadas apresentações de 45 minutos em auditório montado dentro do Pavilhão do Anhembi. A participação é gratuita para os visitantes. Entre as empresas que já confirmaram palestra, a Korper vai falar sobre economia de água e energia, no dia 4/5, das 16h às 16h45. Outro tema de interesse da indústria será apresentado pela Cristal Master, sobre antimicrobiano à base de zinco para termoplásticos, no dia 6/5, das 17h às 17h45. A Ilha de Conhecimento da Feiplastic ainda terá palestras da Abimaq, Pollutec, Dupont P&IP, ARPI, Waycarbon, Cromex, Radici, Braskem, Assunta, Plastivida, Fluoromasters, Abiplast, Mecalor, Dupont DPP, Exxonmobil, AGC Vidros, Nubiola, Dupont Titaneo, Dupont Cyrel, Tomra e Steinert.


<<< PS/PNE < 27


EventoFeiplastic 2015

Novidades dos expositores

A

edição de 2015 conta com expositores que apresentam à cadeia produtiva máquinas, equipamentos, matérias-primas e serviços que agregam valor aos produtos transformados. Confira o que algumas das principais empresas apresentarão em seus espaços durante os cinco dias de evento.

Activas

A Activas Distribuição de Resinas Termoplásticas irá levar à Feiplastic os seus serviços prestados aos clientes que contempla desde o atendimento personalizado através de sua equipe de vendas presente no estande, ao serviço de assistência técnica que dispõe na empresa e que o cliente poderá verificar durante os dias de exposição na feira. Além disso, a Activas divulgará seu portfólio de produtos: PP, PEAD, PEBD, PEBDL, PEBDL Flexus, EVA, PE Verde, UTEC, PS, Styrolux, Styroflex, ABS, ABS-PC, PMMA, SAN, Copoliéster, Tritan, Acetatos, Aditivos, Agente de Purga, Concentrados de Cor e Desenvolvimentos Personalizados. “A Feiplastic é a maior do segmento no Brasil, por isso esperamos um grande número de visitantes em nosso estande, entre clientes e fornecedores. Prevemos a realização de ótimos negócios, além de estreitar nosso relacionamento e, como também, a prospecção de novos clientes”, avalia o diretor da empresa, Laercio Gonçalves. Localização: Rua D estande D700

Amut-Wortex

A Amut-Wortex, fruto da parceria da empresa brasileira Wortex com italiana Amut, apresentará aos visitantes da Feiplastic a linha de extrusão para

28 > PS/PNE >>>

produção de chapas para a indústria de termoformagem - processo que permite moldar chapas plásticas dando forma ao produto, por meio de calor e pressão. A linha, destinada ao posterior processo de formagem por meio de calor, ar comprimido e/ou vácuo de artigos descartáveis, tais como copos, pratos, vasos, bandejas etc, possui características técnicas padrão para estas aplicações. Entretanto, o projeto de cada linha pode ser adequado às necessidades específicas do cliente e incrementado com outros equipamentos e acessórios. A linha também pode ser adquirida com grupo de co-extrusão para produtos multicamadas. A quantidade de camadas que podem ser extrudadas no equipamento vai depender tanto do material usado quanto do produto final termoformado. Milani diz que, nos produtos termoformados, de uma a três camadas são as mais utilizadas, porém, é possível chegar até a cinco ou sete camadas no caso, por exemplo, de produtos com camada-barreira, para aplicações na indústria de alimentos. “A nossa tecnologia permite chegar até a nove camadas. Decidimos apresentar na Feiplastic esta linha, pois o setor de termoformagem é o maior mercado consumidor de equipamentos para extrusão de chapas.”

Arburg

"Um dos nossos pontos fortes é o fato de oferecermos soluções de moldagem por injeção com produção eficiente que se ajustam precisamente às necessidades dos nossos clientes", destaca Kai Wender, gerente da Arburg Ltda. "No nosso estande, mostramos a execução de dois produtos em exposição eficientes em conjunto com parceiros brasileiros ". Umas das máquinas a ser apresentada é Allrounder


570 H híbrida com força de travamento de 2.000 kN e unidade de injeção de tamanho 800, equipada com um molde de 32 cavidades da firma RK Ferramentaria, demonstra o potencial da série de alto desempenho Hidrive. Ela produz colheres descartáveis de poliestireno de 1,3 grama de peso cada uma. A fabricação é totalmente automática: a extração e o empilhamento das peças moldadas ficam por conta de um sistema robótico da firma OK Automation, Braço do Norte. Em seguida, um robô de seis eixos embala juntas cada 50 peças. O tempo de ciclo completo do aplicação rápida compreende em torno de 4,8 segundos. A segunda máquina exposta, uma Allrounder 470 C Golden Edition, com 1.500 kN de força de travamento e unidade de injeção 400, faz parte da série básica hidráulica da Arburg. Esta série, a mais comercializada no Brasil, dispõe de combinações fixas de força de travamento e unidade injetora e oferece os tradicionais componentes técnicos de alta qualidade da Arburg e uma relação custo/ benefício excelente. Essas características tornam-na interessante para vários setores, desde a indústria automobilística até o fabricante de embalagens que não atua no setor de parede fina. Na Feiplastic 2015, serão fabricadas pontas de aplicadores de pomada com um molde de 16 cavidades da firma Artis Matriz, Campo Largo. As peças técnicas moldadas por injeção, de 0,5 grama cada uma

feitas de PE HD/LD, são fabricadas em um tempo de ciclo de 7,5 segundos. Localização Rua H Estande H 108

• Battenfeld-Cincinnati

Em 2013, a battenfeld-cincinnati inaugurou a battenfeld-cincinnati do Brasil Ltda, seu escritório de vendas e assistência técnica para o mercado brasileiro. Na Feiplastic 2015, a battenfeld-cincinnati apresentará em seu estande sistemas de extrusão para tubos, perfis e chapas para termoformagem que oferecem, além de alta performance e eficiência, economia de custos e recursos. Um exemplo são as extrusoras monorosca solEX L/D 40 que oferecem uma excelente qualidade da plastificação com baixas temperaturas, mesmo para as mais altas taxas de “outputs”. A solEX 150, o mais novo modelo da série apresentado em março de 2015 na feira NPE, atinge “ outputs “ de até 2.750 kg/h nas aplicações de HDPE. Já a série twinEX de extrusoras de rosca dupla paralela foi projetada para proporcionar uma economia significativa dos custos energéticos, aliada a uma excelente plastificação e flexibilidade no processamento de uma extensa gama de formulações e materiais. O novo modelo twinEX 148-28 é particularmente adequado à extrusão de tubos de grande diâmetro, à extrusão de alto desempenho de perfis, bem como à extrusão de chapas de espuma de PVC.

<<< PS/PNE < 29


EventoFeiplastic 2015 De dimensão pequena e com características de plastificação ideais, as extrusoras monoroscas de alta velocidade da battenfeld-cincinnati de 75 mm alcançam “outputs” de até 1,8 t/h, consumindo 25% menos energia do que as extrusoras convencionais do mesmo tamanho. Esta tecnologia foi aperfeiçoada com o lançamento da extrusora de alta velocidade, dotada de uma zona de entrada otimizada que necessita de aquecimento somente para o arranque. Além disso, a extrusora STAR para a extrusão de PET vem ganhando reconhecimento no mercado graças às vantagens oferecidas pela combinação de uma única rosca com uma seção planetária, que confere facilidade de manuseio e uma desgaseificação altamente eficiente da massa fundida. Os tamanhos de máquina disponíveis de 90, 120 e 150 mm adequam-se com perfeição a rendimentos pequenos a médios. A battenfeld-cincinnati oferece uma seleção de extrusoras de dupla rosca contrarrotante para o processamento flexível de materiais em PVC. Nestas máquinas, o destaque fica por conta da tecnologia “EMS”, que permite o ajuste contínuo da folga ( fenda ) de contrapressão e o controle acurado das características da massa fundida durante toda a produção. Isto oferece uma ampla janela de processamento em ótimas condições, com excelentes resultados em termos de qualidade do produto. Além disso, o ajuste do cilindro permite o processamento de PVC rígido e flexível com um par de roscas, proporcionando “outputs” de até 1.800 kg/h. Mais economia de energia e nos custos de investimento. Localização: Rua L estande L199.

sopradoras até 5000ton e moldes até 70ton. As características do produto são prendedor para troca-rápida para moldes; aplicação em injetoras de alumínio e plástico, placa com rosca ou canal tipo "t"; redução de set-up e aumento de produtividade; elimina chaves, prolongadores, porca sextavada, arruela e esforço físico; fixa qualquer altura de molde com abas ou rasgo lateral; não necessita de padronização; fornecido conjunto completo com montagem no local; agilidade em limpeza e tempo reduzido; e trabalha sem pressão. Já o Tombador de moldes e bobinas é indicado para projetos especiais de tombadores conforme solicitação do cliente. Suas características são tombador de moldes, estampos, ferramentas, bobinas de pequeno, médio e grande porte; tamanhos específicos para até 60 toneladas; possui sistema de movimentação especial que permite deslocar o tombador. Outro destaque é a prateleira para armazenagem de moldes, um sistema inovador para armazenagem que valoriza o espaço e aumenta a eficiência. Suas características são redução do tempo de set-up pelo aumento da praticidade; facilita o deslocamento de peças pesadas pelo uso de ponte rolante ou guindastes; elimina o uso de empilhadeiras quando usado com ponte rolante; facilita e otimiza a estocagem aumentando a durabilidade dos porta moldes e ferramentas; aumenta organização permitindo a criação de layout funcional; reduz o espaço ocupado com paletes no chão; a estrutura modular permite regular altura das gavetas; altura útil, largura útil e profundidade útil conforme necessidade do cliente; prateleira para moldes e ferramentas de 100Kg a 10ton.

• Belsul

BSLog

A Belsul apresenta um novo formato de venda de matéria-prima aos seus clientes– o SEP Belsul - nos dias 06 e 07 de maio de 2015, em espaço exclusivo montado no Holiday Inn Anhembi. O SEP, Sistema de Entrega Programada Belsul, é uma nova lógica de negócio, onde o foco passa a ser a segurança financeira dos clientes.Com um excelente pacote de benefícios e responsável por todo o serviço agregado, a Belsul garante a disponibilidade dos ativos de forma segura e econômica. “Essa é uma oportunidade de manter-se competitivo e atuante frente a um cenário econômico turbulento e em mudança”, afirma Sérgio Corrêa Sanches, presidente do grupo. Ao estabelecer uma programação da compra, a empresa ganha em previsibilidade e passa a ter uma opção para atenuar os riscos de flutuação cambial e contornar a inflação. Além disso, conta com uma fonte alternativa de suprimento real.

• Brasfixo

A Brasfixo vai expor um sistema de fixomolde troca rápida de molde, ideal para máquinas injetoras e

30 > PS/PNE >>>

A BSLog, empresa especialista em soluções logísticas, recebe clientes nos dias 06 e 07 de maio, em espaço exclusivo.No mercado desde 2013, a BSLog atende a diversos segmentos de mercado, sobretudo químicos. São movimentados cerca de 7.000 toneladas em importação e distribuição internacional, inbound e outbound por mês. O objetivo é aproximar a BSLog dos clientes do Brasil todo que estarão participando de um grande evento nesse mesmo período, além de prospectar novos negócios - afirma Sérgio Sanches Correa, presidente da BSLog, referindo-se a Feiplastic.

Blufer Tecnoplast / Pintarelli Industrial

A empresa apresenta na feira uma linha automatizada de produção de frascos soprados incluindo periféricos desde a rebarbação até a embalagem de frascos em sacos plásticos ou em caixas de papelão. “Estaremos mostrando por vídeos, sistema de paletização de frascos e enfardamento de bisnagas em caixa de papelão”, explica Carlos André D. Pintarelli, Gerente Comercial da empresa.

• Colorfix

A Colorfix Masterbatches fará diversas apresen-


tações de produtos em seu estande durante a Feiplastic. “Conforme um estudo de tendência, com base na linha de cosméticos e forte influência da área têxtil e do mundo da moda, equipes da Colorfix desenvolveram a Linha Tendência. O catálogo traz 30 cores, que dão ‘vida’ ao plástico transformado. O objetivo é atender os clientes com agilidade e assertividade, dentro das normativas da Anvisa 105 (alimentos e cosméticos)”, explica o diretor superintendente Francielo Fardo. Além disso, dois anos após o lançamento da Linha Bactifix, a Colorfix Masterbatches amplia a sua linha de biocidas, concentrados formulados com aditivos, especialmente, utilizados para combater e impedir a proliferação e o ataque de fungos e bactérias as resinas poliméricas. Também será apresentado o Processfix, cujo o princípio ativo adere às partes metálicas internas da máquina durante o processamento, aumentando a produtividade e facilitando a limpeza da máquina, consequentemente reduzindo o uso de resina na limpeza do equipamento. Complementam o portfólio da feira o Processfix HP (high performance), que quando adicionado ao polipropileno modifica o comportamento de cristalização dos polímeros, e o Clearfix Colorants, que apresenta entre os principais benefícios a alta transparência em polipropileno clarificado, cores

vivas e limpas, alta resistência a migração e nucleação. Localização: Rua B Estande B699.

• Cristal Master

A Cristal Master divulgará na feira sua linha completa em pigmentação e aditivação termoplástica, com destaque para quatro produtos: - Aditivo antimicrobiano à base de zinco, desenvolvido pela Cristal Master em parceria com a Kher. Trata-se de um aditivo que pode ser facilmente incorporado em peças plásticas, e o mesmo garante a sua ancoragem física permanente nos materiais, o que impede a sua migração para o meio externo com o tempo. Esta característica promove o aumento da duração e permanência do antimicrobiano na peça, deixando a mesma protegida e seus usuários seguros dos riscos causados pela ação indesejada de bactérias e fungos. - Aditivo anticorrosivo, aplicado geralmente em filmes utilizados para embalar peças metálicas, evitando assim a corrosão da peça durante o transporte e/ou armazenagem. - Aditivo Cristal Drylink que além de atuar como absorvedor de umidade, também atua no plástico como agente compatibilizante, melhorando a resistência mecânica do produto.

<<< PS/PNE < 31


EventoFeiplastic 2015 - Aditivo Oxi-biodegradável, que acelera a degradação do polímero, sem agredir o meio ambiente. A coordenadora de vendas Aline Arndt explica que a empresa também destacará na feira a filial em Itupeva/ SP, que além de manter diversos produtos em estoque, disponibiliza um laboratório de desenvolvimento, com uma equipe especializada para atender os clientes dos mais diversos segmentos. “A Feiplastic é um evento muito importante para a Cristal Master, pois possibilita ainda mais divulgarmos nossa marca e a qualidade dos nossos produtos para o mercado nacional e internacional, além de nos permitir nesse ano, divulgar nossa filial de Itupeva/ SP”. Localização: Rua C estande C899

• Coim

A COIM – Chimica Organica Industriale Milanese, fabricante de especialidades químicas localizada em Vinhedo, interior de São Paulo, participa da edição 2015 da Feiplastic apresentando seus produtos das linhas Novacote (adesivos para laminação de embalagens flexíveis), Imuthane (elastômeros de PU), Laripur e Laricol (TPU’s), em estande estrategicamente localizado. A multinacional italiana também aproveitará o momento para oficializar grandes parcerias. A primeira delas é com a marca americana NDC Technologies, responsável por desenvolver o leitor de

32 > PS/PNE >>>

gramatura – equipamento que verifica a medida real do adesivo aplicado online (g/m2) no ato da laminação, podendo ser corrigido durante o processo, de modo a evitar perdas e prejuízos.Já a segunda parceria é com a empresa Gomatech no fornecimento de dosadores de alta qualidade e segurança. “Contamos com o apoio dessas marcas para auxiliar nossos clientes a obterem produtos de excelência, gerando a eles um grande potencial competitivo”, declara José Paulo Victorio, presidente da COIM Brasil. Além de mostrar todo o seu portfólio de produtos para o grande público, a empresa, que participa pela primeira vez da maior feira da América Latina no setor de plástico, também espera ampliar a carteira de clientes durante o evento.

Corona Brasil

Durante a Feiplastic, a Corona Brasil irá apresentar Estações de Tratamento Corona, modelos para aplicação de tratamento corona em materiais plásticos e metalizados e Conversores para Tratamento Corona, com monitoramento de potência integral na aplicação da descarga elétrica sobre o filme e check control para facilitar a identificação de falhas, além de equipamento para tratamento Corona em peças plásticas 3D. “O objetivo maior é gerar negócios através da demonstração dos produtos e exposição da


<<< PS/PNE < 33


EventoFeiplastic 2015 marca”, diz Rodrigo Silva, do departamento comercial da empresa. Localização: Rua I estande I650.

• Cromex

A Cromex completa 40 anos de atividades e vai comemorar essa data com seus parceiros e clientes durante a Feiplastic 2015. Durante o evento, a Cromex vai expor a sua gama de soluções – produtos e serviços num espaço de 300 m2 – para a indústria de transformação de plásticos. Em destaque, estarão os últimos lançamentos da empresa, como o aditivo redutor de odor, que reduz/elimina o cheiro de compostos e resinas olefínicas e é indicado para produtos injetados e extrudados que utilizam resina reciclada e recuperada. Outro destaque é o masterbatch preto “super concentrado”, com mais negro de fumo. Também estarão em exposição a Linha Microcolor® (compostos coloridos e aditivos customizados para o processo de Rotomoldagem), a linha de masterbatches líquidos Dispermix® , além do portfólio completo de cores e aditivos. Na área de distribuição, a Cromex vai ressaltar a parceria com a Moulds Plus International, fabricante do composto de purga Ultra Purge, para gerenciar a distribuição do produto no Brasil. A Cromex também irá apresentar seu novo site, desenvolvido para estreitar o relacionamento e atender as demandas de seus clientes. Uma inovação do site é o simulador de cores, ferramenta com exclusividade no segmento, que tem o objetivo de agilizar a escolha do cliente no processo de desenvolvimento de cores.

• Digitrol

A Digitrol apresentará em seu estande na próxima edição da Feiplastic 2015, o novo plastômetro de extrusão LMI5000 fabricado pela sua representada Dynisco. O LMI5000 atende às especificações da norma ASTMD1238 e outras normas internacionais para a medição do índice de fluidez de polímeros, uma variável amplamente utilizada para caracterização das propriedades de fluxo.

34 > PS/PNE >>>

Conforme informações da empresa, o LMI5000 possui um novo sistema de gerenciamento de pesos permitindo que seja operado de forma segura e ergonômica. Digitrol enfatiza ainda que o novo sistema de compactação evita os problemas causados pela falta de consistência na compactação das amostras durante o teste. Já o novo display digital touch screen permite a fácil operação e visualização dos programas e resultados de teste. Além disto, o LMI possui o novo Software LAVASUIT permitindo o arquivamento e análise estatística dos resultados. Possui uma rotina especial de software que permite a correlação do índice de fluidez com a viscosidade intrínseca do PET. Diferentemente do método de viscosidade de solução que requer uma série de cuidados com o manuseio e descarte de produtos químicos perigosos, o plastômetro da Dynisco proporciona um meio rápido e seguro para a análise da viscosidade.

Dow

“A presença da Dow na Feiplastic é uma oportunidade para reforçar o seu compromisso de crescer em parceria com toda a cadeia de valor, e continuar apostando no futuro da indústria plástica, sempre em busca de inovações”, comenta Letícia Jensen, Diretora de vendas da área de Embalagens e Plásticos de Especialidade da Dow para o Brasil. Neste ano, a Dow trará novidades em todas as suas áreas de plásticos de especialidades. Em rígidos, a Dow apresentará o HYPERTHERM™ - resina para canos que precisam suportar altas temperaturas e, também, as resinas FINGERPRINTTM – com excelente processabilidade para canos de microirrigação. Além desses, estarão presentes o processo de rotomoldagem – para móveis de design, outros objetos rígidos complexos ou tanques para armazenamento de água e; CONTINUUMTM para Caps&Closure – tampas de plástico para garrafas de bebidas com melhor reciclabilidade; e o Blow molding – para embalagens grandes de pesticidas, por exemplo. Além desses destaques, a


<<< PS/PNE < 35


EventoFeiplastic 2015 Dow reforçará junto ao mercado seu portfólio com foco no desenvolvimento de aplicações para o segmento de filmes industriais, com destaque para resinas direcionadas à produção de filmes Stretch de alto desempenho (DOWLEXTM, ELITETM, ELITETM AT e ATTANETM), além da plataforma Elite AT para produção de filmes Stretch Hood 100% PE. E ainda, as soluções para o mercado de filmes agrícolas, com destaque para as linhas Dowlex e Agility para produção de Silobolsas, uma eficiente solução para armazenamento de grãos nos campos brasileiros.

Eteno

O objetivo da Eteno na Feiplastic 2015 é ser um ponto de apoio para seus clientes e fornecedores que visitarão a feira. Para o diretor Odair Ruiz, a realização de um evento de tal magnitude é muito importante para o setor, visto que reúne as principais empresas atuantes. “Além do networking, há sempre a possibilidade de novos negócios”, salienta. A Eteno é uma distribuidora autorizada da Braskem atuando há 20 anos no segmento, atendendo os mercados norte e nordeste. Conta com matriz em Recife/ PE e filial em Camaçari/BA. Distribui também resinas termoplásticas da Unigel e Masterbatches e Aditivos da Cromex. Localização: Rua F estande F498.

Extrusão Brasil

A Extrusão Brasil apresenta na Feiplastic seu conjunto de extrusão para fabricação de produtos em PVC , tais como : Perfís, Tubos, Telhas de PVC e granulação. Essa linha de extrusão é composta por uma extrusora dupla rosca cônica de 80/156. Outro equipamento que estará exposto é um misturador/resfriador para PVC com produções de 500 Kg/h. As extrusoras dupla roscas cônicas são máquinas capazes de processar grandes quantidades de PVC com excelente plastificação. São dotadas de cilindro e roscas nitretados com uma camada de tungstênio para aumentar a vida útil do conjunto de cilindro e roscas.Possui um pré alimentador para aumentar e dosar a quantidade de material que alimentará a rosca principal. Inversor de frequência para o motor principal da extrusora e para os periféricos (linha de frente). Já o misturador a ser apresentado é o modelo SRLZ 200/500 para produções de 500 Kg/h.

Fortymil

A Fortymil apresentará na Feiplastic sua nova identidade visual e mostrará os últimos lançamentos da Braskem os novos produtos oriundos de novas bandeiras conquistadas. “Já a Plastimil vem para a feira apresentando seus novos desenvolvimentos em resinas recicladas e compostos, nos mais diversos segmentos : automobilístico , linha branca , eletro - eletrônico , peças técnicas, embalagens, entre outros”, afirma a secretária Rachel Chechinato. Para ela, por ser a maior feira da América Latina e uma das maiores do mundo, a Feiplastic concentra o que há de melhor na Indústria do Plástico, proporcionando uma 36 > PS/PNE >>>

excelente possibilidade de novos negócios. “Com isso, esperamos estar próximos de clientes ativos, conquistar novos parceiros e realizar muitos negócios”, avalia. Localização: Rua D Estande D701.

Grupo Furnax

O Grupo Furnax apresenta na Feiplastic, a injetora 350 toneladas produzida em Taiwan pela fabricante Asian Plastic do grupo Chen Hsong. O equipamento de ciclo rápido traz novidades em tecnologia permitindo eficiência e maiores ganhos na produção e é destinada à produtos de parede fina. Nesta edição o Grupo apresenta também o robô de entrada lateral para sistema de In Mold Label que trabalhará em conjunto com a injetora, desenvolvendo aplicações de IML (In Mold Label). Esse sistema possibilita a aplicação de rótulos impressos sobre filmes plásticos diretamente no molde, reduzindo tempo de mão de obra e produzindo peças personalizadas sem a necessidade de impressões manuais, rótulos adesivos, silk, etc. Além do IML, será exposto também, o sistema de troca rápida de molde, produto no qual a empresa trabalha à cerca de um ano com uma empresa tradicional de Taiwan. Esse sistema oferece grande economia de tempo e maior produtividade às empresas que necessitam realizar trocas de moldes com muita frequência, ou ainda, para equipamentos de grande porte, reduzindo o setup e custo da hora máquina. De acordo com Vivian Rodrigues, gerente da Divisão Plástica da Furnax, a Feiplastic é uma ocasião única para firmar parcerias e realizar ótimos negócios. Rua M Estande M198

IMMAC

Participando da Feiplastic pela primeira vez, a IMMAC, de Novo Hamburgo (RS), mostrará diversas novidades, como uma injetora própria e o robô da SEPRO que estará trabalhando com esta injetora que é um modelo BS III 200 toneladas. Conforme o representante comercial da empresa, Cristian Heinen, trata-se de um modelo top de linha com servo motor, CLP Keba, guias lineares na injeção e saída robô.“Nossa linha de injetoras é composta por injetoras com bomba variável, servo motor, máquinas de 2 placas de até 6.800 ton. de força de fechamento e outros modelos especiais”, explica Heinen. Ele salienta que a IMMAC ainda se dedica a vender periféricos complementares à linha de injetoras (alimentador, secador, unidade de água gelada, torre, robô) e injetoras de alta performance Sumitomo Demag, bem como extrusoras de tubos, perfis e mangueiras. “A vantagem é que temos profissionais experientes para a comercialização de produtos e também para o apoio técnico”, finaliza o executivo.

Inbra

Indústria brasileira fundada em 1939, a INBRA lança na FEIPLASTIC 2015 a linha Inbraflex® de Plastificantes para PVC a base de Ésteres de Óleos Vegetais


Epoxidados e novos produtos da linha Plastabil® nos estabilizantes térmicos para PVC a base de cálcio e zinco. Usados na produção de tubos e conexões, forros e perfis, fios e cabos, mangueiras, calçados, brinquedos, laminados, filmes, entre outros, os lançamentos foram desenvolvidos para substituir produtos considerados nocivos à saúde, de acordo com a tendência do mercado mundial. Conforme o diretor comercial da empresa, Eber Luchini B. de Souza, depois da produção das linhas de Agentes esponjantes, Estabilizantes Ca/Zn e Estearatos Metálicos, em 2015 foi iniciada a produção de Óleo de Soja Epoxidado na unidade de Elias Fausto, no interior do Estado de São Paulo. “Com isso, a Inbra expande em 30% sua capacidade produtiva desse produto, visando consolidar sua posição como líder de mercado no Brasil, e ampliando a participação no mercado externo”, salienta o executivo. Localização: Rua B Estande B701.

Körper

Na FEIPLASTIC 2015 a Körper apresentará a série VFB de Dry Coolers, um grande aliado na economia de água em processos de resfriamento industrial em circuito fechado. Com capacidade de resfriamento expansível, opera com baixo consumo de água, energia e níveis de ruído reduzido. Considerado um equipamento ecologi-

camente correto não gera efluentes que contaminam o meio ambiente, podendo ser usado para todos os tipos de aplicação, principalmente àquelas onde não pode haver contaminação do fluido resfriado. Esse modelo conta também com uma bomba de recirculação que auxilia na formação de um lençol de água sobre uma exclusiva camada de Celpack, formando um leito úmido que auxiliará o resfriamento do ar e também servirá como proteção da superfície aletada da serpentina.

• KraussMaffei

O processo de FiberForm KraussMaffei é uma combinação perfeita de moldagem por injeção e termoformagem de folhas compostas. Com tempos de ciclo muito curtos, o processo FiberForm permite a fabricação de componentes feitos de materiais compósitos termoplásticos de uma forma que estão prontos para a produção de grandes séries. "Na América do Sul, estamos percebendo uma crescente demanda por soluções de construção leve de baixo custo, especialmente para o setor automotivo e transporte", explica Klaus Jell, Gerente Geral KraussMaffei do Brasil. "Com o processo FiberForm e seus tempos de ciclo muito curtos atendemos justamente às exigências das montadoras (OEMs) e os fornecedores no mercado

<<< PS/PNE < 37


EventoFeiplastic 2015 sul-americano". Outra vantagem é a redução de peso e rápido processamento posterior. Componentes para automóveis feitos com o processo FiberForm são aproximadamente 40 por cento mais leves do que o convencional feito de metal, não têm de ser reformulados e estão prontos para instalação imediatamente. Já o recém-desenvolvido APC (Processo Adaptativo Controle) é uma função da máquina de KraussMaffei que imediatamente compensa as flutuações no processo de fabricação de moldagem por injeção. Transformadores podem se beneficiar de forma consistente da alta qualidade dos componentes. O APC é oferecido em todas as séries elétrica e hidráulica da KraussMaffei. "O aspecto revolucionário da APC é que a qualidade do componente serve como variável de controle definitivo. Como a função APC atua como correção durante cada ciclo, as possibilidades anteriormente não previstas para mais robusta e eficiente moldagem por injeção agora estão abertas", diz o Dr. Reinhard Schiffers, Chefe de Tecnologia de Máquina em KraussMaffei. A função APC desenvolvida e patenteada pela KraussMaffei ajusta o ponto de transição e o perfil de pressão em cada ciclo. Isto faz com que seja possível compensar desvios no mesmo tiro, levando a flutuações significativamente inferiores. Desta forma, as flutuações no processo de produção desencadeadas por fatores externos, como mudanças de temperatura, condições climáticas ou lotes podem confiantemente ser compensadas. Em sentido figurado, a APC opera da mesma forma que o controle de cruzeiro para veículos.

LGMT

Novamente prestigiando o evento, a LGMT fará a apresentação de uma Linha para produção de Tubos Corrugados Ø 16 a 40mm, alta velocidade até 40m/min. Nessa composição será mostrado: Extrusora Ø 75mm, Cabeçote, Corrugador “Refrigerado a Água” e Bobinador.O equipamento estará preparado para produzir Tubos Corrugados de PVC ou PE, a uma velocidade de 30 a 40m/ min. (1.800/2.400m/h.). Nas linhas de produção de Tubos Corrugados de diâmetros maiores, a empresa atende com equipamentos específicos para produzir as seguintes bitolas: 40 a 125mm (1 1/4'’ a 4’’) e de 125 a 190mm (4’’ a 6’’).“Durante o evento apresentaremos através de vídeos e banners, os conjuntos que completam nossas linhas de fabricação como: máquinas para Tubos (Rígidos e Flexíveis), Perfis (Rígidos e Flexíveis), Granulação de Compostos ou Reciclagem, Laboratório, Extrusoras e CoExtrusoras”, explica o diretor comercial Luciano Miotto. O empresário afirma que no estande da LGMT o visitante poderá ver a linha de “Construção e Recuperação” conjuntos de Cilindros, Roscas e acessórios, que equipam máquinas de extrusão “mono/dupla rosca”, Injeção e Sopro. “Lembrando que produzimos esses componentes para atender a indústria de transformação de termoplásticos, borrachas, alimentos entre outros”. Localização: Rua H Estande H699. 38 > PS/PNE >>>

Mais Polímeros

A Mais Polímeros trabalha com a distribuição dos portfólios da Braskem e Unigel. “Nesta edição da feira, estaremos oficialmente credenciados para fornecer o Polietileno Verde da Braskem para os clientes que atuam num segmento de mercado crescente e que se diferenciam por uma maior conscientização a respeito dos conceitos de sustentabilidade, perenidade e evolução equilibrada; e, inseridos na Política Comercial da Braskem para esta especialidade”, garante Aparecido Luis Camacho Gomes, gerente comercial da empresa . Para o executivo, a Mais Polímeros tem expectativas positivas para o evento em todos os aspectos: recebimento dos clientes, fornecedores, fabricantes de máquinas, contato com os mercados e desenvolvimentos, novas parcerias e bons negócios, etc. “Aproveito este meio para incentivar aos clientes, fornecedores, parceiros e colegas a visitarem-nos na Feira, pois apesar das redes sociais, as pessoas cada vez mais são e serão o diferencial competitivo. Nesse sentido, um evento como esse é um bom momento para praticar o network e sair "fora da caixa" do dia-a-dia”, lembra Camacho. Localização: Rua B Estande B298.

Moretto

A Moretto apresenta o sistema Eureka, composto por três elementos: o sistema de gestão e distribuição de ar FLOWMATIK, o funil de secagem OTX e o desumidificador X Max. O sistema Eureka da Moretto foi desenvolvido ao longo de um período de 13 anos de simulações, experiências e testes cujo resultado é descrito pelo CEO Renato Moretto "o projeto mais ambicioso na história da desumidificação durante os meus 45 anos de carreira no mundo dos plásticos". Escolhendo a palavra grega Eureka (achei), que foi pronunciada pelo físico e matemático grego Arquimedes ao descobrir o principio do Empuxo, Moretto afirma que esta palavra descreve apropriadamente como os três elementos do sistema finalmente "fecharam o circuito" para dar origem a um sistema de desumidificação extremamente eficiente.

Netstal

A Netstal apresenta os seus produtos, suas competências de vendas e serviços para o mercado sul americano na Feiplastic. Os visitantes podem se informar detalhadamente das máquinas e sistemas de moldagem por injeção para aplicações em diversas áreas industriais, assim como quanto aos abrangentes serviços relacionados aos produtos. O desenvolvimento contínuo da estrutura de vendas e serviços na América do Sul contribui de maneira decisiva para o sucesso da marca Netstal na América do Sul. “Estas medidas foram muito bem aceitas por nossos clientes pois, desde então, oferecemos um portfólio conjunto ainda maior de produtos e serviços.", comenta Klaus Jell, Diretor da subsidiária do grupo KraussMaffei na América do Sul. “Os inúmeros sistemas, em especial no setor de fechamen-


<<< PS/PNE < 39


EventoFeiplastic 2015 to e embalagens de bebidas, que estão sendo atualmente instalados na região, também confirmam isto.”

• NZ Cooperpolymer

A NZ Cooperpolymer está há mais de 20 anos no mercado nacional produzindo compostos termoplásticos de engenharia para diversos segmentos da indústria. Segundo Mariana Toledo, do departamento de Marketing da empresa, durante a Feiplastic serão apresentados diversos produtos, como Poliamida6.6; Poliamida 12; Poliamida 11; Poliacetal;Polipropileno;Polietileno;Polic arbonato e Peças injetadas para linha automotiva, com destaque para a Poliamida 6.0 Natural que é a novidade da empresa na edição. “Nossas expectativas são estabelecer novos negócios e manter um bom relacionamento com nossos clientes”, afirma Mariana. Com investimentos em tecnologia e treinamento de nossos colaboradores, a NZ Cooperpolymer atualmente é certificada ISO 9001:2008. “Possuímos Extrusora Mono e Dupla Rosca de Laboratório, além de Injetora Vertical e Horizontal 86T, com a finalidade de assegurar nosso produto dentro dos parâmetros pré estabelecidos e evidenciados no Certificado de Qualidade”. Localização: Rua B estande B630.

• Pavan Zanetti

A Pavan Zanetti apresenta novidade na Feiplastic um equipamento da serie Bimatic, modelo BMT 5.6D/H totalmente automatizada com acionamento elétrico para o deslocamento dos carros porta moldes. Conforme o diretor comercial, Newton Zanetti, essa novidade em sua linha vem para reduzir o consumo geral médio de energia em 6 a 7% somente com essa modificação e também reduzir os equipamentos hidráulicos e a quantidade de óleo movimentada. “Com isso, além dessa redução, também temos menos problemas com vazamentos e fugas de óleo contribuindo com o tema de sustentabilidade”, garante. Outro modelo será uma sopradora tradicional modelo BMT10.0S/H preparada para soprar bombonas de 5 litros em 2 cavidades, totalmente automatizada. “Também teremos na área de PET a sopradora de pré formas da serie Petmatic, sistema 5000 para frascos até 2 litros e com referencial de produção de até 5.000 frascos por hora de 500 ml e 18 gramas de peso” sinaliza o empresário. Outro modelo, será a maquina de Injeção e Sopro, série ISI modelo ISI 45C para frascos de pequeno volume e com grande qualidade de bocal ( pois é injetado nessa parte) e sem rebarbas de processo. “Complementando, teremos também uma injetora da serie HXF importada, modelo HXF 128, máquina convencional de injeção com ótimo custo beneficio”.

Piovan

Com nova identidade corporativa desde Outubro de 2014, a Piovan se prepara para a Feiplastic, trazendo novidades no campo de dosagem para líquidos e transporte de pós. Na área de dosagem volumétrica, 40 > PS/PNE >>>

a nova linha de Dosadores da Série LDV, desenvolvidos exclusivamente para dosagem de masterbatch líquido. Na área de alimentação e transporte para resinas em pó, a Piovan destaca o Alimentador da Linha FG Series, ideal para compostos de PVC. Com capacidade para até 2.000 kg/h, são extremamente flexíveis devido à sua construção modular e podem operar de maneira individual ou fazer parte de uma sistema centralizado de alimentação e transporte à vácuo. No campo de alimentação para grãos, o Pureflo, a nova geração de alimentadores sem filtro, com design exclusivo e pantenteado pela Piovan, elimina a necessidade da manutenção padrão do funil alimentador (limpeza do filtro) e melhora ainda mais a capacidade de transporte de todo o sistema. A grande novidade fica por conta da Aquatech, a nova empresa do Grupo, que foi estabelecida no início deste ano, focada totalmente para Refrigeração Industrial. A Aquatech apresentará sua linha de Chillers de alta eficiência energética, a nova Série SCA que tem capacidade de refrigeração de 49.000 kcal/h e utiliza gás refrigerante eco-compatível R410a, além da linha de Chillers compactos e os Dry Coolers adiabáticos de alto rendimento.

• Químicos e Plásticos

A Químicos e Plásticos é uma empresa focada na distribuição e produção de Plásticos de engenharia, Alto desempenho e Ultra Performance, com um amplo portfólio e abrangência em todos os segmentos de mercados. Além dos tradicionais produtos da empresa, como ABS, ASA/ PA, PEEK e SAN, durante a feira também serão divulgados o incremento no portfólio desde a última Feiplastic. “Através da parceria estratégica com a Albis , a Químicos e Plásticos disponibiliza uma série de novos produtos customizados para o mercado, em especial o ALCOM PP NXT, Polipropileno Modificado com propriedades de poliamida e um importante aditivo para o mercado de embalagens para alimentos, SHELFPLUS 02, sequestrador de oxigênio que tem como principal característica aumentar a vida útil do produto final”, revela a gerente de vendas, Rita Rodrigues. A executiva explica que é a segunda participação da como expositora na Feiplastic. “O mercado brasileiro tem demonstrado uma grande expansão em Plásticos de Engenharia, alto desempenho e ultra performance e a QP não poderia deixar de apresentar seus novos produtos e parceiros na feira, com o objetivo de consolidar mercado , fortalecer parcerias e apresentar os novos produtos e novas tecnologias”, finaliza. Localização: Rua F Estande F999

Ruifeng Chemicals

A Ruifeng Chemicals participa da Feiplastic 2015 expondo seus aditivos para as indústrias de PVC: Auxiliares de processo;modificadores de impacto e estabilizantes de estanho. Fundada em 1994, Shandong Ruifeng Chemical Co., Ltd. é uma empresa Estatal de alta tecnologia. Está no negócio de pesquisa e desenvolvimento, fabricação e vendas de aditivos para PVC. Os principais produtos


<<< PS/PNE < 41


EventoFeiplastic 2015 da empresa são: Modificadores de Impacto Acrílicos, Auxiliares de Fluxo Acrílico, Modificadores de Impacto MBS, médio e ultra-alta MW Auxiliares Acrílicos, Modificador de Impacto CPE, Estabilizante de Estanho (Metil Tin Mercapitana),Lubrificantes para PVC e óleo de soja epoxidado. Estes produtos são amplamente utilizados em produtos rígidos como perfis para Janelas e Portas de PVC, tubos, acessórios para tubos, chapas, tubos expandido, placas expandidas, filmes compostos de madeira e plástico, etc. Localização: Rua F estande F503.

Rhodia

A Rhodia, empresa do Grupo Solvay, apresenta na feira duas novidades para o mercado regional: Technyl® One, uma nova tecnologia de polímeros patenteada e projetada especialmente para aplicação em dispositivos de alta proteção elétrica, como disjuntores, mini-disjuntores e contactores de alta voltagem, que demandam propriedades elétricas e mecânicas superiores em operações críticas; e o Sinterline™, tecnologia de poliamida 6 em pó desenvolvida especificamente para processos de sinterização a laser (SLS, na sigla em inglês), visando à aplicação em peças que demandem maior resistência térmica e mecânica.

• Romi

A Romi, líder na indústria brasileira de máquinas e equipamentos industriais apresentará durante o evento quatro equipamentos: a injetora ROMI EN 800 - lançamento que faz parte da expansão da linha de injetoras EN, a injetora ROMI EL 300, a injetora ROMI EN 220 e a sopradora ROMI C 5TS. As quatro máquinas oferecem excelente performance e confiabilidade para a produção de peças injetadas e sopradas e são eficientes e versáteis, além de terem baixo nível de consumo energético e de ruído. “Somos parceiros de nossos clientes em todos os momentos e, agora, não será diferente. Convidamos os visitantes da FEIPLASTIC a tomarem um café conosco, pois estamos certos de que, juntos, encontraremos soluções altamente tecnológicas, produtivas e adequadas às necessidades de cada empresa”, afirma William dos Reis, Diretor de Máquinas para Plásticos da Romi. Durante a FEIPLASTIC, no estande K298, a Companhia irá oferecer todo o suporte técnico de sua equipe de vendas, orientando os clientes sobre a melhor aplicação de máquinas para plásticos, assim como suporte comercial e informações sobre as opções de financiamento disponíveis. Localização: Rua K Estande K298.

• Rulli

A Rulli Standard tem alta expectativa em relação a sua participação na Feiplastic 2015. “Esperamos aumentar nosso fluxo de vendas e reforçar nossa marca que já é conhecida e respeitada entre os consumidores e fabricantes de extrusoras no mundo todo”, afirma Paulo Leal, da área de vendas técnicas da empresa. Durante o evento, 42 > PS/PNE >>>

a empresa irá expor uma extrusora de EF 2 ½, uma extrusora de EF 100 mm e uma linha de chapa EC 130 / 2 ½. “Levaremos o nosso carro-chefe de vendas que é a extrusora de 2 ½, um equipamento de fácil manuseio , produtivo e de baixo consumo energético”, sinaliza Leal. Já a linha EF 100 mm é para a fabricação de filmes técnicos termo contrátil e sacolas especiais, e por fim a linha de chapas com coextrusão de 2 ½ para a produção de uma tonelada/hora de PSAI.

Sepro

A Sepro estará expondo na Feiplastic um robô de grande porte com 5 eixos CNC operando em simulação de operação de flambagem. Além disso, também fará demonstração de IML no estande da Sumitomo Demag. A empresa também demonstrará seus robôs em outros stands da feira: Na Haitian estará expondo um robô S5-15 de 3 eixos servos com processo IML. A S5 Line foi desenvolvida para as aplicações complexas. O S5-15 para máquinas injetoras de 30 a 180T, é um dos três modelos dessa gama; Já no estande da Romi a Sepro estará expondo um robô S5-25 de 3 eixos servos, que atende máquinas de 120 a 450T; E por fim uma máquina Borchê no estande da IMMAC, um representante da Sepro no Sul do Brasil, estará operando com um Success 11 de 3 eixos servos para máquinas injetoras de 30 a 180T. Sobre a feira, o diretor da Sepro do Brasil, Oscar da Silva, sinaliza que, embora a economia brasileira em geral tenha sofrido uma queda durante o tumulto da Copa do Mundo e das eleições presidenciais, no Brasil a empresa terminou 2014 com resultados favoráveis. “A empresa até aumentou o faturamento em 50% entre 2012 e 2014”, avalia Silva. Localização: Rua B Estande B020.

Theodosio Randon

Com o objetivo de apresentar os produtos de sua linha, receber clientes novos e obter uma avaliação do mercado frente aos novos desafios econômicos a Theodosio Randon participa desta edição da Feiplastic 2015. Conforme o Engenheiro Marco Antonio Villwock, um dos destaques da empresa durante o evento são os silos estacionários construídos em alumínio e aço inoxidável – utilizados nos sistemas de estocagem de produtos em grânulos e pó a granel, economizando espaço de estocagem (área fabril), melhorando o sistema de alimentação de máquinas, reduzindo perdas por vazamentos de embalagem e evita a contaminação de produtos, etc.. Além disso, serão divulgados os sistemas de descarga de big-bag’s e containers, que completam o ciclo granel com silos, podendo o cliente receber produtos em sacaria 25 kg e big-bag’s, possibilitando a transferência para silos; o Sistema de transferência de produtos de containers para caminhão silo, que possibilitam a transferência de produtos estocados ou recebidos em containers para caminhão silo e os Tanques para líquidos e equipamentos construídos em aço inoxidável.


<<< PS/PNE < 43


EventoFeiplastic 2015 Tradeconnex

A Tradeconnex é uma distribuidora de resinas plásticas (Polietileno e Polipropileno), que está participando da segunda edição da Feiplastic. especialmente que este é um mercado relativamente novo no país). “Na feira a empresa apresenta seu portfolio, especialmente com resinas dos EUA, Arábia Saudita, Coreia do Sul, Catar e Omã, sempre buscando os grades que apresentam maior demanda e necessidade no mercado nacional”, explica o diretor Fábio Torales. “A expectativa é de fidelizar ainda mais nossos clientes e garantir o sucesso da expansão de 30% projetada para este ano na atuação da empresa no mercado”.

Wittmann Battenfeld

A Wittmann Battenfeld apresenta ao mercado nacional novidades em injetoras e periféricos durante a Feiplastic. O destaque no seu estande é a nova geração de injetoras SmartPower, que se diferencia pela eficiência energética e operação inteligente. A empresa apresenta a versão SM 35/130, que estará em funcionamento no evento para que os visitantes conheçam suas vantagens e recursos, entre eles, precisão e facilidade de uso."Esse lançamento chega ao mercado nacional num momento em que é fundamental a economia de energia. Investir em equipamentos que proporcionam melhor custo-benefício contribui para que as indústrias de todos os portes mantenham a competitividade e provenham o atendimento da demanda futura", comenta Reinaldo Carmo Milito, Diretor Geral da Wittmann Battenfeld do Brasil. Outras máquinas também estarão no estande da Wittmann Battenfeld, com destaque para a injetora de

44 > PS/PNE >>>

fechamento hidráulico HM 240/1000 e a injetora vertical de mesa rotativa VM R 110/350. Na feira, a empresa também apresenta seus periféricos: robôs que, com movimentos sincronizados, reduzem o ciclo de operação e proporcionam alta eficiência; novos controladores de temperatura da série TEMPRO - disponíveis em diversos modelos e tamanhos; e desumidificadores da linha DRYMAX - que desumidificam a resina plástica e a distribui conforme a necessidade da injetora.

• Wortex

A tecnologia desenvolvida pela Wortex Máquinas com a Linha Challenger Recycler e o novo sistema de lavagem, para moer, lavar, secar e alimentar diretamente o equipamento de granulação sem a necessidade de aglutinar o material serão demonstrados na Feiplastic 2015. A Linha Challenger Recycler abre possibilidades de negócios para os pequenos empreendedores, já que os equipamentos têm capacidade de processar de 100 a 1500 quilos de plástico por hora. O sistema completo para produção de filmes tubulares monocamada e/ou multicamadas, com troca automática de bobinas, também estará em exposição no estande da empresa. “A Linha Challenger Blow propicia consumo reduzido de energia, rapidez e flexibilidade nas trocas de serviço e pedidos, com baixo índice de perda (aparas), além de alta velocidade de produção”, explica Paolo De Filippis, diretor da Wortex.


<<< PS/PNE < 45


DIVULGAÇÃO

Tendências

Construção

& Mercados

Cada vez mais o apelo sustentável está presente em várias indústrias e a da construção não é diferente. O plástico é um produto com características que naturalmente contribuem para isso, o que não inibe novos desenvolvimentos. A crise hídrica em São Paulo evidencia que o país tem que levar a sério medidas reais em favor dos recursos naturais. Construtoras e consumidores estão atentos, não apenas para os imóveis novos, mas também para adaptação de espaços.

Plástico e construção: desenvolvimento sustentável

C

om a crise hídrica em São Paulo, todos repensam nas atitudes individuais no consumo. As empresas já atuam há algum tempo na oferta de soluções verdes para a construção. A Braskem lembra que os produtos fabricados em plástico já apresentam vantagens naturais neste sentido como leveza, reciclabilidade, possibilidade de reúso e maior durabilidade. Se comparados a materiais tradicionais, resultam em ganho de produtividade na obra e menor necessidade de manutenção na fase de operação.

46 > PS/PNE >>>

“Para o meio ambiente, a leveza dos materiais melhora a logística, reduzindo a emissão de gases de efeito estufa. A elevada durabilidade, a possibilidade de reúso e a facilidade de reciclagem evitam a extração de novas matérias-primas e a geração de resíduos. Produtos já coloridos e tubulações com emenda por juntas elásticas ou termofusão, por exemplo, ajudam a reduzir a necessidade do uso de tintas e colas e, consequentemente, economizam recursos. Todos estes fatores geram ganhos relacionados à sustentabilidade nas construções”, comentam Jorge


<<< PS/PNE < 47


Construção

& Mercados

DIVULGAÇÃO

Tendências

Leveza é vantagem ambiental e econômica diante de outros materiais

48 > PS/PNE >>>

Alexandre da Silva, Desenvolvimento de Mercado para PE; Bianca Ferrari, Desenvolvimento de Mercado PP; e Antonio Rodolfo Jr, da Engenharia de Aplicação e Desenvolvimento de Mercado – PVC/Cloro-Soda. Especificamente falando da crise hídrica, os parceiros da Braskem lançaram recentemente na FEICON (Salão internacional da construção) e em outras feiras do setor cisternas e reservatórios de menor volume e baixo custo, com design decorativo e fáceis de serem adaptados a construções existentes, de forma a permitir a disseminação do conceito de reúso de água da chuva para a população em geral. “Outros produtos já existentes, como os tubos flexíveis em PEAD usados na redução de perdas em redes e ramais de abastecimento de água, e os tubos e mangueiras empregados em sistemas de irrigação por gotejamen-

to, também passaram a ter uma importância fundamental por conta do acesso mais restrito à oferta de água”, afirmam os executivos. Sistemas construtivos como o baseado em formas incorporadas de PVC (sistema construtivo concreto PVC), por serem industrializados, também contribuem com a sustentabilidade das construções, promovendo a redução do desperdício de materiais em obras, notadamente água e concreto. Eles dizem que a construção sustentável é viável em casas e apartamentos. “Como já exemplificado pelas cisternas residenciais de baixo custo, adaptáveis a casas e apartamentos (nesse último caso, para reúso da água das lavadoras de roupa). Esses equipamentos apresentam custo relativamente baixo (entre R$ 350,00 e R$ 800,00), de forma que rapidamente se pagam pela redução do uso de água tratada (concessionária)”. Esquadrias, forros, pisos e telhas de PVC, devido à sua notável durabilidade, contribuem também com a construção sustentável. No caso das telhas, especificamente, sua leveza demanda estruturas mais leves na construção dos telhados, também resultando em economia de materiais tradicionais como a madeira. Há sistemas específicos para a construção e adaptação sustentável, cuja viabilidade é tão maior quanto mais escassa (ou cara) é a disponibilidade de água, diz a Braskem. “Em São Paulo, os recentes incentivos e multas para consumidores que respectivamente economizarem ou gastarem aquém/além de suas médias históricas passaram a justificar economicamente o emprego dos sistemas de captação e reúso de água da chuva e também das águas ‘cinzas’”. Quanto aos demais quesitos de sustentabilidade que devem ser considerados na construção, é sempre mais interessante fazê-lo no momento do projeto, de forma a usufruir dos benefícios das novas


<<< PS/PNE < 49


Construção

& Mercados

DIVULGAÇÃO

Tendências

Reciclagem de materiais, o destino final dos produtos interessa ao consumidor

50 > PS/PNE >>>

tecnologias. Entretanto, a depender do aspecto que se deseja considerar, adaptações são possíveis, como, por exemplo, no caso de conforto térmico e economia de energia em condicionamento do ambiente proporcionado pela substituição de esquadrias convencionais pelas produzidas em PVC. Para a BASF, o assunto sustentabilidade e inovação está sempre no foco da indústria de construção, promovendo a redução de custo global e soluções amigáveis e mais seguras para o planeta. Nesse contexto, conta com diversas soluções disponíveis no mercado que colaboram para um canteiro de obras mais verde e eficiente. Para apresentar as inovações

desenvolvidas ao mercado da construção civil, que é estratégico para o crescimento da empresa nos próximos 10 anos, a BASF construiu a CasaE, Casa de Eficiência Energética. Camila Lourencini, gerente da Estratégia para Indústria da Construção da BASF, afirma que o custo total da obra chega a ser 30% maior, principalmente por se tratar de produtos inovadores. Porém, esse investimento é recuperado em médio prazo devido à redução no consumo de recursos naturais e energia. “A sustentabilidade na construção ainda é uma demanda nova e exige uma mudança cultural, tanto por parte de quem constrói quanto do consumidor. Acreditamos que a indústria tem que liderar essa mudança, apresentando alternativas sustentáveis ao consumidor”. Angelo Milani, diretor comercial da Amut-Wortex, diz que atualmente os desafios do mercado são vencidos com a redução do consumo. “Por exemplo, a linha de extrusão de chapas, que apresentaremos na FEIPLASTIC baseia-se numa extrusora mono-rosca 130 milímetros de diâmetro, que produz 900 kg / h de PP e 1100 kg / h de PS. A elevada produtividade permite um consumo mínimo de energia por kg de material produzido e, simultaneamente, maior duração ao desgaste graças ao cilindro de L:D = 40:1”. Ele lembra a importância da reciclagem também e com esta linha é possível utilizar material reciclado com até 100% de retorno a partir do processo de termoformagem. “Outro exemplo disso é o processo de produção da chapa pastilhada para as quais os nossos clientes em todo o mundo usam materiais provenientes da reciclagem de resíduos sólidos urbanos. Não po-


<<< PS/PNE < 51


Construção

& Mercados

DIVULGAÇÃO

Tendências

Sustentabilidade está na pauta das grandes empresas e dos eventos do setor

demos esquecer que Amut-Wortex fabrica e vende sistemas para o tratamento de resíduos sólidos urbanos e, portanto, é capaz de oferecer soluções integradas aos clientes, que permitem a produção com alto valor agregado”. Também estreitamente ligada ao conceito de reciclagem e baixo consumo a empresa tem um outro tipo de planta: a de reciclgame de garrafas PET. Para este tipo de planta, a AMUT desenvolveu uma tecnologia que permite a lavagem perfeita até a obtenção de flocos adequados ao processo “bottle to bottle”, utilizando somente 1 litro de água para cada kg de produto reciclado. No balanço da empresa para 2014 em relação à construção, ele destaca as novas linhas saída dupla e com extrusora dupla rosca contra-rotante para produção simultânea de dois tubos de PVC. A nova linha de extrusão para tubo PVC dupla saída tem capacidade para produzir de 600 a 700kg/hora de tubos de PVC com diâmetros que vão de 20 a 125 mm, usados principalmente na construção civil, em redes de distribuição de água e esgoto, irrigação e conduítes. Entretanto, a AMUT-Wortex está capacitada para produzir tubos de PVC de até 1,20m de diâmetro, de polietileno até 1,60m e vários outros tipos de tubos para aplicações na indústria médica, automobilística, entre outros setores do mercado.

MVC entrega escola estadual em Alagoas

O principal produto da MVC para o segmento da construção é o Sistema Construtivo WALL SYSTEM, uma tecnologia inovadora e industrializada. Consiste em um sistema modular que combina materiais plásticos de engenharia de alto desempe52 > PS/PNE >>>

nho, principalmente os compósitos reforçados com fibra de vidro. O diretor executivo, Gilmar Lima, diz que este sistema construtivo inicia a sustentabilidade no processo de fabricação com baixo consumo de energia e desperdício. Além de ser um produto adequado à legislação de logística reversa, não gera entulhos na obra e pelo desempenho térmico o consumo de energia é muito menor que os sistemas tradicionais. Também pode ser fornecido com energia solar e reaproveitamento da água da chuva. A MVC fez recentemente a entrega da Escola Estadual Marcos Antônio, no bairro Benedito Bentes, em Maceió, Alagoas. Construída com o Wall System, a unidade foi inaugurada em 16 de março e será a primeira na região a funcionar em período integral – 9 horas – e atenderá 300 jovens. “O Sistema Construtivo de escolas da MVC se consolidou no estado de Alagoas com a construção de mais de 55 escolas de duas, seis e doze salas”, comenta Lima. A nova escola possui salas de aula com sistema de ar-condicionado, laboratórios, biblioteca, sala de leitura, refeitório, quadra coberta, áreas de lazer e administrativa. A unidade faz parte do programa de reconstrução das escolas destruídas pelas chuvas em 2010, desenvolvido pela Secretaria de Estado de Educação e Esporte de Alagoas, com apoio do FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação). Desde 2004, a MVC já construiu pelo sistema Wall System, cerca de 247 mil metros quadrados de conjuntos de escolas, casas, creches e edificações de usos diversos no Brasil e no exterior, em países como Angola, Moçambique, Paraguai, Uruguai e Venezuela, entre outros. Em vez dos materiais tradicionais, as escolas são construídas com o sistema Wall System, composto de estrutura de perfil pultrudado, e painel sanduíche de lâminas em compósitos reforçados com fibra de vidro (similar ao que se usa em aviões, trailers, barcos e trens) e núcleo especial, que garantem o desempenho térmico, acústico e resistência a fogo. A construção civil em 2014 representou 62 % da receita liquida das empresas da MVC. Em 2014 focamos na execução de contratos já fechados e em desenvolvimentos de soluções completas em novas edificações e componentes para este segmento. Os lançamentos iniciarão a partir do segundo semestre de 2015.

Produtos e lançamentos

A Braskem oferece a matéria-prima para os clientes que fabricarão os produtos como, por exemplo: formas de PP, microfibras e macrofibras de PP, cisternas de PE, mantas acústicas em PE, esquadrias em PVC, telhas em PVC, entre outros produtos diversos para a construção. “Tivemos o


<<< PS/PNE < 53


Tendências

Construção

& Mercados

lançamento de projetos como o de formas de PP para lajes, tanques de grande volume (acima de 10 kL) em PEAD para uso agrícola, industrial e na construção civil, mantas de PE expandido para isolamento acústico de pisos (em conformidade com a NBR15575), rodapés de PVC, entre outros”, comentam Jorge Alexandre da Silva, Desenvolvimento de Mercado para PE; Bianca Ferrari, Desenvolvimento de Mercado PP; e Antonio Rodolfo Jr, da Engenharia de Aplicação e Desenvolvimento de Mercado – PVC/Cloro-Soda. Para 2015, há a previsão de lançar o projeto de baldes para tintas em PP, além de pisos em PVC e esquadrias de PVC desenvolvidas focando o mercado nacional, em conformidade com as normas NBR 10821 e NBR 15575. A BASF tem uma ampla linha de produtos para esta indústria. O MasterGlenium é uma linha de hiperplastificantes à base de éter policarboxilato modificado, que atua como dispersante aumentando a eficiência da hidratação do cimento, o que resulta em uma excepcional capacidade de redução de consumo de água. Os aditivos MasterRheobuild possuem componentes que atuam como dispersantes do material cimentício propiciando alta taxa de redução de água, acima de 12%, permitindo altas resistências iniciais. Masterpolyheed ® são aditivos redutores de água, livres de cloretos, formulados para aumentarem a trabalhabilidade e melhorarem o acabamento final do concreto. Já o Neopor® é o poliestireno expansível (EPS) que contém partículas de grafite que funcionam como absorvedores de infravermelho - pode reduzir o consumo de energia por resfriar casas em climas quentes. Apresenta performance de isolamento tér-

Na Região

A Amut-Wortex considera que com a migração de muitas indústrias para o Nordeste está havendo uma rápida modernização nas empresas locais. Desta forma, faz-se necessária a renovação dos equipamentos, que ajudem a melhorar a capacidade produtiva. “Temos acompanhado de perto esta evolução e prestado uma consultoria in loco para projetos diversos. Acreditamos que isso refletirá em excelentes resultados no ano em curso. Muitos de nossos projetos têm sido feitos para empresas locais, e queremos ampliar ainda mais os projetos na área de reciclagem com as linhas de chapa, tubos e perfis para atender às necessidades destas indústrias”, afirma Milani. Os executivos da Braskem lembram que principais fabricantes de reservatórios rotomoldados em polietileno (caixas d’água, cisternas e tanques de grande volume) possuem unidades produtivas na região Nordeste, em especial na Bahia. “Por conta do programa Água para Todos do Governo Federal, alguns desses fabricantes também regionalizaram a produção das cisternas de 16 kL usadas no atendimento às famílias beneficiadas pelos estados abrangidos (em especial, PE, CE, PI, Al, TO, BA e MG)”, dizem Silva, Bianca e Rodolfo Jr. “O Nordeste concentra também produtores importantes de diversos produtos em PVC, como forros, tubos, conexões e telhas, e nesta região estamos desenvolvendo um sistema econômico de esquadrias de PVC com um importante parceiro local”. 5454 > PS/PNE > PS/PNE >>> >>>

mico acima de 20% em relação ao EPS convencional. Elastopave é um composto aglutinante de poliuretano, que misturado com cascalhos ou pedras constrói superfícies altamente permeáveis, substituindo pavimentos convencionais. Esta superfície possui uma capacidade superior de drenagem. Recomendado para a pavimentação de calçadas, ciclovias, praças, estacionamentos, parques etc. Ultramid é a linha da BASF para poliamidas, possui uma grande aplicação no mercado de construção, como o recobrimento de cabos, em especial os elétricos. O Grupo AMUT investe constantemente em pesquisa e desenvolvimento de novas tecnologias, seguindo as exigências dos seus clientes e as necessidades do mercado. O produto membrana termoplástica é fruto, além da grande experiência da AMUT na produção das linhas de extrusão para folhas e chapas, do conhecimento dos materiais utilizados para esta produção e à capacidade de melhoria e desenvolvimento junto aos fornecedores de matérias-primas, contando com os recursos e conhecimento do pessoal de laboratório, da pesquisa e desenvolvimento e departamento de testes. “O know-how da AMUT vai além da produção de linhas de extrusão e abrange o conhecimento das matérias-primas e o desenvolvimento de novos produtos. Podemos destacar no nosso portfólio, os equipamentos de extrusão de membranas impermeabilizantes e chapas pastilhadas para diferentes aplicações na construção civil, para cobertura de telhados (no caso de membranas impermeáveis), por exemplo”, diz Milani. Ele afirma que diversos estudos demonstraram que os sistemas de cobertura para telhados com baixo/médio declives, feitos com membranas termoplásticas, são hoje os mais eficientes e ecologicamente amigáveis com as seguintes características importantes: ecológico; longa duração; excelente reflexo do calor graças às superfícies claras; leve (baixo peso), menor consumo de material e sistema com baixa manutenção. Outra aplicação são as chapas pastilhadas em polietileno de alta densidade (HDPE), utilizada para proteger e prover drenagem para paredes subterrâneas. São utilizadas para proteção e ventilação da manta impermeável entre as fundações de cimento e o solo. A empresa também oferece a linha de extrusão para produção de chapas para a indústria de termoformagem - processo que permite moldar chapas plásticas dando forma ao produto, por meio de calor e pressão. A linha também pode ser adquirida com grupo de co-extrusão para produtos multicamadas.


<<< PS/PNE < 55


DestaquePolo Plástico de Alagoas Alagoas tem um importante papel na indústria plástica nordestina e brasileira. Nas matérias primas, unidades de insumos e plantas da Braskem para o PVC. Na transformação, tem uma produção diversificada, mas ainda quer se expandir neste quesito. O Sindicato das Indústrias de Plásticos e Tintas do Estado de Alagoas e a Braskem apontam que isso é importante.

FOTOS: DIVULGAÇÃO

Crescer e diversificar

Almeida, da Braskem ""Alagoas possui uma das mais importantes cadeias produtivas de Química e Plástico do país"

56 > PS/PNE >>>

O

Sindicato das Indústrias de Plásticos e Tintas do Estado de Alagoas (SINDIPLAST-AL) conta com 33 empresas associadas com abrangência nas duas principais cidades do estado, Maceió e Arapiraca, tendo como principais produtos transformados tubos e conexões, forros, filmes, sacos, sacolas, baldes, compostos, mangueiras, eletrodutos e embalagens, gerando cerca de 4.500 empregos diretos, o que representa em torno de 18.000 empregos diretos e indiretos. O sindicato estima que em 2014 foram transformados no estado cerca de 130 mil toneladas, com um incremento de cerca de 20% a 30% no consumo de resina em relação a 2013.

Isto ocorreu devido investimentos de ampliação em algumas unidades indústrias, segundo o presidente Gilvan Severiano Leite, que assumiu para o período 2014-2018. “Foi um ano bastante promissor face a um conjunto de ações desenvolvidas neste período, como por exemplo defesa de interesses dos associados, articulações com entidades representativas como o Governo do Estado, a federação das industrias, eventos, treinamentos funcionários do setor e missões empresariais”. São planos da nova diretoria “dar continuidade ao trabalho competente da gestão anterior, visando ouvir as demandas das empresas e defender nas diversas esferas, em conjunto com a Federação de Industrias do Estado de Alagoas (FIEA), Confederação Nacional das Industrias (CNI) e Associação Brasileira da Industrias de Plástico (ABIPLAST)”. Sobre as demandas dos empresários, ele aponta que são as mesmas em todo o Brasil, como infraestrutura elétrica, “onde corremos um grande risco de colapso”. Outra é mão de obra, na qual Alagoas se destaca por possuir o Núcleo de Tecnologia do Plástico do Senai/Alagoas. O dirigente fala sobre a posição na indústria plástica da região e nacional. “Por ser o estado de Alagoas o segundo menor da federação, acredito que muito bem, temos o maior produtor de resinas de PVC do Brasil e, consequentemente, os maiores consumidores desta resina, estão instalados aqui”. E complementa “Alagoas recebeu nos últimos anos uma planta de PVC da BRASKEM, com investimento estimado em1,0 BI R$, o que torna o Estado um grande produtor e que tem uma Cadeia Produtiva da Química e do Plástico (CPQP), voltada especificamente para o desenvolvimento do setor de transformação”. Ainda dentre os diferenciais interessantes, na sua opinião, encontram-se baixos custos com utilização de gás natural e uma posição geográfica privilegiada para escoamento da produção pra região Nordeste, uma das que mais crescem atualmente no País. Para avançar e consolidar o Polo do Plástico em Alagoas, ele afirma, deve-se atrair outros segmentos de indústrias, como fábricas de brinquedos, de movéis, peças automotivas, utensílios domésticos e reciclagem. O SINDIPLAST-AL participa da FEIPLASTIC com um estande institucional com os parceiros da Cadeia Produtiva da Química e do Plástico – CPQP , Governo do Estado, Federação das Industrias de Estado de Alagoas (FIEA ), Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresa (SEBRAE), a BRASKEM, a Associação das empresas do distrito industrial de Marechal Deodoro (ASSEDI-MD) e a Associação das Empresas do Polo Multissetorial Governador Luiz Cavalcante (ADEDI).

Plantas de Alagoas respondem por 8% da geração de EBITDA da Braskem no Brasil A Braskem tem dois sites industriais instalados em Alagoas. No primeiro, localizado no Pontal


da Barra, está uma fábrica de Cloro Soda que produz cerca de 450 mil toneladas de soda cáustica e 540 mil toneladas de dicloroetano, a matéria-prima para a produção da resina de PVC. O segundo, localizado no Polo de Marechal Deodoro, é formado por duas plantas de PVC com capacidade de produção total de 460 mil toneladas de PVC e uma planta de produção de Utilidades e Tratamento de Efluentes. “A Braskem é a maior indústria química do Estado de Alagoas”, diz o diretor industrial de vinílicos da Braskem, Álvaro Cezar Almeida. “A Braskem tem consistentemente investido em Alagoas cerca de R$ 200 milhões por ano para manutenção e atualização das suas instalações e, em 2012 realizou o seu maior investimento industrial no Brasil com a construção da segunda Planta de PVC, com capacidade de 200 mil toneladas e investimento da ordem de R$ 1,1 bilhão, o que faz de Alagoas o maior produtor de resinas de PVC na América Latina”. Os números de produção são Soda Cáustica: 450 mil toneladas por ano; PVC: 460 mil toneladas por ano; Hipoclorito de Sódio: 25 mil toneladas por ano. A soda cáustica produzida em Alagoas é comercializada em todo o país através da distribuição deste produto a partir de terminais localizados em importantes centros comerciais como São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, Santa Catarina e Espírito Santo. Já a resina de PVC, produzidas em Alagoas, é comercializada através de terminais de distribuição em São Paulo ou diretamente das fábricas para clientes localizados no Nordeste. As Plantas de Alagoas respondem por cerca de 8% da geração de EBITDA da Braskem no Brasil, segundo Almeida. Sobre o mercado, ele lembra que o cenário econômico aponta para um ano de muitas dificuldades, com a perspectiva de elevação de custos, energia elétrica principalmente, e demanda por produtos químicos. “A indústria brasileira e a química vêm enfrentando sérios problemas ao longo da última década na sua competitividade, fortemente impactada pelos custos de energéticos (energia elétrica e gás natural) e pelos custos Brasil, principalmente os relacionados à infraestrutura e a encargos e tributos”, comenta. Mas acrescenta que Alagoas possui uma das

mais importantes cadeias produtivas de Química e Plástico do País e tem na Braskem a empresa âncora e responsável pelo suprimento das matérias-primas, seja o PVC produzido no estado, seja o polietileno e polipropileno produzidos em outras regiões do país. “Esta cadeia também precisa se manter competitiva e para isso é necessário que o governo do Estado continue incentivando a atração de empresas para Alagoas, através da disponibilização de infraestrutura, incentivos locacionais e creditícios”, afirma.

DIVULGAÇÃO

Muito além do turismo, já consagrado, Alagoas quer crescer em Negócios e Eventos. Estrutura para isso já tem. É o que indica o Governo do Estado em sua página oficial.

Leite, do SINDIPLAST -AL "Para avançar e consolidar o Polo, deve-se atrair outros segmentos de indústrias"

Indústria entrega ao governador propostas para desenvolver economia

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de Alagoas (Fiea), José Carlos Lyra de Andrade, mobilizou as lideranças setoriais da indústria no dia 9 de abril para entregar oficialmente ao governador Renan Filho um conjunto de propostas destinadas a recuperar e desenvolver a economia estadual. Numa reunião na Casa da Indústria, sede da Fiea, os líderes empresariais manifestaram sua preocupação com a realidade do setor produtivo, suas dificuldades e anseios, ao tempo em que apresentaram suas contribuições ao governo. “Garanto que essas propostas não serão engavetadas. Vamos analisar cada uma e encaminhar as soluções necessárias. Vamos transformá-las em agenda de trabalho”, disse o governador, depois de ouvir os empresários. José Carlos Lyra disse que o setor industrial estava apresentando um diagnóstico de sua realidade e, a partir dele, contribuindo para a retomada do crescimento econômico. Lyra disse ainda que a indústria está integrada e pronta a colaborar para garantir emprego, renda e desenvolvimento social. O caminho, ressaltou, é a industrialização. “Nossa economia precisa crescer e tornar-se competitiva”. Intitulado “Propostas do Setor Industrial para o Governo de Alagoas – 2015”, o documento traz a contribuição dos setores de construção, sucroenergético, laticínio, extração mineral, química e plástico, metal mecânico, vestuário, cerâmica, panificação, gráfica e marcenaria e móveis. (Fonte - FIEA) <<< <<< PS/PNE PS/PNE < 57 < 57


Tecnologia

DIVULGAÇÃO

Injetoras, A novidades e mercado

A injeção corresponde a 30,8% dos processos produtivos utilizados na transformção do plástico. Confira o balanço de mercado e as novidades de importantes fornecedores do setor. 58 > PS/PNE >>>

Wittmann Battenfeld oferece uma linha completa de injetoras e periféricos, indicados para as mais diversas indústrias de transformação de plástico, como automobilística, embalagens, área médica (sala limpa), eletrônicos, linhas branca e marrom e produtos de consumo - incluindo esporte, lazer, brinquedos, entre outros. Com um portfólio amplo - que inclui injetoras com acionamento elétrico; de fechamento de joelhos e hidráulicas; para ciclos rápidos; compactas de médio e grande portes; específicas para microinjeção; e verticais -, atende aos transformadores de menor aos de maior porte, com soluções completas - pacotes exclusivos a cada projeto e de acordo com as necessidades do cliente. Reinaldo Carmo Milito, Diretor Geral da Wittmann Battenfeld do Brasil, diz que há alguns anos, a série de injetoras MacroPower tem encontrado uma boa aceitação no mercado nacional e, em especial, no Nordeste. ”É uma das mais compactas do mercado e possui força de fechamento entre 400 e 1.600 toneladas, funcionamento suave e preciso, excelente acessibilidade, flexibilidade para várias aplicações e eficiência energética”. A Romi possui duas linhas de máquinas injetoras que se diferem em sua tecnologia. A linha de injetoras EN é equipada com o sistema denominado “Stop and Go” que proporciona baixo consumo de energia, maior velocidade e precisão ao processo de injeção. A linha EN gera economia de energia de até 65% se comparado a máquinas injetoras hidráulicas convencionais, informa William dos Reis, diretor da unidade de negócios de máquinas para plásticos. Estas injetoras possuem simultaneidade de movimentos entre as unidades injetora e fechamento nas máquinas acima de 600 ton, proporcionando redução do tempo de ciclo em torno de 20%. Esta linha está sendo ampliada para tamanhos que vão de 80 a 1100 toneladas. As injetoras EN são as mais vendidas no mercado devido a sua versatilidade, baixo consumo de energia e alta precisão proporcionados pelo seu sistema de acionamento denominado “Stop and Go”. Tem nota 9+ na classificação Euromap 60.1 e proporciona redução de consumo de matéria-prima devido a sua precisão e repetibilidade. As injetoras EN são adequadas para todos os segmentos de injeção de plástico e possui versões especiais para PVC, PET e injeção de multimateriais e multicores. A linha de injetoras EL possui acionamentos elétricos e tem baixíssimo consumo de energia recebendo a nota 10+ na classificação Euromap


<<< PS/PNE < 59


DIVULGAÇÃO

Tecnologia

Com linha completa de injetoras e periféricos, Wittmann Battenfeld atende transformadores de menor a maior porte

60 > PS/PNE >>>

60.1, além de gerar alta produtividade e precisão no processo de injeção. Esta linha possui uma nova versão para injeção em alta velocidade, o que permite a produção de peças com paredes finas em ciclos rápidos, importante recurso para a indústria de embalagem e outros segmentos. Esta linha está disponível nos tamanhos de 75 a 300 ton. Para toda a linha EL e EN agregamos soluções integradas para a produção de PET, PVC, peças injetadas em multicores ou multimateriais, e interfaces para automação completa incluindo robôs laterais e aplicação de IML. “Ainda possuímos a linha Primax para injetoras de grande porte no tamanhos de 1300 a 2000 toneladas disponíveis na versão com fechamento toggle e fechamento em duas placas”. A Pavan Zanetti atende todas as necessidades do transformador por injeção no que se refere a máquinas horizontais para termoplásticos até 2.000 toneladas de fechamento. Dispõe de máquinas com bomba fixa, bomba variável e inversor de frequência servo motores. Também oferece máquinas para injeção de PVC rígido e para injeção de pré-forma de PET. Ainda faz parte da linha as máquinas híbridas, com plastificação elétrica, que possibilitam simultaneidade de movimentos entre abertura, extração, fechamento e plastificação, reduzindo o tempo de ciclo e aumentando significativamente a produtividade. “Toda nossa linha está presente em empresas do Nordeste. Temos vendas de injetoras, especialmente para pré-formas e tampas de PE/PP, e também de sopradoras, como Petmatic, Bimatic, sopro de PE/PP e máquinas da série HDL. Assim como em todo Brasil, a adequação das máquinas

está voltada a um maior aproveitamento energético”, comenta o diretor Newton Zanetti. A máquina de injeção e sopro da série ISI, modelo ISI 45 é a novidade da Pavan Zanetti para volumes pequenos, com a vantagem de produzir sem rebarbas e com alta qualidade de bocal. No segmento de sopradoras, aumentou a capacidade de produção da série Petimatic, com o modelo 5000, para embalagens de até 2.000 ml e produção de 5.000 frascos/hora, considerando frascos de 500 ml e peso de 18 gramas. Outra inovação é a sopradora híbrida, da série Bimatic, modelo BMT5.6D/H, com cabeçote de múltiplas cavidades e novidades no sistema de deslocamento dos carros porta-moldes, que deixaram de ser hidráulicos e se tornaram elétricos. O resultado desta mudança é uma redução do consumo de energia, em torno de 6%, e uma diminuição do uso de óleo hidráulico, proporcionando menores possibilidades de vazamentos e poluição por óleo. A linha de injetoras da IMAAC é composta por injetoras com bomba variável, servo motor, máquinas de duas placas de até 6.800 ton. de força de fechamento e outros modelos especiais. A IMMAC ainda se dedica a vender periféricos complementares à linha de injetoras (alimentador, secador, unidade de água gelada, torre, robô). “A vantagem é que temos profissionais experientes para a comercialização de produtos e também para o apoio técnico”, diz o gerente comercial Gustavo Müller. A IMMAC também atua na venda de injetoras de alta performance (SUMITOMO DEMAG), em extrusoras de tubos, perfis, mangueiras. A DEB’MAQ possui um portifólio de modelos variados de injetoras que trazem vantagens como alta flexibilidade com opção de três tamanhos de rosca para cada máquina; canhão escamoteável, facilitando a manutenção no conjunto injetor; e roscas nitreadas, com design avançado e alta durabilidade. “Todas as nossas máquinas estão presentes no Nordeste, o que diferencia uma da outra é a capacidade/força de Injeção”, diz o coordenador de marketing Ronaldo Tomé. As novidades ficaram por conta dos acionamentos através de drives e servo motores nos equipamentos.

Demandas

Milito diz que uma das demandas dos transformadores é a economia de energia e os lançamentos da Wittmann Battenfeld estão com esse foco. “Investir em equipamentos que proporcionam melhor custo-benefício contribui para que as indústrias de todos os portes mantenham a competitividade e provenham o atendimento da demanda futura”. Além da qualidade e eficiência energética


DIVULGAÇÃO

e de desempenho dos produtos que levam a marca, ele aponta, outra demanda dos transformadores tem sido a área de pós-venda. A Wittmann Battenfeld criou uma estrutura técnica completa, por meio do Departamento de Engenharia, que tem como principal foco a excelência dos serviços oferecidos. Além das ações “in-company”, a empresa ministra cursos para pequenos grupos em um centro montado dentro da sede em Campinas/SP visando não apenas orientar a operação das máquinas, mas também aprofundar um pouco mais a teoria e a utilidade de cada uma dentro do processo de produção. O serviço é complementado com a disponibilidade de estoque de peças para reposição. Para a Romi, o mercado brasileiro de transformação de plástico está muito competitivo utilizando as tecnologias modernas aplicadas nos principais mercados mundiais. “Estamos continuamente inovando e buscando novas tecnologias para incrementar maior desempenho, produtividade e redução do consumo de energia aos nossos equipamentos, visando aumentar ainda mais a competitividade dos transformadores brasileiros. O baixo consumo de energia e a alta produtividade são os

requistos mais procurados em nossas injetoras. Para toda a linha EL e EN agregamos soluções integradas para a produção de PET, PVC, peças injetadas em multicores ou multimateriais, e interfaces para automação completa incluindo robôs laterais e aplicação de IML.”, diz Reis. Zanetti diz que comercializa para diversos

Máquina de injeção e sopro da série ISI, modelo ISI 45, é novidade da Pavan Zanetti para volumes pequenos.

<<< PS/PNE < 61


Tecnologia segmentos, mas os destaques são as máquinas para pré-formas de PET e tampas. “Porém, temos linhas de máquinas com opções de motorização adequadas a cada necessidade, como por exemplo, com inversores de frequência, que tornam a máquina em geral 30% mais econômica, dependendo do ciclo e tipo de peça, além de máquinas com bomba variável e servo motores”. Müller, da IMMAC, aponta como demandas ciclos cada vez mais rápidos; baixo consumo de energia elétrica; grande precisão de injeção. “Lançaremos uma injetora rotativa nova com 12 postos de injeção durante o ano de 2015. Já fizemos algumas unidades da rotativa de 8 postos para clientes de Novo Hamburgo e também da Argentina e tivemos ótima aceitação. Esta troca de experiências nos possibilitou ter uma máquina 12% mais produtiva que a concorrência”. Tomé, da DEB’MAQ, afirma que hoje as demandas se concentram nas máquinas regulamentadas com a NR12, uma exigência que se faz presente na cabeça dos investidores. “Todas as máquinas da DEB’MAQ saem com essa regulamentação, facilitando a vida de todos os clientes”, comenta.

Mercado

Milito, da Wittmann Battenfeld do Brasil, lembra que o ano de 2014 de fato não foi fácil para a economia brasileira e prevê-se que 2015 também não será. “Muitos ajustes serão necessários para controlar a inflação, reduzir déficits e retomar o crescimento, no entanto, as indústrias não podem esperar tudo acontecer e sabem que precisam investir em máquinas e equipamentos para se manterem competitivas, atendendo a demanda futura”. “Apesar das dificuldades que devem ser enfrentadas nesse ano, temos como perspectiva a abertura de novos clientes e, com isso, resultados positivos. A unidade brasileira da Wittmann Battenfeld tem um extenso conhecimento em automação, desenvolvimento de soluções completas e suporte com atendimento eficiente - graças à integração dos sistemas de gestão da sede nacional”. (Campinas/SP) com a matriz (Viena/Áustria). Com este know-how diferenciado, temos a expectativa de aumentar o volume de vendas entre 15% e 20% em 2015. Os Estados do Nordeste, que nos últimos anos têm registrado média de crescimento superior à nacional é um dos focos da Wittmann Battenfeld

Plast Mix

62 > PS/PNE >>>


<<< PS/PNE < 63


DIVULGAÇÃO

Tecnologia

Injetora da DEB'MAQ, todas as máquinas da empresa estão presentes no Nordeste

64 > PS/PNE >>>

para a expansão de seus negócios. As vendas de máquinas para plásticos no Brasil em 2014 foram abaixo do esperado, sendo um reflexo do baixo desempenho econômico do país, opina Reis, da Romi. “As medidas econômicas têm encarecido o crédito, fazendo com que os empresários estejam muito mais cautelosos com relação a qualquer investimento. Porém, mesmo com este cenário de baixo crescimento

econômico, há muitas empresas apostando e investindo em competitividade, renovando seu parque fabril com máquinas mais modernas, rápidas e econômicas”, avalia. Em 2015 a Romi aplicará mais esforços no desenvolvimento do nosso mercado de máquinas, oferecendo produtos e soluções inovadoras para aumentar a competitividade dos nossos clientes. Zanetti avalia que o ano de 2014 transcorreu com altos e baixos, influenciado pela Copa do Mundo e Eleições, mas no geral o resultado das vendas foi bom, ligeiramente superior a 2013, que já tinha sido um bom ano. “Para 2015, acreditamos numa retomada no segundo semestre, mas entendemos que dificilmente será um ano de grandes resultados, pois as incertezas econômicas do momento estão retraindo os investimentos em produção. Paira sobre o setor de máquinas para plásticos também um problema de inadimplência, dificultando ainda mais os investimentos”.


<<< PS/PNE < 65


Internacional

DIVULGAÇÃO

NPE2015 bate recordes em número de expositores, espaço e empresas participantes

Feira aconteceu entre 23 e 27 de março nos Eua e reuniu exositores de 37 países

A

multidão de participantes e o ruído dos equipamentos em funcionamento nos enormes pavilhões de exposições da NPE2015 falaram mais que os números, mas agora há estatísticas para oficializar este recorde: a NPE2015 foi a maior feira da história da NPE. A SPI: The Plastics Industry Trade Association (Associação Comercial da Indústria de Plástico), fundadora e produtora da NPE: The International Plastics Showcase, divulgou os dados finais da NPE2015, realizada de 23 a 27 de março em Orlando, Flórida. Os dados mostram que a NPE2015 atraiu 2.029 expositores em mais de 104.813 m2 de espaço de exposição, superando o recorde anterior de 2.009 expositores e 96.712 m2 estabelecido no ano 2000. Além disso, o número de visitantes inscritos na NPE2015 foi de 65.810 —19% maior do que há três anos. Esses inscritos vieram de 23.396 empresas - (22% a mais do que as 19.198 empresas da NPE2012, representando um aumento substancial do potencial de compra. A participação internacional também bateu novo recorde

Revista Plástico Sul participa com edição especial e estande

Como já é comum em feiras internacionais importantes do setor plástico, a Revista Plástico Sul fez uma caderno especial, em inglês, para a NPE 2015. Nesta exposição, além da circulação da revista a editora Conceitual Brasil foi expositora, com um estande próprio em parceria com a Plassoft Tecnologia, fazendo da Plástico Sul a única publicação impressa brasileira a ter estande na NPE. A editora Melina Gonçalves participou do evento em Orlando. 66 > PS/PNE >>>

na NPE. Quase 44% das empresas expositoras e 26% dos inscritos eram de fora dos Estados Unidos. Só da América Latina foram quase 5.000 inscritos que compareceram. Os expositores foram de 37 países no total. Em ordem decrescente do número de expositores, os dez países com maior participação foram China, Taiwan, Canadá, Itália, Alemanha, Índia, Turquia, França, Suíça e Coreia do Sul. Esses números não incluem muitas empresas sediadas em outros países, mas que participaram por meio de suas subsidiárias nos Estados Unidos. O presidente e CEO da SPI, William R. (Bill) Carteaux, considerou a NPE2015 a mais bem-sucedida das NPEs em muitos aspectos. “O que fez da NPE2015 um marco na história de 69 anos da NPE não foi apenas sua dimensão e diversidade internacional, mas também a riqueza de ofertas aos participantes”, disse Carteaux. “As centenas de máquinas em operação durante o evento, os centros de atendimento ao cliente oferecidos pelos fornecedores de matérias-primas, os pavilhões e programas voltados a questões atuais e tecnologias emergentes, a ampla programação de conferências, toda essa riqueza de conteúdo superou nossa feira anterior e agora servirá de diretriz para deixar as futuras NPEs mais atraentes para os participantes. O setor de plásticos deveria se orgulhar muito de sua feira.” A NPE2018 ocorrerá de segunda a sexta-feira, de 7 a 11 de maio de 2018, no Orange County Convention Center em Orlando, Flórida. Visite www.npe.org.

Comitiva do Simplás prospecta inovações

Sopradoras de plástico de fabricação italiana capazes de trabalhar com dois moldes distintos simultaneamente, máquinas de grande porte para extrusão de tubulações, inovações de ponta em reciclagem e um poder de compra entre os participantes estimado em US$ 100 bilhões são algumas das descobertas que a comitiva do Sindicato das Indústrias de Material Plástico do Nordeste Gaúcho (Simplás) prospectou na NPE 2015. A missão organizada pela Plastech Brasil Eventos levou 15 executivos de oito empresas da sua região na feira. Fornecedores de maquinário, resinas e compostos, materiais químicos e aditivos, moldes, matrizes, softwares de design e recursos para criação de matrizes personalizadas foram algumas das novidades ao alcance dos associados do Simplás. A delegação foi liderada pelo presidente do sindicato, Jaime Lorandi.


<<< PS/PNE < 67


Foco

no Verde

Datafolha diz que 80% dos paulistanos são contra a cobrança das novas sacolas plásticas

Pesquisa Datafolha mostra que 80% dos paulistanos são contra o consumidor ter de pagar por sacolas para transportar suas

compras. Na opinião de 79% dos entrevistados, esse custo deveria ser bancado pela prefeitura de São Paulo e pelos supermercados. Segundo a pesquisa, 74% das pessoas consideram importante receber as sacolas plásticas gratuitamente. Somente 17% afirmaram que comprariam as novas sacolas plásticas se os supermercados cobrassem e 68% afirmaram que utilizariam outros meios para transporte de compras. O estudo teve como objetivo conhecer a opinião do cidadão paulistano sobre a Lei municipal, no 15.374, de 2011, que é regulamentada pelo Decreto no 55.827, de 06 de janeiro de 2015, e que define as especificações técnicas dos novos modelos de sacolas a serem adotados na cidade de São Paulo. Para 82% dos paulistanos no caso de cobrança pelas novas sacolas, o comércio vai ter mais lucro e 66% afirmam que a proibição prejudica a população. Sobre a eventual retirada das sacolas plásticas gratuitas do comércio, 81% dos entrevistados acham que o preço do saco de lixo vai aumentar. E 79% acreditam que terão maior gasto com a compra de saco de lixo. Segundo a pesquisa, 66% dos paulistanos acreditam que a proibição das sacolas plásticas prejudica a população. E 64% acreditam que haverá problemas para o consumidor descartar o seu lixo domestico.

Maioria utiliza sacola para descartar o lixo - Quando questionados

sobre seus hábitos com relação ao descarte do lixo doméstico e a coleta seletiva, 63% da população afirmaram que reutilizam as sacolas plásticas para acondicionar o 68 > PS/PNE >>>

resíduo doméstico destinado à reciclagem. E 69% das pessoas usam as sacolas para descartar lixo não reciclável.

Maioria usa transporte público ou vai a pé às compras - A

pesquisa apurou que 65% dos entrevistados fazem compras em supermercados e hipermercados pelo menos uma vez por semana. A maior parcela da população da cidade de São Paulo (55%) costuma fazer compras a pé ou de transporte público (ônibus e metrô). O Datafolha mostrou também que a grande maioria das pessoas (85%) utiliza habitualmente sacolas plásticas que recebe em supermercado e hipermercado para transportar as compras. Para 76% dos entrevistados, as sacolas são o meio mais frequente para carregar as compras.

Metodologia da pesquisa - Realizada entre os dias 27 e 28 de

fevereiro, e divulgada em abril, a pesquisa foi realizada com homens e mulheres, a partir de 16 anos, pertencentes a todas as classes econômicas e com hábitos de fazer compras em supermercado ou hipermercado, mesmo que esporadicamente. Foram entrevistas 623 pessoas, distribuídas geograficamente na cidade de São Paulo. A margem de erro é de 4 pontos percentuais, para mais ou para menos, considerando um nível de confiança de 95%. Fonte - PLASTIVIDA


de Notas

O SIMPLÁS abre ciclo de reuniões- jantar com o tema coaching

O Sindicato das Indústrias de Material Plástico do Nordeste Gaúcho (Simplás) abriu no dia 6 de abril o ciclo de reuniões-jantar de 2015. O tema deste primeiro encontro foi o uso do coaching, com o consultor Eduardo Bomfiglio, que é Master coach com certificação internacional pela Graduate School of Master Coaches (EUA/Reino Unido/Austrália), bacharel em Direito, pós-graduado em Filosofia, empresário, professor, presidente de associação de classe, autor do livro Um coach chinês – A transformação pelo coaching e co-autor do livro Coaching, desenvolvendo pessoas e acelerando resultados. Na mesma noite, seis empresas associadas ao Simplás e o próprio sindicato receberam homenagem da administração municipal pelo tempo de atividade, em alusão à Semana do Empreendedorismo. Embora a promoção da prefeitura ocorra apenas em novembro, a entrega dos troféus de reconhecimento ao mérito de indústrias ligadas ao Simplás foi transferida a fim de coincidir com evento oficial do sindicato. As empresas reconhecidas com troféu pela prefeitura foram Vic Plásticos (40 anos), Tabone Indústria e Comércio de Plásticos (30 anos), Sinalsul Indústria de Autopeças (30 anos), Metalúrgica Grassi (30 anos), D’Zainer Produtos Plásticos (20 anos) e Pentair Hidro Filtros do Brasil (20 anos), além do próprio Simplás, pelos seus 25 anos de fundação, celebrados em 2014. Na foto, Orlando Marin.

DIVULGAÇÃO

Bloco

Marcada I Semana de Composites Avançados SAMPE Brasil

De 19 a 23 de outubro de 2015, em São José dos Campos (Parque Tecnológico), SP, será realizada a I Semana de Composites Avançados SAMPE Brasil, com o objetivo de apresentar soluções inéditas em composites avançados. Este encontro técnico, organizado pela SAMPE Brasil, ocorrerá em um dos principais centros de tecnologia do país. Mais informações e inscrições – www.sampe.com.br ou consultoria@artsim.com.br

Aplicativo para o porto de Santos promete melhorar a logística

A Santos Brasil lança um aplicativo inédito no Porto de Santos. Gratuito, é voltado a diferentes perfis de clientes. A nova ferramenta já está à disposição do setor e atende a clientes do Tecon Santos, maior terminal de contêineres da América do Sul, e dos dois Centros Logísticos e Industriais Aduaneiros (CLIAs), operações localizadas em Santos e Guarujá. Por meio do novo canal de relacionamento, os clientes da empresa podem solicitar serviços e consultar informações referentes à movimentação de cargas, via smartphones e tablets, em tempo real, aumentando a eficiência e agilidade de procedimentos realizados anteriormente via website ou email. Serviços como averbação e posicionamento de contêineres para vistorias diversas podem ser demandados por importadores e exportadores ou por seus representantes legais (despachantes). Também é possível realizar consultas sobre os contêineres armazenados nas unidades contempladas, tais como peso, datas de embarque e desembarque e status atual. Clientes armadores podem fazer a consulta dos Bookings e acompanhar a lista de atracação de navios no Tecon Santos, que também está acessível a todos os públicos de relacionamento da empresa logo na página inicial do aplicativo. “O grande diferencial é que no APP, os clientes podem acompanhar cada um dos navios que chegam e saem do porto e serem avisados no momento em que a embarcação atraca ou deixa o terminal”, destaca o diretor comercial de operações logísticas da Santos Brasil, Wagner Toffoli. As transportadoras, prestadoras de serviços para os clientes dos terminais, também podem acessar a nova ferramenta e consultar o check list de todas as Declarações de Importação das cargas nacionalizadas nos terminais direcionadas a cada uma delas, bem consultar os agendamentos dos contêineres liberados para carregamento. A área exclusiva para clientes deve ser acessada por meio de login e senha já utilizados para acesso aos serviços via Portal do Cliente, disponível no website da empresa. A previsão é migrar para o novo aplicativo 10% das operações sistêmicas hoje feitas pelos clientes da Santos Brasil, em até um ano. <<< PS/PNE < 69


Agenda Guangzhou (China)

DIVULGAÇÃO

Anunciantes

Aditive Ampacet Battenfeld Belsul Brasfixo Braskem By Engenharia Cabot Coim Colorfix Cristal Master Cromex Digitrol Eletronacional Feiplastic Help Injetoras Kie KraussMaffei Kryll M&G Matripeças Mercure Multi-União MVC Nazkom Netsal New Sul NZ Cooperpolymer NZ Philpolymer Pavan Zanetti Plastech Procolor Químicos & Plásticos R. Pieroni Recicla Nordeste Replas Romi Rulli Simpep Sinplast Starmach Unicor Uniezzo Wortex

70 > PS/PNE >>>

/ Página 50 / Página 33 / Página 28 / Página 71 / Página 59 / Página 13 / Página 55 / Página 41 / Página 34 / Página 51 / Página 35 / Página 47 / Página 62 / Página 68 / Página 67 / Página 61 / Página 64 / Página 39 / Página 44 / Página 72 / Página 53 / Página 64 / Página 61 / Página 45 / Página 62 / Página 49 / Página 62 / Página 31 / Página 32 / Página 25 / Página 63 / Página 43 / Página 29 / Página 48 / Página 65 / Página 18 e 19 / Página 11 / Página 21 / Página 23 / Página 17 / Páginas 2 e 3 / Página 27 / Página 37 / Página 15

Agende-se para 2015 39 Fimec- Feira Internacional de Couros, Produtos Químicos, Componentes, Máquinas e Equipamentos para Calçados e Curtumes 17 a 20 de março – 13 às 20h Fenac, Novo Hamburgo, RS www.fimec.com.br NPE 23 a 27 de março Orlando, Flórida, Usa www.npe.org Feiplastic – Feira Internacional do Plástico 4 a 8 de maio de 2015 - 11h00 às 20h00 Anhembi – São Paulo - SP (Brasil) www.feiplastic.com.br Chinaplas - The 29th International Exhibition on Plastics and Rubber Industries 20 a 23 de maio -09h30 às 17h00 Guangzhou, China www.chinaplasonline.com Plastech Brasil – A feira do Plástico, da Borracha, dos Compósitos e da Reciclagem 25 a 28 de agosto – 14h às 21h Caxias do Sul – RS www.plastechbrasil.com.br Mercopar 6 a 8 de outubro – 14h às 21h Caxias do Sul – RS www.mercopar.com.br


<<< PS/PNE < 71


72 > PS/PNE >>>

Edição especial  

Edição Especial Plástico Sul e Plástico Nordeste FEIPLASTIC 2015

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you