Page 1

Sindicato das Indústrias de Mármores, Granitos e Rochas Ornamentais do RS VALOR AG R E GAD O SILESTONE ORIGINAL É GA RA NT I A D E QUALID AD E

S EG URA NÇA CUID ADO S PAR A T RAN SPORT E E ARMAZE NAGE M

Casa da cor espaço da pedra


Í N D I C E

10 HISTÓRICO ARTE NO PALCO E NAS PEDRAS

14 ESPECIAL CASA DA COR, ESPAÇO DA PEDRA

24 VA L O R A G R E G A D O SILESTONE É GARANTIA DE QUALIDADE

28 construç ã o civil A IMPORTÂNCIA DE ESCOLHER BEM O REJUNTE

32 T EC N O L O G IA NOTA FISCAL ELETRÔNICA

0 4

|

A N U Á R I O

S I M A G

33 SIMAG AÇÕES DO SINDICATO

22 M EIO AM B IENTE AGLOSTONE: BELEZA, TECNOLOGIA E NATUREZA

30 SEGURANÇA TRANSPORTE E ARMAZENAGEM DE ROCHAS

35 ASSOCIADOS EMPRESAS QUE INVESTEM NO SETOR


E D I T O R I A L

E XPE D I E N T E

Ações para melhorar o setor Se fizermos uma comparação entre a vida do século 21 e a do século passado, vamos claramente perceber que as diferenças são enormes. Algumas são fáceis de ver, a tecnologia, por exemplo. Novos equipamentos e computadores quando bem utilizados podem tornar o trabalho de qualquer empresa mais eficiente e mais rentável, promovendo também melhorias para seus profissionais. Mas existem outras diferenças, como a preocupação ambiental. Somente no final do século 20 a humanidade reparou que estava prejudicando a natureza gravemente e que era preciso ter ações rápidas e corajosas para evitar uma catástrofe. E, então, foi em busca dessas soluções e as encontrou. Mesmo para as marmorarias, que constituem uma das indústrias menos poluentes, existem opções de fazer melhor. Uma terceira diferença está nas novas formas de abrir e administrar empresas. Se antigamente o objetivo principal de qualquer empresa era fabricar um produto útil e ter lucro, hoje, além disso, uma empresa tem que saber que ela é importante na sociedade e que tem muito para contribuir, e aprender, com os consumidores e clientes. Poderíamos listar mais diferenças, mas essas três servem para mostrar como as coisas mudaram e como o setor de marmorarias precisa estar integrado a elas. E também as autoridades estão atentas a esses assuntos. Tanto que os governos têm tomado boas iniciativas nessas áreas: a Nota Fiscal eletrônica, que diminui custos de administração e combate a informalidade; a fiscalização do Ministério do Trabalho e a legislação de transporte de rochas nas rodovias e dentro das marmorarias, que ajuda a formalizar o setor. Além disso, o Simag tem iniciativas com os mesmos objetivos. Por isso, assinou convênio com o escritório Segurança do Trabalho e vai procurar o Codema (Conselho de Desenvolvimento do Meio Ambiente) e a Fepam (Fundação Estadual de Proteção Ambiental) para criar uma legislação específica para o nosso setor. Agindo assim, certamente, estaremos fazendo empresas mais rentáveis, eficientes e contribuindo para termos um bom futuro. Boa leitura a todos!

Alexandre Bittencourt De Carli Presidente

0 6

|

A N U Á R I O

S I M A G

O Anuário SIMAG é uma publicação da Interna Projetos Editoriais, sob licença do Sindicato da Indústria de Mármores, Granitos e Rochas Ornamentais do RS. As opiniões, entrevistas, artigos, anúncios e colunas assinadas são de inteira responsabilidade dos autores. É vedada a reprodução total ou parcial do conteúdo sem prévia autorização e sem citação da fonte.

DIRETORIA Alexandre Bittencourt De Carli Caetano Rosito Neto Fábio Müller Gabriel Gehrke Rogério Adolfo Riegel CONSELHO FISCAL Caetano Rosito Neto Rogério Adolfo Riegel DELEGADOS JUNTO À FIERGS Alexandre Bittencourt De Carli Caetano Rosito Neto REPRESENTANTES PERANTE A ABIROCHAS Alexandre Bittencourt De Carli Caetano Rosito Neto Rogério Adolfo Riegel CONTATO Fone: (51) 3347.8736 Av. Assis Brasil, 8787 - complexo Fiergs Bairro Sarandi - Porto Alegre - RS CEP 91140-001- simag@fiergs.org.br

Edição, projeto gráfico, reportagem, revisão, comercialização e diagramação

(51) 3019-5643 www.interna.com.br Jornalista responsável: Marco A. Schuster MTb/RS 4.116 dIRETOR Renato Delfino Rodrigues IMPRESSÃO Gráfica Coan 2.000 exemplares FOTO DE CAPA Sérgio Vergara


H I S T Ó R I C O

FOTOS: INTERNA PROJETOS EDITORIAIS

Amarelo Ornamental (Granito)

arte no palco e nas pedras Localizado no coração de Porto Alegre, na mesma praça que abriga prédios históricos, como a Igreja Matriz e as sedes dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, o Theatro São Pedro é o mais antigo deles. Grandes artistas nacionais e internacionais se apresentam nele desde a metade final do século 19. Passou por períodos difíceis, ficou 11 anos fechado para reformas, mas, hoje, novamente é orgulho dos gaúchos e se prepara para um futuro ainda melhor com o projeto Multipalco.

1 0

|

A N U Á R I O

S I M A G


O Theatro São Pedro é resultado da persistência. Quem chega ali não imagina que ele ficou 11 anos fechado por causa da deterioração e passou por uma reforma de nove anos. Esse restauro foi comandado pelo arquiteto Carlos Mancuso (falecido em janeiro de 2010) que declarou numa entrevista ao Jornal da Universidade em 2009 que “praticamente reinventei o São Pedro”. Reinventou porque são poucos os registros da planta original, datada de 1833, quando começou a construção, interrompida pela Revolução Farroupilha e concluída e inauguRestauro colocou granito rosa nos degraus

rada em 27 de junho de 1858. O teatro passou por várias reformas ao longo dos anos mas, nos anos 1970, foi tomado pelos cupins. Quando Eva Sopher assumiu a direção, em 1975, começou a reforma. Mancuso criou os desenhos das pedras portuguesas nas calçadas. Ele também escolheu o granito Rosa Guaíba dos degraus da entrada e do piso. Supõe-se que originalmente o assoalho era de madeira, mas a opção pela pedra é porque ela é mais resistente e confere maior beleza e requinte. Ainda no térreo (foyer) foram colocados granito Bege Pérola e rejunte de bronze, “uma liberalidade artística do arquiteto”, diz o responsável pela manutenção, Heitor Carlos. Em 2007, houve novo restauro, coordenado pela Acunha

Granito Bege Pérola no térreo e nos banheiros

Solé Engenharia, com execução da Iguaçu Mármore e Granito, e a construção de novos espaços, como um café no andar superior. Os degraus da escada de acesso ao café são de granito Rosa Guaíba e o arenito das escadarias laterais foi substituído por granito igual a esse, impermeabilizado.

Calçamento com pedras portuguesas

A N U Á R I O

S I M A G

|

1 1


Granito Rosa Guaíba na fachada e escadarias e rampa do Multipalco

Um ano depois da reinauguração de 1984, um grupo de pessoas liderado por Eva Sopher criou a Associação dos Amigos do Theatro São Pedro com o objetivo de preservar esse prédio histórico. E em 1998 foi lançado o Projeto Multipalco, uma área nova, ao lado. Novamente as rochas ornamentais estão presentes e destacam o projeto dos arquitetos Marco Peres, Dalton Bernardes e Júlio Ramos Collares, vencedor da licitação do novo espaço, que tem concha acústica, camarins, bar e abriga toda a administração, o que liberou áreas do prédio do Theatro para melhor circulação do público.

Qualidade em tudo que faz. Ser reconhecida pelos clientes como uma empresa modelo no segmento de rochas ornamentais é o objetivo da Alto Liberdade. Para isso investe constantemente na preservação ambiental, evolução dos equipamentos, treinamento e segurança dos funcionários. O moderno parque industrial com serraria e beneficiamento garante o fornecimento de produtos e serviços de alto padrão a todo o território nacional. Se você procura qualidade em todos processos de trabalho a Alto Liberdade é a solução.

Rodovia Saturno x Gironda, s/n Loc. Alto Liberdade - Dist. de Gironda - Cachoeiro de Itapemirim-ES - TEL: +55 (28) 2102-1102 www.altoliberdade.com.br

1 2

|

A N U Á R I O

S I M A G


Granito Preto São Gabriel nas laterais da concha acústica e Rosa Guaíba no ambiente interno

Para Fábio Müller, da Iguaçu, uma decisão elogiável dos projetistas é a manutenção de pedras gaúchas no Multipalco, “pois elas são três vezes mais duras e resistentes que as do resto do país”. A fachada, em frente à Praça Matriz, é em granito Rosa Guaíba polido, que também está na fachada da Rua Riachuelo. O mesmo granito com acabamento flameado,obtido através de fogo e jato de água, além de embelezar escadarias e pisos, é mais seguro aos frequentadores, por ter sua superfície antiderrapante. Na concha acústica, os arquitetos optaram pelo uso do granito Preto São Gabriel polido, resultando num deslumbrante efeito de imponência e requinte. Nos lavabos, a escolha recaiu sobre o granito Cinza Canguçu, conferindo discrição e facilidade de manutenção.

A N U Á R I O

S I M A G

|

1 3


E S P E C I A L

FOTOS: DIVULGAÇÃO

Bege Ipanema (Granito)

Rochas são destaque na Casa Cor 2010 A pedra, natural ou industrializada, teve destaque nobre na Casa Cor RS 2010. Mármore, granito, Silestone e demais opções estiveram presentes em mais de 20 ambientes, mostrando que, além de durabilidade e bom gosto, as rochas são um diferencial de qualidade e refinamento de grande versatilidade. O Anuário Simag 2010 conversou com os arquitetos de alguns desses ambientes.

1 4

|

A N U Á R I O

S I M A G


Foto: André Bastian

A N U Á R I O

S I M A G

|

1 3


Foto: André Bastian

Silestone e design limpo no banheiro

Suíte do Casal Todo mundo tem sua peça preferida da casa, e quando se fala em suíte, então, os cuidados são maiores. Por isso, o arquiteto Marcelo Polido e a design de interiores Ana Hnszel procuraram criar um ambiente que reunisse resistência, nobreza e design limpo na Suíte do Casal na Casa Cor RS 2010, projeto executado pela De Carli Selected Stones. Polido apresenta critérios diferentes para o uso de pedras naturais e industrializadas: “Usamos a pedra natural quando queremos rigidez e confiabilidade, riqueza da informação visual, contrastes, a naturaArquiteto Marcelo Polido e a designer de interiores Ana Hnszel

lidade e individualidade que cada material apresenta”. Já as pedras industrializadas “complementam os projetos e permitem que outros elementos sejam principais, como a marcenaria, a iluminação, os revestimentos de parede e até mesmo o próprio material”. Eles utilizaram Silestone no banheiro da suíte por confiarem “na qualidade do material e gostar da sua limpeza estética. Um material que permite apresentar um design nas peças sem poluição visual”. O resultado é o que Polido chama de “design limpo”, bem ao seu gosto: “Cada vez mais nossos projetos têm de agregar valor ao investimento de nossos clientes e as pedras são materiais que perduram e mantêm o visual nobre, sofisticado, resistente e sólido que os bons investimentos exigem”.

1 6

|

A N U Á R I O

S I M A G


Foto: Sérgio vergara

Mármore Travertino escovado no Home-theater

Suíte Master A ideia básica dos arquitetos Sandro Jasnievez e Maria Rita Kops para fazer a Suíte Master foi o conceito de loft, usando referências do Art Déco, que foi um movimento de decoração dos anos 20 e 30, e cores Chanel, que são tons de marrom, branco, fendi e preto. Nessa união de clássico com moderno, destacam-se a iluminação, “pensada para criar diversas opções de cenários aos moradores”, diz Jasnievez, e as rochas ornamentais.

Arquitetos Maria Rita Kops e Sandro Jasnievez

A suíte foi dividida entre Estar, Dormitório, Banho e Closet, mas o Estar merece destaque especial. Ali está o Home-Theater, com uma parede em mármore Travertino Escovado, trabalho da marmoraria Marmonix, onde também estão iluminação por cordas com lâmpadas junto ao piso, plafons italianos e uma lareira a álcool, “aconchegante e imponente”, explica Sandro Jasnievez. O ambiente tem ainda duas estátuas em mármore Carrara do artista Ricardo Kersting, pois Sandro é um fã das rochas ornamentais: “Eu uso bastante pedra, porque é linda e confere requinte, tem durabilidade e exclusividade, sempre tem desenhos diferentes”, o que acaba por personalizar cada ambiente.

A N U Á R I O

S I M A G

|

1 7


Foto: TIAGO TRINDADE

Versatilidade: granito São Gabriel com aparência de couro

Estar de Inverno No ambiente criado pelas arquitetas Liz Ribeiro e Camila Fleck ficou clara a grande versatilidade da pedra. Na lareira, colocada no centro do Estar de Inverno, elas utilizaram o granito Preto São Gabriel com acabamento escovado, que ficou com aparência de couro. “Por isso demos o nome de granito Leather”, explica Liz Ribeiro. Mas o espaço tinha mais coisas que essa sensibilidade de dar uma aparência macia à dureza da pedra. Elas homenagearam o arquiteto Arquitetas Liz Ribeiro e Camila Fleck

de urbanista Lúcio Costa, que planejou Brasília, usando elementos que lembravam a capital do país: prateleiras em curva, pranchas de madeira de demolição, aberturas amplas. Enfim, diz Liz Ribeiro : “Um ambiente voltado às pessoas que buscam relaxamento e bem-estar com muito conforto”. E um dos elementos deste ambiente de bem-estar é a lareira a álcool, executada pela Marmogran Mármores e Granitos, que, como explica a arquiteta “foi planejada como uma caixa montada com acabamento em 45°, centralizada no ambiente como ponto de convergência desse ambiente prazeroso e aconchegante”.

1 8

|

A N U Á R I O

S I M A G


Fotos: André Bastian

Mármore Branco Extra em mesa iluminada

AteliER do Fotógrafo O arquiteto de interiores e projetos residenciais Francisco Franck inspirou-se nas mesas de fotógrafos usadas antes das máquinas digitais para desenhar esta mesa iluminada de mármore Branco Extra, execução da Rosito Luce. “O objetivo era criar um ambiente arrojado, mas com ideia do antigo”, explica o arquiteto. Antigamente, as mesas de fotografia tinham tampo de vidro iluminado por baixo, o que facilitava a visão dos negativos colocados em cima. Como agora todo o processo ficou no computador, as mesas são diferentes. Nem por isso se deve abrir mão do charme. Por isso, Franck utilizou

Arquiteto Francisco Franck

uma iluminação por baixo, de lâmpadas fluorescentes, e sua pedra preferida: mármore em tons claros. Além de elegante, tem outra vantagem, comenta: “A rocha é de fácil limpeza e manutenção, garantindo assim a grande durabilidade”. Outro destaque da mesa são as fotos em preto e branco que, explica, “incrustei com uma resina neutra para não interferir na foto”. Além de ilustrarem a convergência do antigo com o novo, elas reforçam a ideia do atelier fotográfico.

A N U Á R I O

S I M A G

|

1 9


Foto: CARLOS EDLER

A R T E

Uso do Silestone para dar mais praticidade no preparo de refeições

Lounge Gourmet A arquiteta Ingrid Stemmer pensou o Lounge Gourmet com um espaço especial, onde se pudesse ter boas conversas com amigos desde o momento em que se prepara uma refeição especial até o jantar e o bate-papo posterior. Tudo isso com alguma irreverência e muito conforto. Para criar um ambiente assim aconchegante é preciso acertar na escolha dos materiais. Já na entrada havia uma mesa rústica, a lareira tinha chapa de navio e uma das paredes tinha reboco irregular. Além disso, ela dividiu o Arquiteta Ingrid Stemmer

espaço em quatro ambientes, que chamou de “quadrantes funcionais: estar, preparo, degustação e apoio”. Ela criou um “centro da operação de preparo”, com uma bancada grande, executada pela MMG Mármores e Granitos, e outros itens importantes para o preparo de boas refeições, como coifa e cooktop: “Pensando na praticidade, a bancada, com pequena cuba central usinada, foi revestida por Silestone”. Fica no centro de operação do preparo, é a ilha, e a cor escolhida por Ingrid integra perfeitamente com todo o ambiente.

2 0

|

A N U Á R I O

S I M A G


Foto: MARINA FUNCK

Pedra natural e industrializada em ambiente jovem e masculino

Espaço do Chef Apesar do nome, a arquiteta Maira Ritter não imaginou seu ambiente na Casa Cor RS 2010 para um profissional da culinária, mas “para um jovem gourmet que adora receber os amigos para experimentar suas delícias”. Assim, teria que ser um espaço amplo, elegante e aconchegante, e, completa, “seguindo uma linha mais masculina”. Por isso criou alguns móveis diferenciados, como cozinha de embutir, refrigerador na cor vermelho Ferrari, cadeiras de pinus revestidas de bambu e iluminação pontual. Isto é, “uma arquitetura simples, onde o viver bem é o principal”, diz. Mostrando que pedras se enquadram

Arquiteta Maira Ritter

muito bem nessa linha, ela utilizou o lançamento Silestone Blanco Capri, execução da Sevilla Mármores, nas bancadas e na mesa. A pedra natural completou a presença da rocha através do mármore Travertino em pedra palito em uma das paredes. Maira tem oito anos de profissão, já fez diferentes projetos comerciais, residenciais e corporativos, participou de mostras de decoração, prefere fazer atendimento personalizado e “aliar funcionalidade e beleza nos projetos”.

A N U Á R I O

S I M A G

|

2 1


M E I O

A M B I E N T E

Verde Athina (Mármore)

Piso de Aglostone Athenas Prime, requinte na peça e respeito ao meio ambiente

Aglostone faz a rima entre beleza, tecnologia e natureza A qualquer hora, todos os dias, recebemos informações ou participamos de conversas sobre o ambiente e a preservação da natureza, no trabalho, em encontros com amigos ou nos noticiários. Seja um novo combustível, um reflorestamento ou uma nova maneira de produzir pedras. Pedras? Sim, a produção de pedras também pode contribuir para não prejudicar o meio ambiente. Melhor ainda quando o produto alia qualidade e beleza.

2 2

|

A N U Á R I O

S I M A G


Fotos: DIVULGAÇÃO

Versátil, pedra industrial tem várias utilizações

Uma maneira é reaproveitar sobras de cortes de pedras naturais e fazer uma nova pedra. Foi assim que surgiu o mármore composto, também conhecido como industrializado, ou artificial, uma mistura de 95% de partículas de mármore de vários tamanhos e 5% de resina, que resulta em chapas de 2cm de espessura, com características semelhantes às da pedra natural e também com as mesmas possibilidades de uso. O mármore industrializado ainda não é produzido no Brasil, e a Alicante importa e distribui nacionalmente o Aglostone, que tem algumas vantagens em relação ao mármore natural, diz o diretor de marketing da importadora, José Roberto Codato: “O que o diferencia do mármore natural são os 5% de agentes aglutinantes, que o tornam mais resistente a impactos e riscos, além de menor nível de absorção de água”. Por essa razão, a empresa assegura que a pedra também pode ser usada em ambientes internos de grande circulação de pessoas. Além de resistência e sustentabilidade, o mármore industrializado apresenta uniformidade de textura, várias cores e versatilidade de aplicações: pisos, revestimento de paredes, escadas, confecção de mobiliários e bancadas. Utiliza os mesmos equipamentos e ferramentas para o beneficiamento do mármore. A manutenção também não exige muito trabalho — pano úmido, detergentes específicos para mármores ou neutros. Existem dois tipos de Aglostone no mercado. Um é chamado de Linha Tradicional, feito com partículas de diferentes granulosidades, utilizando mármore como Botticino, Giallo Reale, Rosso Asiago, ou Verde Alpi. A linha Mícron reaproveita finas partículas de pó de mármore, nas versões Crema, Athenas e Branco Prime, com maior uniformidade de cor e textura.

A N U Á R I O

S I M A G

|

2 3


VA L O R

A G R E G A D O

Bianco Carrara (Mármore)

Silestone original é garantia de qualidade

2 4

|

A N U Á R I O

S I M A G


FOTOs: divulgação

Para realizar um bom projeto, um arquiteto precisa usar materiais que deem tranquilidade na hora de trabalhar. Para conquistar e manter clientes, um comerciante precisa confiar nos produtos que vende. Tranquilidade e confiança são qualidades que só produtos originais garantem. É o caso do Silestone.

A N U Á R I O

S I M A G

|

2 5


É uma pedra industrializada que ainda não se encontra em todas marmorarias, mas que pode ser uma boa opção de comércio, acredita Alexandre De Carli: “Para as marmorarias habilitadas, este produto é muito interessante, pois com as ferramentas e a mão de obra adequadas sua industrialização é facilitada”. O Silestone possui 94% de quartzo na sua composição, a massa é homogênea e tem mais de 50 opções de cores. Sua resistência, beleza e versatilidade permitem que arquitetos possam criar uma enorme variedade de ambientes, pois pode ser usado em residências, bares e escritórios, em bancadas, painéis, pisos, mesas, paredes e até escadas. Mas é possível também criar peças únicas para clientes, como pias, cubas e banheiras. Algumas empresas projetam a produção em série desse tipo de peça. Além da beleza, a homogeneidade da massa garante estabilidade durante o corte e polimento. É uma vantagem considerável, destaca Alexandre De Carli: “No caso dos materiais naturais, particularmente os exóticos, há uma movimentação de texturas muito grande na área da chapa e alguns clientes costumam escolher áreas específicas sem o aproveitamento total da matéria prima”. A pedra natural às vezes possui cristais ou trincas internas que quebram durante o corte obrigando o marmorista a refazer a peça ou substituí-la. Mas a homogeneidade do Silestone permite um aproveitamento total das chapas, a maioria de 2cm de espessura, praticamente eliminando desperdício. É uma criação do grupo espanhol Cosentino e tem na sua composição o antibacteriano Microban, que evita a criação e proliferação de bactérias como salmonella, e-coli e listeria, em ambientes a elas suscetíveis, como cozinhas e banheiros. Outra característica do Silestone que auxilia na manutenção da higiene é a facilidade de limpeza, bastam água e sabão — suficientes para eliminar manchas.

2 6

|

A N U Á R I O

S I M A G


Mais de 50 opções de cores para compor qualquer projeto

A N U Á R I O

S I M A G

|

2 7


C O N S T R U Ç Ã O

C I V I L

FOTO: Divulgação / Weber Quartzolit

Branco Bahia (Granito)

A importância de escolher bem o rejunte Escolher um bom rejunte durante a construção é uma decisão fundamental para evitar preocupações no futuro. Felizmente, a indústria já coloca no mercado bons produtos para diferentes tipos de pedras e utilizações, seja em pisos ou revestimentos. Existem inclusive alguns capazes de reparar problemas antigos. Vale a pena pesquisar a oferta para descobrir qual o mais indicado para a obra.

ITALVENETO COMÉRCIO EXTERIOR Distribuidora de mármores e granitos nobres, nacionais e importados. Rua 25 de Julho, 409 - CEP 91030-270 - Porto Alegre - RS - Telefax: (51) 3337.1766 2 8

|

A N U Á R I O

S I M A G


Rejuntamento Pedras

Rejuntamento Epóxi

É indicado para placas de pedras naturais,

Epóxi é uma mistura de dois componentes feita no momento da aplicação, sem adição de água, com diversas aplicações na construção civil. Suas características são o brilho, total impermeabilidade e alta resistência ao tráfego de pessoas. Por isso, pode ser utilizado em pisos de mármore e granito, em piscinas, paredes, em prédios residenciais, comerciais ou industriais. A Quartzolit está apresentando uma nova fórmula no Rejuntamento Epóxi e garante que é mais resistente a manchas e mais fácil de aplicar. Além de ser antimofo e antialgas.

arenitos e quartzitos tanto em paredes quanto em pisos de áreas internas e externas e em ambientes com muita movimentação de pedestres, como edifícios comerciais, estações e praças públicas. O Weber.col Pedras elimina etapas na obra, como a preparação da argamassa, é de fácil aplicação e tem boa aderência, mas não é recomendado para churrasqueiras e saunas úmidas.

Rejunte Sobre Rejunte Sabe aquele rejunte antigo, rachado, com

Rejuntamento Porcelanatos, Mármores e

manchas que não saem, deteriorado, ou com

Granitos (Nova fórmula)

falhas no acabamento? Pois é. Em vez de ar-

Recomendado para revestimentos nobres e quando se exige um acabamento impecável. A Weber Quartzolit aperfeiçoou a fórmula, agora siliconizada, deixando o produto com alta adesividade em revestimentos de baixa absorção de água. Esse rejuntamento apresenta maior resistência à formação de bolor e textura extralisa, facilita muito a limpeza, garantindo excelente acabamento para revestimentos nobres e secagem em 24 horas.

rancar tudo e colocar um novo, é possível fazer uma boa reforma com o Rejunte Sobre Rejunte, pois ele pode ser aplicado sobre o antigo. Tem nove opções de cores (branco, marfim, bege, caramelo, marrom café, cinza platina, cinza outono, cinza ártico e preto grafite), seca em 24 horas, aplica-se em mármores, granitos ou pedras rústicas, em ambientes internos e externos, pisos e paredes, piscinas e fachadas.

A N U Á R I O

S I M A G

|

2 9


S E G U R A N Ç A Amarillo Mares Standard (Mármore)

cuidados necessários para transporte e armazenagem de rochas A véspera do Natal deste ano, 24 de dezembro, é o prazo final para as transportadoras aderirem às normas da Resolução 354, de 24 de junho de 2010, do Contran (Conselho Nacional de Trânsito) sobre o transporte de chapas e blocos de rochas entre a pedreira e a serraria. Ela foi publicada dia 14 de junho e estabeleceu o prazo de 180 dias para a adaptação das transportadorAs.

Mas a resolução entrou em vigor dia 1º de julho e é considerada bem-vinda por transportadores. “Todas as medidas que prezam pela segurança ajudam a garantir melhores condições de serviço e transporte”, diz Francisco Ênio Rizzardo, diretor da Rizzardo Transportes Ltda., empresa especializada com 28 anos de atuação no mercado. Ao todo, são 15 artigos detalhando os procedimentos de segurança. Por exemplo, diz Rizzardo, “todas as chapas transportadas deverão ser fixadas diretamente ao chassi do veículo”. Outro exemplo: as chamas colocadas horizontalmente sobre a carroceria precisam ser fixadas com cintas de poliéster e catracas com capacidade e tamanho indicados na própria norma. Mas para chapas acomodadas verticalmente é preciso usar cavaletes. Porém, Rizzardo acredita que poucas empresas precisarão investir muito na adaptação, pois “só não havia um padrão especificado”, diz, mas a maioria já toma esses cuidados. Para quem pretende contratar uma transportadora, ele recomenda “verificar se o veículo já está adaptado aos novos requisitos e conferir se o condutor possui o Novas normas garantem mais segurança no transporte de pedras

3 0

|

A N U Á R I O

S I M A G

certificado de conclusão do curso específico”.


FOTOs: Divulgação

Pontes rolantes facilitam a movimentação de chapas

Outro cuidado necessário com a segurança está dentro das marmorarias. Existe uma linha completa de equipamentos que substituem a força humana para armazenamento de rochas, desde pontes rolantes a trilhos, talhas elétricas e braços de carga. Essas máquinas são fabricadas de acordo com as normas técnicas da DRT (Delegacia Regional do Trabalho), que proíbem o transporte manual de pedras nas marmorarias. Além disso, acrescenta Paulo Baptista, integrante do departamento de vendas da Sultécnica Serviços de Engenharia Ltda., esses equipamentos “têm garantia total de segurança aos operadores, pois eles recebem treiOperadores recebem cursos específicos

namento especial e certificado para operar essas máquinas”. Elas ainda oferecem a vantagem de tornar todo o processo fabril mais ágil.

A N U Á R I O

S I M A G

|

3 1


T E C N O L O G I A Azul Bahia (Granito)

Nota fiscal eletrônica traz mais eficiência e transparência Mais transparência nas transações comerciais, mais facilidade para a formalização de empresas e para a fiscalização e até vantagens ao meio ambiente. É isto o que a Nota Fiscal eletrônica proporciona à indústria e ao comércio de rochas ornamentais. A Nota Fiscal eletrônica (NFe) está na legislação brasileira desde outubro de 2005 e vem sendo saudada como iniciativa que vai ajudar na formalização completa do setor, como explica o técnico em contabilidade da Castelo Serviços Contábeis, Moisés Luís Togni: “As transações comerciais serão transparentes e o Fisco terá controle sobre tudo e todos”. Gabriel Gehrke, da Marmogran Mármores e Granitos, de Novo Hamburgo (RS) e diretor do SIMAG, concorda: “Vemos como extremamente positiva, já que é necessária uma formalização maior do setor, tornando-o mais organizado e correto”. Essa obrigação legal deve mudar profundamente o quadro atual, no qual “grande parte das marmorarias são pequenas empresas, muitas vezes registradas como comércio, mesmo sendo indústria”, diz Gehrke, e com muita informalidade. Ele prevê que “esta prática tende a acabar, fazendo com que as empresas mais estruturadas não sofram tanto com a informalidade” e as pequenas e microempresas passarão a pagar mais impostos, “se adaptando às exigências legais, tornando assim o mercado mais formal e sem concorrência desleal”.

3 2

|

A N U Á R I O

S I M A G

Mas essa é apenas uma das consequências da NFe. Existem outras igualmente vantajosas: redução nos custos de impressão, confecção e armazenamento dos documentos fiscais. Também a facilidade do gerenciamento eletrônico dos documentos e, acrescenta Togni, “incentiva o uso de relacionamento eletrônico entre as empresas”. Além de facilitar o trabalho de contabilistas como ele, pois “simplifica a escrituração fiscal e contábil das empresas e permite que os processos se tornem mais rápidos e corretos”. O uso da NFe também é bom para a sociedade, já que com ela diminui o consumo de papel, preservando o ambiente. Sua utilização “incentiva a adoção de novas tecnologias e padroniza os relacionamentos entre empresas”, afirma Togni. A NFe vai intensificar a fiscalização, acredita Gehrke: “A Receita Federal, com isto, não precisará de fiscalizações nas ruas, batendo nas empresas e analisando os documentos ou ainda parando os veículos em deslocamento, conferindo a nota fiscal com a mercadoria. Eles fiscalizarão pelo cruzamento dos dados, pois terão todas as informações de cada empresa em seu sistema”. Isto é, haverá mais transparência, gerando maior confiança no cliente e consumidor.


N O V I D A D E S

S I M A G Café Imperial (Granito)

Simag tem nova diretoria

Nova direção foca trabalho na qualificação e formalização do setor

O Sindicato das Indústrias de Mármores, Granitos e Rochas Ornamentais do Rio Grande do Sul (Simag) elegeu e deu posse a sua nova diretoria, para a gestão 2010-2013, em assembleia realizada na sede do Sindicato, na Fiergs, em 21 de agosto de 2010. O novo presidente é Alexandre Bittencourt De Carli (De Carli Selected Stones) que planeja “trabalhar uma legislação de licença ambiental específica para marmorarias”, além de incentivar cursos de qualificação profissional a marmoristas. A composição da diretoria é a seguinte: Presidente: Alexandre Bittencourt De Carli Secretário: Fábio Muller Tesoureiro: Gabriel Gehrke Suplentes: Caetano Rosito Neto e Rogério Adolfo Riegel Conselho Fiscal: Caetano Rosito Neto e Rogério Adolfo Riegel – Suplentes: André Luiz Wetzel e Natália Lamb

Cursos do Sebrae O Conselho da Pequena e Microindústria (Copemi) da Fiergs intermediou acordo entre Simag e Sebrae para realizar cursos de preparação e treinamento gerencial, ao preço subsidiado de aproximadamente R$ 15,00 por pessoa. Os interessados devem entrar em contato com o Simag, pois é preciso haver um número mínimo de alunos para então formar turmas e definir horários. “Queremos organizar os horários de acordo com as possibilidades dos profissionais” explica Alexandre De Carli, presidente do Simag. São cursos de curta duração, com seis e 12 horas.

Convênio com Banco do Brasil O Simag firmou convênio com o Banco do Brasil, via FIERGS, para que seus associados tenham um tratamento diferenciado junto à instituição bancária. Segundo o então superintendente do BB no Rio Grande do Sul, Clênio Severino Teribele, há muitos recursos em caixa disponíveis aos empresários em diversas linhas de crédito. O convênio é como se fosse uma entrada VIP para uma festa: possibilita o ingresso sem ficar na fila e um camarote, mas a conta deve ser paga, simplifica o presidente do Simag, Alexandre Bittencourt De Carli. Todo associado interessado deve procurar o Simag, que providenciará uma carta de apresentação, para ingresso no Banco junto ao gerente.

A N U Á R I O

S I M A G

|

3 3


Simag apresenta futuras ações em ASSEMBLEIA

No dia 24 de setembro, o Simag realizou uma assembleia para discutir temas importantes do setor, como relações de trabalho, novas formas de melhor organizar receitas e administração, fiscalização e licenciamento ambiental, sendo esse um tema prioritário da nova gestão. A indústria de pedras ornamentais é uma das menos poluentes que existem. Seus resíduos não ficam no ar, mas são recolhidos e grande parte deles pode ser reaproveitada. Também não faz fumaça nem despeja óleo combustível em riachos e rios. Mesmo assim, 95% das marmorarias do Rio Grande do Sul não têm licença ambiental, calcula o presidente do Simag, Alexandre De Carli. Uma das razões para isso é não haver uma legislação específica. Por isso, uma das preocupações centrais da direção do Simag na atual gestão é procurar a Fiergs (Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul) e a Fepam (Fundação Estadual de Proteção ao Meio Ambiente) para criar um padrão para licenciamento ambiental de marmorarias, adianta o presidente De Carli: “A fiscalização está muito rígida, pois os técnicos que licenciam empresas estão sendo denunciados pelo Ministério Público nos desastres ecológicos. A criação de um padrão gera tranquilidade para trabalhar corretamente e facilita o licenciamento”. “Foi uma reunião muito boa”, comentou Gentil Pelizzioli, da Transportadora Transmármore. “É bom a gente acompanhar tudo. Cada um tem que estar dentro da lei de seu setor”, completou.

3 4

|

A N U Á R I O

S I M A G


A S S O C I A D O S Marrom Emperador (Mármore)

EMPRESAS QUE INVESTEM NO CRESCIMENTO DO SETOR: BOLZAN COMÉRCIO DE PEDRAS LTDA. Rua Bento Gonçalves, 3663 Bairro: Guarani Município: Novo Hamburgo Cep: 93520-000 Telefone: (51) 3593-2738 bolzan.pedras@terra.com.br

LAJES BASALTO LTDA. Av. Placidina de Araujo, 3065 Bairro: São Pelegrino Município: Nova Prata Cep: 95320-000 Telefone: (54) 3242-1061 basalto@basaltosantoantonio.com.br www.basaltosantoantonio.com.br

MARMORARIA REAL Rua das Violetas, 55 Bairro: Dom Vicente Município: Bom Princípio Cep: 95765-000 Telefone: (51) 3634-2096 marmoreal@btnet.com.br www.marmorariareal.com.br

CANTARIA SANTO ANTÔNIO Rua Dez de Setembro, 538 Bairro: Centro Município: Dois Irmãos Cep: 93950-000 Telefone: (51) 3564-6250 marianekolling@hotmail.com

MADEPEDRA MÁRMORES E GRANITOS Rua Euclides Gomes de Oliveira, 166 Bairro: Distrito Industrial Município: Cachoeirinha Cep: 94930-600 Telefone: (51) 3470.2447 madepedra@ibest.com.br

MARMORARIA SANTA CRUZ MÁRMORES E GRANITOS LTDA. Rua Padre Amstad, 75 Bairro: Universitário Município: Santa Cruz Cep: 96815-680 Telefone: (51) 3717-1755 marmosc@viavale.com.br

MAGNANI MÁRMORES E MÓVEIS LTDA. Rua Santos Ferreira, 3070 Bairro: Estância Velha Município: Canoas Cep: 92030-000 Telefone: (51) 3472-8277 magnani@magnanimarmores.com.br www.magnani.com.br

MARMORARIA UNIVERSITÁRIA Rua Arlindo Fazolo, 120 Bairro: Santa Maria Goretti Município: Bento Gonçalves Cep: 95700-000 Telefone: (54) 3452-1425 universitária@ marmorariauniversitaria.com.br www.marmorariauniversitaria. com.br

D’CORBELLINI & CIA LTDA. RS 130 KM 71, 1101 Bairro: Montanha Município: Lajeado Cep: 95900-000 Telefone: (51) 3714-1288 dcorbellini@dcorbellini.com.br www.dcorbellini.com.br DE CARLI SELECTED STONES Av. Ceará, 560 Bairro: Navegantes Município: Porto Alegre Cep: 90240-510 Telefone: (51) 3061-7530 decarli.poa@dcmg.com.br www.dcmg.com.br G S MARMORARIA LTDA. Rua Buarque de Macedo, 1011 Bairro: Centenário Município: Montenegro Cep: 95780-000 Telefone: (51) 3632-7139 gsmarmoraria@ibest.com.br IGUAÇU MÁRMORES E GRANITOS Av. Fernando Ferrari, 75 Bairro: Anchieta Município: Porto Alegre Cep: 90200-041 Telefone: (51) 3371-2766 contato@iguacumarmore.com.br www.iguacumarmore.com.br IRMÃOS TOMAZELLI Av. do Forte, 1062 Bairro: Vila Ipiranga Município: Porto Alegre Cep: 91360-001 Telefone: (51) 3340-2111 irmaostomazelli@brturbo.com.br

MARMOGRAN MÁRMORES E GRANITOS LTDA. Rua Juiz de Fora, 1000 Bairro: Ideal Município: Novo Hamburgo Cep: 93336-210 Telefone: (51) 3595-1445 marmogran@marmogran.com.br www.marmogran.com.br MARMO GRANITI LTDA. Rua Carlos Dreher Neto, 151 Bairro: Vila Nova Município: Bento Gonçalves Cep: 95700-000 Telefone: (54) 3452.5688 marmograniti@italnet.com.br MARMORARIA CASSEROST Rua Santa Flora, 189 Bairro: Lomba do Pinheiro Município: Porto Alegre Cep: 91570-600 Telefone: (51) 3319-1298 marmorariacasserost@hotmail.com MARMONIX GRANITOS E MÁRMORES Av. Andaraí, 289 Bairro: Passo das Pedras Município: Porto Alegre Cep: 91350-110 Telefone: (51) 3343.7100 marmonix@marmonix.com.br www.marmonix.com.br

MÁRMORES E GRANITOS REQUINTE LTDA. Rua Bento Alves, 3401 Bairro: São José Município: Caxias do Sul Cep: 95032-440 Telefone: (54) 3224-1866 mgrequinte@yahoo.com.br MARMOZAN COMÉRCIO DE GRANITOS E MÁRMORES LTDA. RS 020, 2030 Bairro: Morada do Vale I Município: Gravataí Cep: 94090-720 Telefone: (51) 3423-3585 marmozan@terra.com.br ORLANDO BUSSOLOTTO MÁRMORES E GRANITOS Rua Salvador, 185 Bairro: Botafogo Município: Bento Gonçalves Cep: 95700-000 Telefone: (54) 3453-1710 jones@bussolotto.com.br

ROSITO LUCE MÁRMORES E GRANITOS LTDA. Rua Otto Niemayer, 1571 Bairro: Camaquã Município: Porto Alegre Cep: 91910-001 Telefone: (51) 3268-3707 contato@rositoluce.com.br www.rositoluce.com.br FORNECEDORES CONCEITO & STONE Rodovia BR 116, Km 147,7 nº 16.770 Bairro: Dellazer Município: Caxias do Sul Cep: 90059-520 Telefone: (54) 3021.1666 conceitostone@conceitostone.com.br www.conceitostone.com.br PRO MARMO COMÉRCIO MÁRMORE E GRANITO LTDA. Rua André Locatelli, 522 Bairro: Três Lagoas Município: Bento Gonçalves Cep: 95720-000 Telefone: (54) 3464.1273 promarmo@promarmo.com.br www.promarmo.com.br SILQUIM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. Rua Miranda, 545 Bairro: Liberdade Município: Novo Hamburgo Cep: 93330-390 Telefone: 3587-2858 vendas@silquim.com.br www.silquim.com.br TRANSMÁRMORE Av. Santos Ferreira, 101/701 Bairro: Marechal Rondon Município: Canoas Cep: 92020-000 Telefone: (51) 3477-7634 transmarmore@terra.com.br

MARMORARIA RIEGELL LTDA Av. dos Municípios, 6180 Bairro: Santa Lúcia Município: Campo Bom Cep: 93700-000 Telefone: (51) 3597-1196 marmorariacb@sinos.net orcamentoriegell@sinos.net

A N U Á R I O

S I M A G

|

3 5


Anuário Simag_2010  

Rochas são destaque na Casa Cor 2010. A pedra, natural ou industrializada, teve destaque nobre na Casa Cor RS 2010. Mármore, granito, Siles...

Anuário Simag_2010  

Rochas são destaque na Casa Cor 2010. A pedra, natural ou industrializada, teve destaque nobre na Casa Cor RS 2010. Mármore, granito, Siles...

Advertisement