__MAIN_TEXT__

Page 1


Meditações Poéticas


Lothar Carlos Hoch

Meditações Poéticas

1ª Edição

Joinville, 2017


Copyright © Lothar Carlos Hoch. Os direitos dessa edição estão reservados à Editora Grafar Ltda.

Capa: Tuco Egg Diagramação: Editora Grafar Ltda

Ficha Catalográfica

H685

Hoch, Lothar Carlos Meditações poéticas / Lothar Carlos Hoch - 1.ed. - Joinville: Editora Grafar, 2017. 136p.; 21cm ISBN 978-85-63723-15-4 1. Poesia brasileira. I. Título. CDD B869.1 (22.ed) CDU 869.0(81)-1

Elaborada por: Maria Isabel Schiavon Kinasz – CRB 9-626

Editora Grafar Ltda. Rua XV de Outubro, 4792 – Rio Bonito 89239-700 – Joinville – SC www.editoragrafar.com.br vendas@editoragrafar.com.br


Dedicatória: Dedico as “Meditações Poéticas” aos meus mestres Pastor Lindolfo Weingärtner (Dr. Theol.) e Pastor Richard Wangen (Mag. Theol.) in memoriam que me inspiraram na delicada arte de pastorear o povo de Deus.


Agradecimento

À minha mãe, Amália Joana Hoch (nasc.Tatsch) e ao meu pai, Carlos João Hoch, que foram humildes agricultores, mas com eles aprendi os rudimentos da fé, a valorização do trabalho honesto e a solidariedade entre os vizinhos. À minha igreja local, em São Pedro do Sul/RS, especialmente aos Pastores Albino Trein in memoriam, com quem fiz o ensino confirmatório, e Wilfried Hasenack, junto ao qual fiz descobertas importantes sobre a Sagrada Escritura e sobre ética cristã no grupo de Juventude Evangélica. Ambos me inspiraram e foram importantes para a minha decisão de estudar teologia. À Faculdade de Teologia, hoje Faculdades EST (São Leopoldo/RS) e ao Luther Theological Seminary (St. Paul, Minnesota/USA), instituições nas quais tive o privilégio de aprofundar meus conhecimentos bíblico-teológicos e consolidaram minha vocação pastoral. Sou imensamente grato à minha Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB) pela bolsa de estudos durante a graduação, pela formação recebida, bem


como pela oportunidade de nela exercer o ministério pastoral, ainda como estudante de teologia, em Porto Alegre e, posteriormente, como pastor, em Palmitos, SC. Igualmente sou grato à minha Igreja pelo privilégio de poder realizar estudos teológico-pastorais, em nível de doutorado, na Alemanha. Graças a esta preparação, pude ser investido como Professor de Teologia Prática com ênfase em Aconselhamento e Cuidado Pastoral, na Faculdades EST, em São Leopoldo/RS. Cabe-me agradecer igualmente às/aos colegas docentes, bem como às/aos estudantes pela oportunidade de ensinar e com eles conviver e aprender. Last but not least, agradeço cordialmente por todo carinho e estímulo que tenho recebido de minha esposa Sabine, do nosso filho Nícolas e da esposa Debora e da filha Catarina e do esposo Gustavo. A vocês, meu especial carinho! Soli Deo Gloria Lothar Carlos Hoch, São Leopoldo/RS e Praia da Pinheira/SC. 21/02/2017.


Sumário Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

13

A alma humana . . . . . . . . . . . . . . . . . .

15

Poetar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

16

O tempo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

17

Alma – 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

18

Angústia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

19

Alma – 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

20

A felicidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

21

O caminhar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

22

A noite . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

23

O mar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

24

Cegueira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

25

Sofrimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

26

A condição humana . . . . . . . . . . . . . . . .

27

... Travessia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

28

Cicatrizes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

29

Água da vida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

30

Gratidão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

31

Cena no paraíso . . . . . . . . . . . . . . . . . .

32

A música . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

33

A arte de poetar . . . . . . . . . . . . . . . . . .

34

Envelhecer . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

35

A escuta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

36

9


A ciranda da vida . . . . . . . . . . . . . . . . .

37

Poesia & Cia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

38

Das Ewige . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

39

Coram deo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

40

A finitude . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

41

A Verdade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

42

Pesadelo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

45

O Mistério de Deus . . . . . . . . . . . . . . . .

46

A sina da vida . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

47

A hora derradeira . . . . . . . . . . . . . . . . .

48

Transcendência . . . . . . . . . . . . . . . . . .

49

Pela bênção matrimonial de Gustavo e Catarina . . . . . . . . . . . .

50

Creio em Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

52

Pertença – 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

53

Sombras da Alma . . . . . . . . . . . . . . . . .

54

Being... as a process of becoming . . . . . . . .

55

Pelos 500 anos da Reforma Protestante . . . .

56

Destinação divina... . . . . . . . . . . . . . . . .

57

Despedidas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

58

Contemplação . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

59

Mãe Terra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

60

Confissão de Fé . . . . . . . . . . . . . . . . . .

61

O sorriso da Ilanda . . . . . . . . . . . . . . . .

62

O sol poente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

63

A sabedoria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

64

Rastros... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

65

Não me pertenço . . . . . . . . . . . . . . . . . .

66

Fragmente der Zeit . . . . . . . . . . . . . . . .

67

O enigma do ser . . . . . . . . . . . . . . . . . .

68

10


Escutar o mar . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

69

O ócio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

70

Senhor, eu quero amar-te

. . . . . . . . . . . .

71

Minh’Alma . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

72

Lágrimas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

73

A magia do amor

. . . . . . . . . . . . . . . . .

74

Vento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

75

Estações do tempo . . . . . . . . . . . . . . . . .

76

O pássaro da meia-noite . . . . . . . . . . . . .

77

O mistério da graça de Deus . . . . . . . . . . .

78

Poesias e Paixões . . . . . . . . . . . . . . . . .

79

A névoa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

80

Rúbeo amor

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

81

Fidelidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

82

Para Rebeca, com amor! . . . . . . . . . . . . .

83

Flor mulher . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

84

Face a face com Deus . . . . . . . . . . . . . . .

85

Pertença – 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

86

O ser e o destino . . . . . . . . . . . . . . . . . .

89

A poesia – 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

90

Estações do envelhecer . . . . . . . . . . . . . .

91

Procrastinação . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

92

Acordes do Infinito . . . . . . . . . . . . . . . .

93

Interlúdio com a morte . . . . . . . . . . . . . .

94

Tua presença . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

95

Humilitas humana . . . . . . . . . . . . . . . .

96

Limites – 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

97

Fragmento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

98

A Poesia – 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

99

O vazio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100 11


Uma prece singela . . . . . . . O acordar . . . . . . . . . . . . Sabedoria e sofrimento . . . . Nas profundezas . . . . . . . . Na Tua Presença . . . . . . . A sinfonia da vida . . . . . . . Limites – 2 . . . . . . . . . . . Quem sou eu? . . . . . . . . . Momentos limítrofes . . . . . Minha Flor de Pitangueira . . O azul do céu . . . . . . . . . . Fragrâncias do Espírito . . . . Amor não correspondido . . . O sonho . . . . . . . . . . . . . Aconchego interior . . . . . . A busca pelo sentido da vida . Transitoriedade . . . . . . . . A tenda em que habito . . . . O silêncio . . . . . . . . . . . . O outro lado . . . . . . . . . . Secura da Alma . . . . . . . . O destino e as circunstâncias Oração da noite . . . . . . . . Senhor, sou teu! . . . . . . . . Obrigado, Senhor! . . . . . . . A morte . . . . . . . . . . . . . O silêncio da eternidade . . . Crepúsculo de outono . . . . . A arte e o artista . . . . . . . . Vida em construção . . . . . .

12

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

101 102 103 104 105 106 107 108 109 110 111 112 113 114 116 117 118 120 121 122 123 124 126 127 128 130 131 132 134 135


Introdução Não sou um poeta. Isso é um ofício muito elevado para mim. Sou antes um fraseador. M ANUEL DE B ARROS

Mesmo não sendo poeta, neste livro, estou dando meus primeiros passos na arte de me expressar em linguagem poética. Faço-o, porque estou à procura de uma forma menos acadêmica para falar sobre a fé e sobre os movimentos da alma humana. Nessa busca, fui me dando conta de que, para um teólogo, fazer poesia é um exercício de entrar em sintonia com o mundo atual, consigo mesmo e com a sua espiritualidade pessoal. Assim sendo, escrever “Meditações Poéticas” foi uma forma de me colocar de forma honesta perante mim mesmo, perante os leitores e perante a face da Transcendência. Os versos que seguem tentam expressá-lo na linguagem que nossas mães e nossos pais na fé usaram e que estão testemunhadas nas Sagradas Escrituras: “Eis que os céus, e até os céus dos céus são do Senhor teu Deus;”1 Enquanto que em mim “desfalece-me a alma, aguardando a tua salvação.”2 1 2

Dt 10.14 Sl 119.81

13


Mas eis que “o altíssimo levantou a sua voz”3 “...e o sopro do todo poderoso me deu vida.4 Não obstante, eu balbuciei: “Senhor Deus, eu não sei falar...”; Mas o Senhor me disse: “Tudo quanto eu te mandar, falarás!”5 Então, em humildade, lhe supliquei: “Cria em mim um coração puro e renova, dentro em mim, um espírito inabalável.”6 E, crendo que, “na sua mão está a alma de todo ser, ”7 criei coragem para usar “de muita ousadia no falar.”8 Por isso, Senhor, queiras tua bênção sobre estes versos derramar, pois Tu mesmo, em meu humilde coração, os fizeste brotar. São Leopoldo, 02 de agosto de 2017. Lothar Carlos Hoch

3

2Sm 22.14 Jó 33.4 5 Jr 1.6s 6 Sl 51.10 7 Jó 12.10 8 2Co 3.12 4

14


A alma humana A alma humana pode ser tão pura e cristalina quanto a água que nasce nos mais altos mananciais da montanha Todavia a alma humana pode ser tão torpe quanto o mercenário que vive do tráfico de drogas e de crianças A alma humana tanto pode espelhar a compaixão e o amor divinos quanto as mais sórdidas das trapaças diabólicas Como administrar nosso egoísmo e conter nossos instintos mais vis? Como cultivar o amor, o único capaz de nos libertar da barbárie?

15


Poetar Poetar é a sublime arte De entrar em sintonia Comigo mesmo Para perscrutar Os movimentos sutis Da minha alma... Poetar é uma forma De colocar-me diante do Absoluto Em espírito humilde e honesto Para expor diante dele O que se move Em minhas entranhas... Poetar é uma forma estética De ensaiar novos passos No aprendizado De nos assumirmos Como peregrinos Em nosso processo de vir a ser...

16


O tempo O passado é de aço: Pesa sobre nós O presente é de ferro: Enferruja O futuro é de plástico: A gente dobra como quer Enquanto isso Quanto mais a técnica Apressa o ritmo Para ganhar tempo, Tanto mais se acentua A falta de tempo... ... e o empobrecimento Da Vida interior.

17


Alma – 1 Através da Alma nosso ser entra em sintonia com os acordes do Infinito Por meio dela nós humanos tangenciamos a borda das vestes que encobrem a face do Altíssimo E, ainda que envoltos pela imensidão gélida do infinito abismal, nos sentimos protegidos por uma brisa leve e cálida que aquece o âmago do nosso ser.

18


Angústia Entra em contato com a angústia que ecoa em tua alma Dá-lhe atenção ouça-a dialoga com ela A angústia precisa de espaço para se expressar Caso não o fizeres ela virá a te atormentar com um rigor ainda maior.

19


Alma – 2 Minha alma centro existencial do meu ser és o palpitar das profundezas o sismógrafo onde projeto intuitivamente os movimentos anímicos que movem o meu espírito Quando agitada estás a intuir a finitude humana e suas vicissitudes; quando mais intensa essa percepção me conduzes à ante-sala do abismo Quando alegre e enlevada, minha alma se espreguiça lânguida sobre a saudade intuitiva de um incerto porvir de completude Em teus raros momentos de sublime exaltação por sua vez me pões em sintonia com os acordes do infinito Alma, ó alma minha, que palpitas no recôndito do meu ser dá que, um dia, eu possa descansar nas águas mornas e cristalinas do útero ma(e)terno! 20

Profile for Editora Grafar

Meditações Poéticas - Lothar Carlos Hoch  

Meditações Poéticas - Lothar Carlos Hoch  

Advertisement