Page 1


“Você já quis que a teologia fosse apresentada de forma simples? R. C. Sproul tem o dom de simplificar coisas sem trivializá-las. Como um pai que ensina seu filho a nadar, ele pode nos levar a águas profundas sem permitir que nos afoguemos. Por isso, eu o convido a mergulhar nesta piscina do conhecimento de Deus. Se você quer saber a respeito do que faz a Bíblia ser diferente, quem Deus é, por que Cristo morreu, como o Espírito Santo age na alma de uma pessoa ou o que acontecerá no dia de juízo, nestas páginas você achará respostas claras de um mestre sábio.” — Joel R. Beeke Presidente e professor de Teologia Sistemática e Homilética, Puritan Reformed Theological Seminary, Grand Rapids, Michigan

“Certa vez, um rapaz me disse que, numa noite, sonhou que viu um exército de teólogos, vindo do horizonte, em direção a ele. Bem na frente, liderando o destacamento, estava R. C. Sproul. Leia este livro e você entenderá o sonho. Aqui há teologia arraigada na Escritura, oferecida pelo melhor dos teólogos da igreja e exposta com a clareza e simplicidade que são as marcas características de um excelente comunicador e teólogo.” “Você precisa ser um teólogo para ler este livro? É claro que sim. Mas, este é o argumento do título do livro: você é um teólogo. A questão real é se você é um bom teólogo ou não! Então, leia, marque e absorva Somos Todos Teólogos. Quando você terminar, será quase certamente um teólogo mais saudável e mais feliz.” — Sinclair B. Ferguson Professor de Teologia Sistemática, Redeemer Seminary, Dallas


“R. C. Sproul é um mestre talentoso e hábil especialmente em explicar conceitos teológicos em termos descomplicados. Neste livro, ele aborda de forma sucinta e clara as principais categorias da teologia sistemática. Este é um material tremendamente valioso para todos, desde o crente mais novo até ao pastor mais experimentado. É realmente verdade que somos todos teólogos. O Dr. Sproul nos ajuda a sermos melhores teólogos.” — John MacArthur Pastor, Grace Community Church Presidente, The Master’s College and Seminary Sun Valley, Califórnia

“R. C. Sproul escreveu um breve e abrangente resumo de teologia sistemática que tenciono recomendar às minhas classes nos anos vindouros. É biblicamente fiel, solidamente reformado, alicerçado em tradição cristã de dois mil anos e atual em assuntos cruciais para a mente de pessoas de nossa cultura secularizada. Ele escreve com sua clareza típica e economia de palavras. Como sempre, Sproul prende a atenção do leitor. Por muito tempo, tenho recomendado a meus alunos Summary of Christian Doctrine (Resumo de Doutrina Cristã), de Louis Berkhof, como uma fonte sucinta e confiável de teologia sistemática reformada. É ainda bastante útil, mas suspeito que agora terei de recomendar Somos Todos Teólogos, de Sproul, mais do que qualquer outra obra nesta categoria. Trindade, predestinação, criação, a extensão da expiação, justificação, falar em línguas, anjos e demônios, céu e inferno – todos estes assuntos, e muitos outros, são


apresentados correta e responsavelmente, de uma maneira que honra a Palavra de Deus escrita e edifica aqueles que estão abertos às suas verdades.” — Douglas F. Kelly Professor de Teologia Sistemática, Reformed Theological Seminary, Charlotte, Carolina do Norte


R.C. Sproul

SOMOS T ODO S

TEÓL OGOS UMA INTRODUÇÃO À TEOLOGIA SISTEMÁTICA


R771s

Sproul, R. C. (Robert Charles), 1939Somos todos teólogos : uma introdução à teologia sistemática / R. C. Sproul ; [tradução: Francisco Wellington Ferreira]. – São José dos Campos, SP: Fiel, 2017. 481 p. Tradução de: Everyone’s a theologian: an introduction to systematic theology. ISBN 9788581324050 1. Teologia dogmática. I. Título. CDD: 230

Catalogação na publicação: Mariana C. de Melo Pedrosa – CRB07/6477

Somos todos Teologos: Uma introdução à Teologia Sistemática Traduzido do original em inglês Everyone’s a Theologian: An Introduction to Systematic Theology Por R.C. Sproul © Copyright 2014 por R.C. Sproul

Publicado por Reformation Trust, Uma divisão de Ligonier Ministries, 400 Technology Park, Lake Mary, FL 32746 Copyright © Editora Fiel 2015 Primeira Edição em Português: 2017

Todos os direitos em língua portuguesa reservados por Editora Fiel da Missão Evangélica Literária Proibida a reprodução deste livro por quaisquer meios, sem a permissão escrita dos editores, salvo em breves citações, com indicação da fonte.

Diretor: James Richard Denham III Editor: Tiago J. Santos Filho Tradução: Francisco Wellington Ferreira Revisão: Marilene Lino Paschoal Diagramação: Rubner Durais Capa: Rubner Durais ISBN: 978-85-8132-405-0

Caixa Postal 1601 CEP: 12230-971 São José dos Campos, SP PABX: (12) 3919-9999 www.editorafiel.com.br


À minha família, que tem sido tão amável e apoiadora no decorrer dos anos de meu ministério


SUMÁRIO PARTE UM: INTRODUÇÃO

Capítulo 1 O que é teologia?............................................................15 Capítulo 2 O escopo e o propósito da teologia............................23 Capítulo 3 Revelação geral e teologia natural...............................31 Capítulo 4 Revelação especial..........................................................39 Capítulo 5 A inspiração e a autoridade da Escritura...................45 Capítulo 6 Infalibilidade e inerrância.............................................53 Capítulo 7 Canonicidade..................................................................61 Capítulo 8 A Escritura e a autoridade............................................69

PARTE DOIS: TEOLOGIA PROPRIAMENTE DITA

Capítulo 9 O conhecimento de Deus.............................................77 Capítulo 10 Um em essência..............................................................85 Capítulo 11 Três em Pessoa................................................................93 Capítulo 12 Atributos incomunicáveis............................................99 Capítulo 13 Atributos comunicáveis............................................. 105 Capítulo 14 A vontade de Deus...................................................... 113 Capítulo 15 Providência................................................................... 121

PARTE TRÊS: ANTROPOLOGIA E CRIAÇÃO

Capítulo 16 Capítulo 17 Capítulo 18 Capítulo 19 Capítulo 20 Capítulo 21 Capítulo 22

Creatio ex nihilo..................................................................133 Anjos e demônios........................................................ 141 A criação do homem.................................................. 149 A natureza do pecado................................................. 157 O pecado original........................................................ 163 A transmissão do pecado........................................... 171 As alianças.................................................................... 181


PARTE QUATRO: CRISTOLOGIA

Capítulo 23 Capítulo 24 Capítulo 25 Capítulo 26 Capítulo 27 Capítulo 28 Capítulo 29 Capítulo 30

O Cristo da Bíblia....................................................... 191 Uma Pessoa, duas naturezas...................................... 199 Os nomes de Cristo.................................................... 207 Os estados de Cristo................................................... 215 Os ofícios de Cristo.................................................... 223 Por que Cristo morreu?............................................. 231 Expiação vicária........................................................... 239 A extensão da expiação.............................................. 247

PARTE CINCO: PNEUMATOLOGIA

Capítulo 31 Capítulo 32 Capítulo 33 Capítulo 34 Capítulo 35 Capítulo 36 Capítulo 37

O Espírito Santo no Antigo Testamento................ 255 O Espírito Santo no Novo Testamento.................. 261 O Parácleto................................................................... 267 O batismo do Espírito Santo.................................... 275 Os dons do Espírito.................................................... 283 O fruto do Espírito..................................................... 293 Os milagres são para hoje?........................................ 301

PARTE SEIS: SOTERIOLOGIA

Capítulo 38 Graça comum.............................................................. 311 Capítulo 39 Eleição e reprovação................................................... 319 Capítulo 40 Chamada eficaz............................................................ 327 Capítulo 41 Justificação somente pela fé...................................... 335 Capítulo 42 Fé salvadora.................................................................. 343 Capítulo 43 Adoção e união com Cristo....................................... 349 Capítulo 44 Santificação.................................................................. 355 Capítulo 45 Perseverança dos santos............................................. 361


PARTE SETE: ECLESIOLOGIA

Capítulo 46 Capítulo 47 Capítulo 48 Capítulo 49 Capítulo 50 Capítulo 51 Capítulo 52

Figuras bíblicas da igreja............................................ 371 A igreja: una e santa.................................................... 377 A igreja: católica e apostólica.................................... 383 Adoração na igreja...................................................... 391 Os sacramentos da igreja........................................... 399 O Batismo..................................................................... 405 A Ceia do Senhor........................................................ 411

PARTE OITO: ESCATOLOGIA

Capítulo 53 Capítulo 54 Capítulo 55 Capítulo 56 Capítulo 57 Capítulo 58 Capítulo 59 Capítulo 60

A morte e estado intermediário............................... 419 A ressurreição............................................................... 425 O reino de Deus.......................................................... 433 O milênio...................................................................... 439 O retorno de Cristo.................................................... 447 O julgamento final...................................................... 455 Punição eterna............................................................. 463 Novos céus e nova terra............................................. 471

Apêndice

Os credos...................................................................... 479


PARTE UM

INTRODUÇÃO


CAPÍTULO 1

O QUE É TEOLOGIA?

H

á alguns anos, uma escola cristã bem conhecida me convidou para falar ao corpo docente e à administração sobre esta pergunta: “O que é uma faculdade ou universidade cristã?” Em minha chegada, o deão me conduziu em um tour pelo campus. Durante o percurso, observei esta inscrição na porta de um escritório: “Departamento de Religião”. Quando chegou a hora de falar ao corpo docente naquela noite, mencionei a inscrição que eu tinha visto e perguntei se o departamento sempre tivera aquele nome. Um idoso membro do corpo docente respondeu que anos antes o departamento se chamava “Departamento de Teologia”. Ninguém pôde me dizer por que o nome do departamento fora mudado. “Religião” ou “teologia” – que diferença faz? No mundo acadêmico, o estudo de religião tem sido tradicionalmente incluído no contexto mais amplo de sociologia ou de antro-


INTRODUÇÃO

pologia, porque religião tem a ver com as práticas de adoração de seres humanos em ambientes específicos. A teologia, por contraste, é o estudo de Deus. Há uma grande diferença entre estudar apreensões humanas da religião e estudar a natureza e o caráter de Deus. O primeiro estudo é puramente natural em sua orientação. O segundo é sobrenatural, lidando com o que está acima e além das coisas deste mundo. Depois de explicar isto em minha palestra ao corpo docente, acrescentei que uma verdadeira faculdade ou universidade cristã é comprometida com a premissa de que a verdade suprema é a verdade de Deus e de que ele é o fundamento e a fonte de todas as outras verdades. Tudo que aprendemos – economia, filosofia, biologia, matemática – tem de ser entendido à luz da realidade abrangente do caráter de Deus. Essa é a razão por que, na Idade Média, a teologia foi chamada “a rainha das ciências”, e a filosofia, “sua criada”. Hoje, a rainha foi deposta de seu trono e, em muitos casos, mandada ao exílio, e um suplantador reina. Substituímos a teologia pela religião.

TEOLOGIA DEFINIDA Neste livro, estamos interessados na teologia, especificamente a teologia sistemática, que é um estudo coerente e ordeiro das principais doutrinas da fé cristã. Neste capítulo, oferecerei uma breve introdução à ciência da teologia sistemática e algumas definições básicas. A palavra teologia compartilha de um sufixo -logia, como ocorre na designação de muitas disciplinas e ciências, tais como biologia, fisiologia e antropologia. O sufixo vem da palavra grega logos, que achamos no começo do evangelho de João: “No 16


O QUE É TEOLOGIA?

princípio era a Palavra, e a Palavra estava com Deus, e a Palavra era Deus” ( Jo 1.1). O vocábulo grego logos significa “palavra”, ou “ideia”, ou, como um filósofo a traduziu, “lógica” (é também desta palavra que obtemos a nossa palavra lógica). Portanto, quando estudamos biologia, estamos considerando a palavra ou a lógica da vida. Antropologia é a palavra ou a lógica sobre os humanos, sendo antrōpos a palavra grega que significa homem. A primeira parte da palavra teologia vem do vocábulo grego theos, que significa “deus”. Portanto, a teologia é a palavra ou a lógica sobre Deus mesmo. Teologia é uma palavra muito abrangente. Refere-se não somente a Deus, mas a tudo que Deus nos revelou na Escritura Sagrada. Como parte da disciplina de teologia, há o estudo de Cristo, que chamamos “cristologia”. Teologia inclui também o estudo do Espírito Santo, que chamamos “pneumatologia”, o estudo do pecado, que é chamado “hamartiologia”, e o estudo das coisas futuras, que chamamos “escatologia”. Estas são subdivisões da teologia. Os teólogos também falam da “teologia propriamente dita”, que tem referência específica ao estudo de Deus mesmo. Muitos se sentem à vontade com a palavra teologia, mas se retraem quando ouvem o termo qualificador sistemática. Isto acontece porque vivemos num tempo de aversão disseminada para com certos tipos de sistemas. Respeitamos sistemas inanimados – sistema de computadores, sistemas de alarmes de incêndio e sistemas de circuitos elétricos – porque entendemos sua importância para a sociedade. Mas, no que diz respeito a sistemas de pensamento ou entendimento da vida e do mundo de uma maneira coerente, as pessoas não se sentem 17


INTRODUÇÃO

à vontade. Parte da razão para isso tem a ver com uma das filosofias mais influentes que surgiram na história do Ocidente – o existencialismo.

A INFLUÊNCIA DA FILOSOFIA O existencialismo é uma filosofia de existência. Pressupõe que não há tal coisa como uma verdade essencial, mas que, em vez disso, há uma existência distintiva – não essência, mas existência. Por definição, o existencialismo tem aversão por um sistema genérico de realidade. É um antissistema que se apega a verdades, mas não à verdade, e a propósitos, mas não ao propósito. O existencialismo não acredita que a verdade possa ser entendida de uma forma ordeira, porque eles veem o mundo, em última análise, como caótico, sem significado ou propósito. A pessoa enfrenta a vida simplesmente como ela acontece; não há qualquer ponto de vista abrangente que dê sentido a tudo da vida, porque, em última análise, a vida não faz sentido. O existencialismo tem causado um impacto tremendo na cultura ocidental, juntamente com seus filhos, o relativismo e o pluralismo. O relativista diz: “Não há verdade absoluta, exceto a absoluta verdade de que não há absolutamente nenhuma verdade. Toda verdade é relativa. O que é verdadeiro para uma pessoa pode ser falso para outra”. Não há nenhum esforço para colocar em harmonia pontos de vista opostos (algo que um sistema procuraria fazer), porque, de acordo com os relativistas, não há qualquer possibilidade de um entendimento sistemático da verdade. Essa filosofia tem causado também um grande impacto na teologia, até nos seminários. A teologia sistemática está se 18


O QUE É TEOLOGIA?

tornando rapidamente uma disciplina esquecida, não somente por causa do impacto do pensamento existencialista, do relativismo e do pluralismo, mas também porque algumas pessoas entendem erroneamente a teologia sistemática como uma tentativa de enquadrar a Bíblia em um sistema filosófico. Alguns têm tentado enquadrar a Bíblia em um sistema filosófico, como nos casos de René Descartes e seu racionalismo e de John Locke e seu empirismo. Aqueles que fazem essas tentativas não ouvem a Palavra de Deus ou não procuram entendê-la em seus próprios termos; em vez disso, procuram fazer com que um sistema pré-concebido se imponha sobre as Escrituras. Na mitologia grega, um bandido chamado Procusto atacava as pessoas e lhes cortava as pernas para ajustá-las ao comprimento de uma cama de ferro, em vez de simplesmente alongar a cama. Tentativas de encaixar a Escritura num sistema de pensamento pré-concebido são igualmente desorientadas, e o resultado tem sido uma aversão à teologia sistemática. No entanto, a teologia sistemática não tenta enquadrar a Escritura numa filosofia ou num sistema, mas, em vez disso, procura extrair os ensinos da Escritura e entendê-los de forma ordeira e temática.

PREMISSAS DA TEOLOGIA SISTEMÁTICA A teologia sistemática está baseada em algumas premissas. A primeira é a de que Deus revelou-se a si mesmo não somente na natureza, mas também por meio dos escritos dos profetas e dos apóstolos e que a Bíblia é a Palavra de Deus. É teologia par excellence. É o completo logos de theos. A segunda premissa é que, ao revelar-se a si mesmo, Deus o faz de acordo com seu próprio caráter e natureza. A Escritura nos 19


INTRODUÇÃO

diz que Deus criou um cosmos ordeiro. Ele não é autor de confusão, porque nunca se confunde. Deus pensa claramente e fala de uma maneira inteligível, com o propósito de ser entendido. Uma terceira premissa é que a revelação de Deus na Escritura manifesta as qualidades de seu caráter. Há uma unidade na Palavra de Deus, apesar da diversidade de seus autores. A Palavra de Deus foi escrita durante muitos séculos, por muitos autores e aborda uma variedade de temas, mas dentro dessa diversidade há unidade. Toda a informação que achamos na Escritura – coisas futuras, a expiação, a encarnação, o julgamento de Deus, a misericórdia de Deus, a ira de Deus – têm sua unidade em Deus mesmo. Por isso, quando Deus fala e se revela, há uma unidade nesse conteúdo, uma coerência. A revelação de Deus é também consistente. Alguém já disse que consistência é o embaraço de mentes inferiores, mas, se isso fosse verdade, teríamos de dizer que Deus tem uma mente inferior, porque em seu ser e caráter ele é totalmente consistente. Ele é o mesmo ontem, hoje e para sempre (Hb 13.8). Estas premissas guiam o teólogo sistemático à medida que ele realiza sua obra de considerar todo o espectro da Escritura e inquire sobre como ela se harmoniza no todo. Em muitos seminários, o departamento de teologia sistemática é separado do departamento de Novo Testamento e do departamento de Antigo Testamento. Isto acontece porque o teólogo sistemático tem um foco diferente do professor de Antigo Testamento e do professor de Novo Testamento. Eruditos bíblicos se focalizam em como Deus se revelou a si mesmo em vários momentos no decorrer do tempo, enquanto o teólogo sistemático toma essa informação, reúne-a toda e mostra como essa informação 20


O QUE É TEOLOGIA?

se ajusta em um todo significativo. Isto é, certamente, uma tarefa intimidante, e estou convencido de que ninguém já a fez perfeitamente. Visto que estou engajado em teologia sistemática, sempre fico admirado com a coerência específica e intrincada do escopo da revelação divina. Teólogos sistemáticos entendem que cada ponto na teologia aborda cada outro ponto. Quando Deus fala, cada detalhe que ele profere tem um impacto em cada outro detalhe. Essa é a razão por que nossa tarefa constante é ver como todas as peças se ajustam no todo orgânico, significativo e consistente. Isso é o que faremos neste livro.

21


Profile for Editora Fiel

Somos todos teólogos - R. C. Sproul  

Editora Fiel

Somos todos teólogos - R. C. Sproul  

Editora Fiel