Issuu on Google+

PARA USO DOS CORREIOS

Mudou-se Desconhecido Recusado Falecido Ausente Não procurado Endereço Insuficiente Não existe o número indicado Informação escrita pelo porteiro ou síndico Reintegrado ao Serviço Postal em ___/___/___ Em ____/____/____ _____________________ Responsável

ano 12 • número 23 • Junho de 2011

Telefone/Fax: (19) 3491-7000 • Caixa Postal 1820 – 13360-000 – Capivari – SP www.editoraeme.com.br • vendas@editoraeme.com.br • blog.editoraeme.com.br

IMPRESSO

Lançamentos Quando o amor é o remédio

Romance mediúnico Novo romance mediúnico de Pedro Santiago traz as desventuras e aventuras de Márcio, que sofre, assim como sua amiga Cândida, o preconceito pela homossexualidade “Por falta de simples observações, tantas vezes desprezamos os ensinamentos de Jesus e nos apressamos em conceituar o que ainda não nos demos ao trabalho de conhecer; julgamos sem as devidas possibilidades; e negamos o perdão, desprezando a oportunidade de querer para os outros aquilo que desejamos para nós mesmos”, comenta Dizzi Akibah na introdução à obra. Leia mais.

páginas 2 e 3

A saga do Planetinha Azul

Isabel Scoqui • Ilustrações de Gabriel Góes e Nori Figueiredo Infantil • 21,5x15,5 cm • 20 pp. • R$ 14,00

O que estaria acontecendo com o Planetinha Azul? Olhando mais de perto, o Governador da Galáxia descobre e decide ajudar, com o apoio de seus auxiliares. O principal desafio era a atitude dos “homenzinhos de óculos escuros”. Mas quem seriam eles? E qual seria a melhor solução para o Planetinha ficar feliz?

Reportagens da vida

Júlio Cezar Grandi Ribeiro • O Repórter (espírito) Crônicas doutrinárias • 14x21 cm • 208 pp. • R$ 22,00 O Repórter, a exemplo do espírito Humberto de Campos, apresenta crônicas agradáveis e irreverentes, que retratam os mais variados aspectos do cotidiano, como relacionamentos familiares, educação de filhos, comportamento no centro espírita e postura diante da mediunidade, levando a importantes reflexões.

TAMBÉM NESTA EDIÇÃO

! K O Li e gostei

AGUARDE!

Leia comentários de nossos leitores sobre os livros Viva a vida! e Terapia da paz

Vem aí o novo romance mediúnico de Mônica Aguieiras Cortat, desta vez pelo espírito Olavo

página 3

página 4

Nova TV gratuita na internet, divulgando a mensagem espírita com muitas novidades

página 4 1


Lançamento

Editorial Olá! Você está recebendo uma nova edição do Leitor EME, com muita informação. Na entrevista deste mês, conheça um pouco mais sobre o trabalho mediúnico de Pedro Santiago com o espírito Dizzi Akibah, que já resultou em diversos livros. Conheça ainda um lançamento do médium Júlio Cezar Grandi Ribeiro, um livro infantil de Isabel Scoqui e um novo romance mediúnico que está sendo preparado pela Editora EME. E leia comentários de leitores sobre dois importantes livros. Na última página, você vai conhecer o trabalho desenvolvido pela TV A Caminho da Luz, por meio de uma entrevista com Sérgio Villar. Aguarde a próxima edição. E conte sempre com a Editora EME!

Expediente Leitor EME é um boletim informativo da Editora EME, distribuído gratuitamente Editor: Arnaldo Divo Rodrigues de Camargo Jornalista responsável: Rubens Toledo – MTb 13.776 Diagramação: Editora EME Fotolitos e impressão: Gráfica EME Tiragem desta edição: 3.200 exemplares Vendas: (19) 3491-7000 vendas@editoraeme.com.br

SAL

Serviço de Atendimento ao Leitor Queremos saber a sua opinião! Envie suas críticas, sugestões e dúvidas para o e-mail sal@editoraeme.com.br ou ligue para (19) 3491-7000.

Visite-nos!

www.facebook.com/EditoraEME www.twitter.com/EditoraEME

2

O médium

Pedro Santiago nasceu em 1943, na cidade de Serrinha (Bahia). Jornalista e radialista aposentado, atuava como locutor e apresentador na Rádio

Educadora de Salvador, onde reside atualmente. Casado com Maria do Carmo, tem com ela duas filhas: Celiane e Melina. Na sua busca por ensinamentos espirituais, conheceu e identificou-se com a doutrina espírita. Mais tarde, ao conhecer sua esposa, que já era espírita, recebeu dela todo o apoio, dedicando-se ambos ao aprofundamento dos estudos doutrinários.

Dedica-se ao esclarecimento em sessões de desobsessão, no Centro Espírita Luz e Caridade, e é palestrante há cerca de trinta anos. A psicografia surgiu em 1990, quando recebeu, pelo espírito Dizzi Akibah, o primeiro romance, Raboni – novos rumos, complementa­do com um segundo volume, Raboni – caminhos da redenção. Do mesmo espírito, psicografou ainda Laços de amor

Entrevista com o médium Como foi o contato inicial com o espírito Dizzi Akibah? O contato inicial para psicografia ocorreu quando demos início ao livro Raboni – novos rumos. Contudo, foi em 1974, no exercício das profissões de jornalista e radialista, especificamente como apresentador de programa, que o espírito se aproximou de mim e, intuitivamente, sugeriu oferecer aos ouvintes algo mais significativo do que apenas informações da vida ligada à matéria. A partir daí, passamos a transmitir mediunicamente na abertura diária do programa, ao vivo, com duração de três a cinco minutos, o que denominamos de “Mensagens à consciência”, que permaneceram por mais de trinta anos no ar, graças à receptividade do público. Durante a psicografia, você consegue perceber o caminho que a história vai seguir? Antes de começarmos o trabalho, o espírito me passa uma rápida síntese da história. Apesar disso, não faço ideia do que vai ocorrer, de tal forma que, no término de cada capítulo, ao fazer uma rápida leitura, sou sempre surpreendido. Ele indica um projeto de trabalho com os livros, ou cada livro vai aparecendo também como uma ‘surpresa’? Cada livro é uma nova surpresa. Inclusive o título, que ele quase sempre informa no final da psicografia. O trabalho com Dizzi Akibah mudou a sua rotina diária? Quando estamos em um

novo trabalho de psicografia, sim. Muda muito, pois não posso e nem devo atrasar os horários combinados. E só adiaria a atividade em se tratando de algo muito sério, o que felizmente ainda não ocorreu. Qual a principal motivação para escrever Quando o amor é o remédio? Ele poderia ter sido escrito há mais de cinco anos. Certa feita, eu me encontrava preparando palestra com tema ligado à homossexualidade, e o espírito me disse: “Tenho uma história para narrar sobre esse tema. No entanto, para que o nosso trabalho não se torne inócuo, é preferível aguardar até que as mentes assimilem com mais compreensão o assunto, que inclusive está sendo debatido nas casas espíritas, especialmente no que diz respeito à educação moral.” Dizzi Akibah apresentou a visão dele sobre o assunto, além do que foi abordado no romance? Ele revelou-me que gostaria de tratar desse assunto com muito mais profundidade, mas que não o faria no presente livro, para não interferir na história, já que sempre respeita a veracidade dos fatos e a forma como lhe foram narrados na espiritualidade. Você conseguiu identificar os sentimentos do Márcio e da Cândida, em função do preconceito? Na fisionomia de Márcio, como me foi apresentado por Akibah, pude perceber duran-

te toda a sua luta inicial, muito medo e tristeza, até quando lhe foram reveladas as verdadeiras causas de ter assim reencarnado. Depois disso, superou-se de tal forma, que a sua fisionomia passou imediatamente à expressão de alegria e de satisfação. Em referência à Cândida, percebia-a revelando na face, e muito mais no olhar, conforme a imagem que me foi apresentada, muita revolta e grande amargura, até quando conheceu Márcio e descobriu que, apesar da inversão sexual que mantinha, o amava. Depois disso, passou a demonstrar mais leveza e o sorriso, que antes aparecia, frequente tornavaa mais bela. O que o espírito deseja transmitir aos leitores com esta obra? O respeito que se deve a toda criatura humana, pois nenhum ser, por mais estigmatizado que nos pareça, deixa de ser filho de Deus e de contar com a sua misericórdia. Deixe um comentário final para o leitor. E peça ao Dizzi Akibah a gentileza de fazer o mesmo. Devemos observar a recomendação de Jesus, no sentido de não julgarmos, principalmente quando não temos conhecimento de causa, para não cairmos no grande erro de pré-conceituar o que não nos demos ainda ao trabalho de conhecer e, diante disso, nos esquecermos da fraternidade que une a todos como filhos do mesmo Pai, que é


ançamento EME A obra eterno, Sem nunca dizer adeus, Um dia no passado, Por que estou assim? e o lançamento desta seção. Pelo espírito Magdalas, com a participação de Dizzi, psicografou O sonho de Zaira. Nas horas livres, gosta de ler, pesquisar e ouvir músicas, preferencialmente instrumentais. E, quando deseja relaxar e meditar, vai para a praia ­Po­n­ta de Areia, na Ilha de Itaparica.

Deus. Precisamos ter cuidado com as marcas deixadas nos outros, nos esforçar quanto for preciso para conviver em paz, lutar com toda energia contra as sombras que insistimos em guardar dentro de nós – que são as imperfeições morais. E, finalmente, viver intensamente na paz e na simplicidade da natureza. “Caros irmãos. Somos viajores no tempo, em busca da iluminação e plena felicidade, o que nos exige uma longa jornada, pois o processo evolutivo nos pede tempo, esforço contínuo e perseverança. Diante disso, quando nos debatermos com situações, que tantas vezes frustram as expectativas, busquemos antes conhecer as causas, para que possamos lidar com os efeitos. A lei da reencarnação é o mecanismo pelo qual o Divino Senhor nos enseja o perdão, na forma de nova oportunidade de refazimento, que, por sua vez, nos pede renúncia, esforço, perseverança e muito amor, principalmente quando recebemos no lar, na condição de filhos, espíritos portadores de deformações, sejam elas visíveis no corpo físico ou provenientes de desequilíbrios morais. Sabedores de que a justiça divina não falha, aceitemos a realidade, amparando e amando, pois certamente o seu deslize, em existência passada, contou com a nossa colaboração. Como disse o Divino Mestre: ‘o amor cobre a multidão de pecados’.” Dizzi

OK!

Li e gostei

Quando o amor é o remédio Pedro Santiago • Dizzi Akibah (espírito) 14x21 cm • 232 páginas • R$ 25,00 Este envolvente romance, a não aceitação da sua escolha sexual pela família leva Márcio para Belém, capital do Pará, sem ter onde dormir ou como se alimentar. Apesar do preconceito da sociedade, ele encontra apoio e parte para Portugal, em busca do seu maior sonho. Lá encontra pessoas ligadas à sua vida anterior e conhece Cândida, que também enfrenta dificuldades pela homossexualidade. De volta ao Brasil, Márcio descobre toda a ligação entre o presente e o passado, e consegue demonstrar que to-

Viva a vida!

das as dificuldades podem ser resol­vidas, quando o amor é o remédio.

Trecho da obra O jovem paraense, ao se aproximar de casa, percebeu que alguém o esperava. Era Cândida. Ao vê‑la de perto, notou que os seus olhos estavam avermelhados. Abraçou-a e quis logo saber: – Que têm os seus olhos, que estão assim úmidos? – São lágrimas de tristeza. Gostaria de não voltar mais para casa, onde sou repudiada pelos meus irmãos, pelo meu pai... Só a minha mãe sempre me tratou bem... Até morrer, é claro! Poderia sair e morar só, em algum lugar, mas não saberia viver assim na solidão, como você vive. Por isso é que aqui me encontro, para propor fazermos companhia um ao outro. Para isso, basta que me aceite nesta casa. Ela é muito grande para uma só pessoa, não acha? Márcio, apesar da grande satisfação de ter a amiga que tanto amava junto ao seu coração, no primeiro momento atordoou-se, por não saber qual seria a repercussão. (...) Contudo, deixou que a satisfação vencesse e assim,

três dias depois, ela ocupava um quarto vizinho ao dele. A afinidade entre os dois aumentou de tal forma que, para se sentirem realmente bem, precisavam estar sempre juntos. Na rua, eles andavam de mãos dadas, como se fossem dois namorados. (...) Livre dos preconceitos dos familiares, Cândida passou a acompanhar Márcio aos trabalhos do grupo de Moisés. Como não registrava, naquele momento, mediunidade aflorada a ponto de usá-la para servir, tendeu para o lado social. Sob a orientação de Moisés, formou um novo grupo, cuja atividade era visitar as pessoas mais necessi­tadas. (...) Um ano depois que Márcio e Cândida passaram a viver juntos, terminava o curso... Os seus planos de retornar para o Brasil, e aplicar os conhecimentos adquiridos em benefício dos mais carentes, lhe enchiam de alegria e esperança. Trecho extraído do capítulo 8, “Unidos na prática do bem”, páginas 111 e 112

É muito esclarecedor, es­crito de uma forma simples de compreender. Instrui, ajuda e esclarece as dúvidas. Realmente foi uma grande ajuda pra mim. Talvez não a solução, mas o caminho para resolver alguns problemas de ordem espiritual e pessoal. Um incentivo à vida, sem ficar questionando o passado, sem nos fazer de vítima; viver o presente fazendo o melhor e o correto. CÉLIA MITSUE NAKAHARA mora em Nova Europa/SP

Terapia da paz Excelente livro! Pode ser lido como livro de cabeceira. Sendo aberto aleatoriamente, nos presenteia com lindas mensagens, que nos fazem refletir sobre a vida, sobre nossas condutas, sobre Deus... GISLENE CÉLIA DE ANDRADE mora em Caçapava/SP

3


Aguarde! A equipe da Editora EME está preparando o novo romance da médium Mônica Aguieiras Cortat. O livro se chama Quando vier o perdão e é de autoria do espírito ­Olavo.

No prólogo, o espírito apresenta um breve diálogo que teve com seu amigo Ariel (mentor espiritual da médium), para logo depois iniciar a sua envolvente história: “– Olavo! Há tanto que lhe busco... enfim consigo chegar a você! Vendo meu olhar, entre feliz de vê-lo e confuso, meu querido Ariel deu leve sor­riso. – Vem... levanta! Já ficou por tempo demais preso por aqui. Esse seu ceticismo já lhe atrasou em anos! Custa tanto assim acreditar que a sua famosa razão pode não estar tão certa? Pequenos somos Olavo, na nossa compreensão do mundo e do Universo. Não se canse mais, venha. Assim que tomou de minha mão, de súbito fui transportado como numa névoa, e vi à minha frente portões imensos e claros. Ainda medroso, olhei para o amigo, que sorria de leve com a minha admiração. – Anda, Olavo! Pensa que esteve em longa viagem e que agora retorna! Sei que não se lembra, mas confia em mim. Logo poderá descansar um pouco.” O primeiro livro psicografado por Mônica é o romance Cartas à Júlia, do espírito Clara.

4

Espiritismo na TV: mais uma excelente iniciativa Muitas são as formas de divulgação da doutrina espírita, e cada vez mais a internet tem sido utilizada como uma importante ferramenta para este ­trabalho. Recentemente foi lançada a TV A Caminho da Luz, e para conhecê-la melhor, entrevistamos Sérgio Villar, que está à frente do trabalho.­ Sérgio atua há 25 anos no movimento espírita e hoje é presidente do Centro Espírita

Perdão, Amor e Caridade, de Itapira, interior de SP. A casa, que funciona ininterruptamente desde a sua fundação, em 1901, é um dos parceiros no trabalho da TV. Casado com Soraia Chiarini Villar, com quem tem dois filhos, André Luiz e Graziela, é formado em contabilidade e atua como comerciante na cidade de Pouso Alegre, interior de MG.

Como surgiu a ideia de criar a TV A Caminho da Luz? Recebi uma orientação do plano espiritual de que deveríamos fundar uma TV para divulgação da doutrina espírita. Confesso que fiquei preocupado. Como começar a TV? E a resposta foi que eu contaria com um grupo de espíritas para auxiliar na parte financeira, e assim aconteceu. Fizemos contato com alguns companheiros e a aceitação foi imediata. Então, iniciamos os preparativos para descobrir quem poderia montar o website da TV. Encontramos uma empresa e iniciamos o trabalho! Por que foi escolhido o nome A Caminho da Luz? O nome foi dado a um programa de rádio que temos na cidade, desde 2000, transmitido ao vivo pela rádio e também pela TV. Esse nome surgiu da obra de Francisco Cândido Xavier, através de seu mentor espiritual Emmanuel. A equipe da TV é composta apenas por voluntários? Não. Temos três funcionários fixos e mais quatro que dão cobertura quando realizamos alguns eventos grandes. Transmitimos ao vivo, por exemplo, no ano passado, o Terceiro Encontro Nacional dos Amigos de Chico Xavier. Mas temos também vários voluntários do Centro que nos assessoram. Qual é o objetivo principal da TV? Levar às pessoas um pouco do dia a dia de uma casa espírita. Não temos a intenção de criar uma TV para atender grandes nomes do movimento espírita, mas para divulgar o máximo possível aqueles que fazem o Espiritismo no Brasil. Recebo mensagens do Brasil todo e também de algumas partes do mundo. Não acreditava que a TV pudes-

se, em pouco tempo, ter uma audiência tão grande. Existem programas exclusivos? Sim, temos programas exclusivos que estudam O Livro dos Espíritos, O Evangelho segundo o Espiritismo e a obra de Chico Xavier. E todas as palestras realizadas em Itapira e região entram para a grade de programação. E temos também programas de entrevistas com algumas personalidades do Espiritismo. Quais são as próximas etapas do projeto? Estamos começando a fazer nosso estúdio, pois assim poderemos ter vários programas ao vivo, principalmente com os companheiros da região, que irão colaborar com nosso trabalho de divulgação. Poderemos também receber companheiros de todo o Brasil. Quais são as dificuldades enfrentadas no trabalho da TV? Tivemos e continuamos a ter muitas dificuldades, pois os equipamentos de TV custam muito caro. Precisamos de patrocínio para acelerar a montagem do estúdio, e acredito que em breve conseguiremos, agilizando assim nossas programações e melhorando cada vez mais o conteúdo. Tem sido muito prazeroso levar a mensagem do Evangelho a tantas pessoas que acessam a TV. De que outra forma os espíritas podem auxiliar no trabalho? A TV crescerá cada vez mais rápido se nossos irmãos de ideal colaborarem. Temos feito várias palestras com grandes oradores e transformando-as em DVDs, cuja renda é revertida para a manutenção da TV. Para conferir a programação e saber mais sobre a TV A Caminho da Luz, visite o endereço www.tvacaminhodaluz.com.br


Leitor EME • Número 23 • junho de 2011