Page 1

REVISTA DA IMPRENSA OFICIAL GRACILIANO RAMOS - MACEIร“ - ANO IV - Nยบ10 - SETEMBRO/OUTUBRO 2011

OS SEGREDOS DO FOLCLORE ALAGOANO

GRACILIANO Nยบ 10 R$ 5,00

BRINCADEIRA POPULAR


2

setembro/outubro 2011


AOS LEITORES FOME DE BRASIL De 1927 a 1929, o escritor e pesquisador paulistano Mário de Andrade, um dos organizadores da Semana de Arte Moderna, viajou ao Norte e ao Nordeste. De espírito aventureiro e olhar moderno, desejava conhecer, de perto, um Brasil anônimo e, ao mesmo tempo, genuíno, criativo. Em carta ao folclorista potiguar Luís da Câmara Cascudo, em 1926, Mário já dizia o que esperava da viagem: “Meu Deus! Tem momentos em que eu tenho fome, fome estomacal de Brasil agora. Até que enfim sinto que é dele que me alimento! Ah! se eu pudesse nem carecia você me convidar, já faz sentido que tinha ido por essas bandas do Norte visitar vocês [...]”. O que queria Mário era, a seu modo, impregnar-se de Brasil, matéria-prima de tudo que escreveu. As impressões sobre cada

canto que visitou, cada comida que experimentou e cada manifestação que passou a conhecer foram registradas em diário e publicadas, tempos depois, no livro O Turista Aprendiz, obra essencial para quem deseja estudar o País. Na segunda expedição, o autor do romance Macunaíma, esteve em Alagoas, Rio Grande do Norte, Paraíba e Pernambuco. Encantou-se pelo que viu e levou do Nordeste um aprendizado valioso. Mário bebeu e comeu o Brasil. É assim que apresentamos esta edição: um banquete do melhor do folclore alagoano. De cara, uma entrevista com um dos maiores nomes da antropologia: o carioca Raul Lody, responsável pela curadoria do Museu Théo Brandão. O folclorista e professor alagoano Théo Brandão, que batizou o nosso

museu de antropologia e folclore é tema de uma reportagem e de um artigo. A equipe da GRACILIANO também visitou o espaço e traz um roteiro minucioso do quê o visitante encontrará por lá. Uma reportagem especial sobre nossos 26 folguedos que possuem, pelo menos, um grupo em atividade tratou de atualizar informações sobre o significado de cada uma das brincadeiras, considerando as transformações vividas ao longo dos anos. A revista traz ainda uma reportagem sobre a trajetória da Associação dos Folguedos Populares de Alagoas (Asfopal), entidade fundada pelo saudoso Ranilson França, falecido em 2006, e homenageado em texto de Josefina Novaes. Desejamos que esta edição possa, assim como em Mário de Andrade, saciar a fome de Brasil e de Alagoas.


EXPEDIENTE

Nossa capa

CELSO BRANDÃO E O OLHAR SOBRE ALAGOAS Ricardo Lêdo/Cortesia

Autor do mais importante conjunto de imagens

raros de se encontrar.

etnográficas de Alagoas, o fotógrafo e

Parte de sua obra integra a Coleção Pirelli/Masp

documentarista alagoano Celso Brandão assina

de Fotografia, um dos mais importantes acervos

a capa desta edição, que traz os Bandos, de

fotográficos do País. Como documentarista, Celso

Chã de Anadia, um folguedo religioso bastante

Brandão foi premiado no Festival do Cinema

expressivo, que se caracteriza pelo uso de

Brasileiro de Penedo em 1975, 1976, 1978, 1979

máscaras por brincantes que correm e dançam a

e 1980. Em sua filmografia, composta por mais

pé ou montados a cavalo para homenagear Santa

de 30 filmes, destacam-se os documentários

Luzia. E são os próprios brincantes que atribuem a origem da brincadeira ao período da independência do Brasil, no início do século 19. Celso Brandão sempre se dedicou a olhar a

(Prêmio Festival de Cinema de Brasília),

,

(Prêmio Jornal do Comércio - Festival de Cinema de Recife),

cultura popular de forma muito especial. Sua

(Prêmio Rio Cine Festival),

obra contribui para revelar artistas que atuam no interior de Alagoas, praticamente anônimos, a exemplo de todos que trabalham na Ilha do Ferro,

(Prêmio Pierre Verger/Associação Brasileira de Antropologia),

povoado de Pão de Açúcar, no sertão alagoano.

. Professor aposentado de Fotografia

Hoje, o local tornou-se sinônimo de arte popular

da Universidade Federal de Alagoas, sua obra

e artesanato inventivos, originais, cada vez mais

registra momentos preciosos da memória local.

GOVERNO DO ESTADO

IMPRENSA OFICIAL

DE ALAGOAS

GRACILIANO RAMOS

Teotonio Vilela Filho

Moisés de Aguiar

Janayna Ávila

Josefina Medeiros Novaes

Governador de Alagoas

Diretor-presidente

Coordenadora editorial

Equipe Secom

José Thomaz Nonô

Hermann de Almeida Melo

Michel Rios

Colaboração

Vice-governador de Alagoas

Diretor-comercial

Projeto gráfico / Diagramação

Marli Josefina

Luiz Otavio Gomes

José Roberto Pedrosa

Arthur de Almeida, Elayne

Revisão

Secretário de Estado do Planejamento e do

Diretor-administrativo Financeiro

Pontual e Isaac Falcão

Desenvolvimento Econômico

Estagiários

Contatos:

Graciliano é uma publicação da Imprensa Oficial Graciliano Ramos

(82) 3315.8303 | editoracepal@gmail.com

Os textos assinados são de exclusiva responsabilidade do autor. ISSN 1984-3453


SUMÁRIO

ENTREVISTA

PELO BEM DAS SINGULARIDADES

ALMA BRINCANTE

JANAYNA ÁVILA

JANAYNA ÁVILA

ESPECIAL

PERFIL

THÉO BRANDÃO, O CAVALEIRO DA CULTURA ELAYNE PONTUAL

O MÉRITO DOS MESTRES

06

REPORTAGEM

ELAYNE PONTUAL

36

ARTIGO

ALAGOAS: UMA CULTURA POPULAR PARA CHAMAR DE SUA

12

ARTIGO

GUERREIRO E IDENTIDADE ALAGOANA

PEQUENA NOTÁVEL

TELMA CÉSAR

VANESSA MOTA

POR DENTRO DO MUSEU

40 REPORTAGEM

JANAYNA ÁVILA

BOI TARJA PRETA?

28 REPORTAGEM

44 ARTIGO

BRUNO CÉSAR CAVALCANTI

CÁRMEN LÚCIA DANTAS

50 ARTIGO

RANILSON FRANÇA, GUERREIRO DO FOLCLORE ALAGOANO

ROTEIRO DE SABERES

54

DOCUMENTA

VANESSA MOTA

JOSEFINA MEDEIROS NOVAES

62 ARTIGO

THÉO BRANDÃO, A ANTROPOLOGIA E OS ESTUDOS DE FOLCLORE EM ALAGOAS WAGNER DINIZ CHAVES

CIRANDA CRIATIVA

66

ENSAIO VISUAL

HERBERT LOUREIRO

NO CIRCUITO

70 SERVIÇO

VANESSA MOTA

82

88

76

SAIBA MAIS

LIVROS ONDE PESQUISAR FILMES

90


ENTREVISTA

PELO BEM DAS

SINGULARIDADES Responsável pela curadoria de diversas instituições e exposições dedicadas a temas culturais, o antropólogo carioca Raul Lody explica por que a preservação é tão importante para manter e valorizar as identidades

JANAYNA ÁVILA

6

setembro/outubro 2011


Jorge Sabino

O antropólogo carioca Raul Lody: “A cultura popular é dinâmica, como qualquer coisa viva”


ENTREVISTA

As viagens a trabalho são tão constantes na vida do antropólogo Raul Lody, 59, que ele costuma dizer que mora nos aeroportos. Atualmente, o carioca divide-se entre diversas atividades, entre elas a de curador de duas importantes instituições culturais brasileiras: a Fundação Pierre Verger, em Salvador, e a Fundação Gilberto Freyre, no Recife. Hoje, a capital

Documento de Xangô Alagoano, lançada em 1985, Lody assinou a curadoria da exposição permanente, inaugurada em 2001, do Museu Théo Brandão de Antropologia e Folclore, da Universidade Federal de Alagoas. No bate-papo que você confere a seguir, Raul Lody fala de diversos temas, entre eles as transformações pelas quais a cultura popular passa, a relação identitária com

A cultura popular está integrada à cultura como um todo. Ela é dinâmica, ela muda mesmo. Não pode ficar com um olhar meio arqueológico sobre a cultura popular pernambucana é seu porto seguro. Foi de lá que o autor de Dicionário de Arte Sacra e Técnicas Afro-brasileiras concedeu uma entrevista exclusiva por telefone à GRACILIANO. Doutor em Etnologia pela Universidade de Paris, Lody coordena o primeiro projeto de registro de um saber como Patrimônio Imaterial do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), que deu ao acarajé, o famoso bolinho feito à base de massa de feijão, a condição de saber preservado. Alagoas não é estranha ao antropólogo. Muito pelo contrário. Além de ser autor da obra Coleção Perseverança: Um

8

Pernambuco e a importância da preservação. GRACILIANO - Com a popularização do acesso à tecnologia e aos bens de consumo, o mundo vive um novo momento. Essa mudança alterou o comportamento das pessoas em relação não apenas ao trabalho, mas também à convivência, à vida em sociedade. Como isso afetou a cultura popular? RAUL LODY – A cultura popular é dinâmica, como qualquer coisa viva. Existem mediações, formas de se relacionar com essas manifestações. Vamos ter, como qualquer forma cultural, maneiras de preservar

setembro/outubro 2011

memórias, mudanças, dinâmicas. É o momento. A cultura popular está integrada à cultura como um todo. Ela é dinâmica, ela muda mesmo. Não pode ficar com um olhar meio arqueológico sobre a cultura popular. Você tem acompanhado a apresentação de folguedos populares no Brasil? Sim, eu vejo muita coisa. Gosto muito. Há mais de 40 anos eu acompanho. E quais mudanças você percebeu e como avalia essas transformações? Vai depender muito da organização do grupo, do tipo de manifestação que essa dinâmica tenha. Se existem grupos organizados que vivem essas manifestações de uma maneira mais intensa, mais verdadeira, elas têm um futuro de preservação maior do que outras. Em muitas cidades do Nordeste, a cultura popular tem perdido espaço e os grupos de folguedos estão cada vez mais escassos. Alagoas tem vivido essa situação e alguns folguedos até desapareceram. Isso é um processo natural ou decorrência, por exemplo, da falta de interesse das novas gerações? Às vezes as pessoas vão morrendo e não repassam e também porque, em alguns casos, as motivações são outras. Fazem aquilo como pagamento de promessa ou


Michel Rios Maracatu Rural de Nazaré da Mata, Pernambuco

então têm uma relação muito personalizada com aquilo. Mas, ao mesmo tempo, eu vejo manifestações que estão crescendo e se fortalecendo, como por exemplo, o coco. Pelo menos em Pernambuco, o coco enquanto dança está a mil. Tem muitos grupos. Tem coco de roda, coco solto, coco de umbigada. Ao mesmo tempo em que temos manifestações que estão mais frágeis, temos outras que estão fortalecidas. Não pode ter nostalgia. Você pode ter ações organizadas de preservação, mas as culturas populares são extremamente livres e dinâmicas. Por que em Pernambuco a cultura popular tem, para a sociedade, uma importância e um lugar de destaque muito maiores do que em outros estados do Nordeste, sobretudo

as manifestações populares relacionadas ao carnaval? O carnaval pernambucano é muito forte. Tem inúmeros ritmos e isso facilita porque o carnaval é um encontro multicultural, reúne vários lugares do Brasil e do mundo. O carnaval de Recife tem mais de 11 ritmos: coco, maracatu rural, maracatu africano de baque virado, troça, clube, clube de frevo, clube de frevo de pau e corda, escola de samba, bloco, boi de carnaval, cavalomarinho. É uma loucura. E tudo explode. Mas independentemente de ser carnaval, parece que a relação do pernambucano com a cultura popular é mais intensa, não acha? É difícil comparar porque são histórias de diferentes. Mas o Nordeste tem coisas

muito comuns. Alagoas e Pernambuco têm coisas muito parecidas, pela própria história cultural e econômica, a coisa dos engenhos de açúcar. Isso cria uma espécie de unidade, de certa caracterização desses lugares. Não pode fazer uma fronteira política, de que ao passar da divisa de Alagoas com Pernambuco as coisas mudam. Não. Existem formas, manifestações expressivas nessas regiões. Talvez a cultura popular de Pernambuco seja muito mais visível. Mas Alagoas tem os guerreiros, que são uma coisa fantástica, tem coisas próprias, tem as baianas, tem uma variedade enorme de pastoris. É muito rica a cultura popular de Alagoas. Os dois estados, Alagoas e Pernambuco, dialogam nessa questão da cultura popular

9

setembro/outubro 2011


Celso Brandão

ENTREVISTA

O Brasil é um país muito afro. Você pode ver que o Brasil é o país no mundo que, fora do continente africano, reúne o maior número de afrodescendentes

Guerreiro Treme-terra do Mestre Oséas, de Junqueiro

referente ao ciclo do açúcar. Tudo isso está ligado ao açúcar, esse grande elemento econômico e social. O surgimento da maioria dos folguedos se dá justamente, no terreiro dos engenhos, das casas-grandes. Sim, onde as pessoas têm essas memórias, esses costumes.

10

Em 1985, você publicou a obra Coleção Perseverança: Um Documento de Xangô Alagoano, em que trata de peças de terreiros de candomblé que foram reunidas e preservadas em museu, após um episódio conhecido como Quebra de Xangô, ocorrido em 1912. Qual a importância dessa coleção para o estudo

setembro/outubro 2011

da cultura popular de origem africana? Esse livro é um trabalho muito importante porque registra uma grande memória étnica de matriz africana. É uma publicação que eu gosto muito. É uma das coleções sobre a diáspora africana mais importantes do mundo. É um acervo preciosíssimo, muito importante, e está em Alagoas. É um material que deveria ser mais divulgado também, para as pessoas verem, terem acesso a esse acervo. Eu considero uma das coleções mais importantes no mundo referente à diáspora dos povos africanos. É do conhecimento de pesquisadores e admiradores da cultura popular a influência das culturas indígena, europeia e africana. Na sua opinião, alguma dessas influências se sobressai, ou seja, tem maior peso? A questão africana é muito forte. O Brasil é um país muito afro. Você pode ver que o Brasil é o país no mundo que,


fora do continente africano, reúne o maior número de afrodescendentes. Não é só uma questão quantitativa, mas qualitativa, conceitual. São inúmeras manifestações culturais. Na cultura popular, a gente vê, de maneira muito evidente, que a maioria é de base africana. Você coordenou o projeto de registro do acarajé como Patrimônio Imaterial do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). O que significa, na prática, esse registro? Significa o reconhecimento da importância do exercício, da mulher, que formam esse universo e a compreensão da cultura de matriz africana. Além do registro, o mais importante é o plano de salvaguarda, ou seja, trabalhar para manter essas tradições, essas memórias, difundir, preservar essas manifestações. Tão importante quanto registrar é a salvaguarda, que são justamente formas de como preservar, manter as receitas, as roupas, todas as coisas que caracterizam esse ofício. É um projeto longo, estamos trabalhando nele. Em Alagoas, quais manifestações da cultura popular mereceriam o registro do Iphan? O guerreiro é uma manifestação identitária muito alagoana. Os guerreiros deveriam ser documentados

A OBRA Confira alguns dos títulos publicados por Raul Lody

À Mesa com Gilberto Freyre

Santo Também Come

Editora: Senac

Editora: Pallas

Cabelos de Axé –

Dicionário de Arte Sacra e

Identidade e Resistência

Técnicas Afro-brasileiras

Editora: Senac

Editora: Pallas

longamente e isso serviria para o registro patrimonial porque aí teria todo um trabalho de apoio, de preservação. Os guerreiros são merecedores. Algumas pessoas são contra a ideia de preservação, pois ela afetaria as transformações naturais. O que você acha? A preservação é uma mediação. Não é um congelamento, um

engessamento. É preciso entender essa dinâmica. O que se registra é o saber, o processo. Não registramos o acarajé, registramos o processo. São formas de você interpretar de maneira dinâmica, criativa, porque cada manifestação é diferente da outra. Se você quer manter a identidade, a singularidade, é preciso preservar.

11

setembro/outubro 2011


ESPECIAL

ALMA BRINCANTE Alagoas tem um folclore tão rico que costuma gerar dúvidas sobre o significado de cada brincadeira. Nesta edição, um resumo dos 26 folguedos mais expressivos do Estado. Tudo para você saber mais sobre as manifestações da cultura popular alagoana TEXTO:

JANAYNA ÁVILA

ILUSTRAÇÃO:

12

MICHEL RIOS

setembro/outubro 2011


Se o folclore é também uma forma de “perpetuar a tradição dos povos e o labirinto das civilizações”, como afirmou o folclorista alagoano José Aloísio Brandão Vilela no livro Coletânea de Assuntos Folclóricos, é certo que é preciso saber suas minúcias para compreender melhor o significado e a beleza das construções simbólicas da cultura popular. Foi a esse ofício que o potiguar Luís da Câmara Cascudo dedicouse inteiramente: por meio de uma obra composta de 31 livros, ele mergulhou nas brincadeiras para entender o Brasil, convencido de que “a verdadeira vida do povo só com o povo se pode aprender”,

na frase proferida pelo pesquisador Herbert Smith e usada como epígrafe de uma das publicações de Cascudo. Em homenagem aos brincantes incansáveis de todas as idades, a GRACILIANO traz um “dossiê” dos folguedos populares. Nossa intenção é contribuir para a disseminação do folclore alagoano. Por essa razão, não trazemos aqui referências diretas a mestres ou grupos, mas sim à origem, enredo e personagens de cada folguedo. Para organizar estas informações, utilizamos fontes bibliográficas – em textos assinados por nomes como Théo Brandão, Abelardo Duarte e Ranilson França – e entrevistas com quem tem

13

intimidade, de longas datas, com a cultura popular. Optamos por listar apenas os folguedos que ainda possuem, pelo menos, um grupo ativo em Alagoas. Como é natural, muitos folguedos passaram, ao longo do tempo, por transformações decorrentes de diversos fatores, como a intervenção na composição de personagens – retirando ou inserindo novos –, a mudança de figurino ou até do próprio enredo. Um exemplo disso está no mais popular dos folguedos alagoanos, o guerreiro. Alguns grupos deixaram de apresentar a parte onde é narrada a morte do Índio Peri, um de seus personagens.

setembro/outubro 2011


Neno Canuto

ESPECIAL

Baianas

Baianas Praieiras, do povoado Barreiras, de Coruripe

variadas e, ao final, os cantos de

e colares também fazem parte da

as baianas é um folguedo com

despedida. O traje constitui-se de

indumentária. Além de ter um traje

trilha sonora rica, composta

três peças: blusas de cetim com

diferenciado – vestido em tecido e

por cantos e uma percussão

lantejoulas, saias longas, rodadas

adereços brilhantes –, a mestra é

marcante. Além das marchas de

e estampadas e lenço amarrado à

responsável pela marcação, com um

entrada ou “abrição”, há peças

cabeça. As pulseiras, balangandãs

apito, da percussão e dos cantos.

Celso Brandão

Embora não possua um enredo,

Bandos Folguedo ligado aos festejos em

de convidar a população para

homenagem a Santa Luzia, o

a festa. Para isso, participam

bando é composto por um grupo

da procissão do mastro e,

de mascarados – a pé ou montados

em frente à igreja, fazem a

a cavalo – que correm e dançam

conclamação dos fiéis tocando

ao som de uma banda de pífanos

um sino. As máscaras usadas

(conhecida popularmente como

são confeccionadas com

esquenta mulher). Sem enredo, o

papel jornal pelos próprios

folguedo religioso tem o propósito

integrantes do grupo. Bandos, de Chã de Anadia

14

setembro/outubro 2011


Renata Voss

Boi de Carnaval

Apresentação do Boi de Carnaval Rastafary, do bairro do Jacintinho, durante a cerimônia de lavagem do Senhor do Bomfim, em Maceió

Apesar de algumas semelhanças à primeira vista, o boi de carnaval e o bumba-meu-boi são folguedos diferentes, embora o Boi de Carnaval seja derivado do Bumba-meu-boi (veja artigo nas págs. 62 a 65). O Boi de

Carnaval possui estrutura mais simples, embora também narre, como o bumba-meuboi, a morte e ressurreição de seu protagonista, o boi. Em Maceió, o folguedo carnavalesco afirmou-se e é considerado por antropólogos

15

e folcloristas como uma das expressões populares mais significativas do carnaval alagoano. Hoje há até disputas entre diferentes grupos da cidade, que participam de mostras e festivais.

setembro/outubro 2011


ESPECIAL

Arquivo Josefina Noaves

Bumba-meu-boi

Bumba-meu-boi de Maragogi, do falecido mestre Eurico

Folguedo natalino bastante

pancada na zabumba, quando os

Duarte, a parte da ressurreição

conhecido, tem o boi como

brincantes gritavam: “Zabumba,

do boi é a mais jocosa de todas.

personagem central. É considerado

meu boi!”. O outro registro está

Há variações de acordo com cada

por alguns pesquisadores como

presente em dois dicionários e

grupo e cidade, mas o bumba-

o mais complexo dos folguedos,

destaca a palavra “bumba” como

meu-boi alagoano tem, entre seus

sobretudo pela grande quantidade

onomatopeia para queda, estrondo,

personagens mais conhecidos, de

de personagens que possui: cerca

o que seria decorrente do momento

acordo com estudo do folclorista

de 70. O pesquisador Abelardo

em que o boi vai ao chão. Para

Ranilson França, em Arte Popular

Duarte, na obra Folclore Negro das

Mário de Andrade, o bumba-meu-

de Alagoas (2000), boi, Mateus,

Alagoas, afirma que o bumba-

boi é não apenas “a mais estranha,

Catirina, cavalo-marinho, morto-

meu-boi está ligado à vida dos

original e complexa das nossas

vivo (conhecido também como

engenhos do Nordeste, embora

danças dramáticas. É também a

mané do gás), jaraguá, empreiteiro

tenha viajado para outras regiões

mais exemplar”. O enredo narra

e seus trabalhadores, caboclo

brasileiras, onde assimilou novas

a dança, a morte, a preparação do

do arco, Felipa rapada, escova-

feições. Já Ranilson França aponta

testamento das partes do boi e,

bota, barbeiro, cigana, margarida,

que há sinais visíveis da Commedia

por fim, a ressurreição do bicho,

matuto da goma e o lobisomem.

dell’arte – forma de teatro popular

cuja representação é feita por uma

Curiosamente, o cavalo-marinho

improvisado que surgiu na Itália

peça de madeira, com chifres,

é um dos personagens de maior

– no folguedo. Quanto ao nome,

e enfeitado com tecido, fitas e

destaque, pois atua como uma

há dois registros curiosos para

lantejoulas. Dentro, um brincante

espécie de mestre-sala. O boi é o

sua origem. O primeiro diz que

movimenta o animal, correndo

último personagem que aparece.

a denominação teria nascido a

e dançando a todo instante.

Os instrumentos usados são

partir dos passos do boi ao som da

Conforme observa Abelardo

percussão e apito.

16

setembro/outubro 2011


Caboclinhas Sem enredo, caboclinhas é um

Vilela, nos famosos maracatus

Em suas apresentações, é

folguedo carnavalesco no qual

pernambucanos, no reisado

acompanhado de uma banda de

os personagens usam trajes

alagoano, nas baianas e no samba

pífanos. Atualmente, segundo

feitos com penas e acessórios de

de matuto. Embora não possua um

informações da Associação dos

conchas e sementes. Considerado

enredo, traz diversos personagens:

Folguedos Populares de Alagoas, há

um folguedo híbrido (que resulta

mestre, contramestre,

apenas um grupo de caboclinhas

da mistura entre dois ou mais

embaixadores, vassalos, Mateus,

em atividade no Estado: na cidade

tipos de folguedos), tem origem,

rei, lira, general, borboleta, estrela

de Passo de Camaragibe, litoral

segundo José Aloísio Brandão

de ouro, rei Catulé e caboclinha.

norte de Alagoas.

Celso Brandão

Cambindas

Cambindas, do povoado Praia do Lage, em Porto de Pedras

O folguedo carnavalesco não possui

grupos somente no litoral Norte

inspirado numa cidade situada

enredo e é uma adaptação do

de Alagoas, já na divisa com seu

ao Sul de Angola. Os trajes das

maracatu nação, de Pernambuco,

Estado de origem, na cidade de

integrantes assemelham-se ao das

o que explica o fato de existirem

Porto de Pedras. Seu nome é

baianas.

17

setembro/outubro 2011


Ricardo Lêdo

ESPECIAL

Cavalhada

Cavalhada de Santa Luzia do Norte: disputa entre os cordões azul e encarnado

capturar, durante a corrida e com

A música é executada ao vivo

tradicional no interior de Alagoas,

uma lança, uma pequena argola

por uma banda de pífanos.

a cavalhada é uma espécie de

amarrada a um fio. O folguedo é

Também conhecido como “jogo

cortejo e torneio natalino de

composto por 12 cavaleiros, que

das argolinhas”, o folguedo é

origem medieval nos quais os

são divididos, como no pastoril, em

apresentado geralmente próximo

cavaleiros têm como objetivo

dois grupos: o azul e o encarnado.

a igrejas.

Ricardo Lêdo

Popular na França e muito

Chegança Resultado da mistura entre folguedos náuticos, reisados, taieiras e pastoris, a chegança é considerada uma variante de outro folguedo – o fandango. Além de narrar os sofrimentos no mar, a chegança, segundo José Maria Tenório Rocha, no livro Minha Cartilha de Folclore (1989), faz referência às guerras entre cristãos católicos e mouros. Chegança de Penedo

18

setembro/outubro 2011


Ricardo Lêdo

Fandango/marujada

Fandango do Pontal da Barra: criado em 1930, hoje é o único existente em Alagoas

Folguedos marítimos que têm

padre-capelão, médico, oficiais

náuticos apresentados pelos brincantes

suas origens na Península Ibérica

inferiores, marujos e gajeiros

são de épocas e origens diversas

(sudoeste europeu), o fandango

(marinheiros cuja tarefa é

e remontam sempre à lida no mar.

e a marujada não têm enredo.

observar a aproximação de outras

Quanto aos instrumentos musicais

Os personagens presentes nos

embarcações e do continente).

usados, eles se diferenciam de acordo

dois folguedos são almirante,

A marujada possui cerca de 25

com cada folguedo. Originalmente, a

capitão, capitão de mar e guerra,

componentes. Já o fandango possui

apresentação acontece sobre um barco,

mestre piloto, mestre patrão,

de 45 a 50 componentes. Os cantos

que funciona como palco.

Cobra jararaca Folguedo carnavalesco antigo, mas

França, por um grupo de 10 a 15

integrantes saem de porta em

pouco conhecido, a cobra jararaca

pessoas que brincam amarradas a

porta pedindo comida e dinheiro

é formada, segundo informações

uma corda e lambuzadas de tinta.

para a folia.

coletadas pelo folclorista Ranilson

Como um bloco de carnaval, seus

19

setembro/outubro 2011


ESPECIAL

Gigantões ou bonecas Em Alagoas, os bonecos feitos

nova matéria-prima, a fibra

representação de um personagem

de papel machê sobre estrutura

de vidro, que garante maior

criado pelo bonequeiro. Sem

de madeira, ganharam por aqui

durabilidade à peça. Cabe a alguém

enredo, os gigantões costumam

o nome de gigantões, entremeio

a tarefa de dar vida ao boneco oco,

acompanhar desfiles de blocos

do bumba-meu-boi, conforme

movimentando-o pelas ruas. Suas

carnavalescos ou cortejos.

destaca Ranilson França. Nos

feições podem homenagear um

tempos atuais, as peças ganharam

personagem real ou ser apenas a

Michel Rios

Guerreiro

Guerreiro Campeão do Trenado, comandado pelo mestre Nivaldo Abdias Bomfim

20

setembro/outubro 2011


Celso Brandão Guerreiro Treme-terra do mestre Oséas: folguedo é um dos mais populares de Alagoas

É, provavelmente, o mais popular

mestre, rei, rainha, Mateus, lira,

por exemplo, grupos de guerreiro

dos folguedos alagoanos e seu

índio Peri, vassalos, estrela Dalva,

que deixaram de apresentar um

“nascimento” foi por volta dos

boi, borboleta, jaraguá e sereia.

trecho onde se narra a morte

anos 1920 e 1390. A relação

O enredo é complexo: trata-se

do índio Peri. Há quem atribua a

do guerreiro com a identidade

de uma sequência de cantigas

alteração a uma necessidade de

alagoana é tão explorada que se

dançadas, denominadas peças,

reduzir o tempo de apresentação:

tornou comum o uso de uma das

que são intercaladas por marchas.

completo, o espetáculo do guerreiro

peças da indumentária do mestre

Um das narrativas refere-se a uma

tem duração de até três horas,

– no caso, o chapéu em forma

luta cujo objetivo é salvar a lira. Na

o que exigia da plateia muita

de igreja, com espelhos, fitas e

música, estão instrumentos como

disponibilidade de tempo. Uma

contas – como símbolo de Alagoas.

sanfona, tambor e pandeiro. Como

curiosidade: os espelhos não são

O guerreiro é também um dos

os folguedos populares vivem

usados à toa, mas sim para proteger

folguedos que têm o maior número

mudanças ao longo dos anos,

os brincantes da inveja.

de personagens. Entre eles estão

advindas de diferentes fatores, há,

21

setembro/outubro 2011


ESPECIAL

Neno Canuto

Mané do rosário

Mané do rosário, do povoado Poxim, em Coruripe

Considerado por alguns estudiosos

do povoado de Poxim, situado em

Rostos e braços são cobertos

o folguedo mais antigo de Alagoas,

Coruripe, litoral sul de Alagoas. Seu

com tecidos e está aí o espírito da

já que há registros de sua criação

propósito seria animar a festa, mas

brincadeira: cultivar o mistério

no século 18, por volta de 1762, o

anonimamente. Tradicionalmente,

da identidade de quem brinca.

mané do rosário teria sido criado

somente os homens participavam

Uma banda de pífanos faz a trilha

em homenagem a dois brincantes

da brincadeira e vestiam roupas

sonora da apresentação.

que usavam máscaras durante os

femininas e chapéus de palha.

festejos de São José, o padroeiro

Hoje, mulheres também brincam.

Para alguns folcloristas, o folguedo

Belarmino, de Bebedouro, famoso pai

está diretamente associado aos

de santo alagoano que, nos anos 1920,

grupos de Pernambuco, que

teve a ideia de reunir os filhos de santo

revivem as cortes africanas. Em

do seu terreiro como reação à Quebra

Alagoas, Abelardo Duarte registra

de Xangô, movimento que buscou

que já existiram diversos grupos

eliminar a prática religiosa de origem

de maracatu semelhantes aos dos

africana em Alagoas. O folguedo, que

nossos vizinhos. A versão alagoana

narra as alegrias da corte, reúne cerca

do folguedo é religiosa. Segundo

de 11 personagens: rei, rainha, estrela

o mestre Geraldo, seu grupo, o

de ouro, mãe Maria, mãe preta, preto

Maracatu Axé Zumbi, do Vergel,

velho, Catirina, calunga, escravos,

integra a linhagem do maracatu

mucamas e africanas do cordão azul e

criado pelo mestre Benedito

do cordão vermelho.

Michel Rios

Maracatu

Escravo, um dos personagens do Maracatu Axé Zumbi, do Vergel do Lago 22

setembro/outubro 2011


Negra da costa suas mulheres do assédio dos

são o preto velho ou pai velho, a

dança-cortejo. O grupo é formado

senhores de engenho, que os

mãe velha ou negra do balaio e

por homens vestidos com trajes

observavam durante as danças.

as baianas ou negras. O mestre

convencionais de baianas (roupa

Para não serem descobertos, os

apresenta-se vestindo terno

e lenço branco). O mais curioso é

homens evitavam dar as costas

completo e carrega uma bolsa,

que todos os integrantes pintam

aos senhores de engenho, já que

onde guarda as ofertas da plateia.

a pele com uma tinta preta, para

as mulheres tinham cabelos

Uma das negras carrega uma

figurarem como negras retintas.

longos. O folguedo relembra essa

boneca, chamada de calunga ou

Sua origem estaria ligada, segundo

atitude heroica dos escravos. Em

Iansã. Os cantos são entodados

registros orais, a um truque criado

Alagoas, há apenas um grupo, em

ao som do ganzá e do reco-reco.

pelo escravos para defenderem

Quebrangulo. Seus personagens

Pastoril

Ricardo Lêdo

Sem enredo, trata-se de uma

Folguedo bastante conhecido em Alagoas e, segundo a Associação dos Folguedos Populares de Alagoas (Asfopal), o que tem o maior número de grupos em atividade no Estado, o pastoril é apresentado, tradicionalmente, no período natalino e é originário do presépio. Seu enredo é simples e compõe-se de jornadas soltas, sem relação entre si: trata-se

Pastoril Mensageiro de Fátima, do Tabuleiro, comandado pela mestra Áurea de Barros Tavares

de louvação ao nascimento do

camisa, colete, avental e chapéu

pertencem. Entre as jornadas, as

Menino Jesus. É composto pelos

de palha. O auto traz um “duelo”

pastoras são chamadas em cena

seguintes personagens: mestra,

entre os dois cordões – o azul e o

para receberem as contribuições

contramestra, diana, pastorinhas,

encarnado (como é denominado,

financeiras da plateia – são elas que

cigana, anjo, demônio, pastor e

no pastoril, o vermelho). A diana

irão determinar a disputa entre os

borboleta. Com exceção do pastor,

é neutra na disputa e, por essa

dois cordões. Depois de diversas

todas as outras personagens

razão, tem roupa de duas cores:

apresentações, costuma-se fazer

são interpretadas por brincantes

um lado vermelho e o outro azul.

a coroação do cordão vencedor, ou

do sexo feminino. O traje da

Nas mãos, as brincantes trazem

seja, aquele que recebeu as maiores

maioria das personagens remete

um pandeiro enfeitado com as

contribuições.

ao campo e é composto de saia,

fitas na cor do cordão ao qual

23

setembro/outubro 2011


ESPECIAL

Presépio O folguedo natalino que narra, em

da contramestra e da Diana. A

nos antigos autos portugueses e

três atos, o nascimento de Jesus

eles, juntam-se ainda o demônio,

influência dos autos natalinos da

Cristo, originou o pastoril. Por

os anjos, os pastores e a cigana. O

região da Provença, Sul da França,

isso, traz elementos do folguedo,

vermelho está presente no manto

o presépio está quase desaparecido

a exemplo dos dois cordões – o

do Menino Jesus e o azul no manto

de Alagoas, havendo poucos

azul e o encarnado –, da mestra,

de Nossa Senhora. Com origem

grupos.

Ao contrário do que o nome

da luta entre negros e brancos,

palha e bandeirinhas usadas na

sugere, o folguedo natalino não

mouros e cristãos e negros e índios.

decoração de festas juninas, ao som

faz referência aos episódios do

Geralmente, o auto é apresentado

de uma banda de pífanos.

Quilombo dos Palmares. Trata

numa construção com coberta de

Neno Canuto

Quilombo

Reisado Folguedo natalino religioso, o reisado é constituído por músicos, cantores e dançadores reunidos para apresentação de vários episódios. Na indumentária e nos personagens, assemelha-se ao guerreiro, já que deu origem a esse folguedo: rei, rainha, embaixador, mestre ou secretário de sal, contramestre, mateus e

Reisado Nossa Senhora Aparecida, de Água Branca

palhaço fazem uso de saiote de cetim, fitas coloridas e chapéus

são sanfona, tambor e pandeiro.

apresenta-se de 24 de dezembro

de palha cobertos com tecido e

De origem portuguesa, o reisado

a 06 de janeiro, sempre de porta

enfeitados com espelhos e fitas. Os

consiste no anúncio do nascimento

em porta. Curiosamente, o

principais instrumentos musicais

de Cristo e na homenagem aos

bumba-meu-boi é um entremeio

usados durante a apresentação

Reis Magos. Tradicionalmente,

tradicional do reisado.

24

setembro/outubro 2011


Samba de matuto Sem enredo e de origem

santos católicos e, sobretudo, de

cada apresentação, uma saudação

carnavalesca, o samba de matuto

entidades religiosas de origem

aos orixás. As integrantes do

possui relação com os maracatus

africana. Como no pastoril, possui

samba de matuto vestem blusas e

pernambucanos e é uma espécie

dois cordões: o azul e o encarnado.

saias rodadas.

de cantiga dançada que fala dos

É comum realizar, na abertura de

Taieira De origem africana, as taieiras

formado por mulheres vestidas de

maracá, o reco-reco e o pandeiro.

remontam aos tempos da

blusas e saias rodadas que dançam

O folclorista Théo Brandão destaca

escravidão e não possuem um

e cantam ao som de instrumentos

que o folguedo deriva de outro, as

enredo. São um cortejo natalino

percussivos como o tambor, o

baianas.

Urso de carnaval ou la ursa Michel Rios

Folguedo que sai às ruas somente no período de carnaval, é formado por foliões que brincam com um urso feito de estopa, fibras vegetais e outros materiais. Como diversos grupos carnavalescos, pedem comida, bebida e dinheiro de porta em porta. Não se sabe, ao certo, a origem do folguedo: há estudos que o apontam como italiano e outros que o relacionam a danças africanas. Em Maceió, é mais comum a existência de grupos no bairro do Tabuleiro.

Urso de carnaval do mestre André, do Tabuleiro

25

setembro/outubro 2011


ESPECIAL

As danças

Ricardo Lêdo

Coco alagoano

Coco de Roda da saudosa mestra Hilda

Assim como o guerreiro, o coco

apontadas para a dança. O próprio

das palmas e do sapateado, o

está na identidade de Alagoas.

Vilela destaca a necessidade de

que exige destreza do dançador

É provável que a dança tenha

aprofundamentos dos estudos

de coco. Não se pode participar

seu nome inspirado, segundo o

referentes a essa origem, embora

da dança sem imprimir vigor

pesquisador Abelardo Duarte,

comente que havia descoberto

ao ritmo. A chamada roda de

no ofício de partir o coco, tarefa

em Viçosa indícios de que o coco

adulto, originária das cirandas

desempenhada em redutos como

teria identidade negra. Há cocos

pernambucanas, funciona como

o famoso Quilombo dos Palmares,

por todos os cantos do Brasil,

entremeio do coco, ou seja, é

na Serra da Barriga, zona da mata

mas em Alagoas se dança um

apresentada quase sempre

alagoana. A batida da pedra na

coco de forma muito particular,

no intervalo do folguedo. Seu

casca do fruto ajudava a dar o

com diferentes modos. Segundo

surgimento remonta ao meio

ritmo e convidava à dança. O

Vilela, os mais conhecidos são o

rural europeu. Os integrantes

folclorista Aloísio Vilela, autor de

travessão, o cavalo manco, o trupe

desempenham funções, por isso

O Coco de Alagoas, lançado pelo

repartido, o sete e meio e o xipacá.

há o mestre (responsável por

Museu Théo Brandão, abre seu livro

Além de força nas pernas e nos

“puxar” as cantigas), os demais

expondo as mais diferentes origens

pés, é preciso manter a cadência

cantadores e os dançadores.

26

setembro/outubro 2011


De origem religiosa, a dança de São Gonçalo tem como propósito o pagamento de promessa feita ao

Neno Canuto

Dança de São Gonçalo

santo de mesmo nome, um padre português que, segundo registros feitos por Ranilson França, utilizava a música e a dança para fazer pregações católicas e, desta forma, evitar a prática da prostituição, condenada pela doutrina cristã. A dança é realizada nos velórios. Dança de São Gonçalo, do povoado Cal, na cidade de Água Branca

Torés Michel Rios

Embora seja de origem indígena, em Alagoas o toré divide-se em toré de índio e toré de xangô. Para os índios, conforme assinalaram diversos estudiosos do folclore alagoano, a dança atua como agradecimento e parte importante do ritual de orações. É dançado de forma ritmada e em círculo, e está presente em aldeias de Palmeira dos Índios e Porto Real do Colégio. Já o toré de xangô é encontrado em terreiros de religiões africanas e tem como função a cura através de entidades espirituais.

Toré dos índios xukuru-kariri, de Palmeira dos Índios

27

setembro/outubro 2011


PERFIL

THÉO BRANDÃO, O CAVALEIRO DA CULTURA

Falecido há 30 anos, o médico, professor e pesquisador que dedicou sua vida ao estudo do folclore alagoano era um observador cuidadoso das brincadeiras populares e um colecionador apaixonado ELAYNE PONTUAL

28

setembro/outubro 2011


Reprodução

O médico e professor alagoano Théo Brandão: devoção à cultura popular e aos estudos etnográficos


Reprodução

PERFIL

Théo Brandão

No dia 26 de janeiro de 1907, em Viçosa, a 86 km de Maceió, nasceu um menino franzino, filho de Manoel de Barros Loureiro Brandão e Carolina Vilela Brandão. Prematuro, veio ao mundo com apenas sete meses de gestação. “Esse menino não vai se criar”, afirmava a mãe, referindo-se ao recém-nascido Theotônio Vilela Brandão. Seu filho, hoje mais conhecido como Théo Brandão, viveu até os 74 anos e permanece na memória de um Estado repleto de brincadeiras, cantos e danças que despertaram a curiosidade do gênio alagoano. Filho e neto de senhor de engenho, Théo Brandão teve seu primeiro contato com a arte popular ainda na infância. No Engenho Boa Sorte, entre pandeiros e violões, ele presenciava

30

as conquistas marítimas europeias dos séculos 15 e 16 através da marujada. Em outros momentos, durante a apresentação do reisado, o menino Théo podia contemplar reis, rainhas, Mateus e palhaços vestidos em cores variadas, com fitas e chapéus, cantando e dançando para anunciar a chegada do Menino Jesus. Nas comemorações que ocorriam durante o ano, era comum que os folguedos populares marcassem presença para animar a população. Essas manifestações, tão cheias de alegria, tiveram uma influência muito marcante na vida de Théo Brandão, contribuindo para formar o repertório de informações que, anos depois, o ajudariam a ser um dos mais importantes folcloristas de Alagoas. Aos dez anos, Théo Brandão saiu de Viçosa com sua família para morar em Maceió, onde concluiu os estudos. Em dezembro de 1923, deixou Alagoas para cursar Farmácia e Medicina na Bahia. Após quatro anos, concluiu o curso de

setembro/outubro 2011

Farmácia e transferiu-se para o Rio de Janeiro, onde se formou em Medicina, em 1929. Durante esse tempo, no período das férias, visitava Alagoas, onde encontrava a namorada que, mais tarde, seria sua esposa, Elide, que conheceu aos 17 anos. Com Elide, Théo Brandão teve quatro filhos: Walter, Válnia, Vólia e Vera. O folclorista iniciou sua trajetória como médico, exercendo a Puericultura. Aos poucos, foi renunciando ao trabalho no consultório para ingressar na Universidade Federal de Alagoas (Ufal), onde fundou as faculdades de Medicina e Filosofia. Théo Brandão percorreu um longo caminho acadêmico. Lecionou Antropologia Geral, Etnografia, Antropologia do Brasil, Folclore e Antropologia Cultural. Com a vida intelectual bastante ativa, transitou por várias áreas. Foi secretário da Educação, diretor do Centro de Filosofia e Ciências Humanas, criou a Comissão Alagoana de Folclore, participava da Comissão Brasileira de Folclore,


Michel Rios

O doutor Théo era muito cuidadoso e tentava sempre manter o padrão das aulas que ministrava Fernando Lôbo

Diretor do Museu da Imagem e do Som (Misa) e “discípulo” de Théo Brandão

era membro da Associação Alagoana de Antropologia e da Associação Mexicana de Antropologia. Foi fundador da Academia Alagoana de Letras e fazia parte do Instituto Histórico e Geográfico de Alagoas (IHGAL). PAI DEDICADO Mesmo com a agenda cheia, o versátil Théo Brandão ainda dispunha de tempo para ser um bom pai. “Nossa relação como pai e filha foi a melhor possível. Ele é para mim um ídolo, em termos de honestidade, integridade e de humanismo. Meu pai era um homem fantástico. Nós conversávamos bastante e ele me ensinou muito sobre Medicina. O nosso dia a dia foi uma experiência extraordinária para mim”, revela Válnia Brandão, médica e filha mais nova do folclorista. Como professor, Théo Brandão se realizava. Na

busca constante da interação com os alunos, suas aulas sempre duravam mais do que o programado. Mas, durante o período em que esteve ocupado com atividades administrativas na universidade, sobrou pouco tempo para ministrar as aulas. A solução foi distribuí-las para os professores colaboradores. Estes passariam a ser conhecidos como “discípulos de Théo Brandão”. Um deles é Fernando Antonio Netto Lôbo, atual diretor do Museu da Imagem e do Som de Alagoas (Misa). O discípulo recorda a dedicação do professor: “O doutor Théo era muito cuidadoso e tentava sempre manter o padrão das aulas que ministrava. Todas as quartasfeiras, das 14h às 17h, ele reunia o nosso grupo em sua casa para dar orientação conceitual e teórica das disciplinas. A ideia era que a gente não fugisse muito da abordagem usada por ele nas salas de aula”.

31

Fernando Lôbo, a antropóloga Vera Lúcia Calheiros Malta e a museóloga Cármen Lúcia Dantas, organizaram o livro Théo Brandão – Vida em Dimensão, inspirado pela comemoração do centenário de nascimento do folclorista em 2007. “Reunimos todos os chamados ‘discípulos de Théo Brandão’, hoje professores da Ufal com carreira acadêmica expressiva. Agrupamos depoimentos e artigos das pessoas que conviveram e trabalharam com ele. A organização do livro foi um pouco complicada, pois muitos já estavam aposentados e outros já não moravam em Alagoas. A intenção era que a memória dele pudesse ser preservada de alguma forma. Esse livro é um registro direcionado para as gerações que não tiveram a oportunidade de conviver ou conhecer Théo Brandão”, explica.

setembro/outubro 2011


Michel Rios

PERFIL

Meu pai era um homem fantástico. Nós conversávamos bastante e ele me ensinou muito sobre Medicina Válnia Brandão Médica e filha de Théo Brandão

AMANTE DAS ARTES POPULARES No intuito de compreender as crendices dos pacientes que moravam no interior de Alagoas, Théo Brandão dedicou-se à Antropologia e ao estudo da cultura popular daquelas regiões. Além do contato intenso na infância, essa é outra explicação para o apego que o folclorista teve pelas manifestações do povo humilde. “Ele não era só de estudar. Ele ia até a fonte e pesquisava”, recorda Válnia, revelando o caráter inquieto e produtivo do pai. “Enquanto farmacêutico, frequentava as casas das pessoas humildes para saber como elas se davam a respeito de determinados medicamentos. Pesquisava os chás usados por elas para conhecer as potencialidades e os fármacos contidos na bebida. Dependendo das informações, ele podia transformá-los em medicamento”, conta.

32

O alagoano José Aloísio Vilela, primo de Théo Brandão, também foi outro grande estudioso e pesquisador do folclore. Mas, para Fernando Lôbo, Théo Brandão deu uma nova dimensão, inserindo o estudo do folclore dentro da universidade, como disciplina no campo da Antropologia. “Ele teve a preocupação de oferecer um conceito teórico, didático e pedagógico da disciplina”, afirma. O discípulo lamenta o refreamento atual nas pesquisas e estudos da área, mas reconhece que muitas universidades brasileiras estão trabalhando no desenvolvimento de trabalhos a partir do material deixado pelos precursores: “Em Maceió, nós temos uma instituição importante que é o Museu Théo Brandão, onde o acervo dele está organizado. Mas sabemos também que ainda há muito que fazer”. Algumas pessoas acreditam que Théo Brandão ignorou

setembro/outubro 2011

as manifestações culturais de origens afro e indígena, o que, para Fernando Lôbo, é um grande engano, já que o folclorista não teria mergulhado profundamente no estudo dessas expressões devido não apenas às suas especificidades, mas ao fato de que já havia, em Alagoas, dois grandes nomes que se dedicavam ao estudo dessas origens: os médicos Arthur Ramos e Abelardo Duarte. Théo Brandão publicou diversos trabalhos sobre o folclore alagoano: O Reisado Alagoano (1953), O Guerreiro (1964), Folclore de Alagoas (1949), Trovas Populares de Alagoas (1951), O Pastoril (1964), Folguedos Natalinos de Alagoas (1961), além de vários artigos e ensaios veiculados em jornais e revistas especializadas. Os livros mencionados são considerados obras-primas e fundamentais para o estudo na área. Já nestas obras, é possível verificar o registro de algumas


mudanças nas expressões populares tradicionais observadas pelo folclorista, como em O Pastoril: “Hoje, o chamado folguedo folclórico, como o nosso pastoril, possui várias modificações em sua linha melódica. Os folguedos estão sofrendo um processo de aculturação e adequação aos modismos. Algumas músicas que não são da origem histórica dessas manifestações foram introduzidas”. De acordo com Fernando Lôbo, Théo Brandão fez várias menções e artigos opondo-se a essas modificações e lhes dava o nome de “parafolclore”. “Não que sejamos saudosistas, mas a cultura tradicional tem que ser representativa. É preciso olhar e identificála. A cultura de massas é produzida em gabinete, ela não reflete”, desabafou o discípulo, garantindo que Théo Brandão, em vida, compartilhava de sua opinião. O COLECIONADOR DE MEMÓRIAS No período em que cursava Medicina no Rio de Janeiro, Théo Brandão passava as férias em Viçosa e gostava de ouvir as narrativas dos moradores do engenho Boa Sorte. Foi a partir dessas conversas que o folclorista deu início às suas anotações. O hábito de armazenar as experiências in loco, utilizando

A OBRA Pesquisador disciplinado, Théo Brandão é autor de uma obra vasta, composta por diversos artigos e livros. Abaixo, alguns de seus títulos mais importantes dedicados ao estudo da cultura popular alagoana

O Presépio das Alagoas

Folclore de Alagoas II

Imprensa Universitária/Ufal - 1977

Funarte - 1982

Seis Contos Populares no Brasil

O Reisado Alagoano

Funarte - 1982

Edufal - 2007

câmeras fotográficas e gravadores de áudio, revelava o pesquisador cuidadoso com a documentação da pesquisa e a validade de suas observações. Seus registros fotográficos e fonográficos fazem parte de uma obra extensa. Durante mais de 40 anos construiu um acervo tridimensional,

33

composto por livros, fotos, fitas cassete, fitas de rolo e VHS. Além de registrar as manifestações, Théo realizava uma abordagem científica, citando autores e elaborando estudos comparativos entre as culturas. “Ele percebeu que as manifestações folclóricas de Alagoas e do Nordeste são

setembro/outubro 2011


PERFIL

CRONOLOGIA 1907

1917

1923

Nasceu em Viçosa, município de Alagoas, no

Mudou-se para a cidade de Maceió, onde

Transferiu-se para Salvador e ingressou na

dia 20 de janeiro

prosseguiu com o curso primário no Colégio São

Faculdade de Medicina da Bahia

José e depois no Colégio Diocesano, dos irmãos Maristas

1937

1948

1949

Em 15 de novembro, tomou posse como membro

Como secretário-geral da Comissão Alagoana de

Recebeu o prêmio Othon Lynch, da Academia

do Instituto Histórico e Geográfico de Alagoas

Folclore, passou a colaborar com suplementos

Alagoana de Letras, pelo livro

(IHGAL) e passou a se dedicar ao folclore

literários de jornais de Alagoas, de Pernambuco e

No mesmo ano, ganhou o Prêmio Mário de Andrade,

do Rio de Janeiro. Tornou-se membro da Comissão

da Prefeitura de São Paulo, pela obra

.

Nacional do Folclore

1960

1961

1963

Abandonou a profissão de médico para

Passou a integrar, o Conselho Nacional

Quando já participava de diversos congressos na

se dedicar apenas ao folclore. Assumiu a

do Folclore, por ato do presidente da

área de folclore, teve a ideia de criar um museu

cadeira de Antropologia da Universidade

República

de antropologia e folclore em Alagoas. O sonho levaria alguns anos até virar realidade;

Federal de Alagoas

herdeiras da tradição ibérica e também das regiões africanas, além da Oceania, da América do Norte e Central. Théo Brandão tentou compatibilizar essas manifestações. Um exemplo disso é o fandango, que faz sua trajetória contando a vida dos portugueses através dos mares”, lembra Fernando Lôbo. Além de pesquisador cuidadoso, Théo Brandão também era um colecionador, conforme revela Fernando Lôbo: “Quando viajava para o exterior, ele trazia muita

34

coisa relacionada aos povos, principalmente de Portugal. Livros da Europa, da América e especialmente do México. Todo o material estava armazenado em sua casa e já não cabia mais”. A filha, Válnia, também guarda recordações do hábito de colecionar do folclorista: “Minha casa era um verdadeiro museu. Minha mãe adorava isso e sempre dizia: ‘Não mexa nas bugigangas do seu pai’”, lembrou Válnia, buscando na memória o tempo em que morava com os pais.

setembro/outubro 2011

Percebendo o volume e a importância do seu acervo, o folclorista desejava ter um lugar onde todo aquele material pudesse ser preservado e disponibilizado para o público. Criado no dia 20 de agosto de 1975, o sonho de Théo Brandão não só foi realizado como também recebeu seu nome. O Museu Théo Brandão de Antropologia e Folclore, pertencente à Universidade Federal de Alagoas, abriga sua coleção de arte popular, além de uma biblioteca com todos


1928

1929

1930

Bacharelou-se em Farmácia

Ao concluir a faculdade de Farmácia, pediu transferência para

Abriu um consultório no Recife e passou a trabalhar

o Rio de Janeiro, onde concluiu o curso de Medicina. Passou a

também como pediatra no Hospital Manoel S. Almeida

colaborar com pequenos jornais publicados em Viçosa, enviando,

e na Inspetoria de Higiene Infantil e Pré-Escolar do

do Rio de Janeiro, poemas e crônicas a respeito da cidade e do

Departamento de Saúde Pública de Pernambuco

folclore viçosense

1950

1951

1952

O folclorista recebeu, novamente, o

Foi eleito para a Academia Alagoana de Letras.

Em janeiro, ainda como secretário-geral da

Prêmio Mário de Andrade, pela obra

Também ocupou as cátedras de Puericultura

Comissão Alagoana de Folclore, reuniu, em

e Clínica da Infância, além de Antropologia e

Maceió, folcloristas de todo o Brasil, sendo

Etnografia, quando foram fundadas as Faculdades

recomendado para a preparação e execução da 4ª

de Medicina e de Filosofia de Alagoas

Semana de Folclore

1971

1975

1977

1981

Foi indicado para o cargo de

Doou sua coleção particular de

Foi um dos fundadores da

Sentindo-se mal, viajou para Rio de Janeiro e

diretor do Instituto de Filosofia

objetos de cultura popular à

Sociedade Brasileira de Médicos

pediu conselhos aos amigos, também médicos.

e Ciências Humanas (IFCH), que

Universidade Federal de Alagoas.

Escritores de Alagoas (Sobrames),

Foi operado, mas o câncer no intestino persistiu.

em 1972 seria incorporado à Ufal

Nascia o Museu Théo Brandão de

onde exerceu a função de vice-

Por decisão da família, voltou para Maceió,

Antropologia e Folclore

presidente por dois mandatos

falecendo no dia 29 de setembro do mesmo ano

os livros publicados por ele e títulos sobre cultura popular de outros autores. O POETA “Nossos folcloristas, com poucas exceções, estão ajudando o Brasil a descobrirse perante a si mesmo, enquanto formam uma obra de nacionalismo verdadeiramente sadio”, disse Théo Brandão em entrevista ao jornal Tribuna da Imprensa, do Rio de Janeiro, em 1956. A afirmação mostra como

acreditava na contribuição da pesquisa sobre cultura popular para a reflexão sobre identidade. A polivalência de Théo Brandão era a causa ou até mesmo a consequência de sua ansiedade e perfeccionismo. Versátil, possuía várias habilidades. Havia dias em que se dedicava apenas à leitura, trancado em seu gabinete. Sempre gostou de ler, talvez incentivado pelo pai, que também era médico. Lia em inglês, em francês e espanhol

35

e costumava manter contato com muitos intelectuais da época. No entanto, era tímido. Tanto que, para concretizar outra de suas aspirações – a poesia –, usou um pseudônimo: João Guadalajara. Com ele, assinou poemas sobre diversos temas, como o poema Viçosa: “O cordão branco das filhas de Maria/Descendo a ladeira da Matriz/‘Quadro’ bonito do Brasil nacional.../Viçosa, cidadezinha do país das Alagoas/Terra de tanta coisa ruim/Terra de tanta coisa boa!”

setembro/outubro 2011


REPORTAGEM

O MÉRITO DOS

MESTRES Criado em 2004, o Registro de Patrimônio Vivo de Alagoas garante que alagoanos detentores de conhecimentos relacionados à cultura popular local tenham seu ofício registrado e recebam uma bolsa vitalícia de incentivo. O auxílio contribui para tornar possível a transmissão do saber a outras gerações ELAYNE PONTUAL

36

setembro/outubro 2011


Adailson Carlheiros

Eu ministro oficinas, dou palestras, apresento espetáculos e escrevo. Com a idade que tenho, acho que ainda posso fazer muitas coisas Palhaço Biribinha

Mestre das artes cênicas

Vestido de um jeito cômico, com trajes multicoloridos, maquiagem branca e nariz vermelho, o artista circense alagoano Teófanes Antônio Leite da Silveira, também conhecido como Palhaço Biribinha, faz piadas, anedotas, malabarismos e caretas há mais de cinco décadas. Nascido em Arapiraca, desde os sete anos de idade o artista dedicase a levar alegria e divertimento para plateias de todas as idades. Todo esse tempo de dedicação à arte circense proporcionou a Teófanes o privilégio de receber o título de Patrimônio Vivo do Estado de Alagoas (RPV-AL). Assim como ele, vários artistas alagoanos que trabalham com danças, folguedos, música, literatura, gastronomia e artesanato, entre outras atividades, tiveram, enfim, o reconhecimento

de suas práticas. Em 22 de setembro de 2004, o governo do Estado de Alagoas sancionou a Lei nº 6.513, instituindo o Livro de Registro do Patrimônio Vivo do Estado de Alagoas (RPV-AL). Com a lei, todo e qualquer alagoano detentor de conhecimentos ou técnicas para a produção e preservação da cultura popular alagoana adquiriu o direito de ter a valorização de seu ofício registrada nas páginas da história de sua gente. A lei tem como objetivo principal garantir a continuidade histórica e auxiliar na difusão do conhecimento dos beneficiados através de mídias como CDs e DVDs ou acompanhamento das atividades desenvolvidas pelos mestres. A ideia é garantir a documentação e a transmissão dos saberes às novas gerações

de aprendizes. Ao que parece, Teófanes não pretende aposentar tão cedo o palhaço Biribinha: “Eu ministro oficinas, dou palestras, apresento espetáculos e escrevo. Com a idade que tenho, acho que ainda posso fazer muitas coisas”, afirma, esquecendo-se de mencionar a participação na novela Araguaia, produzida pela TV Globo e exibida entre setembro de 2010 e abril de 2011.

37

setembro/outubro 2011

MUDANÇAS Os mestres inscritos no RPV-AL recebem bolsas vitalícias de incentivo. No início, o beneficiado embolsava uma quantia de R$ 500 mensais, mas, em 30 de junho de 2010, o governador Teotonio Vilela Filho fez uma atualização na lei nº 6.513, modificando os arts.


Michel Rios

REPORTAGEM

A cultura popular abrange diversas áreas. É muito importante ter essa diversificação das pessoas que são contempladas e que têm seus nomes registrados no patrimônio vivo. A comissão tem procurado manter uma leitura diversificada para ter um registro representativo da diversidade cultural Osvaldo Viégas

Secretário de Estado da Cultura

2º e 4º. Uma das mudanças foi no valor da bolsa, que passou a ter como indexador o salário mínimo. De acordo com o secretário de Estado da Cultura, Osvaldo Viégas, os integrantes do Conselho Estadual de Cultura chegaram à conclusão de que era preciso ampliar o número de selecionados anualmente: “O número máximo dos que poderiam receber a bolsa era de 30 pessoas. Eles achavam pouco face à diversidade e à riqueza de mestres da cultura popular”, explicou. Com a mudança na lei, a quantidade de beneficiados foi ampliada de 30 para 40 mestres. Excepcionalmente

38

nos anos de 2010 e 2011, o número de selecionados foi ampliado para oito novos mestres. A partir de 2012, esse número volta a ser de cinco pessoas. No edital deste ano, a comissão julgadora selecionou 11 mestres, já que existiam vagas abertas em função da morte de três mestres. As três vagas adicionais respeitam o acréscimo na lei, que habilita um novo mestre havendo o falecimento de outro. Outra mudança está ligada à flexibilidade na difusão do conhecimento dos mestres: “A lei exigia que a transmissão fosse presencial e agora pode ser através de vídeo, ou de outras formas não presenciais.

setembro/outubro 2011

Alguns mestres já têm idade avançada e através de um registro ele pode veicular e dar continuidade ao seu conhecimento”, disse Viégas. A Secretaria de Estado da Cultura (Secult) lançou, em abril deste ano, o edital para a seleção de 2011, com um prazo de 30 dias, após a publicação, para que as inscrições fossem realizadas. No total, 42 pessoas se inscreveram. A lista com os nomes dos habilitados foi apresentada em um relatório elaborado pela Comissão Especial, sendo consolidada no Conselho Estadual de Cultura (veja quadro ao lado).


Fizeram parte da comissão alguns especialistas como a antropóloga Rachel Rocha, o médico e pesquisador de folclore, Gustavo Quintela, o diretor do museu Théo Brandão, Wagner Chaves, e Suely Santos Silva, presidente da Associação dos Folguedos Populares de Alagoas (Asfopal). Os membros da Secult também participaram do julgamento. DIVERSIDADE CULTURAL

Os Josés e as Marias que fazem parte da relação de mestres selecionados representam a diversidade cultural alagoana através de suas atividades distintas. Enquanto José Sebastião é mestre de guerreiro, José Cícero é mestre artesão. Maria José é mestra das baianas e sua xará, Maria Benedita, é mestra de mané do rosário. A diversidade pode não estar presente nos nomes, mas na prática cultural de cada um ela é flagrante. “A cultura popular abrange diversas áreas. É muito importante ter essa diversificação das pessoas que são contempladas e que têm seus nomes registrados no patrimônio vivo. A comissão tem procurado manter uma leitura diversificada para ter um registro representativo da diversidade cultural”, afirma Viégas.

TESOUROS DA CULTURA Confira a relação dos mestres contemplados pelo Registro do Patrimônio Vivo de Alagoas no período de 2005 a 2011

2005

Maria Flôr dos Santos (Dona Flôr) Rainha de guerreiro Maria José dos Santos Mestra das baianas

Djalma José de Oliveira Mestre de guerreiro – falecido em 2010 Elias Procópio de Lima Mestre violeiro e repentista Irineia Rosa Nunes da Silva Mestra artesã - artesanato em cerâmica José Ricardo dos Santos Neto Mestre de dança de São Gonçalo Juvenal Leonardo Jordão Mestre de guerreiro Luzia Simões da Silva Mestra de chegança e pastoril – falecida em 2010 Manoel Venâncio de Amorim Mestre de guerreiro e pagode – falecido em 2008 Nelson Vicente Rosa Mestre de coco de roda Nivaldo Abdias Bomfim Mestre de guerreiro

2010

João Galdino da Silva (Mestre Bia) Mestre de banda de pífanos José Gonçalves dos Santos (Hilton da Capela) Pandeirista e poeta cantador José Cícero Abdias Bonfim (Cicinho) Artesão José Gomes Pureza (Zé Hum) Pandeirista de chegança e pastoril Juvenal Domingos (Mestre Juvenal Domingos) Mestre de guerreiro Lizanel Cândido da Silva (Mestre Jacaré) Mestre de capoeira Raul Vicente de Queiroz (Raul Vicente) Violeiro, repentista e escritor Teófanes Antônio Leite da Silveira (Palhaço Biribinha) Mestre de artes cênicas

2006

Benon Pinto da Silva Mestre de guerreiro José Sebastião de Oliveira Mestre de guerreiro – falecido em 2010 Maria Benedita dos Santos Mestra de mané do rosário

2011

2007

Maria Vitória da Silva Mestra de guerreiro – falecida em 2009 José Felix dos Santos (Jota do Pife) Mestre de banda de pífano – falecido em 2011 Fernando Rodrigues dos Santos Mestre artesão em madeira – falecido em 2009

2008

Áurea de Barros Tavares Mestra de baianas e pastoril Clarisse Severiano dos Santos Mestra artesã de renda de bilro José Pereira Lima Mestre de reisado

2009

Nelson dos Santos (Nelson da Rabeca) Mestre rabequeiro

Jorge Calheiros Cordelista Anésia Maria da Conceição Rezadeira e parteira João das Alagoas Artesão da cerâmica Artur Moraes dos Santos Mestre de guerreiro André Joaquim dos Santos Mestre de guerreiro Maria de Lourdes Menezes Bonequeira Anadeje Morais da Silva Rainha e coordenadora de guerreiro Expedito Tavares dos Santos Mestre de reisado Severino João da Silva Violeiro e repentista João Pereira Lima Violeiro e cordelista Mãe Neide Ialorixá

Fonte: http://www.cultura.al.gov.br/politicas-e-acoes/patrimonio-vivo 39

setembro/outubro 2011


ARTIGO

GUERREIRO E

IDENTIDADE ALAGOANA TEXTO:

40

TELMA CÉSAR*

FOTOS:

MICHEL RIOS

setembro/outubro 2011


O guerreiro, reconhecido por importantes estudiosos da cultura popular local como um folguedo genuinamente alagoano, caracteriza-se, entre outros aspectos, pela sua indumentária, sobressaindose o uso de esplendorosos chapéus em formato de igrejas, recobertos de espelhos, miçangas variadas e brilhos, em uma profusão de cores que compõem rara beleza plástica. Este texto pretende pôr em discussão a utilização do chapéu do guerreiro como símbolo de identidade alagoana. Diferentemente da maioria dos folguedos que integram as tradições populares do Brasil, é possível localizar o período histórico em que o guerreiro surge em Alagoas, na década de 30 do século 20, podendo ser assim considerado uma manifestação relativamente jovem. Adaptando elementos dos caboclinhos e dos reisados, tem sua musicalidade definida pela base percussiva de um tambor e dos pandeiros tocados pelo palhaço e o Mateus, ambos personagens do folguedo, e pela sanfona e o

canto estruturando a melodia. O mestre é o principal cantor solista, acompanhado pelo coro composto pelos demais integrantes que se dividem entre as figuras que compõem os dois cordões (filas), e os inúmeros personagens, que, em sua maioria, dançam no centro entre os dois cordões. Um dos aspectos marcantes do guerreiro alagoano são os entremeios e as partes. Os entremeios são espécies de esquetes teatrais, encenações desencadeadas a partir de um personagem que, no guerreiro, são inúmeros, tais como lobisomem, jaraguá, boi, entre outros. As partes são consideradas o ponto alto do folguedo, dentre elas destacando-se a parte do índio Peri e a parte da lira. Essas partes estruturam-se como uma espécie de opereta, com os avisos (prólogos), o desenrolar da trama central e o final. O médico e músico alagoano Gustavo Quintela, pesquisador e estudioso do guerreiro, reconhecendo a beleza musical e poética dessa partes e, por outro lado, deparando-se

com a falta de transmissão desse conhecimento, realizou brilhante trabalho de anotação das principais partes do guerreiro: a parte do índio Peri e a parte da lira. Vê-se que a última geração de mestres conhecedores dessas partes já se foi. Restam hoje pouquíssimos mestres que conhecem as partes e muito poucas, para não dizer nenhuma, são as oportunidades de apresentálas, o que torna cada vez mais difícil a vida e a transmissão desse conhecimento. Em 2010, tivemos a partida de mestre Verdilinho e mestre Jaime; em 2009, mestra Vitória e, em 2008, mestre Venâncio. A desvitalização do folguedo é notória no Estado. Sabemos que os grupos de guerreiro configuravamse como verdadeiras trupes mambembes que excursionavam pelo interior do Estado no período natalino e que também na capital abrilhantavam as festas desse período do ano. Essas trupes reuniam pessoas de diferentes idades e seus

41

setembro/outubro 2011


ARTIGO

Laurentino. Sem estrutura e apoio, esses grupos se arrastam de cidade a cidade às custas de esforços pessoais incomensuráveis. Na capital, até a década de 90, ainda era possível ver os ensaios semanais dos grupos em bairros como Chã de Bebedouro e Chã da Jaqueira, que mobilizavam a vizinhança em torno daquele

desenvolvimento do folguedo. Já é possível localizar uma diminuição impressionante do número de grupos no Estado. Na capital, temos apenas os grupos dos mestres Benon Pinto da Silva, Juvenal Leonardo Jordão, Nivaldo Abdias Bonfim, Juvenal Domingues e o André Joaquin dos Santos (que tenta manter ativo o grupo do falecido mestre Venâncio), além

Nos últimos dez anos, é crescente o aparecimento do chapéu de guerreiro como objeto ilustrativo de produtos diversos, eventos das mais variadas áreas – de campeonato de handebol a congressos da área médica

integrantes galgavam posições dentro do folguedo – a maioria deles quando fala sobre sua trajetória nesse campo refere-se ao tempo em que “entrou na profissão”, tamanho era o engajamento e comprometimento com a função de atuar no grupo. Hoje, sabemos que apenas dois grupos ainda atuam no interior percorrendo as cidades da região: os guerreiros dos mestres Nivaldo e José

42

acontecimento que ganhava caráter festivo e onde podíamos ver ainda a participação da juventude local. Atualmente, o que podemos observar nos poucos grupos que mantêm essa prática de ensaio semanal, é que a ação restringe-se ao grupo que ensaia, prestigiado em sua maioria apenas por pessoas idosas. Nesse sentido, a questão da continuidade da tradição fica ameaçada. Esta evasão, inclusive, tem levado os integrantes desses grupos a movimentarem-se no sentido de um grupo frequentar o ensaio do outro de maneira a motivar a permanência dessa prática, tão fundamental para o

setembro/outubro 2011

de Nadeje, que hoje coordena o grupo Leão Devorador, antes liderado por sua mãe, Maria Vitória. Em um movimento contrário a essa situação descendente, (para não dizer decadente) da realidade descrita, nos últimos dez anos, é crescente o aparecimento do chapéu de guerreiro como objeto ilustrativo de produtos diversos, eventos das mais variadas áreas – de campeonato de handebol a congressos da área médica. Há cerca de dez anos foi construído um enorme chapéu de guerreiro, obra do artista plástico Rogério Sarmento, patrocinado por


empresa privada, colocado em um entroncamento em vias de grande fluxo de trânsito de acesso à cidade. A imagem do chapéu de guerreiro tornouse símbolo de Alagoas e de alagoaneidade. O que se percebe, no entanto, é que esse objeto foi totalmente deslocado de seu contexto original como um recorte, uma parte que não diz sobre o todo. Um chapéu sem cabeça. Constata-se, assim, que termos uma apropriação que não alimenta a sobrevivência do objeto gerador do símbolo – o guerreiro. Nessa direção, qual será o futuro deste símbolo? Simbolizar o passado? Segundo Peter Fry (1982:52/53), a conversão de símbolos étnicos em símbolos nacionais não apenas oculta uma situação de dominação racial mas torna

muito mais difícil a tarefa de denunciá-la . A perspectiva proposta pelo autor supracitado, embora toque em dimensões outras que não as específicas ao contexto aqui discutido, parece-me pertinente para pensarmos como o chapéu do guerreiro inicialmente era um símbolo de pertencimento relativo a grupos específicos atrelado ao folguedo em si, e hoje passa a ser usado como símbolo identitário de um Estado. Poderíamos pensar nos porquês dessa escolha e quais as possíveis implicações dela sobre a manifestação simbolizada. Não será esta uma estratégia de ocultamento sobre a real situação na qual se encontra o guerreiro? Numa sociedade de natureza fortemente hierarquizada

43

como a nossa, onde as classes sociais não se misturam, essa parece ser uma apropriação injusta, sem troca, na medida em que não vemos investimentos, na mesma proporção do uso simbólico do chapéu, no sentido de alimentar a sobrevivência e desenvolvimento do guerreiro alagoano. Parece-me urgente pensarmos na implementação de ações que fomentem a vitalidade desse folguedo. A quem caberia essas ações? Às políticas públicas? A cada um de nós? Quem irá colocar a carapuça, digo o chapéu, na cabeça? *É artista da dança, diretora da Cia dos Pés, mestre em Artes pela Unicamp, pesquisadora do grupo de pesquisa Danças do Brasil, vinculado ao curso de licenciatura em Dança da Universidade Federal de Alagoas, onde é professora

setembro/outubro 2011


REPORTAGEM

44

setembro/outubro 2011


PEQUENA NOTÁVEL Criada há 25 anos, a Associação de Folguedos Populares de Alagoas (Asfopal) dribla dificuldades para manter seu trabalho de incentivo e preservação das manifestações culturais alagoanas TEXTO:

VANESSA MOTA

ILUSTRAÇÃO:

MICHEL RIOS

45

setembro/outubro 2011


Vanessa Mota

REPORTAGEM

Criada em 1986, a Associação dos Folguedos Populares de Alagoas continua, mesmo enfrentando dificuldades, sendo a maior representante dos brincantes do folclore alagoano

Reunião mensal da Asfopal, onde são debatidos temas referentes à cultura popular

Durante uma reunião ocorrida em dezembro de 1985, quando cinco mestres da cultura popular, preocupados com o futuro dos folguedos e danças, procuraram o professor Ranilson França, surgiu a ideia de criar uma instituição responsável pela proteção e divulgação do folclore alagoano. Na época, Ranilson era diretor de Difusão Cultural da Coordenadoria de Ação Cultural da Secretaria Estadual de Cultura (Secult) e, assim como os mestres, já nutria um afeto especial pelo folclore. Nascia, no ano seguinte, em 1986, a Associação dos Folguedos Populares de Alagoas (Asfopal), entidade sem fins lucrativos que, dali por diante, representaria os principais grupos de folguedo, atuante na busca por assistência e valorização das manifestações culturais do Estado.

46

Com sede provisória na Secult, que abrigava as reuniões semanais, a Asfopal teve sua primeira eleição em janeiro do ano seguinte. Coordenador do guerreiro Treme Terra, Wilson Correia foi eleito presidente. A primeira diretoria tomou posse em maio, no Museu Théo Brandão, em solenidade que teve a presença de uma das personalidades femininas mais marcantes da cultura popular alagoana, a mestra do guerreiro Joana Gajuru, falecida em 1986. Em março de 1988, o então presidente, Wilson Correia, renunciou ao cargo. Ranilson França assumiu em caráter provisório, tendo como vice o mestre Juvêncio Joaquim, da Chegança Cruzador São Paulo, de Rio Largo. Naquele mesmo ano, a associação recebeu o primeiro convite para que um de seus grupos associados se apresentasse fora do Estado.

setembro/outubro 2011

Foi também em 1988 que a professora alagoana Josefina Novaes, que foi presidente da instituição de 2007 a 2011, acabou, quase por acaso, associando-se. “Quando fui trabalhar na Coordenadoria de Ação Cultural, na Secult, Ranilson pediu para que substituísse a secretária, que havia faltado à reunião. Acabei entrando e estou até hoje”, conta. Em dezembro, a Asfopal realizava a primeira edição do projeto Natal nos Bairros, que circulava pela cidade resgatando os tradicionais festejos típicos da época. A ideia era elogiada pela população, que gostava de ver as apresentações de folguedos natalinos, como o pastoril e o reisado. Em 1999, a instituição recebeu uma espécie de reconhecimento pelo trabalho que vinha realizando. Quando a produção do programa


Arquivo Asfopal

Fantástico, da TV Globo, chegou à cidade para gravar uma reportagem sobre o coco de roda alagoano, foi à Asfopal que a equipe recorreu para buscar não apenas os contatos para as entrevistas, mas também as informações sobre um dos folguedos mais tradicionais de Alagoas. Nas comemorações dos 15 anos da Asfopal, em 2000, o engenheiro Edson Novaes apresentou o projeto de construção da vila Joana Gajuru, que abrigaria casas para 52 mestres associados à Asfopal, com praça central para ensaios e sede permanente para a associação. O conjunto foi invadido e a atual gestão da associação busca a retomada da área. Em 2001, a Asfopal lançou outro projeto, o Caminhão do Forró, que, com o apoio da Lei Municipal de Incentivo à

Organizada pela Asfopal, a apresentação do pagode Comigo Ninguém Pode celebrou o Dia do Folclore, em 1997

transformadas em palco para a apresentação dos mais diversos folguedos. Quando Maceió foi eleita Capital Americana da Cultura (CAC), em 2002, a Asfopal participou da elaboração de projetos, dentre os quais estava a inauguração de sete múcleos de tradições populares

espalhados pela cidade, embora somente um deles, no Pontal da Barra, tenha sido inaugurado. No mesmo ano, foi lançado o CD Folclore Alagoano – Folguedos e Danças, registro fonográfico

das principais manifestações folclóricas de Alagoas, com o apoio da Fundação Municipal de Ação Cultural (FMAC). Em 2003, a Asfopal deu início a um projeto que, durante algum tempo, garantiu a apresentação sistemática de folguedos populares alagoanos. Graças à dedicação de Ranilson França e sua equipe, o Engenho de Folguedos entrou para o calendário cultural da capital alagoana. Os ensaios abertos dos grupos folclóricos eram realizados semanalmente, sempre às quintas-feiras, no pátio do Museu Théo Brandão de Antropologia e Folclore. O objetivo era levar à população a existência dos grupos e a diversidade cultural do Estado. Depois de algum tempo suspenso e da realização do projeto no Museu Palácio Floriano Peixoto, o Engenho de Folguedos foi relançado no

47

setembro/outubro 2011

Uma das principais ações empreendidas pela Asfopal foi o Caminhão do Forró, que percorria, durante o período junino, diversos bairros de Maceió Cultura, circulava, durante o período junino e sempre às sextas-feiras, em bairros da capital alagoana. A carroceria do caminhão e as praças onde ficavam estacionados eram


Michel Rios

REPORTAGEM

As pessoas precisam voltar o olhar para a riqueza cultural que temos. Somos um dos estados que mais possui manifestações folclóricas Suely Sanos Silva

Presidente da Asfopal

último mês de agosto, com o apoio da Secult. Nesta nova edição, o projeto é realizado sempre na última quarta-feira do mês, a partir das 20h, no pátio do Museu Théo Brandão, instituição parceira da Asfopal. No ano seguinte à criação do Engenho de Folguedos, o governo do Estado decretou a Lei Estadual do Registro do Patrimônio Vivo, através da qual vários mestres da cultura popular alagoana passariam a receber ajuda financeira mensal vitalícia (confira reportagem sobre o projeto nas págs. 36 a 39). NOVOS RUMOS No dia 14 de agosto de 2006, Ranilson França, fundador e

48

então presidente da instituição, falece vítima de câncer. Mestre Juvêncio assumiu a presidência da Asfopal. Em março de 2007, Josefina Novaes é eleita para o cargo. “Fui pressionada a assumir. A responsabilidade de substituir Ranilson era grande, quase impossível. Todos estavam chocados e tristes com sua morte. O que realmente me motivou a encarar o desafio foi a possibilidade de ver um trabalho de vários anos acabar e deixar os mestres sem rumo”, conta Josefina. Em 2008, mesmo ano em que a Asfopal ganhou um assento no Conselho Estadual de Cultura, o projeto Engenho de Folguedos foi paralisado. O retorno só aconteceu 21 meses depois, através de um convênio

setembro/outubro 2011

firmado entre a instituição e a Secult. As apresentações passaram a ser realizadas nos jardins do Museu Palácio Floriano Peixoto, na Praça dos Martírios, Centro de Maceió. Em dezembro de 2010, a instituição comemorou seus 25 anos de fundação com o lançamento do livro Asfopal: 25 Anos Brincando Sério, que reúne fotos e dados que contam um pouco de sua história, além da biografia dos mestres da cultura alagoana que contribuíram para o crescimento da associação. “O livro é um registro desta caminhada, com pouco apoio, mas com muita vontade de vencermos”, explica Josefina, que assina a obra. Na última eleição para a


direção da Asfopal, ocorrida em março de 2011, foi eleita Suely Santos Silva, que acompanhou a trajetória de Ranilson França desde que foi sua aluna, tornando-se uma apaixonada pela cultura local. Ela ressalta que o trabalho com os grupos de folguedos não se resume somente ao momento das apresentações. Segundo Suely, existe todo um cuidado com a saúde dos mestres, que, em sua maioria, já estão em idade avançada. “Procuramos sempre resolver todas as questões colocadas por eles quando conversamos em

Arquivo Asfopal

Encontro histórico de mestres da cultura popular associados da Asfopal, nos anos 1990

um trabalho integrado. A figura do presidente representa legalmente a instituição, mas nosso trabalho é feito em conjunto”. Ela aponta como sua principal missão manter vivo o que considera como sendo o papel principal da Asfopal: buscar a união entre os grupos e trabalhar na conscientização a respeito do valor dos folguedos.

A maioria dos grupos de folguedos queixa-se dos contratos: são poucas as pessoas que respeitam a necessidade de fornecimento de transporte e alimentação para os brincantes nossas reuniões quinzenais”, diz. A presidente faz questão de ressaltar que todos os méritos obtidos pela associação devem-se ao esforço de todos que a compõem. “Mantemos

Suely relata que, muitas vezes, quando as pessoas querem contratar um grupo, não respeitam suas necessidades mínimas, como transporte e alimentação, e parecem

49

esquecer que, para manterem vivos os grupos, os mestres necessitam construir suas indumentárias, preservar sua sede etc. Além disso, a nova presidente busca também a retomada do conjunto habitacional Joana Gajuru, atualmente ocupado por invasores. Hoje, uma das maiores preocupações de Suely Santos diz respeito à missão da Asfopal: a necessidade de valorização da cultura popular alagoana. “As pessoas precisam voltar o olhar para a riqueza cultural que temos. Somos um dos estados que mais possui manifestações folclóricas. Precisamos que as pessoas voltem o olhar para que Alagoas possa investir também num turismo cultural, trazendo os turistas para as comunidades em que vivem os mestres, para que conheçam a história e saibam da importância desses grupos”, conclui.

setembro/outubro 2011


ARTIGO

ALAGOAS:

UMA CULTURA POPULAR PARA CHAMAR DE SUA TEXTO:

50

CÁRMEN LÚCIA DANTAS*

setembro/outubro 2011

FOTOS:

RICARDO LÊDO**


Devido à sua formação eminentemente agrária, o Estado de Alagoas desenvolveu, desde a origem, uma base cultural marcada pelo meio rural. Por outro lado, a extensa faixa litorânea serviu de “porto e porta” para o estrangeiro, compreendido por uma vasta gama de produtos e gêneros procedentes das grandes metrópoles. Dentre as importações trazidas de alémmar, as sedas, as porcelanas e as ferramentas ocupavam lugar de destaque dividindo espaço com alimentos e especiarias. Seguindo a lógica da oferta e da procura, pelo porto entrava tudo aquilo que aqui encontrasse receptividade – do azeite e do bacalhau ao queijo do reino –, ao tempo em que exportávamos para outras capitais e países produtos agrícolas produzidos predominantemente nas lavouras de cana-de-açúcar e, em menor escala, nas plantações de algodão e de arroz. Essa dinâmica reforçava o fato de que o lastro cultural era mesmo o campo, com sua tradição voltada para os

produtos oriundos da terra e onde se concentrava grande parte da população de todas as camadas sociais. E, se quanto mais agrário o povo, maior a força de sua cultura popular, sedimentada a partir da integração ao modo de vida da população que a mantém, claro que Alagoas é solo muito fértil de inspiração folk. Produto daquilo que os antropólogos chamam de Brasil Profundo, essas manifestações resultam da relação direta do homem com seu local de origem. Embora não seja abrangente e universal por se tratar de algo subjetivamente limitado ao tempo e ao lugar, a cultura popular representa o selo identificador da comunidade. Basta observarmos os modos de vida e de pensar dessas populações para estabelecermos uma linha perene e determinante em fatores que vão das técnicas de trabalho na agricultura até a culinária, culminando com o repertório imaginário de suas criações. Lendas, provérbios, sotaque, danças, superstições são apenas algumas das referências que compõem

51

o vasto horizonte das manifestações regionais. Dessa maneira, a perpetuação da temática recorrente e das crenças se materializa num aprendizado contínuo transmitido entre gerações. A tradição dos mais velhos é ajustada aos hábitos adquiridos pelos jovens e esse conhecimento sucessivamente se transforma e se mantém. Acumulamos exemplos de atividades artesanais desenvolvidas em Alagoas e cujo produto, ainda que voltado para o consumo interno da comunidade, faz girar a economia de pequenos centros urbanos e povoados. Estamos falando de artefatos variados e voltados para diferentes fins: armadilhas de pesca e de caça, trajes e apetrechos de couro do vaqueiro, panelas e jarros de barro, bonecas de pano, toalhas de renda e peças de mobiliário, dentre tantas outras. Utensílios que, apesar da difusão massificada dos objetos industrializados, são demandados dentro e fora do Estado exatamente pelo feitio artesanal.

setembro/outubro 2011


ARTIGO

A artista popular Irinéia, do povoado Muquém, de União dos Palmares

LAGOAS RENDADAS Não por acaso o Estado está na linha de frente dos produtores de renda e bordados do país. Podemos situar a área das lagoas como importante polo da produção de estilos e técnicas diferenciadas, cuja quantidade que chega aos pontos de venda, sobretudo do filé, é suficiente para abastecer o mercado de Maceió. A concentração da feitura de renda de bilros no agreste do Estado, situada no município de São Sebastião, também se destaca entre as mais procuradas, devido à qualidade do trabalho e à tradição dos pontos. Já em Marechal Deodoro a renda singeleza, que

52

em anos anteriores estava em processo de extinção, teve sua técnica reativada por um grupo de artesãs responsáveis por trazê-la de volta ao mercado do artesanato. Em se tratando de arte popular, no âmbito da escultura brasileira contemporânea, Alagoas se sobressai em relação aos demais estados. O incremento, a partir dos anos 1980, da produção de esculturas em madeira justifica essa peculiaridade. O surgimento de diversos núcleos de artistas identificados por especificidades estilísticas bem definidas foi responsável pela formação de verdadeiras escolas de escultores. Merecem registro a imaginária de Arapiraca, a fauna escultórica dos Marinheira, em Boca da Mata, a mobília de raiz e as figuras expressivas do mestre Aberaldo, da Ilha do Ferro, em Pão de Açúcar que, juntas, compõem o núcleo principal dessa modalidade artística, cujas peças são procuradas por colecionadores, designers e marchands e estão expostas em museus e galerias dentro e fora do País. ARTESANIAS E DEMANDAS

Em toda parte do Estado, arte e artesania estão presentes como elementos fundamentais para a compreensão da

setembro/outubro 2011

economia informal. Atendem não apenas as comunidades, mas a partir de 1970 passaram a focar diferentes demandas turísticas que variam do colecionador atento ao comprador de souvenir. Nesse contexto, as peças de barro confeccionadas a partir do massapé e inspiradas na temática regional têm ampla procura. Nomes como João das Alagoas, do município de Capela, ganharam notoriedade. Conhecido como o mago da cerâmica, arregimentou aprendizes que multiplicam a arte do mestre. Outro exemplo marcante no campo da escultura em barro é o da premiada mestra Irinéia com suas cabeças votivas que servem de inspiração a inúmeros ceramistas da Vila do Muquém, em União dos Palmares. OS PASSOS DOS BRINCANTES

Além do universo da cultura material, o Estado ainda preserva as suas danças folclóricas originadas à frente das capelas dos engenhos e das praças das igrejas em períodos de comemorações natalinas e dos festejos sacroprofanos. Trata-se de uma herança secular, forjada na miscigenação portuguesa, indígena e africana, cujos enredos sequenciam louvores ao nascimento de Jesus Cristo,


entrelaçados a acontecimentos épicos da história medieval portuguesa. Nas versões atuais, os pastoris, presépios, cheganças, marujadas, baianas, taieira e quilombos adquiriram acréscimos inventivos, fruto da fértil imaginação dos mestres ensaiadores. O reisado e o guerreiro são, sem sombra de dúvida, os mais cenográficos dos folguedos, enquanto o guerreiro, além da beleza gestual e do colorido da indumentária, conquistou representatividade especial entre os alagoanos. A justificativa está no fato de ter nascido na Zona da Mata do Estado, entre os municípios

Mestre na criação de peças em madeira, o artista Manoel da Marinheira e filhos no ateliê da família, em Boca da Mata

de reis, ambas portuguesas, começou a ganhar novos passos, novas jornadas, chapéus e adereços mais elaborados, dando origem a

Em toda parte do estado, arte e artesania estão presentes como elementos fundamentais para a compreensão da economia informal. Atendem não apenas a comunidade, mas também turistas de Viçosa, Capela e União dos Palmares, na primeira metade do século 20. Nessa época, havia uma efervescência cultural nos festejos interioranos, com franca participação popular. As brincadeiras se multiplicavam e o reisado, derivado das janeiras e folias

uma nova modalidade que veio a se chamar guerreiro. Também conhecidas por folguedos, essas brincadeiras foram registradas pelo folclorista Théo Brandão no livro Folguedos Natalinos, considerado um clássico da literatura de assuntos folclóricos do Nordeste.

53

O registro do etnógrafo possibilitou não apenas o entendimento acadêmico das manifestações, mas que não se perdesse com o tempo a formação original. Por conta dessas informações etnográficas, ainda que tenham surgido acréscimos às manifestações, é possível recorrermos às referências iniciais o que, sem dúvida, fortalece a coerência atemporal das brincadeiras e dos brincantes. Somados e contextualizados aos tempos atuais, os diferentes fazeres artísticos mantêm a tradição e perpetuam a identidade cultural de Alagoas, cuja origem está sedimentada em bases genuinamente populares. *É museóloga ** O fotógrafo cedeu as imagens, gentilmente, à revista Graciliano.

setembro/outubro 2011


REPORTAGEM

POR DENTRO DO MUSEU Criado há 36 anos pela Universidade Federal de Alagoas, o Museu Théo Brandão de Antropologia e Folclore abriga um dos mais importantes acervos da cultura popular do Nordeste. Apesar de sua importância, ainda há muitos alagoanos que nunca visitaram o espaço. A Graciliano fez todo o circuito e traz um guia ilustrado do que o visitante encontrará por lá TEXTO:

54

JANAYNA ÁVILA

FOTOS:

setembro/outubro 2011

MICHEL RIOS


55

setembro/outubro 2011


REPORTAGEM

BRAVA GENTE ALAGOANA A primeira sala do circuito é uma espécie de índice do que será visto pelo visitante. Nela está retratada a cultura alagoana, através de imagens do fotógrafo Celso Brandão e de objetos. Há também um pequeno memorial em homenagem ao folclorista Théo Brandão, patrono do museu, com medalhas, fotos doadas pela família e livros originais.

FAZER ALAGOANO A sala traz uma pequena, mas significativa, mostra do artesanato alagoano em palha, madeira e cerâmica, além de rendas e bordados, como o filé, o boa noite, o rendendê e a renascença.

56

setembro/outubro 2011


SABOR ALAGOANO A gastronomia alagoana não é especial apenas nas receitas. Os utensílios usados na cozinha expressam a influência das três culturas, especialmente da contribuição indígena. Há panelas de cerâmica, colheres e outras peças feitas de madeira e casca de coco. Nas paredes, uma receita de tapioca, um dos nossos quitutes mais conhecidos.

O QUE HÁ DE NOVO Há muitos talentos na arte popular alagoana. Com o apoio da Petrobras, o museu premiou alguns dos mais criativos e, graças a esse reconhecimento, nesta sala os visitantes têm a oportunidade de conferir a obra de cinco deles: Fernando Rodrigues, Resendio, mestre Vieira, Véio e Fida.

57

setembro/outubro 2011


REPORTAGEM

FÉ Um dos traços mais marcantes do Nordeste é a religiosidade. A sala, composta por dois ambientes, retrata a força dos ex-votos (objetos que simbolizam o agradecimento por uma cura) e o sincretismo religioso. Há imagens de santos e divindades do catolicismo, do candomblé, da umbanda e de outras religiões.

58

setembro/outubro 2011


Divulgação

FOLGUEDOS POPULARES Chapéus do guerreiro, vestimentas do pastoril e outros acessórios dos folguedos populares estão em exposição nesta sala. É possível conferir a riqueza de detalhes das peças, que integram a coleção mantida, durante anos pelo folclorista Théo Brandão.

59

setembro/outubro 2011


REPORTAGEM

CARNAVAL A festa mais popular do Brasil é um desfile de manifestações da cultura popular, com blocos, bonecos, passistas e folguedos típicos do período. Em exposição, na sala Carnaval, estandartes de diversas agremiações carnavalescas – algumas delas já extintas, como Os Marítimos, 11 Mil Virgens e Bomba Atômica. Há ainda máscaras de papel machê, boi de carnaval e o Jaraguá, uma espécie de jacaré que, segundo a lenda, deu nome ao bairro histórico. A boneca gigante da Mamãe, do bloco Filhinhos da Mamãe, cujo local de concentração para o desfile é no pátio do museu, repousa nesta sala enquanto o carnaval não chega.

60

setembro/outubro 2011


SERVIÇO Museu Théo Brandão de Antropologia e Folclore Av. da Paz, 1.490, Centro Maceió, AL Visitação: de terça a sexta-feira, das 9h às 17h; aos sábados, das 14h às 17h Ingressos: gratuito para estudantes da rede pública; R$ 1 para estudantes da rede privada e R$ 2 para demais visitantes Mais informações: 3221.2651

61

setembro/outubro 2011


ARTIGO

BOI

TARJA PRETA?

as acirradas Boi de carnaval alagoano: hoje, centro de disput

TEXTO:

62

BRUNO CÉSAR CAVALCANTI

setembro/outubro 2011

FOTOS:

RENATA VOSS


Os grupos de bumba-meuboi pululavam pelas ruas de Maceió nos anos 1980 e 1990 durante o verão, especialmente entre o Natal e o Carnaval. Hoje, começam a escassear nessa função mais espontânea e improvisada de sua existência entre nós, tornando-se raro serem vistos aquém ou além daquela arena das disputas anuais promovidas pela Fundação Municipal de Cultura na orla da Pajuçara. O que estaria ocorrendo com essa expressão popular e juvenil dos folguedos locais que, até há alguns anos, pareciam crescer sem parar, gestando, inclusive, pioneiras (e também já finadas) vacas? Por outro lado, como se manifestam e onde se encontra o seu (novo) crescimento? Enfim, que sentidos animam sua atual e distinta existência? Os estudiosos do bumbameu-boi alagoano, como Arthur Ramos, Théo Brandão e Abelardo Duarte, já haviam constatado a particularidade do boi alagoano, a relativa distância que a brincadeira manteve em Alagoas com relação ao auto dramático acerca da estória do vaqueiro e de sua mulher grávida,

comum em outras partes do Brasil; sendo o nosso boi quase sempre um entremeio nos antigos reisados e guerreiros. Em cada parte do País, e notadamente no Norte/Nordeste, o folguedo assumiu uma forma própria de contar esse enredo de fundo envolvendo a morte/ ressurreição do animal; em Alagoas, contudo, o divertimento costumava imiscuir-se em outros folguedos. Era entremeio de reisado ou de guerreiro. Essa característica, no entanto, foi rompida quando desse advento contemporâneo dos bumbameu-boi autônomos nas ruas, soltos, livres e quase sempre ligados às festas momescas, aparecendo nos bairros à cata de recursos para viabilizar a presença do grupo nos dias de Carnaval, em grupos formados por pequeno número de componentes. De tanto aparecer assim acabaram sendo chamados de boi de Carnaval ao invés de bumbameu-boi, denominação essa preferida por seus brincantes diretos, pois almejavam aparecer em outras datas e circunstâncias da vida coletiva

63

da cidade (festas escolares, semana do folclore, entre outros). Esses bois de nossas ruas chamavam atenção ainda por suas denominações curiosas, muitas vezes aludindo a outro animal: Lacrau, Tigre, etc. O forte atrativo da brincadeira era o boi propriamente, multicolorido, construído artesanalmente pelo grupo de brincantes e com recursos próprios. Além disso, a figura do vaqueiro condutor do boi, alguns bobos, la ursas e mascarados que o acompanhavam, além do pequeno grupo percussivo de garotos responsáveis pelo som a embalar o cortejo. Era tudo. No mais, apenas a curiosidade e o entusiasmo da audiência poderia dotar o boi de um desfile acrescido da presença dos espectadores encantados com a performance. Se seguirmos Arthur Ramos, talvez possamos afirmar que a vinculação emblemática dos bois com nomes de outros animais seja uma reminiscência dos antigos ranchos, grupos carnavalescos que antecederam as escolas de samba e que portavam nomes de animais como

setembro/outubro 2011


ARTIGO

cachorro, águia, peixe e outros. Ramos quer acreditar que o bumba-meu-boi é “o mais típico, o mais geral dos autos

boi como uma expressão do folclore negro alagoano, e, citando Mello Morais, aponta sua incontestável vinculação com as classes mais populares, como um “folguedo da ralé”, na expressão que repete daquele. O autor de O Folclore Negro das Alagoas também assistiu a apresentações da antiga forma de auto popular, em Taperaguá (Marechal Deodoro); e dentre os inúmeros personagens que compunham essa antiga forma, cita, além do Mateus e da Catirina, a presença do folharal, da burrinha, do jaraguá, do mané pequenino, do mortovivo, e ainda de outros bichos. Portanto, o bumba-meu-boi a que assistíamos percorrendo as ruas da cidade guardava certa linha de continuidade

Assim como ocorre com os desfiles das escolas de samba, o novo formato dos grupos de bois encena enredos, homenageia personalidades e temas locais populares brasileiros”, sendo uma das formas assumidas pelo denominado Ciclo do Boi, que incluiria todo um conjunto de manifestações onde o animal se faz presente, como os presépios ou as festas do ciclo do vaqueiro. Por seu lado, Abelardo Duarte enquadra a brincadeira do bumba-meu-

64

com as formas anteriores de sua aparição entre nós, mesmo que claramente simplificando sua anterior inflação de personagens e, assim, adaptando-se às novas condições de existência numa estrutura bastante simples, mas, ao que tudo indica, ganhando em termos estéticos

setembro/outubro 2011

uma nova dimensão plástica através do investimento cênico incidindo prioritariamente sobre as belíssimas, e barrocas, carcaças desses bois contemporâneos. Hoje, e unicamente por ocasião do concurso anual de bumba-meu-boi, eles se apresentam em encenações demoradas, com enredos que solicitam a participação de muitos elementos, de cenários (e de cenógrafos), de figurinos trabalhados e variados, sobretudo com o envolvimento de vários componentes, se comparados à estrutura simplificada do boi de rua, com o vaqueiro e o grupo de percussão, além de alguns bobos mascarados. Tal qual ocorre com os desfiles das escolas de samba, esse novo formato dos grupos de bois encena enredos, homenageia personalidades e temas locais. E assim, os custos de produção e de apresentação de um boi se elevaram rapidamente, o tempo de preparação também; sendo preciso, cada vez mais, certa estruturação empresarial capaz de garantir o sucesso do grupo, para além da apresentação em si. Esse diferencial modelo em que vemos metamorfosear-se a brincadeira – de estrutura outrora tão simples – representa, ao que nos parece, o paradoxo atual do bumba-meu-boi alagoano. Reconheçamos que essas


transformações representam um direito legítimo que lhes cabe, uma maior racionalidade e perspectiva empresarial, mas, caberia perguntar, estariam cientes do que ganham e perdem com isso? É certo que outras mudanças também ocorreram quando de sua aparição nas ruas de Maceió, nas décadas citadas no início desse texto, como, por exemplo, a presença crescente de mulheres na brincadeira. Nesse caso, víamos nascerem as vacas, num mecanismo de adequação àquela estrutura simples. Atualmente, as mulheres comparecem integrando alguma forma coreográfica adicional, participando da produção ou mesmo compondo o backing vocal do grupo cantante que integra a banda que executa o acompanhamento do boi. Porém, a grande mudança parece ser o desvio da atenção sobre o boi propriamente, com aquela condensação de beleza centrada em sua carcaça que o caracterizava. Agora é um conjunto harmônico maior a que se deve fazer atenção. Sem querer parecer valorativo nesse comentário – afinal continuam belos em suas aparições caprichadas – caberia insistir na pergunta acerca da perda de autonomia causada pela elevação do custo de sua (nova e sofisticada) existência. Foi nessa condição de brinquedo popular, espontâneo

e de estrutura simples que o conhecemos, que vimos o seu advento em nossa contemporaneidade sempre ligado aos bairros tradicionais e populares de Maceió. Daí por que facilmente víamos circular nas ruas da Ponta da Terra, do Poço, do Jacintinho e, depois, acompanhando a expansão da cidade, por outros bairros. As mudanças recentemente introduzidas ocorreram antes que uma ortodoxia se estabelecesse, por obra e força do prestígio e admiração amplamente difundida que apenas começaram a experimentar. Provavelmente, esses novos rumos já sinalizam alguma intervenção externa ao grupo original de brincantes, cujos desdobramentos apenas vislumbramos, no momento atual. Continuarão a manter esse vínculo de autonomia que os caracterizam ou, ao contrário, dependerão cada vez mais do poder público e/ou de algum financiador privado que lhe permute a antiga liberdade pelo

65

elogio encomendado? Bom, de todo modo, parece tratar-se de uma fase de transição para um modelo futuro. Quando e como virá a estabilizarse numa formatação mais ou menos permanente não sabemos. Esperamos, ao menos, que saibam manter o controle e o comando sobre essas mudanças em curso, que saibam avançar ou recuar. Como na música de Wado e Realismo Fantástico, aqui também, pode-se dizer, o boi brincado atualmente parece aproximar-se de uma solução do tipo “tarja preta”, ou seja, “é remédio forte não convém”, mas, como insiste a mesma canção “é pra quem tira aprendizado e alegria do que também não é bom”. *Antropólogo e professor universitário (Laboratório da Cidade e do Contemporâneo/Instituto de Ciências Sociais - Ufal)

setembro/outubro 2011


ARTIGO

RANILSON

FRANÇA, GUERREIRO DO FOLCLORE ALAGOANO

Há cinco anos, Alagoas perdeu um dos maiores defensores da cultura popular

TEXTO:

66

JOSEFINA MEDEIROS NOVAES*

setembro/outubro 2011

ILUSTRAÇÃO:

WEBER SALLES


67

setembro/outubro 2011


Arquivo da Família

ARTIGO “Ser estrela nesse mundo passageiro é um desafio, mas acima de tudo uma recompensa. É nascer e ter vivido e não apenas existido”. (Anônimo)

Ranilson França durante apresentação de um dos folguedos mais populares de Alagoas, o Guerreiro

Ranilson França de Souza encarou o desafio, viveu, existiu. Enfrentou o desafio de defender a preservação e a valorização das nossas autênticas manifestações culturais. Filho orgulhoso da Chã do Pilar, costumava dizer que tinha nascido ao som dos guerreiros e de tantos outros folguedos e danças que participavam das festas populares da sua cidade natal. Logo cedo reconheceu a beleza do colorido das indumentárias dos grupos, dos chapéus de guerreiros com seus espelhos, contas e fitas, dos adereços que davam cor aos grupos de baianas. Tornou-se um estudioso do nosso folclore. Da teoria à prática, adotou o convívio com os mestres, o seu principal

68

meio de aprendizado. Deu carteira de identidade a cada um deles, com direito a foto, nome, sobrenome, assinatura ou polegar. Com isso, saíram do anonimato, deixando de serem instrumentos de trabalho de pesquisadores e estudiosos para serem respeitados e reconhecidos como pessoas e representantes maiores do saber popular, alma do grupo, onde colocam a marca de suas personalidades. Fez de cada mestre um amigo, sempre pronto a ouvi-los e animá-los. Certa vez, passou mais de duas horas conversando com os mestres Jayme de Oliveira e João Terto a respeito do guerreiro de Alagoas e, ao final, Ranilson, que tinha dois cursos superiores, comentou:

setembro/outubro 2011

“Tenho muita inveja do saber desses mestres”. Seus finais de semana eram dedicados quase sempre a andanças pelo interior do Estado, como verdadeiro garimpeiro do folclore, parando nas feiras para ouvir os repentistas, os trios de forró, as bandas de pífano. À noite, descobria sempre um ensaio de um grupo de guerreiro, chegança ou reisado e lá estava, misturando trabalho, lazer, realização. Viveu sempre à procura de uma política que garantisse a sustentabilidade dos grupos. Criou a Associação dos Folguedos Populares de Alagoas (Asfopal), no ano de 1985, com o objetivo de preservar, valorizar e divulgar o folclore alagoano. As reuniões lhe davam a oportunidade de agregar um punhado de mestres da mais alta estirpe do folclore local e, ao mesmo tempo, agregar-se a eles. As reuniões sempre acabavam em festa, ao som de um pandeiro,


Arquivo da Família

ao cantar de uma bela peça do guerreiro, de um repente ou de uma jornada do pastoril. Deu vida ao programa Balançando o Ganzá, levado ao ar todos os sábados, durante mais de 25 anos. A sala de gravações tornava-se a sala de visita de inúmeros mestres que iam contar suas andanças pelo folclore, cantar suas peças, declamar suas rimas. Fã incondicional do forrozeiro Dominguinhos, a quem chamava de “mestre”, dedicou alguns anos de sua vida em pesquisar a trajetória do seu ídolo, o que resultou no livro intitulado De Nenen a

Uma das maiores diversões de Ranilson era acompanhar a apresentação de folguedos em diversas cidades do interior de Alagoas

redondas, projetos culturais exitosos, como Mestre na Escola e Engenho de Folguedos. Foi secretário estadual de Cultura, membro do Instituto Histórico e Geográfico

Durante mais de 25 anos, Ranilson apresentou o programa Balançando o Ganzá. Nele, os mais importantes mestres do folclore alagoano falavam da alegria de dedicar a vida à cultura popular Dominguinhos, lançado poucos meses antes de sua morte, em 2006 Sem dúvida, sua vida foi dedicada às manifestações populares e aos seus representantes. Pensava constantemente em novos meios de divulgar os mais autênticos e diversificados grupos folclóricos do Estado, criava seminários, mesas-

de Alagoas, professor de Folclore do Centro de Estudos Superiores de Maceió (Cesmac), coordenador de ação cultural das secretarias estaduais de Cultura e de Educação. Professor Ranilson, como era carinhosamente chamado pelos mestres, realmente existiu. Fez da humildade, marca do seu caráter, o caminho que o levou à grandeza. Tratava a todos com

69

respeito, independentemente de classe social, e sempre com uma palavra de otimismo. Para os mestres, foi um verdadeiro pai. Tirava de seu próprio bolso a ajuda para a compra do remédio, para o gás, para completar o aluguel, pois tinha a consciência do abandono e da miséria social em que vivem. Foi estrela aqui na Terra. Num mundo que passa depressa, soube marcar presença, fazer amigos, ser companheiro, lutar por uma causa, por um ideal, ser luz, permanecer, ficar. Amava profundamente o que fazia e contagiava a todos os que, com ele, tiveram o privilégio de trabalhar, ensinando e despertando o valor e a beleza do saber popular. Aos 53 anos, quase todos dedicados ao folclore, foi ser estrela no céu, deixando um legado para as futuras gerações, de perseverança e obstinação em prol da preservação da nossa identidade cultural. *Foi presidente da Asfopal de 2006 a 2011 e é funcionária pública estadual

setembro/outubro 2011


DOCUMENTA

ROTEIRO DE SABERES Realizada pela Universidade Federal de Alagoas, pesquisa inédita constrói um conjunto de 30 mapas do patrimônio imaterial alagoano VANESSA MOTA

Quando a pesquisa Mapeamento do Patrimônio Cultural Imaterial começou a ser realizada, em 2009, a professora do curso de Geografia da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), Paula Stroh, coordenadora do projeto, esperava obter um panorama da cultura popular alagoana, representado através de

70

mapas. Realizada em parceria com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), a pesquisa resultou na construção de 30 mapas que apontam para a variedade da cultura popular e tornouse o trabalho de conclusão de curso do hoje geógrafo Thyago Soares, que integrava o grupo de bolsistas atuantes

setembro/outubro 2011

no projeto. De acordo com o relatório final da pesquisa, o mapeamento funciona como um “guia ou roteiro de viagem bibliográfica e documental pelo universo simbólico, ‘glocultural’ e socioantropológico acerca de lugares, mitos, lendas, saberes, memórias, ofícios, assim como de instituições, indivíduos e grupos sociais que vivem,


expressam, fundamentam ou sustentam a criação e a reprodução das ideias do que seja a cultura alagoana”. O levantamento foi realizado de acordo com o conceito de patrimônio imaterial definido pelo Programa Nacional do Patrimônio Imaterial (PNPI), do Iphan, e de acordo com as diretrizes do Inventário Nacional de Referências Culturais (INCR), que os divide em cinco categorias: ofícios e modos de fazer; formas de expressão; lugares; celebrações e edificações. Para isso, os pesquisadores – compunham a equipe, além de Paula e Thyago, os professores Bruno César

Cavalcanti, Celso Brandão, Geísa Brayner e Rachel Rocha, e os estudantes Breno Matias de Albuquerque, Emerson Mamede Ferreira, Larissa Lisboa, Leonel Cavalcante Lisboa Neto, Lisandra Pereira dos Santos, Maira Henrique Paiva, Osvaldo dos Reis Mendonça e Carlos Jorge Thiago Araújo Filho – utilizaram acervos públicos de 17 instituições, além de alguns acervos particulares. “A pesquisa foi desenvolvida por equipe multidisciplinar de professores-pesquisadores e graduandos vinculados aos campos da Sociologia, Antropologia, Arquitetura,

História, Geografia e Artes, o que permitiu a constituição do espectro interdisciplinar do objeto da investigação”, explica a coordenadora do projeto. Segundo Thyago Soares, os mapas foram elaborados utilizando as formas de tratamento de dados e de representação mais adequadas, já que os objetos mapeados são dinâmicos. Todos os mapas trazem pontos que representam as expressões culturais de acordo com as pesquisas já citadas. Nesta edição, a GRACILIANO traz quatro dos 30 mapas que compõem a pesquisa. Confira.

71

setembro/outubro 2011


Dança de São Gonçalo

Quadrilha

Dança da Buá

Negra da Costa

Samba de Matuto

Toré de Índio

Lundu

Xaxado

Forró Pé de Serra

Casamento Matuto

Pompom ferrugem

Samba de Coco

Bate-Coxa

Belo Monte

Dois Riachos

Batalha

Enterro da “cabeça de boi”

Porongo

Palestina

Olivença

Jacaré dos Homens

Monteirópolis

Olho D’Água das Flores

Chaleirinha

São José da Tapera

Carneiros

Santana do Ipanema

Baianas

Pão de Açúcar

Senador Rui Palmeira

Poço das Trincheiras

Maravilha

Blocos carnavalescos Os Trovadores e Borboletas

Piranhas

Inhapi

Canapi

Ouro Branco

Coco alagoano

Olho D’água do Casado

Água Branca

LEGENDAS

Delmiro Gouveia

Pariconha

Mata Grande

Traipu

Jaramataia

Major Isidoro

Cacimbinhas

Lagoa da Canoa

São Brás Porto Real Do Colégio

Olho D’Água Grande

Campo Grande

Craíbas

Estrela de Alagoas

Girau do Ponciano

Minador do Negrão

Igreja Nova

Penedo

Campo Alegre

Anadia

Feliz Deserto Piaçabuçu

Junqueiro

Limoeira de Anadia

Pindoba

Viçosa

Chá Preta

Maribondo

Teotônio Vilela

Mar Vermelho Tanque D’Arca

Taquarana

Belém

São Sebastião

Coité do Nóia

Feira Grande

Arapiraca

Igaci

Palmeira dos Índios

Paulo Jacinto

Quebrangulo

DANÇAS E CORTEJOS

Coruripe

União dos Palmares

Atalaia

72

São Miguel dos Campos

Roteiro

Satuba

Jundiá

Matriz de Camaragibe

Novo Lino

Passo de Camaragibe

Japaratinga

Maragogi

São Miguel dos Milagres

Porto de Pedras

Porto Calvo

Jacuípe

setembro/outubro 2011

Paripueira

Barra de Santo Antônio

São Luís do Quitunde

Santa Luzia do Norte

Maceió

Coqueiro Seco

Flexeiras

Joaquim Gomes

Colônia Leopoldina

Messias

Rio Largo

Marechal Deodoro

Murici

Ibateguara

Barra de São Miguel

Branquinha

Pilar

Capela

Jéquia da Praia

Boca da Mata

Cajueiro

Santana do Mundaú

São José da Laje

Campestre


Quilombo

Marujada

Caboclinhos

Cambindas

Boi de Carnaval

La Ursa

Pastoril

Bumba-meu-boi

Reisado

Chegança

Presépio

Taieiras

Fandango

Maracatu

Piranhas

Inhapi

Guerreiro

Olho D’água do Casado

Água Branca

LEGENDAS

Delmiro Gouveia

Pariconha

Mata Grande Ouro Branco

São José da Tapera

Carneiros

Mané do Rosário

Bandos

Samba

Parafuso

Jaraguá

Cobra Jararaca

Palestina

Olivença

Belo Monte

Traipu

Lagoa da Canoa

São Brás Porto Real Do Colégio

Olho D’Água Grande

Campo Grande

Craíbas

Estrela de Alagoas

Girau do Ponciano

Minador do Negrão

Cacimbinhas

Jaramataia

Major Isidoro

Dois Riachos

Batalha

Santana do Ipanema

Jacaré dos Homens

Monteirópolis

Olho D’Água das Flores

Poço das Trincheiras

Maravilha

Gigantões

Pão de Açúcar

Senador Rui Palmeira

Canapi

Igreja Nova

Penedo

Maribondo

Feliz Deserto

Pindoba

Viçosa

Chá Preta

Cajueiro

Santana do Mundaú

73

São Miguel dos Campos

Pilar

Atalaia

Roteiro

Marechal Deodoro

Satuba

Barra de Santo Antônio

São Luís do Quitunde

Santa Luzia do Norte

Jundiá

Campestre

Matriz de Camaragibe

Novo Lino

Paripueira Maceió

Passo de Camaragibe

Japaratinga

Maragogi

São Miguel dos Milagres

Porto de Pedras

Porto Calvo

Jacuípe

setembro/outubro 2011

Coqueiro Seco

Flexeiras

Joaquim Gomes

Colônia Leopoldina

Messias

Rio Largo

Murici

Ibateguara

Barra de São Miguel

Branquinha

União dos Palmares

São José da Laje

Capela

Jéquia da Praia

Boca da Mata

Coruripe

Campo Alegre

Anadia

Teotônio Vilela

Piaçabuçu

Junqueiro

Limoeira de Anadia

Taquarana

Tanque D’Arca

Mar Vermelho

Paulo Jacinto

Quebrangulo

Belém

São Sebastião

Coité do Nóia

Feira Grande

Arapiraca

Igaci

Palmeira dos Índios

FOLGUEDOS


Cavalhada

Piranhas

Inhapi

Vaquejada

Olho D’água do Casado

Água Branca

LEGENDAS

Delmiro Gouveia

Pariconha

Mata Grande

São José da Tapera

Carneiros

Palestina

Olivença

Belo Monte

Traipu

Lagoa da Canoa

São Brás Porto Real Do Colégio

Olho D’Água Grande

Campo Grande

Craíbas

Estrela de Alagoas

Girau do Ponciano

Minador do Negrão

Cacimbinhas

Jaramataia

Major Isidoro

Dois Riachos

Batalha

Santana do Ipanema

Jacaré dos Homens

Monteirópolis

Olho D’Água das Flores

Poço das Trincheiras

Maravilha

Ouro Branco

Corrida de Mourão

Pão de Açúcar

Senador Rui Palmeira

Canapi

Igreja Nova

Penedo

Maribondo

Feliz Deserto

Pindoba

Viçosa

Chá Preta

Cajueiro

Santana do Mundaú

74

São Miguel dos Campos

Pilar

Atalaia

Roteiro

Marechal Deodoro

Satuba

Barra de Santo Antônio

São Luís do Quitunde

Santa Luzia do Norte

Jundiá

Campestre

Matriz de Camaragibe

Novo Lino

Paripueira Maceió

Passo de Camaragibe

Japaratinga

Maragogi

São Miguel dos Milagres

Porto de Pedras

Porto Calvo

Jacuípe

setembro/outubro 2011

Coqueiro Seco

Flexeiras

Joaquim Gomes

Colônia Leopoldina

Messias

Rio Largo

Murici

Ibateguara

Barra de São Miguel

Branquinha

União dos Palmares

São José da Laje

Capela

Jéquia da Praia

Boca da Mata

Coruripe

Campo Alegre

Anadia

Teotônio Vilela

Piaçabuçu

Junqueiro

Limoeira de Anadia

Taquarana

Tanque D’Arca

Mar Vermelho

Paulo Jacinto

Quebrangulo

Belém

São Sebastião

Coité do Nóia

Palmeira dos Índios

Feira Grande

Arapiraca

Igaci

TORNEIOS


Aribá Renda de bilro Labirinto Xilogravura Boa noite Vagonite Ponto de cruz Rendendê Filó Filé

Artesanato em couro

Artesanato em madeira

Tocador de viola

Cerâmica

Casa de taipa

Cerâmica de Porto Real do Colégio

Trançados e cestarias

Rabequeiro

Singeleza

Artesanato em pneu

Artesanato em chifre

Pirotécnica

Latoaria

Metalurgia

Lavagem de roupa

Fogueteiro

Talhador

Máscaras de carnaval

Repentistas

Peneiras

Tecelagem

Traipu

Porto Real Do Colégio

Olho D’Água Grande São Brás

Lagoa da Canoa

Campo Grande

Craíbas

Estrela de Alagoas

Girau do Ponciano

Minador do Negrão

Cacimbinhas

Jaramataia

Major Isidoro

Dois Riachos

Batalha

Charoleiro

Belo Monte

Jacaré dos Homens

Ouriversaria

Palestina

Monteirópolis

Olho D’Água das Flores

Olivença

Flores ornamentais

São José da Tapera

Carneiros

Santana do Ipanema

Pifeiro

Pão de Açúcar

Senador Rui Palmeira

Poço das Trincheiras

Maravilha

Ouro Branco

Instrumentos musicais

Piranhas

Inhapi

Canapi

Caça indígena

Olho D’água do Casado

Água Branca

LEGENDAS

Delmiro Gouveia

Pariconha

Mata Grande

Igreja Nova

Mar Vermelho

Paulo Jacinto

Tanque D’Arca

Penedo

Maribondo

Feliz Deserto

Pindoba

Viçosa

Chá Preta

Coruripe

Campo Alegre

Anadia

Teotônio Vilela

Piaçabuçu

Junqueiro

Limoeira de Anadia

Taquarana

Belém

São Sebastião

Coité do Nóia

Feira Grande

Arapiraca

Igaci

Palmeira dos Índios

Quebrangulo

MANUALIDADES União dos Palmares

75

Roteiro

Marechal Deodoro

Satuba

Jundiá

Matriz de Camaragibe

Novo Lino

Paripueira

Barra de Santo Antônio

São Luís do Quitunde

Santa Luzia do Norte

Maceió

Passo de Camaragibe

Japaratinga

Maragogi

São Miguel dos Milagres

Porto de Pedras

Porto Calvo

Jacuípe

setembro/outubro 2011

Coqueiro Seco

Flexeiras

Joaquim Gomes

Colônia Leopoldina

Messias

Rio Largo

Murici

Ibateguara

Barra de São Miguel

Branquinha

São Miguel dos Campos

Pilar

Atalaia

Capela

Jéquia da Praia

Boca da Mata

Cajueiro

Santana do Mundaú

São José da Laje

Campestre


ARTIGO

THÉO BRANDÃO, A ANTROPOLOGIA E OS ESTUDOS DE FOLCLORE EM ALAGOAS TEXTO:

WAGNER DINIZ CHAVES*

ILUSTRAÇÃO:

76

MICHEL RIOS

setembro/outubro 2011


Luís da Câmara Cascudo

O Estado de Alagoas é um celeiro de festas e manifestações populares tradicionais – reisados, cheganças, pastoris, quilombos, fandangos, guerreiros e caboclinhos são apenas alguns exemplos da riqueza que a cultura popular assume em terras alagoanas. Esse vasto e diversificado manancial de folguedos populares, ao longo do tempo, vem chamando a atenção de pesquisadores, escritores e curiosos. O primeiro relato que se tem notícia sobre o folclore alagoano data de 1872, quando raros eram os estudos sobre o tema no Brasil. Trata-se de um artigo de Nicodemos de Souza Jobim no jornal O Liberal, intitulado “Lenda anadiense e tradição histórica”. Ainda no século 19, autores como Pedro Paulino da Fonseca (1881) e Francisco de Paula Leite Oiticica (1885) publicam em jornais, artigos sobre lendas, crenças e festas populares e Júlio Campina um livro inteiro dedicado ao tema. Subsídios ao

Folk-lore Brasileiro, publicado em 1897, foi um dos primeiros trabalhos a reunir em um volume um estudo sobre o folclore brasileiro. O interesse no registro, descrição e estudo do folclore alagoano, iniciado de modo prematuro ainda em fins do século 19, todavia vai se aprofundar em meados do século 20, com o trabalho mais sistemático de determinados intelectuais, comumente conhecidos como folcloristas. É justamente no final da década de 1940 que se percebe a mobilização de um grupo em torno da defesa e pesquisa de temas relativos ao folclore alagoano. Entre os principais representantes desse movimento no Estado podemos citar nomes como os de Abelardo Duarte, José Maria de Melo, Manuel Diégues Júnior,

77

Luiz Lavenère, Félix Lima júnior, Théo Brandão, José Aloísio Vilela, entre outros. Nesse panteão de ilustres um nome certamente aparece em maior destaque. Médico, etnógrafo, folclorista, antropólogo, professor e escritor, Theotônio Vilela Brandão (1907-1981), ou Théo Brandão, foi um dos mais respeitados intelectuais alagoanos de seu tempo. Membro do Instituto Histórico e Geográfico de Alagoas (IHGAL) e da Academia Alagoana de Letras, fundador da Comissão Nacional de Folclore (CNF) e da Sociedade Brasileira de Antropologia e Etnologia, pioneiro no ensino e pesquisa da Antropologia em Alagoas, Théo Brandão, nos idos dos anos 40, já era reconhecido como um dos principais estudiosos do folclore brasileiro,

setembro/outubro 2011


ARTIGO

tendo recebido, entre 1949 e 1950, três importantes distinções pelos seus estudos: o Prêmio Othon Lynch, da Academia Alagoana de Letras e o Prêmio João Ribeiro, da Academia Brasileira de Letras, pelo livro Folclore de Alagoas, e duas vezes o prestigioso Prêmio Mário de Andrade, da Prefeitura Municipal de São Paulo, pelas obras O reisado alagoano e Os pastoris de Alagoas, respectivamente. No ano de 1969, Théo Brandão é agraciado, mais uma vez, com o Prêmio Othon Lynch, da

Comissão Nacional de Folclore (1947) como na estruturação da Campanha de Defesa do Folclore Brasileiro (1958). Muito bem relacionado com Câmara Cascudo no Rio Grande do Norte e Renato Almeida, presidente da Comissão Nacional e principal liderança do “movimento” que tinha sua base no Rio de Janeiro, Théo foi um dos folcloristas que mais contribuíram na Revista do Folclore Brasileiro, publicação oficial da Campanha, que circulou entre os anos de 1961 e 1976, totalizando 41 volumes,

O primeiro relato sobre o folclore alagoano é de 1872, quando raros eram os estudos sobre o tema no Brasil. Trata-se de um artigo de Nicodemos de Souza Jobim no jornal Academia Alagoana de Letras, dessa vez com a obra intitulada A viola e a pena. Com vasta produção etnográfica – entre textos e registros sonoros e fotográficos – sobre o folclore em seus diversos aspectos (literatura oral, medicina popular, música, dança e principalmente folguedos), Théo Brandão foi importante protagonista e articulador do chamado “Movimento Folclórico Brasileiro” , tendo participação decisiva tanto na criação da

78

além de ter sido um dos membros do Conselho Nacional de Folclore. Vale mencionar também a significativa contribuição de Théo para a série Documentos Sonoros do Folclore Brasileiro, dedicada à edição em discos de expressões musicais tradicionais brasileiras. Dos 24 números da coleção, quatro resultaram de registros sonoros e pesquisas realizadas por Théo Brandão entre os anos de 1950 e 1970 e tiveram como títulos: Cocos de Alagoas, de Chã

setembro/outubro 2011

Preta, Viçosa (1955), Fandango, da Pajuçara (1957), Guerreiro, da Fazenda Boa Sorte, Viçosa (1961) e Baianas, de Ipioca (1977), da célebre mestra Terezinha. Em grande medida, como resultado da atuação e influência de Théo Brandão, Alagoas se tornou um dos estados mais atuantes do “movimento”. Além de ter sido, em 1952, sede da importante IV Semana do Folclore Nacional, evento que reuniu, em Maceió, folcloristas de todo o Brasil, Alagoas foi um dos primeiros estados da federação a institucionalizar uma Comissão Estadual dedicada ao folclore. Data de 1948 a criação da Comissão Alagoana de Folclore, braço estadual da Comissão Nacional de Folclore. Tendo como propósito central a construção de uma ampla rede nacional em torno da pesquisa, documentação e fomento das tradições populares das diferentes regiões do Brasil, os folcloristas engajados no “Movimento Folclórico Brasileiro” usaram como estratégia a organização de semanas e congressos. Dentre tais eventos podemos citar a referida Semana, no ano de 1952, ocasião em que o termo “folguedo popular” é definido como “todo fato folclórico, dramático, coletivo e com estruturação”, passando, desde então, a ser o principal objeto de estudo e interesse dos


Reprodução

ARTIGO

Encontro de “gigantes”: o filólogo Aurélio Buarque de Holanda e o folclorista Théo Brandão

folcloristas. Edison Carneiro (1962), outra figura de proa do “movimento”, no texto “A Evolução dos Estudos de Folclore no Brasil”, mostra como os estudos de folclore, no Brasil, passaram, ao longo do tempo, por diferentes enfoques temáticos.

a valorizar como objeto de estudo, os chamados “folguedos populares”. Isso porque, na ótica dos folcloristas, os folguedos, na medida em que reúnem em um só evento, crenças e práticas, músicas, danças, poesia, cores e sabores, aspectos

Alagoas foi um dos primeiros estados da federação a institucionalizar uma comissão estadual dedicada ao folclore Primeiramente centrado na poesia, no final do século 19, com Silvio Romero, passando pela música, na década de 1930 e 40, com Mário de Andrade, os estudos de folclore, a partir da atuação da Comissão Nacional de Folclore, passa

80

materiais e espirituais, são estratégicos para se visualizar a “organicidade” da cultura popular. Entre o final da década de 1940 e durante toda a década de 1950, período em que o “Movimento Folclórico

setembro/outubro 2011

Brasileiro” alcança seu apogeu, o panorama do campo intelectual brasileiro, ainda não marcado pela especialização acadêmica posterior, pode ser caracterizado pela intensa circulação e trânsito de pesquisadores. Folcloristas, sociólogos e antropólogos são, a rigor, interlocutores próximos, sendo tênues as fronteiras entre os campos do saber relativos às chamadas ciências sociais. Só para exemplificar, dois dos maiores nomes do “movimento”, Edison Carneiro e Manuel Diégues Júnior, fizeram parte da comissão organizadora da I Reunião Brasileira de Antropologia, realizada em 1953, no Rio de Janeiro, que teve como um dos seus temas, ao lado da arqueologia, antropologia física e linguística, justamente o folclore. E o que falar de intelectuais como Roger Bastide e Arthur Ramos, cujas produções abarcam ampla gama de temas como religiosidade afrobrasileira, relações sociais e folclore? Esse panorama intelectual, caracterizado pela interlocução e trânsito entre folcloristas,


antropólogos e sociólogos, em que as fronteiras disciplinares eram relativamente fluidas, começa a mudar na década seguinte. Com o processo de institucionalização do ensino superior das chamadas Ciências Sociais, o Folclore, enquanto área do conhecimento, passa a ser sistematicamente marginalizado. A cientificidade dos estudos dos folcloristas, acusados de realizar análises descontextualizadas, meramente descritivas, carentes de reflexões teóricocomparativas, marcadamente a partir da década de 1960, é posta em questão. Como resultado desse processo, o Folclore foi excluído dos rumos da institucionalização do ensino superior no Brasil. Não constando do currículo dos cursos de humanas, a disciplina passou a ser lecionada nos cursos de Artes e Educação Física. Essa situação marcou tanto a reflexão antropológica quanto a sociológica ao longo da década de 1970, que sistematicamente excluiu do rol de suas problemáticas questões relacionadas ao folclore. Somente na década de 1980 é que as chamadas Ciências Humanas, especialmente a Antropologia, voltou a se interessar pelas temáticas do folclore, agora re-nomeado como cultura popular. Tal re-aproximação pode ser explicada pela própria

Arthur Ramos

re-definição do conceito antropológico de cultura, que passa a ser entendida em um sentido eminentemente simbólico. Atualmente, outros enquadramentos teóricos e aproximações entre a reflexão antropológica e o campo do Folclore e Cultura Popular vêm sendo construídas em torno de temas como rituais e performances, políticas públicas, processos de patrimonialização da cultura, de construção de identidades, etc. Desse modo, o exercício de revisitar a obra e os escritos

81

etnográficos de intelectuais como Théo Brandão, aqui brevemente esboçado, caminha para construir um diálogo respeitoso e fecundo entre essas duas áreas de estudos, que muito embora tenham interesses em comum, por muito tempo permaneceram afastadas pelas conjunturas políticas da cena intelectual em nosso país. *Antropólogo, professor-adjunto de Antropologia do Instituto de Ciências Sociais da Universidade Federal de Alagoas e diretor do Museu Théo Brandão de Antropologia e Folclore

setembro/outubro 2011


ENSAIO VISUAL

CIRANDA

CRIATIVA TEXTO:

JANAYNA ÁVILA

FOTOS:

O uso de elementos da cultura popular no design de moda tem rendido bons frutos. Diversos estilistas partem do seu próprio quintal para elaborarem coleções inteiras, a exemplo do mineiro Ronaldo Fraga, que usa e abusa do artesanato de Minas Gerais. O diálogo do design com a identidade cultural ajuda o motor da economia criativa nacional a se movimentar. De acordo com uma pesquisa recente, divulgada em julho deste ano, e elaborada pela Secretaria de Governo da Prefeitura de São Paulo para a Fundação do Desenvolvimento Administrativo, a economia criativa, em comparação com outros setores considerados

82

HERBERT LOUREIRO

STYLIST:

importantes empregadores, destaca-se não só pela capacidade de gerar empregos, mas pela qualidade e remuneração desses empregos. De 2006 a 2009, a taxa média anual de crescimento do emprego formal no setor chegou a 8,3% no Estado de São Paulo e a 9,1% no município, enquanto no total da economia chegava a 5,5%, no Estado, e a 5,8%, na cidade. Em outras palavras: o setor que usa a criatividade como matériaprima cresceu mais do que todos. Outro dado importante revelado na pesquisa relacionase ao design, que além de fazer a diferença, agrega valor e, consequentemente, gera

setembro/outubro 2011

ANDER OLIVEIRA

competitividade. A convite da GRACILIANO, o designer e fotógrafo Herbert Loureiro e o estilista Ander Oliveira produziram um ensaio de moda inspirado nos elementos do vestuário dos folguedos populares alagoanos, como o guerreiro, o coco, o pastoril e a chegança. “Trabalhei a ‘atualização’ da imagem dos folguedos despertando o histórico cultural dentro de um universo imaginário pop. São imagens lindas em sua concepção, mas ausentes do cotidiano social”. O ensaio mostra a força do uso da criatividade com foco num dos mercados mais expressivos da economia nos dias atuais: a moda.


Guerreiro - camisa Triton , gravata borboleta acervo, calรงa Roberto Cavalli vintage, cabeรงa, espada e escudo acervo grupo Transart

83

setembro/outubro 2011


ENSAIO VISUAL

Coco de roda- blusa de chita acervo grupo Transart, casaco de seda Neo, vestido de seda e paetês Neon vintage, sandália Fernando Pires, chapéu grupo Transart.

84

setembro/outubro 2011


Mateus do guerreiro - vestido de pachtwork de seda Graรงa Ottoni, saia de pachtwork , colares Carol Paz, sandรกlia acervo , pandeiro e cabeรงa acervo grupo Transart.

85

setembro/outubro 2011


ENSAIO VISUAL

Diana do pastoril - vestido chiffon Juliana Jabour, pareô Mara Mac, casaco bordado de pérolas AP401, chapéu e pandeiro acervo grupo Transart.

86

setembro/outubro 2011


Modelos: Ramon Mattos, Beatriz Brasil e Henry Feiden (F. Mendes Model Management) - Beleza: Jr. Gavazzi. Cheganรงa- camiseta acervo, calรงa Diesel, sapatos acervo, colar acervo e quepe grupo Transart.

87

setembro/outubro 2011


SERVIÇO

NO CIRCUITO Para compreender cada folguedo, nada melhor do que vivenciar a experiência de assisti-los. Durante os ensaios, é possível não apenas conferir as apresentações, mas conversar com os mestres e demais integrantes dos grupos. Para isso, trazemos uma agenda de ensaios de alguns dos grupos de folguedos atuantes em Maceió

VANESSA MOTA

88

setembro/outubro 2011


BAIANAS DA JANE Coordenadora: Geane D’Arc Pessoa Rua General Hermes, n° 52, Cambona – Centro Ensaios: de agosto a dezembro, às segundas-feiras, a partir das 19h Mais informações: (82) 3221-8851 e 8829-0422

GUERREIRO LEÃO DEVORADOR Coordenadora: Anadeje da Silva Travessa Florestal, n° 12 – Chã da Jaqueira Ensaios: aos sábados, a partir das 20h Mais informações: (82) 8894-7112

BAIANAS MENSAGEIRAS DE SANTA LUZIA Coordenadora: Maura Góes Mestra: Vanessa Góes Rua São José, s/n, Sombra dos Eucaliptos, Medeiros Neto Ensaios: aos domingos, a partir das 20h Mais informações: (82) 3324-3135 e 9145-3823

GUERREIRO VENCEDOR ALAGOANO Mestre Juvenal Leonardo Jordão Conj. Joaquim Leão (em frente à Guarda Municipal) – Vergel do Lago Ensaios: aos sábados, a partir das 20h Mais informações: (82) 8701-7694

COCO DE RODA, QUILOMBO E MARACATU AXÉ ZUMBI Coordenador: Geraldo José da Silva Núcleo de Cultura – Rua Cabo Reis, s/n, Ponta Grossa (ao lado do supermercado Unicompra) Ensaios: aos sábados, a partir das 17h Mais informações: (82) 9311-7678

PASTORIL MENINO JESUS Coordenadora: Geanne D’Arc Pessoa Rua General Hermes, n° 52, Cambona – Centro Ensaios: de agosto a dezembro, às segundasfeiras, a partir das 20h Mais informações: (82) 3221-8851 e 8829-0422

BAIANAS FLOR DE LIS Coordenadora: Edna Seixas Centro Comunitário do Conjunto Santo Eduardo – Poço Ensaios: às quintas-feiras, tarde Mais informações: (82) 3337-2457 e 9316-5883

GUERREIRO PADRE CÍCERO Mestre André Joaquim dos Santos Av. Campelo da Paz, s/n, Santos Dumont – Tabuleiro do Martins Ensaios: aos sábados, a partir das 19h Mais informações: (82) 8858-8468

FANDANGO DO PONTAL Coordenadora: Valéria Mestre: Pancho Praça Caio Porto – Pontal da Barra Ensaios:às sextas-feiras, noite ou tarde Mais informações: (82) 9301-2487 e 3221-7554

GUERREIRO TREME-TERRA DE ALAGOAS Mestre Benom Pinto da Silva R. Osvaldo Cruz (antigo Centro Comunitário Élia Porto Lages) – Chã de Bebedouro Ensaios: aos sábados, a partir das 20h Mais informações: (82) 3358-7109

Agenda sujeita a alteração de datas e horários. Sugerimos entrar em contato previamente.

89

setembro/outubro 2011


SAIBA MAIS Para saber mais sobre o folclore alagoano – um roteiro de livros, filmes e instituições de pesquisa.

LIVROS

ARTE POPULAR DE ALAGOAS

FOLCLORE NEGRO DAS ALAGOAS

ASFOPAL: 25 ANOS BRINCANDO SÉRIO

O livro, publicado em 1999, reúne 72 artigos e

A obra elenca uma grande variedade de

Importante registro dos principais grupos da cultura

centenas de fotografias de profissionais de diversas

manifestações, algumas já desaparecidas, ao lado de

popular alagoana, o livro está dividido em três

áreas, ligados às artes plásticas, à arquitetura, à

outras ainda atuantes, que o autor define como sendo

capítulos e reúne fotos e perfis dos mestres de

literatura, à música e à culinária alagoana. Todos

o folclore negro da área cultural da cana-de-açúcar.

folguedos, brincantes e coordenadores associados,

versam sobre cultura popular.

Autor: Abelardo Duarte

trazendo ainda uma cronologia dos fatos históricos

Autor: Tânia de Maya Pedrosa

Edufal, 414 págs.

mais significativos da Associação dos Folguedos

Grafitex, 218 págs.

Onde encontrar: o livro está à venda na livraria da

Populares de Alagoas (Asfopal)

Onde encontrar: para consulta, na Biblioteca

Edufal e no site www.edufal.com.br

Autor: Josefina Maria Medeiros Novaes

da Universidade Federal de Alagoas e no Instituto

Edição do autor, 103 págs.

Histórico e Geográfico de Alagoas (IHGAL)

Onde encontrar: na Biblioteca do Museu Théo Brandão

LIVROS

ONDE PESQUISAR

FILMES

DICIONÁRIO DO FOLCLORE BRASILEIRO

BIBLIOTECA DO MUSEU THÉO BRANDÃO

O SANTO GUERREIRO DO POVO (doc., 21 minutos)

Um dos maiores clássicos do folclorista e professor

No local, podem ser encontrados livros e revistas cujo

O documentário, com depoimentos de pessoas que

Luís da Câmara Cascudo, a obra trata, em forma de

tema é a Antropologia e a cultura popular alagoana

conviveram com Ranilson França e apresentações

verbete, os principais elementos da cultura popular

e nordestina, além de fotografias. A biblioteca

de grupos de folguedos, retrata a vida do folclorista

brasileira. O autor dialogou, por diversas vezes,

não trabalha com empréstimo. O acervo está

alagoano que lutou pela preservação da cultura

com o folclore alagoano. Um livro obrigatório para

disponível apenas para consulta. O acesso é gratuito.

estadual.

pesquisador da área e para apaixonados pela cultura

Endereço: Av. da Paz, 1490, Centro, Maceió – AL

Ano de lançamento: 2007

brasileira.

Mais informações: (82) 3221-2651/2977

Direção: Pedro da Rocha

Autor: Luís da Câmara Cascudo

Horário de funcionamento: de terça a sexta-feira,

Mais informações: através do e-mail

Global, 774 págs.

das 9h às 17h

cineclubeboca@gmail.com

Onde encontrar: nas livrarias Cultura ou Saraiva (www.livrariacultura.com.br e www.livrariasaraiva.com.br)

90

setembro/outubro 2011


91

setembro/outubro 2011


Graciliano nº 10  
Graciliano nº 10  

Graciliano é uma revista da Imprensa Oficial Graciliano Ramos. Na edição nº 10, Brincadeira popular, conheça os segredos do folclore alagoan...

Advertisement