Page 1

Revista Trimestral

Ano 21 | n.74 | Junho de 2019

Casado Médico IMPRESSO

ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE MEDICINA | ARARAQUARA

Mudança de estação agrava doenças respiratórias Cuidados com a saúde fortalecem sistema imunológico e ajudam a prevenir doenças mais graves que caracterizam outono e inverno

FORA DO CONSULTÓRIO

Roberto Marino: Muay thai como benefício para rotina do médico

MEMÓRIA VIVA

Dr. Paulo Homem: parcerias na medicina e na política


Dr. Luís Henrique Brandão Falcão Presidente Dr. Sérgio Delort Vice-presidente Dra. Ticiane Corina Ribas 1a Secretária Dra. Renata Ferlin Arbex 2a Secretária Dr. Sidney Antonio Mazzi 1º Tesoureiro Dr. Marcus V. Platzer do Amaral 2º Tesoureiro Dr. Fernando Linares Diretor de Defesa Profissional Dr. Eli Aparecido dos Santos Júnior Diretor Social Dra. Fabiane A. Alves Madureira Diretora Cultural e Científico

A revista Casa do Médico é uma publicação trimestral editada pela Associação Paulista de Medicina (APM) - Secção Araraquara. Produção Editora Casa da Árvore Reportagem Marcia Bessa Martins

Tiragem 1.000 exemplares Distribuição Gratuita.

APM Araraquara | Casa do Médico Rua Voluntários da Pátria, 1478 Centro, Araraquara, SP

Fim do Fee For Service?

2

service são todos baseados no viés econômico, de custo. “É um problema, já que podem tirar a autonomia do médico de definir o que é melhor para o paciente. Sabemos que há profissionais que pedem muitos exames, mas vários destes novos modelos se propõem a prestigiar aqueles que não pedirem nenhum exame e isso é um perigo para o paciente e à boa prática. O ideal seria atingir o equilíbrio, não resolver a questão com pacotes, grupos etc.”, declara. Da mesma forma, o diretor Administrativo da Associação Paulista de Medicina (APM), Florisval Meinão, destaca que todos os outros modelos testados até hoje representaram, sem dúvidas, redução dos honorários médicos. No seu entendimento, é necessário — agora que a ANS introduziu o assunto — que os médicos conheçam as alternativas e analisem com muita atenção as novas formas de remuneração. “Além da mudança no pagamento do profissional, essas novidades estão mudando as relações de trabalho do médico de maneira mais ampla. Por exemplo, temos contratos para atender os pacientes de uma operadora de plano de saúde, mas não podemos realizar cirurgias em alguns casos. Assim, outro médico — contratado por um hospital — fará o procedimento. A relação de trabalho do segundo profissional, neste caso, é com o hospital e não com o paciente ou com o plano de saúde”, explica Meinão.

O Poder Municipal e a Saúde

Impressão Gráfica São Francisco

RADAR MÉDICO

Resultado de um trabalho iniciado em 2016, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) divulgou, em março, o “Guia para Implementação de Modelos de Remuneração baseados em valor”. O documento detalha como funciona cada um dos modelos que estão sendo praticados pelas operadoras de planos de saúde [confira detalhes dos principais a seguir]. Além disso, o texto diz que o próximo passo é observar a utilização destas alternativas junto aos operadores e prestadores. Atualmente, o usual é que os médicos e outros prestadores de serviços recebam honorários e procedimentos pelo fee for service. Nele, existe uma tabela com um valor estabelecido para cada um dos procedimentos realizados ou itens utilizados. A remuneração se dá pelo somatório discriminado de cada um dos procedimentos ou itens (entre os quais estão honorário profissional, diárias hospitalares, materiais, medicamentos, exames complementares etc.). Cada serviço realizado é pago ao prestador, independentemente do avanço no tratamento do paciente. Os que são contrários ao já estabelecido modelo defendem que há a possibilidade de aumento dos custos por conta da alta requisição de exames, por exemplo. Segundo João Sobreira de Moura Neto, diretor adjunto de Defesa Profissional da APM, os modelos sugeridos como alternativa ao fee for

HISTÓRIA DA MEDICINA

Orçamentação Forma de remuneração prospectiva, na qual o estabelecimento de saúde estima, anualmente, suas necessidades de gastos e as apresenta ao ente financiador. Pacotes Os pagamentos em pacotes para melhoria dos cuidados em Saúde são compostos por vários modelos amplamente definidos de atendimento, que vinculam pagamentos para múltiplos serviços executados durante um episódio de atendimento e incluem a responsabilidade financeira e de desempenho por esses episódios de atendimento. Capitação O prestador recebe um montante de recursos periodicamente, geralmente uma vez ao ano, que equivale ao número de indivíduos a ele adscritos, multiplicado por um valor per capita. Este valor unitário é frequentemente ajustado por risco, considerando, pelo menos, o sexo e a idade da população. A remuneração independe da quantidade de serviços prestados e esse valor fixo é pago antecipadamente. Desempenho Ajusta o montante de recursos a ser pago ao prestador de serviços de Saúde segundo o seu desempenho por meio de algum método já existente. Assalariamento Bastante comum nos casos de verticalização da Saúde, em que os médicos são funcionários das operadoras e geralmente responsáveis pelo atendimento de um número excessivo de pacientes, especialmente em hospitais. Matéria publicada na edição 709 da Revista da APM - abr/2019.

Ano 21 | n.74 | Junho de 2019

No Império, o médico pagava um alto imposto municipal. Segundo o código de posturas que a Assembleia Providencial de São Paulo impôs em 1871, a vila de Araraquara, como de resto certamente a todas as outras vilas das cidades, de um consultório médico seria cobrado o imposto de 20$000. Bem maior do que o de advogado, por exemplo, que pagava 5$000. Um dentista, retratista e um relojoeiro estavam sujeitos a um imposto de atividades anual de 10$000. Havia nesse código uma curiosa instrução: cada cabeça de gado que saísse do município, vendida, pagaria seu dono 300 réis e a pessoa que denunciasse a venda seria gratificada com a metade desse valor. A Barganha do Coronelismo: Era Necessário Manter o Município Pobre Comentou-se, em outro trecho, as exigências que não raro o poder estadual fazia das administrações municipais, especialmente no tocante aos cuidados com a higiene urbana, sugerindo medidas como encanamento de esgoto e água, que eram trabalhos muito onerosos. Em um ofício datado de 31 de agosto de 1895 (plena epidemia de febre amarela) a Secretaria de Estados dos Negócios do interior, oficiava em circular a Câmara Municipal de Araraquara, o que fazia para outros de municípios já que se tratava de impresso tipográfico. O apelo partia de autonomia conquistada pelos municípios após a Proclamação da República e a primeira lei orgânica municipal. Sobre a reorganização do serviço sanitário, lembrava o Governo do Estado que a atribuição em questão cabia às câmaras municipais, devendo o Estado apenas intervir na tarefa de auxiliá-las com “casos extraordinários de calamidades”. A Diretoria de Serviço Ano 21 | n.74 | Junho de 2019

Isso não acontecia por acaso, era um mecanismo do pacto do coronelismo: município pobre é dependente e assim fica à mercê sempre dos recursos do Estado Sanitário estava em condições de fornecer vacina animal contra a varíola. Quem assinava era o conhecido político Alfredo Pujol. Essa questão, já comentada, não correspondia à realidade vivida. A tal autonomia municipal muito debatida na constituinte de 1891 e constante em leis, regulamentos e decretos estaduais, era apenas figura de retórica. O município continuou anêmico de recursos face a uma distribuição de rendas tributárias perversa que destinava a parte do leão para a União e os Estados. Isso não acontecia por acaso, era um mecanismo do pacto do coronelismo: município pobre é dependente e assim fica à mercê sempre dos recursos do Estado. E era o coronel mandante local quem ia de caneco em punho esmolar verbas para pequenas obras como o muro do cemitério que ruiu. Desse modo, tornava-se ele credor da gratidão dos moradores locais e nas eleições dava apoio a quem mantinha os mesmos mandatários na esfera local e estadual. 1935: Os Baixos Salários Pagos pela Prefeitura ao Pessoal da Saúde

Esta seção publica trechos selecionados da obra “A História da Medicina e dos Médicos de Araraquara”, de

Rodolpho Telarolli

Em todos os tempos, o serviço público sempre foi um mau pagador a não ser para uma ínfima parcela de privilegiados. Em 19 de junho de 1935 o Dr. Fernando Carrazedo, médico-chefe do Posto de Higiene de Araraquara, recorria à delegacia de Saúde de São Carlos, à qual Araraquara era subordinada, em defesa dos salários dos médicos e funcionários, fazendo para tanto uma comparação das desigualdades entre as duas cidades. Em São Carlos, os médicos contratados recebiam 800 mil réis, os de Catanduva 600. A visitadora e auxiliares de escrita 250 e fiscais 200. Propunha então um aumento de vencimentos para os funcionários do Posto de Araraquara, nas seguintes proporções: médicos, mais 200 mil réis; visitadora, 50; fiscais, 100; auxiliar de escrituração, 50 e tracomista-farmacêutico, 100. Seria necessário que a municipalidade concedesse ao posto de higiene uma verba suplementar de dez contos de réis. A situação dos funcionários era precária porque parte da verba destinada aos vencimentos tinha sido gasta em reforma do prédio e outras... g 3


CAPA DA REVISTA

Tempo frio pode agravar doenças respiratórias Foto: Freepik/Creative Commons

Cuidados com a saúde fortalecem o sistema imunológico e evitam as doenças mais graves do outono e inverno

Baixa nas temperaturas, diminuição na umidade do ar e aglomeração de pessoas podem trazer problemas à saúde O outono e inverno são estações que se caracterizam pela baixa nas temperaturas e diminuição na umidade do ar. Com o frio e o clima mais seco, surgem então muitos casos de doenças respiratórias, como a sinusite, bronquite, tosse e a pneumonia, além de sintomas alérgicos. Outro agravante para o aumento de doenças respiratórias nesse período do ano é o fato das pessoas se concentrarem mais em locais fechados, o que facilita a propagação de vírus e bactérias causadores de inúmeras doenças. “Por ficarmos mais tempo em ambientes fechados, as doenças que são transmitidas por gotículas da fala, tosse e espirro se espalham com mais facilidade e, nestes casos, os resfriados e gripes são os protagonistas. Mas não podemos nos esquecer da ocorrência das doenças das vias respiratórias, como rinite e a asma, além das doenças pulmonares obstrutivas crônicas, 4

O fato das pessoas se concentrarem em locais fechados, nesse período do ano, facilitam a propagação de vírus e bactérias causadores de inúmeras doenças que muitas pessoas só se lembram de voltar a tratar quando têm a crise. Até a tosse persistente pode significar um descontrole desta doença de base”, adverte a pneumologista Renata Fer-

lin Arbex, que é formada em Clínica Médica pela Santa Casa em São Paulo, com especialização em Pneumologia pela Unifesp, e pesquisadora colaboradora do laboratório Cardiopulmonar da Ufscar e do Laboratório de Poluição FMUSP - SP. Ela destaca, no entanto, que alguns cuidados com a saúde podem fortalecer o sistema imunológico e evitar as doenças mais graves de inverno. Segundo a especialista, muitas vezes os problemas começam com uma gripe e um resfriado, o paciente acaba não dando tanta importância para os sintomas e não trata como deve a doença. Como resultado disso, um sistema imunológico fraco abre espaço para doenças mais graves e preocupantes, como sinusite, pneumonia e bronquite. “Estas doenças são tão frequentes durante o tempo frio, principalmente porque os pacientes com doenças crônicas não se atentam ao controle, previamente. Por esse motivo, quando Ano 21 | n.74 | Junho de 2019

chegam o outono e o inverno, o sistema respiratório fica sensibilizado às mudanças de temperatura, à baixa umidade do ar, à exposição aos vírus, como os do resfriado e da gripe, e também à poluição provocada pelas queimadas urbanas, pela queimada de cana que emite no ar partículas originárias de combustão incompleta”, exemplifica. Ela também aponta como f u ndamentais nesta época do ano a hidratação do corpo, com elevado consumo de água; a alimentação com frutas e verduras, que ajudam no fortalecimento do sistema i mu nológ ico, mantendo-o mais ativo e saudável, além da manutenção da rotina de exercícios físicos, mesmo no frio. “Isso também vale para pessoas que sofrem de doenças que podem alterar o sistema imunológico, como a diabetes, doença renal crônica, os pacientes oncológicos, portadores do vírus HIV e aqueles que fazem uso de doses altas de corticóide, entre outros”, orienta a pneumologista. No caso dos pacientes alérgicos, ela enfatiza que, primeiramente, é preciso entender o que é considerado alergia. “Nem todo nariz que escorre, coça ou espirra, peito que chia ou pele que coça é alergia puramente, apesar de termos uma grande interação entre rinite, asma e dermatite atópica. Qualquer alteração no corpo que o deixe mais sensível, ou seja, doenças não controladas, além dos hábitos saudáveis que são deixados de lado no inverno, podem aumentar a chance de exacerbações. Podemos diminuir a incidência de piora desses quadros clínicos com exercícios físicos frequentes,

Foto: Arquivo pessoal

O ideal é entrar no inverno menos sensibilizado e mais protegido, diz a pneumologista Renata Arbex

Ano 21 | n.74 | Junho de 2019

uma boa rotina de sono, alimentação saudável, hidratação e modulação intestinal, porque através do intestino conseguimos também melhorar a imunidade. Antes do inverno, é preciso atenção no controle da doença já existente. O ideal é entrar bem no inverno sem células inflamatórias pelo corpo, além de manter a vacinação adequada. Ou seja, o ideal é estar com o organismo menos sensibilizado e mais protegido”, resume ela.

Crianças e idosos A pneumologista Renata Arbex ressalta também que os idosos e crianças são os mais afetados e, por isso, devem ter cuidados redobrados com a saúde. “O sistema imunológico da criança ainda está em formação e segue uma adaptação ao mundo em que ela está inserida. Além disso, há algumas especificidades anatômicas que, com o crescimento, se tornam uma defesa contra vírus e bactérias; é o caso do ângulo entre o nariz e canal auditivo. Nos idosos, ocorre uma alteração do sistema imunológico importante, geralmente devido à alteração da alimentação, por mudanças do paladar, além da diminuição de exercícios físicos, o que pode ser resolvido com treinamentos funcionais, o pilates ou outra atividade que o idoso consiga fazer. O que não pode é ficar parado”, ressalta. No caso do paciente que sofre de asma, ela adverte que é preciso estar sempre com a doença controlada e não abandonar o tratamento. “Muitas vezes, a pessoa deixa de seguir o tratamento e só se lembra da asma no momento da crise. Morrem de 5 a 7 pessoas de asma no

Medidas preventivas contra doenças do inverno • Proteja-se do frio usando roupas quentes e adequadas às baixas temperaturas. • Mantenha uma alimentação saudável e beba bastante água. Isso ajuda o seu organismo a se manter saudável e facilita o bom funcionamento do sistema imunológico. • Faça atividade física, porque os exercícios proporcionam vitalidade ao corpo e reforçam o metabolismo para o combate a doenças. • Em casa, elimine ácaros e poeira e procure melhorar a ventilação do ambiente. As roupas de frio merecem o mesmo cuidado: por terem ficado guardadas por muito tempo, pelo menos 2 duas estações, também é importante deixá-las ventilando e no sol um pouco, antes de usar. • Evite o contato com pessoas tossindo e espirrando, e não se esqueça de sempre higienizar as mãos com álcool gel. • Se já estiver gripado ou resfriado, proteja seu rosto quando for tossir ou espirrar: com esse simples gesto, você protege quem está à sua volta. • Mantenha as vacinas em dia. A vacinação é um dos seus maiores aliados no combate às doenças respiratórias, inclusive a vacina contra a gripe, que está sendo aplicada nos postos.

5


Brasil por ano, simplesmente porque deixam de lado o tratamento. São mortes desnecessárias que podem ser evitadas com acompanhamento médico e uso adequado de medicação. Tanto para asma quanto para as alergias em geral, é preciso ter consciência corporal e não esperar a doença chegar num grau alto de comprometimento para buscar ajuda”, adverte Renata Arbex. E como precaução para todos os tipos de doenças respiratórios mais comuns no frio, ela aponta algumas medidas cotidianas, entre elas deixar os ambientes da casa limpos e sem mofo, manter sempre limpos os guarda-roupas e colocar as roupas de frio no sol antes de usá-las, já que provavelmente elas estão guardadas a meses. Também é importante manter limpos e trocar os filtros de ar-condicionados quando necessário, evitar aquecer os ambientes com lareiras ou fogões à lenha, ficar longe de cigarros, charutos, narguile e qualquer meio de combustão incompleta, como o fogo em terreno baldio ou em lixo. g

MEDICINA E CINEMA

A profissão de médico retratada na sétima arte

Médicos são figuras sempre presentes nas telas de cinema

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, os atendimentos nas unidades de saúde da cidade de São Paulo aumentam cerca de 30% devido às doenças respiratórias que se desenvolvem no período entre o outono e inverno (com informações da Agência Brasil).

de inspiração para diversos filmes, documentários e séries que levam espectadores a refletir sobre a importância do trabalho do médico e o significado dessa vocação. Confira nesta página alguns exemplos de longa-metragem marcantes sobre o tema.

Este clássico da literatura e do cinema foi estrelado nas telas por Omar Sharif e dirigido por David Lean. O drama épico, baseado no livro de Boris Pasternak, é ambientado na Revolução Russa de 1917 e conta a história de amor entre Yuri Jivago, um jovem médico aristocrata, e Lara Antipova, uma enfermeira plebeia. Após uma longa série de encontros e desencontros turbulentos, a dupla se reencontra para trabalhar no socorro aos feridos nos combates contra o regime czarista. A obra ganhou cinco Oscar e cinco Globo de Ouro, além de um Grammy e da indicação à Palma de Ouro no Festival de Cannes, em 1966.

Mãos talentosas (2009)

Com direção de Thomas Carter e estrelado por Cuba Gooding Jr., este drama retrata a história real do neurocirurgião Ben Carson. Após uma infância pobre e de baixo rendimento escolar, ele conta com apoio da mãe para entrar para a faculdade de medicina e se consagra como um dos principais nomes da neurocirurgia mundial ao separar gêmeas siamesas ligadas pela cabeça, nos anos 1980. Ben Carson foi também pioneiro nas cirurgias intrauterinas e, mais recentemente, tornou-se político nos EUA.

Um golpe do destino (1991)

O filme, dirigido por Randa Haines, conta a história de Dr. Jack, interpretado por William Hurt, um exímio cirurgião que, ao descobrir em seu próprio corpo um câncer nas cordas vocais passa de médico à paciente. Ele é tecnicamente exemplar em sua especialidade, mas uma pessoa fria e arrogante. O contato com sua própria doença faz com que Dr. Jack possa finalmente ver seus pacientes sob um novo olhar: mais sensível, próximo e empático.

A Campanha Nacional de Vacinação Contra a Influenza segue até 31 de maio

de Araraquara). A vacina é composta de vírus inativados. É segura e muito importante para prevenir a população e evitar a disseminação do vírus. A pneumologista Renata Arbex reforça que a dose é extremamente indicada, não só para as pessoas com doenças respiratórias crônicas, mas

também para qualquer outra doença crônica. “No entanto, convém que a doença esteja controlada. Além disso, é importante que os pacientes com alergia a ovo avisem no posto de saúde, quando forem procurar a vacina”, finaliza. Ano 21 | n.74 | Junho de 2019

Ano 21 | n.74 | Junho de 2019

7

Foto: Karen Zhao / Unsplash

6

brindou os espectadores com filmes extraordinários enfocando a medicina. Seja por meio de dramas de enorme carga emocional ou nas comédias mais escancaradas, da abordagem de enfermidades pessoais a tragédias provocadas por epidemias, a medicina é fonte

Doutor Jivago (1965)

Foto: Governo do Estado de São Paulo

Postos de saúde estão vacinando contra a gripe Outra arma importante para se manter longe dos problemas de saúde ocasionados com a baixa das temperaturas e da umidade do ar é a vacina contra a gripe. Em todo o país, o Ministério da Saúde deu início em abril à Campanha Nacional de Vacinação Contra a Influenza, ou Gripe, e segue com ela até 31 de maio. Em Araraquara, a Secretaria Municipal de Saúde começou vacinando crianças de 6 meses a 6 anos, gestantes e puérperas de até 45 dias após o parto. Depois priorizou idosos, trabalhadores da saúde, professores, funcionários do sistema prisional e população privada de liberdade, além de portadores de doenças crônicas. A meta é vacinar pelo menos 90% do público alvo da campanha, que supera 68 mil pessoas em Araraquara. A rede municipal de Saúde possui 33 unidades e as doses são aplicadas de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 15h30, incluindo o Sesa (Serviço Especial de Saúde

É no cinema que atores dão vida aos personagens fictícios ou baseados na realidade, retratando o cotidiano de diferentes profissionais. Com a medicina não é diferente. O médico é uma figura presente nas telonas em diferentes produções e roteiros e o cinema já


CINEMA

Palavra de especialista

Grepa abre temporada 2019 do “Conversa, Cinema e Psicanálise”

Ortopedia | Dr. Maurício Melges Pavan

As LER/DORT, os sintomas e como tratar Foto: Revista Casa do Médico

Filmes selecionados abordam temas como suicídio e sexualidade

Programe-se para as próximas exibições: 14 de junho

Perfeitos Desconhecidos Comentários: Ana Rita Pontes

9 de agosto

A Cabana Comentários: Alexandre Facchini

O Grupo de Estudos em Psicanálise de Araraquara (Grepa) deu início à temporada de 2019 do projeto “Conversa, Cinema e Psicanálise”, em parceria com a Associação Paulista de Medicina (APM) Araraquara, com sessões nos últimos dias 12 de abril e 10 de maio. O primeiro filme foi “Bird Box”, dirigido por Susane Bier e protagonizado por Sandra Bullock. Ao final da sessão, o filme teve os comentários da psicanalista Lucimar Fortes Paiva, membro da Sociedade Brasileira de Psicanálise de Ribeirão Preto, docente da Faculdade de Psicologia da USP de Ribeirão Preto. Ela conversou com a plateia sobre a narrativa do filme e os conflitos e medos que enfrentamos no nosso dia a dia. Baseado no livro de mesmo nome, de Josh Malerman, e publicado no Brasil pela Editora Intrínseca, com o título “Caixa de Pássaros”, o filme “Bird Box” mostra uma sociedade amedrontada por uma entidade maligna que faz com que as pessoas tenham vontade de se matar ao vê-la. O maior desafio da personagem de Sandra Bullock é levar seus dois filhos para um abrigo em se8

13 de setembro

O Filme da Minha Vida Comentários: Bruno de Paula Rosa

11 de outubro

Roma Comentários: Silvana Mara Lopes Andrade

gurança, mas todo trajeto deve ser feito com venda nos olhos. O segundo filme, em 10 de maio, foi “Jovem e Bela”, do diretor François Ozon, que, segundo críticos, é um cineasta tão obcecado com o universo feminino quanto o espanhol Pedro Almodóvar. Os comentários ficaram a cargo do psicólogo João Paulo M de Souza, Docente do Programa de Pós-graduação em Saúde Mental da FMRP-USP. “Jovem e Bela” é um estudo psicológico de personagem. Durante uma viagem de verão com a família no sul da França, a jovem Isabelle vive a sua primeira experiência sexual com um rapaz alemão. Após voltar para casa, ela divide o tempo entre a escola e o novo trabalho como prostituta de luxo, utilizando o pseudônimo Lea. Ela continua explorando a sua sexualidade e logo começa a ganhar dinheiro com mais clientes. Um incidente trágico envolvendo um deles, entretanto, faz com que a sua mãe descubra as suas atividades secretas. Foram feitas reflexões com a plateia, reforçando o objetivo do projeto, que começou a temporada 2019

8 de novembro

A Elegância do Ouriço Comentários: Luciana Torrano

AS LER/DORT são lesões por esforços repetitivos e distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho e podem vitimar diversas categorias profissionais. Geralmente são causadas por movimentos contínuos e repetitivos, má postura, estresse, ausência de pausas na jornadas e problemas no imobiliário do trabalho. Tudo isso reflete condições laborais inadequadas que vão impactar na saúde e funcionalidade do trabalhador. De acordo com o Dr. Maurício Melges Pavan, ortopedista do Instituto de Traumatologia e Ortopedia de Araraquara (IOT), as LER/DORT se apresentam como uma série de

doenças caracterizadas por desgastes nas estruturas osteomusculares, como músculos, tendões e nervos. Englobam doenças como a bursite, síndrome do túnel do carpo, epicondilite, mialgias, entre outras. Ainda segundo o especialista, o principal sintoma é a dor localizada, mas também pode ser caracterizada por fraqueza muscular, formigamentos nas extremidades, paralisia, cansaço e inchaço local. O diagnóstico é feito com exame clínico e imagem, como a tomografia computadorizada, a ressonância magnética e a ultrassonografia. O tratamento é multidisciplinar, envol-

vendo o acompanhamento médico do ortopedista, além de fisioterapeuta, terapia ocupacional e, dependendo da gravidade e origem, até de um psicólogo. g Foto: Arquivo pessoal

O sintoma principal é a dor localizada, mas a LER/DORT também pode ser caracterizada por fraqueza muscular, formigamentos nas extremidades, paralisia, cansaço e inchaço local

de forma bastante positiva. A psiquiatra Fabiane Aparecida Alves Madureira, integrante do Grepa e uma das profissionais que participaram da implantação do projeto na APM de Araraquara, destaca que a temporada toda deste ano já está definida, com sessões até o fim do ano (veja box acima). A meta é reunir um número cada vez maior de psicólogos, psiquiatras e público em geral, formado por profissionais de diferentes áreas, para estimular a reflexão e o debate sobre os assuntos levantados pelos filmes exibidos. A próxima sessão do “Conversa, Cinema e Psicanálise” está marcada para o dia 14 de junho, a partir das 19h30. O filme será “Perfeitos Desconhecidos” e os comentários serão de Ana Rita Pontes, analista didática da Sociedade Brasileira de Psicanálise de Ribeirão Preto (SBP- RP) e membro associada da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo (SBP-SP). As sessões são gratuitas e abertas ao público em geral, sempre às 19h30, no auditório da Casa do Médico (Rua Voluntários da Pátria, 1478 - Centro). g Ano 21 | n.74 | Junho de 2019

Ano 21 | n.74 | Junho de 2019

9


FORA DO CONSULTÓRIO

Rapidez e foco: o muay thai usado em benefício da rotina médica

Maio 2019

Há dois anos, Roberto Marino incluiu os treinos na sua agenda Fotos: Acervo pessoal

pag. 01

O cirurgião plástico Roberto Marino concilia os treinos com salas de cirurgia

Muitas pessoas, em busca de condicionamento físico e qualidade de vida, vêm aderindo à prática de artes marciais e estão se surpreendendo com os benefícios que a atividade física traz também para a vida profissional. É o caso do cirurgião plástico Roberto Marino, que começou a treinar Muay thai há dois anos, segundo ele, por insistência da sua esposa. “Ela insistiu e eu aceitei fazer uma aula experimental numa academia, em Ribeirão Preto. Na época, estava desmotivado com a prática esportiva nas academias e já sentia os efeitos do sedentarismo. Então, resolvi experimentar”, relata. E ele conta que, muito antes disso, o esporte já chamara sua atenção: ainda menino, nos anos de 1980, em São Paulo, ele passava todo dia em frente a uma academia de Muay thai e observava os treinos. Mas nunca teve coragem de entrar. Já pratiquei judô e jiu-jitsu, mas o Muay thai é mais recente na minha vida, veio depois da medicina”, diz Marino. Para ele, o foco, a autoconfiança, a capacidade de raciocínio e a disci10

plina que são as virtudes exigidas no ambiente de treino acabam sendo usados na vida profissional. “Além de ajudar a combater o estresse, o Muay thai favorece em muito o condicionamento físico, devido ao seu alto gasto calórico por treino, permitindo emagrecimento, tonificação e alongamento da musculatura, além de desenvolvimento de raciocínio e resposta. Também melhora em muito a nossa autoestima. Por se tratar de uma arte marcial milenar, ajuda também do ponto de vista espiritual, disciplinando corpo e alma e nos tornando pessoas muito mais afetivas, calmas e pacientes para enfrentar as dificuldades do dia a dia. Isso representa uma melhora muito significativa no nosso desempenho no trabalho e na vida pessoal”, avalia. E questionado sobre o fato de praticar um esporte de contato, sendo um profissional que se utiliza muita da habilidade manual, ele é enfático: “o Muay thai é um esporte de contato, por isso estamos passíveis de sofrer lesões, porém esse risco é controlado. Os treinos devem ser dirigidos e

orientados por um mestre experiente e qualificado para atingirmos nossos objetivos específicos. Assim, quanto mais você evolui no esporte, menores são os riscos de se lesionar. A competição não é meu foco. No meu caso, garanto que é maior a chance de me machucar numa partida de futebol, do que num treino de Muay thai”, compara ele. O médico afirma também que não é fácil encaixar o treino na sua rotina diária de cirurgião plástico. “Treino uma média de quatro vezes por semana, com uma hora de duração, e muitas vezes tenho mesmo que lutar para conseguir encaixar esses períodos na minha agenda”, pondera ele, que recomenda a arte marcial para todas as idades. “Hoje o Muay thai é uma das artes marciais que mais crescem em número de adeptos no mundo. E aqui em Araraquara temos a sorte de possuir treinadores do mais alto nível. Uma faixa preta é uma faixa branca que nunca desistiu. Bora treinar?”, convida Roberto Marino. g Ano 21 | n.74 | Junho de 2019

Imagem utilizada na Campanha de 48 anos Unimed (Foto: Shutterstock)

Unimed Completa 48 anos em Araraquara como referência na Saúde Atual diretoria adota mudanças na estrutura administrativa e jurídica da cooperativa e tem avaliação positiva de 100% dos clientes internos.

As mudanças constantes do mundo atual como novas técnicas de diagnósticos e tratamentos, avanço de casos de doenças cardiológicas e neurológicas bem como aumento de pacientes oncológicos e com doenças degenerativas na população, exigem uma resposta imediata e contínua dos planos de saúde e a atual diretoria da Unimed Araraquara reconhece nesses e em outros itens a necessidade de adequar a estrutura para atender as demandas e superar os desafios impostos pela sociedade moderna. Ao completar 48 anos, a Unimed Araraquara tem na diretoria um forte aliado quando o assunto é atender as demandas atuais e planejar o crescimento de maneira sustentável da cooperativa. O diretor-presidente da Unimed Araraquara, José Paulo Luz Lima avalia de maneira positiva as mudanças adotadas pela atual gestão e pontua os desafios identificados para os planos de saúde. Segundo Luz Lima, foram vários desafios superados pela atual diretoria. “Entre eles a reorganização dos Departamentos Jurídico, Financeiro e Contábil, com mudança de toda a estrutura administrativa e jurídica da Operadora, além da interação com cenário de transformação e incertezas na área de saúde de maneira a garantir um resultado satisfatório, a partir da manutenção da estabilidade de nossa cooperativa”, ressalta. Essas mudanças já foram sentidas e bem avaliadas pelos cooperados em pesquisa realizada com os clientes internos que identificou 100% de satisfação em comparação ao resultado negativo revelado no início de 2018. Em relação aos desafios, Luz Lima afirma que são inúmeros e que a cooperativa precisa se preparar.

“Entre eles estão as mudanças no mercado com a participação de investidores, a maximização dos resultados com a verticalização dos serviços, o direcionamento do atendimento, a prática da atenção primária a saúde e a concorrência acirrada e predatória, que causa forte pressão nas receitas e dificulta as negociações com os contratantes”. A Unimed Araraquara em seus 48 anos de atividade tem com marca, oferecer excelência no atendimento em saúde. Para tanto conta com mais 500 médicos cooperados que, por sua vez, podem usufruir da melhoria contínua da estrutura física da cooperativa nos Hospital São Paulo, Univida e Unilab, além do investimento em congressos para atualização do corpo clínico, da assessoria jurídica para consultas e acompanhamentos de processos entre outros benefícios. Luz Lima afirma que os recursos investidos no corpo clínico são prioridade porque manter o apoio e a fidelização dos médicos cooperados é um diferencial para enfrentar a concorrência. “Estamos preparando a Unimed Araraquara para este novo mercado, aumentando a eficiência, reduzindo custos, controlando a sinistralidade, buscando atender às expectativas e necessidades dos clientes e cooperados, sem deixar de lado o conceito da Atenção Primária à Saúde. Nesse ultimo item temos o Unimed é um CUIDARPersonal, DE VOCÊ. ESSEque É O PLANO. produto que acompanha a evolução do mercado de planos de saúde. Por isso que aos 48 anos de idade, a Unimed Araraquara, no final das contas não tem comparação”, finaliza. Araraquara


Brincar como instrumento terapêutico chega sobre rodas no Hospital São Paulo - Unimed Araraquara Crianças têm agora uma nova forma de chegar até ao centro cirúrgico do HSP. Elas vão de carrinho elétrico.

Plano

Unimed Personal

pag. 02

A mudança de ambiente, a presença de pessoas desconhecidas e a própria cirurgia são experiências que podem ser traumáticas para uma criança. Pensando nisso, o Hospital São Paulo – Unimed Araraquara trouxe um elemento novo para divertir os pequenos e deixar o ambiente mais leve e descontraído. É um carrinho elétrico que pode ser usado pela criança no trajeto do quarto até o centro cirúrgico. Segundo o diretor hospitalar da Unimed Araraquara, Antônio Carlos Durante, a ideia é exatamente humanizar. “Às vezes a criança chega triste, com medo, chora, então o carrinho tira esse estresse”, pontua. Já a gerente da enfermagem do HSP, Rosana Aparecida Jurisato Zafallon conta que a proposta veio de alguns cursos realizados com profissionais de vários países entre eles os Estados Unidos, onde se iniciou o uso do carrinho elétrico. No Brasil, atualmente, o carrinho já é utilizado em alguns hospitais, mas na região, o Hospital São Paulo é o primeiro. “A gente quer minimizar os traumas, trazer mais um aconchego para criança, através da redução da ansiedade provocada por estar em um lugar que ela não conhece, com pessoas que ela não convive”, explica. A gerente de enfermagem reitera que essa proximidade dos brinquedos, da parte lúdica, além de diminuir a ansiedade da criança, diminui também a ansiedade da mãe e da equipe. “O ambiente se transforma tanto para a criança quanto para mãe e para a equipe e, é o que a gente quer. Trabalhar com essa humanização em todos os aspectos em toda a linha do cuidado”, finaliza.

Campanha Personal 2019

Unimed Personal atrai clientes pelo atendimento diferenciado e menor custo Campanha de lançamento realizada em março teve alto índice de adesão ao plano que oferece a atenção primária à saúde.

Os planos de saúde têm um novo desafio atualmente. Além de oferecer serviços de qualidade através de atendimentos e profissionais reconhecidos e capacitados, devem também optar por produtos diferenciados que atraiam novos clientes. Pensando nisso, a Unimed Araraquara realizou em março a campanha do Plano Personal para Pessoa Física. Esse produto prioriza a atenção à saúde primária, resgatando dos protocolos de atendimento a figura do médico de família. Segundo o gestor de mercado, Rodrigo Marine, o Unimed Personal é um plano em que o cliente pode agendar consultas para ser atendido em até 48 horas por um médico que será responsável por acompanhar todo o histórico do cliente e familiares. “Caso o médico da família indique algum tipo de encaminhamento para especialistas e serviços específicos, o cliente terá à sua disposição toda a estrutura da Unimed Araraquara”, afirma.

Hospital São Paulo – Unimed Araraquara tem certificação para realizar procedimento cardíaco inovador no interior do Estado

Além do atendimento personalizado à saúde primária, o plano UNIMED Personal abriu para o mercado um produto com custo menor, mas com toda a qualidade no atendimento que a cooperativa oferece para a cidade e região. Marine conta que durante a campanha realizada no mês de março, o plano teve uma adesão de 70% do público interessado em conhecer as condições do produto. “As redes sociais foram um importante aliado utilizado para divulgar a campanha do Personal”, ressalta.

Equipe de Cardiologia Intervencionista do HSP está autorizada a fazer o Implante de Válvula Aórtica Percutâneo Transcateter – TAVI é pioneira no interior de São Paulo.

A clínica Unimed Personal fica na Rua 13 de Maio, 1387, na Vila Xavier. Outras informações estão disponíveis pelo telefone (16) 3301-2850 ou pelo whatsapp (16) 99324-3060.

CUIDAR DE VOCÊ. ESSE É O PLANO.

Araraquara

Mockup anúncio de revista

Desde fevereiro, pacientes com estenose (estreitamento) da válvula aórtica e que tenham perfil para se submeterem ao Implante de Válvula Aórtica Percutâneo Transcateter - TAVI podem fazer o procedimento no Hospital São Paulo – HSP, em Araraquara, sem o monitoramento de equipes externas ao hospital. A equipe de cardiologia intervencionista do HSP, formada pelos médicos João Orávio de Freitas Jr., Sérgio Luis Berti e Said Assaf Neto, faz esse procedimento desde final de 2017, no entanto, até fevereiro deste ano, havia a necessidade da supervisão de um profissional externo vindo de hospitais de referência na realização do TAVI como a Beneficência Portuguesa, Oswaldo Cruz, Sírio Libanês e Instituto do Coração de São Paulo.

pag. 03

A pequena Clara, de quatro anos, foi a primeira paciente a experimentar a novidade pelos corredores do HSP.

Segundo a equipe de cardiologistas, esse treinamento faz parte do processo de certificação e, com essa conquista a cardiologia intervencionista do hospital passa a ser pioneira no interior do Estado de São Paulo em fazer o procedimento do TAVI. A certificação reforça a alta capacidade da equipe de cardiologistas intervencionistas do hospital e mostra também o empenho da Unimed Araraquara em oferecer aos associados, a cobertura de um procedimento que ainda não está credenciado na Agência Nacional de Saúde Suplementar – ANS, o que coloca a unidade da cooperativa em Araraquara à frente das outras Unimeds do Estado de São Paulo. CUIDAR DE VOCÊ. ESSE É O PLANO.

Araraquara


Departamento Marketing e Comunicação Dr. José Paulo Luz Lima Dr. Carlos Fernando Camargo Dr. César Antônio Dias Dr. Emerson Carlos Dr. Antonio Carlos Durante

TÉCNICA COMPLEMENTAR

Jornalista Responsável: Valda Rocha - MTB 23.223

Ozonioterapia é implementada como nova prática terapêutica

Projeto Gráfico e Diagramação: Atmo Propaganda e Marketing

Campanha de Páscoa do grupo de voluntários do Univida – Unimed Araraquara doa gorrinhos para a Gota de Leite Mais uma vez, voluntários seguem o objetivo de ajudar recém-nascidos carentes da maternidade e pedem doações de novelos de lãs. Em abril, durante a campanha de Páscoa, os recém-nascidos da Maternidade Gota de Leite receberam mais uma doação do Grupo Gorrinho Solidário formado por voluntários mobilizados pelo Centro Unimed de Qualidade de Vida – Univida. Foram 316 gorrinhos de lã somados a 24 macacões e 13 mijãozinhos confeccionados pelo trabalho voluntário de funcionários, clientes e corpo clínico através da doação de novelos de lãs dos participantes do grupo e da população em geral. Para seguir com o trabalho de atender os recém-nascidos da Gota de Leite, o grupo Gorrinho Solidário pede doação de novelos e informa também que os interessados em participar do grupo serão muito bem-vindos. Quanto às doações, as pessoas podem levar unidades de lãs especiais e antialérgicas para bebês, de preferência linha Cisne – Bebê Confort e ou Super Bebê ao Univida – Unimed Araraquara que fica no endereço Rua João Paulo I, 1.400 Jardim Higienópolis. Outras informações pelo telefone (16) 3303-1590.

Procedimento passa a ser oferecido a pacientes da rede pública de Araraquara pag. 04

Recepção do Grupo Gorrinho Solidário no Centro Unimed de Qualidade de Vida - Univida

Hospital São Paulo – Unimed Araraquara capacita equipe para trabalhar com o luto Parceria com Grupo Transformação visa preparar profissionais da área da saúde para falar de perdas gestacionais e neonatais com pais e também com a sociedade. A rotina de um hospital traz em si muitas ocorrências diferentes. Umas voltadas para fatos alegres, mas muitas outras cheias de dor e tristeza. Nesse sentido, o Hospital São Paulo (HSP) – Unimed Araraquara está focado em preparar a equipe para trabalhar com uma dessas vertentes de ocorrências que é a perda gestacional e neonatal. Para tanto, o HSP fez uma parceria com o Grupo Transformação, co-fundado pela professora Perla Cristina Frangioti Machado e, que tem por objetivo reconhecer essas perdas como luto real.

Profissionais do Hospital São Paulo em encontro com membros do Grupo Transformação.

Da vivência de perder uma filha aos nove meses de gestação, Frangioti indignou-se com a falta de visibilidade dessa dor na sociedade e foi, a partir daí, que iniciou junto a pessoas com a mesma indignação, uma luta para reconhecer esse luto e buscar tratamentos qualificados para atender a questão de forma mais humanizada seja pelos profissionais da saúde, seja por familiares, seja pela sociedade. Segundo a co-fundadora do Grupo Transformação, quando começou a promover encontros presenciais de acolhimentos, marcados via rede social, as reclamações

14

mais recorrentes eram relacionadas a maneira como foram tratadas desde hospital até em casa pela família. “Quando a gente não valida a dor do outro, ele não tem para onde correr e como vivemos numa sociedade que não reconhece o luto, perdas gestacionais e neonatais são ainda mais invisíveis”, afirma. Dessa forma, o grupo formado em 2017, mobilizou profissionais da saúde públicos e privados para discutir junto ao segmento maneiras de preparar as pessoas para cuidar dos casos de luto por meio da construção de diretrizes capazes de direcionar formas de acolhimento que transformem o momento da perda em uma experiência assistida de forma plena. Frangioti conta ainda que no ano passado, foi apresentado também um projeto, aprovado pela Câmara Municipal, em que foi criada uma semana de sensibilização para as perdas gestacionais e neonatais, já que existe uma carência na formação profissional da área de saúde para atender essa demanda”, explica a professora. Essa carência na formação é atestada pela gerente do Hospital São Paulo – UNIMED Araraquara, Rosana Aparecida Jurisato Zafalon. “Não existe nos cursos de Medicina, Enfermagem entre outros da área de saúde, uma disciplina, uma aula se quer, que fale sobre morte, sobre perdas, sobre luto. Nós não somos preparados para isso, mas está na hora de reconhecer que esse momento difícil existe e temos que falar sobre ele e aprender a lidar com ele”, afirma. Segundo Zafalon, por isso que a parceria com o Grupo Transformação e a construção de diretrizes protocolares que possam encaminhar atendimentos para um viés mais humanizado com os devidos acolhimentos. “É uma construção feita aos poucos em que a gente quer transformar a parte dolorida, difícil em uma experiência acolhedora dentro da linha do cuidado”, finaliza. CUIDAR DE VOCÊ. ESSE É O PLANO.

Araraquara

Ano 21 | n.74 | Junho de 2019

Fotos: Revista Casa do Médico

Expediente Diretoria Executiva Diretor Presidente Diretor Administrativo-Financeiro Diretor de Mercado Diretor de Promoção e Assistência à Saúde Diretor Hospitalar

A Dra. Wendy Falzoni e o promotor de Justiça Raul de Mello Franco Junior: evento na Casa do Médico reuniu representantes do Colégio Médico Brasileiro de Ozonioterapia, Ministério Público e Secretaria Municipal A ozonioterapia, como a técnica funciona e suas indicações foram os assuntos abordados na palestra ministrada pela Dra. Wendy Falzoni, presidente do Colégio Médico Brasileiro de Ozonioterapia (CMBO) e fundadora da Associação Brasileira de Ozonioterapia (ABOZ), no dia 27 de abril, no auditório da Casa do Médico. O evento foi promovido pela Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal da Saúde, com a presença da secretária da Saúde, Eliana Honain, em parceria com o Ministério Público, que teve como representante no evento o Promotor de Justiça Raul de Mello Franco Junior. O objetivo foi apresentar, aos profissionais da Saúde e à população em geral, a ozonioterapia, uma nova prática terapêutica que está sendo implantada na rede pública de Saúde de Araraquara. Foram convidados médicos, enfermeiros, farmacêuticos, odontólogos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, além de autoridades. O evento foi aberto pelo Promotor de Justiça, Raul de Mello Franco Junior. Ele agradeceu a disponibilidade da Dra. Wendy Falzoni e cumprimentou a Secretária da Saúde pela iniciativa de implantar a ozonioterapia na rede. “Araraquara sai na frente em oferecer esse serviço à nossa população. É uma técnica eficiente, barata, da qual particularmente faço Ano 21 | n.74 | Junho de 2019

uso e defendo que todos possam ter acesso a ela. Nos chamou a atenção principalmente os resultados do tratamento complementar em feridas diabéticas, o chamado pé diabético”, exemplificou o Promotor. Eliana Honain fez questão de destacar o trabalho e o esforço do Dr. Raul para a implantação da sala de ozonioterapia no prédio do Núcleo de Gestão Ambulatorial “Dr. Francisco Logatti” (NGA3), para atender pacientes do SUS. “Araraquara sai realmente na frente, mais uma vez. Nossa sala está pronta para oferecer a técnica, mantendo nossa linha de trabalho que é oferecer saúde de qualidade à população”, declarou a secretária municipal, antes do início da palestra da Dra. Wendy. A ozonioterapia é uma técnica que utiliza a aplicação de oxigênio e ozônio, por diversas vias de administração, como endovenosa, retal, intra-articular, intramuscular, intravesical, entre outros. Pode se tornar grande aliada no tratamento de diversas doenças, incluindo problemas circulatórios; tratamento e prevenção de doenças causadas por vírus, tais como hepatites, herpes simples e herpes zoster; tratamen-

to de quaisquer feridas infectadas, inflamações de difícil cicatrização, como pé diabético; colites e outras inflamações intestinais crônicas; protrusão discal e dores lombares. Além disso, facilita a cicatrização de queimaduras; reduz as dores articulares decorrentes de doenças inflamatórias crônicas; promove a imunoativação geral (ativação do sistema imunológico) e contribui como terapia complementar para vários tipos de câncer. “É um tratamento que não exclui os outros tratamentos, é complementar. Alguns pacientes que precisam de amputações, muitos deles não vão para amputação por causa desse tratamento associado da ozonioterapia”, disse a Wendy. Em março, o Ministério da Saúde anunciou a inclusão da ozonioterapia e de mais nove tratamentos chamados de Práticas Integrativas e Complementares no SUS, na rede pública de saúde. Desde o dia 10 de maio, os certificados da palestra estão disponíveis na internet para os participantes. É preciso o número do CPF. g Basta acessar o link a seguir: http://bit.ly/CertificadosAqa 15


CURSO

EVENTO CIENTÍFICO

Eletrocardiograma e cardiologia na atenção primária

Uso da toxina botulínica na neuroreabilitação O neurologista Dario Baldo Jr, que faz uso da substância há 18 anos, ministrou a palestra na Casa do Médico

O neurologista Dario Baldo Jr., explica sobre os efeitos benéficos do uso da substância em tratamento controlado. ção pouco invasiva no tratamento dos portadores destes distúrbios. Aplicada diretamente nos músculos comprometidos, a toxina provoca um relaxamento e bloqueia a atividade motora involuntária, o que reduz a dor e aumenta a amplitude de movimento, favorecendo todo o trabalho de reabilitação e melhorando significativamente a qualidade de vida do paciente. g

O auditório da Casa do Médico sediou, no último dia 2 de fevereiro, o Curso de Eletrocardiograma e Cardiologia Aplicada à Atenção Primária, que tem como um dos principais objetivos tornar os médicos aptos à leitura e interpretação do ECG no contexto das principais condições clínicas sensíveis à atenção primária. O curso foi ministrado pelo Dr. Thiago Henrique dos Santos Silva, formado pela Residência de MFC da Universidade Federal de Pernambuco, que o desenvolveu ao longo de sua trajetória. Além de ofertar treinamento para médicos de família e médicos generalistas no âmbito da interpretação do eletrocardiograma e de seus corolários clínicos mais habitualmente encontrados na atenção primária, o curso busca ampliar a capacidade de identificar condições clínicas que necessitam de seguimento com cardiologista, sempre de forma criteriosa e baseada em evidências. O curso do Dr. Thiago Henrique dos Santos Silva, ministrado em modalidade de imersão, possui chancela da Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC) e da Comissão Nacional de Acreditação da Associação Médica Brasileira (CNA-AMB). g

Foto: Revista Casa do Médico

Foto: Revista Casa do Médico

O uso da toxina botulínica na reabilitação neurológica foi o tema da palestra ministrada pelo neurologista Dario Baldo Junior, no último dia 25 de março, na Casa do Médico. O evento, organizado pelo Departamento de Neurologia da Associação Paulista de Medicina (APM), integrou a agenda de encontros mensais que reúnem neurologistas da cidade e região. Além dos médicos especialistas em neurologia, a palestra reuniu, entre outros profissionais, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais e fonoaudiologistas, além de estudantes destas áreas médicas. O objetivo foi debater as contribuições da toxina botulínica na recuperação da qualidade de vida dos pacientes com distúrbios motores. O neurologista Dario Baldo Jr. deu início destacando as definições da toxina botulínica. No Brasil, se utiliza da toxina botulínica tipo A, que tem efeito terapêutico importante nos tratamentos de reabilitação neurológica. Ele utiliza há 18 anos a substância que é indicada para o tratamento de pacientes com distúrbios do movimento, como espasticidade e distonia. A espasticidade ocorre com frequência após acidentes vasculares cerebrais, traumatismos raquimedulares e casos de paralisia cerebral. Já a distonia é um tipo de movimento involuntário que pode ocorrer em qualquer região do corpo de maneira localizada ou mesmo generalizada e se caracteriza por uma contração muscular. Em geral, esta contração involuntária está frequentemente associada à dor. Aprovado pela ANVISA para uso terapêutico, a toxina botulínica tipo A é considerada uma revolucionária op-

Meta é ampliar a capacidade de identificar condições clínicas que necessitam de seguimento com cardiologista, sempre de forma criteriosa e baseada em evidências

Dr. Thiago Henrique dos Santos Silva, que desenvolveu o curso, no auditório da APM Araraquara

Traga seu curso ou palestra para a Casa do Médico Entre em contato: (16) 3332-3698

Neurologista de Bauru ministra palestra sobre AVC Acidente Vascular Cerebral é a segunda doença que mais mata no mundo e a que mais causa incapacidade A neurologista Marcia Polin, coordenadora da equipe de Neurologia da Fundação para o Desenvolvimento Médico e Hospitalar (Famesp) e do Hospital de Base de Bauru, ministrou palestra, no dia 28 de março, no auditório da Casa do Médico, no 1º Encontro com Troca de Experiência em AVC (Acidente Vascular Cerebral). Marcia Polin é médica graduada pela Faculdade de Medicina de Botucatu da Unesp em 2009. Tem Residência Médica em Neurologia no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu da Unesp. Possui também Certificação em Neurossonologia em 2014 pela Academia Brasileira de Neurologia; Fellowship em Neurovascular no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu da Unesp, em 2015, e Doutorado em 16

Fisiopatologia em Clínica Médica na Faculdade de Medicina de Botucatu da Unesp, em 2018. Entre outras abordagens, ela falou na palestra sobre as principais causas do acidente vascular e o Código AVC, protocolo que mudou o atendimento a vítimas de AVC, segunda doença que mais mata no mundo e a que mais causa incapacidade. O Código AVC, quando colocado em prática até 4 horas e meia após o paciente apresentar os sintomas, não só reduz a mortalidade, como também diminui drasticamente as sequelas. A palestra da Dra. Marcia Polin foi promovida pela APM Araraquara, com o apoio da Santa Casa de Araraquara, em parceria com o laboratório Boehringer Ingelheim, e reuniu profissionais e estudantes da área da Saúde. g Ano 21 | n.74 | Junho de 2019

Ano 21 | n.74 | Junho de 2019

17


RECEITA MÉDICA

EVENTO CIENTÍFICO

O êxodo gastronômico

Cardiologista da Santa Casa ministra palestra no encontro mensal de pneumologistas

convidamos especialistas de outras áreas para que eles apresentem as experiências que têm com patologias relacionadas aos problemas de pulmão. Já recebemos reumatologistas, patologistas, radiologistas otorrinolaringologistas, gastroenterologistas e, nessa noite, temos aqui uma cardiologia e ecocardiografista. Queremos que eles tragam a relação entre as suas especialidades e a pneumologia. E como o pulmão é um órgão muito central, há muitas afinidades com outras áreas”, avalia Arbex. g sicredi.com.br

Fazer Poupança Investimentos Crédito Cartões Seguros Consórcios Previdência

www.espacoulivi.com Fone: (16) 99610 3433

Chef de cozinha e sommelier

Foto: Revista Casa do Médico

A cardiologista e ecocardiografista Cecília Meireles Barros, palestrante da noite, entre os médicos José Eduardo Seneda Lemos, Jorge Haddad, Marcos Abdo Arbex e Eduardo Hage

Eventos privados e personalizados

CHICO OLIVI

O ecocardiograma é utilizado para avaliar problemas pulmonares A importância do ecocardiograma na avaliação de doenças pulmonares. Esse foi o foco da palestra ministrada pela cardiologista e ecocardiografista Dra. Cecília Meireles Barros, na noite de 25 de abril, na reunião mensal de pneumologistas realizada pela Regional de Araraquara da Sociedade Paulista de Pneumologia e Tisiologia, em parceria com a Associação Paulista de Medicina (APM), no auditório da Casa do Médico. “O coração tem toda relação com o pulmão. Através do ecocardiograma, um método não invasivo, é possível avaliar hipertensões pulmonares. É um exame importantíssimo para o pneumologista poder observar a progressão das doenças pulmonares, o que elas estão causando de repercussão no ventrículo e ainda ter um prognóstico”, disse ela antes da palestra, que foi encerrada com exemplos de casos do seu cotidiano. O pneumologista Marcos Abdo Arbex, presidente da Regional de Araraquara da Sociedade Paulista de Pneumologia e Tisiologia e organizador das palestras mensais na Casa do Médico, reforçou a importância do trabalho do ecocardiografista nos diagnósticos e prognósticos realizados pelos pneumologistas. “Esse tema enriquece demais e vem ao encontro do objetivo principal das nossas palestras mensais. Nós

ESPAÇO ULIVI GASTRONOMIA

Com a “gourmetização” do mundo, os restaurantes enfrentam uma dura realidade quanto ao movimento de clientes no dia a dia. Uma tendência vem alterando a rotina e o estilo de vida dos frequentadores e também das pessoas que consomem os produtos gourmets. É um público que está cada vez mais seletivo, o que é um fator positivo, mas que está preferindo ficar em casa. Há hoje uma explosão da oferta de produtos artesanais, com denominações de origens, como cortes especiais de carne com diferentes tipos de raças, queijos e frios de diversos lugares do mundo, cervejas artesanais, cachaças, vinhos, entre outros produtos. Empórios, delicatessen e casas especializadas ofertam milhares destes produtos aos consumidores, que optam por comprá-los e se aventuram em suas próprias cozinhas para comemorar, festejar ou até mesmo para um simples encontro. Atribui-se também a esse novo comportamento do cliente as suas casas e apartamentos com espaços gourmets altamente equipados com utensílios de última geração, fogões, churrasqueiras, fornos, etc. Além dos locais que geram conforto para as crianças, com playgrounds, áreas livres e esportivas para se divertirem que, por fim, geram a tranquilidade para os pais em

Foto: Jay Wennington / Unsplash

terem seus filhos por perto e em segurança. Talvez outro fator que possa influenciar este tipo de comportamento é a Lei Seca, fazendo com que as pessoas prefiram beber em suas residências, ao invés de correrem o risco de ser pegas embriagadas, pela polícia, nas ruas. Mas a invenção dos aplicativos de transportes, que são baratos e seguros, pode resolver esse tipo de problema. Por fim, a grande quantidade de informações gastronômicas em jornais, revistas, aplicativos, tutoriais no YouTube, livros, blogs, sites e os famosos programas culinários e reality shows faz com que uma grande massa de consumidores dos serviços de restaurantes optem por ficar em suas casas, tendo a chance de serem os próprios “Masterchefs”. Feito o desabafo, se não bastasse a custosa realidade que os restaurantes enfrentam com impostos, custo de matéria prima, taxas de cartões de crédito, custo operacional e a variável mais cruel da frequência dos clientes... o que pode restar para os remanescentes nesta área “gourmet” é muita coragem e, por fim, amor ao trabalho. E a esperança que fica é, quanto mais se falar em gastronomia, quanto mais consumi-la, quanto mais em evidência o assunto ficar, mais os restaurantes vão perdurar, por anos e anos. Saúde! g

Juntos Somos o Sicredi e fazemos juntos todos os produtos e serviços que você quer e precisa, com taxas justas e de um jeito mais simples e próximo.

Abra uma conta com a primeira instituição financeira cooperativa do Brasil.

Seguros intermediados pela Corretora de Seguros Sicredi. Verifique se o crédito consultado cabe no seu orçamento. Crédito sujeito à análise e aprovação. SAC Sicredi: 0800 724 7220 / Deficientes Auditivos ou de Fala: 0800 724 0525. Ouvidoria Sicredi: 0800 646 2519.

18

Ano 21 | n.74 | Junho de 2019

Ano 21 | n.74 | Junho de 2019

19


MEMÓRIA VIVA

Dr. Paulo Homem: parcerias na medicina e na política O médico Paulo Monteiro de Barros Carvalho Homem escreveu sua história em Araraquara atuando na medicina e também na política. Era de Barretos (SP). Nasceu em 6 de fevereiro de 1927, primogênito do casal Osório de Carvalho Homem e Anna Monteiro de Barros Carvalho Homem, que teve também Renato, Lucia e Maria Aparecida. Foi o primeiro médico da família. Ainda pequenos, eles se mudaram com os pais para uma fazenda em Minas Gerais, nas proximidades de São Gonçalo do Sapucaí. Mas, tempos depois, Paulo foi morar no Rio de Janeiro, onde fez seus estudos primários e o colegial. Bem jovem, começou a trabalhar no Serviço de Alimentação da Previdência Social, como office-boy. Isso foi em 1946. Determinado a crescer no trabalho, chegou ao mais alto cargo da hierarquia funcional, no cargo de Delegado Regional do Distrito Federal. E foi no estado do Rio de Janeiro mesmo que, após concluir o colegial, decidiu ingressar no curso de medicina da Universidade Federal Fluminense, em Niterói. Formou-se médico em 1955 e naquele mesmo ano, na véspera do Natal, se casou com Regina Apparecida Cunha. Retornou para o interior de São Paulo e se instalou em Jaboticabal. Da união com dona Regina nasceram as filhas Regina e Ana Maria. Em 1957, veio para Araraquara para trabalhar junto com outros médicos na instalação do Hospital Nestor Goulart Reis, em Américo Brasiliense. Em 1959, montou seu consultório particular, também participou da instalação da Clínica Saara de Anestesia, em parceria com outros anestesistas renomados da cidade. Foi professor da Uniara, ministrando aulas de Medicina Legal no curso de Direito. Mais tarde, se casou em segundas núpcias com a senhora Adelia Prevato. 20

Foto: Arquivo pessoal

Com carreiras respeitadas na medicina e também na política local, deixou como exemplo o amor e dedicação à família, aos amigos e ao trabalho

Dr. Paulo Monteiro de Barros Carvalho Homem Mesmo com uma carreira brilhante e já consolidada na medicina, levando inclusive o nome de Araraquara por todo o Estado como diretor da Macrorregião III da Secretaria Estadual de Saúde, ele decidiu atuar na política: foi eleito vereador por 3 mandatos, entre 1983 e 1996. Na Câmara, foi membro de diversas comissões permanentes. Em 1989, foi Presidente da Comissão de Ordem Social para a elaboração da Lei Orgânica o município. Em 1991, foi membro da Comissão de Líderes dos Partidos Políticos, a fim de estudar, junto ao prefeito municipal na época Waldemar De Santi, a contratação de uma empresa de consultoria econômica que ajudasse a apontar as diretrizes para o crescimento de Araraquara. Em 1991 e 1993, foi indicado para integrar o Conselho Municipal de Saúde, em 1993 e 1995 foi indicado para representar a Câmara Municipal na Fundação de Arte e Cultura, a Fundart. Em 1995, assumiu novamente o

Conselho Municipal de Saúde de Araraquara e o Conselho Regional de Política Cultural, tendo sido muito atuante também nesta área. E, de 1995 a 1996, foi vice-presidente da Mesa Diretora e exerceu na Câmara a liderança e a vice-liderança do seu partido, na época, o PMDB. O prefeito era Roberto Massafera, do seu partido, de quem foi braço direito. Foi também em 1996 que o Dr. Paulo Homem se ausentou do pais, de 1 a 8 de março, para viajar oficialmente a Cuba, representando a Câmara Municipal, juntamente com o prefeito, para tratar de intercâmbio cultural, científico e comercial. Em 2000, em reconhecimento a tantos feitos na cidade, merecidamente recebeu o título de “Cidadão Araraquarense”. Dr. Paulo Homem faleceu aos 81 anos, no dia 14 de julho de 2008. Deixou muitos amigos. Um deles, o ex-prefeito Marcelo Barbieri, que na época era presidente em exercício do PMDB, e publicou nota na imprensa local lamentando a perda do “homem honrado, digno e dedicado, que sempre será sinônimo de trabalho, profissionalismo e humanidade”. Barbieri chama Dr. Paulo Homem de companheiro de luta nesta nota e destaca ainda que, além da medicina, o amigo havia lutado pelas causas culturais de Araraquara, tendo sido um homem forte e braço direito dos ex-prefeitos Clodoaldo Medina e Roberto Massafera. “Na medicina, salvou e transformou vidas”, afirmava o amigo. No mesmo ano do seu falecimento, no final do segundo mandato do prefeito Edinho Silva, Dr. Paulo Homem foi novamente homenageado, desta vez com a denominação do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência - SAMU “Dr. Paulo Monteiro de Barros Carvalho Homem”, na Vila Melhado, através da Lei Municipal nº 6895, de 9 de dezembro de 2008. g Ano 21 | n.74 | Junho de 2019

Profile for Editora Casa da Árvore

Revista Casa do Médico (Junho 2019)  

Revista Casa do Médico (Junho 2019)  

Advertisement