Page 1

Revista Trimestral

Casado Médico IMPRESSO

Ano 20 | n.70 | Abril de 2018

ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE MEDICINA | ARARAQUARA

MEMÓRIA VIVA

Dr. Syrthes de Lorenzo, o médico e fotógrafo premiado que estudou com Noel Rosa no Rio FORA DO CONSULTÓRIO

O cardiologista Sérgio Berti fala sobre suas aventuras em trilhas pelas montanhas

Médicos comentam a importância da atividade física para a saúde revista_apm_17. V_5.indd 1

LEIA TAMBÉM

Os planos da nova diretoria eleita na Unimed Araraquara APM Araraquara planeja benfeitorias no clube de campo “Cinema e Psicanálise” tem nova temporada: confira a programação

09/04/18 21:01


Dr. Luís Henrique Brandão Falcão Presidente Dr. Sérgio Delort Vice-presidente Dra. Ticiane Corina Ribas 1a Secretária Dra. Renata Ferlin Arbex 2a Secretária Dr. Sidney Antonio Mazzi 1º Tesoureiro Dr. Marcus V. Platzer do Amaral 2º Tesoureiro Dr. Fernando Linares Diretor de Defesa Profissional Dr. Eli Aparecido dos Santos Júnior Diretor Social Dra. Fabiane A. Alves Madureira Diretora Cultural e Científico

A revista Casa do Médico é uma publicação trimestral editada pela Associação Paulista de Medicina (APM) - Secção Araraquara. Produção Editora Casa da Árvore Reportagem Marcia Bessa Martins Impressão Gráfica Art Point Tiragem 1.000 exemplares Distribuição Gratuita. APM Araraquara | Casa do Médico Rua Voluntários da Pátria, 1478 Centro, Araraquara, SP

novos associados

GUSTAVO RAMOS RIBEIRO OFTALMOLOGIA CRM: 151184

JULIANA PONTALTI GEBARA PSIQUIATRIA CRM: 181096

LUIZA MURAD BRAGA ZBEIDI PEDIATRIA CRM: 149856

AMANDA R. DE NORÊTO LONGO GALVÃO GASTROENTEROLOGIA CLINICA CRM: 158921

RAMOM ANGELO RUIVO CARAZZATTO OFTALMOLOGIA CRM: 152405

MEDICINA E SOCIEDADE

Participe dos canais de comunicação social da APM Araraquara A APM Araraquara mantém diversos canais de comunicação com o objetivo de aproximar profissionais de medicina e a população da cidade e da região. Além desta revista Casa do Médico, a entidade mantém um site na internet (www. apmararaquara.org), um canal de vídeos

no YouTube e um parceria com veículos de imprensa para a divulgação de informações de interesse público sobre medicina e saúde. O portal A Cidade ON, do Grupo EPTV, divulga a coluna Dicas do Doutor, produzida em parceria com a APM Araraquara. Os canais de

comunicação da APM foram criados para que os médicos associados possam encaminhar artigos para publicação na revista, além de participar de entrevistas e sugerir temas e eventos para cobertura. Para participar, envie um email para apmaqa@uol.com.br.

CLUBE DE DESCONTOS Conheça as empresas conveniadas em Araraquara e os benefícios oferecidos a associados da APM

CONSULTORIA Assistência Jurídica para associados da APM Araraquara. Entre em contato o Advogado Guilherme Loria Leoni. R. Major Carvalho Filho, 1013. Fone: 3336.9091

2

revista_apm_17. V_5.indd 2

10% DE DESCONTO Matrícula grátis. Ginástica, pilates, musculação, nutricionista, massagista, runners, natação, hidro e fisioterapia.

ATÉ 10% DE DESCONTO Salão de beleza. Corte unissex, estética corporal e facial, manicure, pedicure e pacote para o Dia da Noiva.

10% DE DESCONTO Logística terrestre de eventos, viagens de lazer e negócios, locação de veículos e logística esportiva.

Av. Padre F. Colturato, 1015. Fone: 3335.1570 www.academiahct.com.br

Av. Duque de Caxias, 958 Fone: 3301.1746 www.clinicanewlook.com.br

Rua José Pedro Teixeira Cardoso, 478. Fone: 3214.4040

ENTREGA GRATUITA Serviços de escritório com desconto. Licenciamento, transferência de veículos, revalidação da CNH, atestado e identidade. Rua Itália, 1132. Fone: 3322.4155

Ano 20 | n.70 | Abril de 2018

09/04/18 21:01


HISTÓRIA DA MEDICINA

A realização e idealização do médico de família “Vamos entrando, compadre Cami- Camilo Biffi, não levasse em seu carlo!”, convidou hospitaleiro como sem- roção de 4 rodas dois balaios repletos de frutas, raízes de mandioca, verdura pre o doutor Pitombo. Quando ouviu as palmas vindas macia, que cultivava em seu sítio pelos da rua, o afável médico baiano, já tra- lados do rio do Ouro, como quem sai balhando há mais de 30 anos em Ara- pela Vila Xavier. Numa lata, uma vez raquara, abrindo a porta da sala para era o doce de cidra, outra era o de abóver quem era, deparou com a figura do bora, de marmelo, de goiaba… Não mimoseavam o médico baiabonachão italiano. Camilo Biffi era um homem sim- no como uma forma de pagamento, ples e um amigo muito querido. Os ca- mas para satisfazer um prazer próprio, sempre dizendo belos embranquecenque o que dava era do, o vasto bigodão com as marcas do sarNão mimoseavam muito pouco perto do que recebia. De fato, ro do cigarro de fumo o médico baiano Camilo e sua mulher, de corda embrulhado como uma forma Joana, sentiam-se seguna palha do milho. ros, ainda mais recor“Providencie um de pagamento, dando outros tempos, cafézinho bem ao mas para logo que se casaram, gosto do compadre, satisfazer um quando só por milagre Donana”, pediu o méperderam apenas um dico para a sua velha prazer próprio, dos 11 filhos que tivecozinheira. Enquanto sempre dizendo ram, 6 meninos e 5 meisso, com a cesta em que o que dava era ninas. Não fazia muito uma das mãos e o chapéu na outra, Camuito pouco perto tempo fora a caçula das meninas, Carmen, com milo se acomodava do que recebia seus 8 anos, quem dera já dentro da cozinha, um grande susto. O como pessoa da casa bom compadre médico que era. E foi dizendo resolveu num sopro. Subindo no pesao colocar a cesta na mesa: “Bem do jeito que o compadre e a segueiro, a menina travessa apanhou comadre gostam! Eu trouxe um pernil o pêssego mais amarelinho e graúdo, e o lombo de um capadinho que matei lá no galho mais alto, e na primeira hoje mesmo, bem antes do nascer do mordida, enquanto ainda descia, a sol”. Falava do mimo com brilho nos casa aveludada grudou-se na garganolhos e com alegria sincera de uma ta, não indo nem para a frente, nem criança. E para mostrar a comadre que para trás, ameaçando-a de sufocaentrava naquele momento na cozinha, mento. Foi uma correria no trole do o italiano descobriu a carne rosada, re- vizinho Bibiana até o consultório do tirando o pano alvo, de algodão, com médico no centro da cidade. A amizade vinha de longe e foi se as manchas de sangue claro. Eram as duas partes mais apreciadas do porco, fortalecendo aos poucos, até que veio especiais para o assado no almoço da o convite para o casal ilustre batizar Páscoa. Ainda mais que o capadete uma das filhas do italiano. No dominnão teria muito mais do que duas arro- go, depois da cerimônia na igreja Joana ajudada pela filha de Serafina, a mais bas, carne tenrinha, sem igual. Essa cena se repetia algumas vezes velha, pôs a mesa no terreiro à porta no ano, e não passava mês sem que da cozinha, à sombra frondosa da jaAno 20 | n.70 | Abril de 2018

revista_apm_17. V_5.indd 3

Esta seção publica trechos selecionados da obra “A História da Medicina e dos Médicos de Araraquara”, de

Rodolpho Telarolli

queira. A carne assada descendia desde manhãzinha, vindo o aroma do forno de lenha no canto da entrada da horta. Risoto, macarronada e os dois lições de vinho de pipa comprados no armazém do Zanioli completavam a mesa farta. E não esqueceram o ralador com o generoso pedaço de parmesão, que cada um, insistia Camilo, deveria ralar na hora, no prato fumegante. As relações entre o médico e o sitiante na Araraquara dos anos vinte, são recordações de Carmem Biffi e sua irmã Ana, relatadas com indisfarçável sentimento de nostalgia dos “bons velhos tempos”. (Trecho das páginas 87 e 88) g 3

09/04/18 21:01


FORA DO CONSULTÓRIO

Um cardiologista nas alturas

Sérgio Berti começou a fazer trilha nas montanhas em 2014 e não pretende parar Para uns, a trilha nas montanhas é um esporte, para outros uma filosofia de vida. Para o cardiologista Sérgio Berti, 52 anos, é superação, é desafio, é sair da zona de conforto e dar valor a coisas simples da vida. E foi por acaso que o especialista em Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista conheceu o trekking, ou a trilha nas montanhas. Em 2014, ele participou de um sorteio e ganhou uma viagem para Lima, no Peru. Não estava muito animado até que sua personal trainer sugeriu que ele aproveitasse a viagem para conhecer Machu Picchu, através das trilhas que atraem aventureiros do mundo inteiro para aquela região. Ele diz que gostou da ideia e, depois de pesquisas na internet, não teve escolha; só restava a trilha Salkantay, porque esta não exige reserva para o trekking. É a mais longa (5 dias), porém a mais bela, por ser pouco explorada. Com o destino definido, ele então foi buscar informações para se preparar para a viagem já que seriam 72 quilômetros de caminhada para chegar a 4.600 m de altitude. Por ser considerada de nível difícil, a trilha exige preparo físico, então ele intensificou os treinos na academia: ou ele se preparava ou não conseguiria chegar ao destino. Preparou uma mochila com cerca de 60 litros com 3 camadas de roupas para frio e calor, já que o clima varia muito na montanha; além do saco de dormir para temperaturas negativas, óculos de sol de alta montanha, lanterna e comprimidos de cloro para tratar a água recolhida dos riachos do degelo das montanhas. “Independentemente da altitude, cada um tem seu limite, mesmo um atleta, o que eu não sou, ou mesmo sendo jovem, ainda assim é possível ter mais dificuldade que uma pessoa mais velha e menos preparada fisicamente, por isso o preparo psicológico é fundamental. Portanto, cada um tem seu cume pessoal”, declarou o médico que, depois dessa experiência, decidiu encarar a Cordilheira dos Andes. Assim foi em 2017, quando ele fez a trilha de Mendoza, na Argentina, a 4

revista_apm_17. V_5.indd 4

Arquivo pessoal

O cardiologista Sérgio Berti, na placa indicando a trilha de Salkantay

Santiago, no Chile, considerada uma das paisagens mais belas, atravessando rios a pé e a cavalo, vales e montanhas formando cenários naturais inesquecíveis. Isso sem contar o seu valor histórico – foi o mesmo caminho que o General San Martin e seus soldados fizeram para conquistar a Independência do Chile, há exatos 200 anos. “Foi mais um desafio superado. Foi difícil, e mais uma vez tinha que dedicar mais dias da semana para o preparo físico e ir me preparando psicologicamente. A pessoa precisa ter consciência do seu corpo, porque existe um maior risco acima dos 3 mil metros, e ninguém está ali para se arriscar. É muito comum a dor de cabeça, por isso não falta analgésico na mochila. Existem remédios que melhoram os sintomas, mas, a única forma de tratamento é descer para

altitudes mais baixas. Para evitar o chamado Mal da Alta Montanha, que inclui problemas graves, como edema cerebral e edema agudo de pulmão, deve-se hidratar com 3 litros de água por dia e fazer a chamada aclimatação que basicamente é, após os 3 mil metros, procurar não exceder mil metros por dia, e sempre acampar mais baixo do ponto mais alto que chegou naquele dia. Ali aprendi que cada um deve saber qual é o seu limite, que cada um tem o seu cume”, reflete o cardiologista, que ainda na Argentina já tinha planos para continuar explorando a Cordilheira dos Andes. Ele escolheu então, em fevereiro último, na região do Chile, a montanha Cerro El Plomo, e sem querer participou de um evento esportivo e cultural com montanhistas experientes. Nessa montanha, cuja altitude supera a 5.400 metros, foi encontrada a múmia de uma criança que os estudiosos acreditam ter sido sacrificada como parte de um ritual religioso realizado pelos incas, há cerca de 500 anos. O evento do qual Dr. Berti participou incluía a subida da montanha com paradas estratégicas para aclimatação e descanso. Diferente das outras trilhas, essa se tratava de subir e descer por um mesmo caminho. Além de compartilhar belos quatro dias de expedição com montanhistas e representantes de povos indígenas, foi no Cerro El Pombo que o cardiologista conseguiu chegar a seu cume na Cordilheira dos Andes: 4.637 metros. Para ele, o tempo de aclimatação não permitiu chegar mais alto. Pelo menos, até agora, esse é seu cume, porque as suas próximas viagens incluem mais aventuras nas alturas: ele pretende ainda explorar a Cordilheira dos Andes na Bolívia, e outras montanhas do Peru, Chile e Argentina. “É uma sensação indescritível, uma paisagem que traz uma paz de espírito que só sabe quem passa por essa experiência”, conclui Dr. Sérgio Berti. g Ano 20 | n.70 | Abril de 2018

09/04/18 21:01


REPORTAGEM

Unimed elege diretoria para o triênio 2018-2020

Diretores empossados querem melhorar remuneração dos cooperados e adotar marketing mais agressivo para conquistar novos usuários A chapa Nova Unimed, encabeçada pelo neurologista José Paulo Luz Lima, venceu o pleito realizado no último dia 19 de março, que elegeu a nova diretoria da Unimed para o triênio 2018-2020. A chapa conseguiu os votos da maioria dos cooperados defendendo melhor remuneração dos médicos e a adoção de um marketing mais agressivo, visando conquistar novos usuários e gerar mais trabalho para seus médicos. O objetivo dessa gestão, de acordo com Dr. Luz Lima, é trabalhar na divulgação dos serviços do Hospital São Paulo que, além de ser um dos principais diferenciais do plano de saúde, é considerado referência em qualidade na região e, com isso, recebe frequentemente pacientes que não são clientes Unimed. Também fará parte das ações de marketing maior divulgação da Univida, laboratórios e serviços médicos em geral realizados nas clínicas, reforçando o alto nível do atendimento prestado pelos cooperados em Araraquara, Matão, Taquaritinga, Américo Brasiliense e toda a área de atuação. “Precisamos trazer dinheiro novo. Temos um hospital de excelência, com médicos extremamente capacitados e equipamentos de alta tecnologia. É uma estrutura que precisa ser vendida para conseguirmos melhorar a situação do médico e, consequentemente, melhorar o atendimento também. A Unimed é a uma marca forte, vamos trabalhar para fortalecer a cooperativa ainda mais”, declarou o neurologista, que já tomou posse como presidente. Dr. Antônio Carlos Durante, também integrante da chapa vencedora, ratificou as declarações do colega de diretoria e acrescentou que, atualmente, o Hospital São Paulo tem mais de 42% do seu faturamento gerado pelo atendimento a clientes de Intercâmbio, Custo Operacional ou Particular. Isso Ano 20 | n.70 | Abril de 2018

revista_apm_17. V_5.indd 5

COMPOSIÇÃO DA DIRETORIA ELEITA José Paulo Luz Lima Neurologia/Neurocirurgia Antônio Carlos Durante Ginecologia e Obstetrícia Carlos Fernando Camargo Cirurgia Pediátrica César Antônio Dias Coloproctologia e Gastroenterologia Emerson Carlos Anestesiologia Antônio Hélio Baccari Urologia Antônio Luiz C. Morganti Cardiologia e Ecocardiologia Cervantes Correa Cardozo Jr. Pediatria Daniel Barcelos Felício Ortopedia e Traumatologia Fernando P. Lima Scabello Anestesiologia Fernando Prata Magalhães Otorrinolaringologia Fumiko Takano Malavolta Oftalmologia João Eduardo Albieri Marinho Pedatria (Matão) José Geraldo Bonfá Medicina Intensiva Luiz Carlos Delfino Ginecologia e Obstetrícia (Taquaritinga) Maria Regina Barbieri Ferreira Pediatria Mário Sérgio Trevisan Ginecologia e Obstetrícia (Matão)

significa, reforça ele, geração de dinheiro novo. Dr. Durante destacou ainda que, no ano passado, uma consultoria especializada em gestão de recursos humanos (AMI Brasil) concluiu que o atual número de profissionais do hospital está adequado a seu movimento e ao número de leitos. Além disso, também em 2017, foi contabilizado um resultado gerencial que superou R$ 2.8 milhões, demonstrando a sustentabilidade dos serviços oferecidos. “Ainda podemos e vamos avançar muito a nossa qualidade e, principalmente, nossos resultados, garantindo assim ao nosso cooperado condições dignas e seguras de trabalho e um resultado sólido e sustentável”, garante Dr. Antônio Carlos Durante. Férias remuneradas - Outra bandeira levantada pela nova diretoria é a implantação de férias remuneradas para os cooperados, que segundo Dr. Luz Lima, é um anseio há muito tempo. Ele adianta que já estão em fase avançada os estudos para a viabilização desse benefício. “Se for exequível, com certeza vamos fazer. Outras chapas já fizeram essa proposta, mas queremos realmente colocar em prática essa medida, porque o principal patrimônio da cooperativa é o bom cooperado. Precisamos dar atenção a ele, fazer com que ele ganhe mais e receba nas férias. A manutenção de um consultório é muito cara. A Unimed vai dar melhores condições para seu cooperado trabalhar. Se o médico não tiver um certo volume de pacientes, hoje em dia ele não consegue pagar seus custos”, ressalta. “Nós queremos ver médicos atuantes, ganhando mais e trabalhando junto com a diretoria. E isso inclui nossos colegas de Taquaritinga e Matão. Nossas propostas são todas factíveis. Agora, vamos fazer”, concluiu o novo presidente da Unimed Araraquara. g 5

09/04/18 21:01


MEMÓRIA VIVA

Dr. Syrthes de Lourenzo: meio século dedicado à medicina Um dos mais respeitados médicos de Araraquara, Dr. Syrthes De Lourenzo, falecido em 1996, era o segundo filho do italiano Di Lourenço Michelle e de Izabel Correa de Arruda, de tradicional família araraquarense. Sua trajetória foi resultado do pioneirismo e coragem do pai, que decidiu deixar a Itália em 1890, por conta das enormes dificuldades que assolavam aquele país. Em busca de uma vida melhor ele aportou em Santos e seguiu diretamente para Américo Brasiliense onde começou a trabalhar como prático na farmácia local, sua profissão na Itália. No Brasil, adotou o nome de Miguel De Lourenzo. Em 1911, se casou com dona Izabel e começou a constituir família. Dr. Syrthes nasceu em 25 de novembro de 1911. Com os anos, para que seus filhos pudessem prosseguir os estudos, o patriarca veio com a família para Araraquara, onde o filho que mais tarde se tornaria médico cursou a escola secundária no Mackenzie College, que à época tinha uma unidade de ensino em Araraquara. Concluída essa fase, Dr. Syrthes ingressou na antiga Faculdade de Farmácia de Araraquara e se graduou como farmacêutico. Seu propósito era se formar médico. Foi então para o Rio de Janeiro e, em 1930, começou sua graduação na Faculdade Nacional de Medicina, a famosa escola da Praia Vermelha. Lá teve como colegas de turma brasileiros eminentes, entre eles Noel Rosa, que acabou abandonando o curso no terceiro ano para se dedicar à música, que, segundo Dr. Syrthes, era sua grande paixão. Também estudou com os professores de medicina renomados Edmundo Blundi, Ulisses Lemos Torres, Roberto Rocha Brito, Nuno Lisboa, Francisco Carlos Grelle, Luiz Marino Bechelli e outros. Conclui o curso de medicina em 1936 e já no ano seguinte retornou para Araraquara, onde exerceu a pro6

revista_apm_17. V_5.indd 6

Arquivo pessoal

Conheça a vida e a obra do médico araraquarense que estudou com Noel Rosa

Além de profissional dedicado e legista da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo, era fotógrafo amador de rara sensibilidade, com trabalhos premiados em salões nacionais e internacionais fissão por 50 anos ininterruptamente. Ingressou no corpo clínico da Santa Casa onde atuou como cirurgião geral, atendendo indistintamente a todos que o procuravam, sem preconceitos de qualquer natureza. Também foi Diretor Clínico da Santa Casa. Em 1938, Dr. Syrthes se casou com a sra. Janira Pallotta De Lourenzo e teve três filhos: José Eduardo, que herdou a paixão do pai pela medicina; Carlos Henrique, advogado já falecido, e Izabel Maria, empresária. No decorrer da vida de médico, também atuou na antiga Sociedade Beneficente União Operária, onde foi homenageado na qualidade de Benemérito. Foi médico fundador da Organização Médica Araraquara S/A, pioneira na operação de planos de saúde

na cidade e que construiu o Hospital São Paulo, posteriormente vendido à Unimed. Além do trabalho árduo nos hospitais, mantinha seu consultório particular, onde atendeu com exemplar dedicação milhares de pacientes, oferecendo a todos que o procuravam seu profundo conhecimento e invejável paciência. Um de seus grandes parceiros de profissão nessa época foi o saudoso Dr. Aryovaldo Mazzi. Trabalhou ao lado do também já falecido Dr. Aufiero Sobrinho, no serviço médico da Meias Lupo, por longo tempo. Por concurso, ocupou o cargo de médico legista da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo em época de pioneirismo e grandes obstáculos, carreira que exerceu com muita dedicação até se aposentar, no grau máximo, após 30 anos de serviços. Em tantos anos dedicados à medicina, foram muitas as histórias, mas um fato pitoresco acabou lhe rendendo ingresso permanente no Cassino da Urca, no Rio de Janeiro. Tudo isso porque, certo dia, seu professor e renomado médico carioca, Dr. Froes da Fonseca, o convidou para acompanha-lo na visita a uma de suas ilustres pacientes, a mãe do legendário empresário Joaquim Rolla, proprietário do Cassino da Urca, onde se apresentavam nomes como Carmem Miranda, Josephine Baker, Orson Wells, Al Jolson e outros mais. Na consulta, Dr. Froes prescreveu à senhora 30 injeções, que deveriam ser aplicadas na veia, um procedimento pouco usual na época, e recomendou a Dr. Syrthes essa missão. No término do tratamento e com a tarefa cumprida com precisão, o empresário Joaquim Rolla lhe agradeceu entregando um envelope como presente: ao abri-lo, constatou que se tratava de um ingresso permanente no Cassino da Urca, por um ano, com direito a mesa de pista e garrafa de champagne. Dr. Syrthes se recordava com bom humor desse ano memorável. Ano 20 | n.70 | Abril de 2018

09/04/18 21:01


Arquivo pessoal

Edmundo Blundi, Cenno Sbrighi e Syrthes De Lorenzo, no início da década de 1930, na Faculdade Nacional de Medicina, a famosa escola da Praia Vermelha, no Rio de Janeiro: lá, estudou com professores renomados, como Edmundo Blundi, Ulisses Lemos Torres, Roberto Rocha Brito, Nuno Lisboa, Francisco Carlos Grelle, Luiz Marino Bechelli

Em Araraquara, também teve atuante presença na vida social e cultural. Foi diretor do Clube Araraquarense por várias vezes e também ocupou o cargo de presidente, tendo um mandato marcado por muitas realizações. Outra paixão de Dr. Syrthes era a fotografia. Era fotógrafo amador de rara sensibilidade possuindo vários trabalhos premiados em salões nacionais e internacionais. Foi membro fundador e grande incentivador do Foto Cine Clube de Araraquara. Par-

Ano 20 | n.70 | Abril de 2018

revista_apm_17. V_5.indd 7

ticipou ainda, durante muito tempo, do Clube Filatélico e Numismático de Araraquara, entidade que reunia os colecionadores de selos e moedas. Ele também reuniu uma importante coleção, que mais tarde doou aos netos. Participou ativamente do movimento associativo médico, tendo sido eleito presidente da Associação Paulista de Medicina (APM), Regional de Araraquara, por duas vezes, caso único na história da APM local. Dr. Syrthes ainda foi agricultor cultivada laranja e cana de açúcar na

região de Bueno de Andrada- , e por conta disso participou das Cooperativas de Plantadores de Cana e Laranja, a histórica Cociza. Graças a sua marcante atuação no setor agrícola, foi homenageado mais tarde com a denominação da estrada que liga Bueno de Andrada – Motuca de Vicinal “Dr. Syrthes de Lourenzo”. O Posto de Saúde do Jardim Brasil também leva seu nome, outra homenagem prestada pela Prefeitura de Araraquara. Faleceu em sua residência, aos 85 anos, no dia 7 de setembro de 1996. g

7

09/04/18 21:01


RADAR DA SAÚDE

8

revista_apm_17. V_5.indd 8

País vai investir R$ 750 milhões em produção de radiofármacos Há quase dez anos, Brasil enfrenta dificuldades no abastecimento de radioisótopos, utilizados em 80% dos procedimentos adotados na medicina nuclear Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Reprodução)

O Ministério da Saúde firmou, no fim de março, uma parceria com a Amazônia Azul Tecnologias de Defesa para o desenvolvimento do primeiro Reator Multipropósito Brasileiro (RMB). O acordo garante investimento de R$ 750 milhões a serem repassados pelo governo federal até 2022. A previsão é de que, ainda este ano, R$ 30 milhões sejam destinados ao projeto. A parceria, segundo a pasta, vai contribuir para o fim da dependência externa na produção de radioisótopos e no fornecimento de radiofármacos ao Sistema Único de Saúde (SUS) a preço de custo. “Esse reator multipropósito fabrica radiofármacos, produtos que são utilizados na quimioterapia e que são, portanto, fundamentais para o tratamento das pessoas”, explicou, na ocasião, o ex-ministro Ricardo Barros, que deixou o posto no início de abril para disputar as eleições. Ele lembrou que o Brasil já conta com um reator mais antigo e que muitos medicamentos nessa área ainda são importados. A expectativa da pasta é de que, em três anos, o novo equipamento esteja operando. Não há, entretanto, uma estimativa por parte do governo sobre redução de custos com o projeto. De acordo com o ministério, desde 2009, o Brasil enfrenta dificuldades no abastecimento de radioisótopos – utilizados em 80% dos procedimentos adotados na medicina nuclear. O motivo seria a paralisação do reator canadense que abastecia todo o mer-

Vista arquitetônica dos edifícios associados ao reator nuclear do Projeto RMB cado brasileiro e 40% do mercado global. Cerca de 2 milhões de procedimentos médicos utilizam esse tipo de tecnologia. “Acredito que esse é um momento importante. São muitos anos desde que foi lançado esse programa para se chegar, hoje, a assinar os contratos e começar os investimentos para a produção no Brasil”, disse Barros, ao citar que o reator dará ao Brasil autossuficiência, além de tornar o país refe-

rência em medicina nuclear. O Reator Multipropósito Brasileiro será desenvolvido em Iperó (SP), em um centro experimental da Marinha. O projeto deve ocupar, ao todo, uma área de 2 milhões de metros quadrados, já que, além do reator, está prevista a construção de laboratórios, aceleradores de partículas e lasers de alta potência. (Informação: Agência Brasil. Reportagem: Paula Laboissière. Edição: Lidia Neves). g

Ano 20 | n.70 | Abril de 2018

09/04/18 21:01


Fotos: Assessoria de Comunicação APM Araraquara

Áreas de lazer e eventos: terreno tem quase 40 mil metros quadrados e, recentemente, sofreu reajuste significativo no valor do IPTU

ASSOCIAÇÃO

Diretoria da APM quer reativar eventos sociais na sede de campo Otimizar o uso da sede de campo oferecendo opções de lazer e esportes para promover o entrosamento dos associados e de suas famílias. Essa é uma das prioridades da diretoria da APM Araraquara, segundo o 1º tesoureiro, Dr. Sidney Antonio Mazzi. Ele tem estudado propostas sobre como fortalecer a classe médica no âmbito social, que é uma das missões da associação, atualmente com cerca de 300 médicos associados. Segundo Dr. Mazzi, é preciso reativar a sede de campo e investir em estrutura. Sua ampla área de quase 40 mil m2, na Avenida Mário Zampieri, próximo à Nestlé, reúne hoje duas piscinas, vestiários e área de churrasqueira, cozinha, um salão com varanda, além de quiosques, gramado e campo de futebol. O local é alugado e a própria associação realiza alguns eventos esporadicamente. A ideia seria incrementar o clube com mini campo, quadra de tênis e campo de bocha, entre outros benefícios. Também há intenção de oferecer uma academia aos associados. Nesse caso, ele não descarta a possibilidades de firmar parcerias Ano 20 | n.70 | Abril de 2018

revista_apm_17. V_5.indd 9

Uma das propostas é incrementar o clube com mini campo, quadra de tênis e campo de bocha, entre outros benefícios para uso dos associados ou até ocupar um espaço na Casa do Médico. O problema é que o terreno de propriedade da APM Araraquara sofreu um acréscimo superior a 300% no valor do Imposto Predial Territorial Urbano (IPTU) em 2018, encarecendo demais os custos e inviabilizando financeiramente qualquer projeto de incremento do espaço. Por isso, ele e os demais integrantes da diretoria, juntamente com os associados, buscam soluções. “Hoje estamos com as contas em dia, no entanto está tudo muito justo. Precisamos de uma área que seja compatível com o poder aquisitivo da associação. Estamos estudando algumas propostas e é

importante resolver essa questão o mais rápido possível, mas com a certeza de estar fazendo o melhor para os associados”, enfatiza o tesoureiro. “O entrosamento entre os médicos, principalmente entre os mais jovens, que estão mais afastados, é muito importante. Antigamente, na Casa do Médico, os médicos tinham o costume de se reunir, participar de eventos sociais, as famílias se conheciam. Queremos reativar essa relação. O médico na ativa trabalha muito, dificilmente menos de 15 horas por dia, então é importante contar com um espaço de lazer, de socialização com os colegas e com suas famílias. O convívio social combate o estresse e, principalmente, cria laços de amizade”, diz Dr. Mazzi. Ainda segundo ele, a APM Araraquara tem hoje em torno de 300 associados, mas esse número poderia ser maior, já que a região reúne cerca de 500 médicos. “Se oferecermos mais na área social, poderemos atrair mais associados. Temos colegas que dão aulas em faculdade e seus alunos também poderiam participar, trazer ideias novas”, finaliza. g 9

09/04/18 21:01


REPORTAGEM

A importância da atividade física na promoção da saúde ou mais de idade que não praticavam A relação atividade física e saúde está Organização Mundial qualquer tipo de esporte ou atividade diretamente relacionada à qualidade física somavam 100,5 milhões. Esse de vida. Estudos sugerem que a práde Saúde (OMS) número equivale a 62,1% de uma potica de atividades física de intensidade instituiu, em abril, pulação de 161,8 milhões de brasileiros moderada atua na redução de taxas o Dia Mundial da nessa faixa etária. de mortalidade e de risco de desenDe acordo com o Dr. Guido Tsuha, volvimento de doenças degenerativas, Atividade Física e o Ortopedista e Traumatologista com como as enfermidades cardiovasculaDia Mundial da Saúde especialização em Medicina do Exerres, hipertensão, osteoporose, diabetes, cício e do Esporte, enfermidades esse percentual de respiratórias, mais de 60% tamdentre outras. bém corresponSão relatados, de ao percentual ainda, efeitos mundial de sedenpositivos da tários. Segundo atividade físiele, são vários os ca no processo motivos para esse de envelhenúmero tão elevacimento, no do; eles vão desde aumento da a falta de estímulo longevidade, para que a crianno controle da ça e adolescente obesidade e criem o hábito em alguns tiGuido Tsuha, ortopedista, e Mariana Carvalho de Oliveira, endocrinologista desde cedo de fapos de câncer. zer atividade física, Já na dimenNão por acaso, a Organização Munaté as pessoas que, são psicológica, pesquisas apontam que a atividade dial de Saúde (OMS) criou em abril o simplesmente, não gostam de se exerfísica atua na melhoria da autoestima, Dia Mundial da Atividade Física, dia citar. O médico também aponta a falta do autoconceito, da imagem corporal, 6, e o Dia Mundial da Saúde, no dia 7. de espaços públicos em condições de O problema é que o brasileiro tem uso, a segurança desses locais, a jornadas funções cognitivas e de socialização, na diminuição do estresse e da an- feito pouca atividade física, no geral. da de trabalho e a falta de poder aquisiedade e na diminuição do consumo Números de 2015 do IBGE indicam sitivo de boa parte da população para que os jovens e adultos com 15 anos comprar equipamentos adequados. de medicamentos.

10

revista_apm_17. V_5.indd 10

Ano 20 | n.70 | Abril de 2018

09/04/18 21:01


MUITO TRABALHO, POUCO EXERCÍCIO

Apesar de sua relação direta com o cuidado do corpo, médicos estão entre os profissionais com maior risco Ironicamente, os responsáveis por trabalharem para manter as pessoas saudáveis nem sempre estão em condições de cuidarem de si próprios. Isso porque, uma jornada longa também faz com que o profissional da saúde tenha pouco tempo para se exercitar ou mesmo para cozinhar coisas mais saudáveis quando estiver em casa. Pesquisas mostram que os médicos estão entre os profissionais que mais enfrentam privação de sono, elevação dos hormônios de estresse e um aumento do risco de diabetes, doenças cardíacas e síndrome do intestino irritável. São pessoas que trabalham longas horas sem realizar atividades físicas. Dr. Guido Tsuha concorda. “Vejo grande parte dos médicos trabalhando demais e se exercitando de menos, ou seja,

Ainda na opinião do Dr. Guido, o sedentarismo e a alimentação moderna tornam-se uma combinação perfeita para o aumento de problemas como obesidade, diabetes e hipertensão, pois temos uma ingestão maior de açúcares e gorduras, sem um gasto calórico proporcional. O especialista enfatiza que vem observando aumento da obesidade em crianças e adolescentes por conta do sedentarismo. Para todos os casos, a orientação é praticar atividade física. No caso de pais que têm dúvida em relação à faixa etária certa para começar uma academia, Dr. Guido ressalva: “Para exercício em academia não existe uma idade específica para se iniciar, desde que a criança ou adolescente seja acompanhada de um profissional de educação física capaz de orientar os exercícios e cargas adequadas para a idade. Claro que é preciso bom senso na hora de indicar esse tipo de atividade e levar em conta a finalidade e o benefício da musculação para essa faixa etária”. Ano 20 | n.70 | Abril de 2018

revista_apm_17. V_5.indd 11

priorizam demais a parte profissional e simplesmente não conseguem diminuir a jornada de trabalho para fazer exercícios físicos”, lamenta ele, que, ao contrário da maioria dos colegas de profissão, pratica atividade física regularmente. Mas ele admite que começou a priorizar os exercícios e o seu bem-estar depois de um problema de saúde. “Depois de um grande susto passei a colocar os exercícios como primeira atividade do dia e só depois vem o trabalho. A prática regular de exercícios se tornou o meu remédio, resolvi colocar a saúde em primeiro lugar”, conta o médico, que costuma trocar o jaleco pelo tênis nas provas de Triathlon. No entanto, em relação ao esporte que seja mais popular entre os médicos, ele diz que o futebol é o campeão. g

E se é importante começar a se exercitar ainda na infância, na terceira idade, a prática atividade física é essencial. Especialistas reforçam que além de ajudar no bem-estar físico em geral, o exercício nesta faixa etária contribui também para o aumento da massa magra e da resistência muscular, previne lesões causadas pelo esforço, movimentos repetitivos ou posturas incorretas, e é uma excelente arma contra a depressão. Nesta fase da vida recomenda-se a prática de atividade física pelo menos três vezes por semana, sob aconselhamento médico. Planejamento A médica Mariana Carvalho de Oliveira, Endocrinologista e Metabologista, avalia que o avanço da tecnologia nas últimas décadas, ao promover maior conforto e comodidade, vem contribuindo para a redução do gasto energético diário. Muitas pessoas possuem uma rotina tomada por diversas atividades relacionadas ao trabalho, o que também favorece a condição do

sedentarismo. Entretanto, de acordo com a especialista, com uma programação bem planejada é possível aliar este estilo de vida à prática regular de atividade física. Ela destaca que, quem é fisicamente ativo, tem redução do risco de morte por doenças cardiovasculares maior que 40%, independente de faixa etária, etnia, sexo ou índice de massa corporal. Entretanto, Dra. Mariana adverte que, antes que seja iniciado um programa de atividade física, deve ser realizada avaliação por um profissional devidamente qualificado. “A atividade física deve ser estimulada desde a infância, para que hábitos de vida saudáveis sejam solidificados na vida adulta. Os governos, em todas as suas esferas, devem considerar a atividade física como uma questão fundamental de saúde pública e promoção de saúde, através da divulgação de informações importantes sobre seus benefícios e implementação de programas para uma prática orientada”, defende a Endocrinologista e Metabologista. g 11

09/04/18 21:01


PROFISSÃO

Recém-formados recebem carteirinhas do Cremesp A cerimônia de entrega de carteirinhas do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) a recém-formados em Medicina pela Universidade de Araraquara (Uniara) e pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) foi realizada no dia 22 de fevereiro, na Casa do Médico, sede da Associação Paulista de Medicina - Secção de Araraquara. A Casa do Médico sedia o evento há quatro anos. Foram entregues neste ano 53 carteirinhas a alunos recém-formados.“Trata-se de um dia que devemos guardar em nossa memória, ainda me lembro da emoção e sentimento de responsabilidade que senti no dia que recebi minha carteira

A Casa do Médico sedia a cerimônia há quatro anos; nesta edição foram entregues 53 credenciais há 30 anos”, declarou Dr. Luis Henrique Brandão Falcão, presidente da APM Araraquara. Segundo ele, é o momento em que o aluno realmente se torna médico e passa a se comprometer com os juramentos da categoria. “Passa a ter, de fato, responsabilidades jurídicas e éticas”, acrescentou. Dr. Falcão enfatizou ainda a

importância dos novos médicos conhecerem a APM e tomarem conhecimento do suporte dado pela associação à categoria. “Eles poderão contar conosco tanto para apoio associativo quanto para atividades culturais, científicas e também para confraternizações e momentos de lazer”, finalizou. Para o Dr. Aluisio Margarido Alberici, delegado superintendente do Cremesp que esteve presente no evento, a cerimônia representa o início da vida dos recém-formados na Medicina. “É um marco para todo profissional que traz à tona toda a responsabilidade e profissionalismo por trás da Medicina”, concluiu o Delegado do Cremesp. g

VEJA COMO FOI A CERIMÔNIA DE ENTREGA 

12

revista_apm_17. V_5.indd 12

Ano 20 | n.70 | Abril de 2018

09/04/18 21:01


Fotos: Assessoria de Comunicação APM Araraquara

Auditório da Casa do Médico ficou lotado durante a cerimônia de entrega das carteirinhas dos novos profissionais, pelo Dr. Luis Henrique Brandão Falcão, presidente da APM Araraquara, e pelo Dr. Aluisio Margarido Alberici, delegado superintendente do Cremesp

Ano 20 | n.70 | Abril de 2018

revista_apm_17. V_5.indd 13

13

09/04/18 21:01


EVENTO CULTURAL

A depressão e o luto foram os assuntos da primeira sessão da temporada de 2018 do projeto “Conversa, Cinema e Psicanálise”, realizada no dia 16 de março, no auditório da Casa do Médico. O projeto é uma parceria da Associação Paulista de Medicina – APM Araraquara com o Grupo de Estudos em Psicanálise de Araraquara (Grepa), que já agendou pelo menos outras quatro sessões até o fim do ano. O filme escolhido para abrir o projeto foi A Liberdade é Azul , o primeiro da trilogia das cores, escrito e dirigido por Krzystof Kieslowski, em 1993. Em Azul, a atriz Juliette Binoche vive uma mulher que perde seu marido e sua filha num acidente de carro e, durante todo o filme, tenta lidar com o luto. Após o término da exibição, que reuniu cerca de 50 pessoas, o psicólogo João Paulo Prado Rodrigues fez suas considerações sobre o filme e conversou com o público. “Depressão é um tema muito atual. Se analisarmos a clínica psicanalítica, te diria que 85% dos problemas estão ligados a aspectos depressivos. Esse é um filme bastante feliz que trata com muita delicadeza a situação de luto, com uma resolução feliz, embora tendo um início trágico”, analisou ele. Ainda na opinião do psicólogo, que é integrante do Grepa, é muito interessante para a plateia poder conversar com profissionais que são capazes de dar uma leitura psicanalítica desses filmes. “É uma iniciativa importante que abre espaço para o debate sobre intervenções da saúde mental e sobre ética; acredito que é projeto poderia ser feito nas escolas”, sugere o especialista. A psiquiatra Fabiane Aparecida Alves Madureira, integrante do Grepa e uma das profissionais que participou da implantação do projeto na APM Araraquara, enfatiza que o objetivo do “Conversa, Cinema e Psicanálise”, é difundir a psicanálise e criar uma alternativa de evento cultural. “É interessante, porque conseguimos reunir aqui um público bem 14

revista_apm_17. V_5.indd 14

Márcia Bessa Martins

‘A Liberdade é Azul’ abre temporada do projeto Conversa, Cinema e Psicanálise na Casa do Médico

Silvana Aparecida Onofre, Fabiane Aparecida Alves Madureira, Daniel Rodrigues Silva e João Paulo Prado Rodrigues, do Grepa: “depressão é um tema muito atual”

CONFIRA A PROGRAMAÇÃO 2018 Dia 17 de maio - 19h30

O QUARTO DE JACK

Comentários: Mariana Gianechinni Ferrari Smirne Graduada em Psicologia pela PUC-Campinas, mestre em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente pela Uniara, membro do Departamento de Psicanálise com Crianças do Instituto Sedes Sapientiae, é psicóloga clínica e professora dos Seminários Psicanalíticos. Dia 17 de agosto - 19h30

JULIETA

Comentários: Ana Beatriz Rolfsen Petrilli Lupo Psicóloga, membro filiado da Sociedade Brasileira de Psicanálise de Ribeirão Preto. Dia 14 de setembro - 19h30

CINEMA PARADISO

Comentários: Dr. Marcelo Teixeira Psiquiatra da infância e adolescência, especialista em distúrbio da aprendizagem, psicoterapeuta com orientação psicanalítica mindfulness. 19 de outubro - 19h30

SETE MINUTOS DEPOIS DA MEIA-NOITE

Comentários: Grayce Elizabete Vilas Boas Pinto Psicóloga pela PUC-SP, analista junguiana pela Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica (SBPA) e membro da International Association for Analytical Psicology (IAAP). variado. Além de psicólogos, psiquiatras e médicos, as sessões costumam trazer alunos desses cursos e pessoas de outras profissões que também se interessam pelo cinema e pela psicanálise”, aponta. Também são integrantes do Gre-

pa e participam do projeto os psicólogos Daniel Rodrigues Silva, Silvana Aparecida Onofre e Juliana C. Salgado Aere. As exibições ocorrem sempre na Casa do Médico, nas datas programadas, às 19h30. A entrada é gratuita. g Ano 20 | n.70 | Abril de 2018

09/04/18 21:01


RECEITA MÉDICA

Cozido de maminha com legumes

ESPAÇO ULIVI GASTRONOMIA

CHICO OLIVI Chef de cozinha e sommelier

www.espacoulivi.com Fone: (16) 99610 3433

Eventos privados e personalizados

INGREDIENTES

1.3kg Maminha inteira 300g Fava-feijão 2 Linguiças portuguesas defumadas cortadas em rodelas 6 Batatas pequenas inteiras com casca 6 Dentes de alho roxo inteiros sem casca 4 Cebolas roxas pequenas inteiras sem casca 10 Tomatinhos uva inteiros 2 Cenouras grandes cortadas em rodelas grossas 1 Talo de alho-poró cortado em rodelas grossas 1 Pimentão vermelho cortado em tiras grossas 1 Pimentão amarelo cortado em tiras grossas 1 Cebola branca grande picada 2 Dentes de alho picados 300ml de caldo de carne 8 Cogumelos shiitake grandes inteiros Ervas frescas picadas, sal e pimenta a gosto

dura, volte para a pressão por mais alguns minutos. Após este passo, troque a carne de panela e coloque junto com todos os legumes, a linguiça e se for preciso complete com mais um pouco de água. Deixe-os cozinhar por mais 30 minutos, até que todos os legumes fiquem macios e suculentos. Nesta parte do processo, no cozimento da carne com os legumes, você pode colocar algumas especiarias, como folhas de louro, pimenta preta, noz moscada, etc. Elas vão dar aos pratos ainda mais perfume e sabor. À parte, pegue um pouco do caldo e coloque em uma panela pequena para reduzir, perdendo água e apurando o sabor. Reserve e utilize na finalização do prato. Por fim grelhe os shiitakes em uma frigideira com antiaderente, com uma pincelada de manteiga e um fio de shoyu para a finalização do prato.

MODO DE PREPARO

MONTAGEM

Pegue uma panela de pressão, coloque a maminha inteira para fritar junto com a cebola e o alho picados com um fio de óleo, até que fiquem bem corados. Depois coloque o caldo de carne na panela e complete com água. Deixe na pressão por 20 minutos. Atenção: o tempo de pressão vai depender da qualidade da carne, passados os 20 minutos, se a carne ainda estiver

Corte a maminha em fatias grossas e monte pratos individuais, com pedações da linguiça, alguns shiitakes e todos os outros legumes. Regue a carne com o molho reduzido e os legumes com um fio de um bom azeite. Corte duas rodelas de cada um dos limões, disponha de um copo com as folhas do manjericão e acrescente as bebidas e a tônica. g

Dr. Norival José Pazetto

Ano 20 | n.70 | Abril de 2018

revista_apm_17. V_5.indd 15

15

09/04/18 21:01


revista_apm_17. V_5.indd 16

09/04/18 21:01

Profile for Editora Casa da Árvore

Revista Casa do Médico (Abril 2018)  

Publicação trimestral da Associação Paulista de Medicina (APM) - Secção Araraquara

Revista Casa do Médico (Abril 2018)  

Publicação trimestral da Associação Paulista de Medicina (APM) - Secção Araraquara

Advertisement