Page 1

Capa_Caldeira_vol2_P3.pdf 1 21/03/2018 20:43:22

2

Jhone Caldeira Silva

Y

CM

MY

Olimpio Ribeiro Gomes

CY

CMY

K

É bacharel, mestre e doutor em Matemática pela Universidade de Brasília (UnB). Como professor, atua profissionalmente desde 1999, tendo ministrado aulas em escolas de Ensino Fundamental e Médio, em preparatórios para vestibulares e concursos e em cursos de graduação e pós-graduação. Atua também como auditor federal de finanças e controle do quadro de pessoal da Controladoria-Geral da União desde 2008, quando foi selecionado para a área de Auditoria e Fiscalização/ Estatística e Cálculos Atuariais.

O ensino de estruturas algébricas na Licenciatura em Matemática é essencial Estruturas Algébricas para Licenciatura é um conjunto de obras que visa auxiliar professores e alunos no processo de ensino e aprendizagem de fundamentos básicos de Matemática, da teoria de conjuntos e das principais estruturas algébricas. Buscamos sanar dificuldades relacionadas à linguagem e ao conteúdo, oferecendo textos dialogados e ricos em detalhes. As demonstrações são desenvolvidas com clareza; exemplos e exercícios são apresentados com o intuito de facilitar o entendimento e a aplicação dos resultados. Ao final de cada livro, apresentamos respostas de alguns exercícios propostos. Neste volume, Elementos de Aritmética Superior, abordamos as construções dos conjuntos dos números naturais e inteiros, a teoria de divisibilidade de inteiros e os elementos fundamentais da Teoria dos Números.

Elementos de Aritmética Superior

M

CONTEÚDO

Olimpio Ribeiro Gomes Silva | Gomes

C

É bacharel e licenciado em Matemática pela Universidade Federal de Viçosa (UFV), mestre e doutor em Matemática pela Universidade de Brasília (UnB), com doutorado sanduíche na Universidad Autónoma de Madrid. Desde 2004, atua como professor de cursos de graduação e pós-graduação com experiência na UnB e em instituições de ensino superior no Distrito Federal e em Goiás. Desde 2009, é professor do Instituto de Matemática e Estatística da Universidade Federal de Goiás (IME-UFG).

Jhone Caldeira Silva

Apresentação

Estruturas Algébricas para Licenciatura

Agradecimentos Prefácio 1. A construção do conjunto dos números naturais 2. O conjunto dos números inteiros 3. Divisibilidade em Z e aplicações

Elementos de Aritmética Superior

4. Números primos 5. Equações diofantinas e aritmética módulo m 6. Alguns teoremas clássicos da Teoria dos Números Respostas de alguns exercícios

vol.

2

Referências bibliográficas


Jhone Caldeira Silva Olimpio Ribeiro Gomes

ESTRUTURAS ALGÉBRICAS PARA LICENCIATURA VOLUME 2

ELEMENTOS DE ARITMÉTICA SUPERIOR


Estruturas algébricas para licenciatura: volume 2 – Elementos de Aritmética Superior © 2018 Jhone Caldeira Silva, Olimpio Ribeiro Gomes Editora Edgard Blücher Ltda.

Arte da capa: Éric Flávio de Araújo, Ana Paula Chaves e Jhone Caldeira Silva

FiCHA CATALOGRÁFiCA Rua Pedroso Alvarenga, 1245, 4o andar 04531-934 – São Paulo – SP – Brasil Tel.: 55 11 3078-5366 contato@blucher.com.br www.blucher.com.br

Segundo Novo Acordo Ortográfico, conforme 5. ed. do Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, Academia Brasileira de Letras, março de 2009.

Silva, Jhone Caldeira Estruturas algébricas para licenciatura : Elementos de Aritmética Superior – volume 2 / Jhone Caldeira Silva, Olimpio Ribeiro Gomes. – São Paulo : Blucher, 2018. 300 p. : il.

Bibliografia ISBN 978-85-212-1146-4

1. Matemática – Estudo e ensino 2. Prática de ensino I. Título. II. Gomes, Olimpio Ribeiro.

É proibida a reprodução total ou parcial por quaisquer meios sem autorização escrita da editora.

16-1532

Todos os direitos reservados pela Editora Edgard Blücher Ltda.

Índice para catálogo sistemático: 1. Matemática – Estudo e ensino

CDD 510.7


CONTEÚDO

CAPÍTULO 1 – A CONSTRUÇÃO DO CONJUNTO DOS NÚMEROS NATURAIS..................................................................... 17 1.1

Os Axiomas de Peano...................................................................................... 17

1.2

Adição de números naturais........................................................................... 21

1.3

Multiplicação de números naturais................................................................. 26

1.4

Ordenação dos números naturais................................................................... 31

1.5

Subtração de números naturais...................................................................... 34

1.6

Ordem estrita.................................................................................................. 36

1.7

O Princípio da Boa Ordenação........................................................................ 38 O Princípio da Boa Ordenação e o Axioma de Indução Finita......................... 40

Apêndice: relações em um conjunto......................................................................... 41 Apêndice: a crise dos fundamentos.......................................................................... 49 Apêndice: contagem de elementos de um conjunto................................................. 51 Exercícios propostos.................................................................................................. 53

CAPÍTULO 2 – O CONJUNTO DOS NÚMEROS INTEIROS......................... 57 2.1

Os números inteiros........................................................................................ 57

2.2

Adição e multiplicação de números inteiros................................................... 60

2.3

Subtração de números inteiros....................................................................... 71


14

Estruturas algébricas para licenciatura: volume 2 – Elementos de Aritmética Superior

2.4

Ordenação dos números inteiros.................................................................... 72

2.5

Ordem estrita.................................................................................................. 74

2.6

Valor absoluto................................................................................................. 76

2.7

O Princípio do Menor Inteiro.......................................................................... 77

2.8

Primeiro Princípio de Indução......................................................................... 80

2.9

Segundo Princípio de Indução......................................................................... 84

Exercícios propostos.................................................................................................. 86

CAPÍTULO 3 – DIVISIBILIDADE EM  E APLICAÇÕES.............................. 91 3.1 3.2 3.3

Divisibilidade em  ......................................................................................... 91 Múltiplos e divisores: divisão exata................................................................ 92 O Algoritmo da Divisão................................................................................... 96 Máximo divisor comum e mínimo múltiplo comum..................................... 104 O máximo divisor comum............................................................................. 104 O Algoritmo de Euclides ou Processo das Divisões Sucessivas..................... 111 Inteiros primos entre si................................................................................. 113 O mínimo múltiplo comum........................................................................... 117

Exercícios propostos................................................................................................ 120

CAPÍTULO 4 – NÚMEROS PRIMOS.........................................................129 4.1 O Teorema Fundamental da Aritmética........................................................ 129 4.2 Fatoração-padrão ou decomposição primária.............................................. 135 Apêndice: números perfeitos, números de Mersenne e números de Fermat................ 145 Exercícios propostos................................................................................................ 148

CAPÍTULO 5 – EQUAÇÕES DIOFANTINAS E ARITMÉTICA MÓDULO m.....153 5.1

5.2

Equações diofantinas lineares....................................................................... 153 Equações diofantinas lineares a duas incógnitas.......................................... 153 Soluções com restrições................................................................................ 159 A aritmética modular ................................................................................... 162 A relação de congruência módulo m............................................................. 162 Equações de congruências lineares............................................................... 170 Sistemas completos de resíduos................................................................... 178 Operações módulo m.................................................................................... 181 Aplicações: critérios de divisibilidade........................................................... 186


Conteúdo

15

Apêndice: o Princípio da Casa dos Pombos............................................................. 190 Exercícios propostos................................................................................................ 198

CAPÍTULO 6 – ALGUNS TEOREMAS CLÁSSICOS DA TEORIA DOS NÚMEROS...................................................................209 6.1

Funções aritméticas...................................................................................... 210 Funções aritméticas multiplicativas.............................................................. 210 A Função ϕ de Euler.................................................................................... 211 A Função µ de Möbius................................................................................. 214 6.2 Alguns teoremas clássicos............................................................................. 216 Pequeno Teorema de Fermat........................................................................ 216 Teorema de Euler.......................................................................................... 218 Teorema de Wilson....................................................................................... 220 Teorema Chinês dos Restos........................................................................... 222 6.3 Resíduos quadráticos e a Lei da Reciprocidade Quadrática.......................... 231 Resíduos quadráticos.................................................................................... 231 O Símbolo de Legendre e um Critério de Euler............................................. 239 Apêndice................................................................................................................. 255 Exercícios propostos................................................................................................ 261

RESPOSTAS DE ALGUNS EXERCÍCIOS....................................................271 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS............................................................299


CAPÍTULO 1 A CONSTRUÇÃO DO CONJUNTO DOS NÚMEROS NATURAIS

Neste capítulo apresentamos uma construção lógico-formal do conjunto dos números naturais. Postularemos a existência de um conjunto satisfazendo certos axiomas e investigaremos que propriedades tal conjunto detém. De início, adotaremos a postura de ignorar conhecimentos que já temos a respeito da natureza desse conjunto, por exemplo, admitiremos sequer conhecer que 2 + 2 = 4 para a adição de naturais. A finalidade disso está em “desbravarmos” propriedades puramente por meio das ferramentas da lógica. Gradualmente, à medida que formos demonstrando tais propriedades, esse conjunto irá se tornando mais familiar.

1.1 OS AXIOMAS DE PEANO Deve-se a Giussepe Peano (1858-1932) a constatação de que se pode elaborar toda a teoria dos números naturais a partir de alguns poucos fatos básicos, conhecidos atual­mente como os Axiomas de Peano. Trata-se de algumas propriedades fundamentais das quais resultam, como consequências lógicas, todas as afirmações verdadeiras que se podem fazer sobre esses números. Nossa abordagem aqui segue de perto essas ideias, porém trilhamos um caminho ligeiramente diferente.

Postulado 1.1.1 Existem um conjunto  e uma função s :  →  que satisfazem os axiomas a seguir. (i) Se n, m ∈ e n ≠ m, então s(n) ≠ s(m).


18

Estruturas algébricas para licenciatura: volume 2 – Elementos de Aritmética Superior

(ii) Existe um elemento 0 ∈ tal que s(n) ≠ 0, para todo n ∈. (iii) Se um subconjunto X ⊂  é tal que 0 ∈X e s( X ) ⊂ X , então X =  . (Equivalentemente, se um subconjunto X ⊂  é tal que 0 ∈X e s(r ) ∈ X sempre que r ∈ X , então X =  .) • O conjunto dos números naturais: o conjunto  é chamado de conjunto dos números naturais e seus elementos são os números naturais. Reiteramos que, apesar do nome familiar, ainda admitimos conhecer bem pouco sobre esse conjunto, conforme combinamos na introdução deste capítulo. Em verdade, tudo o que conhecemos sobre  até agora é o que está estabelecido no Postulado 1.1.1: sabemos que o conjunto  existe e que, segundo o conceito de função, a cada número natural n está associado um único número natural s(n), o qual chamaremos de sucessor de n. O axioma (i) nos diz que números naturais distintos possuem sucessores distintos (equivalentemente, números naturais que tenham o mesmo sucessor são eles próprios iguais); (ii) nos diz que  possui um elemento especial, chamado de zero,1 que não é sucessor de nenhum número natural – apesar disso, ele possui um sucessor, pois, do contrário, s não seria uma função; já o axioma (iii), conhecido como Axioma de Indução Finita, nos diz que se uma coleção X de números naturais contém o zero e também o sucessor de todo elemento de X, então X coincide com o conjunto de todos os números naturais. Mais adiante faremos uma análise mais detalhada do Axioma de Indução Finita. Por ora, nós o usaremos para provar algumas propriedades elementares do conjunto  . Antes, porém, convém informar que o axioma (ii) nos diz que  ≠ ∅ , pois 0 ∈ . Em verdade, se já “soubéssemos” contar e “conhecêssemos” o número dois, poderíamos até afirmar que o conjunto dos números naturais possui pelo menos “dois” elementos: o zero e seu sucessor, que deve ser diferente do próprio zero em razão do axioma (ii). Aliás, embora isto não conste explicitamente entre os axiomas, podemos afirmar que todo número natural é diferente do seu sucessor:

Proposição 1.1.2 s(n) ≠ n , para todo n ∈ .

Historicamente falando, o número zero surgiu bem depois dos outros naturais. Entretanto, atualmente, considerá-lo ou não como um número natural é uma questão de conveniência. Nesta coleção, optamos por incluir o zero nesse conjunto por simplicidade e padronização de notação e para que tenhamos um elemento neutro para a operação de adição, como ficará evidente mais adiante. [11] apresenta uma discussão interessante acerca desse assunto.

1


CAPÍTULO 2 O CONJUNTO DOS NÚMEROS INTEIROS

Neste capítulo apresentamos uma construção lógico-formal do conjunto dos números inteiros. A esta altura, já conhecemos bem o conjunto dos números naturais, sabemos operar com seus elementos com destreza, seja pelas definições das operações, seja pelo uso das propriedades associativas, comutativas, distributivas etc., sabemos compará-los, entre muitas outras coisas. A respeito de números negativos, entretanto, admitimos nada conhecer até este momento, inclusive dissemos no capítulo anterior que a subtração b − a de números naturais a e b só é definida no caso particular em que a ≤ b. O objetivo central aqui é dar um sentido matemático a todas as expressões do tipo a − b , para quaisquer a, b ∈, de maneira a podermos tratar como entes do mesmo conjunto, por exemplo, tanto aquelas como 10 − 6, 8 − 4, 7 − 3, 5 − 1 e 4 − 0 quanto aquelas como 6 − 10, 3 − 5, 2 − 4, 1 − 3 e 0 − 2. Nesse sentido, convém observar primeiramente que, subjacente a cada “diferença” a − b , está o par ordenado (a, b) ∈  × . Ainda, é fácil ver que em  a igualdade 9 − 6 = 5 − 2 equivale a 9 + 2 = 5 + 6. De uma maneira geral, se a, b, c, d ∈ com a ≤ b e c ≤ d , então a igualdade b − a = d − c equivale a a + d = b + c . Essas considerações, aliadas ao fato de que o conjunto dos números inteiros a ser construído deve ser uma “extensão” dos naturais, ajudam a entender o caminho que apresentaremos.

2.1 OS NÚMEROS INTEIROS Iniciamos definindo a seguinte relação, que mostraremos ser uma relação de equivalência, sobre o conjunto  ×  :

{

}

E = ((a, b),(c, d )) ∈(  ×  ) × (  ×  ) | a + d = b + c .


58

Estruturas algébricas para licenciatura: volume 2 – Elementos de Aritmética Superior

Em outras palavras, diremos que dois pares ordenados de números naturais (a, b) e (c, d ) são equivalentes se vale a igualdade a + d = b + c. Assim, por exemplo, são equivalentes os pares ordenados (2,5) e (4,7), uma vez que 2 + 7 = 5 + 4. (Veja o primeiro apêndice do Capítulo 1 para maiores detalhes sobre as relações de equivalência.)

Proposição 2.1.1 E é uma relação de equivalência sobre  ×  .

Demonstração Devemos mostrar que E satisfaz as propriedades reflexiva, simétrica e transitiva. Para ver que E é reflexiva, basta notar que, para todo (a, b) ∈  × , temos a + b = b + a, de modo que ((a, b),(a, b)) ∈ E .

Para ver que E é simétrica, suponhamos que ((a, b),(c, d )) ∈ E . Pela definição de E, isso significa que a + d = b + c, o que, junto com a propriedade comutativa da adição de naturais, implica que c + b = d + a, garantindo que ((c, d ),(a, b)) ∈ E .

Finalmente, para ver que E é transitiva, suponhamos que ((a, b),(c, d )) ∈ E e ( c , ( d),(e, f )) ∈ E . Pela definição de E, temos a + d = b + c e c + f = d + e. Adicionando-se f aos dois membros da primeira equação e b aos dois membros da segunda, obtemos (a + d ) + f = (b + c) + f   e  b + (c + f ) = b + (d + e), de modo que, pela propriedade associativa da adição de naturais, (a + d ) + f = (b + c) + f = b + (c + f ) = b + (d + e). Aplicando as propriedades comutativa e associativa e a Lei do Cancelamento da Adição para os números naturais, chegamos a a + f = b + e, o que significa que ■ ((a, b),(e, f )) ∈ E. Destacamos o importante papel que as propriedades comutativa e associativa da adição de números naturais, bem como sua lei do cancelamento, desempenham na demonstração anterior. Agora que sabemos ser E uma relação de equivalência sobre  × , podemos aplicar a E todas as propriedades das relações de equivalência, em particular, o Teorema 12 do primeiro apêndice do Capítulo 1 e os comentários que o seguem. Eles garantem que o conjunto de todas as classes de equivalência determinadas por E constitui uma partição do conjunto  × .


CAPÍTULO 3 DIVISIBILIDADE EM  E APLICAÇÕES

3.1 DIVISIBILIDADE EM  Estamos prontos para dar o próximo passo no entendimento da estrutura do conjunto dos números inteiros. No capítulo anterior nos preocupamos com a estrutura determinada sobre esse conjunto pelas operações de adição e multiplicação lá introduzidas, a maneira como essas operações se relacionam com a ordem estabelecida, e preparamos uma técnica de demonstração para as funções proposicionais, entre outras abordagens. Tivemos a oportunidade de verificar diversas propriedades das operações de adição e multiplicação, por exemplo, mostrar que são associativas, comutativas e admitem elemento neutro. Especificamente em relação à adição, fomos capazes de mostrar que todos os elementos possuem opostos, o que nos permitiu introduzir uma subtração em . Entretanto, um raciocínio adaptado para a multiplicação não funciona: em geral, dado um inteiro a, não existe outro inteiro b cujo produto com a seja igual a 1. Ou seja, não podemos utilizar o mesmo mecanismo usado para definir a subtração para concebermos uma divisão. Por meio do conceito de divisibilidade, entretanto, a ser definido neste capítulo, somos capazes de dotar o conjunto dos números inteiros com uma estrutura bastante rica. Esse é, sem dúvida, um dos conceitos centrais da teoria dos números inteiros. Enfatizamos a importância de se estudar a divisibilidade em : primeiro, trata-se de uma extensão da divisão no conjunto dos naturais e, ainda, os algoritmos usados para somar, multiplicar e dividir números racionais estão baseados nos algoritmos correspondentes para a soma, multiplicação e divisão de números inteiros, donde se


92

Estruturas algébricas para licenciatura: volume 2 – Elementos de Aritmética Superior

faz necessário o domínio do comportamento da estrutura de . Segundo, a título de exemplo, um resultado importante e belíssimo, conhecido como Identidade de Bézout, afirma que o máximo divisor comum entre dois números inteiros não conjuntamente nulos a e b pode ser escrito como uma combinação linear com coeficientes inteiros de a e b, fato que não é verdade no conjunto dos números naturais. Observemos um caso particular: é fácil ao leitor entender que mdc(20,45) = 5; buscando resolver a equação 5 = 20 x + 45 y, de incógnitas x e y, também é fácil ver que não existem x , y ∈ que a satisfaçam.

MÚLTIPLOS E DIVISORES: DIVISÃO EXATA A definição a seguir é uma das mais fundamentais da teoria dos números inteiros e a partir dela se constrói toda a teoria.

Definição 3.1.1 Sejam d , m ∈. Dizemos que d divide m se existir algum inteiro q ∈ tal que q ⋅ d = m.

Exemplo 3.1.2 Observemos que 15 divide 3.150, pois podemos encontrar um inteiro q, a saber, q = 210, tal que 210 ⋅15 = 3.150. Também 7 divide –2.765, uma vez que q = –395 satisfaz 7 ⋅ (−395) = −2.765. Já o número inteiro 6 não divide 57, pois é impossível encontrar um inteiro q tal que q ⋅ 6 = 57. De fato, se tomássemos q = 9 , teríamos 9 ⋅ 6 = 54 < 57; se tomássemos q = 10, teríamos 10 ⋅ 6 = 60 > 57 e, como sabemos, não existem números inteiros entre 9 e 10. É verdade também que 8 divide 0, pois podemos encontrar um inteiro q = 0 tal que 0 ⋅ 8 = 0 (o inteiro q = 0 é único!). Também é verdade (e pode parecer surpreendente ao leitor) que 0 divide 0, pois é possível encontrar um inteiro q de modo que q ⋅ 0 = 0 (nesse caso particular, qualquer valor inteiro de q satisfaz a propriedade, inclusive o próprio 0). Para finalizar esta primeira lista de exemplos numéricos, note ainda que 0 não divide nenhum inteiro não nulo, pois se m ∈, m ≠ 0, então é impossível encontrar um inteiro q de modo que q ⋅ 0 = m . • Observação: chamamos a atenção do leitor para o seguinte detalhe: a noção de divisibilidade apresentada na Definição 3.1.1 só faz sentido se o número procurado q for inteiro. Em verdade, se q pudesse ser qualquer número, digamos, racional, então, à exceção do número zero, qualquer número dividiria todos os outros números. Por exemplo, teríamos que 6 dividiria 57, uma vez que podemos encontrar o número racional q = 9, 5 tal que 9, 5 ⋅ 6 = 57.


CAPÍTULO 4 NÚMEROS PRIMOS

O leitor certamente já teve a oportunidade de tentar escrever um número como um produto de seus divisores. O número 120, por exemplo, pode ser escrito como um produto de seus divisores de diversas formas: 120 = 6 ⋅ 20, 120 = 5 ⋅ 24, 120 = 6 ⋅10 ⋅ 2, 120 = 5 ⋅ 3 ⋅ 8, 120 = 5 ⋅ 3 ⋅ 23 etc. Entre as fatorações apresentadas, a última certamente tem algo de especial: não é possível que apareçam números ainda menores que os apresentados naquela fatoração do número 120, ou seja, os números 2, 3 e 5 são os primeiros na fatoração de 120. De modo semelhante, os números 3 e 7 são os primeiros na fatoração do número 63. Nesse contexto é que aparece o conceito de número primo, palavra que se origina do grego e cujo significado original é primeiro. Neste capítulo estudaremos os números primos, suas peculiaridades e suas propriedades. Aplicaremos então algumas dessas propriedades para demonstrar um dos fatos mais importantes sobre a aritmética dos números inteiros, a saber, o Teorema Fundamental da Aritmética, que estabelece a existência e unicidade da fatoração de um inteiro dado em fatores primos.

4.1 O TEOREMA FUNDAMENTAL DA ARITMÉTICA Definição 4.1.1 Seja n > 1 um número inteiro. (i) Dizemos que n é primo quando possui exatamente quatro divisores. (ii) Dizemos que n é composto quando não é primo. Assim, o número 7 é primo, pois seus únicos divisores são –7, –1, 1 e 7. Já o número 6 não é primo, uma vez que possui oito divisores: –6, –3, –2, –1, 1, 2, 3 e 6. Na verdade,


130

Estruturas algébricas para licenciatura: volume 2 – Elementos de Aritmética Superior

6 é um número composto. O número 2 ostenta a posição de único número primo que é par (justifique isso lembrando da definição de inteiro par). O número –13, apesar de possuir apenas quatro divisores (–13, –1, 1 e 13), não é considerado primo, pois a definição dada restringe o conceito de número primo apenas para inteiros positivos. Isso acontece por duas razões: (i) Em primeiro lugar, para que seja válida a unicidade da fatoração em primos estabelecida pelo Teorema Fundamental da Aritmética a ser demonstrado a seguir; se permitirmos que, por exemplo, os números –3 e –5 sejam primos, então poderíamos fatorar o número 5.400 em algumas fatorações primas diferentes (5.400 = 23 ⋅ 33 ⋅ 52, 5.400 = 23 ⋅ (−3)2 ⋅ 3 ⋅ 52, 5.400 = 23 ⋅ (−3)2 ⋅ 3 ⋅ (−5)2, 5.400 = 23 ⋅ 33 ⋅ (−5)2, entre outras), o que não é nada desejável, conforme a experiência mostrará ao leitor. Essa também é a razão pela qual a definição exclui a primalidade do número inteiro 1, que admite apenas dois divisores: 1 e –1. (ii) Em segundo lugar, as propriedades multiplicativas de todos os números inteiros são completamente conhecidas se conhecemos as propriedades multiplicativas dos números inteiros positivos. • Observações (i) Note que podemos definir um inteiro maior que 1 como sendo primo quando ele tem exatamente dois divisores naturais distintos. (ii) Podemos também dizer que um número natural maior que 1 é primo quando ele admite como divisores somente 1 e ele próprio. (iii) Se n > 1 é um número composto, então n possui outros divisores além dos números –1, 1, –n e n (chamados de divisores triviais de n). Dessa forma, devem existir inteiros u e v tais que 1 < u < n , 1 < v < n e n = uv . (iv) Vale mencionar que, na Seção 3.1, notamos que os divisores de um inteiro surgem aos pares no seguinte sentido: se d divide a, então –d também divide a. Agora podemos dar um novo olhar para essa questão de os divisores surgirem aos pares: se o inteiro n > 1 é composto e não é o quadrado de outro inteiro (ou seja, não é da forma n = u2 , u ∈), então n admite dois divisores positivos próprios distintos. Se juntarmos essas propriedades, poderemos ver que um inteiro n > 1 composto que não é um quadrado tem pelo menos quatro divisores inteiros próprios distintos. A título de exemplo, note que 9 = 32 admite exatamente dois divisores não triviais distintos, 3 e –3; enquanto 20 = 22 ⋅ 5 admite oito divisores não triviais distintos, 2, –2, 4, –4, 5, –5, 10 e –10. No caso do número 14 = 7 ⋅ 2, essa quantidade é exatamente 4. A partir daqui iniciamos a tarefa de demonstrar o Teorema Fundamental da Aritmética. A proposição a seguir dá o primeiro passo nessa direção.


CAPÍTULO 5 EQUAÇÕES DIOFANTINAS E ARITMÉTICA MÓDULO m

5.1 EQUAÇÕES DIOFANTINAS LINEARES EQUAÇÕES DIOFANTINAS LINEARES A DUAS INCÓGNITAS Começamos este capítulo com uma situação típica para ilustrar onde as equações diofantinas lineares podem ser aplicadas. Consideremos o caso de um funcionário público que gerencia o almoxarifado de um hospital: ele informou ao seu chefe imediato que gastou R$ 17.700,00 na compra de dois tipos de medicamentos A e B, alegando ainda ter comprado o máximo que a verba permitiu. A fim de confirmar essa informação, o chefe verificou que cada unidade do medicamento A custa R$ 330,00 e cada unidade de B custa R$ 210,00. É possível que haja uma combinação de quantidades dos medicamentos A e B de modo que o gasto total seja exatamente R$ 17.700,00? Qual seria a quantidade máxima (em unidades) de medicamentos adquiridos? Quantas unidades de A e quantas unidades de B? Essa situação pode ser modelada como segue: caso seja possível gastar exatamente R$ 17.700,00 com esses medicamentos, as quantidades x e y dos medicamentos A e B, respectivamente, formarão uma solução da seguinte equação: 330x + 210y = 17.700. O problema consiste então em descobrir se tal equação tem ou não solução e, em caso afirmativo, saber como encontrar todas as soluções e escolher aquela que fornece a quantidade máxima. Equações desse tipo, em que são procuradas soluções inteiras, são conhecidas como equações diofantinas, em homenagem a Diofanto de Alexandria, que viveu por volta do século III d.C. Dele se conhecem duas obras: Sobre números poligonais e Aritmética.


154

Estruturas algébricas para licenciatura: volume 2 – Elementos de Aritmética Superior

Esta última, da qual restam seis livros (segundo o prefácio, o número total seria treze), é a mais importante e original. Trata-se de uma coletânea de problemas, na maioria indeterminados, para cujas soluções Diofanto sempre aplicava métodos algébricos, com o que se distingue substancialmente da Matemática grega clássica. Devido a essa utilização de métodos algébricos, embora Diofanto só tenha estudado alguns tipos de equações, dedicando-se à procura de soluções racionais, hoje recebem o nome de equações diofantinas todas as equações polinomiais com coeficientes inteiros, sempre que se tratar de procurar suas soluções também entre os inteiros.

Definição 5.1.1 Uma equação diofantina linear a duas incógnitas x e y é uma equação do tipo ax + by = c, com a, b e c inteiros. Dizemos que a equação tem solução em  se existirem inteiros x0 e y0 tais que ax0 + by0 = c, e o par (x0,y0) é então chamado de solução da equação.

Exemplo 5.1.2 Observando as igualdades 3 ⋅ 4 + 6 ⋅1 = 18 , 3 ⋅ ( −6) + 6 ⋅ 6 = 18 e 3 ⋅10 + 6 ⋅ ( −2) = 18, vemos que os pares de números x0 = 4 e y0 = 1, x0 = –6 e y0 = 6, x0 = 10 e y0 = –2 nos dão soluções da equação 3x + 6y = 18. Convidamos o leitor a procurar outras soluções para essa equação. Em contraste com a equação desse exemplo, que, como veremos, possui infinitas soluções, existem equações diofantinas lineares que não têm solução. Por exemplo, a equação 4x + 6y = 15 não possui solução inteira. De fato, para quaisquer inteiros x e y, os números 4x e 6y são pares, e a soma de dois números pares é par, não podendo, portanto, ser igual a 15. No caso geral, o teorema a seguir nos ajuda a decidir quando uma de tais equações possui solução.

Teorema 5.1.3 c.

A equação diofantina linear ax + by = c tem solução se, e somente se, mdc(a,b) divide

Demonstração Como já observamos anteriormente, teoremas com a estrutura se, e somente se, devem ser demonstrados em duas etapas: uma que demonstra a parte se, e outra, a parte somente se. Demonstração da parte se: aqui a hipótese é mdc(a,b) divide c e devemos mostrar que a equação ax + by = c tem solução. Seja d = mdc(a,b). Ora, pelo Teorema 3.3.3, sabemos que existem inteiros r e s tais que

ar + bs = d .

(1)


CAPÍTULO 6 ALGUNS TEOREMAS CLÁSSICOS DA TEORIA DOS NÚMEROS

Neste capítulo apresentamos cinco teoremas clássicos e belíssimos da Teoria dos Números. O primeiro deles foi enviado por Pierre de Fermat (1601-1665) em uma carta ao seu amigo Bernard Frénicle de Bessy (1605-1675), em 18 de outubro de 1640. Como se sabe, Fermat tinha o hábito de não apresentar as demonstrações dos teoremas que descobria e, assim, Leonhard Paul Euler (1707-1783) foi o primeiro a publicar, em 1736, uma demonstração para o que hoje conhecemos como o Pequeno Teorema de Fermat, generalizando esse teorema com o uso da chamada Função ϕ de Euler (lê-se: Função phi de Euler). Euler demonstrou também um teorema atribuído a John Wilson (1741-1793) por seu professor Edward Waring (1736-1798) em uma publicação de 1770. Nem Wilson nem Waring puderam provar o teorema. O quarto teorema é conhecido como Teorema Chinês dos Restos e data do século III. Finalmente, na última seção deste capítulo, apresentamos um resultado sobre resíduos quadráticos conhecido como Lei da Reciprocidade Quadrática, abordado no século XVIII por Euler e Adrien-Marie Legendre (1752-1833). A primeira demonstração aceita se deve ao alemão Johann Carl Friedrich Gauss (1777-1855) e data do início do século XIX. A prova que apresentaremos baseia-se em métodos geométricos e é creditada ao também alemão Ferdinand Gotthold Max Eisenstein (1823-1852). As demonstrações aqui apresentadas são bastante elementares, no sentido de que apenas fazem uso de técnicas básicas da Teoria dos Números, técnicas essas desenvolvidas em capítulos anteriores neste livro. O leitor certamente terá a oportunidade de conhecer outras demonstrações interessantes de alguns desses teoremas quando tomar conhecimento da Teoria dos Grupos e Anéis.


210

Estruturas algébricas para licenciatura: volume 2 – Elementos de Aritmética Superior

6.1 FUNÇÕES ARITMÉTICAS FUNÇÕES ARITMÉTICAS MULTIPLICATIVAS Nosso objetivo nesta seção é apresentar algumas propriedades elementares de uma classe de funções cujo papel é fundamental nas Teorias Algébrica e Analítica dos Números. É interessante observar que o estudo das funções aritméticas multiplicativas pode ser abordado por meio de potências de primos, como veremos adiante.

Definição 6.1.1 Uma função aritmética é uma função f : ∗ → . Assim, o domínio de uma função aritmética f é D(f) = ∗, o contradomínio de f é CD(f) =  e a imagem de f é o conjunto Im( f ) = f (n) | n ∈ ∗ .

{

}

Exemplo 6.1.2 As funções τ e σ que a cada natural n ≥ 1 associam o número τ(n) e a soma σ(n) dos divisores positivos de n, respectivamente, apresentadas nas aplicações do Capítulo 4, são funções aritméticas.

Definição 6.1.3 (i) Uma função aritmética f é dita multiplicativa se f (m ⋅ n) = f (m) ⋅ f (n) , sempre que m, n ∈ ∗ e mdc(m, n) = 1. (ii) Quando a condição (i) é válida mesmo com mdc(m, n) ≠ 1, dizemos que f é completamente multiplicativa.

Exemplo 6.1.4 Duas funções aritméticas completamente multiplicativas triviais são as funções f e g dadas por f (n) = 1 e g (n) = n, para todo n ∈ ∗, pois: f (m ⋅ n) = 1 = 1⋅1 = f (m) ⋅ f (n), g (m ⋅ n) = m ⋅ n = g (m) ⋅ g (n), para todos m, n ∈ ∗, ainda que mdc(m, n) ≠ 1.


Capa_Caldeira_vol2_P3.pdf 1 21/03/2018 20:43:22

2

Jhone Caldeira Silva

Y

CM

MY

Olimpio Ribeiro Gomes

CY

CMY

K

É bacharel, mestre e doutor em Matemática pela Universidade de Brasília (UnB). Como professor, atua profissionalmente desde 1999, tendo ministrado aulas em escolas de Ensino Fundamental e Médio, em preparatórios para vestibulares e concursos e em cursos de graduação e pós-graduação. Atua também como auditor federal de finanças e controle do quadro de pessoal da Controladoria-Geral da União desde 2008, quando foi selecionado para a área de Auditoria e Fiscalização/ Estatística e Cálculos Atuariais.

O ensino de estruturas algébricas na Licenciatura em Matemática é essencial Estruturas Algébricas para Licenciatura é um conjunto de obras que visa auxiliar professores e alunos no processo de ensino e aprendizagem de fundamentos básicos de Matemática, da teoria de conjuntos e das principais estruturas algébricas. Buscamos sanar dificuldades relacionadas à linguagem e ao conteúdo, oferecendo textos dialogados e ricos em detalhes. As demonstrações são desenvolvidas com clareza; exemplos e exercícios são apresentados com o intuito de facilitar o entendimento e a aplicação dos resultados. Ao final de cada livro, apresentamos respostas de alguns exercícios propostos. Neste volume, Elementos de Aritmética Superior, abordamos as construções dos conjuntos dos números naturais e inteiros, a teoria de divisibilidade de inteiros e os elementos fundamentais da Teoria dos Números.

Elementos de Aritmética Superior

M

CONTEÚDO

Olimpio Ribeiro Gomes Silva | Gomes

C

É bacharel e licenciado em Matemática pela Universidade Federal de Viçosa (UFV), mestre e doutor em Matemática pela Universidade de Brasília (UnB), com doutorado sanduíche na Universidad Autónoma de Madrid. Desde 2004, atua como professor de cursos de graduação e pós-graduação com experiência na UnB e em instituições de ensino superior no Distrito Federal e em Goiás. Desde 2009, é professor do Instituto de Matemática e Estatística da Universidade Federal de Goiás (IME-UFG).

Jhone Caldeira Silva

Apresentação

Estruturas Algébricas para Licenciatura

Agradecimentos Prefácio 1. A construção do conjunto dos números naturais 2. O conjunto dos números inteiros 3. Divisibilidade em Z e aplicações

Elementos de Aritmética Superior

4. Números primos 5. Equações diofantinas e aritmética módulo m 6. Alguns teoremas clássicos da Teoria dos Números Respostas de alguns exercícios

vol.

2

Referências bibliográficas


Clique aqui e:

Veja na loja

Estruturas algébricas para licenciatura - Vol. 2 Jhone Caldeira Silva Olimpio Ribeiro Gomes ISBN: 9788521211464 Páginas: 300 Formato: 17x42 cm Ano de Publicação: 2018

Profile for Editora Blucher

Estruturas Algébricas para Licenciatura - Vol. 2  

Estruturas Algébricas para Licenciatura - Vol. 2