Issuu on Google+


O Porquinho Cor-de-rosa Te x t o M a r c i n B r y k c z y ń s k i Ilustrações Joanna Olech Marta Ignerska

Tr a d u ç ã o B r o n i s l a w a A l t m a n M e l l o

Editora Biruta S ã o Pa u l o 2 0 1 1


Copyright texto © Marcin Brykczyński Copyright ilustrações © Joanna Olech Copyright layout © Marta Ignerska Copyright © 2006 Społeczny Instytut Wydawniczy ZNAK, Kraków (Polônia) Projeto da capa Marta Ignerska Ilustrações da capa Joanna Olech e Marta Ignerska Título original Różowy Prosiaczek Título da edição brasileira O Porquinho Cor-de-rosa Tradução Bronislawa Altman Mello Preparação de texto Elisa Zanetti Editoração eletrônica Monique Sena Coordenação editorial Elisa Zanetti – Editora Biruta 1a Edição – 2011 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)

Brykczynski, Marcin O porquinho cor-de-rosa / Marcin Brykczynski; ilustrações Joanna Olech e Marta Ignerska; tradução Bronislawa Altman Mello. – São Paulo: Biruta, 2011. Título original: Różowy prosiaczek ISBN 978-85-7848-062-2 1. Literatura infantojuvenil I. Olech, Joanna. II. Ignerska, Marta. III. Título. 10-05254

CDD-028.5

Índices para catálogo sistemático: 1. Literatura infantil 028.5 2. Literatura infantojuvenil 028.5

Edição em conformidade com o acordo ortográfico da língua portuguesa. Todos os direitos desta edição reservados à Editora Biruta Ltda. Rua Coronel José Euzébio, 95 – Vila Casa 100-5 Higienópolis – Cep 01239-030 – São Paulo – SP – Brasil Tel: (011) 3081-5739 fax (011) 3081-5741 E-mail: biruta@editorabiruta.com.br Site: www.editorabiruta.com.br A reprodução de qualquer parte desta obra é ilegal e configura uma apropriação indevida dos direitos intelectuais e patrimoniais do autor.


Amigo leitor, amiga leitora,

Você já reparou como as pessoas são diferentes umas das outras? Com os animais acontece a mesma coisa. Nosso amigo, o Porquinho Cor-de-rosa, quer ser diferente do que é. Não aguenta mais o jeito que sempre foi e resolve tomar uma atitude. Ele quer, imagine, quer mudar de cor. Será que vai conseguir?


— Está na hora de fazer alguma coisa a respeito disso! — disse certa manhã o Porquinho Cor-de-rosa, olhando o seu reflexo numa poça d´água no meio do quintal. — A respeito do quê? — perguntou, inquieta, a Mamãe Porquinha. — Dessa minha cor rosa enjoada — retrucou o Porquinho, turvando a água com a patinha cor-de-rosa.


— Mas você é um lindíssimo Porquinho Cor-de-rosa, o mais lindo que já se viu neste quintal — disse a Mamãe Porquinha, e o Papai Porcão pigarreou alto para que todos soubessem que ele também tinha algo a dizer. — Pois é, todos sempre me dizem isso — grunhiu o Porquinho. — É só isso que eu ouço: bom-dia, Porquinho Cor-de-rosa! Como vai, Porquinho Cor-de-rosa? Ah, que lindo Porquinho Cor-de-rosa! Já estou cheio dessa história. Preciso pensar seriamente sobre isso! — Isso o quê? — perguntou mais inquieta ainda a Mamãe Porquinha, e o Papai Porcão pigarreou ainda mais alto, querendo mostrar que também se preocupava.


— Pensar se quero continuar sendo o Porquinho Cor-de-rosa. E por que até hoje ninguém me perguntou se eu queria ser um Porquinho de uma cor completamente diferente — o Porquinho respondeu de um fôlego só. E depois acrescentou que ia sair para dar uma volta e refletir. — Mas tome cuidado para não sujar as suas lindas patinhas cor-de-rosa — disse a Mamãe Porquinha, e o Papai Porcão pigarreou mais uma vez, para mostrar que partilhava da preocupação dela e para evitar ser acusado de não ter nenhum interesse pela educação do Porquinho Cor-de-rosa...


Bem atrás do portão, começava uma trilha pela qual o Porquinho Cor-de-rosa e a Mamãe Porquinha passeavam de vez em quando. Raramente, o Papai Porcão acompanhava os dois. Ele tinha sempre assuntos seriíssimos a resolver, que pareciam ocupar toda a sua cabeça. Porém, por mais que o Porquinho Cor-de-rosa se esforçasse, nunca conseguia entender muito bem que assuntos eram aqueles. Talvez porque a Mamãe Porquinha e o Porquinho Cor-de-rosa andavam sempre com a cabeça nas nuvens.


Isso era estranho, como tantas coisas no mundo dos adultos, mas o Porquinho Cor-de-rosa sabia que os pais têm sempre razão, principalmente quando as aparências parecem indicar exatamente o contrário.


O Porquinho Cor-de-rosa