Issuu on Google+

Você é o Animal A luta inglória pela sobrevivência


Valdomiro Nenevê

Você é o Animal A luta inglória pela sobrevivência

São Paulo 2011


Copyright © 2011 by Editora Baraúna SE Ltda Capa Aline Benitez “Capa inspirada em ilustração da ARCA Brasil – Associação Humanitária de Proteção e Bem-Estar Animal - www.arcabrasil.org.br – Conheça e apóie a causa dos animais!” Projeto Gráfico Tatyana Araujo

CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO-NA-FONTE SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ ________________________________________________________________

N36v

Nenevé, Valdomiro Você é o animal : a luta inglória pela sobrevivência / Valdomiro Nenevé. - São Paulo : Baraúna, 2011. ISBN 978-85-7923-317-3 1. Relação homem-animal. 2. Animais e civilização. 3. Crueldade. 4. Animais - Proteção. I. Título. 11-1130.

CDD: 636.7 CDU: 636.7

28.02.11 28.02.11

024805

________________________________________________________________ Impresso no Brasil Printed in Brazil DIREITOS CEDIDOS PARA ESTA EDIÇÃO À EDITORA BARAÚNA www.EditoraBarauna.com.br Rua Januário Miraglia, 88 CEP 04547-020 Vila Nova Conceição São Paulo SP Tel.: 11 3167.4261 www.editorabarauna.com.br www.livrariabarauna.com.br


Empatia para desabrochar aquela paixão latente encontrada até mesmo nos corações mais empedernidos.


Prefácio

As evidências mais antigas da amizade entre o homem e os cães datam de cerca de 12 mil anos antes de Cristo, quando os ossos de homens e cães aparecem na mesma tumba. Esta interação homem-animal tem sido abordada pela sociologia, psicologia, antropologia, medicina veterinária e outras ciências e evidencia um aprofundamento na relação entre o homem e os animais, principalmente os animais de estimação. O homem, desde a gênese, tem explorado o ambiente natural com um olhar particularmente atento e interessado para as outras formas de vida animal do Planeta. As primeiras expressões humanas de arte gráfica representavam animais. As figuras de paredes do Paleolítico mostram uma grande variedade de animais e quase nunca espécies vegetais. Os animais condicionaram o êxito dos muitos acontecimentos bélicos do passado. Pense nos elefantes de Pirro, chamados “bois lucanos” pelos romanos, que tiveram na província lucana o impacto com o mastodôntico


paquiderme, a sua presença desconhecida acarretando morte nos primeiros encontros com o exército cartaginês, taticamente superior graças ao emprego do exótico mamífero. A épica cavalaria napoleônica, constituída por corcéis fortes e velozes foi protagonista de tantas vitoriosas nas campanhas do imperador Napoleão I da França. A progressiva urbanização e o desaparecimento da antiga civilização rural o relegou a viver em ambientes metropolitanos caóticos e estressantes. Aumenta o número de solteiros, das famílias sem filhos ou com filho único. Cresce de modo exponencial o exército de animais considerados “de companhia”, que compartilham a nossa existência nas residências de hoje. Por outro lado, assistimos, muitas vezes omissos, os mais diversos tipos de maus tratos empregados contra os animais, que vão desde os pássaros presos em gaiolas minúsculas, sem condições de higiene, cães presos em correntes curtas o dia todo, com alimentação precária, cavalos usados na tração de carroças que são açoitados e em visível estado de subnutrição, como também o uso de animais em tourada, circos e rodeios. Muitas vezes o homem reconhece no animal e outras espécies simples “coisas”, desprovidas de vida própria e que existem para lhe servir, sentindo-se o centro do universo. É com essa motivação que levo adiante o meu projeto de escrever um livro-denúncia, que espero que atinja o objetivo proposto: que as pessoas que tiverem contato com este modesto opúsculo mudem radicalmente no sentido de “serem melhores” na relação homem-homem,


mas, principalmente, na inter-relação homem-animal. A necessidade que temos uns dos outros, em parte espiritual, em parte física, ajuda-nos a ser felizes e saudáveis. E respeitar o animal, com suas verdadeiras necessidades fisiológicas, biológicas e psicológicas, nos fará viver em maior harmonia.

Valdomiro Nenevê


Mensagem

Olhei para os animais abandonados nas ruas e nos abrigos, os renegados da sociedade humana. Vi em seus olhos amor e esperança, medo e horror, tristeza e a certeza de terem sido traídos. Eu me revoltei e rezei: “Deus, isso é horrível! Por que o Senhor não faz nada a respeito?” E Deus respondeu: “Eu fiz. Eu criei você”. (autor desconhecido)


A pessoa que oprime o seu semelhante é um covarde. O animal racional que inflige maus tratos a um animal irracional é o pior dos facínoras. Valdomiro Nenevê


Sumário

Prefácio. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7 Mensagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11 Você é o cachorro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19 Começa o dia e a sofrida faina. . . . . . . . . . . . . . . 23 A taxa de fecundidade dos cães. . . . . . . . . . . . . . 27 O casal: Omir e sua esposa Vida . . . . . . . . . . . . . 29 Castração de animais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33 Diário de um cão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 O pastor alemão e o coelho. . . . . . . . . . . . . . . . . 41 Testamento de Thor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45 As profissões dos cães . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49 Vamos extinguir com as carroças puxadas pelos equinos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63 Direito a terem direitos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67 Denunciando os maus tratos a animais. . . . . . . . . 71 Para os animais o Holocausto continua. . . . . . . . . 75 Eis alguns dos terríveis males infligidos aos animais pelos homens. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79 Discriminação: Leis feitas só para humanos. . . . . . 81 Pela eliminação total do uso de animais em circos. 85 Os Elefantes:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85 Leões, tigres e outros felinos:. . . . . . . . . . . . 86


Você é o animal : a luta inglória pela sobrevivência