Page 1

Significado dos

Ditados Populares e das GĂ­rias Brasileiras


Significado dos

Ditados Populares e das GĂ­rias Brasileiras

Roberto Silvestrini

SĂŁo Paulo 2010


Copyright © 2010 by Editora Baraúna SE Ltda Capa e Projeto Gráfico Aline Benitez Ilustração de capa Alex Sartório Revisão Priscila Loiola

CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO-NA-FONTE SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ ______________________________________________________________

S593s

Silvestrini, Roberto Significado dos ditados populares e gírias brasileiras / Roberto Silvestrini. - São Paulo : Baraúna, 2010. Inclui bibliografia ISBN 978-85-7923-222-0 1. Máximas. 2. Aforismos e apotegmas. 3. Citações. 4. Língua portuguesa - Gíria. I. Título. 10-3557. 21.07.10

CDD: 398.9 CDU: 398.9 28.07.10

020447

______________________________________________________________

Impresso no Brasil Printed in Brazil DIREITOS CEDIDOS PARA ESTA EDIÇÃO À EDITORA BARAÚNA www.EditoraBarauna.com.br Rua João Cachoeira, 632, cj.11 CEP 04535-002 Itaim Bibi São Paulo SP Tel.: 11 3167.4261 www.editorabarauna.com.br


Dedicatória

Quero oferecer este livro, basicamente, à minha mãe, Camilla dos Anjos Pereira Silvestrini, quando em vida, minha maior incentivadora, apostando todas as fichas na minha educação e cultura. Nunca mediu um milímetro de esforço para o meu aperfeiçoamento, e uma das pessoas mais positivas que tive a honra e o prazer de conviver. Relembro aqui muitos ditados por ela citados, que tinham tudo a ver com a verdade universal, e que jamais saíram da minha memória.


Homenagem especial

Ao meu querido amigo e irmão, Lourival Romero, pseudônimo “Leon”. Autor de vários livros, montagens teatrais e, como se não bastasse, um ilustrador de mão cheia. Dono de um humor fabuloso, galhofeiro como ele só, era extremamente criativo. De vez em quando me pego rindo das possíveis piadas e gozações que faríamos diante deste “grande circo que estamos metidos”. Foi uma grata satisfação trabalhar e partilhar das mais malucas elucubrações humorísticas da minha vida.


Agradecimentos

A lista é grande, mas quero agradecer em especial ao meu filhote Roberto, pela criação das ilustrações. Aos diálogos que tive com a minha bisavó, que foi a grande fonte inspiradora deste livro; conforme dito, falava através de Ditados e Expressões Populares. À minha mulher Silvana, também positivista, minha grande incentivadora e também dona de um bom humor e criatividade ímpares. Agradecer aos colegas de imprensa e aos anônimos que propagam cotidianamente os ditados populares e as gírias do nosso país, a despeito da enxurrada de neologismos estrangeiros que alguns teimam em divulgar, esquecendo-se de valorizar a nossa língua e a nossa cultura, que é uma das mais ricas do mundo. E por fim agradecer ao Maurício e sua equipe, da Editora Baraúna, que acreditaram no meu trabalho.


Sumário

Prefácio - Origens no Brasil. . . . . . Dos Capítulos. . . . . . . . . . . . . . . . Animais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Comportamento . . . . . . . . . . . . . Corpo humano . . . . . . . . . . . . . . Culinária e utensílios domésticos . . Financeiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . Futebol . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Mágicos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Política . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Religioso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Sexo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Vinho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Bibliografia. . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . .

. . . . .

13 19 21 37 91 109 117 125 133 137 143 151 159 165


Prefácio

Origens no Brasil

Como o Brasil foi colonizado pelos portugueses, os primeiros ditados usados pela população foram, obviamente, os ditados da santa terrinha. Portugal, com forte influência da Religião Católica (dogmática, tom conformista, com conceitos baseados no medo, sacrifício, dificuldades, desgraça, obediência), tinha os seus ditados populares na sua maioria inspirados nas parábolas da Bíblia e outros escritos da Igreja. Lembremos que à época do descobrimento do Brasil a Europa respirava os ares da Santa Inquisição, onde o poder da Igreja era muito forte, senão de influência absoluta. Sem dúvida, com todos os instrumentos à mão, Paróquias, Livros e o Poder Econômico, a Igreja era a maior mídia da época. Por consequência, a maior propagadora desses ditados e expressões populares. A Igreja doutrinava os fiéis dentro dos templos, com as parábolas e os provérbios, que eram a síntese dos conceitos doutrinários que ela queria passar para a popula-

13


ção, para exercer o seu poder. E depois, aos poucos, os livros, jornais e as escolas davam o tom da filosofia, da moral e da ética. Mais recentemente, no século XIX, os imigrantes europeus contribuíram muito para enriquecer os ditados populares no Brasil, especialmente no Sul do País. Desse caldo cultural, os ditados e expressões populares divulgados eram a cristalização desses conceitos, sejam eles de origem religiosa ou filosófica, influenciados por grupos dominantes: Igreja, Sociedades Esotéricas, Fazendeiros, Políticos, e mais recentemente os Industriais, Comerciantes, Sindicatos, Associações, Entidades Sociais, Intelectuais, etc. Eram ditos de forma coloquial, para que todos, dos mais humildes aos mais letrados, pudessem entender as mensagens. Assim, a população se alimentava desses conceitos, e, baseados neles, criavam outros ditados e dessa forma o sistema se retro-alimentava desses novos conceitos. E fechavam o ciclo completo da informação, em um processo contínuo de formação de opinião. Esse tema sempre me interessou. Ouvia com muita atenção as histórias que os mais velhos contavam, principalmente as bravuras dos imigrantes, a luta pela sobrevivência, em uma terra estranha à sua, cheia de dificuldades: clima, insetos, índios, comidas, etc. Todas essas histórias eram ilustradas por ditados e expressões populares, para facilitar a explicação. Isso me encantava. Ficava imaginando como poderia ser uma “camisa de onze varas”. Ou “com quantos paus se faz uma canoa” ou, ainda, “nas costas dos outros leio as minhas”.

14


Como iria vestir uma camisa de onze varas ou ler alguma coisa nas costas dos outros? E o pior: eles, inquestionáveis, não explicavam nada. Em alguns casos era bem provável que não sabiam o real significado dessas expressões, pois também não lhes explicaram e “vendiam pelo mesmo preço que compravam”. Então, como entender?! Com muita boa vontade, os pais, os tios, os avós e alguns professores, ao serem indagados, davam a sua versão para esses ditados, e sempre usavam como referência os “antigos”. Isso os livrava, de certa forma, da responsabilidade do significado exato de cada dito popular. Outro fator que aumentava a confusão é que para um mesmo ditado havia duas ou três versões. Então, como saber o conteúdo correto deles, se não havia uma explicação satisfatória? E qual delas era a correta? Nos livros da adolescência, pouca ou nenhuma explicação era dada sobre esse assunto. O tempo foi passando e cada vez mais ouvia e lia novos ditados, expressões, gírias e pouco questionava. Muitos os colocavam como forma de conduta, mas, novamente, sem explicações. Diziam-nos repetidamente como papagaios e quando questionados desconversavam ou não sabiam explicar direito. Com a maturidade, você se pergunta sobre muitas coisas: se esta é a vida que imaginou na sua juventude, se o seu trabalho é esse mesmo, se a sua vida familiar está a contento e por aí vai. Nesse questionamento, os ditados apareciam a toda hora em minha cabeça.Então parei para repensá-los e tentar colocá-los no tempo e no espaço, para ver se ainda tinham sentido nos dias de hoje ou se eram verdades eternas.

15

Significado dos Ditados Populares e das Gírias Brasileiras  

Os ditados e gírias estão por todos os lados: na culinária, no comportamento, nas finanças... Todo dia pensamos ou falamos alguns deles.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you