Issuu on Google+

Refúgio Poético


Adriana Pires

Refúgio Poético São Paulo 2011


Copyright © 2011 by Editora Baraúna SE Ltda Capa Aline Benitez Projeto Gráfico Tatyana Araujo Revisão Vanise Macedo

CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO-NA-FONTE SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ ________________________________________________________________

P743r

Pires, Adriana Refúgio poético / Adriana Pires. - São Paulo : Baraúna, 2011. ISBN 978-85-7923-315-9 1. Poesia brasileira. I. Título. 11-1132.

CDD: 869.91 CDU: 821.134.3(81)-1

28.02.11 01.03.11

024812

________________________________________________________________ Impresso no Brasil Printed in Brazil DIREITOS CEDIDOS PARA ESTA EDIÇÃO À EDITORA BARAÚNA www.EditoraBarauna.com.br Rua Januário Miraglia, 88 CEP 04547-020 Vila Nova Conceição São Paulo SP Tel.: 11 3167.4261 www.editorabarauna.com.br www.livrariabarauna.com.br


Prefácio A tarefa de apresentar este primeiro livro de Adriana não é fácil; talvez porque eu não consiga separar muito bem seu rosto de sua poesia. Para mim, ambos são tão incrivelmente transparentes e tão naturalmente bonitos! O rosto que conheço há muito tempo não oferece perigo; é só ternura e meiguice. Anuncia, atrai, oferece e dá vida a quem pedir e a quem precisar. A poesia parece ser ainda mais que isso; é aberta a um conceito de vida da forma mais simples e humana que se pode ter. É toque. É cheiro. É amor. Pertence ao homem e à natureza. Retrata e desnuda a alma feminina, valendo-se do imaterial, de tal forma que consegue escapar à lógica da matéria e à coleira da razão: a compulsão, as emoções sensuais, a paixão, a dor, a solidão, o inconsciente; enfim, tudo aquilo que jamais poderemos dominar e que, no entanto, nunca deixaremos de sentir, pois os sentimentos fazem parte da nossa frágil essência. Afinal, somos mais sensibilidade do que matéria. Adriana parte, desde o primeiro poema, de temas fundamentais: a paixão e o mistério. A imperfeição do destino; a incoerência e a inconclusão dos relacionamentos e dos sentimentos norteiam o livro. Desloca, sem dificuldade, o mistério do território espiritual para o humano, colocando-se explicitamente nas miudezas do cotidiano, nas vacilações da carne e na imperfeição da mulher.


Os sentimentos, às vezes, aparecem como um voto de resignação ao desconhecido, ao obscuro, ao vazio, isto é, à fragilidade humana. Faz-nos perceber que a poesia não se passa nos livros, nem a vida restringe-se à crueza do chão. Assim, poesia é necessária; não se pode viver sem ela. No entanto, o que mais me encanta em Adriana e em sua poesia é a coragem de enfrentar e de romper a fronteira ilusória que separa vida de imaginação.

Uruaçu, 20 de dezembro de 2010. Maria Aparecida de Oliveira Borges. Professora de Língua Portuguesa — Instituto Federal de Goiás / Mestranda em Linguística


Sumário Prefácio. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5 Refúgio poético . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11 Ponte de dor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13 Lápide dos sonhos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15 Meus olhos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17 O cálice e o vinho. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19 Entre mim e você. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21 Lamento infindável. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23 Todas as flores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25 Folhas secas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 Eterna procura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 Amarga distância . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31 Filhos são borboletas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33 Meu peito chora. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 Sei que te amei . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 Castelo de sonhos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40 Tristes lembranças . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43 Força do destino. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45 Amor displicente. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47 Futuro incerto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48 Olhos áridos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50 Vestígios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52 Meu querer . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54 Triste decisão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56 Dores de amor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57 Anipnia maldita . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59 Sonhos de um pescador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63 Barco da vida. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66 Noite triste. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68 Exílio. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71 Noite de luar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73 Doces lembranças. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74


Ingrato amor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76 Cálice de prazer. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78 Perfume. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80 Desejos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82 Longa espera. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84 Eterna procura. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85 Querer diferente. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86 Volúpia de prazer. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88 O som do silêncio. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89 Idílio.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91 Devaneio e lucidez. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92 Absinto de dor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93 Eterna esperança. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94 Acalanto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95 Longe de ti . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96 Ingrato destino. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98 Folhas secas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99 Apólogo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101 Alma fragmentada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102 Sonhos inóspitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104 Perdoa-me! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106 Meu destino. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108 Incompatibilidade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109 O leme . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111 Embriaguez . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113 Não importa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115 Marcas do passado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117 Fragmento de amor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120 Questionamentos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122 Cálice . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123 Amarga ferida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125 Arte de amar. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126 Livro da vida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127 Gosto da desilusão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129 Quanto tempo? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131


Último canto . . . . . . . Passado ingrato . . . . . A cor da felicidade . . . Fênix do cerrado. . . . . Seria mais fácil. . . . . . Um espelho que cai . . Antes de você nascer .

. . . . . . .

. . . . . . .

. . . . . . .

. . . . . . .

. . . . . . .

. . . . . . .

. . . . . . .

. . . . . . .

. . . . . . .

. . . . . . .

. . . . . . .

. . . . . . .

. . . . . . .

. . . . . . .

. . . . . . .

. . . . . . .

. . . . . . .

. . . . . . .

. . . . . . .

132 135 139 141 144 146 149


Adriana Pires

10


Refúgio Poético

Refúgio poético Faze do meu corpo Teu refúgio poético! Da minha boca, Teu cálice. Do meu seio, Teu amparo. Faze do meu corpo Teu refúgio poético! Do meu colo, Teu descanso. Dos meus olhos, Teu porto. Faze do meu corpo Teu refúgio poético! Do meu desalento, Teu ânimo. Do meu desencanto, Teu encanto. Faze do meu corpo Teu refúgio poético! Do meu desejo, Tua fonte de prazer. Da minha luxuria, Teu pecado capital. 11


Adriana Pires

Faze do meu corpo Teu refúgio poético! De sonhos Beijos Carícias ardentes. Faze do meu corpo Teu refúgio poético! Toca minha alma Arrebata meus instintos Sufoca minha carência. Faze do meu corpo Teu refúgio poético! De sonho Segredo Cumplicidade Poesia. Sem medo. Faze do meu corpo Teu refúgio poético! Alimenta teu amor.

12


Refúgio Poético

Ponte de dor Entre mim e você existe uma ponte; Ponte de dúvida Sonho Lágrima Luz E dor. Tenho saudade de um tempo Perdido no passado Que ficou esquecido Entre flores e espinhos De um jardim abandonado. Uma ponte que vai... Uma ponte que fica Uma ponte que vem... Na dúvida, Não sei se parto Não sei se fico Não sei se vivo, Ou sufoco esse amor Cheio de barreira e de dor. Ah, ponte ingrata Que me traz conflitos! Entre soluços e gritos, Choro sua ausência. 13


Adriana Pires

Vivo num mundo de dúvidas. Dúvidas... Não sei o que fazer. Fico sobre a ponte a lamentar É tão fácil voltar E tão difícil partir. Espero, um dia, Essa ponte cair E, quando o momento chegar, Entre as ruínas Quero estar junto a você. Nesse momento por que tanto espero, Não haverá mais ponte Não haverá insegurança Nada emergindo de um passado Que me aproxima E separa de você. Nada mais irá importar. Só quero viver Nossa história de amor Tão difícil de acontecer!

14


Refúgio Poético

Lápide dos sonhos Você pode não acreditar Na vida já tive sonhos E não tive medo de sonhar. Hoje meus sonhos dormem O sono eterno da inquietude, Na gélida lápide da vida que se finda Perdida no finito de tudo. Neste momento, Tudo que sei e em que acredito É que a morte é a única certeza Que não ilude Início e fim que se fundem Na eternidade de quem vai E na mente de quem fica. Confusa! Assim fico Um corpo sem alma Um rosto sem sombra. E meus passos? Ah, os meus passos E meus pés descalços Só me levam em direção ao meu berço

15


Refúgio Poético