Issuu on Google+

“O olhar é a impressão digital do coração”


Marcus Vinicius Pivetta Ferreira

“O olhar é a impressão digital do coração”

São Paulo 2010


Copyright © 2010 by Editora Baraúna SE Ltda Projeto Gráfico e Diagramação Alline Benitez

CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO-NA-FONTE SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ _______________________________________________________________ F441o Ferreira, Marcus Vinicius Pivetta O olhar é a impressão digital do coração / Marcus Vinicius Pivetta Ferreira. São Paulo : Baraúna, 2010. ISBN 978-85-60832-95-8 1. Conto brasileiro. I. Título. 10-0652.

CDD: 869.93 CDU: 821.134.3(81)-3

10.02.10 19.02.10 017615 _______________________________________________________________

Impresso no Brasil Printed in Brazil DIREITOS CEDIDOS PARA ESTA EDIÇÃO À EDITORA BARAÚNA www.EditoraBarauna.com.br Rua João Cachoeira, 632, cj.11 CEP 04535-002 Itaim Bibi São Paulo SP Tel.: 11 3167.4261 www.editorabarauna.com.br


Sumário Ana Beatriz. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 Poemas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19 Viva!. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21 Ana Beatriz. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23 A Mulher Perfeita. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25 A Viagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 Obrigado, Ana Beatriz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 Ao Seu Lado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31 O Tardar do Amor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33 O Refletir de Uma Paixão. . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 O Apaixonado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 Naquele Dia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 Saudade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 Refletir de Uma Paixão II. . . . . . . . . . . . . . . . . . 43 Indignação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45 O Amanhecer. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47 Os Olhos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49 A Doce Fragrância do Amor. . . . . . . . . . . . . . . . 51 A Paz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53 Reconciliação e Afeição. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55 A Morte. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57 Sonhos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59 O Amor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61 Certezas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63


O Ruim do Amor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65 O Passado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67 Viagem ao Infinito. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69 Interior Cheio. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71 Você Me Ama. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73 Cantoria. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75 Amigo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77 Suspiro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79 Seguindo em Frente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81 Não digas coisas que não saiba explicar. . . . . . . . 83 Amiga Especial. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85 Lágrimas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87 Você. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89 Nuvens Escuras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91 O Rejuvenescer da Paixão. . . . . . . . . . . . . . . . . . 93 Amor Perene. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95 Amor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97 Sua inocência. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99 Sem você. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103 Sonhando. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105 Nas asas de um anjo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107 Lembras isto? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109 Refletindo de Mané . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111 Às mulheres que choram. . . . . . . . . . . . . . . . . . 113 Perdão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115 Lugar perfeito. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117 Mais uma vez. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119 Nas asas de um anjo chamado Cy. . . . . . . . . . . 121 Cíntia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123 Uma luz emana de você . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125


Rodando o mundo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Tu és. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Anjinha (Cy). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Saudade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O cantar dos deuses . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Você. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Vai, mas não esqueças de mim!!. . . . . . . . . . . . . Amar!!. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Um seja dois; dois seja um!!. . . . . . . . . . . . . . . . . Extermine a tristeza!!!!. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Desabafo de um sonhador!!. . . . . . . . . . . . . . . . Vida nova, ano novo!!! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O Ideal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Caminhada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Espiando tudo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Beijos com gosto de café!!. . . . . . . . . . . . . . . . . Vá embora!!. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Até quando?. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Nós dois!!. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Virando a esquina!!! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Da luz às trevas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

127 129 131 133 135 137 139 141 143 145 147 149 151 153 155 157 159 161 163 165 167


Ana Beatriz Tudo começou quando compartilhei a leveza e a magnitude de tuas mãos afagando meus cabelos, como as mães acariciam o filho que repousa no berço. Teus dedos acariciavam minha nuca que se prostrava ao teu lindo toque. Deitado ao teu colo, via, na profundidade de teus olhos, uma contemplação, à qual não dei importância no momento.Via em ti uma garota meiga e feminina; doce aos olhos de um rapagão como eu. Depois daquele momento, comecei a ver que tu não me davas mais atenção, procuravas ficar afastada de mim, evitava-me e, distante, contemplavas-me com teus olhos castanhos como amêndoas. Aos longos dos meses que passaram, ainda tive o prazer de ter tuas mãos acariciando meus cabelos, tuas lindas mãos e serenas que me davam um pouco de paz à vida conturbada em que eu vivia. Em certa ocasião, certamente maravilhosa, tive o privilégio de desfrutar de teus lábios lindos e carnudos, do deslizar de teus cabelos em minha face, acariciando-me ingenuamente, proporcionando-me honra e felicidade de estar ao teu lado. Minha embriaguez impossibilitava-me de sentir mais teu aroma e toque, mas me deu o privilégio de ficar contigo, estando com os sentimentos à flor da pele. Foi maravilhoso para mim a linda sensação de estar com a pessoa pela qual adquirira afeição pelos carinhos e afagos.

9


Ao amanhecer do outro dia, acordava com o pensamento em ti; e já me culpava de ter abusado de tua ingenuidade; contudo, sentindo alegria de ter ficado contigo. Outras vezes vieram; os sentimentos de culpa também. Na última, alguma coisa em ti tocou-me; não sabia o que era, mas não pude evitar tal sensação, um calor nasceu nas plantas dos pés, subindo por meu corpo e pondo a tremer tudo ao teu passar. Meu coração foi o que mais se abalou com a inexprimível sensação; uma dor que nem minhas mais fogosas forças conseguiram amenizar. Ele batia desesperado por não ter teu coração ao lado do meu. E, com seus batimentos, cantava uma melodia de paixão e de ausência, fazendo uma homenagem ao amor que acabava de descobrir nascendo em teu leito. Amar-te foi como descobrir um louco apaixonado que existia dentro de mim, sedento por uma paixão incessante que me fazia cantar e chorar ao mesmo tempo, voar entre as estrelas e procurar uma só: a qual tivesse um brilho tão intenso quanto o teu, com o brilho de teus gestos e palavras. O papel mais difícil que tive de realizar, nesse relacionamento, foi entender tua indiferença e descaso aos meus sentimentos, desdobrei-me em mil partes para entender porque tu foste tão fria e sem emoção. Por que não te deste por inteiro a nós, viveste um amor com medo de que, um dia, pudesses te desiludir? Essas atitudes me deixaram (e deixam...) magoado e triste, por não ter, na certeza do amanhã, uma moça linda amando-me como a amo. Às vezes, paro para pensar o quanto me cativaste, deixaste-me pasmado, sem nem conseguir esquivar de

10


tua atração e paixão. Tu fizeste, fazes e farás muitas vezes eu decolar desse solo de angústia e tristezas para viajar ao mundo lindo e maravilhoso que construí, num plano imaginário, para que vivamos um amor saudável e prazeroso. E isso sempre ocorre quando decolo, transgrido o mundo imaginário, perseguindo uma figura pura e meiga tão quanto a que faço de ti. Esses poemas que dediquei a ti são apenas doses pequenas de meu amor, transferidas para uma folha de papel. O amor vem e deixa meus sentimentos explícitos, e só consigo me aliviar desse tormento muito bom ao escrever o que sinto. Ana Beatriz, meu coração luta para que meu amor não se expanda mais em meu peito, temendo que chegue a estourar de tanto que carrega consigo! Ele retrai-se com dor e lágrimas. Meu coração arde em fogo com tua presença! Esse sentimento maravilhoso vem fazer da minha vida uma busca incessante da tua felicidade. O amor sentido, porém, desatualiza-me deste mundo realista; faz-me sonhar entre castelos e fantasias. Tu és é a princesa do castelo do qual tenho que tomá-la para ter em meus braços a mais linda criatura do Universo. Tu que, com teus gestos, reges os pássaros e as nuvens que encenam e cantam, celebrando o aroma puro, exalado de teus cabelos, logo após filtrados por minhas narinas, que me levam à loucura e a uma insanidade completa. Quando tua imagem passa diante de meus olhos, tremo e arrepio-me. Meu tremor é causado por meus sentidos e minhas forças abalando-se diante de tua imagem

11


meiga e feminina. Os arrepios são meus sentimentos querendo fugir do corpo pelos poros, para poder estar ao teu lado e provar de tua maravilhosa presença. Teu semblante é animador e lindo, como o nascer do Sol; aconchegante e convidativo... O som dos pássaros, acordando e saudando o novo dia, imitam a delicadeza de sua linda voz. Suas mãos, ao encenarem, lembram as árvores sendo sacudidas pelo calmo e delicioso sopro do imponente vento. No instante em que fui ao teu encontro para pedir tua delicada mão em namoro, foi como se algo me impulsionasse, um sentimento superior a nós dois estimulavame para eu ter contigo. Teus olhos brilhavam; pareciam ter vida e luz própria! Lembro tuas palavras delicadas e acanhadas; foi o começo de um tempo lindo e maravilhoso em que pude estar ao teu lado. Tantas recordações boas veem-me à cabeça... Momentos que vivemos juntos, nos quais desfrutamos a dois... Como queria que minha vida inteira fosse assim! Mas tudo que é bom dura pouco! Incertezas assolam nossos pensamentos, deixando-nos neuróticos e loucos, à procura de uma certeza. Depois daquele dia em que tu falaste que não sabias o que sentia por mim, entrei em desespero profundo; perdi o rumo da vida, não sabendo procurar uma solução para tal problema. Vivi ao teu lado sem ter um gesto de carinho, uma palavra afetiva, um EU TE AMO. Frases ou situações que para ti podiam ser banais, mas para mim eram o máximo o êxtase. E, depois daquela pronúncia, eu não soube mais o que sentia por ti... As lágrimas rolaram; tremi de pavor por te perder. Dias melhores vieram,

12


muito melhores, vivi muitas situações boas novamente contigo. E jamais as esquecerei. Hoje, sentado em frente ao computador, escrevo sozinho sem ter ao meu lado a pessoa que amo. Tu pediste um tempo, e eu já perdi a esperança; só tenho fé que Deus ajude-me a conquistar-te de novo, de ter aquela menina que me amava loucamente, a fim de desfrutar teus lindos lábios e teu reconfortante abraço. Como é a vida, meus caros! Um dia, estou voando de alegria por estar apaixonado e desfrutando de um amor infinito, coberto por arco-íris que me faz chorar de tanta beleza e harmonia. Depois, vem o mal; ele dá uma rasteira que me despenca das alturas, derrubandome de forma brutal, espatifando-me no chão. Meus ossos e tecidos são esfolados no chão duro da realidade, atrapalhando-me e ficando à mercê de más ideias e respostas. Nessas horas, não selecionamos bases para nos restituirmos do choque; gritamos por socorro à primeira pessoa que avistamos e nela depositamos nossa sinceridade e força. Acreditamos que nos ajudará a erguer a cabeça, para que sigamos, mesmo com a dor incessante no peito e com a triste imagem do adeus; ainda confiantes em um amanhã melhor. Vendo-me nessa confusão de sentimentos, lembro um texto muito bonito. O amor eterno é o fruto de nossas forças e inclinações aos nossos amores. Ele não é concebido em um determinado tempo; e; sim; eternamente. Devemos dar todo o nosso amor e um pouco mais, para que um dia possamos recebê-lo em dobro. Quando estou no meu quarto escrevendo, não sinto

13


tua falta; desabafo com um amigo invisível. Ele sempre me entende e nunca está ausente; conforta-me nas horas tristes e acompanha-me nas alegres. Mas, quando ao teu lado me vejo, não consigo parar de te notar e ouvir; fico de espreita para ver como tu continuas bonita e simpática. E, com isso, também vejo uma menina que, de tanto orgulho, não admite o ciúme que tem de mim, não fala uma palavra reconfortante, apenas briga e comete maus tratos; fico quieto, para não brigar. De certa forma, meu amor por ti era eterno; com o primeiro fora que deste em mim, caí e esborrachei-me. Levantei, tornando a amar loucamente, querendo que tu estivesses ao meu lado a toda hora. E, nessa vez de novo, o tombo que levei fora muito grande. Estou levantando devagar, e não sei se quero cair de novo. Nesses dias em que a dor fez-me companhia, pude notar uma questão maravilhosa e, ao mesmo tempo, cruel; o que sinto por ti não é pequeno, falso ou vindo de uma pessoa mesquinha. Ele é muito grande, indescritível e incalculável. Ando nas ruas e não vejo graça em outras pessoas; vejo-as como comuns que, aos meus olhos, passam despercebidas. O que sinto por ti não é um sentimento de hora; alegro-me e entristeço-me, ao mesmo tempo, quando digo que meu amor para contigo é pela vida inteira; trata-se de um sentimento que me faz acordar com vontade de viver e respirar, mesmo que não te tenhas ao meu lado a vida inteira. Não haverá um dia sequer em que não irei pensar em ti e sentirei saudades da pessoa que roubara meu coração para sempre. Após aquelas palavras que dilaceraram meu co-

14


ração, dentro de mim foi travada uma grande batalha entre a vida e a morte; e ela estava para decidir meu futuro. O anjo dourado da cabeça de chumbo veio e disse-me: “Como podes suportar tal dor e ficar esperando uma palavra de tua própria opressora? Vem comigo que te levarei para um lugar desconhecido, onde não precisarás sofrer mais por essa pessoa, que zomba e caçoa de tuas palavras e esnoba teus sentimentos. Levar-te-ei para a terra do distante; lá reina o silêncio e a escuridão e nunca mais verás a Ana Beatriz.” Já quase dando a mão ao anjo, a doce esperança ressurgiu, gritando dentro de mim: “Tu amas essa criatura mais que tua própria vida e já vai desistir dela? Lembra os dias maravilhosos passados ao lado dela.” E logo me veio a imagem de teu rosto, quando a pedi em namoro, do dia em que me disse: “Eu te amo”; um dos mais felizes de minha vida! Mas o anjo ainda dizia: “Vais esperar a vontade dela para seres feliz? Vais esperar que ela decida se quer viver ao teu lado ou não? Quanto tempo ficarás sem ouvir um: ‘Como tu estás bonito!’,’ Eu gosto de ti!’ e um ‘Marcus tu fazes diferença em minha vida!’ ” E a esperança intervia: “O amor eterno não é obtido em um determinado tempo; e; sim; eternamente. O amor que quisermos ter cabe a nós cultivarmos e expandirmos, independentemente de nossos parceiros. Nesta vida, devemos aprender a dar todo o amor possível para que, um dia, o recebamos em dobro!” Assim, mais uma vez, continuo a te amar e a entender tuas indiferenças a mim, amando-a sempre, a cada dia que se passa!! Deixo meu sangue nessas páginas e letras para que

15


O olhar é a impressão digital do coração