Issuu on Google+

O diรกrio de um poeta


O diรกrio de um poeta Fabio Valentim

Sรฃo Paulo 2010


Copyright © 2010 by Editora Baraúna SE Ltda Capa e Projeto Gráfico Aline Benitez Revisão Vanessa Silva

CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO-NA-FONTE SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ ________________________________________________________________

V251d

Valentim, Fábio O diário de um poeta/ Fábio Valentim. - São Paulo: Baraúna, 2010. ISBN 978-85-7923-208-4 1. Poesia brasileira. I. Título. 10-3555.

CDD: 869.91 CDU: 821.134.3(81)-1

21.07.10 03.08.10

020594

________________________________________________________________

Impresso no Brasil Printed in Brazil DIREITOS CEDIDOS PARA ESTA EDIÇÃO À EDITORA BARAÚNA www.EditoraBarauna.com.br Rua João Cachoeira, 632, cj.11 CEP 04535-002 Itaim Bibi São Paulo SP Tel.: 11 3167.4261 www.editorabarauna.com.br


Sumário Prefácio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7 Epígrafe. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 O diário de um poeta. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11 Diário de poeta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13 Teu sono . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15 Rosa nua . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17 Flor sobre flores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19 Soneto de casamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21 Soneto à rosa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23 Andando nos jardins. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25 Por que não . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 Olhar. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 Soneto das metades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31 Para não ires embora . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33 De amor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 Quem?. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 À sombra de uma árvore. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 Primeira vez. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43 Moldura. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47 As cartas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49 Esperança. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51 A ilusão do mundo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53 Veredas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55 Felicidade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57


Mediador. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59 Fotografia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61 O banho da alma. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63 Soneto de nascimento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65 O pequeno. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69 Platônico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71 Deixa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73 Para viver. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75 Verdade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77 Lágrima. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81 Dança. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83 Teu nome. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85 Amar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89 Paisagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91 O sonho. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93 Náufrago . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95 Dona. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97 Perca . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99 Atriz. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101 Ternura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103 Juvenil. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105 Soneto da morena dourada. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107 Vontade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109 Soneto de infância . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111 A flor que gera flor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113 Destino . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115 Adolescente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117 Soneto de férias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119 A valsa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121 Tristeza. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123 Semideus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125


Prefácio Tudo o que se passa nada mais é do que uma fase, assim como as estações do ano, os vários brilhos da lua, ou as tonalidades do dia, assim também é nossa vida; com momentos que são marcantes, únicos. Muitos nos deixam ótimas lembranças e nos fazem refletir sobre situações que sempre serão presentes. Por terem um valor enorme e trazerem uma lembrança doce; tentei da forma mais simples possível eternizar estes instantes, tais como o banho de chuva, o tão desejado beijo, o amor juvenil que se sentava ao meu lado na cadeira da sala de aula em minha aconchegante escola. Então escrevi no meu diário muito do que senti ao longo dessa jornada que é a fase da adolescência, um mundo cheio de mitos, onde tudo pode ser vivido, onde existe um misto de medo e coragem, desejo de aprender e descobrir o desconhecido universo ainda turvo do amor. Por mais que fossem complexos os meus sentimentos, tentei mesmo ainda tão pequenino quanto um barquinho dentro de um oceano, entendê-los.

7


8


EpĂ­grafe Os sentimentos nĂŁo pensam, sentem! Se pensassem nĂŁo seriam sentimentos, seriam pensamentos!

9


10


O diĂĄrio de um poeta Irei te amar na eternidade assim como no presente. NinguĂŠm conseguiu ainda entender o amor, o nosso amor, tĂŁo bem quanto...

11


12


Diário de poeta Lá com letras lindas está escrito Em forma de versos e de magia, Em um mundo complicado e cheio de mitos Em sonhos maravilhosos que talvez um dia Irão se tornar realidade, porém está lá. De uma forma meiga, inocente, em que quase não é ouvido Um amor constante, até além de amar Páginas que têm nomes de dias, aquele é meu livro proibido E é lá que você está, pois é lá que eu realmente vivo E conto os contos que todos querem contar, Pois te entreguei o meu eu mais querido O meu segredo, meu medo, tudo que passou e o que resta Eu escrevo para que nosso mundo seja sempre revivido, em meu diário de poeta.

13


14


Teu sono Eu hoje passei na rua onde moras, Quase fui a casa onde vives Quase sentei no banco da praça onde namoras Quase vi as coisas invisíveis Tinha tanta gente na tarde, apenas não vi tua aurora a dourar a rua, imaginei meus sonhos impossíveis. Eu queria tê-la visto minha flora, Flor de meus sonhos mais que incríveis Eu hoje passei pelo mundo afora O teu mundo e imaginei coisas não visíveis O que fazes, o que falas, tua roupa, a própria hora Em que vais dormir, os teus sonhos possíveis. Eu passei na rua, mas você não saiu cá fora Não me mostrou seus olhos felizes.

15


Flor sobre flores Onde é que teus sonhos dormem? Iluminados pela névoa de teus cabelos, Quais flores as flores cobrem, Quem te descobriu? Cobre-me... Eu fui o primeiro! Mares de emoções correm Por toda essa terra, quero vê-lo A ilhar teus pensamentos, teu sentimento. Não chore! Onde é que teus sonhos dormem! Quero sê-lo. Onde é que teus sonhos dormem, em acordes Escuto tua voz como cântico único e derradeiro, Toda a harmonia que há no universo é pobre Diante de ti, flor que desabrocha um instante inteiro. Onde é que teus sonhos dormem, foge De meu entendimento teu pensamento, minha rainha sou seu cavaleiro

19


Semideus Esperei você ligar para ouvir você falar meu nome E com isso o instante ser mais leve Como o ar, forte quanto à fumaça que o fogo não consome Eterno como os montes de Sião, mesmo sabendo que breve Todas as coisas são, pois tudo é o presente. Esperei tua voz me falar como foi o teu dia, antes que eu retome A minha forma normal, tão anormal, distante e carente. Fala comigo antes que eu deixe de ser homem E de asas fortes volte para aos céus, onde os deuses se escondem E mesmo sabendo de tudo, vivem a eternidade querendo ser breves. Falas que vou te buscar, diz onde! Onde posso te encontrar? Diz que ser herói para mim algo serve E mesmo sendo eterno ou breve, tu vais falar para meu espírito o teu nome Deixando também eu lhe beijar e me deitar em tua pele cor de neve. 125


O Diário de um Poeta