Page 1

O Retrato de Jesus


Honorato Ribeiro dos Santos

O Retrato de Jesus

S達o Paulo 2011


Copyright © 2011 by Editora Baraúna SE Ltda Capa Aline Benitez Projeto Gráfico Tatyana Araujo Revisão Henrique de Souza

CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO-NA-FONTE SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ ________________________________________________________________

S235r

Santos, Honorato Ribeiro dos O retrato de Jesus / Honorato Ribeiro dos Santos. - São Paulo : Baraúna, 2011. Inclui índice ISBN 978-85-7923-398-2 1. Ficção brasileira. I. Título. 11-6545.

CDD: 869.93 CDU: 821.134.3(81)-3

29.09.11 06.10.11

030233

________________________________________________________________ Impresso no Brasil Printed in Brazil DIREITOS CEDIDOS PARA ESTA EDIÇÃO À EDITORA BARAÚNA www.EditoraBarauna.com.br Rua Januário Miraglia, 88 CEP 04547-020 Vila Nova Conceição São Paulo SP Tel.: 11 3167.4261 www.editorabarauna.com.br www.livrariabarauna.com.br


Aos leitores deste livro, O retrato de Jesus. Lendo-o, verão que o retrato de Jesus é heterogênico, pois Este se parece com o asiático, com o africano, com o norte-americano, com o sul-americano, com o centro-americano, com o oceânico, com o europeu, com toda a humanidade. O retrato de Jesus são os Seus ensinamentos doutrinários para que todos que leem os evangelhos sintam a Sua presença, a Sua voz, o Seu calor humano, a Sua solidariedade, a Sua misericórdia, o Seu amor e o Seu perdão. Não existe, na face da Terra, um retrato mais perfeito e mais atraente de que o retrato de Jesus, que são os Seus ensinamentos, a Sua postura de homem sábio e inteligente que ultrapassou toda a ciência, toda dimensão, e só soube fazer o bem a todos, sem exceção. Ensinou-nos a amar e a perdoar. Ensinou-nos a amar os inimigos e fazer o bem a quem nos ofende. Mostrou que há outra vida pela destruição da morte, ressuscitando. Este é o verdadeiro retrato do Homem de Nazaré: Sua Ressurreição. Com ela nos garantiu, também, ressuscitar-nos para vivermos eternamente com Ele, na glória dos céus. Não há outro retrato de Jesus senão o que Ele implantou em cada coração aberto para amar e perdoar; nisso, nós, os Seus discípulos, parecemos com Ele, vivendo como Ele viveu. Por isso o Seu retrato é heterogênico: pa-


rece comigo, com você, com todos os que aprendem a viver uma vida contemplativa em perfeição. Eis o retrato do Homem mais perfeito, conhecido e admirado em todos os continentes da face da Terra. O autor.


Prefácio

Quando recebi o convite do Honorato Ribeiro dos Santos para escrever um texto referencial, para ser incluído nesta sua nova obra, O retrato de Jesus, confesso que fiquei imensamente surpreso e infinitamente envaidecido. Indubitavelmente, o convite carregado de honraria trouxe-me, deveras, uma clave de felicidade e, ao mesmo tempo, levou-me a flutuar na esfera do medo mediante a um pedido tão gigantesco, já que a deferência a mim concedida trouxe, apensada a ela, uma gama de responsabilidade já atribuída ao Professor Antonio Barbosa, aos Padres Wander e Wanderley e ao Diácono Franster. Porém, esse meu temor ruiu-se por terra quando resolvi reler os prefácios escritos por pessoas tão especiais e nobres como as que eu citei. Ao lê-los, descobri que jamais deveria declinar de tamanho convite. Se o fizesse, por certo transformaria esse ato em um dos maiores vexames da minha vida, à mesma proporção que transformaria em


decepção por parte de quem me deu a honra do convite, neste caso o Honorato Ribeiro dos Santos. Tudo se iniciou quando, ao comentar brevemente sobre o texto Os cantores de Correntina, de Flamarion Costa, escrevi o seguinte: “Parabéns. Isto me fez lembrar os músicos de minha cidade e também um festival realizado em Santa Maria, onde um maestro de Correntina compôs uma linda canção e foi injustiçado pelos jurados da época. O maestro era bom demais! Se alguém se lembrar daquele festival dos anos 1970, por favor informe o nome do Grande Maestro correntinense.” E a resposta veio de imediato: “comentário do comentário de Jota Kameral – via e-mail: Mestre José Patrício: ‘Que belo comentário, meu nobre amigo Flamarion! Ele me fez voltar aos tempos idos, quando vivi entre vocês, correntinenses. Fale com ele, que o maestro que tirou o quarto lugar, cantando uma música de minha autoria, fui eu. Honorato. A música se chama Poliglota. Eu e o Sérgio de dona Florzinha fomos derrotados, mas a plateia vaiou os jurados pelo resultado injusto. Eu ainda solei uma valsa de Dilermando Reis, Abismo de Rosa e fui bastante aplaudido. Dê a ele o meu e-mail, pois gostaria de comunicar-me com ele’.” Antes de estabelecer de fato o contato com o Honorato Ribeiro dos Santos, inicialmente, comecei a ler, no Blog de Carinhanha, seus textos eminentemente de cunho religioso. Mas foram as leituras dos contos e causos escritos com o foco narrativo na temática essencialmente direcionada nas coisas do sertão que me fizeram mergulhar fundo nos seus textos. Encontrei, nos contos do Honorato Ribeiro dos Santos, traços comuns com a


obra do João Guimarães Rosa, em seus escritos do Grande Sertão: Veredas. Também encontrei traços comuns na obra do escritor Osório Alves de Castro, no seu Porto Calendário, que é a minha cidade, e em Maria fecha a porta prau o boi não te pegar. O cenário de ambos é o mesmo: o sertão. Um, da região do norte das Minas Gerais e do sul da Bahia, e o outro, no sertão do São Francisco. É do conhecimento de todos que estudam literatura, ou leram suas obras, que o grande escritor Guimarães Rosa, antes de escrever as suas obras relacionadas aos sertões e às suas veredas, ingressou em uma comitiva para conhecer o sertão, as suas veredas, os seus gerais e tabuleiros, o sertanejo com seus usos e costumes. Do mesmo modo que Osório Alves de Castro, Honorato nasceu e se criou no sertão do São Francisco, palco de muitas histórias e estórias intrigantes, marcadas pelos coronéis e seus jagunços. Tudo o que já foi citado mostra cristalinamente que o Honorato Ribeiro é genuinamente um sertanejo e um sertanejo barranqueiro, portanto ele é parte integrante do universo estudado pelo escritor João Guimarães Rosa. Isso mostra que os traços comuns mencionados por mim são verdadeiros. O Honorato é o sertanejo que é fiel às coisas do sertão e, à sua maneira de escrever, está dentro do universo estudado e escrito pelo grande escritor mineiro, pela sua genuinidade. Como diria um velho amigo: a semelhança é uma mera coincidência. Hoje a cidade de Carinhanha é a cidade que não dorme no sertão, porque Honorato Ribeiro dos Santos a acordou para o Brasil e o mundo. Conhecer Honorato Ribeiro, mesmo virtualmente, é como receber um presente de Deus e, nesse


caso, eu recebi um grande. O Honorato é como uma joia rara que se ganha e com que se deve ter o máximo de cuidado para jamais perdê-la. Ele está deixando grandes pegadas registradas em textos que narram a magia misteriosa entrelinhada na literatura da cidade de Carinhanha e região, bem como a sua história, resgatando o que havia tempos estava sepultado no esquecimento, trazendo-o à tona para as gerações contemporâneas e as gerações futuras. Não só pela sua paixão pelo seu torrão sertanejo, bem como pela paixão que ele nutre e cultiva no que tange aos assuntos religiosos da Fé Cristã Católica; e isso tem que ser consubstanciado pelos leitores de Carinhanha e de todo o Brasil. Honorato escreveu, basta confrontar os seus textos com os dos outros escritores ou simplesmente consultar as escrituras sagradas e a história da Igreja e da religião, fundamentadas no Cristianismo. No prefácio do livro Sou católico?, o Padre Wander Ferreira e o Diácono Franster Antonio Hyckson sintetizaram o que o Honorato passou para nós, os leitores (História da Igreja, Doutrina Cristã, Magistério da Igreja e Sagradas Escrituras...). Também cito o que disse o Padre Wanderley no prefácio do livro O sim que salvou o mundo, escrito pelo Honorato Ribeiro dos Santos: “...Deus fala dos simples e humildes por meio de pessoas simples. Portanto é pela simplicidade que Deus toca o coração do mais empedernido dos homens.” O Honorato é esta pessoa simples que serve de mensageiro para a obra de Deus! Isto posto, sinto cristalinamente que o propósito deste novo livro, O retrato de Jesus, é justamente tocar os cora-


ções dos mais empedernidos dos homens. Estou convicto de que as mensagens do Honorato, contidas através dos muitos textos, poderão ser comparadas com os enxertos extraídos dos Sermões do Padre Antonio Vieira: “...Para um homem se ver a si mesmo são necessárias três coisas: olhos, espelho e luz. Se tem espelho e é cego, não se pode ver por falta de olhos; se tem espelho e olhos e é de noite, não se pode ver por falta de luz. Logo, há mister luz, há mister espelho e há mister olhos....” Estou autorizado a dizer que os textos deste livro do Honorato Ribeiro dos Santos são o espelho através das suas mensagens; a luz será dada por Deus através da graça alcançada; o leitor concorrerá com os olhos através dos conhecimentos adquiridos com a leitura, se bem aproveitada. “...Qui solem suum orii facit super bonos, et malos, et pluit super justus et injustus” = Que faz nascer o sol sobre os bons e os maus e chover sobre os justos e injustos (Mt 5,45). Esta, sem dúvida, será a missão deste livro de Honorato Ribeiro. Honorato, agradeço a Deus e ao Flamarion por tê-lo conhecido, mesmo que em situação virtual. Obrigado a você, pelo nobre convite. Tentei ao máximo aproximar-me do Professor Antonio Barbosa, dos Padres Wander e Wanderley e do Diácono Franster, mas a tarefa me foi difícil! Eles nasceram com o dom de ensinar; com o dom da simplicidade nas palavras. Honorato, parabéns por existir! Carinhanha, parabéns pelo seu ilustre filho, que honra com orgulho a terra em que nasceu! Honorato, parabéns pelo livro intitulado O retrato de Jesus, e que ele faça muito sucesso, disso tenho certeza,


com a Graça de Deus. Fiz graduação em Letras na Faculdade de Filosofia e Letras da Universidade Ibirapuera, estudei inglês no Instituto Roosevelt de Idiomas, recebi certificação internacional da City & Guilds Pitman Qualifications, oficialmente reconhecido pela Qualifications and Curriculum Authority, entidade britânica que regula o sistema educacional da Inglaterra (similar ao nosso MEC). Esse certificado é aceito em mais de 70 entidades de educação no Reino Unido. João Nogueira da Cruz. São Paulo.


Prezados leitores

Com o nome de O retrato de Jesus, este é um livro catequético, que ensina a palavra de Deus, baseando-se na Bíblia. Como o nosso povo brasileiro não tem o hábito de ler e muitos não gostam, principalmente quando o assunto é religião, peço que o leiam com os olhos de um cristão que quer aprender como viver a vida cristã, no mundo de hoje, tão cheio de egoísmo e individualismo. Por que o título O retrato de Jesus? É que ninguém sabe como era o rosto desse Homem, que revolucionou o mundo, por nome de Jesus Cristo: como eram o Seu rosto, Seus cabelos; se tinha barba, se era alto, magro, gordo; que cor tinha, em que casa morava; quem eram Seus amigos quando adolescente; se tinha olhos azuis ou pretos, enfim, nenhum desenhista ou fotógrafo jamais viu o seu rosto para postar a Sua imagem, pois, na sua época, não havia máquina fotográfica, papel nem lápis para desenhá-lo fisicamente. E nem desenhista que de-


senhasse o retrato falado dele. Portanto, o retrato de Jesus são os Seus ensinamentos, Sua mensagem são Seus milagres e prodígios. Sua misericórdia e perfeição. Cada povo de cada nação e continentes que leem as Suas mensagens; seus ensinamentos veem a figura de Jesus dentro de cada um convertido, pois a foto de Jesus é heterogênica e se parece com todas as raças, pois é a foto do Pai celestial: e divinal. Está em outra dimensão espiritual. Esta é a verdadeira identidade de Jesus e sua voz: na boca dos pregadores e seguidores, enviando-nos a Boa-Nova enxergamos, de fato, a imagem real do Cristo que se fez homem e que nos ensinou a amar e perdoar. Ensinou-nos a vivermos como irmãos e sermos seus imitadores. Lendo este livro, caros leitores, verão, no fundo de suas almas, o retrato verdadeiro de Jesus, o Filho de Deus, que no alto da cruz soube perdoar aos Seus inimigos e, de braços abertos, abraçou as nossas causas: o pecado. Destruiu a morte e vitoriosamente ressuscitou. Pela Sua Ressurreição, deu-nos a Vida Eterna. Neste livro, há várias pessoas eruditas que dão seus testemunhos sobre mim e sobre o que escrevi com palavras simples, os ensinamentos de Jesus numa linha catequética e ecumênica. Leiam página por página. Não digam: “Ah! Não tenho tempo”. Têm, e Deus sabe que vocês têm. Só falta abrirem seus corações e não terão preguiça de lê-lo. O autor: Honorato Ribeiro dos Santos. E-mail: hagaribeiro@yahoo.com.br Blog: cidadecarinhanha.blogspot.com


Depoimentos Ao amigo Honorato. Élio: Honorato, li o texto. Em síntese, parabenizo-o pelo conteúdo. Você é o verdadeiro homem de Deus. Fé sólida; seguro dos seus princípios cristãos, e de valores elevados, principalmente por sua sinceridade e humildade. Pelo que relata, está desenvolvendo um bom trabalho de evangelização. Isso é muito bom. Parabéns pelo curso de teologia que está fazendo! É bom que mais católicos tenham essa oportunidade. Ajude a nossa gente aí a entender melhor os textos de Mt 22,34-40, Lc 25,25-37 e ainda Mt 10,28, e outros que tiverem dúvidas. Meu bom amigo, “a messe é grande e poucos os operários”. Ajude, pois, o Senhor da messe... Abraços. Ex-Padre Élio Cunha Castro. * * * *


O Retrato de Jesus  

Estou convicto de que as mensagens do Honorato, contidas através dos muitos textos, poderão ser comparadas com os enxertos extraídos dos Ser...

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you