Issuu on Google+

Manual Prático de Facilitação Neuromuscular Proprioceptiva


José Luis Pimentel do Rosário

Manual Prático de Facilitação Neuromuscular Proprioceptiva

São Paulo 2012


Copyright © 2012 by Editora Baraúna SE Ltda Projeto Gráfico Monica Rodrigues Revisão Jacqueline Lima

CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO-NA-FONTE SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ ________________________________________________________________ R713m Rosário, José Luis Pimentel do Manual prático de facilitação neuromuscular proprioceptiva/ José Luis Pimentel do Rosário. - São Paulo: Baraúna, 2011. Inclui índice ISBN 978-85-7923-520-7 1. Doenças neuromusculares - Fisioterapia. 2. Doenças neuromusculares Pacientes - Reabilitação. 3. Sistema nervoso central - Doenças - Fisioterapia. 4. Sistema nervosos central - Doenças - Pacientes - Reabilitação. 5. Fisioterapia. I. Título. 11-8549.

CDD: 616.744062 CDU: 616.74:615.8

21.12.11 28.12.11 032256 ________________________________________________________________ Impresso no Brasil Printed in Brazil DIREITOS CEDIDOS PARA ESTA EDIÇÃO À EDITORA BARAÚNA Rua da Glória, 246 – 3º andar CEP 01510-000 – Liberdade – São Paulo - SP www.editorabarauna.com.br


Sumário Histórico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7 Conceitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 Mecanismo geral da contração muscular . . . 11 Indicações e objetivos terapêuticos . . . . . . . . 16 Processos básicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19 Técnicas específicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 Padrões de facilitação . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40 Atividades integradas . . . . . . . . . . . . . . . . . 100 Ortostatismo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127 Referências bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . 140


HISTÓRICO O método Kabat foi desenvolvido, por volta de 1940, pelo médico neurofisiologista Herman Kabat, cujo trabalho teve continuidade pelas fisioterapeutas Margaret Knott e Dorothy Voss. Assim, a nomenclatura sugerida inicialmente pelo Dr. Herman foi “facilitação proprioceptiva”, e no ano de 1954, Dorothy Voss agregou a terminação “neuromuscular”, formando o que hoje chamamos de FNP – Facilitação Neuromuscular Proprioceptiva. Originalmente, esse método foi utilizado no tratamento de pacientes com poliomielite. Em 1946, o Dr. Herman Kabat, junto com o industrial Henry J. Kaiser fundou os Institutos Kaiser-Kabat, em Washington, em 1948, em Vallejo, e um terceiro, em 1950, em Santa Mônica. Um dos propósitos dos institutos era conduzir pesquisas médicas nas desordens neuromusculares. Dessa forma, o Dr. Herman Kabat aplicou os princípios da neurofisiologia, baseando-se no trabalho de Sherrington, ao tratamento de paralisia secundária, poliomielite e esclerose múltipla. Outra influência para o desenvolvimento da técnica veio dos trabalhos da irmã Elizabeth Kenney, enfermeira australiana que trabalhava com pacientes com poliomielite por meio de atividades de estiramento e

7


fortalecimento específicas. Nessa época, o trabalho de Kenney era considerado alternativo ao tratamento convencional e não apresentava um fundamento neurofisiológico sólido. O Dr. Herman integrou as técnicas manuais de Kenney com as bases neurofisiológicas de Sherrington de indução sucessiva, inervação e inibição recíproca e o fenômeno de irradiação. Em 1951, o Dr. Herman e Dra. Margaret Knott estabeleceram os padrões das diagonais e variações técnicas e, praticamente não se desenvolveram novas técnicas desde então. Porém, hoje o método é utilizado para o tratamento de inúmeras doenças neurológicas e ortopédicas. Em 1956, Maggie e Dorothy publicaram o primeiro livro sobre FNP, intitulado Facilitação Neuromuscular Proprioceptiva: Modelos e Técnicas. Contudo, o método Kabat se estabeleceu mais do que uma técnica. É uma filosofia de tratamento cuja base está no conceito de que todo ser humano, incluindo aqueles portadores de deficiência, tem um potencial ainda não explorado. Essa filosofia tem um enfoque objetivo, buscando a funcionalidade por meio de uma visão global do indivíduo. Baseia-se: numa abordagem sempre positiva, enfatizando o que o indivíduo é capaz de realizar (motivação mútua); no treinamento intensivo com mobilização das reservas e investimento no potencial individual (as áreas fortes e sadias “irradiam” para as áreas debilitadas); na busca do mais alto nível funcional.

8


CONCEITOS A Facilitação Neuromuscular Proprioceptiva (FNP) é uma abordagem ao exercício terapêutico que utiliza padrões específicos de movimento, bem como estímulos aferentes para promover um desencadeamento do potencial neuromuscular, obtendo melhores respostas em todo sistema musculosquelético. A FNP se baseia nos princípios da estimulação máxima do aparelho neuromuscular, com o auxílio de padrões de movimentos diagonais e aplicação de estímulos sensoriais, como os auditivos, visuais, cutâneos e proprioceptivos. As técnicas utilizam contrações musculares concêntricas, excêntricas e isométricas, combinadas com resistência graduada e procedimentos facilitatórios adequados, todos ajustados para atingir as necessidades individuais. Tipo de contração muscular

Características

Concêntrica

Contração de encurtamento

Excêntrica

Contração de alongamento

Isométrica

Aumento na tensão sem mudança do comprimento muscular

Isotônica

Aumento na tensão com mudança do comprimento muscular

9


A contração muscular é o estado de atividade mecânica. O músculo se comporta como um sistema de dois componentes no qual a parte contrátil (sarcômeros) está em série com o componente elástico (tendões e tecido conjuntivo). Quando os sarcômeros se encurtam a parte elástica é tracionada e se uma das extremidades do músculo for móvel, causará movimento e se ambas estão fixas, causará apenas tensão (ou estresse). Uma contração muscular denomina-se isométrica quando o músculo não sofre alterações em seu comprimento durante a contração; isotônica quando o músculo muda de comprimento na contração, dividindo-se ainda em concêntrica e excêntrica. Na concêntrica a contração vence a resistência e há o encurtamento muscular e na excêntrica a resistência vence a contração havendo o alongamento muscular.

10


MECANISMO GERAL DA CONTRAÇÃO MUSCULAR A força de contração muscular é diretamente proporcional ao número de unidades motoras ativadas, as quais obedecem à lei do “tudo ou nada”. O funcionamento destas é dependente do grau de excitação dos motoneurônios. O princípio do tudo ou nada se aplica a todos os tecidos excitáveis normais e ocorre da seguinte forma: quando qualquer fibra é estimulada até o seu limite, uma resposta contrátil completa é desencadeada. Se o estímulo é menor que o limiar, não ocorre resposta contrátil. Logo, o principal alvo do método Kabat é estimular o maior número de unidades motoras em atividade e ativar todas as fibras musculares remanescentes. A FNP (Facilitação Neuromuscular Proprioceptiva) promove e acelera a resposta dos mecanismos neuromusculares por meio da estimulação dos receptores do sistema nervoso. Baseia-se na utilização de movimentos e posturas com fins terapêuticos e procura entender o movimento e a postura normal para realizar a aprendizagem ou reaprendizagem, quando estes movimentos ou postura estão alterados.

11


Dessa maneira, com a definição dos termos temos: • Facilitação = tornar fácil. • Neuromuscular = relacionado a músculos e nervos. • Proprioceptiva = informações aferentes dos tecidos articulares enviadas ao sistema nervoso central, relativas às condições estáticas, dinâmicas e de equilíbrio. É a capacidade de reconhecer a localização espacial do corpo, sua posição e orientação, a força exercida pelos músculos e a posição de cada parte do corpo em relação às demais. Esta percepção permite a manutenção do equilíbrio e a realização de diversas atividades práticas e resulta da interação das fibras musculares, de informações táteis e do sistema vestibular. As técnicas de FNP baseiam-se principalmente na estimulação dos proprioceptores para aumentar a demanda feita ao mecanismo neuromuscular, para obter e simplificar suas respostas. A importância dos proprioceptores, em particular, do fuso muscular, foi reconhecida como um fator-chave na facilitação da contração dos músculos. Dessa forma, o método Kabat constitui um conjunto de técnicas que promove e acelera as respostas dos mecanismos neuromusculares, por meio da estimulação de todos os receptores possíveis para otimizar a função. Assim como outras técnicas, a FNP baseia-se no movimento e desenvolvimento motor normal. Na atividade motora normal, o cérebro registra tanto o movimento total quanto a ação muscular individual (seletividade de

12


movimento). O enfoque terapêutico da FNP considera os padrões de movimento em massa que se relacionam aos movimentos funcionais. Os padrões de movimento do método Kabat foram descritos como padrões de movimentos funcionais, mediante estudos da similaridade com o movimento normal. Têm características, espiral e diagonal e vêm sendo usados como meio de acelerar o processo de aprendizagem. Eles tornam o início e a execução dos movimentos mais fáceis para o indivíduo, pois com as posições da FNP ocorre a ativação generalizada do sistema nervoso central resultando em um comportamento de alerta. O Dr. Herman Kabat estava interessado no tratamento de pacientes com “paralisia”, e enfatizava a importância da excitação central, com o objetivo de favorecer a atividade voluntária dos músculos fracos ou paréticos com a técnica de facilitação proprioceptiva. As técnicas de FNP aumentam a excitação nos centros motores e nos trajetos do sistema nervoso central, particularmente nas sinapses das células do corno anterior da medula, onde se localiza grande parte dos interneurônios que se comunicam com neurônios que projetam aferências ao cérebro, para o mesmo membro e para o membro contralateral. Assim, foram descritos os mecanismos neurofisiológicos do método Kabat baseados nas seguintes definições de Sherrington e resumidos na tabela abaixo: Efeito pós­ descarga, Somação Temporal, Somação Espacial, Irradiação, Indução Sucessiva, Inervação Recíproca.

13


Mecanismo Neurofisiológico

Definição

Efeito pós-descarga

O efeito de um estímulo continua após a sua interrupção.

Somação Temporal

Sucessão de estímulos sublimiares (↓ intensidade), em período de tempo curto, de forma combinada (somação) causa excitação.

Somação Espacial

Estímulos subliminares aplicados simultaneamente em diferentes regiões corporais causam excitação.

Irradiação

Disseminação e aumento da força de resposta.

Indução Sucessiva

Um aumento na excitação dos músculos agonistas é seguido da estimulação de seus antagonistas.

Inervação Recíproca

A contração dos músculos é acompanhada, simultaneamente, do relaxamento de seus antagonistas.

O tratamento por meio destas técnicas visa somar os efeitos da facilitação para aumentar a reposta do mecanismo neuromuscular. A estimulação proprioceptiva é o principal meio empregado para aumentar as demandas feitas pelo esforço voluntário; o início de algumas reações reflexas e princípios fisiológicos ligados à interação de músculos antagonistas também são usados em algumas técnicas. A resistência e o estiramento são aplicados manualmente aos músculos que trabalham para executar padrões de movimento de

14


massa, e ordens dinâmicas dão estímulo verbal ao esforço voluntário do paciente. Contudo, o método teoriza que a função motora deve ser corrigida por intermédio da via neuromuscular pela estimulação dos proprioceptores localizados nas articulações, nos tendões e nos músculos, utilizando para isso, a contração muscular voluntária, pois quanto maior o estímulo sensitivo da periferia, maior a quantidade de estímulos que chegam ao SNC, fazendo com que a resposta, por consequência, seja maior.

15


Manualpraticodefacilitacaoneuromuscular15