Page 1

Danação


Marcus Achiles

Danação

São Paulo 2012


Copyright © 2012 by Editora Baraúna SE Ltda Capa Marina Ávila Imagem da capa Western Hemisphere, 1851, John Tallis Foto Paula Sholl Projeto Gráfico Aline Benitez Revisão Andrea Mariz Diagramação Monica Rodrigues

CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO-NA-FONTE SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ ______________________________________________________________________________

A162d

Achiles, Marcus Danação / Marcus Achiles. - São Paulo : Baraúna, 2011. Inclui índice ISBN 978-85-7923-487-3 1. Ficção brasileira. I. Título. 12-0543.

CDD: 869.93 CDU: 821.134.3(81)-3

30.01.12 32.01.12

032873

______________________________________________________________________________ Impresso no Brasil Printed in Brazil DIREITOS CEDIDOS PARA ESTA EDIÇÃO À EDITORA BARAÚNA www.EditoraBarauna.com.br Rua Januário Miraglia, 88 CEP 04507-020 Vila Nova Conceição - São Paulo - SP Tel.: 11 3167.4261 www.editorabarauna.com.br www.livrariabarauna.com.br


A minha m達e, Margarida, e meu pai, Pantale達o A Audrey, minha mulher A Lucas, meu filho A Marcus Alexandre, meu irm達o


Agradecimentos A Terezinha, irm達; A Narciso e Ana Cristina, leitores-beta e amigos-alfa


Sumário Prólogo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13 1. Diogo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17 2. João. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23 3. Fúria na mata. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 4. O pacto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33 5. Gratidão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49 6. Um bom homem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53 7. O medo em cada rosto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59 8. Um plano simples. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65 9. A vila se prepara. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69 10. O resgate . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73 11. Gregório. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81 12. A sombra do Jurupari. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87 13. Catarina e Miguel. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93 14. A inveja que corrói. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99 15. Os Brasílicos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105 16. Solidão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111 17. O demônio nos próprios olhos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117 18. Sodoma . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123 19. Uma resposta para João . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131


20. A chegada do forasteiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139 21. A glória das chamas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149 22. A emboscada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153 23. E o inimigo se revela. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161 24. A mais fértil das terras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 169 25. Lugares piores que o inferno. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 177 26. Um novo pouso. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 183 27. Rescaldos do fogo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 191 28. Os Vidal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 197 29. A confissão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203 30. O fedor da culpa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 209 31. Um recado para Diogo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 217 32. Ganância. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 223 33. A história de Rosário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 229 34. Uma alma dentre tantas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 235 35. Despedidas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 243 36. A maior obra de Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 249 37. O sacrifício. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 257 38. Destino . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 263 39. Uma ajuda inesperada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 269 40. O retorno. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277 41. Retribuição. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 283 42. Tijolos de fé. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 291 43. Atos de contrição. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 297 44. Uma noite em claro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 303


45. O sangue do justo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 309 46. Ao encontro do carrasco. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 315 47. A roça dos Meira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 325 48. Seu Cura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 331 49. O teatro dos mortos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 337 50. Reparação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 343 51. O último refúgio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 349 52. Em busca de um alvo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 355 53. A língua dos anjos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 361 54. A semente e o joio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 369 55. Dor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 375 56. Os amantes. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 385 57. Libertação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 393 Epílogo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 407


Prólogo A apenas algumas horas da madrugada de sexta-feira a raiva já dominava Catarina, mas isso não mais a preocupava. O que era uma leve irritação no domingo se tornara uma ira indisfarçável. Antes mesmo de sentir no espírito os sinais inequívocos da mudança os animais da roça começavam a evitá-la. Porcos, marrecos e até o cachorro — acolhido pelo falecido marido ainda filhote — debandavam ao menor sinal de sua presença. A reação que mais a incomodava, no entanto, era de Cigano, um maltratado cavalo que servia a família havia oito anos. O animal assumia uma postura agressiva sempre que Catarina se aproximava. Ela chegou a ser derrubada duas vezes ao tentar montá-lo e desistira de selar o animal, delegando a tarefa a Rosário. Acreditava que sua ruína também contaminava a roça. As fileiras de milho haviam secado, embora chovesse regularmente. As poucas raízes de mandioca arrancadas da terra morta ao serem descascadas estavam tão pretas que podiam ser tomadas por tocos de carvão. As bananeiras davam frutas pequenas e murchas, e o leite amargo da única vaca já matara um bezerro. Após o pôr do sol, quando se sentava só na soleira de seu casebre, passava horas sem escutar um único pio ou coaxar. Em muitas dessas noites ela empunhou a garrucha e a apontou para o coração. Fechava os olhos, pressionando o gatilho por quase uma hora, até os dedos endurecerem e o cano de ferro marcar a pele branca. Então recuava, sem derramar uma única lágrima, e se deitava na esteira, sonhando com ondas de fogo, gritos de dor e gemidos na sacristia. Os rostos dos mortos também a visitavam durante o sono, enegrecidos pelas chamas, olhos vazados e envoltos no cheiro enjoativo de carne queimada. Desistira de tirar a própria vida não apenas por medo do que lhe aguardava no inferno dos suicidas — mas porque qualquer castigo seria insignificante diante da sua danação. 13


Desde a epidemia de cólera que lhe levara o marido dois anos antes, sua existência era um lamento tedioso. Fora obrigada a administrar a roça sozinha, contando apenas com a ajuda de sua escrava. As dívidas cresciam, e raros eram os comerciantes com os quais ainda tinha algum crédito. Habituara-se a ser assediada pelos homens da vila, que ora a queriam como esposa, ora como concubina. Admirou o corpo nu na noite sem lua, com orgulho e alguma vergonha. Ainda era uma mulher atraente para a época e o lugar, embora a jornada exaustiva no preparo da farinha de mandioca, a alimentação pobre e a tristeza houvessem devorado parte de sua beleza. Os cabelos loiros desgrenhados cresciam secos e sem viço. A pele branca estava poluída por manchas de sol e picadas de insetos. Um escorbuto mal curado escurecera suas gengivas e levara alguns dentes; os que sobraram eram pequenos e amarelados. No entanto, sonhava em ser mais uma vez bela, para um homem igualmente vistoso e sem vícios. Há onze meses, esse homem finalmente chegara à vila. Ela prosseguiria até o amanhecer embalada por lembranças malditas e inebriantes se a ira não reivindicasse a posse de seu corpo. Veio a dor invencível, mas a certeza que em breve a partilharia a acalentou. Apertou com força as pálpebras umedecidas e só as abriu quando pôde vislumbrar o mundo com olhos que não existiam. A mata mudara. Silenciosa, encolhida como um animal acuado que respirava em breves lufadas de ar, parecia ansiar pela passagem da invasora. Catarina não se importou com o protesto acovardado da natureza. Impôs mais vigor aos músculos, que respondiam com maior velocidade, e aos pulmões, que iluminavam o breu da madrugada. Agora não havia mais a escuridão de uma noite sem lua, mas um mundo de chamas. Atravessou displicentemente um córrego raso, e as águas frias ferveram à sua passagem. Envaidecida, sorriu, e pôs-se a brincar com o borbulhar que produzia ao chapinhar no riacho. Por instantes imaginou que não haveria testemunhas do milagre operado a apenas uma légua da vila, até captar a presença do velho e de seu cavalo. Ele sim, verdadeiro intruso, violador de terras que não lhe pertenciam. A montaria do homem relinchou em desespero, pressentindo a grandeza da criatura no seu encalço, e Catarina respondeu em sua língua. A viúva desembestou, certa da vitória no confronto iminente, levantando nuvens de folhas secas e de terra. O medo no coração do velho chegou-lhe bafejado 14


pela brisa da madrugada — um pavor de gosto ocre, que alimentou seus músculos, levando-os ao limite. Outro rinchar e o cavalo do estranho derrubou o dono, embrenhando-se entre as árvores. Ela surgiu diante do velho, magnífica. O homem disparou um mosquete e uma garrucha que trazia à cintura — uma reação instintiva, sem apurar a pontaria. Dois tiros a atingiram, mas as esferas de chumbo não lhe rasgaram a carne como esperado. Catarina respondeu à agressão, e apenas a afoiteza impediu que seu inimigo fosse calcinado por uma longa labareda. O velho valeu-se da aparente falha e correu atabalhoadamente pelo córrego. Por diversas vezes ele tropeçou, ferindo o rosto e as mãos nos seixos afiados do leito pedregoso. Catarina, ao contrário, impunha à perseguição um ritmo quase desinteressado. Ela persistiria na encenação por um tempo interminável, mas a Ave-Maria murmurada pelo estranho a esbofeteou. Os lábios apenas se moveram, sem que a garganta ressecada cantasse a oração. Mesmo assim, o apelo ofensivo chegou aos seus ouvidos, e a reação foi imediata. Antes de o fugitivo ficar de pé ela investiu com fúria sobre suas costas, acertando em cheio uma das clavículas, que se partiu num ruído seco. Uma dor leitosa encobriu o moribundo. A visão enevoou-se, os pulmões esgotaram o pouco ar que restava. Nos últimos segundos de sofrimento mal conseguiu divisar os contornos do adversário, que agora se aproximava lentamente. O brilho forte e ao mesmo tempo difuso da chama — como uma tocha empunhada na noite de lua nova — impedia que enxergasse com clareza. Sem forças para se arrastar, virou-se e tentou sem sucesso levantar as mãos. Não para implorar piedade, mas apenas cobrir o rosto. Quando o fogo o envolveu, ele gritou.

15

Danação - Um romance fantástico  

"Danação - Um romance fantástico" é uma estória de fantasia ambientada no Brasil Colônia, no ano de 1734. Diogo Durão de Meneses, paulista,...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you