Page 1


Circo & Poesia


C a s s i a Ta n g a r รก

Circo & Poesia

Sรฃo Paulo 2013


Copyright © 2013 by Editora Baraúna SE Ltda Capa e Projeto Gráfico Aline Benitez Revisão Bianca Briones

CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO-NA-FONTE SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ -------------------------------------------------------------------------------T169c Tangará, Cássia Circo & poesia/ Cássia Tangará. - São Paulo: Baraúna, 2012. ISBN 978-85-7923-611-2 1. Poesia brasileira. I. Título. 12-7344.

CDD: 869.91 CDU: 821.134.3(81)-1

10.10.12 22.10.12 039824 -------------------------------------------------------------------------------Impresso no Brasil Printed in Brazil DIREITOS CEDIDOS PARA ESTA EDIÇÃO À EDITORA BARAÚNA www.EditoraBarauna.com.br Rua da Glória, 246 - 3º andar CEP 01510-000 - Liberdade - São Paulo - SP Tel.: 11 3167.4261 www.editorabarauna.com.br


“E contigo passaríamos pela eternidade de mãos dadas...”


Introdução Esta obra tem como inspiração a minha vida, o circo. Sempre que vejo um circo montado, num terreno em qualquer lugar do Brasil, sinto meu coração pulsar mais forte, pois sei que minha raiz está fincada ali, assim como as estacas que o seguram, minha imaginação repentinamente voa por entre as retinidas, sinto o cheiro saudoso da serragem forrando meu pisar, é como se meus braços fossem o pano de roda abraçando a lona, elevando meus pensamentos até a cúpula, as gambiarras com luzes piscando em ritmo compassado parecem batidas do meu coração. O circo, o lugar onde eu nasci, tem como endereço o próprio CIRCO, independente da praça, se é capital ou não. Foi no circo onde passei a infância e juventude com minha família, lugar onde supro minhas necessidades de escrever, viver intensamente e de amar. Histórias que vivi ali dariam pra escrever até outros livros, de aventura, drama, romance e de um mundo fantástico de ilusões e fantasias. Eu amo o mundo circense e espero que os leitores se deliciem com este


livro e que apreciem nรฃo como plateia que assistem de longe, mas como um artista, que se sintam parte deste espetรกculo de circo e poesia.

Cassia Tangarรก


Biografia Em uma chuvosa tarde no ano de 1970, mais precisamente no dia 07 de dezembro, na cidade de Santana, interior da Bahia, nasce Cassia Laurentina dos Santos, gêmea com Katia Laurentina dos Santos dentro de uma barraca de circo, iluminada por um singelo lampião em um complicado trabalho de parto. Filha de Maria da Gloria e José Alves dos Santos, Cassia começou a se apresentar no picadeiro como partner em números de magia, logo depois começou a se apresentar com sua mãe e suas irmãs no numero de corda indiana e com seu irmão no numero de malabares, teve uma disciplina exemplar ensaiando três vezes ao dia com o melhor instrutor, seu próprio pai. Aos 19 anos, casou‐se com Douglas Tangará, com quem formou um Duo de Malabares, e partiu para outros circos, começando uma nova jornada, onde também pôde executar outros números como ginete, báscula e coreografia do circo. Entre uma viagem e outra participou de cursos de elaboração de projetos, o que permitiu que tivesse parti-


cipações como voluntária de projetos sociais e culturais, com crianças carentes em São Paulo e outras regiões. Com experiência suficiente, pôde dar início ao seu próprio projeto, que executou na cidade de Santa Albertina‐SP, o projeto “Circo Semente” em 2001 dando aulas de circo para crianças de 7 a 17 anos. Por quatro décadas participou de espetáculos dos mais renomados circos do País, além de ministrar cursos e oficinas relacionados ao circo. Em meio a tantas atividades, sempre teve um tempo especial reservado para se dedicar à leitura, e consequentemente muitas inspirações para escrever versos relacionados a coisas do seu cotidiano. Um dos projetos de realização pessoal e profissional de Cassia Tangará, era reunir suas melhores poesias e publicar sua primeira obra, intitulada “Circo & Poesia”. Dando início a uma carreira promissora e potencializando ainda mais a arte através de suas poesias.


Dedicatória Algumas poesias foram escritas durante os espetáculos, nos dias de mudança, durante o almoço, ou no fundo do circo. Não importava a hora em que as inspirações surgiam, eram sempre transcritas para o papel. E por isto agradeço primeiramente a DEUS por este dom, ao meu marido Douglas, com muito amor, pela paciência e discernimento, minha filha Thaís pela ajuda e compreensão nos momentos de minha ausência, e minha família que depositou confiança e esperança, acreditando que um dia eu acordaria deste sonho para torná‐lo real. Sem o carinho deles, não seria possível ter concluído este projeto.


Sumário Circo e poesias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15 Beijo circense . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17 Dia de festa na rua . . . . . . . . . . . . . . . . . 19 Mágico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21 Picadeiro mágico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23 Apenas circo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25 Moça . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 Nariz vermelho. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 Nuvens. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31 Mulher circense . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34 Meu passeio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 Por águas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 Se eu. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 O picadeiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43 Globo cor de rosas.. . . . . . . . . . . . . . . . . 45 Amor ao circo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47 É você. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49 O show não pode parar. . . . . . . . . . . . . . 51 Vida maravilha. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54 O sonho. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57 Encalço. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59 Vida sem leme.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61 A moça e a meia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62


Espetáculo no mar. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65 O brilho de um sorriso . . . . . . . . . . . . . . . . 67 Praça. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69 A chuva. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71 Projeção de uma lembrança.. . . . . . . . . . 74 Tornei-me palhaço . . . . . . . . . . . . . . . . . 77 Show do amor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79 Corações errantes. . . . . . . . . . . . . . . . . . 81 Palco saudades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83 Malabarista. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85 Pelas praças. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87 Majestoso voo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90 Saudade inquietante. . . . . . . . . . . . . . . . 93 Malabarista palhaço . . . . . . . . . . . . . . . . 95 Homem pássaro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97 Cortina de vidro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99 Trapézio solo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101 O circo, a viagem na balsa. . . . . . . . . . . 103 Imaginário amor. . . . . . . . . . . . . . . . . . 105 Sonhar seus sonhos. . . . . . . . . . . . . . . . 108 Vidas traçadas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111 Circo florido. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113 A liberdade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115 Voz de um palhaço . . . . . . . . . . . . . . . . 117 Magnífico circo garcia. . . . . . . . . . . . . . 119 Desfile final. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122 Pensamento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .125


CIRCO E POESIAS Ah! Se tão somente eu pudesse viver De circo e poesias Seria maravilhoso poder unir Os desejos dos sonhos circenses Numa incrível viagem Ao mundo das adornadas letras. Minhas imaginações Teriam mais que asas, Meu coração viveria De agradecimentos Melancolia não existiria Neste mundo de ilusão. E meu alimento A poesia! De fome jamais morreria. E sonhando por entre nuvens Bem alto estático eu fico, Vivendo do possível Imaginário da poesia do circo.

15

Circo & Poesia  

Algumas poesias têm em seu teor o mais profundo e sincero amor que uma pessoa possa transmitir para outra, amor puro inocente, ou de um amor...