Issuu on Google+

A MalĂ­cia do tempo


Geison Machado Concencia

A MalĂ­cia do tempo

SĂŁo Paulo 2011


Copyright © 2011 by Editora Baraúna SE Ltda Capa e Projeto Gráfico Aline Benitez Revisão Priscila Loiola

CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO-NA-FONTE SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ _________________________________________________________________

C745m

Concencia, Geison Machado A malícia do tempo / Geison Machado Concencia. - 1.ed. - São Paulo : Baraúna, 2011. ISBN 978-85-7923-371-5 1. Poesia brasileira. I. Título. 11-5946.

12.09.11

CDD: 869.91 CDU: 821.134.3(81)-1 20.09.11

029682

_________________________________________________________________ Impresso no Brasil Printed in Brazil DIREITOS CEDIDOS PARA ESTA EDIÇÃO À EDITORA BARAÚNA www.EditoraBarauna.com.br Rua Januário Miraglia, 88 CEP 04507-020 Vila Nova Conceição - São Paulo - SP Tel.: 11 3167.4261 www.editorabarauna.com.br www.livrariabarauna.com.br


Sumário Blowing in the wind . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7 Entre dois extremos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8 Eu não esqueço. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 Durante um mês . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10 A correnteza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11 Laine . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12 Partida. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13 Hamlet. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14 O rei das suas três filhas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15 À procura do diamante perdido. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16 XXI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17 Sim ou o não. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18 Bem estado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19 Flor da manhã . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20 Correnteza. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21 Deixara-se aqui. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22 A porta para o inferno . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23 Dioniso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24 Eduardo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25 Sequestro em pleno dia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26 Criação desdenhada. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 A minha vizinha. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28 Lembranças do herói morto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 Balão azul. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30 Degenerado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31 Portugueses . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32 Beatlemania. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33 I. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34 Amante lírico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 Desvínculo social. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36


Música Americana . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Crônico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Consideração final. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ciclo das almas perdidas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . I. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Sem Mãe . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Os anjos invadem a Terra. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Lícito. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Desfigurado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Desentendido. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Pacto restituído . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Música popular . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Veneno. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Teoria. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ariano . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Nunca mais.... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Povo de Deus. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Edição mensal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31 de outubro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Diário Poético . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Definição gramatical . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Morte do Profeta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . As palavras que ficam guardadas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O instinto amedrontado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Válvula de escape . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Embriaguez crônica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Tempestade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Uma rosa roubada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Curta vida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O vulto do dragão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O Brasil agora é nosso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O verdadeiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60 61 62 63 64 65 66 67 68


A Malícia do tempo

Blowing in the wind Tudo no mesmo parágrafo De modo inexplicável Mas para que explicar para quem não Quer ouvir? Abri os olhos e vi o que ninguém vê: Um retrato político desintegrado, Mal interessado, violado e marginalizado. Um olhar interessado na grama verde E na cidade a guerra formada nas calçadas. Exprimimos todo dia quase sem perceber A vitamina que da ao possuidor o código da lei. E nesse tempo se forma o buraco de saída Da justiça. Injustiça é saber, justiça não é saber Uma mesa sanguinária traz esse avesso de valor. Trocaram o adjetivo Herói é presidiário, assassino é livre, Exatidão é ciência preferida Compreender é filosofia pisada e dizimada. Local propício para isso está bem aqui ao lado Na vizinhança desnaturada. Blowing in the wind Blowing in the wind Bob diz pelas ruas sem parar, Blowing in the wind Blowing in the wind Política militar voando com novas asas.

7


Geison Machado Concencia

Entre dois extremos Três quartos de prazer e perdição Inseridas no objeto desiludido Pela condição. Quem será esse homem que até então Resolveu-se embriagar pelos momentos sórdidos? Mas será tudo uma nuvem negra Em cada atitude desvairada? Um homem cobiçoso é insaciável O mais rico carrega em seu desdém A cólera da miséria Natureza dada ao princípio Ou homens que violam as leis sagradas?

8


A Malícia do tempo

Eu não esqueço Respiro fundo para não sentir a tua ausência Acordo e penso em como foi bom os nossos dias. O amargo que satisfaz a nossa infância E isso não, eu não esqueço. Já fomos forjados pelo tempo Mas nada disso desintegra o desejo De continuarmos sempre juntos. O que foi e sempre será a sua morte Será a minha também. Não há desnível com pequeno impasse. A nuvem que anuncia a chuva Foi forjada sem querer Para dar distância de tudo Que vivemos. O bem, ah o bem! Sempre vem.

9


Geison Machado Concencia

Durante um mês O muito não é suficiente Nós queremos mais. Não me deixe trancafiado Sem destino E nem me abandone agora. Tua força é meu poder E no contrário eu saio Sem rédea no espaço. O claro prazer em forma de fechadura Para entrar e sair. Num mergulho súbito em direção Às estrelas do mar. Nosso ninho em verdes árvores E não no deserto sem vida.

10


A Malícia do tempo

A correnteza Ontem acordei tarde Hoje levanto cedo. Olho a margem do rio De diferentes dramas E reconheço o seu logo em frente. Tua voz é reconhecida em extremo estado Que senti a angústia lhe partir. Forte cálice de vinho Feita da água pura das terras sagradas. Em meu peito sempre terá morada A pureza dos teus olhos. Tenho a tua força na minha secreta angústia E quando me perguntas a respeito Eu desconheço o seu propósito. A correnteza leva os distúrbios inglórios.

11


Geison Machado Concencia

Laine Buzina a alegoria de bem-estar Fumo um cigarrinho Tenho você tão próxima como podia estar. Estou em casa olhando nowhere boy E você já busca os filhinhos na escola. Fico atrasado na maturidade Na varanda de casa. Laine não precisa de ninguém Só eu às vezes me sinto desidratado. Freio o andar e a moto Caio no asfalto e me arranho todo Enquanto você lê noites brancas. Sua coragem desata Num amor sem ilusões. Queria vê-la à tarde Mas você trabalha E só volta à noite. No cálice da madrugada Depois de colocar Os anjinhos para dormir Você descobre meu ser Na mais perfeita amizade Nós caminhamos à beira-mar E a conversa segue no rumo sereno.

12


A Malícia do tempo

Partida Meu amor foi ferido de saudade Tempestade de areia que me trouxe A lembrança. Oh, tempo malicioso escondido Nas horas e dias. Tua voz eu chamo e no céu Tento te encontrar. Amor suicida numa margem catastrófica A malícia do tempo Impregnada no meu desejo. Curtas palavras, muita ação.

13


Geison Machado Concencia

Hamlet A dor da descoberta Fora feita em arte e Encenação. No exato Calor do momento. No gesto do assassino Descobriu-se o culpado, Tudo por que o pecado Causou efeito abalável. Corram atrás do patife Mascarado, que matou. Pai e irmão amado. Há tempos a inveja está Presente, no calor do disfarce. Para não ser desvendado.

14


A Malícia do tempo

O rei das suas três filhas Reino dividido por três amores Amor falso e verdadeiro. Paixão submissa, falsidade explícita. O dócil é expulso e a armadilha Maligna fora posta. O mal prevaleceu o bem em termos humanos E a humildade foi confinada Junto com as vítimas de enganação. A embarcação vem com ajuda Já com o vírus espalhando. E os enfermos foram todos postos Em julgamento. Dois corações em pedaços E a pátria inteira chora pela desumanidade. Depois de tudo isso a lança Feriu o inimigo Com força e poder. Restaura-se a linha que antes Fora descosturada.

15


A Malícia do tempo