Page 1


sumário apresentação A Amazônia que eu vi . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9

capítul o I Mitos e lendas indígenas da grande floresta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13 As amazonas ou icamiabas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15 A Iara, rainha das águas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 1 O Caiarara . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 7 A lenda da mandioca . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 9 A samaumeira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31 A vitória-régia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 O Jurupari . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 O açaí . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45 O Japuaçu . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47 O Macunaíma . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49 A Juruti-Pepena . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51 O monte Roraima . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53 O misterioso Bep Kororoti . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55 O muiraquitã . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59 O peixe-boi . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6 1 O Pirarucu . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6 3 O Poraquê . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6 5 O uirapuru . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6 7 O tambatajá . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6 9 O Anhangá . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7 1 O Caipora . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7 3 A pororoca . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7 5

lendas adulto.indb 6

28/03/2013 11:32:14


Capítul o II Licantropia, monstros, visagens e assombrações amazônicas

......

77

A Cobra-Grande . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7 9 A Mãe do Mato . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8 5 A maldição de Donana Jansen . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8 7 A Mula sem Cabeça . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8 9 A Matinta Perera . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 1 A misteriosa estátua de Nossa Senhora de Nazaré . . . . . . . . . . 9 9 Boitatá, a serpente de fogo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10 1 O boto encantado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10 3 O Chupa-Chupa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10 9 O Curupira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12 3 O monstro Capelobo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12 7 O Mapinguari . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131 A rasga-mortalha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 143

capítul o III As cidades perdidas da Amazônia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145 A lenda do Eldorado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147 A cidade perdida de Akakor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157 O coronel Fawcett e a misteriosa cidade perdida de “Z” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17 1

Anexo : o Man uscri to 512 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . notas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

203

Referências e créditos das imagens

. . . . . . .

209

. . . . . . . . . . . . . . . . . . .

2 13

Referências Biblio gráficas

lendas adulto.indb 7

19 5

28/03/2013 11:32:15


lendas adulto.indb 8

28/03/2013 11:32:20


a pr e s e ntação A Amazônia que eu vi “Tudo é magia no silêncio verde. Curupiras surgem como fogos que dançam, e toda mata estremece. Mas num canto da floresta, à margem do regato, à hora rubra do Sol poente, a Iara, a mãe d’Água, penteia seus cabelos ouro e verde. A luz acaricia-lhe os olhos cristalinos e toda mata sorri...” Graça Aranha (A Estética da Vida, 1921)

Caros leitores, sejam bem-vindos ao Amazônia Fantástica, livro que reúne o insólito e maravilhoso mundo de mitos, mistérios e lendas de nossa grande floresta tropical. Obviamente este volume não tem a pretensão de ser algo definitivo sobre o tema; surge, no entanto, para minimizar a quase total ausência de publicações sobre mitologia e folclore amazônico. Venho pensando neste projeto há muitos anos e o intento sempre foi o de reunir o maior número de relatos oriundos de nossa cultura mítica original, nascida índia, ribeirinha, uma cultura que foi curiosamente desvalorizada e subjugada nos últimos tempos pela avalanche, pelo tsunami chamado globalização. Minha intenção, ao escrever Amazônia Fantástica, foi a de entregar ao leitor um livro saboroso, que mergulha no mistério de cada história como se todos os relatos apresentados tivessem base real. Nestes tempos de ilusões perdidas, em que todos os povos que habitam a floresta correm sérios riscos de extermínio físico e cultural em nome do “desenvolvimento”, unimo-nos ao Curupira e ao Mapinguari, dois guar9

lendas adulto.indb 9

28/03/2013 11:32:22


amazôn ia fa ntást i ca diões da grande hileia, para contar estas histórias mágicas, estas histórias encantadas, estas narrativas incríveis, praticamente desconhecidas pela maioria dos brasileiros habitantes dos grandes centros urbanos distantes do norte do país. É preciso dizer que tive a oportunidade de ouvir, quando ainda era pequeno e morava em Belém, no Pará, a maioria dos mitos e lendas aqui abordados. A noite caía e a criançada se reunia para espantar-se, e encantar-se, com as mais assustadoras histórias do imaginário popular nortista. As histórias eram contadas por parentes e vizinhos em narrativas orais, passadas de geração a geração, com envolvimento e intensidade. Eu me lembro do medo que senti quando ouvi pela primeira vez a história da Matinta Perera contada por meu avô, ele mesmo testemunha ocular da velha que virava bicho com sua sina louca e seu assovio congelante... Como esquecer-me da primeira vez que vi a rasga-mortalha sobrevoando nossa rua, trazendo todo o mau agouro do mundo, batendo suas asas brancas sobre nós?! Como esquecer-me do momento em que descobri que a famosa fruta que comíamos todos os dias, o açaí, tinha se originado de um infanticídio generalizado, provocado pela escassez de comida, em uma história ocorrida ali mesmo em Belém, centenas de anos antes, quando os índios Tupinambá dominavam a região da futura capital? Como esquecer? Impossível, não é mesmo? Amazônia Fantástica resgata essas e dezenas de outras histórias e inclui ainda mitos e lendas mais recentes, agregados ao inconsciente coletivo do amazônida há pouco tempo, caso do estranho Chupa-Chupa, uma luz misteriosa que no final dos anos 1970 atacou inúmeras pessoas por toda uma localidade conhecida por região do Salgado, no estado do Pará. Também revive grandes explorações do passado em busca de cidades perdidas que se acredita ainda hoje existirem no seio inacessível da floresta. Amazônia Fantástica mergulha selva adentro à procura da mítica Eldorado, insinua-se atrás da lendária cidade perdida do famoso coronel Fawcett, lança-se em uma assustadora e macabra jornada pelo rastro de Akakor. Peço a compreensão do leitor por quaisquer equívocos que venham a ocorrer nesta escrita e comprometo-me a sanar possíveis erros em futuras edições. As fontes consultadas para a elaboração deste livro estão todas re10

lendas adulto.indb 10

28/03/2013 11:32:22


apr e s e ntaç ão lacionadas na bibliografia, além de notas, mapas, fotografias, ilustrações e adendos para apreciação e possível conferência. Para finalizar, desejo ao leitor uma agradável imersão, uma boa viagem a esta nossa Amazônia encantada! Jairo Costa Santo André – SP Outono de 2012

11

lendas adulto.indb 11

28/03/2013 11:32:22


amaz么n ia fa nt谩st i ca

20

lendas adulto.indb 20

28/03/2013 11:32:38


A Iara, rainha das águas Quando os exploradores da velha Europa chegaram para ocupar as terras e os rios da Amazônia, em suas naus e em suas almas trouxeram costumes, crenças, lendas e mitos que acabaram por se fundir à cultura indígena local. Um exemplo clássico é visto no mito da Iara, que notadamente deriva da lenda grega da sereia (dos contos homéricos).* Por ser fantástica, ela acabou sendo apropriada/assimilada pelos nativos, na melhor forma da antropofagia, dando origem à lenda da Iara, a rainha das águas da Amazônia. A lenda apresenta Iara como uma mulher encantada que vive nos rios da grande floresta. Ela teria a metade superior do corpo em forma de mulher e a parte inferior em formato de peixe, exatamente como a sereia. É descrita ora com feição europeia – loira, de face rosada, com hipnotizantes olhos azuis – ora com traços indígenas – pele morena, cabelos longos e negros. É também chamada Mãe-d’Água e Uiara. A Iara seduz homens e, às vezes, até mulheres, levando-os para o seu reino encantado, no fundo do rio.

A índia Dinahí Esta é a história de uma índia chamada Dinahí, que impressionava a todos da tribo dos Manaó, que viviam onde hoje é a cidade de Manaus (AM), por sua coragem. A índia demonstrava grande valentia, mais do que muitos

* Contos homéricos são narrativas épicas escritas por Homero, poeta da Grécia antiga. Em uma de suas obras, Odisseia, Homero narra a passagem do protagonista da história, Ulisses, pela ilha das sereias, seres mitológicos que arrebatavam os navegantes com seu canto. (N. E.)

21

lendas adulto.indb 21

28/03/2013 11:32:39


amazôn ia fa ntást i ca homens da tribo. Isso provocou muita inveja entre os guerreiros, que passaram a persegui-la constantemente, de todas as formas. Numa noite, dois irmãos de Dinahí tentaram matá-la enquanto ela dormia, mas como a índia tinha uma audição incrivelmente apurada, acordou. Para se defender, matou os irmãos. Com medo de seu pai, o velho morubixaba* Kaúna, a índia fugiu. O chefe Kaúna perseguiu Dinahí, mas durante várias luas ela conseguiu escapar. Porém, cercada pelos guerreiros de seu pai, caiu em uma tocaia e foi capturada. O impiedoso Kaúna ordenou que a filha fosse jogada nas águas, exatamente no encontro do rio Negro com o rio Solimões. Nesse momento, centenas de peixes vieram ajudar a índia guerreira, sustentaram seu corpo e levaram-no até a superfície. Os raios de luar tocaram a face de Dinahí e fizeram com que ela se tornasse uma bela princesa, com cauda de peixe e cabelos tão escuros quanto as águas do rio Negro. Assim, a índia Dinahí tornou-se Iara, a rainha das águas.5

A Iara do rio Negro Num passado remoto, um jovem índio remava tranquilo e feliz, descendo o rio Negro, em sua canoa cheia de tucunarés e outros peixes. Para ele, aquele fim de tarde era o mais bonito de toda a sua vida. O céu estava com uma tonalidade que ia do vermelho ao laranja em um típico e deslumbrante entardecer na Amazônia. Quando o jovem índio se aproximava de sua aldeia, avistou no meio da floresta algumas crianças de outra tribo brincando e cantando. Ficou comovido com a cena e nem se deu conta de que sua canoa tinha entrado em um braço de rio. Ele só percebeu que estava perdido e em perigo quando começou a sentir umas coisas esquisitas. Seu corpo se arrepiava, sentia frio e calor ao mesmo tempo. Bastante assustado, olhou de um lado para o outro, mas não notou nada de anormal, e seguiu remando.

*

Nome utilizado, entre os indígenas da Amazônia, para os caciques, pajés, chefes de tribo.

22

lendas adulto.indb 22

28/03/2013 11:32:40


m itos e le n das in d í g e nas da g r a nde f lor e sta Então, ele entrou em uma região onde muitas vitórias-régias boiavam por todo o rio. De repente, o jovem índio avistou algo estranho, mas muito bonito. Em uma das margens do rio nascia outro rio, com água muito brilhante e cristalina. O som de uma cachoeira podia ser ouvido. Ele tentou desviar, mas parecia impossível; algo o atraía intensamente. Da cachoeira saíam gotas que pareciam chuva de prata. E, no meio da chuva, ele viu uma luz verde, muito brilhante, descansando sobre as pedras. Curioso, o índio resolveu se aproximar. Percebeu que a luz se mexia. Chegou mais perto e ficou espantado quando notou que a luz tinha a forma de uma mulher. Os cabelos eram negros e compridos. A mulher era linda, a mais bela que já havia visto. E cantava mais bonito que todos os passarinhos juntos! Ele ficou imediatamente apaixonado e tentou tocar naquela imagem. Esse foi o seu maior erro. A linda mulher assustou-se e mergulhou no lugar mais fundo do rio. O pescador ficou esperando, esperando... ele acreditava que ela ia voltar. O tempo passou e a bela de cabelos negros não mais tornou à superfície. Encantado com a mulher, o pobre índio mergulhou atrás dela e nunca mais voltou, certamente capturado pelo encanto da Mãe-d’Água.

A Iara da ilha do Marajó O caso da Iara da ilha do Marajó foi contado pelo pesquisador Antonio Jorge Thor, neto do protagonista desta história.6 Segundo ele, corria o ano de 1925, e como sempre faziam, seu Cícero (avô de Thor) e seus amigos prepararam-se para mais uma pescaria, de onde nunca saíam sem que estivessem carregados dos mais diversos peixes. O lugar onde pescavam era secreto, conhecido apenas por eles. Naquela noite enluarada, uma estranha calmaria, uma quietude desconhecida no mar prenunciava surpresas. As horas passavam e, estranhamente, nenhum peixe beliscava as imóveis iscas e anzóis. De repente, seu Cícero sentiu um forte puxão na linha, indicativo evidente de que fisgara um peixe bem grande. O esforço que fazia para puxar a presa era tanto que teve de pedir ajuda aos companheiros. Em dado instante, a parte que parecia estar bem iscada cedeu. Seu Cícero pensou que havia perdido o peixe; entretanto, ao puxar o anzol, algo extraor23

lendas adulto.indb 23

28/03/2013 11:32:40


amazôn ia fa ntást i ca dinário se revelou. Bem enrolado no gancho, de bom tamanho, um monte de cabelos loiros veio à tona. E eles mediam entre 1,5 metro e 2,5 metros. O pavor que tomou conta dos homens assombrados foi tanto que fugiram do local, abandonando anzóis, linhas e, provavelmente, a única prova palpável de que as sereias, as Iaras, existem.

A Iara e o índio Tapuia Quando a Mãe-d´Água canta, ela hipnotiza os pescadores. Um deles foi um índio Tapuia. Certa vez, pescando, ele viu a linda deusa surgir das águas, mas resistiu; não saiu da canoa e remou rapidamente até a margem para esconder-se na aldeia. No entanto, enfeitiçado, ele não conseguia esquecer a voz da Uiara. Então, numa tarde, tomado de imensa saudade, abandonou a aldeia e remou sua canoa rio abaixo. Iara já o esperava cantando a música de núpcias. O índio jogou-se no rio e sumiu, carregado pelas mãos da bela e encantadora noiva. Alguns dizem que naquela noite houve festa no chão das águas e que eles foram felizes para sempre. Outros contam que na semana seguinte a insaciável Iara voltou para levar outra vítima.

A Iara e o índio Jaguarari Jaguarari era um moço muito forte e bonito. Todos gostavam muito dele e admiravam sua coragem e habilidade para caçar e pescar. Ele vivia feliz, sempre cantando, sem conhecer sequer uma sombra de tristeza. Gostava de andar pela floresta, ouvir o canto das aves, admirar a natureza sempre imponente e bela. Um dia, num desses passeios, Jaguarari afastou-se demais de sua aldeia. Como já era de tardezinha e ele se sentisse um pouco cansado, sentou-se à beira do rio e ficou admirando sua superfície calma e cristalina. Em pouco tempo, ele começou a ouvir um canto que o deixou maravilhado. Era o canto mais lindo que já ouvira. E como era irresistível! Quase sem perceber, ele caminhou na direção de onde vinha a mágica melodia. De repente, no meio do rio, surgiu a Iara, bela e radiosa. Atraído pela esplendorosa imagem, já estava 24

lendas adulto.indb 24

28/03/2013 11:32:40


m itos e le n das in d í g e nas da g r a nde f lor e sta quase dentro da água, quando se lembrou do que os mais velhos contavam sobre a Iara e agarrou-se desesperadamente ao tronco de uma árvore. Como era muito forte, Jaguarari conseguiu resistir. Imediatamente, afastou-se daquele lugar e voltou para sua aldeia. Pobre Jaguarari! Tinha ouvido o canto da Iara e agora estava enfeitiçado. De nada adiantaram os conselhos de sua mãe e dos mais velhos de que não deveria mais pensar nela. Foi ficando cada dia mais triste e pensativo. Não conseguia se esquecer do canto da Iara, da sua voz maravilhosa. Precisava ouvi-la de novo. Dias depois, não resistindo mais, pegou sua canoa e remou rio abaixo, rumo ao lugar onde vira a Iara. Sabia que ia encontrá-la novamente. E assim foi. Lá distante, quem olhasse, via Jaguarari de pé na canoa em companhia de uma moça. Era a Iara. Foi a última vez que alguém o viu.7

25

lendas adulto.indb 25

28/03/2013 11:32:40


lendas adulto.indb 78

28/03/2013 11:34:07


A Cobra-Grande Certamente a Cobra-Grande é uma das criaturas encantadas mais temidas da Floresta Amazônica. Também conhecida como Mãe do Rio, Mãe-d’Água, Cobra-Norato ou Boiúna, esta gigante da floresta já aterrorizou exploradores, índios e ribeirinhos de todo o norte do país. Boa parte dos relatos sobre a Cobra-Grande a descrevem como uma víbora aparentemente comum (sucuri ou jiboia) que misteriosamente adquire tamanho monstruoso, migrando da floresta para ocupar os rios da hileia. Diz-se que os rastros formados pela passagem da grande cobra, da mata para a água, tornam-se igarapés. A peçonhenta, que aparentemente se resguarda nas áreas mais profundas do rio, já foi descrita como uma cobra de 48(!!) metros de comprimento. É comum encontrar comunidades ribeirinhas muito temerosas da Mãe-d’Água. Contam que, se uma pessoa adentrar rios e igarapés sem pedir licença à grande mãe, o ser místico emerge das águas e devora o desavisado. Ela também é muito confundida com navios em noites de lua cheia, pois suas escamas refletem a luz do luar. Entre as populações que habitam as margens dos rios Solimões e Negro, no Amazonas, acredita-se que quando uma mulher engravida de uma assombração, a criança nascida desse terrível cruzamento está predestinada a ser uma Cobra-Grande. No estado do Acre, fala-se de uma Cobra-Grande que parece ser a versão feminina da lenda do boto (ver O boto encantado, neste capítulo). Segundo essa lenda, a Boiúna transforma-se numa bela morena nas noites de luar do mês de junho para seduzir os homens nos arraiais das festas juninas. No estado de Roraima, outra versão da lenda da Cobra-Grande diz que um dia a índia mais bela da tribo, Cunhã Poranga, apaixonou-se pelo rio 79

lendas adulto.indb 79

28/03/2013 11:34:08


amazôn ia fa ntást i ca Branco, provocando ciúmes em Muiraquitã.* Com um sentimento de vingança exacerbado, Muiraquitã encantou a jovem índia e transformou-a na gigantesca cobra chamada Boiúna. Como tinha um bom coração, ela passou a proteger as águas do rio Branco. No ano de 2012 foram divulgadas imagens feitas no estado do Mato Grosso, onde uma equipe de fotógrafos e cinegrafistas flagrou várias cobras realmente muito grandes vivendo naquela região. Portanto, há muito de verdade sobre o gigantismo das cobras narradas nas lendas amazônicas.

Cobra-Norato, a Boiúna de Cametá Certa vez, uma índia engravidou da Boiúna e teve duas crianças: uma menina que se chamou Maria e um menino de nome Honorato. Para que ninguém soubesse da gravidez, a mãe tentou matar os recém-nascidos jogando-os no rio. Mas eles não morreram e, nas águas, foram criando-se como cobras. Porém, os irmãos demonstravam grande diferença de comportamento entre si. Maria era má; afundava barcos para que seus tripulantes morressem afogados. Honorato era meigo e bondoso. Quando sabia que Maria ia atacar algum barco, tentava salvar a tripulação. Um dia, os irmãos travaram uma briga descomunal. Maria morreu, mas antes cegou o irmão. E Honorato seguiu seu caminho solitário. Sem ter contra quem combater, Honorato entendeu que seu fado já havia sido cumprido e resolveu pedir para ser transformado em humano novamente. Para isso, precisava que alguém tivesse a coragem de derramar “leite de peito” em sua enorme boca, numa noite de luar. Depois de jogar o leite, a pessoa teria que provocar um sangramento em sua cabeça para que a transformação tivesse fim. Mas ninguém tinha coragem para fazer isso. Até que um soldado de Cametá, município do interior do Pará, demonstrou bravura suficiente e conseguiu o intento. Foi ele quem deu a Honorato a oportunidade de livrar-se para sempre daquela cruel maldição. Em agradecimento, Honorato tornou-se soldado também.

*

Muiraquitã, nesta passagem, é uma entidade divina.

80

lendas adulto.indb 80

28/03/2013 11:34:09


li can tropia, m on stro s , v i s ag e ns e as s ombr açõe s …

A Cobra-Grande de Belém A lenda da Cobra-Grande é uma das mais famosas em Belém, a metrópole amazônica. Ela conta que a cidade de Belém foi fundada sobre a morada de uma gigantesca cobra, possivelmente uma sucuri encantada, e, se um dia esta víbora se mover, a cidade inteira ruirá, tragada para as profundezas do rio Guajará. Segundo a lenda, no século XVII, os fundadores da cidade de Nossa Senhora de Belém do Grão Pará teriam erguido a primeira fortificação da cidade (Forte do Presépio, também conhecido como Forte do Castelo) e a Igreja da Sé justamente sobre a toca da víbora. Dizem que a cobra, em vez de fugir e procurar outro abrigo, ficou ali mesmo, espreitando os humanos e alimentando-se deles. Escravos, possivelmente índios Tupinambá que trabalhavam na construção do templo, eram suas vítimas mais comuns. Uma epidemia de sarampo durante a construção da igreja no ano de 1748 teria potencializado a voracidade da cobra, pois muitos índios acabaram morrendo, vitimados pela grave enfermidade, e seus restos mortais teriam servido de refeição para o monstro gigante. Assustadoramente, a Cobra-Grande de Belém continuou crescendo através dos séculos, e sua cabeça estaria hoje localizada bem abaixo do altar da Igreja da Sé e sua cauda no subsolo da Igreja de Nossa Senhora do Carmo, na Cidade Velha. Outra versão da lenda contada por populares diz que a cauda da serpente estaria na verdade bem abaixo da Basílica de Nossa Senhora de Nazaré, de onde hoje parte o famoso Círio de Nazaré.* Uma variação desse do relato aponta ainda que existiria um túnel secreto, uma espécie de catacumba na Igreja da Sé, que levaria até a morada da peçonhenta. Quem já a viu garante que seus olhos são vermelhos feito fogo e suas escamas, negras, grossas e brilhantes. Relatos modernos dizem que no dia 12 de janeiro de 1970, um tremor de terra foi sentido por toda a cidade e não foram poucas as pessoas que se

* Maior evento religioso católico do mundo, em devoção à Nossa Senhora de Nazaré. É realizado desde 1793, na cidade de Belém (PA), no segundo domingo de outubro, e reúne anualmente cerca de 6 milhões de pessoas. (N. E.)

81

lendas adulto.indb 81

28/03/2013 11:34:09


amazôn ia fa ntást i ca desesperaram acreditando que a serpente finalmente começara a se mover e levaria Belém e seus habitantes para o fundo do rio. Com a peculiar tradição de prédios que desabam frequentemente, Belém vive sob a ameaça de ruir. Alguns creditam a quantidade de desabamentos à Cobra-Grande; outros, descrentes, veem mesmo é uma grande imperícia dos engenheiros paraenses. De uma forma ou de outra, o belenense deve sempre se manter atento, pois a qualquer momento tudo pode desabar e virar água, seja por culpa da Cobra-Grande ou do homem. Voltando à lenda, aqueles que acreditam na Cobra-Grande de Belém afirmam que a “encantada” vive até hoje no subsolo da cidade e se alimenta das sobras de peixes jogadas ao mar, oriundas do mercado Ver-o-Peso.

A Cobra-Maria A Cobra-Maria é um animal fabuloso que supostamente vive no rio Solimões, no estado do Amazonas. Seria uma cobra gigantesca, dotada de poderes mágicos. É uma variante local do mito da Cobra-Grande. Ela seria uma índia Tapuia encantada (transformada) em uma cobra. Segundo a lenda, a filha de um pajé deixou-se levar pelo amor de um estrangeiro e acabou engravidando de gêmeos, José e Maria. Quando o velho pajé soube do caso, ficou furioso e maquinou vingança. Assim que as crianças nasceram, o velho matou sua filha e atirou os bebês nas águas do rio Solimões. O pequeno José morreu, mas Maria escapou da morte e passou a ser criada pela Iara, que lhe ensinou truques e encantarias. Dizem que Cobra-Maria aparece sempre à noite e seus olhos são como duas gigantescas bolas de fogo. Afirmam ainda que ela derruba barrancos, afunda canoas e encalha navios Amazônia afora.

O coronel Fawcett e as sucuris gigantes O lendário coronel britânico Percy Fawcett, explorador que realizou inúmeras expedições na Amazônia brasileira (ver capítulo II1), relatou em seus diários ter visto cobras gigantescas durante suas andanças pela selva. 82

lendas adulto.indb 82

28/03/2013 11:34:09


li can tropia, m on stro s , v i s ag e ns e as s ombr açõe s … Estávamos calmamente seguindo a corrente preguiçosa, não longe da confluência do Rio Negro, quando quase sob o arco da igara apareceu uma cabeça triangular e vários pés de corpo ondulante. Era uma sucuri gigante. Corri para meu rifle enquanto a criatura fazia seu caminho rumo ao banco de areia e, quase sem esperar para mirar, disparei uma bala de ponta macia calibre 44 em sua espinha, dez pés (3 metros), abaixo da maldita cabeça.17 Fawcett não tinha equipamentos para medições, mas estimou que a serpente tinha 19 metros de comprimento e 30 cm de diâmetro.

A grande serpente encantada de São Luís do Maranhão Em São Luís do Maranhão, conta-se que uma serpente secular cresce vagarosamente ao redor da ilha. No dia em que a cabeça da serpente encontrar o rabo, ela acordará e tragará toda a cidade para o fundo do oceano Atlântico. E, ao despertar, a grande serpente soltará gritos pavorosos, ensurdecedores, de congelar a alma dos habitantes da ilha, e lançará enormes labaredas de fogo pelos olhos e pela boca, dizimando a todos. Relatos afirmam que a barriga da grande víbora estaria debaixo da Igreja do Carmo e sua cauda localizada bem embaixo da Igreja de São Pantaleão. Outros dizem que é possível observar a cabeça da grande serpente peçonhenta na famosa Fonte do Ribeirão, no centro histórico da cidade. E que nas noites de lua cheia, através das grades que isolam o monumento, os olhos da víbora brilham à luz do luar.

83

lendas adulto.indb 83

28/03/2013 11:34:09


amaz么n ia fa nt谩st i ca

122

lendas adulto.indb 122

28/03/2013 11:34:50


O Curupira A lenda do Curupira é uma das mais populares e antigas do Brasil. Quando os colonizadores europeus chegaram aqui, já encontraram os índios Tupi-Guarani contando sobre a existência deste ser e de como o temiam. O Curupira é um espírito, um ser encantado, um deus da floresta, que anda pela mata protegendo a fauna e a flora e punindo quem as põe em perigo. A lenda descreve um ser pequeno, de aproximadamente 1,30 m, mas com uma força física impressionante. Ele tem o corpo coberto de pelos, dentes verdes, cabelos ruivos e pés virados para trás. Costuma habitar a mata profunda, mantendo-se distante de povoados e cidades. No Pará, é temido por caçadores, seringueiros e lenhadores, que o chamam de “Mãe do Mato” (ver lenda neste capítulo). Muitos homens costumam oferecer ao Curupira cigarros e cachaça, deixando essas oferendas nas trilhas no meio da selva, talvez para agradá-lo, talvez para tentar mantê-lo ocupado enquanto fogem. O caboclo da Amazônia diz que, geralmente, antes das grandes tempestades, o Curupira sai batendo no tronco das samaumeiras para ver se elas estão prontas para aguentar a força das chuvas que virão. O Curupira costuma andar acompanhado de vários animais. Ele também é capaz de imitar a voz humana, tentando assim atrair os malfeitores da floresta para as suas garras. Quando um caçador é pego pelo Curupira, comumente toma uma surra do espírito da floresta. Quando é libertado, o infeliz vaga desorientado, sem noção de tempo e espaço, por dias a fio dentro da mata. Durante essa caminhada desesperada, o Curupira emite gritos e assobios pavorosos para aumentar ainda mais o sofrimento de sua vítima. 123

lendas adulto.indb 123

28/03/2013 11:34:51


amazôn ia fa ntást i ca

O Curupira descrito pelo padre José de Anchieta O Curupira, gênio protetor da floresta, teve seu mito registrado já em 1560. Em carta datada de 30 de maio daquele ano, o padre José de Anchieta comentou: É coisa sabida e pela boca de todos corre que há certos demônios que os brasis chamam Corupira, que acometem aos índios muitas vezes no mato, dão-lhe de açoites, machucam-nos e matam-nos. São testemunhas disso os nossos irmãos, que viram algumas vezes os mortos por eles. Por isso, costumam os índios deixar em certo caminho, que por ásperas brenhas vai ter ao interior das terras, no cume da mais alta montanha, quando por cá passam, penas de aves, abanadores, flechas e outras coisas semelhantes, como uma espécie de oferenda, rogando fervorosamente aos Curupiras que não lhes façam mal.31

O coração do Curupira Estava o Curupira andando pela floresta quando encontrou um índio caçador que dormia profundamente. O Curupira estava com muita fome e cismou em comer o coração do homem. Assim, fez com que ele acordasse. O caçador levou um susto, mas fingiu que não estava com medo. O Curupira disse-lhe: – Quero um pedaço do seu coração! O caçador, que era muito esperto, lembrando-se que havia atirado num macaco, entregou ao Curupira um pedaço do coração do macaco. O Curupira provou, gostou e quis comer tudo. – Quero mais! Quero o resto! – pediu ele. O caçador entregou-lhe o que havia sobrado, mas, em troca, exigiu um pedaço do coração do Curupira. – Fiz sua vontade, não fiz? Agora você deve me dar em pagamento um pedaço do seu coração – disse ele. 124

lendas adulto.indb 124

28/03/2013 11:34:52


li can tropia, m on stro s , v i s ag e ns e as s ombr açõe s … O Curupira não era muito esperto e acreditou que o caçador havia arrancado o próprio coração, sem ter sofrido nenhuma dor e sem haver morrido. – Está certo – respondeu o Curupira –, empreste-me sua faca. O caçador entregou-lhe a faca e afastou-se o mais que pôde, temendo levar uma facada. O Curupira, porém, estava sendo sincero. Enterrou a faca no próprio peito e tombou, sem vida. O caçador não esperou mais, disparou pela floresta correndo com tal velocidade que deixaria para trás os bichos mais velozes! Quando chegou à aldeia, estava com a língua de fora e prometeu a si mesmo não voltar nunca mais à floresta. Pensou: “Desta escapei. Noutra é que não caio”. Durante um ano, o índio não quis saber de entrar na mata. Quando lhe perguntavam por que não saía mais da aldeia, ele se desculpava, dizendo estar doente. Mas uma festa ia acontecer na aldeia e sua filha, muito vaidosa, pediu ao índio um colar diferente de todos os que já tinha visto. Ele começou a pensar num modo de satisfazer o desejo da filha. Lembrou-se, então, dos dentes verdes do Curupira, que dariam um bonito colar, sem dúvida. Partiu para a floresta e procurou o lugar onde ele havia morrido. Depois de algumas voltas, deu com o esqueleto meio encoberto pelo mato. Os dentes verdes brilhavam ao Sol, parecendo esmeraldas. Conseguindo vencer o medo, apanhou o crânio do Curupira e começou a bater com ele no tronco de uma árvore, para que se despedaçasse e soltasse os dentes. Qual foi a sua surpresa quando, de repente, viu o Curupira voltar à vida! Ali estava ele, exatamente como antes, parecendo que nada havia acontecido! Por sorte, o Curupira achou que o caçador o ressuscitara e ficou todo contente: – Muito obrigado! Você me devolveu a vida e não sei como lhe agradecer! O índio percebeu que estava a salvo e respondeu que não havia nada a agradecer. Mas o Curupira insistia em demonstrar sua gratidão e disse: – Tome este arco e esta flecha. São mágicos. Basta que você olhe para a ave ou o animal que deseja caçar e atire. A flecha não errará o alvo. Nunca mais lhe faltará caça. Mas, agora, ouça bem: jamais aponte para uma ave ou 125

lendas adulto.indb 125

28/03/2013 11:34:52


amazôn ia fa ntást i ca animal que esteja em bando, pois você seria atacado e despedaçado pelos companheiros dele. Entendeu? O índio disse que sim, e desde aquele dia nunca mais lhe faltou caça. Era só atirar a flecha e zás! O bicho caía. Tornou-se o maior caçador de sua tribo. Por onde passava, era visto com respeito e admiração. Um dia, ele estava caçando com outros companheiros que o elogiavam muito. O índio sentiu-se tão importante que, ao ver um bando de pássaros que se aproximava, esqueceu-se da recomendação do Curupira e atirou. Matou somente um pássaro e, como o Curupira avisara, foi atacado pelo bando enlouquecido pela perda do companheiro. Seus amigos fugiram, deixando-o entregue à própria sorte. O pobre índio foi estraçalhado. A cabeça estava num lugar, o braço no outro, uma perna aqui, outra lá longe. O Curupira ficou com pena dele. Arranjou cera e acendeu um fogo para derretê-la. Depois recolheu os pedaços do caçador e colou-os, um a um, com a cera. O índio voltou à vida e levantou-se: – Muito obrigado! Não sei como lhe agradecer! – Não tem o que agradecer – respondeu o Curupira –, mas preste atenção. Esta foi a primeira e última vez que pude salvá-lo! Não beba, nem coma nada que esteja quente! Se o fizer, a cera derreterá e você também! Durante muito tempo, o índio levou uma vida normal. Ninguém sabia do acontecido. Um dia, porém, sua mulher lhe serviu uma comida quente e apetitosa, tão apetitosa que o índio nem se lembrou de que a cera poderia derreter. Engoliu a comida e pronto! A cera derreteu e o índio também.32

126

lendas adulto.indb 126

28/03/2013 11:34:52


lendas adulto.indb 146

28/03/2013 11:35:17


A lenda do Eldorado Desde o princípio da colonização do continente americano pelos espanhóis, lá no século XVI, ouve-se falar da lenda de Eldorado, uma misteriosa cidade perdida, provavelmente localizada em algum lugar bastante inacessível entre os Andes e a selva amazônica. Eldorado sempre foi descrita como uma cidade majestosa, de riqueza infinita, onde a abundância do ouro era tamanha que suas ruas, paredes, telhados e até simples utensílios de culinária eram feitos desse metal precioso. Após o espanhol Francisco Pizarro, em 1533, conquistar o império inca, no Peru, e se locupletar da riqueza multimilionária desta civilização, todos sonhavam encontrar a sorte grande, descobrindo sua própria cidade perdida, abarrotada de metais e pedras preciosas. Segundo um artigo do professor Johnni Langer, publicado na Revista de História da USP, [...] a origem do Eldorado remonta a 1531-1532, quando o conquistador Diego de Ordaz foi informado sobre a existência do País de Meta, que seria rico em ouro e pedras preciosas. Sua localização (entre o Peru e a Colômbia) foi influenciada pela cultura pré-colombiana Chibcha – também denominada de Muisca. Logo depois, em 1534, Luiz de Daza encontrou no Equador um índio chamado Muequetá (ou Muiziquitá), que se dirigia ao rei de Quito para solicitar ajuda na guerra contra os Chibcha. Ao descrever o seu país, referiu-se pela primeira vez ao cacique que se banhava com ouro em uma lagoa. Sebastião de Becalcázar (ou Benalcázar), o fundador de Quito, foi um dos iniciadores da 147

lendas adulto.indb 147

28/03/2013 11:35:18


amazôn ia fa ntást i ca busca ao mítico personagem. Para diferenciar este local de outras províncias espanholas, Becalcázar denominou-o de Província del Dorado, em 1534. O primeiro relato impresso sobre o Eldorado foi de Gonçalo de Oviedo, em 1541 (História general y natural de las Índias). Segundo esse cronista, um príncipe indígena diariamente se cobria com uma espécie de resina, sobre a qual era aplicado ouro em pó por toda a extensão de seu corpo.38

O homem dourado O termo “Eldorado” é um vocábulo de origem castelhana que significa “o dourado” (o homem dourado). Refere-se a um ritual indígena praticado no lago Guatavita, próximo a Bogotá (Colômbia), no qual o escolhido para rei tinha o corpo todo coberto com pó de ouro. Em um manuscrito de 1636, intitulado El Carnero, de autoria de Juan Rodríguez Freyle, encontra-se um registro escrito sobre a lenda do homem de ouro. Naquele lago de Guatavita faziam uma grande balsa de juncos, e a enfeitavam até deixá-la tão vistosa quanto podiam. A esta altura estava toda a lagoa cercada de índios e iluminada em toda sua circunferência, os índios e índias todos coroados de ouro, plumas e enfeites de nariz. Despiam o herdeiro e o untavam com uma liga pegajosa, e cobriam tudo com ouro em pó, de maneira que ia todo coberto desse metal. Metiam-no na balsa, na qual ia de pé, e nos seus pés punham um montão de ouro e esmeraldas para que oferecesse a seu deus. Acompanhavam-no na barca quatro caciques, os mais importantes, enfeitados de plumas, coroas, braceletes, adereços de nariz e orelheiras de ouro, e também nus. O índio dourado fazia sua oferenda lançando no meio da lagoa todo o ouro e as esmeraldas que levava aos pés, e logo o imitavam os caciques que o acompanhavam.39 148

lendas adulto.indb 148

28/03/2013 11:35:19


as c idade s pe r di das da a ma zôni a

Gran Paititi, Manoa e o lago Parime Paralelamente ao surgimento da lenda do Eldorado, no Peru, à época dos conquistadores, já circulava outra lenda sobre uma cidade misteriosa chamada Gran Paititi, também conhecida como Manoa, que se acreditava estar localizada às margens de um mítico lago chamado Parime. Em vários mapas do século XVI esse lago é registrado no meio da Floresta Amazônica brasileira, nas proximidades de onde hoje se localizam os estados de Roraima e do Amazonas. Outros apontamentos indicam a localização do lago Parime na fronteira da Venezuela com o Brasil, nas proximidades do rio Orinoco. Paititi é descrita como a capital de um antigo e opulento reino chamado Moxos (em castelhano, Mojos), governada pelo rei Gran Moxo, que seria descendente de Atahualpa, o último imperador inca, assassinado por Francisco Pizarro, quando os conquistadores espanhóis dominaram a cidade de Cusco, no Peru. Diversos relatos sobre sua localização ora a situam a leste das montanhas andinas, em algum lugar perdido da selva tropical peruana (Madre de Dios), ora a nordeste da Bolívia (Bení ou Pando) ora a noroeste do Brasil, em algum lugar onde hoje existem os estados do Acre, Rondônia ou Mato Grosso. Esta cidade oculta e misteriosa acabou por receber muitos outros nomes, como Candire, Ruparupa, Waipite, Mairubi, Enim, Ambaya, Telan, Yunculo, Conlara, Picora, Linlín, Tierra dos Musus, Los Caracaraes, Tierra de los Chunchos, Chunguri, Zenú, Meta, Macatoa, Niawa, Dodoiba e Supayurca. Existem ainda algumas narrativas andinas que citam Manoa, “a cidade dos telhados resplandecentes”, como sendo a capital de Paititi, um gigantesco reino encantado, cheio de riquezas, coberto de pedras preciosas e ouro, oculto em meio à densa selva amazônica. Falam também que o local seria habitado por uma raça bizarra de seres adoradores do Sol, os ewaipanomas. Os ewaipanomas seriam os guardiões da rica cidade dourada. A forma física destes seres era tão assustadora que congelava de pavor os desavisados que tentassem penetrar na cidade fantástica. Segundo a lenda, eles não tinham pescoço, seus rostos eram localizados à altura do peito, com olhos nos ombros, boca na altura do tórax e uma longa cauda de pelos que crescia nas 149

lendas adulto.indb 149

28/03/2013 11:35:19


amazôn ia fa ntást i ca costas. Eram fortes, altos, muito violentos e manejavam com destreza arcos, flechas e bordunas.* Eram os guerreiros mais poderosos de todo o reino. Segundo o explorador Walter Raleigh, que descreveu tais criaturas, os ewaipanomas cuidavam das riquezas da cidade e também teriam contato com as amazonas, as mulheres guerreiras que moravam na região de Manoa.40 A lenda conta ainda que os ewaipanomas conheciam os segredos do ouro, das pedras preciosas e das águas de todos os rios, e sabiam inclusive a localização exata da tão procurada fonte da juventude.41  Para completar a mítica sobre Eldorado/Paititi/Manoa, por volta de 1580 vem à luz um documento manuscrito chamado Relación de Martinez, no qual se narram as aventuras de Johannes Martinez, mestre de munição de Diego Ordaz durante o ano de 1531. Martinez teria sido abandonado na floresta, acusado de traição e, após vagar pela selva, contatou índios que o teriam levado à cidade de Manoa, onde supostamente ficou por sete meses. Segundo Johannes Martinez, a fabulosa cidade seria situada entre uma montanha de ouro, de prata e de sal. O palácio do imperador, o principal edifício da cidade, foi localizado em uma verdejante ilha com um lago. A entrada seria sustentada por magníficas colunas de pórfiro e alabastro – simetricamente alinhadas – com uma galeria ornada por bois de ébano e joias. Dentro do palácio destaca-se uma imensa coluna de 25 pés de altura, cujo capitel superior ostenta uma imensa lua de argento. Na base dessa coluna, dois leões vivos estavam presos por correntes de ouro maciço. E ainda no centro do edifício também estava localizada uma fonte quadrangular ornada com quatro tubos de ouro e um imenso sol com quatro lâmpadas de brilho perpétuo.42

* Borduna é uma arma indígena para caça, ataque ou defesa, feita de um pedaço de madeira roliço.

150

lendas adulto.indb 150

28/03/2013 11:35:19


O termo “Eldorado”, de origem castelhana, significa “o dourado” e refere-se a um ritual indígena praticado no lago Guatavita, próximo a Bogotá, atual capital da Colômbia. Nesse ritual, aquele que tivesse sido escolhido para rei tinha o corpo todo coberto com pó de ouro. Detalhe de gravura de Theodor de Bry, 1579, British Library.

Peça de ouro pertencente ao Museu del Oro, em Bogotá, Colômbia, retratando a cerimônia do “príncipe dourado” no lago Guatavita: “Despiam o herdeiro e o untavam com uma liga pegajosa, e cobriam tudo com ouro em pó, de maneira que ia todo coberto desse metal. […] Acompanhavam-no na barca quatro caciques […]”.

lendas adulto.indb 188

28/03/2013 11:35:31


À época dos conquistadores, além da lenda do Eldorado, circulava a história de uma cidade misteriosa, chamada Gran Paititi (ou Manoa). Supostamente, esta cidade localizava-se às margens do mítico lago Parime. Vários mapas do século XVI mostram esse lago em meio à Floresta Amazônica. Outros o situam na fronteira da Venezuela com o Brasil.

Em 1541, Francisco de Orellana saiu em busca do Eldorado. Sem encontrar a cidade perdida, foi o primeiro conquistador a navegar por todo o rio Amazonas. Morreu anos depois e seu corpo foi enterrado na ilha do Marajó, no estado do Pará. Busto localizado na cidade de Trujillo, Espanha.

Quando o professor norte-americano Hiram Birgham encontrou Machu Picchu, no Peru, em 1911, suspeitou-se de que a cidade perdida do Eldorado havia finalmente sido encontrada. Entretanto, dentre todo o material recolhido e enviado pelo professor aos Estados Unidos, havia mais de 45 mil peças de cerâmica e outros materiais. Ele declarou não ter encontrado nenhuma peça de ouro.

lendas adulto.indb 189

28/03/2013 11:35:34


amazôn ia fa ntást i ca

Críticos de Hiram Birgham duvidam que ele não tenha encontrado ouro em Machu Picchu. Depois de sua descoberta, o professor tornou-se uma espécie de ícone da arqueologia e entrou para a política com muito sucesso: elegeu-se governador do estado de Minessota, nos Estados Unidos, e, depois, senador.

No início dos anos 1910, uma empresa europeia teria conseguido drenar completamente o lago Guatavita. Como era tarde, os trabalhadores optaram por explorar o local no dia seguinte. Ao amanhecer, porém, descobriram que o Sol atingira a lama vulcânica do fundo do lago e o transformara rapidamente em uma massa tão compacta quanto o mais duro cimento, impossibilitando a exploração.

190

lendas adulto.indb 190

28/03/2013 11:35:39


li can tropia, m on stro s , v i s ag e ns e as s ombr açõe s …

Museo del Oro, Bogotá, Colômbia. Máscara de ouro, 150 a.C. – 900, encontrada no Vale do Cauca, Colômbia. Em 1807, o naturalista alemão Alexander von Humboldt calculou que se ao longo do ritual secular dos índios Moxos 4 mil índios tivessem jogado pelo menos cinco peças de ouro no lago Guatavita, deveria haver cerca de 20 mil peças de ouro no fundo do lago. O valor estimado hoje para essas peças poderia ser 300 milhões de dólares! Máscaras de ouro, como esta, poderiam estar entre o tesouro submerso no lago Guatavita.

Francisco Pizarro buscou intensamente por Eldorado. Saqueou – e dizimou – o império inca e apossou-se de sua riqueza. Depois dele, exploradores, degredados e conquistadores tentaram encontrar Gran Paititi, na esperança de alcançar poder e glória.

Impressionante gravura, produzida em 1599, por Theordor De Bry, descrevendo a tomada da cidade inca de Cuzco por Francisco Pizarro. O ouro ali encontrado alimentou os sonhos de centenas de exploradores e aventureiros e fortaleceu ainda mais a lenda do Eldorado.

191

lendas adulto.indb 191

28/03/2013 11:35:41


amazôn ia fa ntást i ca

Bandeira da cidade subterrânea de Akakor, segundo Tatunca Nara.

Mapa da América do Sul com a suposta localização das cidades perdidas de Akakor, Akahim e Ofir, segundo Tatunca Nara.

Escrita dos Ugha Mongulala, segundo representação feita por Tatunca Nara.

Foi na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro que Fawcett encontrou o “Manuscrito 512” que, datado de 1753, daria ensejo à sua derradeira expedição. Para realizá-la ele precisou obter recursos financeiros de um grupo de imprensa norte-americano que, em troca, exigiu exclusividade na publicação de suas descobertas.

192

lendas adulto.indb 192

28/03/2013 11:35:44


li can tropia, m on stro s , v i s ag e ns e as s ombr açõe s …

Representação da famosa estatueta de basalto que supostamente dava choque em quem a

manuseasse. Fawcett atribuía a esta estátua poderes místicos e acreditava que ela era a prova da existência da cidade perdida de “Z” que tanto procurou.

A última notícia que se tem de Percy Fawcett data de 19 de maio de 1925. Depois desse dia, nunca mais foi visto. Esta é provavelmente uma das últimas fotografias do coronel Fawcett, tirada pouco antes de sua derradeira expedição, quando desapareceu para sempre na Amazônia brasileira.

Nos anos 1980, uma “febre do ouro” acometeu o Brasil. Em meio à Floresta Amazônica, no local que ficou conhecido como Serra Pelada, no interior do Pará, milhares de homes e mulheres, vindos dos quatro cantos do país, aglomeraram-se para tentar a sorte. Esta impressionante imagem nos remete à lendária Eldorado e nos permite imaginar o que a “febre do ouro” pode fazer com os homens.

193

lendas adulto.indb 193

28/03/2013 11:35:46


Amazônia Fantástica  

Os mais extraordinários mitos, lendas e mistérios da grande floresta.

Advertisement