Page 1

Edição Nº 5 - Ano I - Janeiro/2012

Revista EcoNordeste – Publicação sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável — www.revistaeconordeste.com.br

05

R$ 12,50

Agrotóxicos

sua comida pode estar contaminada bioinvasão

Renato aragão

Água de lastro, um perigo quase invisível

Um ambientalista na indústria


Caatinga

Rio 20

I Conferência Regional de Desenvolvimento Sustentável do Bioma Caatinga – A Caatinga na Rio+20 14, 15 e 16 de março de 2012 Auditório Celso Furtado do Banco do Nordeste, Centro Administrativo Getúlio Vargas, Passaré - Fortaleza/Ceará

Maiores informações:

85 3223.6652 / 85 3223.5653 ou pelo site:

www.caatinganariomais20.org.br

Fortaleza ‑ Ceará ‑ 85

3223.5653 ‑ www.nordestexxi.org.br


Ecofoco Cardeal do Nordeste (Paroaria dominicana)

Também conhecido como galo-de campina, cabeça-de-fita e cabeçavermelha ou simplesmente cardeal, é considerado um dos “passarinhos” mais típicos do interior do Nordeste do Brasil. Vive em bando, e gosta de reunir-se a beira de cacimbas ou poços naturais na Caatinga para beber água e tomar banho. Vítima do comércio ilegal de aves silvestres, a espécie está na lista dos animais mais contrabandeados, o que justifica, em parte, a sua introdução no Sudeste do País.


Índice Entrevista

Antônio Renato Aragão, Fiec

8

12 Editora Assaré Ltda ME Rua Waldery Uchôa, 567 A n Benfica Fortaleza, Ceará n CEP: 60020‑110 e‑mail: assare@editoraassare.com.br Editora Assaré (fone/fax): (85) 3254.4469

Caatingueiro Carlos Romero de Carvalho

Revista EcoNordeste: (85) 3223.6652 www.revistaeconordeste.com.br

Diretor‑Presidente Francisco Bezerra presidente@editoraassare.com.br Diretor Administrativo Financeiro Orlando Júnior orlando@editoraassare.com.br Diretor de Arte Claudemir Luis Gazzoni claudemir@editoraassare.com.br diretor de Marketing e negócios Rodrigo Nunes rodrigo@editoraassare.com.br Editora‑chefe Tarcília Rego tarcilia@editoraassare.com.br Editor de Arte Vladimir Pezzole vladimir@editoraassare.com.br Jornalistas Camila Gadelha e Antonio Cardoso econordeste@editoraassare.com.br Repórter Fotográfico Paulo Rocha

14

Matéria de capa

Agrotóxicos, sua salada pode estar contaminada

Revisora Francisco Pelúcio gerente de atendimento Bárbara Freitas barbara@editoraassare.com.br Assessor de imprensa Antonio Cardoso cardoso@editoraassare.com.br COLABORADORES Barros Alves, Benedito Vasconcelos Mendes, Milton Sousa e Associação Caatinga Impressão Pouchain Ramos Tiragem 5.000 exemplares

A EcoNordeste é comprometida com o manejo ecologicamente correto das florestas brasileiras conforme critérios do FSC.

Turismo nos Lençóis Cearenses

28


Carta ao Leitor

32

Resíduos Sólidos Plano Estadual

38 42

Caatinga Todos pelo Bioma

Àgua de lastro um perigo quase invisível

A Caatinga na Rio+20

45

Chegamos à quinta edição, a primeira do ano de 2012, o ano do Dragão, conforme a mitologia chinesa. O ano será regido pelo número 5 que representa o ser mitológico e a restauração. Significa dizer que temos muito a restaurar em 2012, principalmente quando o assunto é meio ambiente. Por exemplo, o Brasil é o campeão mundial no uso de agrotóxicos. A questão já não é uma novidade, assusta a população e, de longa data, preocupa a Anvisa que busca uma solução. Mais uma vez a agencia de vigilância sanitária publica o relatório do Para (Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos) e mostra quanto pode ser perigoso degustar as frutas e os legumes que chegam à nossa mesa. A situação é preocupante. Revela o uso intensivo e às vezes ilegal dos agrotóxicos, bem como a incapacidade do governo de garantir a segurança alimentar. A boa notícia você vai ler na matéria sobre avanços da Política Nacional de Resíduos Sólidos nos estados e municípios, principalmente no Ceará, que se movimenta para adequar-se às novas exigências, e elabora um Plano Estadual. O entrevistado desta edição é Renato Aragão, um pioneiro do ambientalismo cearense. Quando ainda não existia o Ministério do Meio Ambiente, na década de 70, foi nomeado representante da Secretaria Especial de Meio Ambiente do Governo Federal no Ceará. Ele também é caatingueiro, mas o nosso caatingueiro do mês vem da Bahia. Carlos Romero de Carvalho, desde menino, “mal tinha desmamado, já perambulava Caatinga adentro”.

Boa leitura!


Por Barros Alves - barrosalves@editoraassare.com.br

À sombra da lei Direito & Meio Ambiente Ibama desprestigiado Sob o governo Dilma Roussef ocorrerá a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, mais conhecida como Rio+20, cujo nome remete à conferência similar realizada no governo Collor de Melo em 1992, a primeira. Analogias à parte, o governo Dilma, nesta área, teve atuação apagada. Em muitos aspectos, comportou-se bem pior do que o governo presidido pelo atual senador alagoano. O atual governo até o momento não criou nenhuma reserva ambiental (Collor criou 15 no primeiro ano de governo) e, recentemente, quedou genuflexo diante da Lei Complementar 140, aprovada pelo Congresso Nacional, a qual retira poderes essenciais do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis- IBAMA.

ouvidos de mercador para decisões tomadas pelo Ibama, no respeitante  às unidades de conservação de terras indígenas, cuja riqueza ambiental e econômica está a merecer a tutela do Estado para evitar abusos e ações presididas por interesses mesquinhos de grupos privados. O Ministério das Minas e Energia, por exemplo, boicota a criação de uma área de proteção ambiental no Médio Tocantins, porque ali deseja construir a hidrelétrica de Ipueiras, um projeto que o Ibama já considerou ambientalmente inviável. O governo não se faz de rogado nesse tipo de boicote.  O Instituto Chico Mendes, órgão gestor de unidades de conservação na Região Amazônica, viu seu orçamento de 2012 diminuído em 30%.

Retrocesso legal

O clima não está bom para Rio+20, quanto às ações institucionais. O governo Dilma fez muito pouco para implementar, em 2011, a meta brasileira de cortar até 39% das emissões de gás carbônico até 2020, relativamente à tendência de crescimento atual dos gases. Segundo o Greenpeace, ONG internacional que atua na defesa da natureza, o governo Dilma em nada avançou em relação ao governo Lula na questão climática e, em outras questões ambientais, piorou. E, com efeito, um dos maiores retrocessos está posto com a Lei Complementar 140, que reduz o poder de fiscalização do Ibama.

A Lei Complementar nº. 140, de 8 de dezembro de 2011 altera dispositivos contidos na Lei nº. 6938, de 31 de agosto de 1981, no que pertine as ações administrativas decorrentes do exercício da competência comum relativas à proteção das paisagens naturais notáveis, à proteção do meio ambiente, ao combate à poluição em qualquer de suas formas e à preservação das florestas, da fauna e da flora. A Lei no 6.938, que institui a Política Nacional de Meio Ambiente, foi editada sob o governo do General João Batista de Figueiredo e constitui um saudável avanço jurídico-legal para coibir ações de combate a agressões ao meio ambiente. A Lei Complementar 140, ao retirar poderes do IBAMA, configura condenável retrocesso.

Estratégia para o PAC

As ações antiambientais do governo Dilma constituem claro indicativo da estratégia governamental para evitar constrangimentos legais no processo de implantação das obras do Programa de Aceleração do Crescimento-PAC. Um dos atos administrativos claros a este propósito é a ressurreição da polêmica obra da Hidrelétrica de Cararaô, engavetada pelo governo Collor e rebatizada por Dilma com o nome de Hidrelétrica de Belo Monte, no Rio Xingu. Sob o beneplácito da presidente foram concedidas todas as licenças ambientais aos construtores da megaobra, sem que ao Ibama fosse dada a atenção que lhe é devida legalmente.

Ouvidos de mercador

O governo da presidente Dilma também vem fazendo 6

Mau clima

Compromisso não honrado

Conforme a Lei Complementar 140, a competência de multar crimes ambientais passa a ser do ente federativo (União, Estado ou Município) que licencia. Na legislação anterior cabia ao Ibama a fiscalização e autuação. Como desmatamentos são sempre licenciados pelos Estados, autuações feitas pelo Ibama poderão ser anuladas pelas secretarias de Meio Ambiente estaduais. Lula, havia se comprometido a vetar este tipo de iniciativa legislativa. Dilma, comprometera-se honrar a promessa do antecessor. Não manteve o compromisso.

Pensando direito

A natureza revida Com amor seus agressores, E lhes dá por despedida O caixão, a cova e as flores. (Autor desconhecido) Janeiro/2012


EcoVisão *Por Milton Sousa milton.sousa@isen.org.br

Vale a pena investir em sustentabilidade? Esta é uma das perguntas que martelam a cabeça de gestores, empresários e acadêmicos no Brasil e no mundo. E a resposta, combinando com a complexidade dos dias atuais, é: depende!

E

m 2011, a renomada consultoria internacional de alta gestão McKinsey & Company realizou uma rodada de sua pesquisa global sobre sustentabilidade empresarial. Neste ano, 3.203 executivos de grandes empresas de todo o mundo, e de variados setores da economia, responderam a pesquisa. Aumento considerável em relação ao ano de 2010, quando 1.946 executivos foram respondentes. Uma primeira conclusão pode ser tirada desses números: o tema sustentabilidade chama atenção e, cada vez mais, desperta o interesse do ambiente empresarial, haja vista o aumento significativo do número de executivos respondentes. A pesquisa explorou as razões pelas quais as empresas estão adotando ações de sustentabilidade e quais serão seus efeitos no desempenho financeiro das companhias nos próximos 05 (cinco) anos, na visão dos executivos que responderam a pesquisa. Ao analisar as razões, ou seja, o “por que” tais empresas adotaram práticas de sustentabilidade, encontrou-se o seguinte: melhoria da eficiência e redução de custos (33%), melhoria de reputação (32%), e oportunidades de crescimento para a empresa (27%), como principais respostas. Voltando à pergunta do título (Investir

Janeiro/2012

em sustentabilidade dá retorno?) e à resposta do parágrafo inicial (Depende!), pode-se argumentar o seguinte: – Depende, de “como” a empresa vai implementar as ações de sustentabilidade para reduzir custos e melhorar a eficiência, pois não será uma ação qualquer de sustentabilidade que resultará em tal objetivo; ou – Depende, ainda, de “como” a empresa vai gerenciar as ações de sustentabilidade no intuito de melhorar sua reputação, pois o que mais temos visto no mundo corporativo são empresas que investem em iniciativas sociais e/ou ambientais buscando “limpar” sua imagem, já que prestam um serviço ruim, exploram seus funcionários, ou algo do tipo. Então, tão importante quanto saber o “por que” as empresas adotam ações de sustentabilidade, é saber “como”, como investir, como gerenciar, como mensurar as iniciativas sustentáveis, etc. Assim, ao invés da pergunta do título poderíamos fazer a seguinte: Como investir em sustentabilidade para obter retorno? Já podemos responder tal pergunta? Sim, exemplos não faltam. Aguarde a próxima edição! *Milton Sousa é Diretor-Presidente da ISEN Business School em Fortaleza/CE, Doutorando em Administração de Empresas pela FGV-SP. No twitter siga @miltonsousa10.

7


Fotos: J. Sobrinho

Entrevista

8

Janeiro/2012


Antônio Renato Lima Aragão Em entrevista à EcoNordeste

Um ambientalista na indústria

P

ioneiro do movimento ambientalista cearense, Renato Aragão, ainda ativo na causa, mostra-se otimista em relação à trajetória que temos seguido rumo a um mundo mais sustentável. Quando ainda não existia o Ministério do Meio Ambiente, na década de 70, ele foi nomeado representante da Sema, a então Secretaria Especial de Meio Ambiente do Governo Federal, aqui no Ceará. Também foi o idealizador da Semace (Superintendência Estadual do Meio Ambiente do Ceará) e do Conselho Estadual de Meio Ambiente (Coema). Pioneiro na preservação da Caatinga, implantou também na década de 70, a Estação Ecológica de Aiuaba. Atualmente é destaque no setor privado, como coordenador da área de meio ambiente da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec) e do Prêmio Fiec por Desempenho Ambiental, do qual é o idealizador. ECONORDESTE Consultando seu currículo, dá pra notar que sua trajetória na defesa do Meio Ambiente teve início há um certo tempo. Como começou o interesse por essa questão? RENATO ARAGÃO Na década de 70, o governo federal não tinha Ministério do Meio Ambiente e criou a Secretaria Especial do Meio Ambiente, a SEMA. O Paulo Nogueira Neto, que era o secretário especial do Meio Ambiente, procurou aqui no Ceará alguém que pudesse se interessar por participar e fui nomeado representante aqui no Estado. Como eu era diretor do Departamento de Recursos Naturais

Janeiro/2012

da SUDEC, fiquei responsável por isso. Então, fui pioneiro. O Paulo Nogueira Neto era uma pessoa muito interessada e aqui nós criamos a Estação Ecológica de Aiuaba. Descobrimos, também, Jericoacoara e criamos a Área de Proteção Ambiental (APA) de lá. Realmente foram trabalhos pioneiros. No governo do Tasso Jereissati, fui convidado para fazer parte do Plano de Governo. Eu já havia feito propostas para outros governos e nunca tinha ido para frente. Então participando do Plano do governo do Tasso, eu propus a criação da SEMACE e do Conselho Estadual de Meio Ambiente, o que ocorreu.

9


Entrevista Atualmente, não se admite desenvolvimento industrial e econômico, sem o que hoje se denomina de “economia verde”, que nada mais é que o desenvolvimento sustentável, aquele que se preocupa com a disponibilidade dos recursos naturais e com o aspecto social da comunidade EN Como aliar o desenvolvimento industrial e econômico com o respeito e a preservação do meio ambiente? RA Atualmente, não se admite desenvolvimento industrial e econômico, sem o que hoje se denomina de “economia verde”, que nada mais é que o desenvolvimento sustentável, aquele que se preocupa com a disponibilidade dos recursos naturais e com o aspecto social da comunidade. É impossível pensar, atualmente, em desenvolvimento sem mitigar os impactos resultantes dos processos produtivos sobre a natureza. Ao homem, cabe preservar aquilo que pode garantir a sua sustentabilidade.

ocupação com os problemas, que posteriormente há de virem com estas alterações. No meu entendimento, o Código de 1965 não deveria ser alterado, e se fosse, era para ser mais rigoroso. Nos últimos anos, temos visto, com frequência, os desastres ambientais que o Brasil tem sofrido em decorrência da falta de respeito com o que até então está proposto em lei e não é cumprido. Tragédias como as que ocorrem todo verão nos estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais, São Paulo, dentre outros, mostram claramente o que acontece, quando não são observados os limites para encostas, margens de rios, etc.

EN Como o senhor avalia as empresas cearenses quanto à responsabilidade ambiental? RA Quando falamos em sustentabilidade não podemos pensar nas indústrias cearenses isoladamente, embora, temos que reconhecer que as questões ambientais, já estão bastante arraigadas na consciência de todos os cearenses, onde incluímos, é claro, os industriais. Quando o assunto é sustentabilidade, algumas indústrias cearenses têm se destacado nacionalmente, como ocorre em vários casos de reuso de água.

EN Quais as expectativas para a realização e resultados que podem trazer a Rio + 20? RA Penso que a Rio + 20 vai colocar como exigência para os governos ações que freiem todo tipo de depredação que o meio ambiente vem sofrendo, e que tem resultado nas mudanças climáticas, no aumento da emissão do gás carbônico, enfim, em todos esses grandes problemas que o aumento assustador da população mundial vem causando ao Planeta Terra, além de mostrar ao mundo, mais uma vez, como será (ou se haverá) nosso futuro, se isso não se modificar.

EN Qual sua avaliação sobre o projeto que está sendo aprovado, para o Novo Código Florestal Brasileiro? RA A minha avaliação pessoal é totalmente contra as mudanças que estão sendo propostas para o Código Florestal Brasileiro, principalmente aquelas que modificam as áreas de Reserva Legal e as de Áreas de Preservação Permanente (APP), pois estas propostas visam atender interesses específicos, de usuários da floresta ou do solo, sem nenhuma pre-

EN Como o senhor avalia a proteção à Caatinga hoje, no Brasil, quando pensamos o que é feito em outros biomas, como a Mata Atlântica e o Cerrado? RA Em termos de Brasil, não é fácil comparar o tratamento dado ao Bioma Caatinga, com o de outros biomas, como é o caso da Mata Atlântica e do Cerrado, visto que a Caatinga é específica da Região Nordeste. No entanto, hoje, em nosso estado, já temos bons exemplos de preservação. O Ceará foi

10

Janeiro/2012


pioneiro na preservação da Caatinga, quando implantou a Estação Ecológica de Aiuaba, na década de 1970. Temos ainda uma série de Reservas Particulares de Patrimônio Natural (RPPN) que protegem a Caatinga, inclusive um bom exemplo é o que executa a Associação Caatinga. Temos também participado de vários grupos aqui no estado, como Comitê Estadual da Reserva da Biosfera da Caatinga, o Projeto Mata Branca, dentre outros, que estão interessados em incluir na pauta da Rio + 20 a proteção desse importante e único bioma, totalmente brasileiro. Não temos que nos preocupar em dar mais destaque para um ou outro bioma, uma vez que Mata Atlântica e Cerrado são dois biomas também bastante degradados, principalmente pela implantação de projetos agrícolas e de bovinocultura, e os problemas ali causados não se restringem àquelas regiões. EN Quais desafios as indústrias cearenses terão de enfrentar para cumprir as exigências da Política Nacional dos Resíduos Sólidos? RA O maior desafio da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) deverá ser, não das indústrias, mas dos municípios. A lei é clara quando obriga os municípios a cuidarem dos seus resíduos, realizando a coleta seletiva, construindo aterros sanitários, incentivando a organização de associações de catadores, etc. No nosso entendimento, o grande problema a ser enfrentado pelas indústrias, de um modo geral, é o da Logística Reversa, visto que, para que ela se concretize será necessário um grande incentivo por parte do governo, bem como da educação ambiental dos consumidores, de forma a acondicionarem e destinarem corretamente os resíduos por eles produzidos, assim como prevê a tão esperada PNRS. A Federação das Indústrias do Estado do Ceará – FIEC, há bastante tempo, criou a Bolsa de Resíduos, que é exatamente uma maneira de se fazer o reaproveitamento e a reciclagem de determinados resíduos, que poderão ser reutilizados no processo industrial, na verdade, fazendo parte do que chamamos de P+L (Produção Mais Limpa).

EN Quanto ao financiamento de projetos ambientais e também quanto aos impostos, como o senhor avalia o suporte governamental às empresas, atualmente? RA Nós achamos que os industriais locais também deveriam receber incentivos do Governo do Estado como acontece com os empreendedores que vêm de longe. Muitas vezes eles recebem terrenos – doação – e dispensados de um percentual de impostos. Inclusive, nós da FIEC ficamos muito felizes, eu, particularmente, fiquei muito feliz, porque o secretário da Fazenda do Ceará [Mauro Filho], há uma semana, durante a entrega de um prêmio a indústrias que mais pagaram o ICMS, levantou o problema do Meio Ambiente. Eu tenho a intenção de buscar uma reunião com ele para discutir a possibilidade das empresas que foram premiadas com o Prêmio FIEC por Desempenho Ambiental serem incluídas em incentivos governamentais. Essa é uma maneira de multiplicar o interesse das indústrias por melhorar a qualidade dos serviços e também o comportamento ambiental. EN Pensar, repensar e criar uma cultura de consumo sustentável está entre uma das diretrizes da PRSS. Como o senhor avalia essa questão, do ponto de vista do setor produtivo? RA Isso pode ser evidenciado na Produção Mais Limpa (P+L), que é a utilização do mínimo de recursos para produzir um produto e reaproveitar aqueles recursos. É trabalhar com a perspectiva de resíduos “zero”. É gastar menos energia, menos matéria prima, tudo que pode diminuir de uso dos recursos naturais. É fazer através de tecnologias menor impacto ao meio ambiente natural e social, consequentemente. Atualmente, já existe uma grande conscientização por parte da sociedade. As pessoas até verificam no supermercado, no rótulo do produto, como ele foi produzido, se há alguma recomendação. Elas estão preocupadas se aquela empresa está comprometida com a sustentabilidade, se ela tem Responsabilidade Socioambiental.

A lei é clara quando obriga os municípios a cuidarem dos seus resíduos, realizando a coleta seletiva, construindo aterros sanitários, incentivando a organização de associações de catadores Janeiro/2012

11


Caatingueiros Carlos Romero de Carvalho

Naturalmente Caatingueiro Com garra e determinação, Carlos Romero de Carvalho fiscaliza, denuncia e defende a preservação da Caatinga. “Não se pode perder tempo, temos de agir rapidamente para que este bioma possa ser conhecido pelas futuras gerações”

N

ascido em Abril de 1959 na Fazenda São Geraldo, distrito do Argoim no município de Rafael Jambeiro, Bahia, na região de Caatinga do médio Paraguaçu, Carlos Romero de Carvalho, filho mais velho do pequeno pecuarista e ambientalista, Romero Freitas de Carvalho, idealista que fazia do socialismo a esperança para o povo que ali vivia, teve no pai o seu grande mestre. Com ele foi adquirindo conhecimentos sobre o bioma nordestino. “Ainda menino, mal tinha desmamado já andava pela Caatinga como gente grande, o tempo passava e com a mudança dos dentes de leite este menino já tinha domínio nas profundezas da árida região. Com a capanga equipada de rapadura, licuri e farinha, tinha energia para passar o dia perambulando mata adentro, e ao retornar à sede da fazenda antes de dormir balançava-se na rede armada na varanda e adormecia olhando a beleza da lua no sertão baiano”, discorre Romero. Aos 13 anos de idade a parceria com

12

Janeiro/2012


a Caatinga foi interrompida e traumatizada por um bom tempo. O pai providenciou sua transferência para Feira de Santana (Bahia), um grande centro, aonde deu continuidade aos estudos. Na cidade, a falta de contato com o bioma, trouxe-lhe rebeldia e inquietude. Encontrou no colégio de padres onde estudava, frei Félix de Pacatuba, que contornou toda esta situação, convencendo-o a estudar com afinco para que um dia pudesse voltar e fazer algo de importante para preservar suas raízes. Logo cedo começou a trabalhar no comércio da cidade baiana, mas nas suas folgas e férias tinha endereço certo, a Caatinga. Em 1978, ainda cursando o segundo grau ingressou na vida bancária em uma agência de Feira. No ano seguinte passou a compor o exército brasileiro, época em que pode novamente ter contato com a Caatinga. Já cursando administração, em 1981, volta a vida bancária onde ficou por 5 anos. Terminando o curso superior, vai para Recife trabalhar numa grande empresa do segmento de calçados, onde por 12 anos teve a oportunidade de percorrer todo o nordeste brasileiro. Retornando à Bahia no inicio da década de 90, o agora sociólogo caatingueiro milita de vez na causa sócioambiental. Junto com as comunidades baianas cria várias associações de moradores rurais. Em seguida aprofunda-se ao conhecimento do Rio Paraguaçu e cria a associação em defesa do rio, em seguida torna-se uma ONG, na defesa do rio e do bioma na região do médio Paraguaçu. Enfrenta dificuldades, faz das barreiras suas fortes armas para agir. “Além das fiscalizações a educação ambiental é a marca mais forte nesta luta acompanhada no apadrinhamento de árvores, o que faz deste guerreiro da Caatinga uma marca de 94 municípios que têm uma árvore plantada por ele e o registro de 1784 árvores produzidas por sua mão, a maioria nativa da Caatinga”, conta. Carlos Romero participou também da criação dos Guardiões do Meio Ambiente, um programa junto a Secretaria do Meio Ambiente de Feira de Santana, o qual lhe concedeu o troféu de Guardião do Meio Ambiente. Faz parte do Conselho do Meio Ambiente em Feira de Santana (Condema). Atualmente preside a ONG SOS Rio Paraguaçu, preside o conselho fiscal da Associação Centro de Educação Tecnológica do Estado da Bahia (CETEB), é diretor de comunicação e articulação do Fórum Ecológico de Feira de Santana, membro titular do Comitê Estadual da Biosfera da Caatinga, coletor do banco de sementes da Caatinga, pesquisador na fauna e flora do bioma. Em 2011 recebeu a medalha de honra ao mérito pela cidade de Feira de Santana.

Janeiro/2012

13


Agrotóxicos

Alerta: Sua salada pode estar contaminada Agência Nacional de Vigilância Sanitária divulga relatório sobre a presença de agrotóxicos nos alimentos, baseado numa pesquisa conduzida em 2010. A conclusão: 28% dos alimentos contêm agrotóxicos em níveis insatisfatórios

T

em mosca na sua salada? Não, pior, pode ter substâncias químicas altamente prejudiciais à saúde. Alimentos facilmente encontrados no prato do brasileiro, muitas vezes consumidos com o objetivo de ficar mais saudável apresentam resíduos de agrotóxicos em níveis inaceitáveis, de acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Orientado por pesquisa feita durante 2010, o relatório do Para - Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos, da Anvisa, baseou-se em amostras de 18 gêneros alimentícios, escolhidos de acordo com a importância para a cesta básica, no perfil do agrotóxico usado e na distribuição da lavoura pelo território nacional.

14

De um total de 2.488 amostras coletadas, em todos os Estados brasileiros e Distrito Federal – São Paulo não quis participar da avaliação – 28% foram consideradas insatisfatórias. O Para foi iniciado em 2001 pela com o ob-

Os agrotóxicos “são ingredientes ativos com elevado grau de toxicidade aguda, comprovada. Causam problemas neurológicos, reprodutivos, de desregulação hormonal e até de câncer

Janeiro/2012


jetivo de avaliar continuamente os níveis de resíduos de agrotóxicos nos alimentos in natura que chegam à mesa do consumidor, fortalecendo a capacidade do Governo em atender a segurança alimentar, evitando assim, possíveis agravos à saúde da população.

Resultados preocupantes Segundo o estudo publicado dia 5 de dezembro, quase um terço dos vegetais mais consumidos no País está contaminado devido o uso intensivo de agrotóxicos na produção agrícola. Motivo de preocupação no âmbito da saúde pública, os fitossanitários “são ingredientes ativos com elevado grau de toxicidade aguda comprovada e que causam problemas neurológicos, reprodutivos, de desregulação hormonal e até câncer”, segundo a própria vigilância sanitária. Dentre as amostras analisadas e consideradas insatisfatórias, destaca-se o pimentão. O legume lidera a lista, e que apresenta o maior percentual de amostras contaminadas (92%). Há dois anos, esse índice era de 65%. A seguir aparece o morango e o pepino. Alface e cenoura também tiveram mais de 50% das amostras rejeitadas. Em 42 amostras (1,7%), o nível de agrotóxico estava acima do permitido. Em 37% dos lotes avaliados não foram detectados resíduos de agrotóxicos, é o caso da batata que teve 100% de aprovação. Segundo José Agenor Álvares da Silva, diretor da Anvisa, o problema de resíduos químicos em alimentos pode estar relacionado ao custo dos agrotóxicos. Os pequenos produtores, diz ele, acabam comprando produtos baratos, mas inadequados para um determinado cultivo. Pontuou ainda a falta de orientação de agrônomos sobre os produtos. Para muitos, aumentam a produtividade e a qualidade da lavoura. O estudo aponta que do total de amostras analisado, 605 (24,3%) estavam contaminadas com agrotóxicos não autorizados. “Os resultados insatisfatórios devido à utilização de agrotóxicos não autorizados resultam de dois tipos de irregularidades, seja porque foi aplicado um agrotóxico não autorizado para aquela cultura, mas cujo produto está registrado no Brasil e com uso permitido para outras culturas, ou seja, porque foi aplicado um agrotóxico banido do Brasil ou que nunca teve registro no País, logo, sem uso permitido em nenhuma cultura”, conclui o relatório do Programa.

Janeiro/2012

O problema de resíduos químicos em alimentos pode estar relacionado ao custo dos agrotóxicos. Os pequenos produtores acabam comprando produtos baratos, mas inadequados para um determinado cultivo José Agenor Álvares da Silva, diretor da Anvisa

A presença de química não permitida ocorre em 85% das amostras de pimentão. Para o gerente Andef, associação que congrega as empresas fabricantes de agrotóxicos, Luiz Carlos Ribeiro, isso se deve ao fato de os produtores de tomate, que normalmente também cultivam o pimentão, usarem o mesmo agrotóxico para as duas culturas. Ribeiro afirma em matéria publicada na Folha de São Paulo dia 6/12, o problema poderia ser amenizado se a Anvisa aprovasse mais rapidamente os novos agrotóxicos lançados no mercado. Hoje, segundo o executivo, esse processo leva cerca de três anos. No Brasil, o registro de agrotóxicos é realizado pelo Ministério da Agricultura, órgão que analisa a eficácia agronômica desses produtos. Porém, a anuência da Anvisa e do Ibama é requisito obrigatório para que o agrotóxico seja registrado. A Vigilância Sanitária realiza avaliação toxicológica dos produtos quanto ao impacto na saúde da população. Já o Ibama observa os riscos que essas substâncias oferecem ao meio ambiente. Na consulta pública 53/2011, publicada no Diário Oficial da União em 21 de outubro de 2011 a Anvisa propõe que os estudos sobre resíduos de agrotóxicos em alimentos, utilizados pelas empresas para registrar esse tipo de produto no Brasil, só serão aceitos pela vigilância sanitária se forem feitos de acordo com Boas Práticas de Laboratório – um conjunto de medidas relativas à organização e às condições sob as quais estudos em laboratórios e em campo são realizados.

Alimentos orgânicos e naturais Em 2010, a Academia Americana de Pediatria fez

15


Agrotóxicos

Aos poucos, estamos sendo envenenados por agrotóxicos. O problema é o preço, os produtos orgânicos ainda são bem mais caros, e nem sempre posso comprar Maria das Dores Gonçalves, professora

uma pesquisa com 1.100 crianças e constatou que as 119 que apresentaram transtorno de déficit de atenção tinham resíduo de organofosforado (molécula usada em agrotóxicos) na urina acima da média de outras crianças. Para evitar-se a contaminação por agrotóxicos, o ideal é consumir produtos orgânicos. Mas nem sempre é possível, pois tais alimentos são caros e dificilmente encontrados. “Aos poucos, estamos sendo envenenados por agrotóxicos”, como disse a professora Maria das Dores Gonçalves. “O problema é o preço, os produtos orgânicos ainda são bem mais caros, e nem sempre posso comprar.” A consumidora fez referência aos produtos sem agrotóxicos quando perguntamos se ela tinha alguma preocupação com a origem dos legumes, e sabia dos impactos resultantes da ingestão de frutas, verduras e legumes contaminados por substâncias químicas. Os alimentos orgânicos são aqueles produzidos livres de agrotóxicos, hormônios ou qualquer outra substância nociva à saúde. No entanto, ainda são poucos os que podem desfrutar dos benefícios desses produtos. A professora Maria das Dores disse que ao comprar

16

legumes e frutas que não estão livres dos agrotóxicos, “antes de ingerir os mesmos, trata de lavar tudo, com mais cuidado”. Muitas pessoas pensam que produto orgânico e o mesmo que produto natural. Ledo engano. A diferença entre os dois está na certificação. É ela quem dar ao consumidor a garantia de que produtos rotulados como “orgânicos” tenham, de fato, sido produzidos dentro dos padrões da agricultura sem uso de agrotóxicos. “A certificação apresenta-se em forma de selo afixado ou impresso no rótulo ou na embalagem do produto”, como informa a SNA - Sociedade Nacional de Agricultura (http://www.organicsnet.com.br). A organização é a mais antiga do setor agrícola do País, e tem como objetivo “melhorar a cadeia de produção orgânica brasileira, agregar valor, aumentar a penetração no mercado dos pequenos e médios produtores”. E tem a aprovação do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), do Fundo Multilateral de Investimentos (MIF/FOMIN) e do IDCR - International Development Research Center. O desenvolvimento do mercado de produtos orgânicos depende fundamentalmente da confiança dos consumidores na sua autenticidade, que, por sua vez, só pode ser assegurada pela legislação e/ou programas de certificação eficientes. As certificadoras autorizadas são credenciadas através de um órgão internacional, a IFOAM - International Federation of Organic Agriculture, uma federação internacional que congrega os diversos movimentos relacionados à agricultura orgânica.

Um exemplo local Qualificada como Organização Social, o Instituto Agropolos do Ceará é uma sociedade civil sem fins lucrativos, fundada em 2002 que promove ações de apoio ao desenvolvimento rural sustentável e atua em quatro áreas produtivas de significativa importância econômica e social: Agricultura-fruticultura, floricultura, hortaliças e orgânicos; Pecuária - bovinocultura, caprinocultura e apicultura; piscicultura- carcinicultura e aquicultura, e biocombustível-oleaginosas. Segundo informou o coordenador do programa de acesso ao mercado do Agropolos, José Airton Lacerda da Cruz, o Governo do Estado do Ceará em parceria com a sua organização e outros parceiros entregou no dia 6 de dezembro, o

Janeiro/2012


Selo da Agricultura 100% Familiar a 30 empreendimentos da Agricultura Familiar. “É importante ressaltar que a iniciativa é do Governo do Estado.” Mais do que uma garantia de qualidade é uma identificação de produtos provenientes da agricultura familiar. “Com o selo, os agricultores podem ser também mais facilmente identificados pelas escolas, pelo Governo do Estado para a compra da merenda escolar”, explica Airton Cruz. O trabalho pretende refletir sobre o crescimento da demanda de produtos provenientes da agricultura familiar. “Antes de tudo, é importante ver a importância dessa certificação para valorizar a economia local, para estimular o consumo baseado no desenvolvimento dessas pessoas do campo, para que se estabeleçam no campo.”, finaliza o coordenador.

Selo Agricultura 100% familiar A agricultura familiar fornece 70% dos alimentos que consumimos no dia-a-dia, mas boa parte da população não se dá conta de seu alcance e importância. O selo Agricultura 100% Familiar ajuda o consumidor a identificar os produtos que vêm de uma unidade de base familiar, onde as relações de trabalho envolvem o núcleo familiar e geram renda para as comunidades locais. Além de facilitar a identificação do produto pelo consumidor, o selo traz a origem do produto e agrega valor a ele. É um elemento a mais no esforço dos agricultores familiares pela qualificação de seus produtos que, a cada dia, competem com mais eficiência com os industrializados. O objetivo é agregar valor à produção da agricultura familiar e incentivar a população a consumi-la

cada vez mais, apostando no consumo responsável e sustentável. O selo é uma ação do Instituto Agropolos em parceria com a Secretaria do Desenvolvimento Agrário, da Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Ceará (Fetraece), da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ematerce), da Agência de Defesa Agropecuária (Adagri) e do Ministério do Desenvolvimento Agrário.

Para ter permissão de uso do selo, o agricultor deve: >> É preciso ter a Declaração de Aptidão ao Pronaf (DAP Física ou Jurídica), que comprova que a unidade de produção é familiar. >> Os produtos devem atender às exigências de qualidade do mercado, sendo processados e beneficiados segundo normas e orientações que garantam a higiene e a padronização dos produtos. >> A embalagem também deve ser padronizada e ter um rótulo com informações básicas: identificação do produto, composição, peso líquido, validade, presença ou não de glúten, fabricante ou responsável técnico, endereço do local da produção e contato. >> Terão prioridade os agricultores familiares que têm acompanhamento de Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER) ou de Assessoria Técnica, Social e Ambiental (ATES) com regularidade; os que estão ligados a uma organização social (cooperativa ou associação); e os que adotam técnicas que ajudam a preservar o meio ambiente.

Dicas da Anvisa para fugir dos agrotóxicos >> Opte sempre por produtos com origem identificada. Essa identificação aumenta o comprometimento dos produtores em relação à qualidade dos alimentos, com adoção de boas práticas agrícolas. >> Escolha alimentos da época ou produzidos por métodos de produção integrada (que a princípio recebem carga menor de agrotóxicos). Alimento orgânico também é uma boa opção, pois não utilizam produtos químicos para serem produzidos. >> Lavar e retirar as cascas e folhas externas de verduras ajuda a reduzir os resíduos de agrotóxicos presentes apenas nas superfícies dos alimentos. Publicado em dezembro, 2011.

Janeiro/2012

17


Agrotóxicos

Saiba mais: >> Desde a criação do PARA em 2001, a Anvisa publicou um relatório com dados consolidados de 2001 a 2007 e, desde 2008, publica os relatórios anualmente. Os relatórios de 2009 e 2010 foram feitos no mesmo padrão, o que nos permite analisar seus resultados em conjunto. >> Quando o uso de um agrotóxico é autorizado no País, os órgãos responsáveis por essa liberação indicam para qual tipo de plantação ele é adequado, e em que quantidade pode ser aplicado. >> Em 2010, foi usado 1 milhão de toneladas de agrotóxicos em lavouras do país. Ou seja, 5 kg por brasileiro. O Brasil é considerado o maior consumidor de agrotóxicos do planeta. >> O endossulfan e o metamidófos foram reavaliados pela Anvisa em 2010 e serão banidos do Brasil até 2013. O primeiro já não é usado nos Estados Unidos e China. >> A agência reguladora constatou também que, das 684 amostras consideradas insatisfatórias, 208 (30%) tinham resíduos de produtos que estão sendo revistos pela Vigilância Sanitária ou serão banidos do País, como é o caso do endossulfan e do metamidófos. >> Segundo a Anvisa, dos cinquenta princípios ativos mais usados em agrotóxicos no Brasil, 20 já foram banidos na União Europeia. >> Em 37% dos lotes avaliados, não foram detectados resíduos de agrotóxicos, segundo a Anvisa. >> O nosso calendário civil dedica o dia 11 de janeiro ao Controle da Poluição por Agrotóxicos.

Tem agrotóxico na mesa Ranking de alimentos conforme a quantidade de resíduos químicos encontrados, segundo a Anvisa. Percentual de amostras com problemas

1º Pimentão

2º Morango

3º Pepino

4º Alface

5º Cenoura

6º Abacaxi

91,8%

63,4%

57,4%

54,2%

49,6%

32,8%

7º Beterraba

8º Couve

9º Mamão

10º Tomate

11º Laranja

12º Maça

32,6%

31,9%

30,4%

16,3%

12,2%

8,9%

13º Arroz

14º Feijão

15º Repolho

16º Manga

17º Cebola

18º Batata

7,4%

6,5%

6,3%

4%

3,1%

0%

Fonte: Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (Para)

18

Janeiro/2012


É Curioso!

Água e Agrotóxico Nossos lençóis freáticos estão contaminados?

A

contaminação dos alimentos por agrotó‑ xicos acontece na produção e afeta tanto o trabalhador rural quanto o cidadão da metrópole por inúmeros meios. Um deles é a própria água que tomamos. Estudo publicado pela Associação dos Fumicultores do Brasil (Afu‑ bra) mostrou que a poluição por agrotóxicos está entre as que mais assolam cursos de água. O uso de agrotóxicos e fertilizantes já é a segunda causa de contaminação da água no País. As chuvas levam os resíduos de agrotóxicos para os cursos (como rios e córregos). As altas concentrações de produtos químicos nessas águas matam animais e vegetais e apodrecem a água. Poluentes químicos depositados no solo produzem gases tóxicos, provocam sérias alterações ambien‑ tais, como a chuva ácida, e infiltram a terra até alcançarem os lençóis freáticos. Acontece que boa parte da água engarrafada distribuída em Fortaleza vem de fontes do maciço de Baturité. De acordo com o biólogo Rodrigo Cas‑ tro, da Associação Caatinga, tais fontes estão sendo contaminadas por agrotóxicos pulverizados nas plantações que, devido à degradação da biodiversi‑ dade nativa, contaminam os lençóis. Daí para o seu copo é questão de tempo.

Janeiro/2012

19


É Curioso!

Guerra e agrotóxicos: Quem não conhece o DDT na década de 1970 ? Poucas pessoas sabem que os venenos utilizados na agricultura, hoje denominados agrotóxicos e, no passado, defensivos agrícolas, não foram criados para a agricultura ou para o agricultor, mas sim como poderosas armas químicas de uso bélico, destinados à arte da guerra.

A

tualmente os agrotóxicos ou substâncias químicas – herbicidas, pesticidas, hormô‑ nios e adubos químicos – são utilizadas em produtos agrícolas e pastagens, com a finalidade de alterar suas composições. A utilização dos mesmos teve início na déca‑ da de 20. Já em 1922 é iniciada em escala indus‑ trial, a produção dos PCBs (bifenila policloradas), e após a I Guerra Mundial, o mundo começa a assistir a revolução química. Em 1948 o descobridor do DDT, elogiado como o pesticida milagroso, Paul Müller recebeu o prêmio Nobel. Quem, no Brasil, durante a década 1979 não conheceu o pozinho branco que também, matava piolho? Após a 2ª Guerra Mundial, os países vencedo‑ res buscavam alternativas para a manutenção dos lucros obtidos no conflito. A indústria química en‑ controu na agricultura uma maneira de empregar a tecnologia desenvolvida na guerra para manter a atuação no mercado. As empresas do ramo de alimentação ini‑ ciaram um plano para atender aos interesses dos grupos capitalistas, com a produção voltada para o mercado externo e com o uso intensivo de insu‑ mos industriais. Materiais de explosivos transfor‑ maram-se em adubos sintéticos e nitrogenados. Agora, os gases mortais são os agrotóxicos e os tanques de guerra os tratores. O uso dos agrotóxicos foi tão intenso nos EUA durante a primeira metade do Século 20 que já em 1947 foi observado o declínio das águias na Costa Leste do Canadá e EUA. Os ninhos foram aban‑ donados contendo cascas quebradas. 20

Os casais de águias tornaram-se indiferentes ao ritual de acasalamento. 80% das águias americanas estavam estéreis. Na década 1960 a mistura de dois herbicidas representa o principal componente do “agente laran‑ ja”, utilizado como desfolhante na Guerra do Vietnã e responsável pelo aparecimento de cânceres nos veteranos de guerra e de má formação congênita em seus filhos. O nome comercial da mistura é Tordon. Os efeitos do herbicida no organismo humano são lentos, silenciosos e, às vezes, letais. Problemas neu‑ rológicos, respiratórios, dermatológicos e de fertilidade são apenas algumas das lesões sofridas por milhares de pessoas contaminadas. O produto é amplamente utilizado na agricultura do País, principalmente em pastagens e plantações de cana-de-açúcar. Fontes: Uma incompleta e envenenada História, artigo de Gustavo Duch Guillot e Gali‑ cia Hoxe e O Futuro Roubado (livro). Janeiro/2012


Arte & Meio Ambiente

Educação

ambiental com arte e concretizou criativa forma de colocar em prática um dos erres, o reutilizar. A ideia é aproveitar pequenos espaços, materiais de baixo custo, e aquelas PETs que normalmente iriam para o aterro, e montar hortas em paredes de casas, apartamentos ou mesmo no local de trabalho. É simples, siga os passos.

MATERIAL

P

olitereftalato de etileno, ou PET, é um polímero com propriedade termoplástica, formado pela reação entre o ácido tereftálico e o etileno glicol, e usado principalmente na forma de fibras para embalagens de bebidas e tecelagem na maioria. Pode ser reprocessado diversas vezes pelo mesmo, ou por outro processo de transformação. Quando aquecido a temperaturas adequadas, o plástico amolece, funde e pode ser novamente moldado. As primeiras garrafas produzidas com o novo material só começaram a ser fabricadas na década1970. Em termos econômicos deu certo, mas mesmo sob cuidadosa revisão dos aspectos de segurança e meio ambiente, quando do período do seu desenvolvimento, as hoje, conhecidas embalagens PET recebem a pecha de poluidoras. Quando descartadas indevidamente tornam-se um grande problema para o meio ambiente. Quando descartadas devidamente, também. É o caso dos aterros. Por ser volumosa ocupa muito espaço e diminui a vida útil dos mesmos. Buscar alternativas para a reutilização das embalagens PET tem sido um esforço da sociedade em diversas localidades do Brasil e do mundo. O conhecido arquiteto Marcelo Rosenbaum (aquele do programa Caldeirão do Huck) pensou Janeiro/2012

Garrafa PET de 2 litros vazia e limpa, Tesoura, Corda de varal, cordoalha, barbante ou arame. Para os que optarem por cordoalhas ou arames, serão necessárias duas arruelas por garrafa PET, Terra e Muda de planta

MODO DE FAZER Segundo um E.mail que circula na internet, o arquiteto Rosenbaum explica como fazer o criativo jardim. “Inicialmente corte a garrafa PET, como na foto abaixo.”

“Para fixar as garrafas, devemos fazer dois furos no fundo das mesmas e dois na parte superior. Dá pra entender observando a foto acima. Além dos furinhos para passar a corda, é necessário um pequeno furo no fundo da garrafa. A água usada para regar a muda precisa escoar. Depois disso, passe a corda por um furo e puxe pelo outro. Muitas pessoas nos perguntaram como fazer para as garrafas não ‘escorregarem’ pela corda (ou barbante, ou cordoalha).” Fonte: www.rosenbaum.com.br

21


Educação & Meio Ambiente

Alunos do Sertão confeccionam mantas para isolamento térmico

Estudantes de Quixeramobim reduzem a temperatura de residências no Sertão Central do Ceará a partir do reúso de embalagens longa vida

22

Janeiro/2012


E

studantes do curso de Edificações da Escola Estadual de Educação Profissional Dr. José Alvez de Silveira, em Quixeramobim, cidade do sertão central do Ceará, no Nordeste do Brasil, estão aproveitando embalagens cartonadas longa vida, as conhecidas “Tetra Pak”, para a construção de mantas de isolamento térmico, com o objetivo de reduzir a temperatura dentro de casas do município. A temperatura média anual de Quixeramobim é de 26,7ºC. A iniciativa consiste em colocar as mantas abaixo das telhas e entre os caibros e as ripas. Cada metro quadrado de manta é formado, em média, por 20 caixas de leite longa vida. A professora orientadora da atividade destaca que os alunos escolheram o tema Meio Ambiente e Sustentabilidade entre vários apresentados para que fosse desenvolvido pela turma. Os estudantes tiveram aulas de química e fí-

sica em laboratório, mas também foram a campo falar com os moradores de comunidades carentes da cidade e se mobilizaram para arrecadar embalagens. A colocação das mantas começou pelo bairro Maravilha, comunidade de baixa renda do município, com poucas condições de possuir ventilador ou ar condicionado e que sofrem com as altas temperaturas da cidade. A partir de termômetros instalados, os estudantes observaram que após a instalação das mantas, a temperatura, em algumas casas, diminuiu até nove graus. A intenção da turma é continuar com o projeto e expandir para outras localidades da região. Os estudantes já pensam em capacitar moradores da cidade para a construção das mantas. Mais informações sobre o projeto dos estudantes de Quixeramobim, em http://projetotetrapak.blogspot.com.

Tetrapak Uma embalagem cartonada é feita de três materiais básicos que juntos resultam em uma embalagem muito eficiente, segura e leve, e com maiores níveis de segurança, higiene e retenção de nutrientes. Cada material tem uma função específica: 1. Papel: garante estrutura à embalagem; 2. Polietileno: protege contra umidade externa, oferece aderência entre as camadas e impede o contato do alimento com o alumínio; 3. Alumínio: evita a entrada de ar e luz, perda de aroma e contaminações.

1 Polietileno

proteção contra a umidade exterior

2 Papel

estabilidade e resistência

3 Polietileno

camada de aderência

4 Folha de alumínio barreira contra oxigênio, aroma e luz

5 Polietileno

camada de aderência

5 Polietileno Fonte: http://www.tetrapak.com.br/

Janeiro/2012

proteção para o produto

23


Mundo da Caatinga Benedito Vasconcelos Mendes econordeste@editoraassare.com.br

Produção de lenha e carvão

na Caatinga

A

coleta de madeira para fins específicos, como para construção civil, cerca, carpintaria, marcenaria, artesanato, lenha e carvão está provocando o desaparecimento de muitas espécies. O corte de plantas da Caatinga para fins energéticos (lenha e carvão), tanto para o consumo familiar como industrial, continua indiscriminado no Semiárido. É elevadíssimo o número de famílias de baixa renda, nas periferias das cidades e na zona rural, que utilizam lenha e carvão. Representam 30% do combustível usado pelos pequenos produtores rurais da Região. Muitas são as indústrias de óleos vegetais, sabão, padarias, caieiras e de cerâmica vermelha (telhas, tijolos, lajotas, cobogós, etc.) que utilizam lenha como combustível. A produção de lenha e carvão é a segunda forma mais importante de exploração da vegetação nativa na Região, depois de sua utilização como forrageira. Com o aumento da pressão populacional, passou a ser obtida não mais por coleta seletiva, mas por corte raso de extensas áreas. O corte seletivo, deixando as plantas com menos de 8 cm de diâmetro de caule, quase não é mais utilizado. O Estado de Pernambuco consome 11 milhões de estéreos de madeira para fins energéticos por ano, a Paraíba 8 milhões, o Rio Grande do Norte 4 milhões e o Ceará 11 milhões, com um consumo per capita variando de 1,6 a 2,3 estéreos de lenha por habitante/ano. Calcularam que o desmatamento com fins energéticos no Estado do Maranhão foi de 310 milhões de hectares por

24

ano, no Piauí 69 milhões ha/ano, em Alagoas 51 milhões ha/ano, em Sergipe 35 milhões ha/ano e na Bahia 823 milhões ha/ano. Considerando-se que são necessários 13 anos para a recuperação da vegetação nativa, estima-se que foram desmatados 12% do Maranhão, 4% do Piauí, 23% de Alagoas, 21 % de Sergipe e 20% da Bahia. A produtividade madeireira da caatinga é muito baixa, situando-se em torno de 14 estéreos por hectare, de modo que são necessárias grandes extensões de caatinga para o suprimento de carvão às indústrias de grande porte, como siderúrgicas e fábricas de cimento. Com incentivos do FINOR (Fundo de Investimento do Nordeste), a SUDENE (Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste) financiou a instalação de uma siderúrgica na cidade de Currais Novos (Siderúrgica União), em plena região do Seridó do Rio Grande do Norte, uma das áreas mais erodidas e que exibe uma das coberturas vegetais mais raquíticas e ralas do Brasil. Em virtude das dificuldades de exploração da jazida de ferro da Serra da Formiga, felizmente, esta siderúrgica não está funcionando, o que salvou da devastação generalizada a escassa cobertura vegetal do Seridó. Com a crise internacional do petróleo em 1973, o Governo Federal permitiu e estimulou o uso de carvão vegetal pelas indústrias de cimento localizadas no Semiárido. Até o início da década de 1990, quando estas indústrias voltaram a consumir combustíveis derivados do petróleo, foi grande a devastação da caatinga ao redor dos municípios

Janeiro/2012


de Mossoró-RN, Sobral-CE, Barbalha-CE e outros que sediavam fábricas de cimento na Região. Com a compra, em grande quantidade, de carvão vegetal pelas indústrias cimenteiras, a produção de carvão passou a ser a principal absorvedora de mão-de-obra rural nos anos de seca. Atualmente, responde por 14% da renda do pequeno produtor rural da Região. À medida que a madeira ia-se escasseando, a área devastada ia aumentando em círculo ao redor das fábricas, de modo que, no final dos anos 80, a indústria de cimento de Mossoró estava trazendo carvão de grandes distâncias, inclusive de outros Estados. O aumento do preço do carvão devido ao transporte, fez com que este combustível deixasse de ser competitivo em relação ao petróleo, e as indústrias de cimento voltaram a consumir óleo combustível. Na segunda metade da década de 1970 e durante a década de 1980, foi alarmante a área desmatada no Semiárido, em consequência do elevado consumo de carvão por estas indústrias. Atualmente, as indústrias sertanejas mais prejudiciais à preservação da biodiversidade do Semiárido são as cerâmicas, caieiras, indústrias de óleos vegetais e de sabão, e as padarias. As indústrias de cerâmica vermelha localizam-se nos vales dos rios intermitentes, o que contribui para a eliminação da mata ciliar destes cursos de água. Por outro lado, utilizam como matéria-prima os solos aluviais das margens dos rios, que são justamente os solos mais ricos do Nordeste.

Em 2012 já estamos no clima da Caatinga O novo ano acaba de despontar, mas a Associação Caatinga através do Projeto no Clima da Caatinga, patrocinado pelo Programa Petrobrás Ambiental, antecipa que ao longo de 2012 disseminará no entorno da Reserva Natural Serra das Almas em Crateús, CE, tecnologias de adaptação ao Semiárido. Uma dessas tecnologias é o fogão ecoeficiente, uma variação do conhecido fogão à lenha. A nova versão reduz em 40% o consumo de madeira. Outros importantes e positivos pontos do equipamento doméstico será a redução do desmate na região, a diminuição da emissão de CO2 e, também, a redução da exposição das famílias à fumaça intradomiciliar, pois o fogão ecoeficiente canaliza toda a fumaça para fora da residência. A inalação de material proveniente da queima de madeira causa doenças respiratórias. Também será implantado o Forno Solar, a tecnologia que utiliza o Sol como fonte de energia. O forno é uma alternativa para o cozimento de alimentos mais demorados, diminuindo os gastos familiares com gás de cozinha, cuja queima também contribui para o aquecimento global e para as mudanças climáticas. O forno solar é feito a partir de um sistema simples que capta e reflete os raios solares criando em seu interior uma espécie de estufa, cujo calor gerado internamente é absorvido pela panela, aquecendo e cozinhando o alimento. A instalação dos fogões ecoeficientes será realizada em parceria com o Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Energias Renováveis (IDER), uma Organização não governamental fundada em Fortaleza e que há 16 anos atua no Ceará disseminando a aplicação de energias renováveis e de tecnologias ambientais e socioeducativas.

Janeiro/2012

25


Pensar verde Por Tarcília Rego

Chegou 2012! Um novo tempo? É o 12 º ano do 3º milênio e do Século 21, e o terceiro da década 2010. É um ano bissexto no calendário gregoriano. Os anos bissextos são anos com um dia a mais, tendo, portanto, 366 dias. O dia extra é introduzido como o dia 29 de Fevereiro, ocorrendo a cada quatro anos. Circula na internet, o mundo vai acabar dia 21 de dezembro de 2012, de acordo com um dos calendários do antigo povo Maia. Não acredito! Talvez seja o começo de um novo tempo, o fim de uma nova era, e o começo de uma nova época. O começo do fim da Economia tradicional, e o começo, finalmente, da nova Economia Ecológica.

Muito a comemorar 2012 foi declarado Ano Internacional do Cooperativismo e o Ano Internacional de Energia Sustentável para Todos pela Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas. Nada mais justo. Não tem como deixar de reconhecer a destacada contribuição das cooperativas para o desenvolvimento socioeconômico neste momento, em particular, o impacto que produz sobre a pobreza, a geração de emprego e a integração social. Um bom exemplo é a Cooperativa de Catadores Autônomos de Papel, Papelão, Aparas e Materiais Reaproveitáveis (Coopamare) em São Paulo e a Associação dos Catadores do Papel Papelão e Material Reaproveitáveis (Asmare) em Belo Horizonte, ambas com foco na gestão de resíduos sólidos. Com relação ao Ano Internacional de Energia Sustentável, “tem tudo a ver” com o Brasil. O País tem potencial para produzir cerca de 350.000 megawatts de energia eólica, e em 2011, a Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica) comemorou a marca de 1 GW de potencia eólica instalada.

O Brasil na CDB Biólogo brasileiro, Braulio Ferreira de Souza Dias, é o novo Secretário Executivo do Secretariado da Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB). Foi nomeado pelo secretário geral da ONU Ban Ki-moon, dia 20 de janeiro, e vai suceder Ahmed Djoghlaf. A Convenção Sobre Diversidade Biológica (CBD) estabelece normas e princípios que devem reger o uso e a proteção da diversidade biológica em cada país signatário. Atualmente, Braulio Dias é secretário nacional de Biodiversidade e Florestas do Ministério do Meio Ambiente (MMA). Tem larga experiência na formulação de políticas e na coordenação da execução das políticas de biodiversidade, programas e projetos a nível nacional e internacional.

26

Reflexão Ou fazemos as coisas certas por virtude, ou por necessidade e ao que parece com relação ao meio ambiente vamos fazer por necessidade Físico José Goldemberg usando a famosa frase de Maquiavel alerta para questão ambiental

Janeiro/2012


Bolsa Verde Em Dezembro o Governo Federal pagou a quantia de R$ 780.000,00 para cerca de 2620 beneficiários de Unidades de Conservação e Assentamentos da Reforma Agrária, que desenvolvem atividades de conservação ambiental, referente ao Programa de Apoio à Conservação Ambiental, o Bolsa Verde. O valor da bolsa é R$ 300,00, e todos os contemplados são da Região Norte (Pará e Acre). Não sei por que o Bolsa Verde ainda não contempla o Semiárido, a região será (se já não é) uma das mais afetadas com os efeitos das Mudanças Climáticas.

Tô ligada! Gentileza gera gentileza Segundo Madre Teresa de Calcutá as “palavras gentis podem ser curtas e fáceis de falar, mas os seus ecos são efetivamente infinitos.” Por isso parabenizo a campanha “Gentileza, um exercício para a cidadania” da Rádio Assembleia FM. O objetivo é enfocar a gentileza como um exercício para a cidadania. A campanha conta com o depoimento de deputados, professores, religiosos e, especialmente, profissionais da área da Comunicação. Prevista para durar até o próximo dia 31, o diretor de programação da emissora, Ronaldo César, considera a possibilidade de deixar algumas dicas no ar por mais tempo. Sintonize a 96,7 e aí você vai entender como agir para ser uma pessoa gentil e perceber os ecos sobre os quais Madre Tereza falava.

Bachiana Verde Confirmado! Atendendo ao pedido da ministra do meio ambiente Izabella Teixeira, o regente da Orquestra Filarmônica Bachiana de Sesi – São Paulo, maestro João Carlos Martins, confirmou participação na abertura da Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável, Rio +20, que acontece em junho. Considero a participação do célebre músico uma grande deferência ao meio ambiente, aos participantes e ao próprio maestro, um dos maiores intérpretes de Bach ao piano. Espero que a Ária da 4ª corda, de JS Bach seja apresentada. Parabenizo a sensibilidade da ministra Teixeira. O momento será realmente especial, merece o espetáculo.

Janeiro/2012

27


Ecoturismo

Ecoturismo nos lençóis cearenses

A Associação Brasileira das Operadoras de Turismo (Braztoa) prevê que o Nordeste continuará em alta em 2012 e que 42% das viagens realizadas por associados são para esse destino. Nesse cenário de expectativa desponta cada vez mais o Ecoturismo e o Turismo de Aventura. O Ceará, região privilegiada pela natureza, e reduto dos adeptos dessas modalidades turísticas, oferece opções de sobra para esse público. 28

Janeiro/2012


S

air da rotina, praticar turismo em sintonia com a natureza parece ser o desejo de dez em cada dez brasileiros. A 91 quilômetros de Fortaleza, no litoral Oeste cearense está situado o município de Paracuru, também conhecida como cidade da alegria e por realizar, durante o ano eventos de grande porte, o município vem apostando na atividade turística com base na sustentabilidade ambiental. Lá a preocupação está em desenvolver o turismo e ao mesmo tempo preservar os recursos naturais. Sem concorrer com o estado maranhense, em Paracuru encontra-se também o belo e intrigante fenômeno da natureza batizado como “lençóis cearenses”. São 10 quilômetros de área totalmente preservada onde a grande vastidão de dunas, lagoas e flora possibilitam ao visitante contemplar cenário único e fascinante. Nas dunas, a uma altura média de 50 metros do nível do mar o turista se depara com lagoas perenes, vegetações tais como muricizais, cajueiros e peão roxo, podendo encontrar ainda alguns representantes da fauna nativa, guaxinim, raposas, jegues, dentre outros. Porém, chegar ao monumento natural, somente a pé ou a cavalo. “Temos que unir o útil ao agradável, o que significa lidar com o turismo e ao mesmo tempo preservar a natureza. Considerando que onde tem carro tem poluição, seja pela emissão de gases ou pelo derramamento de óleo ou descarte de lixo. Em toda a extensão litorânea, que abrange 20 quilômetros, está proibido o uso de veículos automotores”, avisa o secretário de Turismo, Cultura, Meio Ambiente do município David Nunes.

Janeiro/2012

29


Ecoturismo

Lençóis Os lençóis são ecossistemas diferenciados. Área formada por extensas e brancas dunas, apresenta dinâmica muito intensa, sendo o vento e a chuva os principais agentes modificadores da paisagem. As águas pluviais formam lagoas que se espalham em praticamente toda a área criando cenários inigualáveis, uma das razões para atrair intensamente o turista

Passeio garantido Com a inacessibilidade motorizada e a dificuldade de acesso em decorrência de aspectos geográficos ou por força da legislação local, o empresário português João Paulo Abreu, apaixonado por cavalos, instalou um haras – único na região – de modo a permitir passeios em meio às belas paisagens. A atividade é monitorada por um guia treinado para possíveis situações que ponha em risco a segurança do turista e do meio ambiente. “Temos toda uma preocupação com a natureza e cuidado com os animais. Os programas de passeios que vão desde uma hora até o dia todo,

30

sempre com treinamento e acompanhamento”, destaca o empresário. Além de oferecer preços acessíveis para os passeios, o empresário planeja exercer também trabalho social junto às crianças de Paracuru. “Pretendemos fazer um trabalho com equoterapia ou equitação terapêutica, além de um serviço oferecido aos alunos da rede pública, onde teriam contato gratuito com os animais, de modo a afastá-los das drogas”, encerra João Paulo.

Golfe Ecológico Outra opção para a prática do eco turismo na região

Janeiro/2012


Em tempo A história da cidade de Paracuru, passa pelas dunas. No século XIX, por volta dos anos 1890, o local que se chamava Parazinho foi soterrado pelas dunas, onde hoje está a Praia das Almas. Lá, nasceu o poeta, escritor, jornalista, político e fundador do movimento cultural Padaria Espiritual, Antônio Sales, que neste período teve sua casa tomada pelas dunas.

consiste na prática de golfe em harmonia com inúmeras espécies animais que vivem soltas numa área privada com cerca de 200 hectares, pertencente à Fazenda Paraíso. No campo, a grama sintética evita o desperdício de água, considerado o maior impacto decorrente da prática do golfe. A atividade esportiva recebe a pecha de “vilã da natureza” por causa do alto consumo de recursos hídricos para aguação das gramas. O projeto que se mostra “ecologicamente correto” foi desenvolvido pelo empresário francês Joaquim Ferdinand Lubrano, para quem é inadmissível o descarte de garrafas ou papeis na natureza. “Temos forte preocupação com a questão ambiental, preservar é a ordem do dia. Agora é o momento de cuidar de modo a garantir que as futuras gerações tenham as mesmas oportunidades e possam usufruir as paisagens ambientais”, garante Ferdinand Lubrano.

O planeta de olho no Brasil

Saiba tudo a respeito do maior evento da história da ONU sobre desenvolvimento sustentável. De 13 a 22 de junho o Rio será o centro do mundo e você terá todas as informações em sua casa.

Edição Especial-Rio+20


Resíduos Sólidos

Ceará: Plano Estadual Avança Após um ano de aprovação da Política Nacional de Resíduos Sólidos, estados e municípios movimentam-se para adequar-se às exigências da legislação

C

onceito como a responsabilidade compartilhada está sendo resgatado no enfrentamento a um dos maiores desafios da sociedade, que é o manejo e a destinação ambientalmente adequada dos resíduos sólidos. Mais de 20 anos de debate no Congresso Nacional levaram à aprovação da Política Nacional dos Resíduos Sólidos (PNRS), estabelecendo um marco regulatório para a gestão dos resíduos sólidos. A nova política definiu um conjunto de normas a serem seguidas com prazos audaciosos, desafiantes e vem mudando a maneira como o poder público, empresas e consumidores devem lidar com os resíduos que produzem. A elaboração de Plano Estadual de Gestão de Resíduos Sólidos,

32

Janeiro/2012


nos termos previstos pela PNRS, “é condição para os Estados terem acesso aos recursos da União, ou por ela controlados, destinados a empreendimentos e serviços relacionados à gestão de resíduos sólidos, ou a serem beneficiados por incentivos ou financiamentos de entidades federais de crédito ou fomento para tal finalidade”. O prazo final para a elaboração desses planos é agosto de 2012. No Ceará, o processo está sendo conduzido pelo Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente do Governo do Estado do Ceará (Conpam), que vem realizando oficinas com o objetivo de capacitar e captar as demandas de gestores municipais de diversos municípios cearenses para a construção da Política Estadual de Resíduos Sólidos e o Plano Estadual de Gestão de Resíduos Sólidos. Em nove municípios cearenses (Barreiras, Cruz, Sobral, Morada Nova, Iguatu, Tauá, Crato, Caucaia e Fortaleza) reuniram-se gestores locais, empresários, catadores, operadores de crédito, academia e outros atores da cadeia social responsabilizada pela gestão dos resíduos. A última oficina deste ciclo aconteceu nos dias 29 e 30 de novembro, em Fortaleza, e contou com a participação de mais de 100 pessoas, entre representantes de municípios, representantes da

Janeiro/2012

rede de catadores, empresários, secretários estaduais, secretários municipais, representante do poder legislativo, entre outros. Segundo a coordenadora de desenvolvimento sustentável do Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente do governo do estado do Ceará (Conpam), Maria Dias, esse encontro não foi o último, mas sim um fechamento de atividades que atendeu a uma demanda sentida pelo Conselho. “Sentimos, ao longo das oito oficinas, a ausência de alguns atores que deveriam integrar a Política, como por exemplo, os catadores e as empresas de reciclagem, uma vez que estes estão mais em Fortaleza. Montamos esta nona oficina e convidamos esses atores para que eles possam participar, integrar e nos ajudar no processo de construção dessa Política”, explica. Maria Dias esclarece ainda que o objetivo desses encontros está diretamente ligado à PNRS. “Nosso objetivo maior é elaborar um plano de política regionalizada para o Ceará atendendo as metas postas na PNRS e fazer a atualização da nossa Política Estadual, que data de 2001.” Com a realização dessa última oficina, foi concluído o processo de discussão e consulta com os municípios.

33


Resíduos Sólidos Articular para construir soluções O presidente do Conpam, Paulo Henrique Lustosa, acredita que o Ceará está na frente de vários municípios quanto à adequação à PNRS, por estimular esse consorciamento para a gestão da coleta de resíduos sólidos urbanos e da questão dos aterros sanitários. “Esse modelo avançou menos do que gostaríamos, mas também sabemos dos desafios que temos na própria gestão municipal, nessa articulação de construir soluções”, justifica. Lustosa acredita que o sucesso do Plano Estadual passa pela articulação de diversos setores sociais, econômicos e políticos. “Com a PNRS, com a introdução da responsabilidade compartilhada, temos a necessidade de estruturação do modelo de logística reversa que precisa ser construído em diálogo com o setor privado. Há ainda as necessidades das demandas de articularmos com a Secretaria de Saúde por conta de uma política específica para os resíduos sólidos na área da saúde, ou com a Secretaria de Desenvolvimento Agrário por conta das exigências e particularidades das embalagens de agrotóxicos, fertilizantes e outros defensivos agrícolas.

Nós nos deparamos com a realidade de múltiplos territórios e múltiplas regionalizações. A forma como cada setor, seja o de saúde, o de cidades ou o agrário, ou o Banco do Nordeste do Brasil, o empresário ou o próprio prefeito olha para cada município é diferente. O primeiro grande desafio posto era entender a variedade de regiões e construir a nossa base de organização territorial para o planejamento da gestão integrada de resíduos sólidos”. Com as informações dos diagnósticos produzidos ao longo dessas oficinas, no início do ano que vem, segundo Lustosa, iniciará o processo de construção do Plano Estadual, na prática. Pelos interiores, a participação nas oficinas foi bastante efetiva, garante Maria Dias. Como dificuldades, ela destaca a falta de conhecimento em relação à lei federal e à questão financeira. “O que a gente sente ainda é aquela fragilidade do conhecimento em relação à política, mas há a vontade de se fazer. A dificuldade maior é a questão financeira. Sabemos que a questão financeira é onde aperta mais em todo esse processo. E ainda temos de atentar para o empoderamento das responsabilidades de cada um dentro do processo”. A especialista refere-se à responsabilidade compartilhada, referida na PNRS, que responsabiliza os diferentes elos da cadeia produtiva, desde as fábricas até o destino final. Os municípios, por exemplo, têm obrigação no sentido de banir lixões e implantar sistemas para a coleta seletiva de materiais recicláveis nas residências. Empresários necessitam atentar para a logística reversa – o retorno de embalagens e outros materiais inerentes à produção industrial após o consumo e descarte pela população.

Reflexões

A maioria dos municípios cearenses já conta com um Plano de Gerenciamento de Resíduos, apenas quatro ou cinco não possuem. A novidade é a realização dos consórcios, mas já estamos trabalhando Luiz Pragmácio Telles, conselheiro da Associação dos Municípios do Estado do Ceará (APRECE)

34

O conselheiro da Associação dos Prefeitos do Estado do Ceará (APRECE), Luiz Pragmácio Telles, acredita que uma nova visão e forma de agir estão surgindo entre os prefeitos de municípios cearenses. “A maioria dos municípios cearenses já conta com um Plano de Gerenciamento de Resíduos, apenas quatro ou cinco não possuem. A novidade é a realização dos consórcios, mas já estamos trabalhando.” Quanto ao prazo para a construção dos Planos Estaduais, Telles afirma que não é suficiente. “Pela visão que temos do que é necessário para a construção desses Planos, provavelmente, a presidente Dilma Rousseff terá que adiar o prazo”.

Janeiro/2012


As dificuldades financeiras citadas por Maria Dias são refletidas não apenas, por exemplo, na construção de um aterro sanitário, mas no processo de operacionalização deste. Pensar a manutenção desses aterros remete à reflexão da quantidade de resíduo produzido por uma população. Segundo dados de uma pesquisa encomendada ao Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA), em 2008, foram coletados no Brasil, por dia, 183.481,50 toneladas de resíduos. A Região Nordeste é responsável por 47.203,80 toneladas/ dia, o que significa 1,2kg de resíduo por habitante. “Na discussão de resíduos sólidos, além da questão da destinação final, da coleta seletiva, das questões de aspecto tecnológico, há uma questão que é anterior: não tem como discutir lixo e resíduo sem discutir consumo.” A afirmativa é do presidente do Conpam e reflete muito da PNRS, que tem como um dos objetivos da discussão e mudança de atitudes sobre o consumo.

Consumo Pensar consumo só é possível a partir de uma educação voltada para a consciência social, econômica e ambiental. O presidente do Sindicato das Empresas de Reciclagem de Resíduos Sólidos Domésticos e Industriais no Estado do Ceará (Sindiverde), Marcos Albuquerque, acredita que a Educação tem que ser parte principal das atividades de adequação à PNRS. “Nós não devemos esquecer das escolas, das faculdades, dos estudantes. Mudar o comportamento de um adulto é muito mais difícil do que mudar o comportamento de uma criança ou de um jovem. Temos, no Sindiverde, experiências nesse aspecto. Um estudante quando obtém informações sobre a coleta seletiva começa a falar para o pai, para a mãe, para o irmão, para os vizinhos. Mostra que eles estão errados, que o correto é separar o que pode ser reciclado, separar o que é resíduo úmido e dar um destino correto. Somos todos responsáveis pelo sucesso da implantação da PNRS”. Balanças parecidas com aquelas que vemos nas estradas controlam a quantidade de lixo que chega ao aterro em cada caminhão. Caminhões coletores como os que vemos nas ruas carregam de 7 a 9 toneladas, mas há carretas capazes de levar até 40 toneladas por viagem

Montanha de lixo

Um aterro pode atingir até 100 metros de altura

Esta é a área responsável por coordenar e monitorar as atividades do aterro. É aqui também que se avalia se já é hora de encerrar as atividades do aterro e encomendar a construção de um novo

balança O aterro começa com a escavação de um grande buraco. Mas, antes disso, o solo é perfurado até o lençol freático para verificar se não é arenoso demais e calcular o limiteda escavação: o fundo não pode ficar a menos de 2 metros do lençol

Para evitar que alguém jogue lixo clandestinamente ou que algum desavisado entre no aterro, a área é toda cercada.

Tratores compactam a terra do fundo do buraco. Sobre o solo compactado é colocada uma espécie de manta de polietileno de alta densidade e, sobre ela, uma camada de pedra britada, por onde passam os líquidos e gases liberados pelo lixo. A cada 5 metros de lixo e feita uma camada de impermeabilização

“piscinão” de perdolato

Para drenar o percolado (liquido que sai do lixo misturado a água da chuva) a cada 20 metros são instaladas calhas de concreto que levam a mistura nojenta até a lagoa de acumulação Calha para escoar o percolado

Janeiro/2012

O lixo solta gases, que são captados por uma rede de tubos verticais cheios de furinhos. Por esses canos, os gases sobem e chegam à superfície do aterro. Alguns gases são recolhidos em tambores e outros são liberados na atmosfera - o metano em contato com o ar, pega fogo

Engenheiros calculam que cada metro cúbico de lixo pesa cerda de 0,6 tonelada. Cada camada do aterro tem 5 metros de altura, 4 metros de lixo e 1 metro de terra, brita e manta de polietileno. Em cidades pequenas, o limite é de três camadas, mas nas metrópoles elas chegam a 20

Quando o aterro esgota sua capacidade é preciso fechá-lo. A maior parte deles dá origem a áreas verdes de conservação. Como o gás e o perdolado continuam sendo gerados por pelos menos 15 anos, não se recomenda que o terreno seja usado para construções

O percolato, aquele líquido que escorre da montanha de lixo, é tratado no próprio aterro e lançado no esgoto ou recolhido em um “piscinão” e transportado em caminhões para uma estação de tratamento de esgoto

35


Resíduos Sólidos Oportunidade Tratar o resíduo como oportunidade é também necessário para o sucesso da PNRS e também para a tal mudança tão necessária à sustentabilidade do planeta. Oportunidades essas, econômicas e sociais. “Quando eu falo em reciclador, eu falo das cooperativas, estou incluindo os catadores, as associações e também as empresas que transformam os resíduos. É uma rede muito grande e essa rede precisa ser enxergada, beneficiada, senão não vai sobreviver. Qual o grande apoio que a gente pode dar? É implantar a tal da coleta seletiva para

que gere resíduo mais limpo, com a qualidade melhor, para que esse pessoal consiga sobreviver e ganhar um pouco de dinheiro”, considera Albuquerque. Ambição também presente na fala da representante da rede de catadores. “Queremos sair do anonimato e sermos vistos como trabalhadores”. Estimativa do Ministério do Meio Ambiente aponta que existam atualmente no Brasil, entre 400 e 600.000 catadores, com apenas 60.000 destes, no máximo, participando de alguma organização coletiva. Outro número preocupante do MMA é o que aponta que 60% dessas organizações coletivas estão nos níveis mais baixos de eficiência.

Um ano de PNRS

A PNRS tem como focos principais a geração de trabalho, emprego e renda, por meio da inclusão social de catadores de materiais reutilizáveis e recicláveis nas ações que envolvam a responsabilidade compartilhada e minimizar os impactos ambientais provocados pela disposição inadequada dos resíduos. Uma versão preliminar do PlanoNacional de Resíduos Sólidos já está disponível no site do MMA (www.mma.gov.br) para consulta pública. Audiências públicas foram realizadas regionalmente buscando a contribuição de todos os atores envolvidos. A primeira, na Região Centro-Oeste, foi realizada dias 13 e 14/09, em Campo Grande/MS. A audiência da Região Sul aconteceu dias 04 e 05/10, em Curitiba/PR. Nos dias 10 e 11/10, aconteceu em São Paulo a terceira audiência, referente à Região Sudeste. O Nordeste recebeu a quarta audiência, nos dias 13 e 14/10, em Recife/PE e a última ocorreu nos dias 18 e 19/10, em Belém/PA. Em uma última audiência pública

36

nacional, ocorrida dias 30 e 1 de dezembro em Brasília, a sociedade civil, governo, empresas e universidades propuseram aditivos à lei. Os resultados dessas audiências foram mais de 900 sugestões diretas e 400 pela internet. Foram aceitas 168 emendas. O novo documento será submetido aos Conselhos Nacionais de Meio Ambiente, Cidades, Saúde e Política Agrícola, quando poderá receber novas contribuições. Depois de pronto, segue para apreciação do Palácio do Planalto. Com vigência por prazo indeterminado e horizonte de 20 anos, com atualização a cada 4 anos, o Plano Nacional contempla a elaboração de um diagnóstico da situação atual dos resíduos sólidos; propõe cenários, incluindo tendências internacionais e macroeconômicas; estabelece metas de redução, reutilização, reciclagem, para o aproveitamento energético dos gases gerados nas unidades de disposição final de resíduos sólidos e para a eliminação e recuperação de lixões; programas, projetos e ações; normas e condicionantes técnicas para o acesso a recursos da União; adoção de medidas para incentivar e viabilizar a gestão regionalizada; estabelece normas e diretrizes para a disposição final de rejeitos e, quando couber, de resíduos e oferece meios a serem utilizados para o controle e a fiscalização. Segundo o gerente de projetos do MMA, Ronaldo Hipólito, o Ministério do Meio Ambiente está analisando propostas para elaboração dos Planos Estaduais de Gestão de Resíduos Sólidos de vinte estados.

Janeiro/2012


Resíduos em números Catadores

>> Há hoje entre 400 e 600 mil catadores >> Ao menos 1.100 organizações coletivas de catadores estão em funcionamento em todo o país >> Entre 40 e 60 mil catadores participam de alguma organização coletiva >> 27% dos municípios declaram ao IBGE ter conhecimento da atuação de catadores nas unidades de destinação final dos resíduos >> 50% dos municípios declaram ao IBGE ter conhecimento da atuação de catadores em suas áreas urbanas >> Cerca de 60% das organizações coletivas e dos catadores estão nos níveis mais baixos de eficiência. Fonte: MMA

Números de municípios que tem lixões e quantidade total de lixões existentes no Brasil e nas macrorregiões Unidade de análise

Nº de municípios

População urbana

municípios com presença de lixões Quantidade

Quantidade diária de resíduos sólidos domiciliares e/ ou públicos encaminhados para diferentes formas de destinação final para os anos de 2000 e 2008 Destino final

5.565

160.008.433

2.810

50,5

Norte

449

11.133.820

380

84,6

Nordeste

1.794

38.826.036

1.598

89,1

Sudeste

1.668

74.531.947

311

18,4

Sul

1.188

23.355.240

182

15,3

Centro Oeste

466

12.161.390

339

72,7

%

Quantidade (t/d)

%

Aterro sanitário

49.614,50

35,4 110.044,40

58,3

Aterro controlado

33.854,30

24,2

36.673,20

19,4

Vazadouros a céu aberto (Lixão)

45.484,70

32,5

37.360,80

19,8

Unidade de compostagem

6.364,50

4,5

1.519,50

0,8

Unidade de triagem para reciclagem

2.158,10

1,5

2.592,00

1,4

Unidade de incineração

483,10

0,3

64,80

<0,1

Vazadouro em áreas alagáveis

228,10

0,2

35,00

<0,1

Locais não fixos

877,30

0,6

SI

Outra unidade

1.015,10

0,7

525,20

Total

140.080,70

0,3

188.814,90

SI: sem informações. Na PNSB 2008 não se utilizou essa opção como destino final. Fonte: IBGE (2002), IBGE (2010b)

taxa de reciclagem de diferentes materiais

% consumo aparente 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100

o

íni

m Alu

Fonte: Datasus (2011), IBGE (2002), IBGE (2010b)

2008

Quantidade (t/d)

%

Brasil

2000

Quantidade de resíduos por habitante urbano (kg/hab. dia) 2000

2008 1,1

1,2

1,3

Nordeste

37.507,40

47.203,80

1,1

1,2

Sudeste

74.094,00

68.179,10

1,1

0,9

Sul

18.006,20

37.342,10

0,9

1,6

Centro-Oeste

8.495,30

16.119,20

0,8

1,3

Fonte: Elaborado a partir de Datasus (2011) e IBGE (2002, 2010a). A coleta seletiva de materiais recicláveis ainda não ultrapassa 28% dos municípios brasileiros.

Janeiro/2012

ro Vid

1,1

14.637,30

co

183.481,50

10.991,40

sti

149.094,30

2005 2006 2007 2008

Plá

Brasil Norte

lão

2008

pe

2000

pa el/

Quantidade de resíduos coletados (t/dia)

p Pa

Unidade de análise

o Aç

Estimativa da quantidade de resíduos sólidos domiciliares e/ou públicos coletados

Fonte: Elaborado a partir de MCidades (2010), IBGE (2010a), IBGE (2002), ABAL (2011), DATASUS (2011), MME (2010a), Vasques (2009), Bracelpa (2009)

37


Capacitação

CAATINGA Todos pelo bioma Comunidades do entorno da Reserva Natural Serra das Almas estão sendo capacitadas para o uso de técnicas de queimadas controladas e manejo correto do solo, com o objetivo de reduzir os impactos ambientais decorrentes de atividades desordenadas na região

38

Janeiro/2012


O

impacto ambiental das queimadas preocupa a comunidade científica, ambientalistas e a sociedade em geral por afetarem diretamente a física, a química e a biologia dos solos, alterando a qualidade do ar, interferindo na vegetação, na biodiversidade e na saúde humana. Indiretamente, as queimadas podem comprometer até a qualidade dos recursos hídricos da superfície. Dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), mostram que em 2001 foram registrados 145 mil focos de calor pelos satélites em todo o Brasil e 359 mil em 2002. As razões apontadas pelo instituto para tal crescimento foi a ampliação da fronteira agrícola e o clima seco. Apesar da diminuição, em 2011, até dia 29 de novembro, foram identificados 119.210 focos. Apenas em outubro, o Ceará registrou 497 focos de queimada. Ainda persiste no Brasil uma forte cultura de uso da queimada para “limpar” o solo e durante esse processo, as chances de o fogo sair do controle e se espalhar são grandes. O desmatamento e as queimadas são uma das principais causas da destruição da caatinga nordestina. No sertão brasileiro, as queimadas são usadas amplamente pelos agricultores para limpar o terreno para o plantio. Isso acontece justamente no período seco, quando a vegetação seca, o sol forte e os ventos favorecem o alastramento do fogo podendo causar incêndios florestais. Para evitar situações como essas, o Projeto No Clima da Caatinga, realizado pela Associação Caatinga e patrocinado pela Petrobrás, através do Programa Petrobras Ambiental, está capacitando 300 agricultores e agricultoras de 20 comunidades do entorno da Reserva Natural Serra das Almas, em Crateús, para uso de técnicas de queimadas controladas e manejo correto do solo, reduzindo os impactos ambientais na região. Segundo a coordenadora de Tecnologias Sustentáveis do projeto, Railda Machado, “o Projeto tende a melhorar a qualidade de vida das comunidades, de modo que possam desenvolver suas atividades na agricultura de maneira mais sustentável”. Os agricultores interessados podem se inscrever para participar das capacitações após as reuniões que serão realizadas em suas comunidades. O curso é dividido em dois módulos: manejo adequado do solo e queimada controlada. Conhecimentos teóricos são aliados a práticas de campo utilizando uma linguagem adequada aos agricultores, jovens, técnicos e educadores que vivem em comunidades no entorno da Reserva Natural Serra das Almas, inseridos em cada uma das quatro micro-bacias em processo de recuperação pelo projeto No Clima da Caatinga.

o Projeto tende a melhorar a qualidade de vida das comunidades, de modo que possam desenvolver suas atividades na agricultura de maneira mais sustentável Railda Machado coordenadora de Tecnologias Sustentáveis do projeto

Janeiro/2012

39


Capacitação Os cursos tem se demonstrado uma boa ferramenta de mobilização e envolvimento das comunidades do entorno. Têm representado uma boa oportunidade de aproximação e estabelecimento de parcerias em prol da conservação da Caatinga Durante os cursos, a participação é estimulada através de debates sobre os temas apresentados e aprofundados. Com o objetivo de disseminar e promover a adoção de tecnologias sustentáveis na Caatinga, diminuir o processo de degradação das áreas e promover a melhoria na qualidade de vida das populações, as capacitações são ministradas por consultores e parceiros da Associação Caatinga. Unindo conhecimentos teóricos com práticas de campo, cada curso é acompanhado por cartilhas. O secretário executivo da Associação Caatinga e coordenador da Aliança da caatinga, Rodrigo Castro, considera que os cursos fortalecem a relação da Reserva Natural Serra das Almas com as comunidades do entorno. “Os cursos tem se demonstrado uma boa ferramenta de mobilização e envolvimento das comunidades do entorno. Têm representado uma boa oportunidade de

aproximação e estabelecimento de parcerias em prol da conservação da Caatinga. O interesse e aproveitamento dos cursos está sendo muito grande”, garante. Outras capacitações já estão previstas nas áreas de meliponicultura (produção de mel de Jandaíra), implantação de fogões ecoeficientes e fornos solares, gestão de lixo e compostagem. Os agricultores já foram capacitados em produção de mudas nativas da Caatinga. Ao todo, 230 agricultores já receberam informações sobre um relacionamento mais sustentável com o entorno da reserva. Rodrigo Castro ressalta os resultados desse projeto. “Já houve uma mudança positiva em relação a Reserva Natural Serra das Almas e também em relação à adoção efetiva das tecnologias já disseminadas, como no caso da produção de mudas nativas, manejo adequado do solo e queimada controlada”.

RPPN Serra das Almas A Reserva Particular do Patrimônio Natural Serra das Almas, mantida pela Associação Caatinga, é reconhecida pela Unesco como Posto Avançado da Reserva da Biosfera por abrigar uma representativa parte da Caatinga no sertão de Crateús-CE. São 6.146 hectares de área protegida que resguardam três nascentes e espécies ameaçadas de extinção. São desenvolvidas atividades de pesquisa científica, recreação e visitação escolar, além de projetos de educação ambiental e desenvolvimento sustentável junto às comunidades do entorno da reserva, combinando preservação ambiental com geração de renda e melhoria da qualidade de vida local.

40

Janeiro/2012


Atuamos no mercado editorial brasileiro com a produção de jornais, revistas, livros e demais publicações gráfico-editoriais. Formada por profissionais com experiência nas áreas de comunicação e design, nossa empresa tem know-how para desenvolver seu produto qualquer que seja sua necessidade

www.editoraassare.com.br Rua Waldery Uchôa, 567 A n Benfica Fortaleza, Ceará n CEP: 60020‑110 e‑mail: assare@editoraassare.com.br - Fone/Fax: (85) 3254.4469 Janeiro/2012

41


Bioinvasão

Água de lastro: um perigo quase invisível Navios que chegam e partem de zonas portuárias, são personagens de uma mecânica operacional, e podem causar impactos ambientais significativos

O

transporte marítimo é uma das mais importantes ferramentas responsável pelo giro da roda econômica mundial. Bilhões de dólares são transportados todos os anos entre os diversos portos no mundo. Entretanto, os navios que chegam e partem das zonas portuárias são personagens principais de uma mecânica operacional que causa significativos impactos ambientais nas regiões por-

42

tuárias, quando não realizada de acordo com normas pré-definidas – a descarga de água de lastro. Na maioria dos casos, este tipo de operação causa a bioinvasão de espécies exóticas, incentivando o desequilíbrio ambiental e a ocupação do habitat natural de animais marinhos nativos. A água de lastro é um mecanismo utilizado para dar estabilidade e navegabilidade às embarcações que não estão totalmente carregadas. Após o surgimento dos navios construídos com aço, a água de mar passou a ser utilizada para manter o calado da embarcação. Os tanques são preenchidos com maior ou menor quantidade de água para aumentar ou diminuir o calado dos navios durante as opera-

Janeiro/2012


ções portuárias. Mas essa troca de diferentes tipos de água nos portos de origem ou destino pode trazer malefícios ambientais, que prejudicam a flora e a fauna local, além da saúde da população. No Ceará, cerca de 50 embarcações chegam, mensalmente, ao Porto do Mucuripe. O biólogo e professor do Instituto de Ciências do Mar (Labomar), da Universidade Federal do Ceará (UFC), Tito Monteiro Lotufo, explicou que a água despejada por esses navios são culpadas pela disseminação de propágulos (ou larvas) de espécies de algas originárias de outras regiões do mundo. Ele relatou que este “intercâmbio” marinho, chamado de bioinvasão, causa desequilíbrio no habitat natural das espécies locais. “Quando os navios enchem seus tanques com a água do porto de origem, muitos propágulos podem chegar aos portos de destino ainda viáveis e capazes de se desenvolver e reproduzir. Com isso, eles acabam ocupando o espaço de sobrevivência de espécies nativas. As águas de zonas portuárias são ricas em microorganismo e esta troca de espécies pode ser bastante prejudicial. Infelizmente, isso é um problema que atinge os portos do mundo todo”. O Porto do Pecém também sofre com a bioinvasão. De acordo com o biólogo, no local já foi constatado a existência de colônias de poliquetos, espécie de minhoca marinha, em toda a faixa litorânea da região, prejudicando, inclusive, a pesca. “Os registros da bioinvasão foram observados logo após da inauguração do porto”.

“EXPORTADORA” DE ÁGUA DE LASTRO Outros tipos de invasões marinhas podem trazer ainda mais prejuízos à população. Lotufo salientou que as águas de zonas portuárias, na grande maioria, são insalubres por encontrarem-se próximas á regiões urbanas. Com isso, é possível que microorganismos patógenos sejam encontrados nas águas de lastros, causando risco à saúde dos moradores das cidades portuárias de destino. Por outro lado, apesar dos registros de bioinvasões em águas cearenses, o biólogo relatou que o Estado está longe de entrar para o hall dos portos mais contaminados do Brasil e do mundo. Ele explicou que o Ceará é uma região “exportadora” de água de lastro, fazendo com que os impactos ambientais produzidos por esta prática sejam, significativamente, reduzidos. “Geralmente, os navios que chegam aos nossos portos estão lotados

Janeiro/2012

de carga, fazendo com que a utilização de água de lastro seja reduzida. Aqui é onde eles costumam encher os seus tanques com água, levando-o para outros portos”.

NORMAM-20 Considerado um problema de ordem mundial, várias ações e legislações são desenvolvidas para evitar as bioinvasões. A Organização Marítima Internacional (IMO) recomenda que todas as embarcações que utilizam a água de lastro devem fazer a manobra de troca de água antes de se aproximarem dos portos, nas chamadas regiões oceânicas. Entretanto, a demora da operação faz com que alguns navios se recusem a seguir a recomendação da IMO. O coordenador de Segurança, Maio Ambiente e Saúde do Trabalho da Companhia Docas do Ceará, Raimundo José de Oliveira, ressaltou que a fiscalização é o principal instrumento de controle da água de lastro. De acordo com ele, a fiscalização nos portos cearenses é feito pela Capitania dos Portos e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A Norma de Autoridade Marítima (Normam-20), criada em 2005, estipula que todos os navios devem realizar a troca oceânica antes de poder entrar em um porto brasileiro. “Aquela embarcação que não cumprir o que diz a Norma -20 está sujeito a punições e multas. Mas, felizmente, até hoje, a Docas nunca recebeu qualquer registro de ocorrências deste tipo. Temos uma fiscalização efetiva e damos qualquer apoio no que diz respeito ao controle ambiental. Sabemos que é possível alguma embarcação apresentar documentos incompatíveis com as normas, mas os impactos ambientais gerados pela água de lastro, no Ceará, acredito que são mínimos”.

Quando os navios enchem seus tanques com a água do porto de origem, muitos propágulos podem chegar aos portos de destino ainda viáveis e capazes de se desenvolver e reproduzir Tito Monteiro Lotufo, biólogo e professor do Instituto de Ciências do Mar (Labomar), da Universidade Federal do Ceará (UFC)

43


Bioinvasão

Caso no Brasil O mais famoso caso brasileiro é a introdução de bivalve asiático, conhecido como Mexilhão dourado (Limnoperna fortunei). Essa é uma espécie nativa de rios e arroios chineses e do sudeste asiático, e, apenas recentemente, por razões desconhecidas, vem se expandindo em todo o mundo: do estuário da Bacia do Prata, ele se expandiu rapidamente para os trechos da Bacia do rio Paraná, invadindo principalmente os grandes rios, numa velocidade de cerca de 240 km/ano. Em 2001, sua presença foi observada na Usina de Itaipu, e, em 2002, foi encontrado nas usinas hidrelétricas Porto Primavera e Sérgio Motta, localizadas rio Paraná, em São Paulo. A entrada da espécie nesse sistema de rios deve ter ocorrido através da intensa navegação e transposição de barcos utilizados na pesca esportiva. O impacto do mexilhão dourado no Brasil tem sido grande e tem causado problemas de saúde pública, além de entupimento de tubulações, de filtros de usinas hidroelétricas e de bombas de aspirações de água, degradando as espécies nativas e causando problemas relacionados à pesca.

Caso no mundo Internacionalmente, o caso mais notório é o do mexilhão Zebra (Dreissena Polymorpha). A importação involuntária desta espécie em água de lastro de portos europeus de água doce, na década de 1980, fez com que se proliferasse em excesso e que obstruísse redes de água industrial. Nos Estados Unidos, identificou-se o mexilhão Zebra pela primeira vez também nesta mesma época, tempo em que ele se proliferou rapidamente pelas águas dos rios, causando sérios danos ao ecossistema local. Essa espécie foi introduzida nos Grandes Lagos americanos e do Canadá, e, hoje, infesta mais de 40% das águas continentais desses países, causando enormes prejuízos financeiros nos setores elétrico e industrial, visto que coloniza e bloqueia as passagens de água e os encanamentos, tendo um comportamento parecido com o do Mexilhão Dourado. Estudos apontam que os EUA gastam mais de 10 bilhões de dólares para remediarem os problemas causados pelo Mexilhão Zebra.

44

Janeiro/2012


A Caatinga na Rio + 20

Mobilização no Ceará O diagnóstico da situação ambiental atual do estado do Ceará apresenta, em seu quadro, as repercussões das diversas políticas ambientais instituídas em âmbito federal e estadual

A

pós vários encontros, rodas de conversas e discussões com as categorias envolvidas o comitê do Ceará da Conferência Regional Desenvolvimento Sustentável do Bioma Caatinga – A Caatinga na Rio +20, coordenado pelo Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente (CONPAM), realizou no dia 12 de dezembro, no auditório do Banco do Nordeste, Passaré, o Seminário de Nivelamento sobre a Caatinga. O objetivo do encontro, difundir os programas e políticas dos setores governamentais e da sociedade civil que contribuem para a gestão sustentável do bioma e também, integrar projetos estruturantes estaduais com indicadores focados na economia verde e combate a pobreza rural. Janeiro/2012

Participaram do evento, representantes do Governo, academia, institutos de pesquisas, organizações da sociedade civil e setor produtivo e empresarial. “Foram várias as discussões realizadas pelos integrantes do comitê, e nestas, alguns setores alegavam não conhecer determinados projetos apresentados. Por isso a proposta de hoje socializa todas as informações relativas aos programas existentes no Estado.”, destaca o secretário executivo do Conpam e coordenador do Comitê Cearense Iraguassú Teixeira Filho. Na visão do secretário-executivo da Secretaria do Desenvolvimento Agrário (SDA-CE), Antônio Amorim, a Conferência é de grande importância. Na ocasião, todos os estados do Nordeste estarão presentes com as suas inúmeras diferen45


A Caatinga na Rio + 20 Estamos vendo dados, muitos deles catastróficos de como a desertificação que se intensifica com as mudanças climáticas e pela ação do homem. Esse é o momento de expor tais problemas e dialogar sobre maneiras de resolver os mesmos Iranildo da Silva, Embaixador Climático do Brasil do Programa Climate Generation of the British Council

ças. “O Ceará por si só já é diverso, imagina todo o Nordeste. Por isso também, a cimeira regional, marcada para março em Fortaleza, será de uma riqueza sem precedentes”, disse Amorim que complementa afirmando que depois de identificados os pontos fortes e fracos de cada Estado, será possível definir estratégias que se adéquem ao desenvolvimento da região como todo. De acordo com a gerente de Recursos Hídricos e Meio Ambiente da Funceme – Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos, Margareth Carvalho, com base nos estudos realizados pelo órgão, já se sabe como são frágeis os solos, a vegetação e principalmente o manejo que o homem do campo empreende na Caatinga. “A gente quer levar essa realidade para a Rio +20 por ser o bioma único no mundo, isso é muito especial para nós nordestinos. A gente tem que mostrar para as pessoas que é importante preservar. Não queremos barrar o desenvolvimento, o que espe-

ramos é que haja um desenvolvimento em bases sustentáveis”, explica a gerente. Embaixador Climático do Brasil do Programa Climate Generation of the British Council, Iranildo da Silva, aponta a Conferência como oportuna para que o bioma e para os que nele habitam, sejam salvos. “Estamos vendo dados, muitos deles catastróficos como a desertificação se intensifica com as mudanças climáticas e pela ação do homem. Esse é o momento de expor tais problemas e dialogar maneiras de resolver os mesmos”, diz Iranildo. Ainda conforme o jovem “embaixador”, a situação exige um trabalho conjunto entre o governo e a sociedade. “Sabemos que essa sintonia é muito difícil, mas depois do encontro de hoje, mostramos que é possível. A presença de técnicos das mais variadas instituições no seminário, os saberes das universidades e da sociedade civil, aqui tratados, são alternativas viáveis para os problemas ambientais da Caatinga”, conclui.

Preparativos finais Faltam menos de dois meses para a realização da I Conferência Regional de Desenvolvimento Sustentável do Bioma Caatinga - A Caatinga na Rio +20. O encontro deverá reunir nos dias 14, 15 e 16 de março na cidade de Fortaleza representantes de todos os estados compreendidos no Bioma. São grandes os esforços e mobilizações para que os debates sejam produtivos e gerem resultados. No dia 16 de janeiro, na sede do Banco do Nordeste em Fortaleza, foi realizada reunião de definição da programação final, bem como últimos detalhes para o evento com indiscutível importância. Estavam presentes o coordenador de articulação política Francisco Bezerra, o coordenador técnico Tibério Bernardo e o coordenador do Comitê Cearense e secretário-executivo do Conpan, Iraguassú Teixeira Filho. Por questões de agendas será realizado outro encontro para apresentação dos expositores e palestrantes, visto que estes precisarão confirmar presença. Definido mesmo somente a nova data de realização que novamente ficou em três dias, ou seja, o credenciamento que seria dia 13 passou para a manhã do dia 14, quando já terão início os debates.

46

Janeiro/2012


Eco leitura

CLÁSSICO DO MEIO AMBIENTE: Primavera Silenciosa é reeditado Num dia de primavera, ela acordou e descobriu que já não escutava os cantos dos pássaros. Para quem não sabe ou nunca ouviu falar, o planeta Terra deve muito a Rachel Carson, uma cientista norte-americana que no início da década de 1960, publicou Primavera Silenciosa, obra que, mesmo tendo no título uma expressão poética, foi o estopim que deu forma a um novo e poderoso movimento social que alterou o curso da História. Carson, pesquisadora rigorosa e com talento para Primavera Silenciosa escrever romances, causou uma verdadeira revolução em Autora: Rachel Carson defesa do meio ambiente a partir do lançamento de seu Editora: Gaia livro, em 1962. A obra, escrita em pouco mais de quatro anos, Ano: 2011 apresenta inúmeros documentos científicos de diferentes Páginas: 328 fontes, comprovando os maléficos impactos dos agrotóxicos. Preço: R$ 49,00 As afirmações da autora desencadearam uma investigação no governo do presidente Kennedy, e inspirou a rede de tevê CBS a produzir um documentário, assistido por 15 milhões de telespectadores, que mostrava os efeitos nocivos do inseticida DDT à saúde. O clamor, após a publicação, instigou mudanças na legislação ambiental americana, e contribuiu para o surgimento, em 1970, da Agência de Proteção Ambiental naquele país (EPA, sigla em inglês). A paixão de Rachel Carson pela questão do futuro do planeta refletiu poderosamente por todo mundo e seu livro foi determinante para o lançamento e disseminação do movimento ambientalista A nova edição apresentada pela Editora Gaia inclui um posfácio do escritor e cientista Edward O. Wilson e uma introdução da biógrafa Linda Lear, que discorre sobre a história corajosa de Carson na defesa de suas convicções diante do ataque impiedoso e covarde da indústria química logo após a publicação deste seu livro e antes de sua morte prematura, em 1964.

Em 2000, a Escola de Jornalismo de Nova York consagrou Primavera Silenciosa como uma das maiores reportagens investigativas do século XX. Em dezembro de 2006, premiando a memória e o legado de Rachel Carson, o jornal britânico The Guardian conferiu a ela o primeiro lugar na lista das cem pessoas que mais contribuíram para a defesa do meio ambiente de todos os tempos.

Energia Nuclear: do Anátema ao Diálogo O livro “Energia Nuclear: do Anátema ao Diálogo”, organizado pelo Prof. Dr. José Eli da Veiga, publicado pela editora SENAC, reúne artigos de importantes autoridades nas áreas de física nuclear, ciência e tecnologia, economia e meio ambiente. O objetivo é discutir os riscos e benefícios da utilização em grande escala da energia atômica como substituta a os atuais combustíveis fósseis com ênfase em sua implementação em território nacional. Segundo o organizador Eli da Veiga, “a matriz nuclear é perspectiva que não se deve desprezar quando se reflete sobre a necessidade de suprimento de energia para o desenvolvimento, e o há muito anunciado esgotamento de combustível fóssil em um futuro próximo”. A obra conta com o trabalho de destacados pesquisadores, Silvio Salinas, José Goldemberg e Leonam dos Santos Guimarães, dentre outros. Os autores tentam ser didáticos, Energia Nuclear: do Anátema ao Diálogo “pois é enorme a paixão e Organização: José Eli da Veiga desinformação em torno do assunto”. Edição: 1 No entanto muitas das garantias Número de páginas: 136 oferecidas por eles são inaceitáveis Editora: Senac São Paulo numa época pós Fukushima, Japão. Ano: 2011

Janeiro/2012

47


Eco Agenda Datas comemorativas

02

de fevereiro de 2012

Dia Mundial das Zonas Úmidas Data instituída em 1997 para homenagear a Convenção sobre Zonas Úmidas. Mais conhecida como Convenção de Ramsar, pois foi realizada na cidade iraniana em 1971, é um tratado intergovernamental que estabelece marcos para ações nacionais e internacionais para a conservação e o uso racional de zonas úmidas e de seus recursos naturais. O Brasil só assinou a Convenção em 1993, ratificando-a em 1996. As Zonas Úmidas podem ser definidas como áreas de pântano, charco, turfa ou água, natural ou artificial, permanente ou temporária, com água estagnada ou corrente, doce, salobra ou salgada, incluindo área de água marítima com menos de seis metros de profundidade na maré baixa. Tem um papel fundamental na manutenção da biodiversidade e para a regulação do clima. Situadas em uma área de transição entre os ecossistemas aquáticos e terrestres, essas áreas são muito vulneráveis.

06 de fevereiro de 2012 Dia do Agente de Defesa Ambiental Uma homenagem àqueles que trabalham pela proteção do meio ambiente e pelo desenvolvimento sustentável.

Até 29 de fevereiro 2012 Prêmio Top Etanol

Estão abertas as inscrições para o Prêmio TOP Etanol. Integrantes de áreas técnicas, universitários, pós-graduados, mestres, doutores, jornalistas, fotógrafos e inventores têm até o dia 29 de fevereiro de 2012 para se inscrever no Prêmio Top Etanol. Site: www.projetoagora.com.br/ premiotopetanol/index.php 48

Inscrições abertas Prêmio Ana

Até 1º de junho de 2012 a Agência Nacional de Águas (ANA) recebe inscrições para a 4ª Edição do Prêmio ANA, que a cada dois anos reconhece iniciativas que se destacam pela excelência e contribuição para a gestão e o uso sustentável dos recursos hídricos do País. Nesta edição, serão oito categorias de premiação: governo; empresas; organizações não governamentais; pesquisa e inovação tecnológica; organismos de bacia; ensino; imprensa e água e patrimônio cultural. A Caixa Econômica Federal é a patrocinadora exclusiva do Prêmio ANA O regulamento e a ficha de inscrição estão disponíveis no hotsite: www.ana.gov. br/premio. Mais informações podem ser obtidas pelo e-mail premioana@ana.gov.br. Janeiro/2012


Rio + 20 O credenciamento para Conferência está aberto O credenciamento para a sociedade civil e inscrições em eventos paralelos na Rio + 20 está aberto. Assim como para as Organizações não governamentais e outros com status consultivo no Conselho Social e Econômico das Nações Unidas (ECOSOC) já podem fazer o pré-credenciamento de seus representantes para a Rio+20. Instituições registradas na Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável também estão habilitadas para dar início ao processo obrigatório a todos os interessados em participar da Conferência (20-22 de junho) ou da terceira sessão preparatória (1315 de junho). O prazo termina no dia 20 de maio. O pré-credenciamento pode ser feito no seguinte endereço eletrônico: http://esango.un.org/irene/index.. ONG’S e outros grupos da sociedade civil que não satisfazem esses requisitos também podem participar do evento. Mas para isso devem enviar, até o dia 20 de fevereiro, um formulário que será avaliado pelo ECOSOC.

Concurso internacional

Inscrição de eventos paralelos

As Nações Unidas lançaram um concurso internacional para escolher a melhor campanha publicitária sobre a importância dos recursos hídricos. Sob o tema “O Futuro que Queremos – Gota a Gota”, é uma iniciativa do Centro de Informação Regional das Nações Unidas (UNRIC), em parceria com o Programa Ambiental da ONU (UNEP), o Escritório do Alto Comissariado para os Direitos Humanos, e com o apoio do Conselho de Ministros Nórdico. O objetivo é criar um anúncio impresso que inspire outros a preservar a água, agora e para as gerações futuras. O prazo para inscrições termina em 28 de fevereiro de 2012. E os vencedores devem ser anunciados entre 22 de março e 5 de junho. Mais informações visitar a página dropbydrop. eu .

As inscrições de propostas para eventos paralelos à Rio+20 também estão abertas na página da Conferência. O prazo termina no dia 30 de março.Acontecerão eventos paralelos no Centro de Convenções Riocentro e fora dele. Os eventos paralelos que terão lugar no Riocentro, local em que ocorrerá a terceira reunião do Comitê Preparatório da Conferência e o Segmento de Alto Nível, chamados on-site side events, têm seus critérios de participação especificados aqui. Em breve, também serão divulgados os prazos de inscrição para atividades fora do Riocentro (chamados off-site events). Dúvidas sobre a realização de eventos paralelos podem ser encaminhadas (em inglês) para o e-mail side_events@uncsd2012.org O guia completo em português para os participantes da Rio + 20 está no site www. onu.org.br/rio20/info.

Janeiro/2012

49


EcoArte

Os muitos “CIDAS” da produção de alimentos modernos

Concepção-Mike Adams — Arte-Dan Berger / www.newstarget.com


A revista de conteúdo!

Repesando o Nordeste, em todos os seus quadrantes e matizes, a Nordeste VinteUm é uma publicação com a cara daquele sertanejo de que fala o romancista Euclides da Cunha. Arrostando obstáculos e no firme propósito de discutir as pluralidades de que são plasmados terra e povo nordestinos.

www.nordestevinteum.com.br Agora 10 razões para anunciar em revista 1. Revista é um importante veículo de informação e análise 2. O leitor de revista tem hábito de consumir 3. Revista atinge todos os públicos 4. A variedade de assuntos seduz o leitor 5. O leitor de revista tem poder de compra e forma opinião 6. Revista é o primeiro passo para a sedimentação de uma marca 7. O leitor de revista valoriza a publicidade 8. Revista gera credibilidade para produtos e marcas 9. A combinação de revista com outras mídias resulta em melhores resultados Desenho sobre como os nossos modelos10. de negócio não são compatíveislongevidade com uma vida sustentável / hikingartist.com Revista garante à sua marca


ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO CEARÁ PENSANDO O FUTURO DO PLANETA lsu áve st

ustent s l e

távels en

AL tentáv us

Redução de gastos, reciclagem de materiais, consumo consciente. Ideias que já entraram em prática na Assembleia Legislativa do Ceará a partir da adoção da Agenda Ambiental na Administração Pública (A3P). Faça você também a sua parte!

Revista EcoNordeste - Edição 05  

Publicação sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável — www.revistaeconordeste.com.br

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you