Page 1

Nº.5 . Ano I . 2011

edição digital gratuita

passear by

sente a natureza

Crónica de Viagens

Estrada da Morte Destino

Ponte de Lima

PRS3

CASTELO DOS MOUROS


Praceta Mato da Cruz, 18 2655-355 Ericeira - Portugal Correspondência - P. O. Box 24 2656-909 Ericeira - Portugal Tel. +351 261 867 063 www.lobodomar.net

www.passear.com

Director Vasco Melo Gonçalves Editor Lobo do Mar Responsável editorial Vasco Melo Gonçalves Colaboradores Catarina Gonçalves, Luisa Gonçalves.... Publicidade Lobo do Mar Contactos +351 261 867 063 + 351 965 510 041 e-mail geral@lobodomar.net

Grafismo

Contacto +351 965 761 000 email anagoncalves@lobodomar.net www.wix.com/lobodomardesign/comunicar

2 Registada na Entidade Reguladora para a Comunicação Social sob o nº. 125 987

Esta é já a 5ª edição da revista Passear e tem sido muito gratificante a adesão demonstrada pelos leitores a este projecto. Temos vindo a crescer ao nível das audiências com uma média de leitores, por edição, na ordem dos 7 000! Nesta edição continuamos a acompanhar a grande aventura em bicicleta, do Idílio pelas terras da América. Fomos fazer a PR do Castelo em Sintra, uma proposta interessante para os dias quentes de Verão. Um trajecto circular com muita sombra e inserido numa paisagem privilegiada. O nosso Destino foi a maravilhosa vila de Ponte de Lima. A mais antiga de Portugal e, sem dúvida, uma das mais bonitas e bem preservada. Continuem a enviar as vossas iniciativas para publicação na Passear (www.passear.com) e partilhem connosco as vossas imagens e vivências. Bons passeios. Diretor vascogoncalves@lobodomar.net Fotografia Carlos Abreu

Direitos Reservados de reprodução fotográfica ou escrita para todos os países

Boas férias e bons Passeios

Capa Fotografia PRS 3 (pág.14)


Edição Nº.5 Agosto 2011

4

24

14 42


4

DESTINO – PONTE DE LIMA

Na rota do Caminho de Santiago O FESTIVAL DE JARDINS DE PONTE LIMA É O PRINCIPAL MOTIVO DA MINHA VISITA ANUAL À MAIS ANTIGA VILA PORTUGUESA. MAS PONTE DE LIMA É MUITO MAIS QUE O SEU FESTIVAL… Texto e Fotografia: Vasco de Melo Gonçalves e C.M. Ponte de Lima

É com grande agrado que todos os anos visito Ponte de Lima, sensivelmente no mês de Julho, para efectuar a reportagem sobre o seu magnífico festival de jardins, este ano de 2011 dedicado à Floresta. Ponte de Lima é o símbolo do equilíbrio entre a história e a actualidade com a arquitectura e o rio Lima a terem um papel preponderantes. Caminhar pelas suas estreitas ruas transportam-nos a tempos idos e quase se consegue sentir a vivência de outros tempos.


5


A gastronomia

6

A gastronomia de Ponte de Lima é uma referência na região do Minho. É didícil comer mal e comer pouco nesta vila sendo o seu ex-libris no Arroz de Sarrabulho, servido com rojões de porco. A lampreia do Rio Lima também é muito apreciada e está disponível desde o início de cada ano até ao final da Primavera, esta iguaria pode ser cozinhada de diversas formas, com destaque para o Arroz de Lampreia e para a Lampreia à Bordaleza. Também aconselho a experimentarem os filetes de pescada que são muito bons para não falar das entradas que, só por si, são uma refeição… Os que gostam de doces, não podem deixar de saborear a textura do leite-creme queimado pela férrea - um ferro em brasa com o qual se queima açúcar espalhado à superfície do creme. Tudo isto acompanhado com o famoso vinho Verde. As uvas destinadas ao “verde” estão sujeitas a cuidadosos e rigorosos processos selectivos, sendo o solo, o clima e as castas - com realce para a casta loureiro nos brancos e para a vinhão nos tintos - os segredos destes vinhos que

Mercearia Ideal

beneficiam ainda do talento e dedicação das gentes da terra. Os vinhos verdes de qualidade distinguem-se facilmente pela cor e pelo aroma único que os caracteriza. Refrescantes e frutados, os vinhos verdes de Ponte de Lima devem ser apreciados devidamente (o branco muito fresco), combinando divinalmente com os pratos e a doçaria tradicionais limianas.


7


Caminho de Santiago e a Natureza 8

A ligação aos Caminhos de Santiago também é muito forte e a recente inauguração do albergue, em 2009, veio reforçar esses laços. Desde a Idade Média, a partir do início do movimento de Peregrinos ao Túmulo do Apóstolo São Tiago, naquele que passou a designar-se Caminho Português de Peregrinação a Santiago, que Ponte de Lima se tornou ponto de passagem obrigatória de todos os que calcorreavam velhas e seculares vias que os conduziam à obtenção da indulgência, simbolizada pela “Compostela”. Esse movimento, que esmoreceu durante uma ou outra época, está notoriamente em crescimento e são já muitas centenas os Peregrinos que, cada ano, passam por Ponte de Lima dirigindo-se a Santiago de Compostela pela muito célebre Serra da Labruja, marco simbólico do Caminho Português, sem esquecer que out-

ros, por sua vez, peregrinam no sentido inverso em direcção a Fátima. Vindos do Sul, por Barcelos, naquele que é considerado a espinha dorsal do Caminho Português, ou por Braga, os Peregrinos a caminho de Santiago passam obrigatoriamente em Ponte de Lima, para cruzar a ponte romana e medieval, símbolo nacional do Caminho Português, que lhes permite – e permitiu durante séculos – a travessia, com segurança, do Lima. A região possui ainda mais pontos de interesse no que diz respeito a caminhadas em contacto com a Natureza. As margens do rio Lima são interessantes e existem percursos sinalizados na área protegida das Lagoas de Bertiandos e S. Pedro d’Arcos.


9


10


Um pouco de história Em pleno coração do Vale do Lima, a beleza castiça e peculiar da vila mais antiga de Portugal esconde raízes profundas e lendas ancestrais. Foi a Rainha D. Teresa quem, na longínqua data de 4 de Março de 1125, outorgou carta de foral à vila, referindo-se à mesma como Terra de Ponte. Anos mais tarde, já no século XIV, D. Pedro I, atendendo à posição geo-estratégica de Ponte de Lima, mandou muralhá-la, pelo que o resultado final foi o de um burgo medieval cercado de muralhas e nove torres, das quais ainda restam duas, vários vestígios das restantes e de toda a estrutura defensiva de então, fazendo-se o acesso à vila através de seis portas. A ponte, que deu nome a esta nobre terra, adquiriu sempre uma importância de grande significado em todo o Alto Minho, atendendo a ser a única passagem segura do Rio Lima, em toda a sua extensão, até aos finais da Idade Média. A primitiva foi construída pelos romanos, da qual ainda resta um troço significativo na margem direita do Lima, sendo a medieval um marco notável da arquitectura, havendo muito poucos exemplos que se lhe comparem na altivez, beleza e equilíbrio do seu todo. Referência obrigatória em roteiros, guias e mapas, muitos deles antigos, que descrevem a passagem por ela de milhares de peregrinos que demandavam a Santiago de Compostela e que ainda nos dias de hoje a transpõem com a mesma finalidade. A partir do século XVIII a expansão urbana surge e com ela o início da destruição da muralha que abraçava a vila. Começa a prosperar,

11

por todo o concelho de Ponte de Lima, a opulência das casas senhoriais que a nobreza da época se encarregou de disseminar. Ao longo dos tempos, Ponte de Lima foi, assim, somando à sua beleza natural magníficas fachadas góticas, maneiristas, barrocas, neoclássicas e oitocentistas, aumentando significativamente o valor histórico, cultural e arquitectónico deste rincão único em todo o Portugal.


Museu dos Terceiros A ideia de criar um Museu de Arte Sacra em Ponte de Lima nasceu nos anos Sessenta do século XX, no seguimento das obras de recuperação encetadas na igreja Matriz da mesma localidade. Perdida a função original de parte do valioso espólio existente nesse templo, de imediato foi sentida a necessidade de encontrar um novo espaço que permitisse a salvaguarda e a divulgação do património religioso que a Matriz albergava. A igreja do antigo Convento de Santo António foi o espaço escolhido para reunir o espólio proveniente da Matriz, tendo as autoridades eclesiásticas permitido a sua desafectação ao culto. Germinava o projecto de constituir a partir daqui um Museu que integraria também peças provenientes de outras igrejas e capelas da vila e do concelho, bem como doações e depósitos feitos por particulares. A concretização desse projecto adquiriu novo alento a 2 de Janeiro de 1975 com a fundação do Instituto Limiano - Museu dos Terceiros, cujo Acto Inaugural só ocorreu mais tarde, a 30 de Abril de 1977.

12

Constituído por dois monumentos religiosos (parte remanescente do extinto Convento de Santo António e edifício da Ordem Terceira de S. Francisco), foi o espaço palco de várias intervenções ao longo dos séculos. Funcionando já como Museu, foi enriquecido, na década de 80 do século XX, com outras colecções, nomeadamente de etnografia e arqueologia. Embora fosse aumentando o acervo, os edifícios foram-se degradando e em a 18 de Fevereiro de 2002 foi celebrado um Protocolo entre o Instituto Limiano e o Município de Ponte de Lima, que estabeleceu uma gestão conjunta do Museu por parte das referidas entidades, visando a recuperação e dinamização futuras. Desde essa data foram elaboradas duas candidaturas aos Fundos Comunitários: Programa Operacional da Cultura e à Operação Norte. A primeira visou a recuperação do edifício e dos seus elementos artísticos e a segunda a recuperação de algumas peças inseridas na exposição permanente e a informatização do inventário do acervo do museu.

‘Porto da Zimbreirinha, trilho do Pontal da Carrapateira


Informações úteis Coordenadas de Ponte de Lima: 41° 46’ 02.60’’ N 8° 35’ 03.60’’ O Alojamento: - Solares de Portugal / http://www.solaresdeportugal.pt/PT/ - Aldeias de Portugal / http://www.aldeiasdeportugal.pt/PT/ - Casas no Campo / http://www.casasnocampo.net/PT/ - Pousada da Juventude / http://www.pousadasjuventude.pt/ - Parque de Campismo Rural na Quinta de Pentieiros / http://www.lagoas.cm-pontedelima.pt/ver.php?cod=0W - Mercearia Ideal (Rua Cardeal Saraiva) / mercearia@live.com.pt Onde comer: A oferta é muito grande e aqui referimos apenas aqueles estabelecimentos que experimentámos. - Encanada (junto ao Mercada). Aberto toda a semana. - O Açude (junto ao Clube Náutico e ao recinto do Festival de Jardins). Encerra à 2ª. Feira. - Brasão (Rua Formosa). - Tulha (Rua Formosa). - Mercearia Ideal (comida mais ligeira e com menus de qualidade. Rua Cardeal Saraiva). Turismo Turismo do Porto e Norte de Portugal, E. R. / Loja de Turismo de Ponte de Lima Torre da Cadeia Velha, Passeio 25 de Abril 4990-058 Ponte de Lima Tel: (+351) 258 942 335 Fax: (+351) 258 942 335 loja.pontedelima@portoenorte.pt Museu dos Terceiros Entrada: 2,5 euros Horário: de Terça-feira a Domingo das 10h00 às 12h30 e das 14h00 às 18h00. Encerra às Segundas-feiras. Internet: http://www.museudosterceiros.com/ index.php Festival de Jardins de Ponte de Lima http://www.festivaldejardins.cm-pontedelima. pt/pt/index.htm Lagoas de Bertiandos e S. Pedro d'Arcos http://www.lagoas.cm-pontedelima.pt/


PRS3 Castelo dos Mouros À conquista das muralhas encantadas

Edificação que domina a Serra de Sintra, o Castelo dos Mouros é o nosso destino numa caminhada dominada pela presença da arquitectura na Serra. Texto e Fotografia: Vasco de Melo Gonçalves

pequena rota

14


15


16

O

início do nosso trajecto, baseado na Pequena Rota PR S3, é na Vila de Sintra. Trata-se de um percurso circular e de fácil execução com algum desnível, uma extensão aproximada de 4,8 km e com uma duração de cerca de 3 horas. É um percurso que, face às suas características, pode ser feito em todas as estações do ano. Ao desenvolver-se ao longo de extenso arvoredo protege o caminhante do forte sol de Verão como da chuva no Inverno. Estamos perante um percurso com uma forte componente botânica e arquitectónica.

TRAJECTO Tudo começa na rua das Padarias da famosa pastelaria Piriquita conhecida pelos seus bolos de excepção onde a tradição doceira é nos trazida até à actualidade mantendo os mesmos padrões de qualidade de tempos passados. O sucesso deste estabelecimento é amplamente reconhecido pelos inúmeros visitantes da Vila de Sintra que chegam a esperar largos minutos para poderem ser atendidos e para poderem apreciar os famosos travesseiros, os Pasteis da Pena, as nozes ou as celebres queijadas. A rua estreita é um dos principais focos comerciais desta vila e


17


ao longo da subida vamos podendo observar as inúmeras ofertas de “souvenirs” na sua grande maioria incaracterísticos e com pouco a ver com a tradição portuguesa. A decoração da rua bem como alguns dos estabelecimentos é de gosto duvidoso...já só pensamos na serra e na sua beleza natural! Este percurso desenvolve-se, na sua grande maioria, ao longo de estradas com pouco movimento (depende um pouco da época do ano) mas não deixa de ser interessante. Deixámos a vila e o seu reboliço para trás e iniciamos a nossa suave subida pela Rampa da Pena que nos levará até ao Castelo dos Mouros. Esta estrada é emblemática 18 da região porque consegue conciliar de uma forma harmoniosa a natureza com a arquitectura. É como se fosse um retroceder na história ao admirarmos os inúmeros challets e quintas que outrora foram pujantes mas que hoje para sobreviverem foram, algumas delas, transformadas para o turismo de habitação ou para a realização de festas. Quando caminhamos vamos podendo ver também, de um outro nível e com outra perspectiva, edificações e quintas como a Quinta da Regaleira e o próprio Palácio da Vila. A Nautreza é esmagadora nesta nossa subida. Árvores frondosas e centenárias criam um cenário dominado pelos tons de verde e pelas abundantes sombras (ideal para


1

19

2


dias quentes). Finalmente chegamos à zona do Castelo dos Mouros uma edificação do século XII que se encontra bem preservada. O nosso percurso atravessa esta monumento em20 blemático da Serra de Sintra e recheado de histórias que nos obrigam a dedicar alguma atenção (para visitar o Castelo é necessário comprar um bilhete). Iniciamos a nossa descida de regresso à vila caminhando numa zona mais urbana e com alguns pontos de interesse como é o caso da Igreja de Santa Maria do século XII e que tem sofrido, ao longo dos tempos, alterações profundas. A emblemática Fonte da Sabuga de origem medieval e reconstruída nos finais do século XVIII. Chegámos à Vila e ao final do nosso passeio com a sensação que esta região tem um potencial turístico enorme e que muito está ainda por explorar.


21

4


BALANÇO A Vila é um local que provoca sensações contraditórias devido a uma oferta comercial de qualidade muito duvidosa e sem uma matriz identificadora da região. Temos um trânsito caótico que nos afasta da quietude que um espaço com estas características deveria ter. A informação do posto de turismo não privilegia o conhecimento da região a pé sendo que, os folhetos das Pequenas Rotas não estão visíveis ao grande público. Quem não sabe que eles existem certamente não vai perguntar por eles!!! Em relação à marcação do percurso, 22 ela não suscita dúvidas e ao longo do trajecto existem diversos pontos de abastecimento.


23


24

CRÓNICA DE VIAGENS Bolívia I - De Copacabana a Uyuni

A Estrada da Morte


25

Texto e Fotografia: Idílio

A “MINHA” BOLÍVIA PODERIA ESCREVER-SE EM QUATRO “CAPÍTULOS” E ALGUNS PARÁGRAFOS DE LIGAÇÃO: “CARRETERA DE LA MUERTE”; “SALAR DE UYUNI”; “TUPIZA”; E A “TRAVESSIA DO SUDOESTE”, DE TUPIZA À LAGUNA VERDE, NA FRONTEIRA CHILENA. MAS COMO NÃO RESISTO A RECORDAR E DIVAGAR, CÁ VAI A SECA DO COSTUME… PODE SEGUIR ESTA AVENTURA NO BLOGUE http://bacalhaudebicicletacomtodos.blogspot.com/


26


I

dílio continua a sua aventura em bicicleta pela a América do Sul e, nesta edição, publicamos as suas experiências quando chegou à Bolívia. Desde Cuzco que viajo com a bandeira do Peru no atrelado – tem cores lindas (vermelho e branco), funciona como “catavento” e sempre é mais um elemento de sinalização da bicicleta e do ciclista… Claro que contava comprar uma da Bolívia logo que tivesse oportunidade – para não ferir susceptibilidades e o espírito boliviano – mas não esperava ter de o fazer logo no posto fronteiriço! Mal parei na cancela que bloqueia a estrada, logo dois militares/ polícias se me dirigiram e, olhando ostensivamente para a bandeira branca e rubra,

me perguntaram se não ia comprar uma 27 bandeira da Bolívia. Dei a resposta óbvia, acrescentando que compraria em Copacabana, se aí houvesse. Mas não se deram por satisfeitos e um deles convidou-me a acompanhá-lo – antes do próprio visto – a um quiosque próximo, de onde já não pude sair sem uma bandeira tricolor… Amarrei a bandeira, para entusiasmo dos mirones e dos guardas fronteiriços e dirigi-me ao posto de controlo, em busca do visto. Poucos minutos depois regressei com o respectivo visto e estava uma nova personagem de volta da bicicleta, rodeado de diversos espectadores. Afinal eu tinha amarrado a bandeira ao contrário e o homem, cioso do estado simbólico da


O Titicaca visto do Cerro Calvário, em Copacabana

28 Pedalando pela manhã, na margem do mítico Titicaca


pátria, corrigia o meu erro! Copacabana fica mesmo na margem do Titicaca, sendo ponto de paragem “obrigatório” para os turistas em trânsito entre o Peru e Bolívia e local de embarque para as ilhas do Sol e da Lua. Esta localização estratégica faz dela a inevitável vila turística, com todo o colorido do artesanato local, enorme oferta de alojamento e restauração e um número interminável de turistas, de todas as idades, credos e línguas, num ecletismo cativante. A minha intenção era apenas almoçar e prosseguir viagem de imediato mas, apesar do look demasiado turístico do povoado, senti vontade de subir o Cerro Calvário e esperar o pôr-do-sol sob a ilha homónima – a ilha lendária da mitologia Inca, onde “tudo” nasceu: o astro Sol; o Deus Viracocha; e os dois primeiros incas

sional com um jovem nativo, com quem regateei o preço para nos guiar à hospedagem onde estávamos alojados; o jantar, em que a empregada insistia para que escolhesse uma das duas opções – omeleta e já não recordo a outra – e eu insistia em dizer que queria ambas, pois estava esfomeado; e o nosso “guia de circunstância”, a quem oferecemos o jantar e que apenas “provou” e mandou “ensacar” – as embalagens do take-way de cá eram (e continuam a ser) sacos de plástico – levando para casa a comida e bebida… Pedalar à ilharga do maior lago de água doce do mundo, à mais elevada altitude, não me excita particularmente, pois não sou muito sensível a recordes… mas peda- 29 lar na paisagem grandiosa, fria, silenciosa, do lago Titicaca, deixar o olhar afundar-se do azul das águas imóveis, escalar deva-

(Manco Capac e a irmã, que foi também esposa, Mama Ocllo)… O mergulho sereno do sol sobre o lago não me desiludiu e, enquanto sorvia a tranquilidade dos momentos, não pude fugir às memórias da passeata com o amigo Zé pela ilha do sol… revivi a tempestade que rodeava a ilha, felizmente sem nela poisar; o brusco cair da noite, que nos apanhou num qualquer trilho impreciso, baralhando os pontos cardeais e dificultando a orientação no regresso; o encontro oca-

gar cada pico imaculado da cordilheira distante, perscrutar cada contorno dos morros que emergem do lago, beber os reflexos do sol da manhã ao som suave das rodas da bicicleta no asfalto frio, é algo que inunda todo o corpo e faz libertar as emoções… NA COMPANHIA DE UM CASAL FRANCÊS A estrada é interrompida pelo lago e a ligação entre San Pedro e San Pablo é feita


numa espécie de jangadas. Há uma autocaravana na jangada atracada no cais e avanço com a Dempster para a sua companhia. Ainda nem encontrei uma posição estável para a bicicleta e já a Valerie me convida a entrar na caravana para tomar

sos, expressões faciais e estava tudo dito e compreendido. E como a travessia foi demasiado rápida e o café necessitava assentar, continuámos à borda do lago a falar, a sorrir, quase esquecendo o delicioso café. Despedimo-nos poucos quilómetros deum “café italiano”. pois, numa foto com o Illimani no horiA Valerie, o marido – Françoi – e o filho zonte, para lá de La Paz… Julian são parisienses e estão “em tour” desde Maio de 2010. Viajaram para o DORMIR EM BATALLAS Canadá, onde compraram a caravana por Em Huarina garantiram-me que havia alo“metade do preço” de França, e vieram jamento em Batallas e deixei-me deslizar por aí abaixo, em verdadeiro ritmo de pas- pela planície mais umas dezenas de seio… Devem terminar em Agosto, logo quilómetros. Mas em Batallas não havia se verá onde, “mas de certeza antes de nem alojamento, nem comedouro, nem inUshuaia, pois está muito frio”, e regres- ternet, praticamente nem mercearia… 30 sar a França. Parece que esta viagem lhes Por trás de um portão entreaberto, um mostrou algo novo, pois sabem que para homem empoleirado pintava meticulosaParis não voltam… para o campo, segu- mente o pequeno gradeamento da igreja. ramente, logo se verá onde e fazer o quê. E, quer em frente, quer ao lado, existia um O Julian, de 10 anos, prepara o café, en- pequeno largo onde grassavam pequenos quanto nós disputamos os momentos tufos de erva. Não me ocorreu melhor para desfiar os episódios e as emoções da saída do que dirigir-me ao sereno pintor viagem, que estão mais à flor da pele… e perguntar-lhe a quem podia pedir autorisomos unânimes no fascínio pela Colôm- zação para acampar ali, uma vez que não bia e os colombianos; pelo colorido Gua- havia alojamento por perto. Olhou-me, temalteco; na “sobranceria” da Costa perguntou-me se era só uma noite e disseRica; no deslumbramento por Machu -me que podia acampar á vontade. Picchu. Mas para mim, o mais fascinante Metade do problema estava resolvido… daqueles momentos foi mesmo a magia de quando montava a tenda, partiu-se mais não ser necessário falar para comunicar… um encaixe das varetas… e já iam dois. bastavam meias palavras, olhares, sorri- Procurei um “ferreiro”/serralheiro e lá


31


“enrolámos” uma chapa de zinco, fazendo não um mas três pequenos tubos para “emplastrar” nos pontos quebrados – ou a quebrar – das guias maltratadas da tenda. UMA VISÃO DE LA PAZ El Alto pareceu-me mais horrível do que eu o recordava, nos seus quilómetros de pó, trânsito, lixo e caos. Por seu lado, La Paz, vista do alto de um qualquer miradouro, é como a retinha na memória: um vale cavado a transbordar de construções pelas íngremes encostas. A cor é a do tijolo, a disposição totalmente anárquica, as ruas labirínticas. Claro que quando se mergulha no coração da cidade, é outra 32 a visão que se tem… o trânsito absolutamente caótico que percorre a principal artéria da cidade – a avenida Mariscal – com centenas de pequenas carrinhas de transporte de passageiros, paradas ou em marcha lenta, pregoando o destino e disputando cada cliente, ao som ensurdecedor das buzinas e dos apitos constantes dos polícias, completamente impotentes e ignorados; os milhares de transeuntes que desaguam nessa mesma avenida, vindos “ribanceira” abaixo, pelas íngremes ruas perpendiculares; o mar de estudantes que, nos seus uniformes distintivos, à hora de saída dos colégios, inundam passeios, ruas e avenidas; e a zona “comercial”, onde

quarteirões sucessivos estão, dia e noite, pejados de vendedores e compradores, num constante ruído, movimento e caos. La Paz é, das poucas capitais que visitei, a mais caótica, mais anárquica, mais esotérica, mas também mais intensa e invulgar… A CARRETERA DA LA MUERTE A “carretera de la muerte” estava no meu imaginário desde que parti de Lisboa… só algum “motivo de força maior” me impediria de a trilhar. Era uma fantasia, uma provocação, um símbolo que queria coleccionar, uma experiência que queria sentir. Quase todas as agências de turismo oferecem o “pacote” da “Death Road”, mas os preços são exageradíssimos e eu tenho bicicleta… Em boa hora pesquisei a “casa del ciclista de La Paz” na internet. Apareceu-me a morada e informação necessária, ainda por cima localizavase a dois quarteirões do meu hostal, na Calle Morillo. Ao subir as escadas para o pequeno café onde funciona a “casa”, cruzei-me com o Nino, um jovem e alto alemão que “percorria o mundo” de bicicleta. Amanhã, disse-me, haverá uma descida à famosa estrada e o ponto de encontro é ali mesmo, às sete da manhã. Mas é melhor falar ao Cristian, o homem da casa del ciclista…


La Paz vista d’El Alto‌

33 Animada partida para a estrada da morte, em La Cumbre


O Cristian é um tipo jovem, de uma calma e serenidade tais que, por vezes, parece desligado do mundo. Mas a amabilidade e genuíno espírito de “serviço ao ciclismo/ciclista”, são inexcedíveis. Confirma que no dia seguinte há um cliente americano para fazer a descida com guia e que, querendo, devo estar às sete em ponto à porta. Ele trará o jipe e transporta-nos aos quatro até lá Cumbre para fazermos a descida junto com o Erick, o guia. Às sete em ponto lá estava eu e o Nino com as respectivas bikes e o Calvin – o cliente americano – com ar de miúdo radical americano. O Cristian apareceu pouco depois, carregámos as bikes e, após uma 34 paragem em casa do Erick, prosseguimos para La Cumbre, o ponto de partida da aventura. La Cumbre fica mesmo no topo da montanha, junto a um vasto conjunto de antenas. Aos nossos pés estendia-se um mar de nuvens brancas e, do outro lado do monte, uma lagoa azul gelada. Apesar do sol brilhar no horizonte, o frio da manhã cortava a pele… Umas macacadas para a fotografia e para não deixar o corpo congelar, as últimas afinações nas bikes, assentos baixados e atiramo-nos do cimo da montanha. O Nino, com bikes sem suspensão e eu, com uma inoperante suspensão dianteira – recordo que a comprei em segunda mão em

Los Angeles… - seguiríamos pelo trilho mais marcado e comum. O Erick e o Calvin, de suspensão integral e bikes de downhill, brincariam a seu belo prazer. O Erick malhou nem duzentos metros após a partida, o que lhe refreou um bocado o entusiasmo e o exibicionismo. Mas foi apenas um incidente de percurso… na verdade era um excelente BTTista, um guia muito atento e simpático. Não seriam muitos a preocupar-se com dois penduras (eu e o Nino), quando o seu ganha-pão é fazer aquele percurso com turistas que lhe paguem. Certo é que não notei qualquer tipo de discriminação, má vontade ou antipatia da parte dele, pelo contrário… A estrada da morte foi fechada ao trânsito regular há uns cinco anos e a sua designação provém da quantidade de “desaparecimentos” anuais – dizem as estatísticas que 25 em média. E a designação é mesmo “desaparecimentos” pois, frequentemente, quando havia (há) acidentes, pessoas e carros pura e simplesmente “desapareciam” na profundeza das ravinas…não ficando ninguém para contar a história, identificar o local e possibilitar sequer o resgate dos corpos. Os primeiros quilómetros da estrada são os de maior diversão ciclística, com o piso duro mas regular, em single treck ou no resto do estradão, com sucessivas curvas e contracurvas. Por vezes há profundas


35


36 Ao fim de 70 kms de pura descida, frio, nevoeiro, neblina e chuva, praticamente não sentia o corpo‌


valas na estrada, abertas pela água, o que obriga a travagens de emergência ou saltos arriscados – isto para o Erick e o Calvin, pois o Nino nada arriscava e eu apenas o mínimo, apesar da vontade… Segue-se um percurso cada vez mais acidentado, de pedra em pedra, pelo vale que se vai fechando. Diz o Erick que há poucas décadas todas estas encostas estavam nevadas boa parte do ano e que agora raramente se vê um fio de neve… as alterações climáticas chegam a todo o lado… Vinte e oito quilómetros de descida e damos uma pausa ao corpo, às máquinas e ingerimos uma breve refeição junto a umas ruínas. A seguir há que subir uns três quilómetros, rolar mais uns três ou quatro na estrada de asfalto e entrar na “verdadeira” estrada da morte, aquela em que a vegetação é densa, as ravinas infindas, o tempo imprevisível e o piso provavelmente molhado. O nevoeiro passou a neblina e, por vezes, quase chuva. A vegetação indiciava isso mesmo: típica vegetação tropical húmida… O Nino disse que desistia, que voltava à estrada de asfalto e regressava a La Paz, pois já não sentia as mãos e não aguentava aquele piso. Alem

do mais não podia apreciar a paisagem, pois a visibilidade era reduzidíssima. Daí a pouco deparámo-nos com uma enorme caravana de Land-Rovers, parados, com vários tripulantes armadilhados de máquinas fotográficas e câmaras de filmar a darem ao gatilho – era uma expedição alemã, em tour pela Bolívia. Talvez o nevoeiro tenha sido um aliado, por toldar a visibilidade e afastar o receio do precipício, que apenas se adivinhava à esquerda da estrada. Talvez a preocupação com a bicicleta me tenha impedido de arriscar uma descida mais veloz, no encalço do Erick, pois o Calvin seguia na minha peugada – o Nino desistiu e regressou à estrada de asfalto, buscando aí um 37 transporte para regressar a la Paz. Talvez tenha deixado também de sentir as mãos, com o frio a trespassar as luvas encharcadas. Mas ao fim de exactamente setenta quilómetros, de quase permanente descida, senti mais alívio que emoção. Afinal deve ter faltado algo no programa, pois não senti a morte a rondar nem sequer o perigo à espreita, apesar de saber que não é impunemente que se chama carretera de la muerte… seguramente ficou envolto no nevoeiro, no frio, na chuva. Ou na racionalidade dos 44…

CONTINUE A SEGUIR ESTA AVENTURA NO BLOGUE: http://bacalhaudebicicletacomtodos.blogspot.com/


notícias

8 mil para Norte De bicicleta até ao Nordkapp Este é o projecto de Tiago Lyrenkönen. O objectivo desta aventura será partir do Cabo da Roca (o ponto mais ocidental da Europa) até ao Nordkapp (o ponto mais a norte da Europa, na Noruega) de bicicleta. Depois do Nordkapp o destino é Helsínquia. A viagem vai ter uma duração de 6 a 7 meses e conta com um total de 8.500km a pedalar. A data de partida será no dia 1 de Março de 2013, mas antes desse dia, ainda falta organizar e preparar muita coisa.

38

http://www.facebook.com/ pages/8-mil-para-Norte-Debicicleta-at%C3%A9-ao-Nordkapp/135657346516835

Festival de Senderismo e Montaña 2011 19, 20 e 21 de Agosto em La Palma, Ilhas Canárias Os amantes da Natureza têm um grande acontecimento neste mês de Agosto com a terceira edição do Festival de Senderismo e Montaña 2011 que tem como ponto de partida a Praça de Espanha de Santa Cruz de la Palma, nas ilhas Canárias. São três dias de grande actividade e com um programa diversificado que têm como principal finalidade a promoção da Ilha de La Palma como um local ligado às Caminhadas e ao Trekking. Para saber mais: http://www.festivaldesenderismolapalma.com/#!__ master-page-1


Receitas do Turismo crescem 8,4% até maio Os turistas estrangeiros deixaram em Portugal receitas turísticas de 2.590 milhões de euros nos primeiros cinco meses de 2011, ou seja, mais 200,7 milhões de euros do que no mesmo período do ano passado, o que corresponde a um aumento de 8,4%, revelam os dados divulgados a 21 de Julho pelo Banco de Portugal. O aumento verificado nas receitas confirma, assim, a consolidação do crescimento do turismo em Portugal. Todos os mercados estratégicos contribuíram para o crescimento das receitas até Maio, com destaque para o Reino Unido e França. Só no mês de Maio, as receitas deixadas pelos turistas britânicos em Portugal aumentaram 14,8% (mais de 17 milhões), enquanto as deixadas pelos franceses aumentaram 7,9% (7,2 milhões), em comparação com

igual período do ano passado. O aumento das receitas confirma as conclusões do estudo “Satisfação de Turistas”, recentemente realizado para o Turismo de Portugal, o qual revela que o País está a conquistar novos turistas estrangeiros, mais sofisticados e mais surpreendidos pela qualidade da oferta turística. No estudo, os turistas destacam na sua experiência o contacto com a população, o clima e a gastronomia, as atividades turísticas e a oferta natural e cultural. As férias corresponderam ou superaram as expetativas da quase totalidade dos visitantes (98%), levando 88% a querer regressar. O Turismo é hoje a principal atividade exportadora nacional, tendo representado, em 2010, 14% das exportações de bens e serviços e 43,3% das receitas de exportações de serviços.

39


notícias

Projecto Ecovias de Portugal

40 Já está em marcha o Projecto Ecovias de Portugal que tem Paulo Guerra dos Santos como o grande impulsionador. Para o responsável, “…a actual conjuntura mundial urge criar condições para que se promovam estilos de vida sustentáveis, nomeadamente aos níveis económico e ambiental. A Ecovias de Portugal é na realidade um grupo de pessoas que quer colocar no terreno um grande projecto em matérias de mobilidade ciclável e ver toda a gente, de qualquer estrato social ou económico, a pedalar pelo país. Acreditamos que é possível utilizar a bicicleta como forma de viajar em turismo, sensibilizamos para a sua uti-

lização através de acções concretas no terreno e promovemos nas pessoas uma maior atitude de autocrítica em relação ao seu modo de vida e à forma como se fazem deslocar. Promover a utilização da bicicleta como meio de transporte e de viagem em Portugal, bem como a dinamização de um turismo ecológico e sustentável por todas as regiões do país, interligando as diversas informações disponíveis e todos os agentes intervenientes no turismo das regiões. Pode acompanhar e participar neste projecto seguindo-o nas seguintes plataformas:

http://www.facebook.com/groups/ecoviasdeportugal/ e http://ecovias-portugal.blogspot.com/


Já na banca!

Para sua comodidade encomende já o seu exemplar e receba-o em sua casa exactamente pelo mesmo valor de banca.

Sem Custos de Envio N.º 16 . ANO IV . 2011

P.V.P. € 4.20 (Continente) IVA incluído

Rota da Biodiversidade de Lisboa

aRquitetuRa Paisagista

apenas

€ 4,20

Passatempo 02 P a r a

q u e m

s e n t e

a

n a t u r e z a

Edição nº16

Dossier

42

Equipamentos lagos & Fontes

Jardins verticais e telhados vivos, as estrelas no

Chelsea Flower show Campanha de Assinatura

Oferta 29,95€

veja na pág.48

Para encomendar clique

Pagamentos efectuados por transferência bancária ou envio de cheque. Para mais informações contacte: T: +351 261 867063 . E-mail: online@tudosobrejardins.com


s o t n e m a p i u eq AKU SL Trek GTX O AKU SL Trek GTX é sem dúvida uma grande novidade no mercado dos equipamentos Outdoor. A sua leveza deixa os principais concorrentes muito distantes deste equipamento. A sua construção especial está equipada com Global Custom Fit, sistema de ventilação Air Infinity, espuma Slow Memory, Exoskelett e solas Vibram Mulaz, o que o coloca num patamar muito superior. 42 http://www.aku.it/

Aquapac Bolsas com braçadeira em dois tamanhos diferentes. Excelentes para todos os que querem manter o seu telefone ou GPS por perto e em segurança. Ideal para actividades de ar livre, esta bolsa feita em TPU permite operar o seu equipamento atravês deste material. A braçadeira ajustável faz com que mantenha os seus objectos em segurança e sem atrapalhar os movimentos deixando as mãos livres O sistema de fecho patenteado Aquaclip e a certificação IPX8 (até 5m de profundidade) garantem a proteção total dos equipamentos. Na cor preta o modelo 218 tem 175 mm x 250 mm e o modelo 216 tem 85 mm x 205mm. Importador: www.nautiradar.com

100%

recom enda

do


BlueDesert Ltd

Sistema SmarTube™ para garrafas de água normais Um novo sistema de hidratação com cápsula, tubo e peça para a boca, permite de maneira mais higiénica e conveniente beber de qualquer garrafa durante atividades. Ao usar SmarTube™ elimina-se a necessidade de obter um sistema de hidratação separado. Com este sistema qualquer garrafa é um sistema de hidratação que pode ser adaptado convenientemente e sempre limpo. Para além destas vantagens este sistema é mais higiénico, facilmente substituído e fácil de encher.

Deuter Hiking: ACT Trail Passeios em estilo A ACT Trail é uma mochila com um conforto excecional e um ajuste ao corpo único. Esta gama levou uma restruturação da parte da marca que usou o seu design testado ao longo dos tempos mas para uma ação mais urbana com os seus cintos de cintura simplificados (20SL & 24). É um dos modelos da Deuter mais populares para passeios mais longos, mas é contudo um modelo ideal também para atividade do dia-adia. Com um estilo mais atualizado e novas cores, os novos modelos são também ideais para uma vida urbana. www.deuter.com

EBERHARD GÖBEL GMBH+CO Sistema inovador para um guarda-chuva em que não precisa de usar as mãos. Este sistema de guarda-chuva sem necessidade de estar com uma mão sempre ocupada a agarrar o guarda-chuva pode agora ser adaptado a qualquer mochila. Ideal não só para passeios mas para ocasiões do dia-a-dia em que tenha que ter ambas as mãos livres. Este guarda-chuva é facilmente colocado em qualquer mochila mas pode também vir com uma mochila própria. http://www.euroschirm.com/

43


Relógio Forerunner 610 Garmin® adiciona primeiro relógio com GPS e ecrã táctil à família Forerunner®

A Garmin Internacional anunciou o lançamento do novo relógio desportivo Forerunner 610 - um fino mas robusto relógio com ecrã táctil à prova de água para quem leva a corrida a sério e procura uma vantagem extra. O Forerunner 610 resiste à chuva, suor e salpicos, sendo sensível o suficiente para ser operado até com luvas. O Forerunner 610 usa um motor vibratório para alertas como o ritmo cardíaco, cadência e distância quando os alertas de som não podem ser ouvidos (monitor de ritmo cardíaco incluído em alguns produtos bundle ou disponíveis separadamente). Com o monitor de ritmo cardíaco, o Forerunner 610 também permite aos atletas monitorizar a intensidade do seu treino via a nova funcionalidade de “Efeito do Treino - ” Training Effect”. Este mede o impacto do exercício ao nível físico e permite-lhe saber como o treino melhora a sua condição. Os dados podem ser retirados de corridas guardadas no relógio ou através do download (sem fios) da 44 enorme comunidade em expansão de corrida Garmin Connect™, (http://connect.garmin.com). Aqui os utilizadores podem carregar e descarregar os seus treinos, monitorizar os seus totais, definir objectivos, partilhar treinos com amigos e familiares e participar numa comunidade online de Fitness com mais de 50 milhões de actividades no mundo. Garmin Connect mostra métricas como o tempo, distância, cadência, elevação e ritmo cardíaco. Esta informação é apresentada através de gráficos ilustrações, relatórios e uma variedade mapas (mapas de ruas, topográficos, de elevação e fotografia). PVP: Forerunner 610: 349€; Forerunner 610 HRM: 399€

Komperdell Sportartikel GmbH Bastão Approach Carbon Vario dobrável e agora com altura ajustável também.

O novo conceito do bastão Approach Carbon Vario combina a utilidade de ser completamente dobrável e fácil de transportar com o mínimo de peso com o ajuste do comprimento, uma crescente preocupação de quem utiliza bastões durante grandes caminhadas. Graças ao seu fecho Easy-Lock-Fixture o bastão é muito resistente à corrosão e pode ser dobrado em quatro. A sua montagem é rápida e fácil. O bastão pode ser ajustável de 115 cm a 140 cm de altura, dobrado mede apenas 34 cm. http://www.komperdell.com/


A Lobo do Mar criou uma nova valência dentro da empresa, um departamento de

Design de Comunicação

mais um serviço completo e de qualidade que colocamos ao seu dispor, com valores muito competitivos.

ADE D I T N IDE WEB DADE IAL I C I L R PUB EDITO N G I DES RAFIA G O T FO . mais.. o t i u em

em concreto: Logótipos, Estacionários, Manuais de normas, branding e rebranding Micro-sites, Webdesign, Banners Anúncios, Roll-ups, Outdoors, Stands Revistas, Livros, Newsletters, Flyers, Desdobráveis, Catálogos Press Releases Fotografia de Reportagem

Para informações mais detalhadas: site: www.wix.com/lobodomardesign/comunicar e-mail: anagoncalves@lobodomar.net Tel: + 351 261867063 Tlm: + 351 965761000

Revista Passear Nº5  

Edição de Agosto da Revista Passear

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you