Page 1

P.V.P €3.80 (Continente) IVA Incluído

Edição Nº. 1 . Ano I . 2012

MARINAS & DOCAS Lisboa, Oeiras e Cascais

Volvo Ocean Race Faz escala em Lisboa

Oeiras

Um Porto de Charme The Tall Ships Races Lisboa MARINAS

CASCAIS PORTO DE OEIRAS PARQUE DAS NAÇÕES


editorial

Praceta Mato da Cruz, 18 2655-355 Ericeira - Portugal Correspondência - P. O. Box 24 2656-909 Ericeira - Portugal Tel. +351 261 867 063 www.lobodomar.net

www.nauticapress.com Director Vasco de Melo Gonçalves (vascogoncalves@lobodomar.net) Editor Lobo do Mar Responsável editorial Vasco de Melo Gonçalves Redação Lobo do Mar Contacto info@nauticapress.com Publicidade Lobo do Mar Contactos +351 261 867 063 + 351 965 510 041 e-mail geral@lobodomar.net Conceção gráfica

Contacto +351 965 761 000 email anagoncalves@lobodomar.net Impressão e acabamento

Av. Dr. Francisco Sá Carneiro, Núcleo Empresarial de Mafra - Pav. 14 2640-486 Mafra Tel.: +351 261816500 Fax.: +351 261816501 email: producao@roloefilhos.pt www.roloefilhos.pt Distribuição VASP, Lda. Media Logistics Park, Quinta do Grajal, Venda Seca 2735-511 Agualva-Cacém Tel.: +351 21 433 70 00 Tiragem: 6 000 exemplares Periodicidade: Aperiódica na sua edição em papel Depósito legal nº. 343824/12 Registada na Entidade Reguladora para a Comunicação Social sob o nº 123988 Direitos Reservados de Reprodução Fotográfica ou Escrita para todos os Países

Fotografia de Capa PAUL TODD/Volvo Ocean Race (pág.50)

com grande potencial

A

revista Náutica Press faz, em 2012, 10 anos. Decidimos comemorar a data com o lançamento de diversas publicações impressas dedicadas às infraestruturas náuticas. Estamos conscientes que as infraestruturas de apoio à Náutica são um fator de desenvolvimento importante da atividade. Têm sido inúmeros os esforços das entidades públicas e privadas mas existem ainda, grandes lacunas de oferta de postos de amarração na margem sul do Tejo e para jusante do mesmo, tema que iremos abordar num futuro breve. Apesar de Portugal viver uma situação económica difícil, acreditamos que é através do Mar e da Natureza que podemos sair desta situação e perspetivar um futuro mais próspero. Nesta edição associamos, ao tema das infraestruturas, dois grandes acontecimentos náuticos que vão ter lugar em Lisboa, a Volvo Ocean Race e a Tall Ships Races. Duas iniciativas de cariz desportivo diferente, mas com um grande potencial de divulgação de Portugal como um destino náutico e turístico. Vasco de Melo Gonçalves

vascogoncalves@lobodomar.net

03


sumário 06

Cascais | Oeiras | Lisboa De elevado Potencial 06

38

Centro Náutico de Algés Um acreditar no futuro

44

Marina Parque das Nações A marina de Lisboa

46

Porto de Recreio de Oeiras Um porto de charme

50

50

Volvo Ocean Race Escala em Lisboa

68

The Tall Ships Races 2012 A festa na capital 68

04


NOVO BiNóCulO

COMMANdeR RACe editiON

Edição exclusiva e limitada Novo modelo com todas as características do Commander XP considerado o melhor binóculo marítimo do mundo O 65º Aniversário da Steiner e o alto patrocínio á equipa Puma a bordo do Mar Mostro, participante da actual Volvo Ocean Race, são motivos muito fortes para o lançamento desta edição especial.

COMMANdeR 7X50K c/ bússola com um PReçO SeNSACiONAl de 999,00 € (iva incluído)

30

anos de garantia

COMMANdeR 7X50 s/ bússola com um PReçO SeNSACiONAl de 899,00 € (iva incluído)

NãO perca a OpOrtuNidade de ter um biNóculO SteiNer excluSivO e cOmemOrativO.

ReSeRVe já A SuA uNidAde.

distribuidor: rua antónio de Saldanha, 65, 1400-020 lisboa t: 21 300 50 50 | F: 21 300 50 59 e-mail: comercial@nautiradar.pt www.nautiradar.pt

comercialização: Agentes Steiner Aderentes contacte-nos para mais informações


Marinas & Docas

Cascais | Oeiras | Lisboa De elevado potencial! Texto e fotografia: Lobo do Mar

A união do Atlântico com o rio Tejo faz da Grande Lisboa um destino privilegiado para os amantes dos barcos. Cascais, Oeiras e Lisboa possuem infraestruturas importantes e estão preparadas para receberem qualquer tipo de evento náutico. 06


Cascais | Oeiras | Lisboa

A

zona de confluência entre o Atlântico e rio Tejo é de grande beleza natural e pode ser encarada como um fator de atração para o desenvolvimento da região e do país. O interessante seria observar, num futuro próximo, a associação das infraestruturas e das autarquias onde estão inseridas bem como do turismo, no sentido de criarem um sindicado com vista à promoção internacional da região. Sendo certo que as infraestruturas concorrem entre si, é também certo que elas se podem unir para ganharem massa critica para uma promoção internacional com vista a cativar potenciais interessados em deixarem os seus

barcos em Portugal, cativarem organizações desportivas mostrando o potencial da região, cativarem associações de vela de cruzeiro a passarem pelo país hospitaleiro e ainda para mais com o magnífico clima que Portugal tem. Uma atuação conjunta irá fortalecer a imagem da região com uma maior racionalização dos investimentos. Seria também interessante explorar o mercado dos mega iates que cada vez têm mais dificuldade em arranjar espaços na Europa. A posição geográfica desta região e a qualidade das infraestruturas terrestres poderão ser fatores muito positivos para o cativar de uma clientela exigente.

07


Marinas & Docas

Cascais e Oeiras Cascais e Oeiras possuem infraestruturas náuticas de grande qualidade mas com dimensões e finalidades diferenciadas. A Marina de Cascais tem conseguido ser palco de importantes eventos internacionais para os quais o Clube Naval de Cascais tem contribuído de uma forma decisiva com a sua capacidade de organização desportiva. O Porto de Recreio de Oeiras tem uma outra dimensão e serve propósitos diferentes. A sua menor dimensão e a sua integração urbana funcionam a seu favor. É um espaço agradável de estar mesmo para quem não possui barco, a sua posição geográfica permite aos residentes escolherem diferentes programas

de navegação, a sua posição intermédia entre Cascais e Lisboa faz da infraestrutura um ponto de escala.

Lisboa Lisboa não tem crescido muito ao nível da oferta de postos de amarração. A Doca de Alcântara (do Espanhol) tem vindo a ser conquistada pela Náutica de Recreio e pelas embarcações dedicadas à Marítimo Turística mas, esta última, com uma qualidade de operação fraca. A Marina Parque das Nações, depois de um nascimento atribulado, tem vindo a cimentar a sua posição de única marina da capital. A sua posição geográfica é estratégica no sentido da criação de diferenciados programas de navegação para explorar o rio Tejo. Infelizmente, o rio parece ter apenas margem Norte. A ausência de infraestruturas na margem sul condiciona os programas que os proprietários de barcos ambicionem fazer com vista a conhecerem o estuário do rio Tejo.

08


O futuro condicionado A Administração do Porto de Lisboa mandou elaborar um estudo que deverá servir de linha orientadora da sua atuação no que diz respeito à Náutica de Recreio, o PIRANET. O trabalho é extenso e completo no qual são propostas algumas infraestruturas que estarão condicionadas com a atual situação financeira de Portugal. No município de Oeiras, em complemento do porto de recreio de Oeiras: – Base Náutica do Dafundo, um investimento público ou privado. Criação de uma Base Náutica, conceito que integra a agregação/ concentração de vários serviços ligados às atividades de recreio e desportos náuticos, designadamente áreas de apoio de terra, parqueamentos a seco, atividades de ensino e lúdico/desportivas afins. Aproveitamento da proximidade do Centro Náutico de Algés e da Doca de Pedrouços. – Centro Náutico de Algés. Já em fase de execução e é um investimento privado; – Marina do Jamor / Cruz Quebrada que deverá ter um promotor privado. Área de aproximadamente 12,6 hectares, localizada nas antigas instalações das fábricas Lusalite e Gist Brocades, na margem direita junto à foz do rio Jamor, para onde está a ser desenvolvido um projeto, de iniciativa privada, que integrará, entre outras infraestruturas, uma Marina com capacidade de 200 embarcações, com comprimentos de 6 a 18 m. – Porto de Recreio de Paço de Arcos, um investimento da Câmara de Oeiras e APL, SA. Criação de condições de abrigo e futuro desenvolvimento de um Porto de Recreio; - Integração de uma zona de abrigo para embarcações de pesca local. A Marina do Tejo (Doca de Pedrouços) já tem o projeto concluído encontra-se numa fase de preparação para receber a Volvo Ocean Race. As obras terrestres serão da responsabilidade de privados (concessão). A infraestrutura terá uma exploração privada. Em Lisboa o Núcleo de Apoio Náutico do Poço do Bispo está em fase de estudo pela APL e C.M. de Lisboa. E na margem Sul foi apresentada, em 2011, a Marina de Almada a ser implementada nas antigas instalações da Lisnave, uma iniciativa privada que está parada neste momento.


Marinas & Docas

Marina de Cascais 38° 42’ N - 09° 25’ W Texto e fotografia: Lobo do Mar

Pt

A Marina de Cascais é uma infraestrutura moderna com a capacidade para albergar 635 barcos possui heliporto e cais para mega iates.

En

Cascais Marina is a very modern infrastructure with capacity for vessels up to 25 metres in length and 635 berth places. It offers a wide range of maintenance services which are carried out by qualified and officially certified staff. 10


Cascais | Oeiras | Lisboa

A

Marina de Cascais é a porta de entrada para o Porto de Lisboa. É uma infraestrutura moderna com a capacidade de resolver todas as situações com que um proprietário de barco se possa deparar. A sua situação geográfica e respetivo plano de água fazem da Marina de Cascais um polo de atração dos grandes eventos náuticos, nomeadamente a America’s Cup e Circuito TP 52. É uma infraestrutura bem integrada na povoação de Cascais e com um forte comércio local.

A Marina de Cascais possui uma área técnica com capacidade para embarcações com comprimento máximo de 25 metros, onde pode encontrar uma variada gama de serviços de manutenção prestados por pessoal certificado oficialmente. Esta área está bem equipada e com os seguintes serviços: Pórtico de 70 Ton; Grua de 3 Ton; Rampa; Lavagens de fundo; Reboques; Estacionamento em seco. No anteporto, em zona protegida, a Marina de Cascais possui um Pontão de Mega Iates, exclusivamente para receber iates de grande porte, com dimensões superiores a 36 metros. A utilização deste Pontão apenas é possível com marcação prévia. Como meio complementar a nível de segurança e salvamento, encontra-se na zona nascente da Marina de Cascais um sofisticado Heliporto. De realçar que esta infraestrutura poderá ser utilizada para fins de lazer através da autorização da Direção da Marina de Cascais. O cais de abastecimento encontra-se em funcionamento de Segunda a Domingo, entre o período das 09H00 e 20H00, através do Telefone/Fax (+351) 214 845 488. Toda a informação necessária para abastecimentos das 20H00 às 09H00 poderá ser obtida através do seguinte contacto 24H (+351) 966 392 387.

11


Marinas & Docas

Serviços disponíveis 635

<45m

VHF 16|11

WI-FI

Informações úteis

Marina de Cascais Casa de S. Bernardo 2750-800 Cascais Tel (+351) 214 824 800 | Fax (+351) 214 824 899 |E-mail: info@marinacascais.pt Receção: Tel: (+351) 214 824 800 | Fax: (+351) 214 824 899 | E-mail: reception@marinacascais.pt Tarifários http://mymarinacascais.com/marina/tarifarios/estadias-e-servicos/ Empresas Tuttamania – Navegação de Recreio, Lda. | Serviços Náuticos | www.tuttamania.com Parede Náutica | Serviços Náuticos | www.paredenautica.pt Nautistar | Serviços Náuticos e Marítimo Turística | www.nautistar.pt/ Eletrónica Nautiradar, Lda. | Principais marcas: Raymarine, Mastervolt, KVH, Icom, Glomex, Comar, Mcmurdo | www.nautiradar.pt Nautel, Lda. | Principais marcas: Humminbird, Hondex, Magellan, Nexus | www.nautel.pt Seatec | Principais marcas: Simrad, Lowrance, B&G, Koden | www.seatec.pt

12


turismo

Cascais

Cascais | Oeiras | Lisboa

Messe da Marinha

Farol e casa de Santa Marta

Cascais é uma vila com uma importância crescente ao nível do turismo. A sua oferta é diversificada desde o património edificado ao natural. A gastronomia é outro argumento importante que faz de Cascais um lugar único em Portugal. A nossa proposta é a de conhecer a zona costeira através da utilização da bicicleta. Na vila existem bicicletas para alugar. Para saber mais sobre o património: http://www.cm-cascais.pt/sub-area/patrimonio Para ver e fazer a descarga do percurso para o seu equipamento de GPS: http://ridewithgps.com/routes/1120823

Vista do hotel Albatroz

Escultura de Cristina Leiria, na Marina de Cascais

Centro da vila de Cascais

Zona das piscinas naturais junto ao Estoril

Rei D. Carlos

13


Marinas & Docas

Porto de Recreio de Oeiras 38°40.60’N - 9°19.00’W

Texto e fotografia: Lobo do Mar

Pt

O Porto de Recreio de Oeiras possui amarrações em pontões flutuantes para 294 e 100 lugares a seco. Está equipado com Restaurantes e bares, Press shop, loja de conveniência, lojas náuticas e 200 lugares de estacionamento para carros.

En

The Oeiras Yachting Harbour offers 294 berths in floating pontoons and 100 places in dry land. Equipped with restaurants and bars, press shop, convenience store, nautical shops and a 200 vehicle parking facility. 14


Cascais | Oeiras | Lisboa

O

Porto de Recreio de Oeiras é uma infraestrutura com um grande sucesso e com escala humana. Portador da Bandeira Azul, é um bom exemplo do que se deve fazer ao longo da nossa costa. A infraestrutura está bem integrada com as Piscinas Atlânticas e a malha urbana. Conseguiu criar também um polo de comércio e um local de atração para os passantes.

Entre os seus serviços de destacar a Valet de embarcações. Este serviço é dirigido a proprietários de embarcações de pequeno porte (até 8m) e motos de água, que guardando as embarcações em terra pretendem navegar durante um curto espaço de tempo (fim de semana). Possibilidade de contratação de skipper e solicitar as lavagens de barcos.

15


Marinas & Docas

Serviços disponíveis 294 <45m

VHF 9

Informações úteis

Porto de Recreio de Oeiras Estrada Marginal – Praia da Torre 2780-267 Oeiras Tel.: 214 401 510 | Fax: 214 401 515 | E-mail: precreio@oeirasviva.pt Tarifário http://portoderecreio.oeirasviva.pt/_tarifário Empresas Nautirecreio | http://www.nautirecreio.pt/ Kili Náutica | http://www.kilinautica.pt/ Eletrónica Nautiradar, Lda. | Principais marcas: Raymarine, Mastervolt, KVH, Icom, Glomex, Comar, Mcmurdo | www.nautiradar.pt Nautel, Lda. | Principais marcas: Humminbird, Hondex, Magellan, Nexus | www.nautel.pt Seatec | Principais marcas: Simrad, Lowrance, B&G, Koden | www.seatec.pt

16


Oeiras

turismo

Cascais | Oeiras | Lisboa

Forte de São Julião da Barra

Forte do Areeiro

O Porto de Recreio de Oeiras fica ainda distante do centro da vila de Oeiras. Continuamos a propor a descoberta da zona ribeirinha que inclui Paço de Arcos e Algés, através do uso da bicicleta. Proposta da autarquia para visitar Oeiras num dia: http://www.cm-oeiras.pt/voeiras/Turismo/OndeIr/Paginas/Oeirasnumdia.aspx Para ver e fazer a descarga do percurso para o seu equipamento de GPS: http://ridewithgps.com/routes/1120823

Junto ao posto náutico de Paço de Arcos

Aquário Vasco da Gama em Algés

Pormenor do Forte do Areeiro

Porto de Recreio de Oeiras

Baia dos golfinhos junto ao Forte de São Bruno

17


Marinas & Docas

Doca do Bom Sucesso 38° 41,5’ N - 9° 13’ W

Texto e fotografia: Lobo do Mar

Pt

En

A Doca do Bom Sucesso pode acolher até 141 embarcações com mais de 6m de comprimento; e até 22 embarcações com menos de 6m até 3 m de calado. A doca beneficia de vários serviços: passadiços flutuantes, posto de receção, água e eletricidade nos passadiços, fornecimento de água em cais, combustíveis em cais, recolha de lixos e óleos, sistemas de segurança, sistemas de comunicação, balneários e previsão do tempo. The Bom Sucesso Dock can receive up to 141 vessels with more than 6m in length; and up to 22 vessels with a length inferior to 6m. The dock benefits from various services: floating footbridges, reception desk, water and electricity on the footbridges, water supply on the dock, fuel on the dock, collection of rubbish and oils, security systems, communication systems, bathroom facilities and weather forecast. 18


Marinas & Docas

A

doca do Bom Sucesso fica situada numa zona nobre da cidade de Lisboa. Possui uma zona de restauração perto e uma unidade hoteleira de luxo. A empresa ATR Portugal opera nesta infraestrutura e integra uma escola de navegação Terra Incógnita. Está bem servida por uma rede de transportes composta por táxis e comboio urbano.

Serviços disponíveis 22

<6m

141

>6m

VHF 68|74 80

Informações úteis

Escritório / Receção 09.00h – 13.00h e das 14.00h – 18.00h (dias úteis) 09.00h – 13.00h e das 14.00h – 19.00h (fins de semana e feriados) Contactos: Telefone +351 213 922 080 | Fax +351 213 922 195 | Email: doca.bomsucesso@portodelisboa.pt

Eletrónica Nautiradar, Lda. | Principais marcas: Raymarine, Mastervolt, KVH, Icom, Glomex, Comar, Mcmurdo | www.nautiradar.pt Nautel, Lda. | Principais marcas: Humminbird, Hondex, Magellan, Nexus | www.nautel.pt Seatec | Principais marcas: Simrad, Lowrance, B&G, Koden | www.seatec.pt

Tarifários http://www.portodelisboa.pt

Aprestos DND, Lda. | www.dnd.pt

Empresas ATR Portugal | Representante da Archambault | www.atrportugal.com/

Reparação e assistência Centro Náutico de Algés | www.cnalges.pt/

19


Marinas & Docas

Doca de Belém 38° 41,5’ N - 9° 12,5’ W

Texto e fotografia: Lobo do Mar

Pt

En

A Doca de Belém oferece uma capacidade correspondente a 170 embarcações com mais de 6m de comprimento e a 24 embarcações inferiores a 6m até 4 m de calado. A doca beneficia de vários serviços: passadiços flutuantes, água, posto de receção, água e eletricidade nos passadiços, aguada em cais, combustíveis em cais, recolha de lixos e óleos, alagem mecânica, oficina, sistemas de segurança, sistemas de comunicação, balneários e previsão do tempo. The Bélem Dock offers a capacity which corresponds to 170 vessels with more than 6m in length; and 24 vessels with a length inferior to 6m. The dock benefits from various services: floating footbridges, water, reception desk, water and electricity on the footbridges, water supply on the dock, fuel on the dock, collection of waste and oils, mechanical hauling, workshop, security systems, communication systems, bathroom facilities and weather forecast. 20


Cascais | Oeiras | Lisboa

A

doca de Belém fica situada numa zona nobre da cidade de Lisboa. Possui diversos restaurantes nas suas imediações. Possui estação de comboios urbanos perto, a cerca de 200 m e possui um conjunto de restaurantes. É a única doca com serviços de elevação, parqueamento a seco e zona de reparação.

Serviços disponíveis 24

<6m

170

*

>6m

VHF 68|74 80

*Guindaste elétrico - embarcações até 2 tons ; Travel-Lift - embarcações até 20 tons e boca da embarcação inferior a 4,5 m.

Informações úteis

APL Escritório / Receção 09.00h – 13.00h e das 14.00h – 18.00h (dias úteis) 09.00h – 13.00h e das 14.00h – 19.00h (fins de semana e feriados) Contactos Telefone +351 213 922 203/4 | Fax +351 213 922 188 | Email: doca.belem@portodelisboa.pt Tarifários http://www.portodelisboa.pt Clubes Associação Naval de Lisboa | www.anl.pt Sport Algés e Dafundo | www.sportalgesedafundo.com Empresas Francisco Ramada, Lda. | Representante da

Bénéteau e reparação de embarcações | http://www.franciscoramada-beneteau.com/ Descobreventos | Representante da Bavaria, Dufour, Grand Soleil, GreenLine| www.descobreventos.pt Eletrónica Nautiradar, Lda. | Principais marcas: Raymarine, Mastervolt, KVH, Icom, Glomex, Comar |www.nautiradar.pt Nautel, Lda. | Principais marcas: Humminbird, Hondex, Magellan, Nexus | www.nautel.pt Seatec | Principais marcas: Simrad, Lowrance, B&G, Koden | www.seatec.pt Aprestos DND, Lda. | www.dnd.pt Reparação e assistência Centro Náutico de Algés | www.cnalges.pt Tecniates, Lda. | tecniates@mail.telepac.pt

21


Marinas & Docas

Doca de Santo Amaro 38° 41,5’ N - 9° 10,5’ W

Texto e fotografia: Lobo do Mar

Pt

A Doca de Santo Amaro tem uma capacidade de 218 embarcações com mais de 6m de comprimento; e 103 embarcações inferiores a 6m até 1 m de calado. A doca beneficia de vários serviços: passadiços flutuantes, posto de receção, água e eletricidade nos passadiços, aguada em cais, recolha de lixos e óleos, sistemas de segurança, sistemas de comunicação, balneários e previsão do tempo.

En

The Santo Amaro Dock features capacity for 218 vessels with more than 6m in length; and 103 vessels with a length inferior to 6m The dock benefits from various services: floating footbridges, reception desk, water and electricity on the footbridges, water supply on the dock, collection of rubbish and oils, security systems, communication systems, bathroom facilities and weather forecast. 22


Cascais | Oeiras | Lisboa

A

doca de Santo Amaro é uma pequena infraestrutura inserida numa zona de restaurantes. Está bem servida pelo comboio e táxis. Existe uma zona comercial com supermercado a cerca de 500 m.

Serviços disponíveis 103

<6m

218

VHF 68|74 80

>6m

Informações úteis

APL Escritório / Receção 09.00h – 13.00h e das 14.00h – 18.00h (dias úteis) 09.00h – 13.00h e das 14.00h – 19.00h (fins de semana e feriados)

decoração de barcos (Boat Style) | www.seaway.co.pt/

Contactos Telefone +351 213 922 011 Fax +351 213 922 038 Email doca.stamaro@portodelisboa.pt

Eletrónica Nautiradar, Lda. | Principais marcas: Raymarine, Mastervolt, KVH, Icom, Glomex, Comar, Mcmurdo |www.nautiradar.pt Nautel, Lda. | Principais marcas: Humminbird, Hondex, Magellan, Nexus | www.nautel.pt Seatec | Principais marcas: Simrad, Lowrance, B&G, Koden | www.seatec.pt

Tarifários http://www.portodelisboa.pt

Aprestos DND, Lda. | www.dnd.pt

Empresas Siroco Yacht Brokers | Barcos usados | www.siroco-nautica.pt/ Sea Way | Distribuição dos Catamarans Lagoons, Serviços de Manutenção, Charter e

Reparação e assistência Centro Náutico de Algés | www.cnalges.pt/

23


Marinas & Docas

Doca de Alcântara 38°41,5’ N - 9° 10’ W Texto e fotografia: Lobo do Mar

Pt

A Doca de Alcântara (do Espanhol) tem uma capacidade de 427 embarcações com mais de 6m de comprimento; e 15 embarcações inferiores a 6m até 10 m de calado. A doca beneficia de vários serviços: posto de receção, eletricidade nos passadiços, recolha de lixos e óleos, sistemas de segurança, sistemas de comunicação, balneários e previsão do tempo.

En

The Alcântara Dock has a capacity for 427 vessels with more than 6m in length; and 15 vessels with a length inferior to 6m. The dock benefits from various services: reception, electricity on the footbridges, collection of waste and oils, security systems, communication systems, bathroom facilities and weather forecast. 24


Cascais | Oeiras | Lisboa

E

sta doca foi, outrora, uma doca comercial e tem vindo a ser conquistada pela Náutica de Recreio e embarcações da Marítimo Turística. As condições de utilização são boas existindo algumas empresas a operar nas áreas da importação, venda de embarcações e charter. Ao nível de locais para refeições existe um pequeno restaurante. No que diz respeito a meios de comunicação existe, a cerca de 200 m, uma estação de comboios urbanos (linha Cascais - Cais do Sodré). A cerca de 500 m temos uma zona comercial com supermercado.

Serviços disponíveis 15

<6m

425

VHF 68|74 80

>6m

Informações úteis

Tarifários http://www.portodelisboa.pt

APL Escritório / Receção 08.00h – 13.00h e das 14.00h – 19.00h (dias úteis) 08.00h – 13.00h e das 14.00h – 19.00h (fins de semana e feriados) Período de Verão (mês de Maio a Setembro) esta Doca encerra a receção às 20.00h

Empresas Siroco Yacht Brokers | Barcos usados | www.siroco-nautica.pt/ Sea Way | Distribuição dos Catamarans Lagoons, Serviços de Manutenção, Charter e decoração de barcos (Boat Style) | www.seaway.co.pt/

Ponte móvel da Rocha Conde D´Óbidos 00.00h – 07.00h - aberta à navegação 07.00h – 19.00h - fechada à navegação (abertura de ½ em ½ hora) 19.00h – 24.00h - aberta à navegação * Sábado / Domingo / Feriados 00.00h – 24.00h - aberta à navegação Contactos Telefone – 351 213 922 048/58 | Fax – 351 213 922 85 | Email doca.alcantara@portodelisboa.pt

Eletrónica Nautiradar, Lda. | Principais marcas: Raymarine, Mastervolt, KVH, Icom, Glomex, Comar , Mcmurdo |www.nautiradar.pt Nautel, Lda. | Principais marcas: Humminbird, Hondex, Magellan, Nexus | www.nautel.pt Seatec | Principais marcas: Simrad, Lowrance, B&G, Koden | www.seatec.pt Aprestos DND, Lda. | www.dnd.pt Reparação e assistência Centro Náutico de Algés | www.cnalges.pt/

25


Marinas & Docas

Marina Parque das Nações 38°45’22”N - 9°05’33”W Texto e fotografia: Lobo do Mar

Pt

A Marina Parque das Nações possui 602 postos de amarração, destinados a embarcações até 25m na Bacia Sul e cruzeiros ou mega Iates até 230m na Ponte Cais. Apresenta-se como uma marina de cariz urbano, de fácil acesso ao interior da cidade, assim como à vida cosmopolita, típica de uma capital Europeia.

En

Marina Parque das Nações, offers 600 berths for yachts up to 25m in the south basin and for cruisers up to 230m in the Ponte Cais. It is an urban marina, just 10 minutes from the Lisbon airport, with easy access to the center of the city and to the cosmopolitan life of an European capital. 26


Cascais | Oeiras | Lisboa

U

ma infraestrutura renovada, onde várias foram as novidades tecnológicas implantadas para melhorar o serviço, assim como, para aumentar o nível de segurança das embarcações. Possui ainda, o inovador e pioneiro sistema de comportas duplas, que garantem a estabilidade das marés, correntes e assoreamentos, garantindo um porto seguro para as embarcações. A Marina Parque das Nações é muito bem servida de vias de comunicação com a Gare do Oriente bem perto o que lhe proporciona ligações ferroviárias para todo o país. O aeroporto fica a cerca de 10 minutos. A sua posição geográfica permite uma fácil exploração da margem sul do Tejo e a navegação para o interior.

27


Marinas & Docas

Serviços disponíveis 602 <45m

VHF 9

Informações úteis

Marina Parque Das Nações / Receção Tel.: 218 949 066|E-mail.: info@marinaparquedasnacoes.pt Tarifário http://www.marinaparquedasnacoes.pt/pt/a-marina/tarifarios Empresas Estaleiro Naval De Lisboa | Serviços Náuticos | www.estaleironavaldelisboa.com Worl Wide Motors | http://www.worldwidemotors.eu/ Eletrónica Nautiradar, Lda. | Principais marcas: Raymarine, Mastervolt, KVH, Icom, Glomex, Comar , Mcmurdo | www.nautiradar.pt Nautel, Lda. | Principais marcas: Humminbird, Hondex, Magellan, Nexus | www.nautel.pt Seatec | Principais marcas: Simrad, Lowrance, B&G, Koden | www.seatec.pt

28


Cascais | Oeiras | Lisboa

Torre de Belém

Sé de Lisboa

Casa dos Bicos

Terreiro do Paço Terreiro do Paço

Fundação Champalimaud

turismo

Lisboa

A incursão em Lisboa é feita com uma bicicleta Strida. A sua leveza e a possibilidade de se dobrar fazem, desta bicicleta, a companheira ideal. Pode descarregar o percurso para o seu equipamento de GPS no seguinte endereço: http://ridewithgps.com/routes/1120823 29


Marinas & Docas

Oeste

Museu de Marinha

Junto à zona ribeirinha do Tejo, a poente do centro da cidade encontra-se Belém, zona da cidade que melhor representa a época dos Descobrimentos. Podemos ver nesta zona duas construções classificadas pela UNESCO como Património da Humanidade. A primeira, o Mosteiro dos Jerónimos, foi mandado construir pelo Rei D. Manuel I em 1501 sendo exemplo do denominado Estilo Manuelino, cuja inspiração provém dos descobrimentos, estando também associado ao estilo gótico e algumas influências renascentistas. O mosteiro custou o equivalente a 70 kg de ouro por ano, suportados pelo comércio de especiarias. Os restos mortais de Luís Vaz de Camões, autor de Os Lusíadas, repousam no Mosteiro, e também o grande descobridor Vasco da Gama. Muito perto do Mosteiro dos Jerónimos, encontra-se a Torre de Belém, construção militar de vigia na barra do Tejo, o grande “ex-libris” da cidade de Lisboa e uma preciosidade arquitetónica. O Padrão dos Descobrimentos, o Palácio de Belém, residência oficial do Presidente da República, o Museu Nacional dos Coches, o Museu da Eletricidade, a Igreja da Memória e o Centro Cultural de Belém formam um conjunto de edificações que atraem milhares de visitantes. Mosteiro dos Jerónimos

30


Cascais | Oeiras | Lisboa Padrão dos Descobrimentos

Palácio da Presidência da República

Escultura de homenagem a Amália Rodrigues

Belém

Museu da Eletricidade

31


Marinas & Docas

Centro A Baixa Pombalina é o “coração” da capital. Foi edificada sobre as ruínas da antiga cidade de Lisboa, destruída pelo grande Terramoto de 1755. A sua construção obedeceu a um rigoroso plano urbanístico, segundo um modelo reticular de rua/quarteirão, obedecendo à filosofia do Iluminismo. A reedificação da baixa de Lisboa após o terramoto constituiu o primeiro caso de construção tipificada, normalizada e em “série” da humanidade. Os seus autores foram Manuel da Maia e Eugénio dos Santos e a decisão política deve-se ao Marquês de Pombal, ministro d’El Rei D. José I. A Baixa é também a maior zona comercial da cidade de Lisboa. Nas proximidades e com interesse histórico encontramos ainda a Praça dos Restauradores e o Elevador de Santa Justa, projetado em finais do século XIX por Mesnier du Ponsard. Na baixa localiza-se a Praça do Comércio, também conhecida como Terreiro do Paço, o Rossio, ou Praça Dom Pedro V, Chiado, o Convento do Carmo e a Praça dos Restauradores. Rua do Arsenal

32

Museu de Arte Antiga


Cascais | Oeiras | Lisboa Doca do Espanhol

Azulejos da Casa da AmĂŠrica Latina


Marinas & Docas Mercado da Ribeira

34


Cascais | Oeiras | Lisboa Torre São Gabriel

Pavilhão Atlântico

A bicicleta Strida

Oceanário

35


Marinas & Docas

Este Representante da Lisboa moderna, o Parque das Nações nasceu em 1998, para acolher a exposição mundial Expo 98 subordinada ao tema dos Oceanos. A exposição abriu a 22 de Maio de 1998, dia em que se celebraram os 500 anos da descoberta do caminho marítimo para a Índia por Vasco da Gama. Com tudo isto, a zona oriental da cidade chamada Parque das Nações tornou-se na zona mais moderna de Lisboa e mesmo de Portugal, e Lisboa ganhou imensas estruturas, como a Torre São Rafael e Torre São Gabriel, ambas com 110 metros de altura, as mais altas estruturas de Lisboa e de Portugal). As principais atrações do bairro são: o Oceanário de Lisboa, o Pavilhão Atlântico, o Pavilhão de Portugal, a Torre Vasco da Gama, a Ponte Vasco da Gama e o Gare do Oriente, do arquiteto Santiago Calatrava.

36

Jardim Garcia de Horta


GPS 38째 41 47.6293N 9째14 0.7321W


Marinas & Docas

38


Centro Náutico de Algés Texto e fotografia: Lobo do Mar

Um projeto que acredita no futuro

O Centro Náutico de Algés é um projeto arrojado que visa dotar Lisboa de um centro de excelência para todo o utilizador e proprietário de barco.

39


Marinas & Docas

A

pesar de estar a dar os primeiros passos, o Centro Náutico de Algés é um projeto encabeçado por pessoas que acreditam no futuro de Portugal como um país virado para o Mar e para a Náutica de Recreio em particular. Luís Fidalgo é um dos principais rostos deste projeto e foi com ele que conversámos no intuito de aprofundarmos as principais razões de ser do projeto. Náutica Press (N.P.) - Como surge a ideia da criação do Centro? Luis Fidalgo (L.F.) - Foi no seguimento do concurso lançado pela APL para a exploração desta área. Em tempos, já tínhamos falado com a APL para saber qual o destino do espaço. Sabíamos também das necessidades existentes em Lisboa e, por isso, queríamos avançar para um projeto de qualidade. Quando soubemos do concurso criou-se uma parceria entre a Sopromar e a MSF (empresa ligada à marina de Lagos, ao turismo e ao imobiliário) e, ao fim de três concursos, ganhámos a concessão do espaço para 27 anos. N.P. - A quem se destina este novo espaço? L.F. - Destina-se a todo o cliente náutico e a

40

todo o proprietário de barco. Do simples passante ao residente até aos profissionais. O que se pretende é fazer um trabalho multidisciplinar, abrangente, chave na mão. Um trabalho com qualidade com vista à satisfação plena do cliente. N.P. - Que tipo de atividades vão ter? L.F. - Vamos ter um pouco de tudo. Não vamos cingir a nossa atividade apenas a revisões ou pinturas. Vamos ter uma oferta de trabalho completo. O que o cliente precisar, nós vamos fazer. Á exceção de um trabalho muito especí-


“… O que se pretende é fazer um trabalho multidisciplinar, abrangente, chave na mão…”

fico que exija um especialista, o Centro Náutico de Algés vai ter capacidade de resposta interna. Vamos ter todas as valências a seco e assistência técnica na água. N.P. - Com profissionais residentes? L.F. - Sim. Estamos em fase de formação da equipa. N.P. - Qual está a ser a estratégia de divulgação desta nova unidade? L.F. - Para os potenciais clientes nacionais estamos a recorrer aos meios tradicionais como é o caso da imprensa, associações náuticas, sinergias com o Grupo MSF, Sopromar, etc. Do ponto de vista internacional estivemos, em parceria com a Marlagos, no salão náutico de Southampton a distribuir flyers. Estamos também em contacto com as Associações de Cruzeiro internacionais para os cativar a fazer deste Centro um ponto de assistência e/ou de passagem. Porque não visitar Lisboa entrando por esta porta? Vamos abrir o leque e não concentrar em Lisboa, Espanha (Madrid) é também um bom mercado! Em virtude das nossas condições meteorológicas, o estacionamento de longo termo


Marinas & Docas

é também um objetivo para o Centro. Nestes casos o cliente pode residir no seu barco pois já criámos condições para tal. Pode ainda ser ele próprio a fazer as suas pequenas intervenções. N.P. - A seu ver o que vai diferenciar este Centro dos outros espaços existentes na área da Grande Lisboa? L.F. - Eu penso que o serviço pleno vai-nos diferenciar. Vamos trabalhar um pouco à imagem do que acontece no setor automóvel. Temos um bom posicionamento geográfico e uma excelente porta de entrada em Lisboa. Bem servido ao nível das vias rodoviárias, comboio e a poucos minutos do aeroporto. N.P. – O projeto vai ser faseado. L.F. - O projeto é sempre faseado. Os dois primeiros anos do concurso eram anos que nos permitiam fazer a construção do edifício. Mas, nós achámos que era um contrassenso ter um espaço destes fechado durante dois anos à espera do financiamento e das obras. Nesse sentido, fizemos um requerimento à APL para que apenas nos permitisse iniciar a actividade com instalações temporárias. A res-

42

“… penso que o serviço pleno vai-nos diferenciar…”

posta foi positiva, emitiram a licença, começámos a trabalhar e a preparar as instalações e as infraestruturas básicas. Em Junho / Julho está previsto o início da construção do edifício. Entretanto, criámos diversas parcerias com empresas que estão a apoiar-nos neste arranque.


Marinas & Docas


Marinas & Docas

Marina Parque das Nações A Marina da cidade de Lisboa

Texto: Lobo do Mar

Fotografia: DR

A Marina Parque das Nações, após uma fase inicial atribulada, tem vindo a afirmar-se como a marina da cidade Lisboa. Conversámos com o Engº Vilar Filipe para nos inteirarmos de qual tem sido o percurso desta infraestrutura e perspetivar o futuro. 44


Marina Parque das Nações Mas sendo uma marina muito mais que um ancoradouro, constituindo um local privilegiado para ocupação dos tempos livres, a MPN promove a cultura náutica para jovens e adultos com programas de iniciação à vela e à canoagem, passeios no estuário do Tejo, regatas e convívios. O Centro Náutico da MPN sito na doca dos Olivais dispõe de condições excecionais para a aprendizagem da vela e canoagem. Os nautas têm ainda a possibilidade de se qualificarem fazendo cursos de marinheiro e patrão local, de costa e de alto mar. N.P. - Qual a relação da Marina Parque das Nações com as infraestruturas vizinhas? V.F. - A transformação da zona oriental de Lisboa, naquilo que se veio a chamar Parque das Nações constitui só por si um atrativo para os turistas que nos visitam. Dispor a poucos minutos da marina, e num ambiente muito atraente, de um conjunto de infraestruturas como o Oceanário de Lisboa, o Pavilhão Atlântico, o Casino de Lisboa, a Feira Internacional de Lisboa ou o Centro Comercial Vasco da Gama é seguramente um privilégio.

Náutica Press (NP) - Como define a atual Marina Parque das Nações? Engº Vilar Filipe (VF) - A MPN é uma marina urbana cuja visão é a dinamização do turismo náutico tirando partido das condições naturais do estuário do Tejo e da envolvente do Parque das Nações. Neste contexto a MPN tem obrigações adicionais por se tratar da única marina da cidade de Lisboa. É assim que de ano para ano têm aumentado o número de visitantes estrangeiros que preferem a MPN durante as suas escalas em Lisboa. Pretendemos oferecer um serviço de alta qualidade de modo a que os nossos clientes sejam eles visitantes ou residentes, vejam a MPN como a sua casa em Lisboa. N.P. - Que balanço faz dos anos de atividade da Marina Parque das Nações? V.F. - A atividade da MPN, reaberta em Agosto de 2009, tem crescido de forma sustentada, não obstante as condições adversas da situação económica, que tem afetado severamente a náutica de recreio. Em 2011 a taxa de ocupação média anual cresceu 20% e esperamos durante 2012 atingir já os 60%.

N.P. - Como vê o setor da Náutica de Recreio e como perspetiva o futuro a médio e a longo prazo da Marina Parque das Nações? V.F. - A náutica de recreio em Portugal, após dez anos de grande crescimento, estagnou devido às condições económicas. Fizeram-se grandes investimentos que ainda não foi possível rentabilizar, pelo que a primeira prioridade terá que ter como objetivo atingir a massa crítica e fortalecer os agentes económicos de forma a dar sustentabilidade económica. Há que investir num programa nacional de promoção do Portugal Náutico. Também se deverá investir na profissionalização dos agentes económicos por forma a prestarem um serviço de qualidade que possa atrair novos mercados. E ainda, simplificar procedimentos que facilitem o desenvolvimento e reduzir as entidades reguladoras e fiscalizadoras por forma a remover a burocracia. A MPN atualmente englobada no Grupo Parque Expo SA, será de acordo com uma decisão já anunciada pela tutela, alienada em 2013. Todavia a experiência obtida nestes últimos 3 anos ultrapassou as melhores expectativas, pelo que estamos seguros do futuro desta magnífica instalação ao serviço do desígnio nacional do mar.

45


Marinas & Docas

Porto de Recreio de Oeiras Um porto de charme Texto: Lobo do Mar

Fotografia: DR

O Porto de Recreio de Oeiras é uma referência nacional no que diz respeito às infraestruturas náuticas. Cristina Rosado Correia é a mulher do leme deste projeto e uma das responsáveis pelo seu sucesso. 46


Marinas & Docas

Náutica Press (NP) - Como define o atual Porto de Recreio de Oeiras? Cristina Correia (CC) - O Porto de Recreio de Oeiras é “Um Porto de Charme”. Em 2006 definimos o percurso a seguir e não nos desviámos do objetivo – ser diferente pela qualidade. A qualidade do espaço, da envolvente e acima de tudo do serviço que prestamos. É uma marina de pequena dimensão e foi claro, que ao invés de considerarmos este facto um problema, o deveríamos encarar como uma oportunidade. Daí a aposta no serviço. É quase “taylor made”. É normal, por exemplo, levar e trazer um cliente ao aeroporto, ao supermercado ou ao médico. Talvez por isso, o número de embarcações que nos visitam tenha um crescimento perto dos 20% ao ano. Os clientes residentes têm sido fiéis à marina e mantemos um simpático número em lista de

espera. A qualidade não dá tréguas e a equipa está bem ciente deste desafio. Um desafio constante para descobrir novas ofertas, para fazer o que ainda não foi feito! N.P. - Que balanço faz dos anos de atividade do Porto de Recreio de Oeiras? C.C. - O balanço destes anos (6) é muito positivo. Trabalhámos para conseguir a Bandeira Azul e mantemo-la há 5 anos consecutivos e mantemos também as 5 Gold Anchors. Os resultados operacionais são bastante positivos. Naturalmente que não estamos imunes aos efeitos da situação económica que atravessamos. Sentimos no ano passado já alguns reflexos dela. Estamos naturalmente preocupados com o futuro. Temos que ter a sabedoria bastante para fazermos, de preferência, mais e melhor com menos recursos. Tivemos

47


Marinas & Docas sempre a preocupação da sustentabilidade do negócio e cada vez mais estamos convictos de que é esse o caminho. N.P. - Qual a relação do Porto de Recreio com as infraestruturas vizinhas? C.C. - Temos sempre apostado numa marina “dinâmica”, recusando a ideia de marina como espaço estático de amarração. Preferimos a ideia de espaço vivido. Acolhemos com o mesmo gosto todo o tipo de iniciativas desportivas, do campeonato nacional de pesca submarina à regata de cruzeiros, passando pelo match racing, pela canoagem ou pela prova de jet ski. Criámos condições para a coexistência dos clubes de vela, de pesca, de canoagem, de jet ski, para a formação e realização de provas promovidas pelos clubes e pela Federação Portuguesa de Vela. Acolhemos velejadores estrangeiros para realização de estágios de vela, por exemplo da classe Figaro, aproveitando a proximidade e sinergias com o INATEL Oeiras. Nós próprios criámos uma escola de vela. É realmente uma escola, no sentido em que se ensina vela, mas não entramos em competições. Já formámos muitas centenas de jovens. Neste momento focalizámos o ensino da vela nas pessoas com necessidades especiais. Aqui sentimos o efeito da crise. Tem sido difícil sustentar este projeto. Iniciámos com várias empresas patrocinadoras, mas a maioria tem ficado pelo caminho. Neste ano contámos com um importante apoio da “a vida é bela” que permitiu que a CERCI de Oeiras inserisse a vela nas suas atividades. Temos dado uma especial atenção ao desporto escolar. Achamos que o ensino e a prática de desportos náuticos é um dos fatores críticos de sucesso da náutica de recreio. A marina está implantada numa zona privilegiadíssima! Está integrada junto a outros equipamentos de laser. Estimamos que cerca de meio milhão de pessoas, por ano, nos visitem. O passeio marítimo que confronta a marina é uma gigantesca pista de atletismo, de caminhadas, de lazer, em suma. A Piscina Oceânica, junto à marina, apesar da sua sazonalidade, recebe cerca de sessenta mil visitantes. Digamos que o espaço é muito fruído e este hábito de passar uma parte do dia por cá está muito enraizado quer nos habitantes de Oeiras, quer dos concelhos limítrofes. Dizia-me um cliente que é a “sala de visitas” de Oeiras. Não há o vir à marina porque se tem um

48

barco, não, vem porque o espaço é convidativo e acolhedor e é provável que aqui se encontre um amigo ou que haja um evento náutico.

“…Os clientes residentes têm sido fiéis à marina e mantemos um simpático número em lista de espera…”

N.P. - Como vê o setor da Náutica de Recreio e como perspetiva o futuro a médio e a longo prazo do Porto de Recreio? C.C. - O futuro do Porto de Recreio de Oeiras… A náutica de recreio em Portugal carece de um forte impulso de internacionalização. Temos que vender lá fora um país como um destino náutico de excelência. Mas, para isso é essencial um forte investimento em infraestruturas. Não sei se precisamos de mais lugares de amarração, mas sei que precisamos de melhores, de muito melhores! Temos que ter em Portugal marinas de qualidade exemplar de Norte a Sul que quando acolhem visitantes ofereçam serviços de qualidade exemplar! Temos que formar profissionais de alto gabarito. Lá fora, há uma profunda ignorância sobre o potencial da náutica de recreio em Portugal. Curiosamente isto não se verifica relativamente aos demais países da Europa que apostam fortemente neste setor. As nossas iniciativas de divulgação externa têm pouco impacto, são pontuais e não refletem todo o potencial nacional. E note-se que estas iniciativas são promovidas pelas próprias marinas ou por associações do setor. É essencial o envolvimento dos poderes públicos. N.P. - Oeiras Viva e a Náutica, projetos para o futuro. C.C. - Toda a costa, de Lisboa a Cascais tem condições excelentes para desenvolvimento de novas estruturas. A contração da economia não está a ajudar a impulsionar os investimentos necessários e…é pena. A demora no desenvolvimento deste setor, particularmente ao nível da melhoria das estruturas existentes, concomitantemente com o crescimento dos destinos emergentes, pode implicar danos irreparáveis na afirmação de Portugal como destino náutico.


Marinas & Docas


Volvo Ocean Race Texto: Lobo do Mar

03 50


PAUL TODD/Volvo Ocean Race

Escala em Lisboa Pela primeira vez nos 38 anos de história da Volvo Ocean Race, Lisboa receberá a maior regata à volta do mundo. A frota de seis veleiros Volvo Open 70, juntamente com as suas tripulações profissionais, permanecerá na capital entre os dias 31 de Maio e 10 de Junho, na doca de Pedrouços – onde estará sediado o Race Village da competição – numa organização a cargo da Lagos Sports, com o apoio da Câmara Municipal de Lisboa e do Turismo de Portugal. 51

09


Hamish Hooper/CAMPER ETNZ/Volvo

Marinas Vol vo Ocean & Docas Race

Uma competição planetária Só um sofisticado número de meios a bordo dos V70 mantém o race control informado do que se vai passando, qual a posição, a velocidade e o rumo dos barcos, permitindo inclusive aconselhar e conferir com cada um dos skippers, sobre as condições de navegabilidade e segurança de um barco depois de um qualquer incidente, como já tem acontecido nesta edição. Esta capacidade em adquirir informação permite também acompanhar a par e passo a competição, a qualquer minuto, cruzando-a com as previsões meteorológicas, podendo-se adivinhar as alterações classificativas. (Cerca de 200.000 velejadores virtuais acompanham a regata e fazem isso pelo menos de 12 em 12 horas.) No entanto o uso destes meios foi levado para uma nova dimensão quando na última edição foi introduzido a bordo um elemento suplementar – O Media Crew. Este tripulante que está impedido de interferir com a navegação (para além da sua função pode apenas cozinhar) é o responsável pela ligação ao Mundo do seu Barco. As imagens e notícias que recebe-

52

mos todos os dias quer em Live Stream, quer via Volvo Ocean Race, são da sua responsabilidade. Com a introdução da captação de imagens a bordo e do Media Crew a Volvo Ocean Race ganhou uma nova dimensão. Durante 9 meses, 6 barcos comunicam continuamente. É o resultado do acompanhamento dessa comunicação massiva que faz com que a Volvo Ocean Race seja atualmente o 5º maior evento do Mundo e que permitiu que na edição anterior fosse atingido o número mil milhões de pessoas ligadas em várias plataformas a esta regata. Para além da dimensão mediática há também a dimensão geográfica. Gerida e participada por pessoas dos 5 continentes, a Volvo Ocean Race é das mais extensas competições do Mundo. Percorrendo todos os oceanos, fazendo escala em 10 Portos, tão diferentes geograficamente como culturalmente.

Em Portugal, muita animação Para receber a Volvo Ocean Race será inaugurada uma nova infraestrutura dedicada à náutica de recreio, construída na recuperada Doca de Pedrouços e fruto de um trabalho desenvolvido pelo Porto de Lisboa.


Durante o primeiro fim de semana da escala da Volvo Ocean Race em Lisboa, os V70 à medida que vão aportando, serão colocados por uma mega grua em terra na zona das equipas onde irão ser reparados. De facto, vão ser certamente reparados já que em Lisboa completam a travessia do Atlântico e 8 meses de circum–navegação. Nesse espaço a Lagos Sports irá criar canais de circulação para que os visitantes possam ver em terra os barcos de perto. Mas haverá mais vela na Volvo Ocean Race em Lisboa. Várias classes nacionais se juntarão a esta festa: Vela com classes de vela nacionais; - Nos dia 2, 3 e 4 de Junho Team Racing de Optimist (regatas de equipas disputadas em Optimist com 6 equipas de 5 velejadores cada) - Nos dias 2 e 3 de Junho regata costeira CascaisAlgés-Cascais com várias classes de vela ligeira (Laser SB3, Dragão, entre outras) Programas de Solidariedade Social - Dia 4 de Junho sessão de vela adaptada em Access 303 - Dia 5 de Junho Match Racing em vela adaptada, 6 equipas, constituídas por um velejador nacional e um de cada equipa da Volvo Ocean Race. Entre os dias 31 de Maio e 5 de Junho, sessões

PAUL TODD/Volvo Ocean Race

PAUL TODD/Volvo Ocean Race

Marinas & Docas

diárias de batismo de vela. Para além dos barcos os visitantes do Race Village, cuja entrada é gratuita, terão ao seu dispor inúmeras animações.

O dia à dia em Lisboa Nos stands das equipas Camper, Puma, Groupama, dedicados ao público, e ainda no stand da Volvo, os visitantes vão ter acesso às mais variadas experiências interativas. Um grande Cinema 3D e um simulador vão estar disponíveis para mostrar como é estar a bordo de um V70, enquanto navega em ondas de 15 metros. Outro simulador estará no Race Village. Trata-se do Champimóvel, um simulador disponibilizado pela Fundação Champalimaud, que coloca os utilizadores a fazer outra viagem em grande, desta vez ao infinitamente pequeno, o interior do corpo humano. É aliás a partir das instalações da Fundação Champalimaud onde estará instalado o Race Office e o Gabinete de Imprensa, que os mais de 600 jornalistas internacionais acreditados na prova, receberão as informações essenciais sobre as incidências da 7ª etapa e da In-Port Race em Lisboa. O Race Village terá ainda dois palcos para onde

53


Vol vo Ocean Race estão projetadas, para além das cerimónias de entrega de prémios do Pro-Am (dia 8 de Junho) e In-Port Race (dia 9 de Junho), atuações de vários grupos musicais e Dj’s, com especial enfoque para um grande concerto no dia 9 Junho. Ver programa detalhado em http://www.volvooceanracelisbon.com. No dia 7 de Junho, feriado municipal de Oeiras, um dos anfitriões da Volvo Ocean Race em Portugal, os barcos, que entretanto já regressaram à água, irão fazer um percurso que irá permitir aos habitantes da Grande Lisboa ver estas peças de tecnologia em ação. Oeiras para além de animações especificamente delineadas para esse dia, trará para o Race Village uma roda gigante dando a possibilidade aos visitantes de visualizar todo o espaço do evento, de um patamar elevado. No dia 7 de Junho terá lugar a entrega de prémios da 7ª etapa da Volvo Ocean Race (Miami-Lisboa). Este evento onde estarão todas as equipas, cerca de 700 pessoas, será realizado no Pátio das Galés e Sala do Risco, espaços disponibilizados pela Associação de Turismo de Lisboa. No dia 8 de Junho, dia Mundial dos Oceanos realiza-se a Regata Pro-Am. Para além de animações específicas para esse dia, estará presente no Race Village uma grande mostra da Secretaria de Estado, dando conta, entre outros, do projeto de extensão da plataforma continental sob jurisdição nacional, que se encontra em fase de apreciação na ONU, e que poderá permitir que Portugal veja o seu território acrescido de mais 2.000.000 km². Para todas as regatas que aqui se realizem (Treinos dia 6 e 7; Pro-Am dia 8 e In-Port Race dia 9) e na partida da Regata rumo a França no Dia 10 de Junho, os Barcos da Volvo Ocean Race cumprirão um percurso que se iniciará frente à Doca de Pedrouços e que se desenrolará Tejo acima até ao Terreiro do Paço, havendo aí de novo uma boia para que façam a rondagem e regressem a Pedrouços. Caso as condições de vento e de maré o permitam, ao regressar a Pedrouços (passando de novo junto ao Evento), os barcos irão ainda a S. Julião (passando também frente ao concelho de Oeiras). Para quem não tiver a possibilidade de ver ao vivo as regatas, poderá segui-las pela televisão. No dia 9 entre as 12.30 e as 14.00 Horas e no dia 10 entre as 13.00 e as 14.00 Horas serão difundidas pela RTP e pela SportTv.

Amory Ross/PUMA Ocean Racing/Volvo

Yann Riou/Groupama Sailing Team/Volvo Ocean Race

Classificação ao final da 5ª Etapa Barco

Pts.

Telefónica

149

Groupama

133

Camper

124

Puma

117

Abu Dhabi Ocean Racing

58

Sanya

25

54


A Classe Volvo Open 70

O Volvo Open 70 é a classe de barcos definida para disputar a Volvo Ocean Race. Esta classe surgiu pela primeira vez na regata de 2005-2006 em substituição dos anteriores Volvo Open 60 que estavam em uso desde 1993.

A

s alterações entre os anteriores barcos de 60 pés e esta nova versão de 70 foram muito significativas e na sua génese estava a performance, novos materiais como o Kevlar e a fibra de carbono, que aliados às mais recentes resinas permitiram otimizar a relação entre o peso e a resistência dos barcos. Foram ainda incluídas nas regras da classe, algumas tecnologias que refletem as últimas tendências nos barcos de alta performance a nível mundial como por exemplo as quilhas basculantes - que podem ser inclinadas até um ângulo de 40°. Posteriormente e desde o seu lançamento, com base na experiencia acumulada durante as competições, os barcos foram “afinados” ao longo do tempo, com o conhecimento que vinha sendo adquirido. Assim as diferenças entre os primeiros barcos desta classe e os atuais demonstram que os barcos foram altamente refinados e estão substancialmente mais poderosos.

Volvo Open 70 Comprimento máx.: 21,5m | Largura: 5,7m | Calado: 4,5m | Altura do mastro: 31,5m | Peso total: 14.000kg |Peso do Bolbo/Quilha: 7.400kg | Vela grande: 175m² | Genoa: 94m² | Spinnaker: 500m²

55


GROUPAMA

Vol vo Ocean Race

Groupama

O skipper francês Franck Cammas é o atual recordista do Troféu Júlio Verne – com a marca de 48 dias e 7 horas de circum-navegação sem escalas a bordo de um trimarã em 2010. Fotografia: IAN ROMAN/Volvo Ocean Race


Equipas

Tripulação

Site oficial da equipa: www.cammas-groupama.com

Brad Marsh | Proa Charles Caudrelier | Leme / Trimmer Damian Foxall | Leme / Trimmer Jean-Luc Nélias | Navegador Laurent Pages | Leme / Trimmer Martin Krite | Proa e Chefe de quarto Martin Strömberg | Leme / Trimmer / piano Phil Harmer | Leme / Trimmer Thomas Coville | Leme / Trimmer Yann Riou | Comunicação Bruno Jeanjean | Tripulante de reserva / proa Erwan Israël | Leme / Trimmer Jacques Caraës | Comunicação 2 Sébastien Marsset | Piano / Trimmer

57


TELEFÓNICA

Vol vo Ocean Race

Team Telefónica

Iker Martinez, o skipper do veleiro espanhol, é o campeão mundial e medalha olímpica de ouro e prata na classe 49er, conta ainda no seu currículo com o título de vice-campeão na Barcelona World Race – a regata à volta do mundo sem escalas para duplas de navegadores, realizada em 2011. Fotografia: IAN ROMAN/Volvo Ocean Race


Equipas

Tripulação

Site oficial da equipa: www.teamtelefonica.com

Andrew Cape | Navegador Antonio Cuervas-Mons |Proa Diego Fructuoso | Comunicação João Signorini | Chefe de quarto Jordi Calafat | Leme / Trimmer Neal McDonald | Chefe de quarto Pablo Arrarte | Trimmer Pepe Ribes | Co-skipper Xabi Fernandez | Trimmer Zane Gills | Proa

59


ABU DHABI

Vol vo Ocean Race

Abu Dhabi Ocean Racing

Ian Walker é um velejador olímpico inglês, com duas medalhas de prata no currículo, lidera a campanha dos Emirados Árabes Unidos, naquela que é a primeira participação árabe no evento. Fotografia: IAN ROMAN/Volvo Ocean Race


Equipas

Tripulação

Site oficial da equipa: www.volvooceanraceabudhabi.com

Adil Khalid | Trimmer Anthony Nossiter | Leme / Trimmer Craig Satterthwaite | Chefe de quarto Julian Salter | Navegador Justin Slattery | Proa Nick Dana | Comunicação Paul Willcox | Trimmer Robert Greenhalgh | Chefe de quarto Simon Fisher | Leme / Trimmer Wade Morgan |Proa Butti Al Muhairi |Tripulante de reserva

61


CAMPER

Vol vo Ocean Race

Camper with Emirates Team New Zealand

O skipper australiano Chris Nicholson soma três participações na Volvo Ocean Race desde 2001, contando ainda seis títulos mundiais nas classes 49er e 505, com representações pela Austrália em duas edições dos Jogos Olímpicos (Sydney 2000 e Atenas 2004). Fotografia: PAUL TODD/Volvo Ocean Race


Equipas

Tripulação

Site oficial da equipa: www.camper.com/en/volvoocean-race

Adam Minoprio | Leme / Trimmer Andrew McLean | Co-navegador Daryl Wislang | Leme / Trimmer Hamish Hooper | Comunicação Mike Pammenter | Proa / Chefe de quarto Robert Salthouse | Leme / Trimmer Roberto Bermudez de Castro | Leme / Trimmer Stuart Bannatyne | Co-skipper | Chefe de quarto Tony Era | Leme / Trimmer Will Oxley | Navegador

63


PUMA

Vol vo Ocean Race

PUMA

O skipper australiano Chris Nicholson soma três participações na Volvo Ocean Race desde 2001, contando ainda seis títulos mundiais nas classes 49er e 505, com representações pela Austrália em duas edições dos Jogos Olímpicos (Sydney 2000 e Atenas 2004). Na equipa também o chefe de quarto, o neozelandês Stu Banatyne, com cinco participações na prova. Fotografia: IAN ROMAN/Volvo Ocean Race


Equipas

Tripulação

Site oficial da equipa: www.puma.com/sailing

Adam Minoprio | Leme / Trimmer Andrew McLean | Co-navegador Daryl Wislang | Leme / Trimmer Hamish Hooper | Comunicação Mike Pammenter | Proa / Chefe de quarto Robert Salthouse | Leme / Trimmer Roberto Bermudez de Castro | Leme / Trimmer Stuart Bannatyne | Co-skipper | Chefe de quarto Tony Era | Leme / Trimmer Will Oxley | Navegador

65


SANYA

Vol vo Ocean Race

Team Sanya

Mike Sanderson possui um impressionante palmarés quando se fala em vela de alto mar (offshore), com destaque para duas vitórias na Volvo Ocean Race – a primeira com o NZ Endeavour em 1993-1994, então sob o comando de Grant Dalton e mais tarde, em 2006, já como skipper do ABN AMRO ONE, numa das vitórias mais dominadoras na história da competição, com seis triunfos em nove das etapas offshore, e cinco em sete das In-Port Races. Fotografia: IAN ROMAN/Volvo Ocean Race


Equipas

Tripulação

Site oficial da equipa: www.teamsanya.com

Aksel Magdahl | Navegador Andres Soriano | Comunicação Bert Schandevyl | Proa Cameron Dunn | Chefe de quarto David Rolfe | Leme / Trimmer David Swete | Leme / Trimmer Jared Henderson | Proa Martin Kirketerp | Leme / Trimmer Richard Mason | Chefe de quarto Teng Jiang He | Leme / Trimmer Andy Meiklejohn | Proa / Co-skipper Chris Main | Chefe de quarto Ryan Houston | Leme / Trimmer

67


The Tall Ships Races 2012 Grandes veleiros em Lisboa Texto: Lobo do Mar

68


Tall Ships Race 2012

69


The Tall Ships Races 2012

Os grandes veleiros Os Grandes Veleiros são classificados em 4 categorias, dependendo do seu Comprimento Total (LOA), do Comprimento de Linha d´água (LWL) e do equipamento de Vela. O Comprimento Total (LOA) refere-se ao comprimento máximo de uma embarcação de dois pontos sobre o casco, medida perpendicular à linha de flutuação; O Comprimento de Linha d’Água (LWL) denota o comprimento do veleiro, no ponto onde ela se senta na água. Exclui o comprimento total do barco, tais como as características que estão fora da água. São assim agrupados em 4 classes: Classe A Navios de velas quadradas – (Barca, LugrePatacho, Brigue, Patacho) e outros veleiros com Comprimento Total (LOA) superior a 40 metros, não incluindo a vela. Classe B Chalupa de um mastro, Chalupas, Ioles, e Escunas – Embarcações com Comprimento Total (LOA) inferior a 40 metros e com Comprimento de linha d’Água (LWL) de pelo menos, 9,14 metros. Fiquemos com alguns dos mais emblemáticos barcos que poderemos ver em Lisboa.

A APORVELA estima que mais de um milhão de visitantes percorrerão o recinto de animação entre Santa Apolónia e a Praça do Comércio durante a escala das “The Tall Ships Races 2012 Lisboa”, entre 19 a 22 de Julho. O público tem a oportunidade de visitar os Grandes Veleiros, assistir a concertos e espetáculos, assim como participar em conferências e workshops sobre o Mar e sobre a cidade de Lisboa. A entrada é livre!

S

ão muitos os motivos de interesse para os espetadores se deixarem envolver no evento. O recinto das “The Tall Ships Races 2012 Lisboa” será um mundo náutico aos pés da capital portuguesa. No espaço de um quilómetro há uma Zona Lounge com pontos de restauração e música ambiente, uma Zona de Diversão para crianças com atividades, uma Zona Cultural, com uma exposição fotográfica e uma tenda para conferências sobre vários assuntos relacionados com o Mar e com a cidade de Lisboa. Oportunidade ainda, claro, para o público visitar os Grandes Veleiros. Os 60 Grandes Veleiros vão visitar cinco portos – Saint Malo, Lisboa, Cádiz, Coruña e Dublin – num contacto com cinco culturas diferentes mas numa única regata. A cor das velas e o som das ondas invadem Lisboa na segunda escala do evento em pleno Verão.

A regata www.alex-2.de

Alexander Von Humboldt II

Classe: A | Bandeira: Alemã | Comprimento: 65 m | Tipo: Barca | Ano de construção: 2011 | Porto de registo: Bremerhaven, Alemanha | Propriedade: Deutsche Stiftung Sail Training | www.alex-2.de

70

As “The Tall Ships Races” são Regatas organizadas todos os anos pela Sail Training International, com vista a promover a formação e o treino de mar, assim como a convivência intercultural junto dos jovens de todo o mundo. O grande objetivo é embarcar Jovens na frota dos Grandes Veleiros e proporcionar-lhes experiências de Treino de Mar sem igual… … mar, vento, liberdade, trabalho em equipa, responsabilidade, navegação, interculturalidade, convívio e amigos para toda


www.alex-2.de

Sagres

Classe: A | Bandeira: Portuguesa | Comprimento: 82,2 m | Tipo: Barca | Ano de construção: 1937 | Porto de registo: Lisboa, Portugal | Propriedade: Marinha Portuguesa | www.marinha.pt/

Dar Mlodziezy

a vida: uma aventura inesquecível! Em 2012, a Cidade de Lisboa irá receber a “The Tall Ships Races 2012 Lisboa” uma competição que tem início em Saint Malo, prosseguindo para Lisboa, Cádiz, La Coruña e, por fim, Dublin. Durante quatro dias, a zona ribeirinha entre a Praça do Comércio e a Estação de Santa Apolónia vai manter um ambiente de autêntica festa, numa profusão de Grandes Veleiros, tripulações, visitantes, stands de patrocinadores, instituições de apoio.

Impacto económico Para já pode-se apontar o potencial mediático que o evento vai gerar aquando da passagem por Portugal. A estimativa é de 3,6 Milhões de Euros, tendo sido este número calculado de acordo com o retorno mediático do evento em 2006 (última vez que aconteceu em Lisboa) e

Classe: A | Bandeira: Polaca| Comprimento: 108,8 m | Tipo: Navio | Ano de construção: 1982 | Porto de registo: Gdynia, Polónia | Propriedade: Gdynia Maritime University | www.am.gdynia.pl

Europa

Classe: A | Bandeira: Holandesa | Comprimento: 54,6 m | Tipo: Barca | Ano de construção: 1911 | Porto de registo: Hague | Propriedade: Rederij Bark Europa |www.barkeuropa.com

71


The Tall Ships Races 2012 depois de um ajustamento ao mercado dos patrocínios em Portugal no ano 2012. A organização aposta ainda numa campanha publicitária forte em diversos meios. Em termos económicos, os Grandes Veleiros devem gerar mais de 30 Milhões de euros na passagem da grande regata por Lisboa neste Verão.

Fryderyk Chopin

Classe: A | Bandeira: Polaca | Comprimento: 57,17 m | Tipo: Brigue | Ano de construção: 1992 | Porto de registo: Szczecin, Polónia | Propriedade: 3 Oceans Ltd |www.fryderykchopin.pl

Espaço Associação Salvador A APORVELA assinou com a Associação Salvador um Protocolo de colaboração na organização das “The Tall Ships Races 2012 Lisboa”. Com esta parceria, o recinto do Grande Evento do Ano em Portugal, foi desenhado de forma a permitir a acessibilidade a todos os espaços e visitas a alguns dos Grandes Veleiros. Durante o evento, o “Espaço Associação

Jolie Brise

Classe: B | Bandeira: Inglesa | Comprimento: 22,4 m | Tipo: Cutter | Ano de construção: 1913 | Porto de registo: Hamble, Inglaterra | Propriedade: Dauntsey’s School, Wiltshire, England | www.joliebrise.com

MIR

Classe: A | Bandeira: Russa | Comprimento: 108,8 m | Tipo: Navio | Ano de construção: 1987 | Porto de registo: São Petersburgo, Rússia | Propriedade: Admiral Makarov State Maritime Academy, St. Petersburg, Russia

72

Jakub Pierzchała


Salvador” vai promover a integração e apoio às pessoas com deficiências no recinto. A Associação Salvador contará com um espaço onde irá divulgar as suas atividades, nomeadamente as que estão relacionadas com o desporto. Para além disso, disponibilizará voluntários para acompanhar as pessoas com necessidades especiais naquilo que for necessário. Está prevista também uma visita ao Lord Nelson, veleiro que constitui um excelente exemplo de boa prática em termos de acessibilidades, com um grupo de pessoas com mobilidade reduzida.

Percurso Saint Malo, França. 5-8 Julho | 1ª Etapa Lisboa, Portugal. 19-22 Julho | 2ª Etapa Cádiz, Espanha 26-29 Julho | Cruise-inCompany A Coruña, Espanha. 10-13 Agosto | 3ª Etapa Dublin, Irlanda. 23-26 Agosto

Kaliakra

Classe: A | Bandeira: Bulgária | Comprimento: 53,37 m | Tipo: Patacho | Ano de construção: 1984 | Porto de registo: Varna, Bulgária | Propriedade: Bulgarian Maritime Training Centre | www.bmtc-bg.com

Pelican of London

Classe: A | Bandeira: Inglesa | Comprimento: 44,42 m | Tipo: Patacho | Ano de construção: 1948 | Porto de registo: Weymouth, Inglaterra| Propriedade: Pelican Partnership L.L.P | |www.adventureundersail.com

73


The Tall Ships Races 2012

Lord Nelson

Classe: A | Bandeira: Inglesa | Comprimento: 52,42 m | Tipo: Barca | Ano de construção: 1985 | Porto de registo: Southampton, Inglaterra | Propriedade: Jubilee Sailing Trust |www.jst.org.uk

Programa em Lisboa 19 a 22 de Julho de 2012

Creoula

Classe: A | Bandeira: Portuguesa | Comprimento: 67,1 m | Tipo: Lugre | Ano de construção: 1937 | Porto de registo: Lisboa, Portugal | Propriedade: Marinha Portuguesa

Dia 19 – Quinta-feira Visitas ao Veleiros Animação no Village Cerimónia de abertura Captain’s Dinner Dia 20 – Sexta-feira Visitas ao Veleiros Animação no Village Desfile das tripulações e Entrega de Prémios Crew’s dinner & party Dia 21 – Sábado Visitas ao Veleiros Animação no Village Encerramento Dia 22 – Domingo Desfile náutico

Santa Maria Manuela

Classe: A | Bandeira: Portuguesa | Comprimento: 68,64 m | Tipo: Lugre | Ano de construção: 1937 | Porto de registo: Aveiro, Portugal | Propriedade: Pascoal & Filhos, SA |www.santamariamanuela.pt

74

Organização Internacional Sail Training International / http://sailtraininginternational.org/ Organização em Portugal APORVELA / http://www.tallshipslisboa.com


Barcos à Vela

Não navegue às escuras!

10 anos

www.nauticapress.com 321 838 Visitas

4 081de057 Em 2009, cerca 220Visualizações 000 navegadores encontraram o seu rumo nos mares da Náutica Press. Há oito anos a navegar, a Náutica Press é já uma são os da Náutica Press referentes a audiência. um referênciaEstes no sector e anúmeros revista náutica portuguesa com mais ano de atividade onde atingimos os mais elevados níveis de Todas as semanas divulgamos as novidades do sector com reportagens,

audiência e de consultas. Esta posição de liderança no setor da informação náutica Em 2010 vamos inovar em diferentes áreas e, mais uma vez, contamos nacional, aumenta-nos a responsabilidade perante os consigo para fazer parte da nossa tripulação. nosso leitores e clientes.

entrevistas, apresentações de barcos e equipamentos.

www.lobodomar.net A

N

nuário

áutico

9


Revista Marinas & Docas  

Marinas & Docas; Lisboa, Oeiras e Cascais 2012

Revista Marinas & Docas  

Marinas & Docas; Lisboa, Oeiras e Cascais 2012

Advertisement