Page 1

REVISTA

EMBALAGEM & TECNOLOGIA

Ano VI - 2016 Edição 27

A REVISTA DO SETOR DE EMBALAGEM

Embalagem: o componente final Henkel utiliza tecnologia de látex sintético para composição de embalagens flexíveis para alimentos Garantindo a segurança da embalagem para contato com alimentos Itaipava renova identidade visual Embalagens inteligentes para alimentos perecíveis PLASMA: O agente promotor de adesão que permite substituir materia prima visando redução de custo

WWW.EMBALAGEMETECNOLOGIA.COM.BR

1

FACEBOOK.COM / REVISTAEMBALAGEMETECNOLOGIA


2


3


Índice 22

Garantindo a segurança da embalagem para contato com alimentos

38

Embalagens inteligentes para alimentos perecíveis

////////////////////////////////////////////////////////////////

////////////////////////////////////////////////////////////////

15

Embalagem: o componente final. Quando números crescentes de consumidores que se preocupam com a saúde eliminam produtos químicos da dieta, a embalagem entra em jogo ////////////////////////////////////////////////////////////////

06

Sidel ajuda empresa a criar a “garrafa pet mais leve do mundo para envase de óleo comestível” ////////////////////////////////////////////////////////////////

10

Embalagem e hedge ajudarão a controlar impacto de inflação em custos

24

Rótulo e etiqueta O “dedo duro” do produto

////////////////////////////////////////////////////////////////

28

44

PLASMA: O agente promotor de adesão que permite substituir materia prima visando redução de custo

////////////////////////////////////////////////////////////////

49

Cartuchos Congraf embalam a nova linha de produtos da Mãe Terra assinada pela Bela Gil

Laborprint potencializa e renova seu parque tecnológico com Agility Networks

////////////////////////////////////////////////////////////////

////////////////////////////////////////////////////////////////

33

Itaipava renova identidade visual. A cerveja 100% moderniza sua marca sem abrir mão da tradição conquistada em 20 anos de expansão acelerada de mercado

50

FCE Pharma, FCE Cosmetique e POWTECH Brasil reforçam posição de referência para profissionais em 2016

////////////////////////////////////////////////////////////////

////////////////////////////////////////////////////////////////

52

////////////////////////////////////////////////////////////////

12

Henkel utiliza tecnologia de látex sintético para composição de embalagens flexíveis para alimentos

32

Produtos chegando no destino como saíram na origem: o desafio vencido

Na Fispal Tecnologia robôs e soluções inovadoras mostram como otimizar produção e potencializar resultados do setor de bebidas e alimentos

////////////////////////////////////////////////////////////////

////////////////////////////////////////////////////////////////

////////////////////////////////////////////////////////////////

12

37

56

Empresas Artecola recebem premiação por estarem entre as mais inovadoras do Sul

Owens Illinois é certificada no Programa Pegada de Carbono da ABNT

Envase Brasil | Brasil Alimenta 2016 abre as portas para bons negócios nos setores de alimentos e bebidas

////////////////////////////////////////////////////////////////

////////////////////////////////////////////////////////////////

////////////////////////////////////////////////////////////////

Participe de nossas redes sociais e fique informado em tempo real! FACEBOOK.COM / REVISTAEMBALAGEMETECNOLOGIA

Embalagem & Tecnologia é uma revista técnica de circulação nacional, direcionada às indústrias e fabricantes de Alimentos, Bebidas e Cosméticos, traz informações e tecnologias importantes para o desenvolvimentos e manutenção das empresas.

Publicação: Trimestral Distribuição: Indústrias e Fabricantes de: Alimentos, Bebidas e Cosméticos

Editora Casa Grande Ltda Me Amparo - SP Mobile: 11-95956-5767

4

Diretor Presidente: Eric Mitsuo Toguchi Dept. Com. e Mkt: Elizabeth Cabral Comercial: editoracasagrande@outlook.com Mobile: 11-95956-5767 Redação: redacaoeditoracasagrande@outlook.com Contato geral: editoracasagrande@outlook.com www.embalagemetecnologia.com.br

*As matérias, artigos assinadas por colaboradores, são de responsabilidade única de seus autores e podem não expressar necessariamente a opinião da revista. As opiniões expressas no veículos da Editora Casa Grande são de responsabilidade exclusiva de seus autores.


5


Sidel ajuda empresa a criar a “garrafa pet mais leve do mundo para envase de óleo comestível” A garrafa foi redesenhada, mas as mudanças do seu visual foram mínimas, para preservar a imagem já consolidada do produto junto aos consumidores. No entanto, ao solicitar a expertise em redução de peso da Sidel, a Algar Agro conseguiu obter uma economia significativa tanto no fator peso quanto na utilização de matérias-primas. Sem esquecer o impacto significativo gerado pela minimização dos custos para produzir, embalar e transportar o produto acabado, além da redução do custo total de propriedade (TCO) dos próprios equipamentos de produção. As propostas de otimização da garrafa foram elaboradas pela Sidel, que também realizou testes de viabilidade do novo design em seu Packaging & Tooling Centre (Centro de Embalagens e Ferramentas) de Guadalajara, no México. A Sidel foi escolhida em razão de sua experiência e expertise, mas também pelas propostas concretas apresentadas à Algar Agro durante as discussões preliminares para a redução de peso da garrafa. Edney Valente Lima Filho, Coordenador de Projeto da Algar Agro, explica: “Reunimos os melhores fornecedores do setor, e isso se refletiu nos resultados do projeto. O sucesso da Sidel se deve a seu know-how, evidenciado durante a negociação ao propor e assegurar a fabricação da nova garrafa para óleo vegetal - a mais leve do mundo!”. Com a aquisição de duas sopradoras Sidel Matrix™ - uma para cada unidade de produção -, a Algar Agro acredita ser a primeira produtora de óleo do Brasil a integrar a injeção e o sopro a seu processo de produção de garrafas PET. As máquinas da Sidel foram instaladas em linhas de envase com capacidade para produzir 25 mil garrafas PET para óleo vegetal por hora.

6


7


A instalação teve início após dois anos de pesquisas e estudos de viabilidade do processo de integração para a produção e o envase de óleos vegetais. Sopro modular traz benefícios significativos A sopradora Sidel Matrix é um sistema de sopro modular que permite trocas de formato rápidas, menor impacto ambiental, maior eficiência do forno e mais disponibilidade do equipamento, contribuindo para reduzir o TCO. Com até 200 configurações possíveis, esse sistema oferece qualidade e consistência. Os fabricantes ganham flexibilidade para escolher o tamanho e a forma mais adaptados às suas necessidades. Três dimensões de estações de sopro permitem produzir uma infinidade de formatos de garrafas de tamanho individual (até 750 ml), grande (até 2 litros) ou família (até 3,5 litros).

8

A máquina é equipada com um sistema elétrico de estiramento para um melhor controle da distribuição do material, enquanto a inteligência de máquina integrada melhora o automonitoramento e a automação dos processos, garantindo a segurança da embalagem. Especialmente projetada para reduzir refugos, a sopradora Sidel Matrix detecta e elimina automaticamente desvios nos processos de fabricação das garrafas. Atualmente, a Sidel possui sete Packaging & Tooling Centres implantados no mundo: China (dois centros), França, Índia, Brasil, EUA e México. As instalações de Guadalajara, a segunda maior cidade do México, demonstram o foco da empresa na transferência de seu conhecimento global aos fabricantes locais, ajudando, assim, a atender à crescente demanda desse mercado. Do design das garrafas à construção e gestão de todo o ciclo de vida da linha, os fabricantes precisam de soluções e

serviços otimizados, com mais flexibilidade, rapidez, interação e alto nível de cooperação. Duas unidades de produção A Algar Agro é uma empresa de capital fechado que produz, processa e comercializa soja e seus derivados. As linhas de produtos alimentícios da companhia incluem óleo de soja, azeite de oliva, óleo composto, extrato e molho de tomate - alguns desses itens são fabricados em parceria com outras empresas. A Algar Agro abastece tanto o mercado interno quanto o externo. As atividades de esmagamento, refino e envase de óleo de soja concentram-se em dois modernos complexos industriais situados em Uberlândia, no Triângulo Mineiro, e em Porto Franco, no sul do Maranhão.

A Sidel colaborou com a Algar Agro para produzir a garrafa PET de 900 ml mais leve do mundo para envase de óleo comestível. A Algar Agro figura entre as empresas mais atuantes do mercado brasileiro e trabalhou com a Sidel para diminuir o peso total de sua garrafa acabada de 18 para 14 gramas - uma redução de 22%.


9


Embalagem e hedge ajudarão a controlar impacto de inflação em custos

A Ambev avalia que a maior participação das embalagens retornáveis e a política de hedge da companhia devem contribuir para ofuscar o impacto da inflação brasileira e de efeitos cambiais no Custo do Produto Vendido (CPV) no País. Em teleconferência com jornalistas nesta quarta-feira, 4, o vice-presidente financeiro e de relações com investidores Ricardo Rittes afirmou que esses fatores contribuirão para que a companhia atinja sua meta (guidance) de crescimento entre 13% e 17% no CPV no ano no Brasil. O executivo considerou que o crescimento do volume de cerveja vendido em garrafas de vidro retornável nos supermercados pode ajudar a reduzir os custos. Ele ainda avaliou que o momento de

10

crise no Brasil pode ajudar a companhia a comprar de maneira mais eficiente. Rittes não comentou sobre as expectativas para o comportamento da inflação no Brasil. Ele avaliou apenas que a Ambev tem por política repassar aos preços impactos da inflação e de altas de impostos. De acordo com o executivo, a participação dos retornáveis no total das vendas a supermercados saiu de 4% em 2014 para 14,4% em 2015. Ele afirma que no primeiro trimestre deste ano, o volume vendido nesse tipo de embalagem mais que dobrou ante igual período de 2015. “Vemos uma tendência de aceleração e de crescimento dessa embalagem.” Embora a venda de retornáveis traga uma receita nominal mais baixa, a empresa considera que a embalagem

oferece custos mais vantajosos. Essas garrafas custam menos para o consumidor final e têm crescido num cenário de queda da renda disponível. Sucos Rittes comentou ainda sobre a aquisição anunciada da marca de sucos Do Bem. Ele declarou que há um potencial para expandir a distribuição dos produtos da marca para toda a rede de pontos de venda aos quais a Ambev tem acesso hoje. De acordo com o executivo, atualmente a Do Bem está em 15 mil pontos de venda. O vice-presidente da Ambev afirmou que o ritmo de expansão da marca vai depender da capacidade da equipe, que permanece à frente do negócio mesmo depois da aquisição. Fonte: isto é dinheiro Imagem: internet


11


Henkel utiliza tecnologia de látex sintético para composição de embalagens flexíveis para alimentos O adesivo LOCTITE LIOFOL CS 9300-21 é isento de risco de alérgenos de látex natural A Henkel, líder global no fornecimento em soluções de adesivos, selantes e tratamento de superfícies, conta com uma linha completa de produtos livres de látex natural, entre eles o LOCTITE LIOFOL CS 9300-21, para utilização em embalagens flexíveis de alimentos, farmacêuticas e hospitalar, comuns em biscoitos, chocolates, sorvetes etc. Preocupada com a segurança alimentar, a companhia desenvolveu a tecnologia de adesivo de selagem a frio que substitui o látex natural pelo sintético, eliminando assim, o risco aos alérgicos. A solução da Henkel garante a seus clientes alta performance de vedação sem risco à saúde dos consumidores. A solução vai ao encontro da Resolução – RDC n°26, de 02 de julho de 2015 publicada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), que dispõe sobre os requisitos para rotulagem obrigatória dos

principais alimentos que causam alergias alimentares. De acordo com a nova resolução, os rótulos de alimentos e bebidas (ingredientes, aditivos alimentares e coadjuvantes de tecnologia embalados na ausência dos consumidores, inclusive aqueles destinados exclusivamente ao processamento industrial e os destinados aos serviços de alimentação) devem informar se há presença ou possibilidade de contaminação cruzada de materiais ou ingredientes alergênicos, como trigo, soja, leite e também látex natural, um dos componentes utilizados em adesivos de embalagens. Resolução prevê um prazo de 12 meses para as empresas promoverem as adequações necessárias na rotulagem de alimentos. “A Henkel sempre se preocupou com a segurança alimentar e a indústria de alimentos

e bebidas está seguindo essa premissa, buscando substituir o látex natural em toda sua cadeia de produção, para evitar riscos para os alérgicos. Além disso, com a nova resolução, a informação “pode conter látex natural” no rótulo de um alimento pode gerar um mal entendido entre os consumidores e impactar a comunicação sobre o produto”, explica Guilherme Fernandes, P&D da área de Adesivos Industriais da Henkel. O LOCTITE LIOFOL CS 9300-21 não possui látex natural e os clientes que utilizam o adesivo na composição das embalagens já possuem o padrão estabelecido pela Anvisa de segurança alimentar. Além disso, o adesivo de selagem possui alta aderência e capacidade de vedação, baixa tendência de bloqueio, alta estabilidade mecânica e excelente capacidade de impressão e limpeza.

Empresas Artecola recebem premiação por estarem entre as mais inovadoras do Sul Primeiras colocadas no ranking Campeãs da Inovação participaram do evento de premiação no Polo Petroquímico de Triunfo (RS). As Empresas Artecola recebeu no mês de abril a premiação por estarem em 11º lugar no ranking Campeãs da Inovação, que avalia as empresas mais inovadoras do sul do Brasil. A companhia também ganha destaque por ser a mais inovadora entre as indústrias químicas gaúchas. O evento para premiar as líderes em inovação ocorrerá na sede da Braskem, no Polo Petroquímico de Triunfo, numa promoção da revista Amanhã. “A colocação no ranking é um grande orgulho para todos nós, pois mostra o reconhecimento a nosso esforço diário em busca da Inovação”, comemora o Presidente Executivo, Eduardo Kunst. “A Inovação é um de nossos valores, e através dela buscamos nos diferenciar para oferecer produtos e serviços que garantam resultados aos par-

12

ceiros”, complementa. Realizada pela publicação e pela Edusys, com respaldo técnico do Núcleo de Inovação da Fundação Dom Cabral, a pesquisa que define o ranking Campeãs da Inovação envolve o preenchimento de um questionário com questões relacionadas à construção de um ambiente criativo – desde a cultura organizacional até os resultados concretos de novas ideias. São avaliadas seis dimensões da inovação: Estrutura e Cultura Organizacional; Ações: Foco no Esforço da Inovação; Criatividade e Desenvolvimento inicial; Tratamento e Orientação à Inovação; Atitude; e Resultados da Inovação na Organização. As Empresas Artecola produzem soluções inovadoras em adesivos, laminados espe-

ciais, plásticos de engenharia e EPI’s. Estão hoje entre as empresas brasileiras com maior presença global (ranking Multinacionais Brasileiras da Fundação Dom Cabral). A companhia atua com três operações: Artecola Química, referência em adesivos e laminados especiais para aplicações nos mais diversos setores, entre eles calçadista, moveleiro, papel e embalagem, transportes e construção civil; MVC Soluções em Plásticos, líder no mercado de soluções em plásticos de engenharia, com tecnologias focadas nos segmentos de transporte, automotivo, construção civil e de energia eólica; e Arteflex, fabricante de equipamentos de proteção individual (EPI’s), especialmente calçados de segurança, que aliam qualidade e alta tecnologia.


13


Embalagem:

o componente final Por Jorge Izquierdo, vice-presidente de desenvolvimento de mercado da PMMI

14


Quando nĂşmeros crescentes de consumidores que se preocupam com a saĂşde eliminam produtos quĂ­micos da dieta, a embalagem entra em jogo 15


Alimentos orgânicos estão ganhando espaço rapidamente enquanto os consumidores estão comprando produtos minimamente processados e sem pesticidas com “rótulos limpos” e claros sem ingredientes artificiais e aditivos. Ao mesmo tempo que esses consumidores, conscientes com a importância da saúde, prestam mais atenção às substâncias que entram no corpo e que vão para o meio ambiente, eles também esperam que as embalagens dos alimentos orgânicos sejam totalmente ecológicas para garantir que não estejam consumindo ingredientes “imprevistos”. Preocupados com a possibilidade de transferência de produtos químicos entre a embalagem e os alimentos, e embasados por uma variedade de fontes de informação – algumas de credibilidade, outras não – alguns consumidores estão até mesmo defendendo controles mais rígidos de determinadas substâncias encontradas em materiais de embalagem. Em meio a esse ambiente, é importante que os fabricantes de produtos orgânicos ou de rótulo limpo vejam além dos ingredientes incluídos e selecionem uma embalagem que os ajudem a cumprir as promessas de pureza da marca. Os fornecedores estão buscando fornecer materiais e recipientes que atendam a essas expectativas do consumidor, e muitos deles estarão em exposição na PACK EXPO International 2016 (McCormick Place, Chicago, Illinois; de 6 a 9 de novembro de 2016). Afinal, o aumento das opções de alimentos orgânicos não parece que sofrerá desaceleração no curto prazo.

Estocando as prateleiras com itens orgânicos As vendas de alimentos orgânicos estão aumentando a uma taxa duas vezes maior que a de itens convencionais, e poderão apresentar um crescimento na casa das dezenas nos próximos anos. A Transparency Market Research avalia o mercado global de alimentos orgânicos em USD 105 bilhões em 2015, um aumento de USD 57 bilhões em comparação a 2010. No México, as vendas de alimentos orgânicos embalados aumentaram 11%, atingindo MXD$ 3,9

16

bilhões, com previsões de 10% de crescimento anual até 2019, de acordo com o relatório Euromonitor International de 2015. No Brasil, o valor das vendas de alimentos orgânicos embalados aumentou 22% no mesmo período, atingindo R$ 105 milhões. O estudo atribuiu esse aumento pelo menos em parte ao fato de que mais consumidores consideram esses elementos como compras essenciais, especialmente no caso de alimentos para bebês e crianças. Conforme os orgânicos passam cada vez mais a ser o foco principal, varejistas de supermercados e não de supermercados estão aumentando sua variedade de produtos orgânicos. Por meio da sua rede de hipermercados localizados em todo o Brasil, a Cia. Brasileira de Distribuição relatou um aumento de 7% da participação em termos de valor com sua linha de alimentos naturais e orgânicos, Taeq, empresa líder em alimentos orgânicos embalados. O Euromonitor prevê um possível impacto extraordinário sobre o segmento de alimentos orgânicos enquanto os orgânicos acessíveis levam os compradores de renda média do Walmart para o segmento orgânico. Como observado com a Via Verde, marca própria de produtos orgânicos de propriedade do Walmart, que oferece produtos importados especiais; em 2014, a linha de orgânicos apresentou um excelente crescimento de 61% em termos de valor. Grandes fabricantes, incluindo General Mills e Danone S.A., entraram no negócio por meio de aquisições, enquanto outras empresas e marcas lançaram extensões de linha orgânica em categorias como alimentos para bebês e lanches, de acordo com o relatório do Euromonitor.

Regulamentação originada pela preocupação do consumidor A preocupação cada vez maior do consumidor com os produtos químicos presentes nos alimentos está ajudando a impulsionar o crescimento de produtos orgânicos e naturais. Ao mesmo tempo,

os consumidores têm muito mais voz ativa sobre essas preocupações, levando os órgãos regulatórios e entidades do setor a impor limites quanto às substâncias, que, de alguma forma, forem consideradas nocivas. Como a regulamentação global impõe limites e proibições a determinadas substâncias, como o bisfenol A (BPA), fabricantes de alimentos orgânicos e naturais tomaram medidas para remover os produtos químicos suspeitos. No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) proibiu a importação e a venda de mamadeiras contendo bisfenol A (BPA) em 2011. A eliminação de BPA fez parte de um plano maior para os regulamentos da limpeza de embalagens de itens alimentícios no Brasil. Porém, o Brasil não foi o primeiro país a regulamentar o BPA e outros produtos químicos em embalagens de alimentos. Canadá, China e Emirados Árabes Unidos estão entre os países que proibiram o uso de BPA em mamadeiras. Enquanto a União Europeia implanta sua legislação de 2006 abrangente sobre Registro, Avaliação, Autorização e Restrição de Produtos Químicos (Registration, Evaluation, Authorization and Restriction of Chemicals, REACH), alguns países ainda estão buscando controles ainda mais rígidos quanto a produtos químicos que afetam o sistema endócrino.

Pro atividade dos fabricantes Embora as regulamentações globais estejam sendo implantadas, a mudança não é imediata. Por exemplo, o BPA ainda prevalece amplamente em latas. Uma pesquisa do Environmental Working Group no ano passado descobriu que 44% das marcas de alimentos enlatados usam revestimentos com BPA em alguns ou todos os seus produtos, 31% usam exclusivamente BPA e 12% nunca o utilizam. Porém, conforme países do mundo todo impõem regulamentos mais rígidos quanto aos produtos químicos encontrados nos bens de consumo, muitos fabricantes estão adiantando a implantação desses padrões fazendo ajustes proativos aos seus produtos e


17


embalagens. Com a demanda por produtos orgânicos apresentando uma alta histórica, os fabricantes dos Estados Unidos preparam-se para competir pela fidelidade dos consumidores priorizando substâncias que não sejam nocivas ao meio ambiente nem ao corpo. A Johnson & Johnson prometeu remover produtos químicos, incluindo triclosano e ftalatos, dos produtos para bebês e adultos, e a Procter & Gamble está removendo triclosano e ftalato de dietila dos produtos de limpeza e cuidados pessoais, conforme anunciado pelas empresas. Em 2014, o Walmart afirmou que iria trabalhar com os fornecedores para reduzir ou eliminar dez produtos químicos de alta prioridade dos itens de limpeza, cuidados pessoais e cosméticos. Embora a rede diga que não está publicando a lista por questões comerciais, órgãos de defesa do consumidor (watchdogs) esperam que ela inclua os produtos químicos considerados por órgãos regulatórios como prejudiciais ao sistema endócrino, carcinogênicos e toxinas bioacumulativas. A Campbell Soup Co. e a General Mills afirmaram estar retirando BPA de todos os produtos enlatados; e a GM está retirando esse produto químico da sua linha Muir Glen de tomates orgânicos enlatados. A ConAgra anunciou neste ano que todas as fábricas nos EUA e no Canadá passaram a usar latas sem revestimentos de BPA, e a H.J. Heinz passou a adotar produtos sem BPA, incluindo alimentos para bebês e recipientes de sucos. A Walmart e a Whole Foods pararam de vender mamadeiras feitas com BPA, e o Trader Joe’s afirmou estar trabalhando para eliminar o produto químico por completo.

Cumprindo as promessas de pureza da marca Marcas de alimentos orgânicos reconhecem que os compromissos com a saúde geral estendem-se ao fornecimento de embalagens que não prejudiquem as promessas de alimentos orgânicos, naturais e sem produtos químicos.

18

Para garantir que alimentos com rótulo limpo e outras mercadorias continuem assim, muitas dessas empresas estão optando por materiais e recipientes que minimizam o risco de lixiviação química.

a Pacific Foods tem uma máquina personalizada que limpa o material residual de embalagem e o tritura durante a preparação para vender a empresas de reciclagem.

Por exemplo, a TrueBee Honey embala seus produtos em garrafas de vidro, que não apenas proporcionam um visual mais sofisticado, como também são identificadas pelos consumidores como uma opção mais segura que embalagens mais associadas a revestimentos químicos. O fato de que essas embalagens são reutilizáveis também atrai o público-alvo da marca, composto por indivíduos focados em ecologia.

Outras empresas estão adotando medidas ainda mais criativas para colocar soluções de embalagem inovadoras e naturais no mercado. A tecnologia WikiFoods da Quantum Designs embala os alimentos e as bebidas em embalagens comestíveis feitas com ingredientes naturais.

A Pacific Foods está levando seu compromisso com a sustentabilidade ainda mais longe. A empresa baseada em Oregon, EUA, dedicada a alimentos naturais e sem aditivos embalados de modo sustentável e adquiridos localmente, está trabalhando para atingir uma meta de zero resíduo para aterro sanitário ao reduzir resíduos de embalagens contaminadas com alimentos das suas operações. Usando materiais de embalagem e enchedores assépticos da Tetra Pak, Inc.,

A Stonyfield Farm desenvolveu Frozen Yogurt Pearls em embalagem protetora WikiPearl feita de cascas de fruta e está trabalhando com os varejistas para encontrar maneiras de vender o produto totalmente sem embalagem. As empresas podem consultar os padrões de diretrizes sobre práticas recomendadas na embalagem de alimentos orgânicos oferecidos pela IFOAM – Organics International. As normas estabelecidas por agências que certificam as alegações de alimentos orgânicos incluem a determinação de que os operadores não devem usar material de em-


balagem que possa contaminar produtos orgânicos ou que possam ter entrado em contato com substâncias que possam comprometer a integridade orgânica, e devem evitar misturar produtos orgânicos com não orgânicos desde o processamento até o transporte. As empresas devem utilizar materiais de embalagem biodegradáveis, embalagens reutilizáveis e embalagens recicláveis para minimizar o impacto ambiental total. O IFOAM considera o cloreto de polivinila (PVC) e o alumínio materiais a serem evitados, e proíbe materiais de embalagem e recipientes de armazenamento que contenham um fungicida sintético, conservante, fumigante. O uso de nanomateriais é proibido na produção, no processamento e na embalagem de alimentos orgânicos.

Tornando a inovação acessível

Marcas que estão passando para soluções ecológicas podem buscar materiais de embalagem convencionais e substâncias mais novas que prometam impacto mínimo sobre a saúde e o meio ambiente. Por exemplo, bioplásticos limitam ou eliminam componentes à base de petróleo, promovendo menos emissões de carbono e reciclagem. Plásticos PET feitos parcialmente de vegetais já são usados em garrafas de refrigerante. A Wild Oats está entre as marcas que usam bioplásticos de ácido polilático derivados de fontes de amido, como milho, cuja biodegradação é menos nociva. Até mesmo oleorresinas naturais podem ser usadas em revestimentos de latas como alternativa a resinas contendo BPA; porém, é preciso estabelecer sua eficácia como substitutas ao BPA, que é usado para prevenir botulismo e decomposição. Ao mesmo tempo que os clientes dão preferência a embalagens produzidas com materiais naturais e feitas com o mínimo possível de produtos químicos, produtos de papel e embalagens

de fibra vegetal podem oferecer opções favoráveis. Por exemplo, a Tetra Pak usa papelão feito de materiais renováveis em seu processo de enchimento asséptico que evita a necessidade de conservantes e armazenamento refrigerado. Para alimentos com alto teor de ácido que podem comprometer os revestimentos da lata, os alimentos orgânicos passaram para frascos de vidro. Porém, o PET (tereftalato de polietileno) e polietilenos de alta e baixa densidade são amplamente considerados plásticos de baixo risco. Produtores de vinho estão, inclusive, avaliando bolsas de PET como alternativas possivelmente aceitáveis ao vidro. Nanomateriais estão na vanguarda do desenvolvimento de tecnologia de embalagem. Compostos por partículas de dimensões em nanoescala minúsculas, os nanomateriais oferecem vantagens que incluem redução de material, maior resistência com menor peso, barreira aprimorada, controle de temperatura e ação antimicrobiana ativa. Nanocompostos são usados hoje para minimizar o vazamento de CO2 em garrafas de

19


bebidas com gás e em recipientes de armazenamento de alimentos em que as nanopartículas de prata integradas matam as bactérias. Embora as possíveis aplicações possam solucionar uma variedade de desafios na embalagem de alimentos, pouco se sabe sobre sua segurança, considerando que as partículas de tamanho muito pequeno podem penetrar com mais facilidade e mais profundamente no corpo, e permanecer mais tempo no meio ambiente. A FDA recomenda que as empresas consultem a agência antes de colocar nanomateriais no mercado, o que pode exigir uma análise de segurança caso a caso.

Exercendo cautela Ao mesmo tempo que uma onda de inovação está ampliando as opções para proprietários de marcas de orgânicos que exigem embalagem como uma parte integral dos seus produtos, outros materiais de embalagem de alimentos amplamente utilizados têm gerado preocupações. As marcas passaram a eliminar a espuma de poliestireno das embalagens. O National Research Council reafirmou, em 2014, uma descoberta anterior do Programa Nacional de Toxicologia de que a lixiviação de estireno de recipientes para viagem de alimentos e bebidas tem potencial carcinogênico. O McDonald’s recentemente passou de caixas de isopor de poliestireno para envoltórios à base de papel para suas embalagens de sanduíche, e a Jamba Juice comprometeu-se a parar de usar copos de isopor de poliestireno depois que mais de 130 mil pessoas assinaram uma petição exigindo uma medida a esse respeito. Enquanto os fabricantes anunciam que deixarão de usar BPA, grupos de consumidores afirmam que os materiais sintéticos indicados como alternativas não foram bem estudados. O cloreto de polivinila (PVC) foi indicado como um substituto possível do BPA, mas críticos rotularam o PVC como um plástico com lixiviação de ftalato vincu-

20

lado a uma variedade de efeitos prejudiciais à saúde. Alguns fabricantes estão substituindo BPA pelo seu primo químico bisfenol S (BPS) que, segundo alguns estudos, como um recente artigo da Universidade do Texas, mostrou que atua, em baixas doses, de modo prejudicial ao sistema endócrino de maneira similar ao BPA. Além de os consumidores se tornarem mais intensamente conscientes sobre o valor da reciclagem como prática sustentável, eles estão cada vez mais buscando embalagens que contenham material reciclado ou do qual exista a possibilidade de reciclagem. Para plásticos reciclados, as preocupações do FDA estão focadas na incorporação de FCMs (Materiais em Contato com Alimentos) do material reciclado pós-consumidor não regulamentado para uso em contato com alimentos, e a migração de contaminantes em material reciclado para FCMs. Os fabricantes que usam material reciclado em FCMs devem relatar a origem do material, controles que garantam que apenas plástico que inicialmente estava em conformidade foi reciclado e uma descrição do processo de reciclagem.

Encontrando a solução certa Embora exista ainda muito a ser aprendido sobre a segurança de materiais de embalagem de alimentos, as marcas não podem deixar de ignorar a demanda crescente dos consumidores por garantias de que os alimentos que eles compram são seguros para o corpo e para o meio ambiente. À medida que mais consumidores escolherem opções orgânicas, os fabricantes de alimentos devem adquirir embalagens que fundamentem suas promessas de pureza – e informar efetivamente as medidas adotadas para atender às preocupações de compradores criteriosos. A PACK EXPO International 2016 oferecerá um fórum para essas empresas

poderem observar de perto e com detalhes as opções de embalagens disponíveis, conversar com fornecedores para entender totalmente os prós e contras das diferentes tecnologias e, por fim, selecionar a opção mais adequada para cumprir as promessas da marca e promover a fidelidade dos clientes. A inscrição de participantes para a PACK EXPO International abriu em fevereiro de 2016. Visite www.packexpointernational. com para saber mais informações.

Sobre a PMMI A PMMI, a Associação de Tecnologias de Embalagem e Processamento, representa a voz de mais de 700 fabricantes norte -americanos de equipamentos, componentes e materiais para processamento e embalagem. Trabalhamos para promover o progresso em uma variedade de setores conectando empresas de bens de consumo a soluções de fabricação por meio do portfólio de feiras comerciais PACK EXPO de nível mundial, mídia comercial de ponta e uma ampla variedade de recursos para capacitar nossos membros. As feiras comerciais PACK EXPO reúnem o mundo de processamento e embalagem para promover o progresso dos setores que atendem: PACK EXPO International, PACK EXPO Las Vegas, Pharma EXPO, PACK EXPO East, EXPO PACK México, EXPO PACK Guadalajara e ProFood Tech, com lançamento em abril de 2017. O PMMI Media Group conecta fabricantes às mais novas soluções, tendências e inovações em processamento e embalagem o ano todo por meio de marcas que incluem Packaging World, Automation World, Healthcare Packaging, Contract Packaging e Packaging + Processing OEM. O PMMI Business Drivers auxilia seus membros na busca pela excelência operacional por meio de iniciativas de desenvolvimento de mão de obra, oferece inteligência de negócios aplicável sobre tendências econômicas, do mercado e do setor para apoiar as estratégias de crescimento dos seus membros, além de conectar ativamente a cadeia de fornecimento o ano todo. Saiba mais em PACKEXPO. com, PMMIMediaGroup.com e PMMI.org.


21


Garantindo a segurança da embalagem para contato com alimentos Por Vanessa Cantanhede - Doutoranda pela UFRJ e consultora na FSSC 22000

Grande parte das vendas de embalagens é proveniente dos segmentos de alimentos e bebidas e como sabemos, como principal função, a embalagem deve garantir proteção adequada, de maneira a minimizar contaminação, prevenir danos e possibilitar a comunicação com o consumidor através de uma rotulagem adequada. Considerando o conceito de segurança dos alimentos, uma embalagem segura é aquela que não causa ou introduz perigos ao alimento envasado, ou seja, não introduz qualquer agente biológico, químico ou físico, com potencial de causar um efeito adverso à saúde do consumidor.

taminação química, durante o processo o fabricante deve evitar contaminantes acidentais, tais como resíduo de solvente e lubrificante, resíduo de produtos de limpeza e outros e garantir condições de estocagem e transporte do produto adequadas.

Os controles para eliminar contaminação biológica e física, são realizadas durante o próprio processo de fabricação da embalagem, já que em geral, é durante sua produção que estes tipos de perigos podem ser introduzidos.

Diante disso, o fabricante deve somente utilizar materiais seguros para contato com alimentos e garantir que os limites de migração estejam abaixo do estabelecido em legislação. Isso porque a composição química da embalagem é fundamental para a sua segurança. Muitas substâncias químicas diferentes são necessárias para produzir as embalagens.

Para prevenir contaminação microbiológica, é importante considerar as condições higiênicas na produção e no ambiente de estocagem, a forma de acondicionamento da embalagem (embalagem primária e secundária), as condições do transporte até indústria de alimentos e bebidas, além da própria compatibilidade da embalagem com o processo de conservação e sua integridade. Controles para prevenção à contaminação física estão relacionados às práticas de manutenção preventiva dos equipamentos, calibração, treinamento dos colaboradores, sistema de filtros, imãs, detectores de metal e equipamento de raio x (quando aplicável), a proibição do uso de grampos e objetos pessoais nas áreas de fabricação e a adoção de política de vidros. Quando se trata de prevenção à con-

22

Entretanto, quando se avalia os tipos e fontes potenciais de perigos químicos, a maior preocupação está relacionada a própria composição da embalagem, uma vez que, as substâncias utilizadas na fabricação desta, podem migrar para o alimento e/ou bebida, e causar danos à saúde do consumidor em função de sua toxicidade.

O número de substâncias intencionais conhecidas e que são utilizadas na composição dos materiais de contato excedem 4000. Além disso, contêm um número desconhecido de subprodutos de polimerização, impurezas e outros que são as substâncias adicionadas não intencionalmente. Existe uma notável preocupação médica em relação aos contaminantes químicos que migram das embalagens para os alimentos e bebidas, e seu potencial efeito adverso à saúde humana. Alguns autores estimam que a migração dos contaminantes de embalagens de alimentos pode ser muito superior à de outros contaminantes, como pesticidas

e poluentes ambientais. Decorrente disto, legislações baseadas no risco e na exposição do consumidor a essas substâncias foram elaboradas para controlar a contaminação química e toxicológica da embalagem e proteger a saúde dos consumidores. No Brasil, as legislações são publicadas pela ANVISA e estão harmonizadas com as do MERCOSUL que têm como referência os regulamentos da Comunidade Européia, do Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos da América e do Instituto Alemão de Avaliação de Risco (BfR), entre outras. Entre os critérios gerais se estabelece que a embalagem deve ser fabricada conforme as Boas Práticas de Fabricação, não devem gerar modificações inaceitáveis na composição dos alimentos ou nas características organolépticas e não deve representar risco à saúde do consumidor. Têm como principal premissa o estabelecimento de listas positivas, nas quais são apresentadas as substâncias permitidas e aprovadas, para uso na formulação de materiais para contato com alimentos. Essas substâncias foram consideradas seguras a partir de estudos toxicológicos e em alguns casos existem restrições e especificações de uso estabelecidas, com base no potencial de migração e na estimativa do risco da exposição do consumidor à ingestão da substância. Essas especificações podem estar relacionadas com a restrição do uso, ou seja, da aplicabilidade do material (por exemplo, “somente para ser usado em materiais plásticos para alimentos aquosos”), critério de pureza, cumprir com limite de migração total e específico. A legislação de embalagens está organizada por tipo de material: plástico, ce-


lulósico, metálico, vidro, têxtil e elastoméricos. Além disso, algumas normas estabelecem princípios gerais referentes a materiais em contatos com alimentos e requisitos específicos que se aplicam a alguns materiais. Estes regulamentos podem ser consultados no próprio portal da Anvisa em: alimentos > legislação > regulamentos técnicos por assunto > embalagens. Atualmente constam em vigor 23 legislações. Desta forma, é de responsabilidade do fabricante de embalagens garantir a conformidade legal, evitando contaminantes acidentais durante o processo, utilizando somente materiais seguros para contato direto com alimento e controlando a migração de componentes da embalagem para o produto. A segurança dos alimentos depende disto. Embalagem segura, alimento seguro. Vanessa Cantanhede Doutoranda pela UFRJ e consultora na FSSC 22000 Email: contato@vanessacantanhede.com.br

23


Rótulo e etiqueta O “dedo duro” do produto Por Thomaz Caspary

Dizem alguns “embalólogos” que a embalagem é o vendedor silencioso dos produtos de uma empresa. Eles afirmam que o consumidor é atraído pelo design da embalagem, que deverá enaltecer e prestigiar o produto. Em um supermercado encontra-se uma variedade de produtos na gôndola, ou seja, o consumidor é influenciado pela embalagem através da cor, grafia, design e forma do produto.

mente nas áreas de alimentos, bebidas e cosméticos. De acordo com o CDC, é direito do consumidor saber as informações do produto, como componentes, prazo de validade, valor nutricional, conservação etc.

E o Rótulo ou etiqueta? Este além de deixar o design da embalagem mais atraente com cores, grafias e imagens, contém informações importantes do produto, chamando a atenção do consumidor para fatores técnicos, principal-

O consumidor passou a exigir qualidade. As empresas passaram por importantes mudanças para sobreviver no mercado. Antes do Código ninguém dava importância a detalhes como o rótulo dos produtos, por exemplo. E por quê o conteú-

24

O consumidor brasileiro está cada vez mais atento aos produtos que está comprando. Tudo começou, com o Código de Defesa do Consumidor em 1991.

do do rótulo é importante? Acompanhe o que diz o Código do Consumidor: A oferta e apresentação de produtos ou serviços devem assegurar informações corretas, claras, precisas e ostensivas e em língua portuguesa, sobre suas características, qualidades, quantidade, composição, preço, garantia, prazos de validade e origem, entre outros dados, bem como sobre os riscos que apresentem à saúde e segurança dos consumidores. A ANVISA como órgão controlador para a área da Saúde estabeleceu alguns parâmetros para o conteúdo das informações em Rótulos e Etiquetas.


O que é considerado como rótulo? Uma portaria do Ministério da Saúde explica: “É toda inscrição, legenda, imagem ou toda matéria descritiva ou gráfica que esteja escrita, impressa, estampada, gravada, gravada em relevo ou litografada ou colada sobre a embalagem do alimento”. A rotulagem se aplica a todo alimento que seja produzido, comercializado e embalado na ausência do cliente e pronto para oferta ao consumidor.

Conheça o que é de importância no Rótulo: Da próxima vez que você for às compras veja os produtos com outros olhos. Confira se os rótulos apresentam algumas das principais informações consideradas obrigatórias pela legislação: Denominação de venda do alimento, Lista de ingredientes, Conteúdo líquido, Identificação da origem (razão social e endereço do fabricante, produtor e/ou fracionador, país e cidade de origem e, número de registro no órgão competente), Identificação do lote, Prazo de validade, Instruções sobre o preparo e uso do alimento, se necessário (Ex: reconstituição de leite em pó). Os rótulos devem evitar palavras, sinais, símbolos, emblemas, ilustrações ou outras representações que induzam o consumidor ao erro ou que sejam falsas em relação à verdadeira natureza, composição, qualidade, quantidade ou validade do alimento. Com exceção dos alimentos com um único ingrediente (por exemplo: açúcar, farinha, erva-mate entre outros) o produto deve exibir em seu rótulo a lista completa de ingredientes. E mais: produtos vendidos embalados por quilo devem ter o peso da embalagem contido no rótulo. A identificação do lote pode ser através de um código bem visível e antes da letra “L”. A data de fabricação, embalagem ou de prazo validade também devem estar indicados claramente pelo menos o dia e o mês (nesta ordem). O Código do Consumidor é muito preciso. Devem ser usadas as seguintes expressões: “consumir antes de...”, ”válido até...”, “validade...”, “vencimento em...”, “consumir preferencialmente antes de...”, além do detalhamento da validade nas temperaturas máximas e mínimas.

Preparo e instruções: Devem ser incluídas as instruções necessárias sobre o modo apropriado de uso inclusive a reconstituição, o descongelamento ou o tratamento que deve ser dado pelo consumidor para o correto uso do produto.

25


Rotulagem nutricional: Trata-se de uma nova exigência para alimentos e bebidas embalados, com exceção de águas minerais.

Como devem ser as informações na Rotulagem Nutricional? Carboidratos................... (g) Proteínas......................... (g) Gorduras totais............... (g) Gorduras saturadas........ (g) Etc. *Quando for declarado em rótulo e se estiver presente pelo menos 5% da IDR (Ingestão Diária Recomendada), por porção no alimento/bebida. As quantidades mencionadas devem corresponder ao alimento na forma como exposto à venda. Obrigatoriamente a INFORMAÇÃO NUTRICIONAL deve ser expressa por porção (numericamente) e por percentual de VDR (Valor Diário de Referência). Adicionalmente podem ser expressos por 100g ou 100 ml. Para complementar pode se informar a respeito do alimento preparado, isto é, pronto para o consumo desde que as instruções de preparo sejam claras. Isto pode ser observado nos pós para pudim ou gelatina, por exemplo.

Que informações são obrigatórias na rotulagem nutricional? Como INFORMAÇÃO OBRIGATÓRIA independente da quantidade ser insignificante no alimento deve ser declarado: Valor Calórico Carboidratos Proteínas Gorduras Totais Sódio

pressa que deve identificar um telefone de contato ou endereço, para que o consumidor possa obter as informações nutricionais. Em ambos os casos podem ser informados também o endereço eletrônico da empresa.

Qual é o órgão responsável pela rotulagem nutricional? A rotulagem nutricional é regida por resoluções da Agência Nacional de Vigilância Sanitária-ANVISA. O prazo para as empresas se adequarem às novas exigências termina em fevereiro do ano que vem. Cuidados especiais devem ser tomados em relação à salmonela, presente em carne de aves e seus miúdos crus, resfriados ou congelados. Trata-se de um problema mundial e não existem medidas efetivas de controle para elimina-la da carne crua. De acordo com a legislação deve ser inscrita a seguinte inscrição nos rótulos: ”Este alimento se manuseado incorretamente e ou consumido cru pode causar danos à saúde.” Ao consumir este tipo de produto, para sua segurança, siga as instruções abaixo: Mantenha refrigerado ou congelado. Descongele somente no refrigerador ou no micro-ondas. Mantenha o produto cru separado dos outros alimentos. Lave com água e sabão as superfícies de trabalho (incluindo as tábuas de corte), utensílios e mãos depois de manusear o produto cru. Consuma somente após cozido, frito ou assado completamente. A crescente preocupação com dietas ou mesmo restrições a determinados ingredientes, por problemas de saúde (ou opção) é fator determinante na hora da compra de um produto.

As embalagens de até 80 cm2 de área total disponível para rotulagem estão dispensadas da obrigatoriedade da informação nutricional.

As informações na rotulagem são importantes nas várias situações que podemos ter em nossas vidas: de consumidor, de empresário que produz e também como aquele que revende o produto.

O rótulo deve conter uma chamada im-

Verificar a rotulagem de produtos ali-

26

mentícios embalados deve fazer parte da rotina de todos os funcionários que recebem produtos diariamente nos restaurantes industriais e outros locais de manipulação de alimentos. Este procedimento está descrito em Manuais de Boas Práticas.

Bebidas alcoolicas e não alcoolicas O decreto nº 6871 de 04/07/2009, é o responsável pela regulamentação da rotulagem geral para bebidas, que deve ser Complementado com os Regulamentos Técnicos específicos para cada tipo de bebida disponíveis no site do M.A.P.A. O M.A.P.A. aprova diretamente os croquis dos rótulos como acontece com os de produto animal, mas o produtor deve registrar, no órgão, o estabelecimento produtor, padronizador e engarrafador, quando houver, e a formulação do produto. A exceção a essa regra são os croquis dos rótulos de vinho, que devem ser apresentados ao Ministério da Agricultura (BRASIL, 1990; 2009) Além das disposições da rotulagem geral obrigatória, as bebidas devem conter no rótulo as seguintes informações, segundo Brasil (2009): • expressão “Indústria Brasileira”; • graduação alcoólica, expressa em porcentagem de volume alcoólico, quando bebida alcoólica; • grau de concentração e forma de diluição, quando se tratar de produto concentrado; • forma de diluição, quando se tratar de xarope, preparada líquida ou sólida; • frase de advertência: “Evite o consumo excessivo de álcool”, quando bebida. alcoólica.

Seguem então os produtos vegetais industrializados Esses produtos são regulamentados pela ANVISA e prescindem de registro no ór-


gão. O fabricante somente deve comunicar o início de fabricação dos produtos através de formulários entregues nas secretarias estaduais ou municipais da vigilância sanitária (BRASIL, 2000b). Na sequencia virão então todas as especificações para águas de todos os tipos, com as correspondentes informações do que deve constar no rótulo. Poderíamos nos alongar ainda mais sobre cada família de produtos líquidos, que geraria uma matéria bastante árida e pouco atrativa, embora para os técnicos de suma importância, por se tratar de águas com e sem sabor, sucos naturais e concentrados, xaropes com e sem adição de conservantes, etc. Segue-se então uma vasta literatura sobre os mais diferentes produtos e a correspondente regulamentação do conteúdo dos rótulos e etiquetas. Para alguns produtos onde a embalagem e seu rótulo tenha contato com umidade, gorduras e temperatura, existem ainda especificações técnicas específicas, inclusive para aquelas destinadas à exportação. Em Janeiro de 2016, a ANVISA fez circular o seu Informe Técnico N° 70 onde alerta sobre a declaração de alegações de conteúdo para aditivos alimentares na rotulagem de alimentos e bebidas. A importância de se evitar o consumo de alimentos ultra processados, os quais geralmente apresentam maiores quantidades de aditivos alimentares, também é reforçada pelo Guia Alimentar para a População Brasileira. Esse documento recomenda que a quantidade e os nomes dos ingredientes declarados na lista de ingredientes sejam utilizados para auxiliar na identificação de produtos que deveriam ter seu consumo evitado. Embora a reformulação da composição e rotulagem dos produtos processados possa contribuir para torná-los mais adequados às necessidades dos consumidores, em certos casos essas iniciativas podem ser conduzidas apenas como uma estratégia de marketing, sem que exista qualquer vantagem nutricional, de qualidade ou de segurança para o consumidor. Nessas situações, é comum que os dispositivos legais sobre rotulagem de alimentos não sejam observados, expondo

o consumidor a informações incompletas e demasiadamente técnicas que podem causar enganos e colocar em risco sua saúde. Nesse sentido, a Gerência Geral de Alimentos (GGALI) tem recebido diversos questionamentos e denúncias sobre a veiculação de alegações de conteúdo para aditivos alimentares na rotulagem de alimentos industrializados. Essas alegações geralmente destacam a ausência de aditivos alimentares classificados como artificiais (ex.sem adição de corantes artificiais, sem aromatizantes artificiais); Este Informe Técnico, fala ainda sobre Declarações obrigatórias sobre aditivos alimentares na rotulagem de alimentos, mas não queremos nos alongar mais neste texto. Finalmente um grupo de pesquisadores em Brasília publicou em Março de 2016 um trabalho com o título: “EMBALAGENS ENGANOSAS: ESTUDO DENUNCIA RÓTULOS DE ALIMENTOS E BEBIDAS COM INFORMAÇÕES FALSAS OU QUE INDUZEM CONSUMIDOR AO ERRO” dizendo entre outras coisas: Durante o estudo, pesquisadores do Observatório de Politicas de Segurança Alimentar e Nutrição da UnB analisaram 1.789 rótulos de produtos de grandes e pequenas indústrias comercializados em supermercados do Distrito Federal. Especialistas procuram encontrar contradições nos textos, imagens e composição nutricional e de ingredientes nas embalagens. Algumas embalagens, são verdadeiras, porém, enganosas: elas induzem o consumidor ao erro, levando- o a acreditar que está comprando um determinado sabor mas na verdade é uma opção mista, que pode ser classificada como “néctar misto”. Um néctar misto de uva e maçã, por exemplo, pode ter mais maçã do que você pensa, até mesmo mais do que a própria uva, por mais que não esteja tão aparente na embalagem. Outro exemplo são óleos de cozinha que afirmam utilizam da frase “contém colesterol”, o que ao pé da letra é verdade pois nenhum óleo vegetal contém colesterol, porém isso pode induzir o consumidor ao erro de achar que os

produtos concorrentes contém colesterol. Cautela na hora da compra pode ser uma boa ferramenta para se proteger das falsas promessas. A dica dos nutricionistas é que o consumidor leia os rótulos inteiros, inclusive a lista de ingredientes, compare os alimentos e não se deixe levar por embalagens coloridas e frases de efeito. Um relatório com os resultados da pesquisa foi enviado à ANVISA no inicio deste ano e até agora, o documento ainda não retornou às mãos da Gerência de Inspeção de Alimentos do órgão.

Concluindo:

Ao elaborar o rótulo de qualquer produto recomendamos seguir o passo-a-passo abaixo: • indicar as informações obrigatórias; • verificar a necessidade de rotulagem nutricional; • se interesse na INC, verificar a Resolução RDC nº 54, de 12 de novembro de 2012; • se o alimento pertencer a alguns dos 6 grupos dos alimentos especiais, verificar as legislações pertinentes; • verificar normas do INMETRO; • verificar o PIQ da ANVISA ou MAPA do produto; • fazer o design do rótulo; • escolher material para confeccionar o rótulo, método de impressão e rotuladora que melhor se adeque ao produto.

*Thomaz Caspary é Consultor de empresas e diretor da Printconsult Ltda. tcaspary@uol.com.br

27


Cartuchos Congraf embalam a nova linha de produtos da Mãe Terra assinada pela Bela Gil A marca de produtos orgânicos contou com a Congraf no desenvolvimento de embalagens seguras e atraentes para apresentar o lançamento ao consumidor A Mãe Terra acaba de lançar a linha Bela Gil, assinada pela culinarista e apresentadora. A novidade contempla oito saborosos produtos feitos com ingredientes orgânicos e naturais da biodiversidade brasileira inspirados em suas receitas: Pão de Mandioquinha Orgânico, Tapioca Orgânica, Bolos Orgânicos, Ritto da Chef (mix com quatro tipos de arroz integral), Painço (grão nutritivo e versátil adaptável a diversos pratos e receitas) e o Trato MPB (Mistura Pronta Brasileira), mix contendo castanha de licuri, nibs de cacau, castanha de baru e castanha de caju. Para as embalagens, a marca que é referência dos consumidores que buscam manter uma alimentação saudável no dia a dia, firmou parceria com a Congraf Embalagens e juntas desenvolveram um projeto ideal para apresentá-los ao consumidor no ponto de venda. A ideia principal do desenvolvimento era utilizar as embalagens para informar os consumidores que a Bela Gil e a Mãe Terra se uniram para lançar produtos e receitas incríveis, fáceis de preparar e com muito sabor. Através de alimentos naturais, integrais e orgânicos, que fazem bem de verdade e nos reconectam ao prazer de cozinhar, valorizando ingredientes brasileiros. Conceito e artes foram criados internamente pela própria Mãe Terra, sob responsabilidade do Designer Thiago Palhas.“Fiquei muito feliz com os resultados da linha Mãe Terra por Bela Gil. Conseguimos atingir nosso objetivo de criar uma gama de produtos diferenciados, inovadores, com sabor e saúde. As embalagens alegres, aspiracionais e descoladas, refletem tanto a identidade da Mãe Terra quanto da Bela. Além disso, possuem orientações para o preparo básico ou uma receita especial sugerida

28

pela própria Bela. A Congraf contribuiu para essa solução na adequação da estrutura, agilidade no processo e na qualidade das embalagens”, explica Palhas. Os cartuchos possuem diferenciais que facilitam o manuseio e também garantem a segurança dos produtos. O modelo foi desenvolvendo para envase automático, viabilizando um seguro acondicionamento. Um dos destaques da caixa ficou por conta da abertura com zíper desenhado em curva e com trava, permitindo que o consumidor possa fechar a embalagem e guardar o restante do produto, mantendo o uso da caixa por mais tempo. O fundo automático com reforço para evitar abertura ou rompimento, também foi item pensado para garantir segurança no acondicionamento. “É sempre muito importante sentar com o cliente para entender exatamente

qual a sua necessidade. Nesse projeto, além dos itens idealizados para um armazenamento seguro, os acabamentos de impressão deram destaque para as artes, o que deve gerar uma comunicação rápida e direta com o consumidor. Os modelos foram personalizados para cada produto, com relevos impressos no logotipo e na imagem do produto embalado. Algumas caixas possuem janela para demonstração do produto, com o recorte totalmente em harmonia com a arte. Contudo, tanto os relevos como as janelas, foram inseridos através de um processo da Congraf, prático e de baixo custo, que não impacta no custo final do cartucho”, ressalta Cesar Costa, Designer de Embalagens da Congraf. *A fabricante de máquinas automáticas Fabrima é responsável pelo equipamento utilizado para o envase automático.


29


GLP impulsiona indústria brasileira de propelentes Por Alyne Freitas da Silva e Adriano Biral

Os cosméticos e outros itens em aerossol estão cada vez mais presentes no cotidiano da população brasileira. Entre os motivos que levam ao aumento das vendas dessas embalagens estão a praticidade e a facilidade de uso. Basicamente, são compostos por válvula e acionador, acoplados em recipientes metálicos fechados, onde o produto fica pressurizado por um propelente responsável pela dispersão, via micro pulverização, entre outros efeitos. Atualmente, cerca de 80% do mercado global da categoria aerossol usa como propelentes as misturas de propano e butano, componentes do gás liquefeito de petróleo (GLP). Isto se deve, entre outros fatores, à conveniência em adquiri-lo; ao seu baixo custo e impacto no meio ambiente; e pelo fato de as pro-

30

priedades físico-químicas serem compatíveis com as formulações dos produtos, entre eles artigos industriais, cosméticos e farmacêuticos. Neste texto, discutiremos as perspectivas para esse mercado e apresentaremos as inovações da Liquigás Distribuidora para estimular o seu desenvolvimento.

Mercado

A Associação Brasileira de Aerossóis e Saneantes Domissanitários (ABAS) prevê que o consumo nacional de aerossóis no Brasil ultrapasse a média alcançada em 2015, de 5,3 unidades por habitante, podendo chegar a 7,0 até 2020. Apesar desse ritmo de crescimento, ainda estamos longe de atingir o patamar de mercados maduros, como o argentino e o europeu, que utilizam entre 2 e 2,5 vezes o número de embalagens consumidas

em nosso País. De qualquer forma, é inegável que estamos avançando a passos largos rumo à adoção mais consistente dos aerossóis. Para ilustrar este cenário, há 10 anos, a quantidade de embalagens utilizada por ano pelos consumidores brasileiros era de 1,8 por habitante. O Brasil ocupa o 3º lugar no ranking de países que mais consomem cosméticos, movimentando R$ 40 bilhões, ou 1,8% do PIB nacional. Segundo a Indústria Brasileira de Higiene Pessoal Perfumaria e Cosmética, a estimativa é de que esse mercado cresça em um ritmo de 15% ao ano até 2017. A expansão no uso de itens de higiene e cosméticos está atrelada a fatores econômicos e ao perfil extremamente inovador do setor em relação ao lança-


mento de novos produtos. Ao mesmo tempo, é grande a quantidade de artigos existentes em outros formatos que ganha versão na lata metálica. Entre os exemplos estão o esmalte de unhas em aerossol, e os desodorantes, que praticamente já declararam vitória sobre a versão em squeeze. Outro fator que vem impulsionando a indústria brasileira é a consecutiva queda na importação. Algumas multinacionais têm migrado suas produções para o Brasil para não ficarem de fora do mercado brasileiro. A compra de produtos de outros países, principalmente da Argentina, que chegou a alcançar 57% de tudo o que é consumido por aqui, caiu em 2015, mesmo ano em que a Unilever inaugurou sua planta de envase de desodorantes no interior de São Paulo. Diante dessas perspectivas, temos trabalhado para garantir a expansão da produção do Purogas, propelente desenvolvido pela Liquigás a partir da filtragem de propano e butano. Estrategicamente localizada próxima à refinaria da Petro-

bras, a planta industrial de purificação foi construída no Centro Operativo da Liquigás em Capuava - Mauá (SP) -, considerado um dos mais modernos centros de engarrafamento e distribuição de GLP, certificado pelas Normas ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001. Além da eficiência no processo de filtragem, a Liquigás investiu em um moderno laboratório que certifica a qualidade do Purogas e garante a rastreabilidade total do processo, sendo o único do gênero entre todas as distribuidoras nacionais do setor. Dispondo de equipamentos tecnológicos de última geração, como cromatógrafos e analisadores de precisão, conseguimos identificar os componentes do GLP e, dessa forma, o produto é entregue customizado, ou seja, nas proporções de mistura de butano e propano determinadas pela pressão de vapor específica de cada cliente. A tecnologia também nos permite atender com alto padrão de qualidade os mais exigentes setores, como o de cosmético e o medicinal, em que o aerossol é

aplicado diretamente na pele e, por isso, necessita de um propelente de elevado índice de pureza. Até o lançamento do Purogas, a filtragem era realizada pelas empresas responsáveis pelo envase e o teste olfativo era praticamente o único utilizado para aprovar a qualidade do propelente no mercado nacional. Este método era totalmente subjetivo e impreciso, pois não detectava outros compostos indesejados que poderiam afetar o resultado final da produção dos aerossóis. Com o Purogas, também eliminamos os custos de desodorização das empresas responsáveis pelo envase, como energia elétrica, mão de obra, além da compra e do descarte das peneiras. Para a indústria, as vantagens são inúmeras. O Purogas é inerte, não corrosivo, não reage com as formulações e não causa danos nos materiais metálicos ou plásticos e nas válvulas das embalagens. Também é ambientalmente correto, pois não contribui com o efeito estufa e

31


tampouco danifica a camada de ozônio. Além disso, apresenta baixa emissão de compostos orgânicos voláteis (COVs), e não é tóxico, podendo ser adicionado, sem restrição, a cosméticos, produtos farmacêuticos e alimentícios. A combinação dessas vantagens serviu de alicerce para suportar o mercado em seu crescimento consistente, fazendo com que as vendas do Purogas em 2015 aumentassem fortemente em relação ao ano anterior. Atualmente, podemos produzir cerca de 60 mil toneladas por ano e os investimentos realizados em 2015 possibilitaram à Liquigás aumentar o volume de estocagem e filtragem. O laboratório também foi ampliado e recebeu novos equipamentos para expandir a produção e a escala de análises. A companhia conta ainda com uma máquina recravadora para envase de amostras, apoiando o cliente no desenvolvimento e melhoria de suas mercadorias.

Adriano Biral

Presença internacional e referência para o setor A Liquigás ocupa cada vez mais um papel de referência junto à cadeia de aerossóis no Brasil, apoiando o desenvolvimento e contribuindo para a consolidação do setor. Buscando cada vez mais a excelência no atendimento às demandas das empresas estrangeiras que estão trazendo suas produções para o País, intensificamos nossa presença nos principais eventos do calendário latino-americano do segmento. Em 2014, a Liquigás participou do Congreso Mundial del Aerosol e do 8º Congreso Latinoamericano del Aerosol em Buenos Aires (Argentina). E como representante da Associação Brasileira de Aerossóis (ABAS) no Comitê Técnico da Federação Latino Americana de Aerossóis (FLADA), a Liquigás participou, ao longo de 2015, de encontros em São Paulo (SP), Puerto Vallarta (México) e Santiago (Chile). Em 2016, o primeiro encontro ocorreu em abril, em Buenos Aires (Argentina).

32

Alyne Freitas da Silva Nos comitês técnicos, as entidades setoriais debatem e definem recomendações relativas aos gases propelentes e aos requisitos de segurança para o envase em aerossol, favorecendo a segurança e a confiabilidade do mercado. A presença da Liquigás nesses encontros reforça sua posição como maior produtora de propelente de alta qualidade no Brasil e propicia a troca de informações técnicas e comerciais com especialistas reconhecidos do setor, que auxiliam a atuação da companhia no mercado brasileiro. * Alyne Freitas da Silva é Supervisora Técnica de Produtos Especiais da Liquigás e Adriano Biral é Gerente de Desenvolvimento de Mercado Granel da Liquigás.


Itaipava renova identidade visual A cerveja 100% moderniza sua marca sem abrir mão da tradição conquistada em 20 anos de expansão acelerada de mercado Marca de cerveja que mais ganhou mercado no Brasil na última década, a Itaipava está de visual renovado. A tradicional lata branca cedeu espaço para novos grafismos e cores, na mais profunda evolução visual em duas décadas de existência. Simplicidade, autenticidade e ousadia foram os elementos de inspiração. A nova identidade visual é fruto de um ano e meio de trabalho das equipes de design, marketing, pesquisa e branding, liderados pela agência FutureBrand. É mais um movimento para tornar a marca uma das três mais vendidas do Brasil até 2020.

alcance nacional para marcar o lançamento oficial da nova identidade visual. Esta é a terceira remodelação visual da história da Itaipava. “Mas quem não gosta de novidade? Nosso objetivo é dialogar ainda mais com os consumidores e conquistar mais fãs. Queremos continuar levando a alegria do verão e todos os de-

mais atributos positivos que nossa cerveja evoca”, reitera Eliana Cassandre. Até o fim de 2016, as gôndolas de todo o território nacional terão a Itaipava Pilsen com novo design. Pontos de vendas, geladeiras, banners e outros materiais visuais também serão renovados.

“Ouvimos consumidores, parceiros comerciais e especialistas para traduzir em nossas embalagens todos os conceitos e o nosso jeito de fazer cerveja”, conta Eliana Cassandre, gerente de propaganda do Grupo Petrópolis. Em busca da “roupa” perfeita para a cerveja 100%, chegou-se a uma identidade onde os elementos cresceram e ficaram mais dinâmicos. O dourado, o branco e o vermelho foram mantidos, mas o dourado ganhou espaço, como a coroa, símbolo máximo de uma cerveja que nasceu em Petrópolis, a Capital Imperial, cidade de águas puríssima, insumo fundamental da boa cerveja. A nova tipografia, exclusiva da Itaipava, também ajudou no novo dinamismo que a marca requer.

CAMPANHA

A Itaipava Pilsen de novo design chega nos próximos meses a todos os pontos de venda da marca do território nacional. Materiais de apoio, como geladeiras, banners, mesas e cadeiras também serão renovados. Ainda este mês está prevista uma campanha publicitária de

33


Produtos chegando no destino como saíram na origem: o desafio vencido A FIESP - Federação das Indústrias do Estado de São Paulo classifica embalar um produto como dar-lhe forma para sua apresentação, proteção, movimentação e utilização para que possa ser comercializado e manipulado durante todo o seu ciclo de vida. E o maior problema detectado pela instituição como motivo de perdas ou avaria nas mercadorias durante a armazenagem, o manuseio e o transporte é a concepção da embalagem, que pode ser inadequada para determinado produto ou não atender aos requisitos mínimos de proteção e segurança. Como a embalagem está intimamente ligada à Logística de Distribuição de mercadorias, alguns tratamentos diferenciados precisam ser realizados para a exportação: • Deve-se levar em conta o transporte de longa distância que exige mais resistência das embalagens já que elas estarão sujeitas a condições desconhecidas de manipulação; • O atendimento às exigências e características especiais solicitadas pelos importadores e à legislação em vigor nesses países; • As cargas para o transporte devem ser, sempre que possível, organizadas para facilitar o seu transporte e dar maior proteção às mercadorias que pode ser feito por meio de contêineres ou “pallets”, por exemplo. Portanto existem dois grandes desafios que tiram o sono de quem está no setor industrial: - Conseguir vender o seu produto em grandes quantidades;

34

- Entregar este mesmo produto sem avarias e dentro do prazo. A partir do momento que o desafio das vendas é superado, toda a responsabilidade do negócio se direciona para a entrega. Agora, dentro do segundo desafio é preciso minimizar o custos e maximizar os atributos de segurança no transporte - os detalhes chaves para quem precisa atuar com o transporte de grandes cargas no setor industrial. É neste contexto que a escolha da embalagem acaba impactando definitivamente. Kleber Osadczuk, analista de PCP - Planejamento e Controle da Produção da Codiflex, especializada em soluções para a logística de empresas, conta que

vários detalhes precisam ser analisados de acordo com cada tipo de produto. No caso da siderurgia, as embalagens metálicas precisam ser acomodadas para que seja possível o transporte com segurança e economia do espaço físico do cliente: “Cada produto possui todas as luvas, que são onde se encaixam as peças, com um corte especial. Estamos desenvolvendo um projeto em que são cintados 240 kg em cada pallet e conseguimos assim 1300 kg empilhados e o material não se move. Tudo chega ao cliente de maneira adequada e ele consegue acomodar à logística dele, chegando ao destino final como saiu”. Kleber explica que é importante conhecer


muito bem o produto que está sendo trabalhado, pois na hora do assentamento, há a possibilidade de criar uma passagem de cinta especial para que a carga não se movimente na hora de colocar no caminhão ou em qualquer outro meio de transporte: “Isso evita que a carga corra ou tombe e mantenha-se o tempo todo de maneira adequada” aponta Kleber.

Planejamento inclui segurança A busca por soluções precisa ajudar o cliente na maneira correta, de acomodação de seu produto e todo o processo de logística até o acabamento e a pintura que o cliente pede. Para Kleber, o ideal é que todos os projetos sejam pensados não só na economia e na praticidade, mas também na segurança de quem está manuseando: “Tem a questão ergonômica, por exemplo, o operador vai tirar a cinta e a tampa das embalagens e deve encontrar a merca-

doria como ela estava na origem. O material criado para embalar o produto não pode ter o chamado “canto vivo”, para diminuir a chance de ferimentos na mão do operador, a preparação leva em conta somente canto arredondado.” conclui o especialista da Codiflex.

Transporte adequado para siderurgia garante exportações Com o real desvalorizado em relação ao dólar, as importações acabam aumentando para vários setores da indústria pesada. O volume de vendas para outros países aumentou consideravelmente e os cuidados com o que é exportado também precisam de mais atenção para que o exigente mercado externo receba tudo dentro de um padrão de qualidade. Para Adriano Pereira, presidente da Codiflex, especializada em soluções para a logística de empresas, o grande desafio já começa aqui mesmo, no Brasil

e os seus gargalos logísticos: “Com as nossas estradas lamentavelmente em péssimas condições, até os portos, bem como o pouco cuidado no manuseio de bobinas de aço quando da acomodação nos porões de navios e pátios de portos, deve-se redobrar a atenção como tipo de embalagem que irá proteger estas peças”. Por se tratar de material pesado como bobinas de até 21 toneladas, Adriano explica que existe a falsa impressão que o material pode ser movimentado sem o cuidado necessário, mas preservar o que é exportado de maneira correta é um investimento necessário: “Sem dúvida é um excelente investimento. Os clientes internacionais da indústria de aços planos das usinas brasileiras são grandes companhias que detêm altos graus de qualidade e exigência dos seus fornecedores”. Adriano Pereira alerta que navios inteiros são devolvidos por causa de poucas bobinas avariadas e com corrosão causadas por umidade. Portanto o investimento inicial em uma boa e garantida

35


embalagem se torna irrisório quando comparado o prejuízo que pode acontecer na devolução e a perda de imagem da empresa exportadora com o produto devolvido. A qualidade esperada pelo mercado externo, do que é exportado pelo Brasil é a melhor possível. Adriano Pereira chama a atenção ao fato de que hoje, com uma oferta mundial acima da demanda das indústrias ao redor dos cinco continentes, garantir a chegada com qualidade 100% dentro das expectativas do cliente tem sido item de série para se credenciar a fornecer ao mercado externo.

Empresas competitivas precisam reduzir seu custo logístico aprimorando a qualidade A redução de custos faz parte da política da maioria das empresas do setor de logística. Manter a operação rentável e com alto padrão de qualidade competitivo são desafios que precisam de estudo e estratégia. Adriano Pereira, presidente da Codiflex, especializada em soluções para a logística de empresas, lembra que “em um ambiente competitivo como o atual, a área logística das empresas precisam ser muito bem conduzidas visando obter o máximo de eficiência para que se tenham

36

reduções de custos e eliminação de desperdícios”. Bem depois do custo das mercadorias vendidas (CMV), o maior gasto de muitas empresas está no Custo Logístico e, em encontrar soluções neste setor pode impactar nos custos finais. Adriano Pereira entende que em um país intercontinental como o Brasil, encontrar soluções mais adequadas para se vencer grandes distâncias torna-se fundamental para a sobrevivência dos negócios: “são muitas as estratégias que precisam ser adotadas por uma empresa de grande porte. Vai do controle dos indicadores de entrega no cliente dos produtos (OTIF) até escolher de maneira correta a embalagem de proteção e transporte para evitar perdas com avarias” explica Adriano Pereira.

Redução de perdas precisa estar no radar dos empresários Quando não há uma análise prévia de uma empresa para buscar, ou conhecer novas soluções em embalagens para logística, as perdas podem ser consideráveis no final do processo. É preciso se atualizar sempre neste tema e focar em novas soluções que reduzam custos e evitem danificar o que está sendo transportado. Pereira explica que todos os dias a área logística cresce em importância estratégica para as empresas, gerando grandes oportunidades de melhorias. Porém,

para o empresário, muitos gestores no Brasil ainda não dão a devida importância para a embalagem a ser usada, e as melhores práticas de manuseio no transporte e distribuição das mercadorias, gerando desta maneira, dentre outros transtornos: - custos adicionais de fretes; - retrabalhos; - baixo aproveitamento de cargas; - falta de garantia. “Os gastos podem chegar a até 4,5% do custo total de um produto. É muito dinheiro se pensarmos em termos competitivos onde temos empresas de mercados maduros e desenvolvidos e que muitas vezes trabalham como meta deste indicador na faixa de 0,3%” completa. Kleber Osadczuk, analista de PCP - Planejamento e Controle da Produção da Codiflex, explica como é feita essa busca por soluções usando como exemplo o setor de siderurgia: “as embalagens estão acomodadas após um estudo de material prévio e, com os dados levantados, é possível transportar com melhor aproveitamento de espaço além de economizando no prórpio espaço fisico de cada empresa. Um exemplo é em que todas as chamadas luvas, local onde se encaixam as peças, estão cintados com 240kg em cada pallet totalizando 1300 kg e o material nem se move. Tudo chega ao cliente de maneira adequada e ele consegue acomodar de maneira adequada à logistica própria” exemplifica Kleber.


Thick Neck é nova aposta de embalagem para cervejas artesanais Garrafa desenvolvida pela Owens Illinois tem pescoço mais grosso e comporta 300 ml

O mercado de cervejas artesanais e especiais já pode contar com um novo modelo de embalagem para suas bebidas. A Owens Illinois (O-I), maior fabricante de embalagens de vidro do mundo, acaba de lançar a Thick Neck, uma garrafa de 300 ml com diâmetro de pescoço maior do que as convencionais. O modelo foi pensado como alternativa às embalagens disponíveis no mercado, que costumam ter gargalo longo e fino. “A ideia foi sair do lugar comum e criar uma garrafa diferente das tradicionais long necks”, diz Antonio Melo, gerente de produtos da O-I. O especialista explica que o design da garrafa também influencia no momento da compra e que a proposta é fazê-la se destacar nas prateleiras. “O modelo foi feito para chamar a atenção do consumidor. Pensamos em atender a demanda dos cervejeiros artesanais, que buscam oferecer um produto diferenciado, inclusive no tamanho das embalagens (as long necks têm 355 ml)”, explica Melo. A O-I apresentou o conceito da Thick Neck na última edição da Brasil Brau (Feira Internacional de Tecnologia em Cerveja) e a aceitação foi tão positiva que a fabricante decidiu produzir a garrafa. A aposta no novo modelo está alinhada às tendências do mercado cervejeiro, que vem crescendo em variedades de rótulos artesanais, especiais e gourmet. A Thick Neck é uma garrafa standard, que possui modelo padrão e pode ser adotada por uma ou mais marcas. A Cervejaria von Borstel, de Londrina (PR), é uma das primeiras a investir na novidade. “Acabamos de envasar nossa nova cerveja especial com adição de café, a Kaffee Bier, na Thick Neck. Estamos em Londrina, capital mundial do Café, então nada mais apropriado do que lançarmos um rótulo com este sabor. E escolhemos essa garrafa, pois ela apresenta elegância e inovação, o que fortalece nossa imagem e conceito de marca”, afirma Marcus von Borstel, proprietário do negócio.

37


Embalagens inteligentes para alimentos perecíveis Por Claire Sarantopoulos / Luísa Sartori Cofcewicz Embalagens inteligentes monitoram e comunicam informações sobre o conteúdo e o ambiente ao redor de um produto para o consumidor, o varejista e/ou fabricante. Normalmente tratam-se de acessórios incorporados aos materiais de embalagem de produtos perecíveis, na forma de etiquetas ou rótulos. Enquadram-se nessa categoria: indicadores de tempo-temperatura, de temperatura-localização, indicadores de frescor, indicadores de maturação, indicadores e sensores de gases (oxigênio e gás carbônico), indicadores de umidade, de microrganismos, indicadores de tempo de uso, nariz eletrônico (e-nose), etiquetas para rastreabilidade e identificação, sistemas antiviolação/ antifurto/ antifalsificação e inúmeras outras aplicações. Estes acessórios envolvem tecnologias de identificação por rádio frequência (RFID - Radio-Frequency IDentification), tecnologias de comunicação sem fio (NFC- near field communication), eletrônica impressa, códigos para dispositivos móveis (QR code- Quick Response Code), tecnologias de informação e comunicação (ICT- Information and communications technology), biosenssores etc. Certos parâmetros devem ser considerados no desenvolvimento e na especificação de um indicador/sensor inteligente: design compatível com a embalagem, nível de sensibilidade (threshold level) do sensor à substância que se deseja

mensurar ou detectar no alimento, resposta qualitativa e/ou quantitativa, faixa de validade/aplicação do indicador/ sensor que deve estar em concordância com o prazo de validade do produto, controle de reversibilidade e controle de migração. Os indicadores/sensores devem também ser estáveis aos fatores extrínsecos, como possíveis variações de umidade e de temperatura, que possam ocorrer durante o armazenamento e comercialização, que não podem afetar a acuracidade do indicador/sensor. Indicadores de Tempo-Temperatura (ITT) são utilizados para registrar a história térmica e indicar a qualidade, o frescor e a validade de produtos perecíveis durante armazenamento, distribuição e consumo. Mudanças de cor ou de outras propriedades provocadas por variações acumulativas de temperatura, ao longo da vida útil de alimentos e bebidas, permitem que alertas sejam fornecidos de maneira fácil e objetiva através de indicadores inteligentes. Quando aplicados a embalagens de alimentos, os indicadores de tempo-temperatura ajudam o consumidor a julgar a qualidade do produto que ele está comprando. Pode ser considerado como um indicador de frescor. No momento da compra de alimentos perecíveis os consumidores orientam-se pelo prazo de validade impresso na embalagem, porém este prazo estático só é valido se for respeitada a temperatura indicada

pelo fabricante. Quando aplicados a embalagens de alimentos, os indicadores de tempo-temperatura funcionam como uma etiqueta de prazo de validade dinâmico, ajudando o consumidor a avaliar a qualidade real do produto que ele está comprando. O princípio de funcionamento dos diversos tipos de ITT pode ser químico, físico, biológico ou enzimático. Reações de polimerização, alteração da configuração de elétrons e reações de redução são métodos utilizados no desenvolvimento de indicadores de tempo-temperatura com base em princípios químicos. A formação de polidiacetileno (PDA) pela polimerização de monômeros com grupo acetileno é uma reação que tem sua velocidade controlada pela temperatura ambiente. Um exemplo de aplicação desta reação química está no indicador Fresh-Check, TEMPTIME Corporation (Figura 1). Seu design funcional similar a um olho permite que o consumidor logo identifique seu propósito. À medida que a temperatura de armazenamento aumenta e o tempo de prateleira diminui, a cor da circunferência interna da etiqueta escurece gradualmente na mesma velocidade em que o produto perde sua qualidade. No momento em que a cor interna estiver mais escura que a cor da circunferência externa, o produto não estará adequado para o consumo.

Figura 1. Indicador de tempo-temperatura Fresh-Check: etiqueta de prazo de validade dinâmico.

38


O indicador de tempo-temperatura OnVu, comercializado pela FreshPoint, funciona com base na configuração eletrônica molecular da substância química utilizada como indicador. Moléculas fotocrômicas em sua configuração eletrônica original são estáveis a variações térmicas. Contudo, podem ser ativadas

quando expostas à radiação de luz UV em baixas temperaturas e sua configuração eletrônica será alterada. Passam, então, a ser instáveis a variações térmicas. Esta ativação é feita na linha de empacotamento. No estado ativado as moléculas apresentam tonalidade mais escura e, à medida que o alimento passa por

variações térmicas, a cor inicial desvanece até ficar incolor. Para garantir que uma reativação com a luz do sol (UV) não ocorra, um filtro óptico é acoplado à etiqueta. Este indicador é calibrado de acordo com a sensibilidade térmica do produto (Figura 2).

Figura 2. Indicador de tempo-temperatura OnVu: indicador de frescor.

ITT físicos funcionam com base em conceitos de difusão, microeletrônica, atividade de nanopartículas e outros meios. Um indicador físico comercial que funciona via difusão é o Tempix (Figura 3).

A substância que sofre difusão tem formato de uma das barras do código de barras do produto. A última barra do código permanece estável até que determinada temperatura externa seja

atingida, quando, então, ela muda de estado físico, inviabilizando a leitura do código de barras e, consequentemente, a comercialização do produto.

Figura 3. Indicador de tempo- temperatura: aumento de temperatura leva à difusão de substância que afeta leitura do código de barras e impede a compra de produto alterado.

Reações de hidrolise enzimática de um substrato são utilizadas em ITT enzimáticos.

Nessas etiquetas lipases provocam a hidrólise de um substrato lipídico e reduzem o pH do meio.

As etiquetas CheckPoint (Figura 4), desenvolvidas pela Vitsab, são um exemplo.

A acidificação provoca a mudança de cor do centro da etiqueta inteligente, indi-

cando uma alteração na qualidade do alimento. Quanto maior a temperatura maior a velocidade da hidrolise lipídica e, consequentemente, mais rápida a alteração de cor da etiqueta.

Figura 4. ITT CheckPoint: enzima e substrato são mantidos em compartimentos separados até o momento de ativação, quando entram em contato pela quebra mecânica da divisória entre estas substâncias.

39


Um ITT biológico, desenvolvido e patenteado por pesquisadores da Donnguk University industry- Academic Cooperation Foundation, informa o consumidor sobre a história térmica do produto por meio de um código bidimensional, que pode ser escaneado pelo smartphone do consumidor no ponto de venda (Figura 5). Bactérias psicrotró-

ficas que produzem ácido lático ficam retidas em um dos compartimentos da etiqueta. Com o desenvolvimento das bactérias, o ácido proveniente de seu metabolismo provoca uma mudança de pH no indicador, que muda de cor. Como o indicador de pH está posicionado na parte central do código bidimen-

sional (Figura 5), a alteração de cor altera o resultado do escaneamento, que está diretamente relacionado à qualidade do alimento. Como o metabolismo das bactérias é dependente da temperatura, uma variação térmica afeta seu metabolismo e, por consequência, a leitura do código também será afetada.

(a) vista frontal (b) e corte transversal da etiqueta inteligente 1-indicador de tempo-temperatura, 2- nanobeads, 3- substrato bacteriano, 4- camada adesiva, 5- filme de proteção.

Parte central da etiqueta muda de cor em função do tempo e da temperatura, modificando a leitura do código pelo smartphone do consumidor.

Figura 5. ITT biológico: produção de ácido lático por bactéria modifica leitura de código bidimensional impresso na etiqueta inteligente.

O indicador (eO), desenvolvido pela Crylog (Figura 6), que utiliza o mesmo conceito biológico anterior, é formado por pétalas de gel que permitem

o crescimento de microrganismos fermentadores. A mudança de pH, em função do ácido lático produzido durante o crescimento microbiológi-

co, provoca uma alteração da cor da etiqueta, mudando de verde, quando o alimento está bom, para rosa quando houver perda da qualidade.

Figura 6. Indicador biológico de tempo-temperatura: quando a flor estiver verde o produto está fresco.

40


A identificação por radiofreqüência - RFID (radio frequency identification) é um sistema eletrônico que pode registrar informações sobre o tempo e a temperatura ao longo da cadeia logística. Etiquetas de radiofrequência TempTRIP (Figura 7) podem ser coladas em embalagens primárias, secundárias ou terciárias. A leitura destas etiquetas RFID pode ser feita em qualquer ponto da cadeia de distribuição e enviada via Internet ao interessado, para rastrear a localização e a condição do produto. A utilização desse sistema em produtos perecíveis previne que um lote sofra recalls.

Figura 7. Indicadores de temperatura- localização TempTRIP.

Apesar dos indicadores de frescor possuírem funções similares a dos indicadores de tempo-temperatura, esses dispositivos medem direta ou indiretamente a qualidade e o frescor dos produtos. Fatores como natureza do produto, tipo de flora deteriorante, temperatura de estocagem e tipo de embalagem devem ser levados em consideração para

uma escolha adequada do indicador de frescor. A flora microbiana presente em alimentos perecíveis produz substâncias em função de seu metabolismo. Tais substâncias podem ser utilizadas como indicadores do grau de deterioração do alimento, desde que sua produção durante a deterioração seja bem conhecida. Os metabólitos não podem estar

presentes inicialmente no alimento ou, se estiverem presentes, devem apresentar concentração muito baixa. A taxa de produção dos metabólitos em relação à variação térmica do ambiente de armazenamento é outro parâmetro que necessita ser conhecido. São metabólitos potenciais para alimentos perecíveis as seguintes substâncias:

O amadurecimento de frutas e hortaliças está diretamente relacionado à concentração de voláteis orgânicos provenientes das transformações fisiológicas da maturação. Quando frutas e hortaliças são agrupadas em embalagens plásticas, vários compostos orgânicos voláteis

acumulam no espaço livre e podem ser utilizados como um indicador de maturação.

em formato de etiqueta, que facilita a compra de frutas que não tem sua coloração alterada ao longo do amadurecimento, como as peras. O sensor é inicialmente vermelho e gradualmente muda para laranja e por fim torna-se amarelo, à medida que o fruto amadurece.

O indicador ripesense (Figura 8), desenvolvido pelo grupo Jenkins da Nova Zelândia, é um indicador de maturação

Figura 8. Indicador de maturação: ripesense.

41


A redução de espessura de um filme proteico (gelatina) externo à embalagem pode ser um parâmetro utilizado como indicador de qualidade do produto proteico. Bump Mark (Figura 9) foi um projeto desenvolvido pela Solveiga Pakstai-

te Brunel University. Um filme plástico para tampas, contendo rugosidades em sua superfície, recebe uma camada de gelatina de espessura suficiente para uniformizá-lo. Como a degradação da gelatina ocorre do mesmo modo que a

degradação das proteínas da carne, no momento em que as ranhuras do filme puderem ser sentidas pelo tato do consumidor o produto cárneo não estará mais fresco.

Figura 9. Projeto Bump Mark da Solveiga Pakstaite Brunel University.

A produção de metabólitos pela flora do alimento também serve para indicar a possível presença de microrganismos no interior da embalagem. A To-Genkyo desenvolveu uma embalagem inteligen-

te, baseada na reação da amônia, um volátil formado durante a degradação microbiológica da carne, com um indicador, causando uma alteração de cor que impede a leitura do código de bar-

ras impresso na etiqueta, impossibilitando a venda do produto. O formato de ampulheta da etiqueta inteligente leva o consumidor a reconhecer a sua função intuitivamente (Figura 11).

Figura 11. Etiquetas To-Genkyo refletem a qualidade de produtos cárneos em função da concentração de amônia no espaço livre da embalagem.

A dificuldade de manutenção da temperatura em geladeiras convencionais desprovidas de termômetros abriu mercado para o desenvolvimento de Indicadores de tempo de uso, que visam evitar o desperdício de alimentos perecíveis alertando o consumidor sobre quanto

tempo resta para o consumo antes do descarte ser necessário. Com a finalidade de atender o varejista que vende produtos cárneos fatiados na hora a empresa Insignia Technologies desenvolveu a etiqueta Deli Intelligent Labels™ (Figura 12). Após abertura da

Figura 12. Etiqueta Deli Intelligent Labels™.

42

embalagem a vácuo ou com atmosfera modificada, a etiqueta reage com o oxigênio do ar, que altera sua cor até que a tonalidade roxa seja atingida, indicando a perda de qualidade do alimento. A mudança de cor é mais rápida com a elevação da temperatura.


A presença de oxigênio em embalagens pode indicar possíveis violações ou falhas de selagem em embalagens com atmosfera modificada. Por isso foram desenvolvidos indicadores de oxigênio. Muitas aplicações de embalagens com atmosfera modificada visam restringir, mesmo que parcialmente, o contato do

alimento com o oxigênio atmosférico. Caso haja falha na selagem ou no material de embalagem, o produto sofrerá deterioração antes do final do prazo de validade. A UPM comercializa a Shelf Life Guard (Figura 13), uma etiqueta indicadora de oxigênio para produtos em embalagem atmosfera modificada.

A presença da atmosfera modificada sem oxigênio no interior da embalagem mantém a etiqueta incolor, mas eventuais vazamentos ou danos que permitam a entrada de oxigênio faz com que o centro da etiqueta fique azul, alertando o consumidor de uma provável perda de qualidade do alimento.

Figura 13. Etiqueta inteligente que indica presença de oxigênio em embalagens com atmosfera modificada.

A etiqueta Seal Check da Insignia Technologies é outro exemplo de indicador de oxigênio. A entrada deste gás na embalagem provoca o desaparecimento do círculo central amarelado (Figura 14).

Figura 14. A tinta utilizada na impressão por flexografia da etiqueta reage na presença de gases indesejáveis e muda de cor.

LITERATURA CONSULTADA DAY, B. P. F. Active packaging of food. In: KERRY, J.; BUTLER, P. (Ed.). Active packaging of food, in smart packaging technologies for fast moving consumer goods. Chichester, UK: John Wiley & Sons, 2008. Chapter 1, p. 1-18. doi: 10.1002/9780470753699.ch1 HOGAN, S. A.; KERRY, J. P. Smart packaging of meat and poultry products. In: KERRY, J.; BUTLER, P. (Ed.). Active packaging of food, in smart packaging technologies for fast moving consumer goods. Chichester, UK: John Wiley & Sons, 2008. Chapter 3, p. 33-59. doi: 10.1002/9780470753699.ch3 KIM, Y.-T.; KIM, K.; HAN, J. H. AND KIMMEL, R. M. Antimicrobial active packaging for food. In: KERRY, J.; BUTLER, P. (Ed.). Active packaging of food, in smart packaging technologies for fast moving consumer goods. Chichester, UK: John Wiley & Sons, 2008. Chapter 6, p.99-110. doi: 10.1002/9780470753699.ch6 LEE S. J.; JUNG, S. W. Time–temperature indica-

tor, method for manufacturing the time–temperature indicator, quality guarantee system using the time–temperature indicator, and quality guarantee method using the quality guarantee system. International Patent Application WO 002552 A3, 2013. SMOLANDER, M. Freshness indicators for food packaging. In: KERRY, J.; BUTLER, P. (Ed.). Active packaging of food, in smart packaging technologies for fast moving consumer goods. Chichester, UK: John Wiley & Sons, 2008. Chapter 7, p. 111-127. doi: 10.1002/9780470753699.ch7 MOHEBI, E.; MARQUEZ, L. J. Intelligent packaging in meat industry: an overview of existing solutions. Food Science and Technology. v. 52, n. 7, p. 3947-64, Jul. 2015. doi: 10.1007/s13197014-1588-z. Epub 2014 Oct 30. PACQUIT, A.; CROWLEY, K.; DIAMOND, D. Smart packaging technologies for fish and seafood products. In: KERRY, J.; BUTLER, P. (Ed.). Active packaging of food, in smart packaging technologies for fast moving consumer goods. Chichester, UK: John Wiley & Sons, 2008. Chap-

ter 5, p. 75-98. doi: 10.1002/9780470753699. ch5 POÇAS, M. F. F.; DELGADO, T. F.; OLIVEIRA, F. A. R. Smart packaging technologies for fruits and vegetables. In: KERRY, J.; BUTLER, P. (Ed.). Active packaging of food, in smart packaging technologies for fast moving consumer goods. Chichester, UK: John Wiley & Sons, 2008. Chapter 9, p. 109-149. doi: 10.1002/9780470753699. ch9 TAOUKIS, P. S. Application of time–temperature integrators for monitoring and management of perishable product quality in the cold chain. In: KERRY, J.; BUTLER, P. (Ed.). Active packaging of food, in smart packaging technologies for fast moving consumer goods. Chichester, UK: John Wiley & Sons, 2008. Chapter 4, p. 61-74.doi: 10.1002/9780470753699.ch4 WANG, S.; LIU, X.; YANG, M.; ZHANG, Y.; XIANG, K.; TANG, R. Review of time temperature indicators as quality monitors in food packaging. Packag. Technol. Sci., v. 28, n. 10, p. 839-867, 2015. doi:10.1002/pts.2148.

43


PLASMA O agente promotor de adesão que permite substituir materia prima visando redução de custo RESUMO

A tecnologia de plasma já está bem estabelecida como promotor de adesão em peças poliméricas em países como Estados Unidos, Alemanha, França, dentre outros. Aos poucos esta nova tecnologia está ganhando espaço nas indústrias brasileiras. Assim como, sólido, líquido e gasoso, o plasma também é considerado um estado da matéria. Mais precisamente, é denominado o quarto estado da matéria ou um gás ionizado. A justificativa para tal denominação é porque para se gerar plasmas é necessário fornecer energia para um determinado gás e este, se tiver energia suficiente, muda de estado. Para melhor compreensão, o mesmo fenômeno de mudança de estado ocorre ao fornecer energia a um bloco de gelo,

pois este muda para o estado líquido. Portanto, o plasma é um estado extremamente energético e é visto fisicamente em forma de uma tocha fria (30°C) gerado a partir de gases, como por exemplo o ar comprimido - processo sem insumos, solventes e efluentes. Quando esta tocha entra em contato com os materiais, há uma quebra imediata na tensão superficial, permitindo assim, a aplicação de adesivos, selantes ou tintas sem a necessidade de flambagem ou lixamento. Com esta tecnologia, novos campos da engenharia de materiais são abertos, pois além de em alguns casos poder substituir o uso de primers, pode também permitir o uso de polímeros mais baratos, como o polipropeleno, em aplicações onde somente o ABS obteria boa performance na adesão ou pintura.

INTRODUÇÃO

Existem diversos tipos e maneiras de se gerar plasmas, desde os naturais como as auroras boreais que podem ser vistas no céu do extremo hemisfério norte; de formas mais comerciais como as conhecidas “TVs de plasma” ou até mesmo as lâmpadas fluorescentes. Porém, seu uso em processos industriais pode ser utilizando de duas maneiras: (a) vácuo, como na fabricação de componentes da indústria de microeletrônica e algumas técnicas de metalização; ou (b) atmosférico, através de tochas quentes que chegam a temperaturas na ordem de 2500-3000⁰C e são utilizadas para fazer cortes em peças metálicas, ou através das tochas frias (35⁰C) que permitem o pré tratamento de polímeros sem danifacá-los. Esta última, plasmas frios, será a base deste artigo cujos princípios e possíveis aplicações serão discutidos com maiores detalhes.

Figura 1. Bicos aplicadores de plasma. Direita: SURFACE-SAP01, para aplicações de alta precisão. ESQUERDA: SURFACE-SAP02 para uso industrial. Imagem: www.surfacebrasil.com.br

44


Conforme exposto anteriormente, o plasma é um gás ionizado, ou seja, ao fornecer energia para as moléculas ou

átomos do gás perdem um elétron tornando-se radicais positivos. Tanto estes elétrons quanto os radicais possuem

energias suficientes para desestabilizar outras ligações químicas quando encontrarem outras partículas.

Figura 2. Processo de ionização de uma molécula. Ao fornecer energia para o sistema, os elétrons ganham velocidade e são ejetados, dessa forma é formado um radical positivo.

A partir deste momento, uma série de reações em cascata ocorrem quando estes elétrons e radicais encontram os elementos do ar atmosférico. Dessas reações outra série de radicais são formados e recombinados, conforme exemplificado de forma simplificada na figura 3

Desta forma, esta “sopa química” ao encontrar uma superfície, de um plástico por exemplo, fornecerá energia para

Figura 3. Formação de radicais em cascata. Elementos como H2O, N2, CO2 e O2 disponívies no ar formam radicais e recombinam-se entre si.

desequilibrar as moléculas mais superficiais (5 a 10 nm de profundidade) criando novos sitios de ligação química sem

modificar as estruturas internas do material (propriedades mecânicas, elétricas e químicas).

Figura 4. Superfície interagindo com o plasma. Os elementos reativos do plasma rompem as ligações da superfície preparando-a abrindo novas possibilidades de ligação química.

PORQUE PLASMA MELHORA ADESÃO? Para um material (tintas, resinas, adesivos, etc) obter um bom desempenho na adesão de uma superfície são necessárias no mínimo duas condições: (i) área de contato entre a superfície e o mate-

rial que se deseja aderir e (ii) ligações químicas disponíveis para estabelecer as conexões necessárias. A relação destas condições está intimamente ligada a uma regra que todos os materias executam: todo material tende ao seu menor estado de energia em

busca do equilíbrio e alívio de tensões internas. Em outras palavras, materiais que não possuem boas propriedades de adesão significa que suas moléculas se acomodaram química e fisicamente e não possuem mais “interesse” em novas ligações.

45


Portanto, para perturbar este equilíbrio as ligações da superfície precisam ser quebradas para gerar a instabilidade e esta “querer” formar novas ligações para se establizar novamente.

suspensão de particulados, rugosidade, necessidade de recursos humanos e sua consequente insalubridade, necessidade de processo de limpeza posterior, entre outras.

Um método mecânico utilizado para romper as ligações da superfície é o lixamento. Entretanto este método gera alguns efeitos colaterais indesejáveis em um processo produtivo, como por exemplo,

Com a tecnologia de plasma, todos os radicais químicos formados, conforme figura 3, possuem energia suficiente para romper as ligações da superfície gerando a instabilidade necessária para

promover a abertura de novos sítios químicos e obter a adesão. Porém, não apenas abre estas possibilidades de ligação química, mas também reveste a superfície de radicais polares o que implicará em uma molhabilidade superior entre a superfície e o material aderente.

Figura 5. Relação entre molhabilidade e área de contato. Superfície sem exposição ao plasma a relação área real é menor que área útil. Já para superfícies tratadas com o plasma a área real é próxima da área útil. Esta característica de molhabilidade é o reflexo da quebra de tensão superficial residual do material, com isto, o material aderente percorre mais intimamente as microestruturas (rugosidade) da superfí-

cie. Este efeito pode ser facilmente percebido na figura 6 quando uma gota de tinta é posicionada sobre a face superior de uma fita adesiva do tipo ‘crepe’ que é revestida com um material anti-aderente.

Pode ser observado que o poder de atração da nova superfície após o plasma é tão intenso que a gota de tinta se espalha completamente, diferentemente, da superfície com baixo poder de atração.

Figura 6. Quebra de tensão superficial. Sem a aplicação do plasma o escoamento de uma gota de tinta base água não é completo, porém após a exposição ao plasma, o espalhamento é completo. COMO UTILIZAR A TECNOLOGIA EM PROCESSOS INDUSTRIAIS? O plasma pode ser inserido em processos industriais de forma contínua e, preferencialmente, imediatamente antes do processo de recobrimento, seja este adesivo ou tinta. Por exemplo, em aplicações de adesivos, um bico aplicador conforme ilustrado na figura 1, pode ser

46

fixado com o auxílio de um suporte ao mesmo braço robótico, pois o mesmo trajeto percorrido pelo plasma sobre uma determinada superfície, a dosadora de adesivos irá percorrer. Desta forma, o plasma irá ativar a superfície e sequencialmente, esta superfície irá receber o adesivo. É possível também associar paralela-

mente bicos aplicadores de plasma sobre um cabeçote, para formar uma espécie de “pente”. Com esta associação é possível tratar superfícies com áreas maiores (1 a 2 metros), por exemplo, chapas de aço galvanizado ou fibra de vidro - clássica aplicação na produção de paineis. Em processos que utilizam esteiras em


linhas de montagem, serigrafia, etiquetas ou aplicação de adesivos, pode-se posicionar cabeçotes de plasma com

capacidade de tratamento de 15 a 20 cm na lateral de esteiras ou associados em túnel para promover o tratamento

superficial.

Figura 7. Associação de bicos de plasma permitem a formação de um túnel sobre as superfícies ou uma coluna para tratamento de superfíces verticais. Imagem: www.surfacebrasil.com.br EFEITOS DO PLASMA NA ADESÃO DE EMBALAGENS DE PAPELCARTÃO Um dos desejos mais francos da indústria é otimizar seus processos industriais a fim de reduzir custos. Isto pode ser promovido através de, basicamente, três açoes: (i) substituir substratos por novos materiais de custo otimizado, (ii) reduzir etapas/consumo de um processo ou (iii) substituir um consumível, adesivo por exemplo, por outro com custo menor.

crítica à adesão devido aos tratamentos que o papel recebe. Para contornar esta dificuldade, a indústria utiliza adesivos da família Hot Melt (basicamente resinas termoplásticas) que não possuem solventes - componentes voláteis (VOCs) e o tempo de cura confortável para as velocidades que o processo exige. Entretanto, existem outras tecnologias de adesivos que exibem menor custo e por se tratar de uma superfície crítica não encontram espaço.

O plasma vai ao encontro direto às estas três diretrizes. Por exemplo, indústrias que utilizam papelcartão com boas propriedades de barreira de umidade (impedem a absorção de água), em contrapartida, apresentam uma superfície mais

Com a modificação de superfícies por plasma atmosférico, esta substituição torna-se possível, pois as novas propriedades da superfície do papelcartão são otimizadas para a adesão. Logo, abre-se campo para adesivos base água do tipo

PVA (Acetato de polivinila), por exemplo. Para comprovar as condições acima citadas, ensaiou-se amostras de papelcartão para uso alimentício congelado com tração e envelhecimento térmico, a fim de explorar o tipo de falha após o tratamento com plasma, conforme ilustrado na figura 8. As amostras foram tratadas, adesivadas com PVA e divididas em três grupos: (a) repouso de 500 horas em temperatura ambiente - 20°C/50% umidade; (b) repouso de 500 horas em estufa 80°C e (c) repouso de 500 horas em câmara fria a -10°C. Após submetidas ao stress, todas as amostras atingiram o equilíbrio térmico em temperatura ambiente (20°C/50% umidade) por 170 horas.

Figura 8. Falha coesiva em 100% das amostras. Teste de tração do papelcartão adesivado com PVA após envelhecimento térmico. Em (a) repouso de 500 horas em temperatura ambiente 20°C/50% umidade; (b) repouso de 500 horas em estufa 80°C e (c) repouso de 500 horas em câmara fria a -10°C. EFEITOS DO PLASMA NA IMPRESSÃO COM JATO DE TINTAS Impressoras que utilizam tecnologia jato de tinta são equipamentos utilizados

pela indústria, em geral, para imprimir datas, códigos e lotes. Estas, possuem uma série de configurações como por exemplo, controle de pixels (ou pontos)

de impressão. Conforme citado anteriormente no texto, o plasma deixa as superfícies mais ‘molháveis’ à tintas (vide figura 6).

47


Figura 9. Otimização de tinta em impressões a jato de tinta. Em (a), uma superfície que não recebeu tratamento a plasma e em (b) uma superfície tratada com plasma. Devido à maior molhabilidade do material uma gota se espalha mais em (b) do que em (a).

Portanto, a mesma gota ejetada do cabeçote da impressora ao atingir a superfície a ser pintada abrange uma área maior. Este efeito permite aumentar os espaços entre um ponto e outro através da configuração do equipamento de impressão sem alterar a sensação de qualidade (figura 9). Em outras palavras, uma menor quantidade de tinta resulta na mesma qualidade de impressão. Entretanto, se o substrato não é favorável à adesão de tintas, com as novas propriedades torna-se viável, como o caso de embalagens de polipropileno, por exemplo. CONCLUSÃO O plasma é uma tecnologia nova que é capaz de alterar as propriedades químicas das superfícies sem alterar as propriedades do substrato. Para processos industriais, é especialmente interessante, pois não requer insumos além de energia elétrica e ar comprimido, desta forma, torna-se uma tecnologia que não produz efluentes tóxicos caracterizando-a uma tecnologia verde. Pode ser utilizado como processo de pré

48

tratamento para melhorar as propriedades de adesão em substratos com baixa energia superficial. Para isto, deve-se expor o material que se deseja ter sua superfície ativada por poucos segundos ao plasma, e sequencialmente, aplicar o revestimento desejado (tinta ou adesivo). Desta mesma maneira, abre-se oportunidade para inserção de materiais de menor custo em aplicações de alta performance, como o caso estudado, a substituição de adesivos, ou otimizar o uso da tinta em processos de impressão de datas e informações. SOBRE O AUTOR Bruno Bellotti Lopes é Engenheiro de Controle e Automação, mestre em Ciência e Tecnologia de Materiais e doutorando em equipamentos de plasma de alta precisão na UNICAMP. Atualmente, além de professor é gestor de Engenharia de Plasmas na Surface Brasil LTDA e membro executivo da rede de tecnologia de plasmas com base na Alemanha, a BALTICNET. Contatos: bruno@surfacebrasil.com.br www.surfacebrasil.com.br


Laborprint potencializa e renova seu parque tecnológico com Agility Networks Integradora implementou na Gráfica e Editora storage da NetApp, virtualização da VMware e firewall da Palo Alto Networks

A Agility Networks, integradora brasileira especializada em soluções de segurança, data center e entrega de aplicações, foi a integradora responsável pela atualização tecnológica do parque industrial da Laborprint Indústria Gráfica e Editora, uma das maiores gráficas nacionais, com 1.000 clientes em todo o Brasil e 300 funcionários. Por ter uma carteira de clientes com regras rígidas de governança, compliance e segurança, entre os quais destacam-se Bancos e Redes Varejistas, a Laborprint é periodicamente auditada e avaliada. Um dos pontos mais verificados é a segurança da infraestrutura de TI. “A auditoria exige performance superior dos equipamentos e de todo ambiente”, conta Marcelo Martinez, CEO da Laborprint. O executivo explica que a empresa já contava com uma infraestrutura diferenciada, mas a atualização seria um passo além para a Laborprint fornecer aos clientes um ambiente ainda mais seguro com contingência de máquinas, software, escalabilidade e performance. A atualização tecnológica destacou três frentes: armazenamento, virtualização e segurança. Com o storage anterior próximo do fim de sua vida útil e com sua capacidade de armazenamento quase esgotada, a implementação aconteceu em maio de 2014 com novo storage da NetApp, mais robusto e com 15 terabytes - dobro da capacidade de armazenamento do modelo anterior. Além disso, dados estratégicos da Laborprint estavam espalhados pela empresa, e a solução de armazenamento

da NetApp centralizou tudo em um único local, trazendo facilidade de acesso, economia de 20% do espaço dos storages, além da compactação e eliminação da duplicidade de arquivos. Dois meses depois, em julho, iniciou-se a implementação da virtualização com WMware. A Laborprint tinha, na época, 13 máquinas físicas que geravam alto custo de energia e estavam ficando obsoletas e sem escalabilidade; em caso de falha, o custo de manutenção seria alto, além do tempo sem operação. Dessas 13 máquinas, restaram apenas cinco, todas as outras foram virtualizadas com VMware. A mudança trouxe ganho de espaço, performance, escala, disponibilidade e economia de energia. O objetivo da Laborprint é reduzir para apenas três máquinas físicas mais modernas até o final do ano. A virtualização foi uma quebra de paradigma para a empresa porque a equipe de TI tinha receio de que a performance e disponibilidade fossem comprometidas. “A experiência e o conhecimento da Agility foram fundamentais para a mudança”, diz o CEO da Laborprint. A atualização da parte de segurança deu-se no início de 2016, com a aquisição do firewall de última geração da Palo Alto Networks, que permite controle total e pontual do ambiente. Os equipamentos antigos não acionavam o DR (Disaster Recovery) e os dois links de 50 megabytes ficavam saturados rapidamente; além disso, havia a demanda de segurança por conta da auditoria de alguns dos clientes da Laborprint, tanto de

tráfego quanto de armazenamento, em função do envio de material confidencial via VPN para impressão. A plataforma da Palo Alto Networks solucionou essas questões e ainda trouxe um ganho de 25 % de velocidade de acesso. Hoje, a Laborprint possui redes segredadas só para trabalhar com dados confidenciais dos bancos, sem custo adicional e sem compra extra de hardware. “Nada é feito manualmente. O envio de arquivos é 100% automatizado”, conta Martinez. A parceria entre a Agility Networks e a Laborprint completa dez anos em 2016 e, além da implantação das tecnologias da NetApp, VMware e Palo Alto, a integradora é responsável pelo suporte técnico em níveis 1 e 3 da indústria gráfica. “A Agility é meu braço de TI”, diz Martinez. “Não compramos só produto. Compramos confiança e tranquilidade na consultoria, instalação, pós-venda e suporte”, completa. Após as mudanças dos últimos dois anos, o CEO da Laborprint diz já saber para onde quer ir. “Estamos discutindo com a Agility a próxima etapa, que inclui novo nível de suporte e maior estruturação da empresa, não só em relação às máquinas, mas em relação aos processos. Estamos apostando muito no SaaS, com cada vez menos máquinas e cada vez mais soluções na nuvem”, revela, acrescentando que deseja preparar a empresa não só com tecnologia, mas com equipe e ambiente alinhados para atender aos desafiadores negócios que estão por vir.

49


FCE Pharma, FCE Cosmetique e POWTECH Brasil reforçam posição de referência para profissionais em 2016 21ª Edição celebra seu sucesso superando expectativas de visitação qualificada e conteúdo inovador agregado em seus congressos e espaços

A FCE Pharma, FCE Cosmetique e POWTECH Brasil celebraram mais uma edição de sucesso, que ocorreu entre 10 e 12 de maio no Transamerica Expo Center, em São Paulo. Com um perfil de público de alto nível de qualificação e poder decisório, incluindo representantes de importantes marcas como Hypermarcas, Eurofarma, Natura e L’Oréal, 14.137 visitas foram registradas nesta edição, 44% dos quais com perfil de tomadores de decisão como presidentes, vice-presidentes, diretores e sócios proprietários de revendas do País e do exterior. Entre os três eventos, que ocorrem paralelamente a cada ano em São Paulo,

50

500 marcas expuseram seus principais lançamentos e inovações. “Acreditamos que as feiras de negócio têm valor estratégico em momentos econômicos como este, por promoverem desenvolvimento de negócios e troca de melhores práticas entre profissionais do mercado e também entre as empresas. Por isso, desenvolvemos novos formatos de compartilhamento de conhecimento,” explica Ligia Amorim, diretora geral da NürnbergMesse Brasil. A FCE Cosmetique ofereceu formatos diferenciados em seu Circuito do Conhecimento e Inovação, que combinou a Arena do Conhecimento, um auditório

aberto ao público que apresenta palestras voltadas à inovação, tendências e lançamentos do setor, a 29ª edição do Congresso Brasileiro de Cosmetologia, a área de trabalhos científicos em formato de e-pôsteres e a FCE Innovation Area, um espaço desenvolvido para aproximar diferentes núcleos de inovação existentes no Brasil com as principais indústrias e profissionais do setor. Nessa primeira edição contou com a parceria do Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT) Mantiqueira - um arranjo de NITs das Instituições de Pesquisa do Estado de São Paulo e sul de Minas Gerais, ligado à Subsecretaria de Coordenação das Unidades de Pesquisa (SCUP) do Ministério


da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) do governo federal, proporcionou aos visitantes e expositores a experiência única de se relacionar com o que há na vanguarda das pesquisas para o setor cosmético. Para a FCE Pharma, a experiência do evento foi complementada pela International Pharmaceutical Technology Conference, inédita no país, que em parceria com a International Association for Pharmaceutical Technology (APV), reuniu palestrantes brasileiros e internacionais para discutir o desenvolvimento de inovações e diretrizes avançadas para a área de farmacologia com foco na produção de medicamentos e cosméticos. Também foi promovida a Rodada de Negócios Apex-Brasil/Abiquifi, realizada pela Associação Brasileira da Indústria Farmoquímica e de Insumos Farmacêuticos (Abiquifi) em parceria com a Agência Brasileira de Promoção das Exportações e Investimentos (Apex -Brasil), parte do “Projeto Comprador”, um encontro promovido no Brasil entre

empresários brasileiros ofertantes de produtos e serviços e compradores estrangeiros. Outra novidade foi a realização do I Simpósio FCE-ANF de Inovação Farmacêutica 2016, em parceria com a ANF – Associação Nacional de Farmácia, na qual ocorreram discussões sobre a inovação no segmento farmacêutico com palestrantes de renome, como: Dr. Lauro Moretto - presidente da ANF; Dr. Dirceu Barbano - Ex-Diretor Presidente da ANVISA; Dr. Leonardo Teixeira da Silva; CEO - ICF – Instituto de Ciências Farmacêuticas, entre outros. Pela primeira vez com um espaço de exposição, a POWTECH Brasil se estabeleceu como o principal espaço para visitantes conhecerem as ferramentas, tecnologias e tendências mundiais em análise e manuseio para sólidos secos a granel para a fabricação de medicamentos sólidos, semissólidos e líquidos, englobando os setores farmacêutico, cosmético alimentício e químico, entre outros. O espaço complementou o conteúdo coberto nas palestras gratuitas,

presentes pelo terceiro ano no evento. Ministradas no Auditório POWTECH Brasil, tiveram a presença cerca de 300 profissionais que puderam aproveitar o conteúdo dividido em níveis de especialização. “Agradecemos aos expositores, parceiros e visitantes por mais uma bem sucedida edição deste evento, já tradicional para o mercado brasileiro e que há mais de duas décadas promove um espaço com o potencial de impulsionar o mercado. Observamos nos três dias oportunidades de negócios diversas, e continuaremos a buscar novas formas de impactar positivamente empresas e profissionais”, completa Ligia. Programe-se para a 22ª edição da FCE Pharma, FCE Cosmetique e POWTECH Brasil, que acontecerá nos dias 23 a 25 de maio de 2017, no São Paulo Expo Exhibition & Convention Center, um novo espaço preparado para continuar o legado de inovação e profissionalização construído pelos eventos.

51


Na Fispal Tecnologia robôs e soluções inovadoras mostram como otimizar produção e potencializar resultados do setor de bebidas e alimentos Ao longo dos quatro dias da Fispal Tecnologia o visitante vai encontrar robôs, soluções inteligentes e novas tecnologias que revolucionam o processo produtivo, viabilizam a confecção de produtos inovadores, sustentáveis e funcionais com menor custo e tempo de fabricação

Imagine um rebanho de ovelhas sendo pastoreadas por um drone? E porque não pensar em vacas sendo ordenhadas por robôs? Estes são casos reais que mostram a evolução da robotização nos processos produtivos, seja de um pequeno produtor ou de uma grande indústria. Soluções tecnológicas similares a essas e diversas outras máquinas e produtos inovadores estarão presentes na Fispal Tecnologia - Feira Internacional de Processos, Embalagens e Logística para as Indústrias de Alimentos e Bebidas, o maior e mais completo evento do setor na América Latina. Depois de reunir 52 mil visitantes qualificados e 12 países expositores no ano passado, a edição de 2016, que acontece entre os dias 14 e 17 de junho, no Pavilhão de Exposições do Anhembi, em São Paulo, já tem mais de 2 mil marcas. De grandes empresas à micro e pequenas fabricantes, a Fispal Tecnologia é palco para a realização de negócios e networking entre compradores dos

52

setores da indústria de alimentos e bebidas, química e fármaco, e os fornecedores nacionais e internacionais de máquinas, softwares, automação, rótulos, balanças, processadores até empilhadeiras, esteiras e sistemas de transporte, entre outros produtos. “A feira reunirá empresários, executivos e profissionais de toda cadeia produtiva das indústrias de alimentos e bebidas.

Neste ambiente, serão demonstrados produtos e serviços inovadores, sustentáveis, alinhados com o conceito de menor custo. Conhecimento, soluções, tendências, concretização de negócios e networking, tudo em um só lugar. Por isso a Fispal Tecnologia é o evento mais importante e completo do setor na América Latina”, ressalta Hercules Ricco, show manager da feira.


O evento estimula ainda a troca de experiências e o aperfeiçoamento profissional por meio de palestras sobre os novos caminhos do setor. O ITAL - Instituto de Tecnologia de Alimentos abordará o tema “Tendências em Proteínas Animais, Produtos Lácteos e Cárneos”. Temas como “Segurança na produção de alimentos na indústria” e “Gestão Industrial para redução de cus-

tos” também fazem parte da programação. Organizado e promovido pela Informa Exhibitions, a Fispal Tecnologia tem o apoio das principais entidades do setor, como ABIAD - Associação Brasileira da Indústria de Alimentos para Fins Especiais e Congêneres, ABIAM - Associação Brasileira da Indústria e Comércio de Ingredientes e Aditivos para Alimentos,

ABIPET - Associação Brasileira da Indústria do PET, ABIVIDRO - Associação Técnica Brasileira das Indústrias Automáticas de Vidro, ABRE - Associação Brasileira Embalagem, ABIMAQ - Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos, ABIEC- Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes, Food Safety Brazil e CervBrasil - Associação Brasileira da Indústria de Bebidas

53


Quem foi, aprovou Dos 52 mil visitantes que estiveram na edição 2015 da Fispal, 82 % consideram que a feira atingiu ou superou suas expectativas. Mais de 90% apontaram a Fispal como o melhor evento do setor e que pretendem participar novamente este ano. Os dados foram colhidos pós evento pelo Fusion Communications, instituto britânico de pesquisa. O credenciamento para a edição deste ano já está aberto no site: www.fispaltecnologia.com.br. Profissionais do setor tem gratuidade na inscrição.

Serviço: Fispal Tecnologia - 32ª Feira Internacional de Processos, Embalagens e Logística para as Indústrias de Alimentos e Bebidas Data: 14 a 17 de junho de 2016 Horário: 13h às 20h Local: Pavilhão do Anhembi - Av. Olavo Fontoura 1.209, Santana - São Paulo/SP. Você pode conferir a cobertura da feira no site da revista: www.embalagemetecnologia.com.br Fotos: Editora Casa Grande

54


55


Foto: NewTrade

56


Envase Brasil | Brasil Alimenta 2016 abre as portas para bons negócios nos setores de alimentos e bebidas A Envase Brasil | Brasil Alimenta abriu oficialmente na noite do dia 26 abril, com a presença de autoridades, expositores, visitantes e demais profissionais ligados aos setores de alimentos e bebidas. O Pavilhão E do Parque de Eventos de Bento Gonçalves foi palco, até o dia 29, de novas tecnologias, produtos e serviços nos segmentos de vinho e espumante, suco, refrigerante, cerveja, água mineral, cachaça e destilados, laticínios e derivados, além de novidades e equipamentos para a cadeia de alimentos. Também foram programadas mais de 30 palestras paralelamente às feiras. Com o lema ‘O encontro que faz o seu negócio girar’, a Envase Brasil | Brasil Alimenta esperou movimentar até R$ 100 milhões em negócios com a participação de cerca de 200 empresas expositoras de oito estados brasileiros e 12 países. Diariamente os mais de 12 mil visitantes aguardados conferiram as novidades no setor de bebidas em geral e para a industrialização, processamento e abastecimento de alimentos, com ênfase nas embalagens e logística. Em seu pronunciamento de boas-vindas, Vicente Puerta, presidente da Envase Brasil | Brasil Alimenta, ressaltou a enorme satisfação de verificar o crescimento da feira em um momento econômico difícil, com empreendedores otimistas. “É muito bom verificar que existe uma visão positiva para fechar bons negócios, com novas perspectivas, a exemplo do lançamento da safra 2016 de azeites gaúchos aqui na feira. São produtores gaúchos ousando, inovando, a prova de que o empresário precisa acreditar, apostar, trabalhar. A proposta da feira é justamente de negócios, relacionamentos, trabalhar a organização da cadeia de bebidas e alimentos. O futuro não se prevê, prepara-se”, ressaltou Puerta.

Apesar do difícil momento político, econômico do país e das dificuldades vividas pela vitivinicultura em função da quebra de safra da uva, Dirceu Scottá, presidente do Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin) e da União Brasileira de Vitivinicultura (Uvibra), parabenizou a organização do evento por conseguir atender as demandas desde o produtor até a indústria. “A feira traz o que há de mais moderno em tecnologia, inovação e para minha surpresa neste ano temos a inclusão do azeite gaúcho, que, para mim, é um dos melhores no mundo”, comentou. Destacando que a Envase Brasil | Brasil Alimenta é um das principais feiras do Sul do Brasil, Wlademir Dall Bosco, presidente da Associação das Pequenas Indústrias de Laticínios do Rio Grande do Sul (Apil/RS), agradeceu a parceira com a feira. “É muito importante para o Estado uma feira que demonstre tudo aquilo que produzimos e podemos apresentar para o setor agroindustrial por meio das empresas e também com a realização do 3º Encontro Latino-americano de Pequenas e Médias Empresas de Laticínios (Pmes Lácteas)”. Ousadia foi a palavra exaltada por Cecília Agradi, diretora da Portal Lechero. “Parabenizo às empresas que estão apostando na feira e na realização do 3º Encontro Latino-americano de Pequenas e Médias Empresas de Laticínios (Pmes Lácteas), em especial de laticínios, que ajudam a movimentar a economia nas pequenas cidades e são importantes para manter os jovens no interior. Para nós é um grande desafio trazer esse evento para o Brasil com uma agenda tão completa”. Silvio Pasin, secretário de Desenvolvimento Econômico de Bento Gonçalves, lembrou dos desafios enfrentados no passado pela Envase Brasil | Brasil Alimenta. Há 15 anos discutíamos como buscar novos mercados do vinho no

Brasil e hoje o foco é como prospectar mais mercados internacionais. Isso faz parte do histórico da feira que apostou no RS, em Bento Gonçalves e no setor vitivinícola. A cada ano o evento traz novidades e, neste ano o setor leiteiro, que é tão importante para o nosso Estado, para as famílias gaúchas, está aqui presente. Bento Gonçalves avança porque feiras como a Envase Brasil | Brasil Alimenta agregam muito à cidade”. Para Tarcísio Minetto, secretário de Estado de Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo, a feira é a oportunidade de avançar, superar dificuldades, buscar novos desafios, do dinamismo. “Todo empreendedor que pensa em avançar precisa buscar novas tecnologias, inovaçõe e processos que resultarão em um ganho de produtividade. Tanto a Envase Brasil | Brasil Alimenta quanto o 3º Encontro Latino-americano de Pmes Lácteas são fundamentais para esse avanço”, concluiu. Para a realização da 12ª Envase Brasil | Brasil Alimenta foram firmadas importantes parcerias para desenvolver um programa de ações que possibilitem o alinhamento profissional e focado na geração de relacionamentos e negócios antes, durante e pós-evento. Estão sendo desenvolvidas ações com as seguintes entidades: Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos (Abimaq); Associação Brasileira de Bebidas (Abrabe); Associação das Pequenas Indústrias de Laticínios do Estado do Rio Grande do Sul (ApilRS); Associação Gaúcha de Empresas Envasadoras de Água Mineral (Agedam); Sindicato da Indústria da Alimentação de Bento Gonçalves (Sindal BG); Sindicato das Empresas de Gastronomia e Hotelaria da Região Uva e Vinho (Segh); Prefeitura de Bento Gonçalves e Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin).

57


Envase Brasil e Brasil Alimenta ajuda a espantar a crise no setor de alimentos e bebidas Feira aconteceu de 26 a 29 de abril e 10 mil pessoas foram em busca de novidades em tecnologia e conhecimento O lema da 12ª Envase Brasil | Brasil Alimenta ‘O encontro que faz seu negócio girar’ foi levado a sério pelas 10 mil pessoas que passaram pelo Pavilhão E do Parque de Eventos, em Bento Gonçalves (RS) de 26 a 29 de abril. Os quase 200 expositores e as mais de 30 palestras à disposição e a qualidade dos palestrantes e do público visitante surpreendeu a organização do evento. Tecnologia, produtos e serviços nos segmentos de vinho e espumante, suco, refrigerante, cerveja, água mineral, cachaça e destilados, laticínios e derivados puderam ser conferidos nos quatro dias de feira. Neste ano, a feira também focou em agendas setoriais e prospecção de eventos paralelos. Exemplo disso foi a realização do 3º Encontro Latino-americano de Pymes Lácteas, que reuniu representantes de diversos países, assim como o lançamento da Safra 2016 do Azeite Gaúcho pela Câmara Setorial de Oliveiras. Entidades também aproveitaram o evento para promover assembléias e reuniões com seus associados e diretorias. “Houve uma motivação maior para o encontro tanto por parte dos expositores em apresentar seus produtos quanto dos visitantes em prestigiar e conhecer o trabalho. Destaque para alguns eventos paralelos que refletiu na presença de um público diferenciado e especializado”, ressalta Vicente Puerta, presidente da Envase Brasil | Brasil Alimenta. Todos esses elementos refletiram em resultados positivos, como é o caso da Japa Componentes, de Garibaldi (RS). Para os empresários Jamir e Paulo Weber, a expectativa é ainda maior no pósfeira. “Estamos otimistas e acreditamos que em breve vamos superar em quatro vezes os R$ 2 milhões em negócios fechados durante a feira”, comemora Jamir. Durante o evento foram vendidas três linhas de engarrafamento para cerveja e uma para suco e uma cozinha completa para cervejaria. “Sentimos

58

bastante o encolhimento nos negócios nos últimos anos, por isso acreditamos que a feira seria o local ideal para prospecção”, comentou Paulo. Da mesma forma, Alessandro Figueiredo, da AGM Máquinas, comemora as vendas que atingiram R$ 500 mil com a venda de tanques de aço inox, cozinhas e filtros para cerveja. “Estamos há nove anos no mercado e participamos das últimas três edições da feira e nos surpreendemos com as vendas em função do atual momento econômico”, destacou Figueiredo. A Rodada de Negócios do Sebrae atraiu mais de 100 empresas, entre grandes, médias e pequenas dos segmentos de gastronomia, vinícola, agronegócio, móveis no dia 27 de abril. Das 14h30 às 17h, empresários tiveram a oportunidade de formar parcerias e ampliar as possibilidades de interação comercial. De acordo com Gustavo Rech, gestor de Projetos do Sebrae, foi uma tarde muito proveitosa em que possibilitou aos empresários, além de estreitar o vínculo entre empresas, uma visita à feira. A Envase Brasil | Brasil Alimenta também proporcionou, diariamente, das 17h às 21h, uma degustação temática de queijos e produtos dos laticínios gaúchos no

Espaço Queijos & Cia, com o objetivo de mostrar a riqueza de oferta de produtos no RS. Foi possível congregar centenas de pessoas do trade gastronômico, que incluiu profissionais da cadeia de abastecimento e da gastronomia, compradores de vários segmentos da área de A&B, hotéis, restaurantes, pizzarias, cozinhas industriais. Junto com as degustações, a cada dia ocorreu harmonização com bebidas distintas, sendo escolhidos vinhos, destilados, cervejas e espumantes. Puerta ressalta que a feira foi na contramão da crise, proporcionando aos empresários uma alternativa de novas oportunidades e mercados. “Estamos satisfeitos com o que proporcionamos a nossos clientes e com os resultados obtidos por eles, apesar de um período turbulento político e econômico do país. Sem dúvida, saímos fortalecidos e esperamos que em 2018, na próxima edição da feira, tenhamos um cenário mais positivo e, assim, proporcionarmos ainda mais condições de negócios”, finaliza. A próxima edição da Envase Brasil | Brasil Alimenta já está confirmada e tem data definida para 2018, acontecerá de 24 a 27 de abril no Parque de Eventos, em Bento Gonçalves (RS).


Mercado cervejeiro e as alternativas contra a crise durante a Envase Brasil Foto: NewTrade

Novidades, criatividade e histórias de sucesso marcaram encontro de uma área que não para de crescer no Brasil

A tarde da quinta-feira, dia 28, foi muito especial na Envase Brasil | Brasil Alimenta 2016. Isso porque, durante o ciclo de palestras Envase Experience – Falando de Cerveja, muitas novidades foram apresentadas a futuros empreendedores e apaixonados por cervejas. Na primeira exposição da tarde, Leo Arthur Sassen contou a história da Cervejaria Continental, trocando experiências e narrando a saga de Georg Ritter, que aprendeu a fazer cerveja na Alemanha. Inicialmente, era uma bebida com alto teor de fermentação e na época era conhecida como Cerveja Ritter. De maneira simples e descontraída, o palestrante ainda narrou os problemas dos cervejeiros nas guerras mundiais e inclusive as perseguições sofridas pelos descendentes de alemães durante os conflitos bélicos de proporções globais. No que diz respeito à Cervejaria Continental, as famílias Ritter-Becker-Sassen formaram o núcleo cervejeiro. Na segunda palestra da tarde, Rodrigo Ferraro, empresário do setor desde o ano de 2008 destacou a importância de se buscar alternativas e qualificar o atendimento aos clientes em tempos de crise. “Eu acredito que momentos como este que vivemos hoje em termos de

país acabam sendo uma grande oportunidade para que façamos algo diferenciado, nos consolidando no mercado e gerando grandes oportunidades”, destacou. Ferraro lembrou que os empresários do setor cervejeiro enfrentam dificuldades com a questão dos impostos desde o século XIX. Porém, isso não foi motivo para que o mercado freasse sua expansão no Brasil. “Temos hoje no Brasil as grandes empresas multinacionais, mas também temos as microcervejarias que apresentam um produto de qualidade e estão em pleno crescimento. Um dos exemplos que ficamos orgulhosos de citar é o de nossa empresa. Iniciamos fabricando cerveja por hobby. Posteriormente decidimos investir nisto como um negócio, o que nos obrigou a buscar qualificação e estrutura”, explicou. Ferraro conta que sua empresa iniciou os trabalhos de forma modesta, buscando dar destaque à qualidade dos produtos, serviços e à geração de mais oportunidades. “Quando realmente resolvemos iniciar no ramo cervejeiro como um negócio, começamos a estudar consumidores de bares, restaurantes, pubs, para identificar que tipo de material estas pessoas buscavam, para que pudéssemos desenvolver o nosso produto. E conseguimos. Inicialmente, começamos com a produção de 2000 litros de cerveja por mês. Hoje, já chegamos à marca dos 25 mil litros mensais. O segredo para se alcançar o sucesso é gestão. E esta é trabalhada deste o setor passando pelo marketing e por todas as repartições da empresa. A Fábrica é toda controlada, os funcionários recebem

treinamentos, pois o nosso colaborador está inserido em um contexto e ele necessita ter um conhecimento global, para que então tenha a noção de um desenvolvimento pleno do produto e não apenas de como funciona a estação em que ele trabalha. De acordo com dados da Associação Brasileira da Indústria da Cerveja (CervBrasil), o setor cervejeiro brasileiro produziu em 2015 cerca de 13,8 bilhões de litros da bebida, ocupando a terceira posição no ranking mundial de produção, com mais de mil rótulos, e atrás apenas dos Estados Unidos e China. O crescente mercado das cervejas artesanais tem mostrado um novo padrão de consumo da bebida, apontando oportunidades para a cadeia produtiva e fornecedores desse segmento. Osmar Bottega, diretor executivo da Envase Brasil | Brasil Alimenta, destaca que as feiras estão proporcionando boas experiências aos participantes do setor cervejeiro. “Envase Experience - Falando de Cervejas está trazendo o relato de empreendedores do setor. Jovens que estão aproveitando o crescimento do consumo nesse segmento e dando uma aula de criatividade e abordagem de mercado. Sem dúvida alguma, não só os profissionais e interessados do setor de cerveja deveriam participar, mas profissionais de outras indústrias de bebidas também, pela riqueza de informações e experiências”, ressalta. O mercado cervejeiro caracteriza-se pela competitividade e por ser concentrado, já que há o registro de 50 fábricas e de pelo menos 270 microcervejarias, essas últimas respondem por mais de 70 milhões de litros de cervejas especiais. Dentro desse grande mercado, as cervejas artesanais correspondem a menos de 1% do total de vendas e a expectativa é que ele cresça até 2% nos próximos 10 anos.

59


60

Embalagem & Tecnologia Nº27  

A revista do setor de embalagem

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you